Bom dia, Guto (com os melhores lances de Náutico 0 x 1 Inter)

O Inter venceu o Náutico ontem à tarde e segue líder da Série B após 25 rodadas. Faltam 13 para terminar a Série B. Temos 48 pontos, a mesma pontuação do América-MG, mas com mais vitórias, 14 contra 13. Agora, estamos a 7 pontos do 5º lugar, o primeiro a não subir para a Série A. A prova de que a B é uma barbada é a forma insatisfatória com que temos atuado, normalmente com sucesso. Em condições normais, era para termos vencido a partida de ontem por 4 ou 5 gols de diferença — tal a ruindade do Náutico –, mas foi um jogo duro por culpa de um esquema de jogo tolo.

Damião: jogando muito e salvando a pele de Guto Ferreira | Foto: Ricardo Duarte

Damião: jogando muito e salvando a pele de Guto Ferreira | Foto: Ricardo Duarte

Que coisa horrível nossa atuação ontem à tarde em Caruaru, Guto. O Náutico na Zona de Rebaixamento da B e nós jogando com três volantes. Eu não sei quando acabará o sofrimento dos colorados. Subir será fácil, mas como não manteremos na A se somos geridos por gente medrosa, que pensa pequeno? Começamos a partida indo pra cima, depois deixamos um time mais fraco tecnicamente gostar do jogo. Estávamos nos impondo, mas recuamos quando Gutiérrez concluiu que estava fora do lugar, muito à frente… O cara é volante, não é e não será armador, Guto. E nos tornamos novamente o time que jogou contra o Juventude, com ousadia zero, criatividade zero. Estou num grupo do whats de colorados com um parafuso a mais e todos, todos, todos concordavam com o equívoco de colocar Gutiérrez no lugar de Dale e descreviam como jogaríamos. E o jogo foi como previmos. Nós não somos sumidades, Guto, tu é que segues a escalação que te impõe a diretoria ou tens muito medo.

Por que não iniciaste com Juan ou Camilo, substitutos naturais de Dale, jogamos da mesma posição?

O que me apavora é que pouco de 2017 servirá para formarmos um bom time em 2018, pois estamos ganhando jogos mais em função da fraqueza dos adversários e nossos maiores destaques — Damião e D`Alessandro — talvez tenham vida curta no clube. O primeiro está emprestado ao Inter e, dizem, vai para a China no próximo ano e o segundo é um craque 36 anos.

Ontem, tivemos vários jogadores (Alemão, Gutiérrez, Sasha e Pottker) com desempenho muito fraco. E Nico López, que sempre entra bem, segue na reserva. Esse é outro que poderá sair em 2018. Quem aguenta ser reserva de Pottker? No Inter, além de Damião, jogaram bem Cuesta, Edmílson e Uendel.

Nosso próximo jogo é quarta-feira, às 19h30, no Beira-Rio pós show do The Who. Eles vão fechar o show com Won`t get fooled again (Não seremos feitos de trouxas novamente). Lá há os versos: Meet the new boss, same as the old boss, o que serve não somente para Temer, mas para a diretoria atual do Inter, que parece ser a mesma anterior, a que nos conduziu para onde estamos agora.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Minha internação

Esses últimos dois dias foram horríveis. Em meu trabalho como jornalista, fui fazer uma entrevista numa clínica psiquiátrica e tudo correu normalmente. Fiz perguntas normais e estas foram respondidas de forma convencional. O resultado ia ser tedioso como quase todas as matérias. Quando saí de lá, me dirigi à parada de ônibus em frente à clínica para ir pra casa. Foi quando dois enfermeiros enormes vieram, me pegaram e me levaram de volta para dentro. Eu berrava e esperneava e, quanto mais fazia isso, mais eles tinham certeza de que eu fugira de um dos quartos. Eu disse que era repórter do Sul21 e um dos enfermeiros respondeu que ele era o Renato Portaluppi. O outro disse que era o Gilmar Mendes. Riram de mim. Passei a dar chutes e cabeçadas na porta e eles nem se voltaram para me olhar, só disseram de forma bem audível: ih, esse surtou de vez. Me deram umas injeções. Dormi, é claro. Quando acordei, tinham servido um café com pão e manteiga. Todos os talheres eram de plástico, que merda, eu estava a fim de fazer em pedacinhos o primeiro que entrasse. Roguei para falar com a Elena, com minha irmã médica, com meus filhos, com o bispo, mas eles tinham pegado meu celular e não queriam devolver. Também não quiseram me levar no passeio dos loucos devido a meu estado nervoso. Enfim, após 48 horas, consegui atrair um médico até meu quarto. Ele me conhecia dos blogs e do facebook. Pensou que eu postava sempre ali da clínica mesmo. Tive que explicar que costumava escrever em casa ou no trabalho, que deus e minha chefe me perdoem. Pedi por meus familiares e afinal vieram a Elena, a Iracema e a Bárbara. O médico pediu desculpas e disse que a parada na frente da clínica era um fake, nenhum ônibus parava ali, era só para pegar os fujões, mas que eu, boca-aberta, tinha ficado esperando e já viu, pensamos que era um dos nossos. Agora, estou aqui digitando pra vocês já no meu celular, a camisa-de-força não é tão apertada assim. Consegui até coçar o sovaco entre um gol e outro do River.

Foto: AF Notícias

Foto: AF Notícias

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O Torcicologologista, Excelência, de Gonçalo M. Tavares

TORCICOLOGOLOGISTA-280Duas pessoas, ou excelências, como prefere Gonçalo M. Tavares, conversam sem parar sobre os mais variados e, às vezes, disparatados assuntos. Não há descrições, introduções, “palavras do autor”, nada disso. O que há são diálogos cerrados, como uma peça de teatro onde dois indivíduos (ou travessões) falam sem parar. São muitos capítulos, todos eles com títulos que parecem ter sido buscados nos romances ingleses do século XVIII. Dito assim, parece confuso, mas não é. O Torcicologologista, Excelência é um livro fluido em que a lógica é subvertida ou seguida de forma tão rigorosa que acaba em absurdo. Os assuntos são os mais variados. O livro inicia tratando de revoluções, e vai para qualquer lado, como a dança, a preguiça, o corpo, as ideias — há uma guilhotina que corta ideias tolas — , a moda, a tradição, a covardia, a coragem e a linguagem, a linguagem, a linguagem. É um livro cheio de filosofia e ironia, onde as pequenas e grandes questões individuais e coletivas têm o mesmo tamanho.

O Torcicologologista, Excelência mostra um escritor único, desses que nos provam que nem tudo ainda foi feito. Se as frases são claras, o todo é desconcertante e estranho. E com desvios. “Tudo o que é sério tem dois lados divertidos”, escreve Tavares. Desta forma, nada deixa de passar por sua máquina de experimentações que atenta moderada ou crassamente contra o sentido convencional das coisas.

Eu adorei o livro. Ele não apenas escancara uma superfetação de fantasias e possibilidades como aponta para um mundo impossível no Brasil literal e burro de hoje. Um mundo onde a linguagem nem sempre fala daquilo que deixa no papel.

Eu penso muito que a criação crítica sobre o contemporâneo é uma criação crítica sobre a linguagem, porque nas democracias grande parte das batalhas essenciais são linguísticas. E nós percebemos que a linguagem é uma máquina que pode funcionar de diferentes maneiras: uma máquina por vezes irônica, por vezes de manipulação, por vezes uma máquina de cercar, muitas vezes uma máquina de tentar explicar a realidade. Portanto a linguagem está sempre no centro da democracia. Felizmente, de alguma maneira, a arma foi substituída pelo verbo. E o que me parece interessante é que as pessoas deveriam ter uma espécie de manual de defesa da linguagem e não têm, um pouco como aprender uma arte marcial, aprender a estrutura da linguagem, a forma como ela funciona. E no Torcicologologista, os diálogos partem muito dessa ideia de que as frases não dizem apenas uma coisa, elas têm vários sentidos, podem ir por um caminho, ou pelo caminho oposto; que a linguagem pode ser sabotada, que a linguagem pode aparentar que está a falar de uma realidade mas está a falar de outra. Percebemos que a linguagem depende de quem a diz, pois mais importante que perceber a frase de alguém é perceber o que essa pessoa quer. De alguma maneira os diálogos andam muito à volta dessas ideias, pois o diálogo é uma maneira da pessoa dizer coisas que não sabia que sabia. É o outro, através de suas questões, de suas frases, que faz que eu diga algo novo para mim, portanto o diálogo não é um somatório de monólogos, é mesmo uma possibilidade de descobrir coisas diferentes. E nesse aspecto esses diálogos são claros herdeiros dos diálogos clássicos, de Platão, e daquela ideia socrática das perguntas até como uma espécie de tortura. São questões que de alguma maneira não têm resposta prévia e, portanto, provocam uma investigação individual. Nesse sentido O torcicologologista é um herdeiro desse mundo.

Gonçalo M. Tavares, talvez à espera de um torcicologologista

Gonçalo M. Tavares, talvez à espera de um torcicologologista

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Em carta, Freud diz que “A homossexualidade não pode ser qualificada como uma doença”

Sigmund Freud (1856-1939)

Sigmund Freud (1856-1939)

Admiro Freud principalmente como escritor. Não sou da área psi e o li de forma desorganizada e meio boêmia. Seus textos de pensamentos claros e didáticos, além da escrita fluida e bonita traíam o gênio que estava por trás. Não entendo porque não ganhou um Nobel de Literatura. Pois em 1935, Freud respondeu por carta a uma mãe preocupada com seu filho homossexual. Afinal, ele se relacionava com outros homens!

Freud responde não acreditar que se tratasse de uma doença. Em um trecho, ele diz que a “homossexualidade não é nenhuma vantagem, mas ao mesmo tempo não é algo pelo qual alguém deva se envergonhar. Não é um vício, uma degradação e nada que possa ser classificado como doença”. Ele diz que não pode prometer abolir a homossexualidade, visando substituí-la por uma heterossexualidade.

Também cita exemplos de grandes pensadores e artistas que eram homossexuais. Platão, Michelangelo e Leonardo da Vinci. Abaixo, a carta traduzida:

carta-de-freud

19 de abril de 1935

Minha querida Senhora,

Lendo a sua carta, deduzo que seu filho é homossexual. Chamou fortemente a minha atenção o fato de a senhora não mencionar este termo na informação que acerca dele me enviou. Poderia lhe perguntar por que razão? Não tenho dúvidas que a homossexualidade não representa uma vantagem. No entanto, também não existem motivos para se envergonhar dela, já que isso não supõe vício nem degradação alguma.

Não pode ser qualificada como uma doença e nós a consideramos como uma variante da função sexual, produto de certa interrupção no desenvolvimento sexual. Muitos homens de grande respeito da antiguidade e atualidade foram homossexuais, e dentre eles, alguns dos personagens de maior destaque na história como Platão, Michelangelo, Leonardo da Vinci, etc. É uma grande injustiça e também uma crueldade, perseguir a homossexualidade como se esta fosse um delito. Caso não acredite na minha palavra, sugiro-lhe a leitura dos livros de Havelock Ellis.

Ao me perguntar se eu posso lhe oferecer a minha ajuda, imagino que isso seja uma tentativa de indagar acerca da minha posição em relação à abolição da homossexualidade, visando substituí-la por uma heterossexualidade normal. A minha resposta é que, em termos gerais, nada parecido podemos prometer. Em certos casos conseguimos desenvolver rudimentos das tendências heterossexuais presentes em todo homossexual, embora na maioria dos casos não seja possível. A questão fundamenta-se principalmente, na qualidade e idade do sujeito, sem possibilidade de determinar o resultado do tratamento.

A análise pode fazer outra coisa pelo seu filho. Se ele estiver experimentando descontentamento por causa de milhares de conflitos e inibição em relação à sua vida social a análise poderá lhe proporcionar tranqüilidade, paz psíquica e plena eficiência, independentemente de continuar sendo homossexual ou de mudar sua condição.

Sigmund Freud

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Impregnado

Gosto de crianças. Tenho boas relações com elas e acho que sei como surpreendê-las. Quando meus filhos eram pequenos, fazia às vezes concorrência natural aos recreacionistas das festas infantis. (Também tenho uma estranha habilidade para fazê-las dormir). Sempre tratei de tirar meus filhos da frente da TV e dos jogos. Acho que as crianças ficam tempo demais na frente da tela luminosa, demais no videogame. Meus filhos — hoje na faixa dos 20 anos — nunca pediram videogame e, se a Bárbara via muita TV quando pequena, depois foi se afastando.

É difícil convencer uma criança que há outras coisas tão legais quanto ficar deitado como uma besta vendo TV ou ganhando habilidade com os dedos no videogame. Sempre disse a eles que os jogos os deixavam incrivelmente hábeis para os jogos e só. Em minha sistemática pressão antiTV, entrava em casa diariamente cantando em altos brados a música dos Titãs:

A televisão me deixou burro
muito burro demais
agora todas as coisas que eu penso
me parecem iguais

E, depois, vinha o golpe fatal que irritava minha filha e a “obrigava” a correr atrás de mim para me bater:

(…)
e agora eu vivo dentro dessa jaula
junto dos animais.

Pois dia desses eu fui ao futebol com o filho de um amigo. Ir a um jogo acompanhado de crianças é sensacional. É boné, salgadinho, sorvete, amendoim, mais salgadinho, água, o diabo. Mas vale a pena. Quando, já na arquibancada, veio o primeiro moço com a cesta de salgados, carregando todos aqueles quilos de gordura trans, e ofereceu seus produtos, ele respondeu:

— Não, agora não, recém comi um pão e um suco. Depois eu vou querer. Volta depois, tá? Obrigado.

É claro que o homem não ouviu nada após o primeiro não. Eu ria explicando a meu pupilo que não precisava dar um discurso, que era só dizer não, obrigado.

Mas, voltemos um pouco no tempo. Voltemos até nossa entrada na arquibancada. Antes do campo abrir-se para nós, eu o avisei:

— Te prepara para uma visão espetacular. Tu nunca vai esquecer disso.

Ele caminhou silenciosamente até a borda da arquibancada superior. Parei a seu lado e vi que ele estava pasmo, impregnado pelo ambiente. É lindo ver um campo de futebol iluminado, à noite. É uma coisa que só nós entendemos e que é impossível transmitir a quem não gosta de futebol. A melhor resposta para quem não entende nossa cara nestes momentos é a de Louis Armstrong quando lhe perguntaram qual era a graça que ele via no jazz: Man, if you gotta ask, you’ll never know. Se você tem que perguntar, nunca saberá.

Ou seja, o vírus inoculara-se nele. Não tive muito tempo para ficar nostálgico lembrando do dia em que meu pai me levara para ver Inter 1 x 0 São Paulo, em 1968, nem para recordar o ainda mais emocionante Inter 4 x 0 São Luís, a estréia do meu filho Bernardo no Beira-Rio, pois tinha que controlar o menino dando discursos encantados com tudo, mas principalmente com aquela atmosfera tribal… Logo depois, ele começou a demonstrar todo seu grande conhecimento de palavrões.

— Vai tomar no cu, seu juiz idiota do caralho. Enfia o apito no rabo!

Sim, foi um começo promissor, apesar de ele levantar a cada minuto, atrapalhando o pessoal de trás para torcer gritando:

— Vai, vai, vai, vai! Não!

Ou utilizando a mui contrastante variação:

— Isso, isso, isso, isso! Não!

Quando se dava conta de que tinha levantado novamente, pedia desculpas aos detrás, que riam, achando divertido o “descontroladinho”…

Foi muito divertido, claro. Um dia, nessa grande desilusão do crescer e amadurecer de cada um de nós, talvez ele queira reencontrar seu próprio deslumbramento com o mundo. Os escritores alemães (a começar por Goethe e seu Wilhelm Meister) criaram um gênero de romance muito próprio, aquele que trata da história pessoal da desilusão: o Bildungsroman. É o romance de formação, da edificação da individualidade, da incorporação da cultura. Mas nada disso ele reencontrará se ler este texto, talvez apenas dê risadas de sua falta de jeito.

estadio-beira-rio

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

No país da cura gay, Ministro da Fazenda faz oração pela economia

Imagem

Marcelo Camargo / Agência Brasil

Marcelo Camargo / Agência Brasil

Henrique Meirelles foi convidado a participar de um encontro religioso na igreja Assembleia de Deus no Rio. Isso já era estranho, mas, como se não bastasse, ele não pôde comparecer e gravou uma mensagem na qual diz que tem os mesmos “valores das leis de Deus” dos evangélicos.

“Estamos juntos todos trabalhando, dentro dos princípios da ética, da idoneidade, do trabalho duro, porque eu me sinto muito à vontade para conversar com vocês porque temos os mesmos valores, são os valores das leis de Deus, visando crescer, visando colaborar com o país. Portanto, preciso da oração de todos e estaremos aqui trabalhando e conto com vocês”, afirmou incrivelmente o ministro da Fazenda. Ética, idoneidade, OK.

O absurdo da mensagem demonstra claramente que o homem é candidato à presidência de nossa pobre república.

#CuraDaIgnorância, precisamos já.

Como escreveu o Paulo Candido no Face:

Viado é incurável.
Sapatão é incurável.
E que falar desse bando de heteros? Tudo incurável.
Bissexual então, não tem cura nem de um lado nem de outro.

Sabe o que dá para curar e estava mais que na hora?

Ignorância.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Salvador do Sul, novamente

Escrevo com atraso esta pequena crônica de viagem pois saímos de Porto Alegre lá em 10 de agosto (quinta-feira) para ficarmos em Salvador do Sul até o domingo (13). Já conhecíamos a pequena cidade serrana e tínhamos adorado. Chegamos de ônibus por volta das 13h e fomos direto para o Apolo XII, um restaurante lancheria que fica na rua principal de Salvador. Como é bom sair de Porto Alegre e não apenas em razão de nosso prefeito! Em Salvador do Sul, as verduras não têm gosto de isopor. A gente come e repete o alface e a couve-flor, coisa que só se faz na capital se estivermos em severo regime ou se formos masoquistas.

Depois do almoço, ainda com as pequenas malas, subimos de táxi até o hotel Candeeiro da Serra, que já conhecíamos do ano passado. Tentando manter a felicidade de 2016, pedimos exatamente o mesmo quarto.

Bem, a Elena costuma carregar seu violino onde vai, mas desta vez ela parecia um pouco mais fanática do que o habitual. Chegamos ao nosso quarto, ela abriu o estojo do violino e foi tocar na sacada sem dar bola para o sol. Queria estar em forma.

DSCN2199

E seguiu mandando bala com a cidade atrás.

DSCN2207

Depois, saímos para fazer um de nossos passeios preferidos. Fomos até o Colégio Santo Inácio. A parte de trás do Colégio é especialmente bonita e tranquilizadora. Sempre ficamos um tempinho ali, sem querer muito ir embora.

DSCN2213

E caminhamos por uma estrada lateral que leva a um lago e a todo o tipo de subidas e descidas, sempre com bonitas paisagens.

DSCN2215

Lembro bem de nossos temas aquele dia. Estávamos especialmente a fim de falar a respeito do passar do tempo, da velhice e de outros fatos, digamos, inexoráveis. A coisa estava muito filosófica e, é claro, não conseguimos chegar nada que fosse conclusivo. Mas o que interessa é que a paisagem valia a pena.

DSCN2216

O absurdo é que este local da cidade está fechado para caminhadas no fim de semana. Os novos proprietários do Colégio e dos arredores simplesmente colocaram guardas que impedem a entrada de gente que só quer passear e olhar um dos locais mais legais que existem em Salvador do Sul. Descobrimos isso no sábado, quando tentamos repetir a caminhada. Os guardas nos avisaram que não poderíamos seguir, o que, desculpem, é de última categoria.

DSCN2220

A Elena estava perfeitamente natural. Só que estava estudando muito mais. A única estranheza real é que ela tinha ficado contrariada quando cheguei uma hora mais cedo para buscá-la na quarta-feira na escola da Ospa. Eu, obviamente, não sabia o que ela estava preparando.

DSCN2231

No dia seguinte, sexta-feira (11), anotei no Facebook:

Meu aniversário é apenas dia 19, mas acho que recebi hoje o melhor presente de aniversário de minha vida. A Elena Romanov fez toda uma preparação secreta. Levou-me até uma pequena igreja aqui de Salvador do Sul (a Igreja Matriz Velha), dizendo que queria estudar violino num espaço que não fosse acusticamente “seco” como nosso quarto de hotel. Pediu que eu levasse um livro para ler, a fim de não me entediar. OK. Lá chegando, após fazer algumas escalas, …

DSCN2242

… me pediu que eu fosse sentar em um lugar determinado e começou a tocar a Chaconne de Bach. No início eu achei “puxa, que bem tocado” para uma brincadeira improvisada, mas a coisa se estendeu de tal forma e com tamanha perfeição e musicalidade que primeiro me emocionei a ponto de ver surgirem algumas lágrimas e depois mais ainda porque me dei conta de que aquilo, talvez, fosse um presente imaterial para mim. Quando fui agradecer, apareceu um sujeito na igreja vazia falando para ela “Eu entrei aqui para fazer umas preces, mas depois disso já considero que tenha feito”.
Obrigado, Elena.
(Imaginem que ela decorou a enorme peça para que eu não pudesse saber de nada antecipadamente, vendo as partituras que ela levava).

DSCN2232

Por sorte, tenho gravadas as três vezes que ela tocou a Chaconne naquela manhã, mas ela me proibiu de mostrá-las. Ah, os músicos… A Chaconne é das mais belas peças que conheço. Foi escrita após Bach saber que sua primeira mulher tinha falecido. Como disse meu amigo Marcos Nunes, a partir dela ele percebeu, ainda adolescente, “que a vida humana é muito mais complexa que todos os adjetivos do mundo, e a palavra angústia, com todo seu amargor, tem algo que expressa a condição humana, mas que a gente só tateia ouvindo a Chaconne”Eu a ouvi pela primeira vez numa viagem ao Rio de Janeiro, logo após ter feito 18 anos. Era um concerto em alguma sala, talvez na Cecília Meirelles recém inaugurada. A primeira sensação foi a de ter sido derrubado, tal a beleza e a angústia da peça. Depois, com o passar dos anos, essa angústia passou a um segundo plano e, para mim, hoje ela é uma peça belíssima e triste, pela qual sou fascinado. A Elena sempre soube disso, é claro.

DSCN2245

Na sexta-feira, seguimos nossa subidas e descidas por Salvador e reencontrei uma conhecida amiga do ano anterior (foto acima). Ela me reconheceu imediatamente. Os cães sabem quem gosta deles. Sempre ou quase.

DSCN2252

Também fomos ao nosso café preferido na cidade, o da Loja Dautys.

DSCN2254

Como fizéramos em 2016, tentamos tirar fotos nossas refletidas nos espelhos da loja, mas este ano não deu tão certo.

DSCN2259

Salvador do Sul permanece para nós como uma espécie de refúgio das agitações da vida profissional e da cidade grande. Um local onde o ar que se respira parece trazer de volta meus pulmões e os avós cruz-altenses, por onde se pode passear cumprimentando alegremente desconhecidos e onde os passeios a pé são os melhores. Mas a cidade tem que manter SEMPRE ABERTOS os caminhos em torno do Colégio Santo Inácio, por favor.

DSCN2263

Agora, se a cidade já estava ligada à Elena, também está ligada ao mais belo presente que já recebi, assim como ao casal que administra o excelente hotel Candeeiro da Serra, Carla Specht e Alex Steffen, que receberam, trataram e nos engordaram extremamente bem em nossas duas visitas. Nossa, quanta coisa boa tem naquele café!

DSCN2265

Finalizando: na foto acima, a Elena prepara mais uma execução da Chaconne, agora no nosso quarto do hotel.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Guto (com os melhores lances de Inter 3 x 0 Figueirense)

O Inter voltou a ocupar a liderança do Campeonato Brasileiro da Série B após vencer o Figueirense por 3 x 0 numa tarde horrivelmente chuvosa no Beira-Rio. (Eu não fui, vi em casa, Guto. Deixo esse gênero de heroísmo para os jovens). Voltamos ao primeiro posto beneficiados pelo empate de sexta entre Ceará e América-MG, o que deixou os mineiros a nosso alcance. Agora o Inter tem 45 pontos com 13 vitórias. O America tem os mesmos 45, mas com 12 vitórias, primeiro critério de desempate. Informamos que o quinto colocado — o primeiro a não subir para a Série A — é o famigerado Juventude, que tem 40 pontos e que perde para o Paraná no segundo critério de desempate, o saldo de gols. Então, estamos a 5 pontos de distância da desgraça. É pouco.

O próximo jogo do Inter é no próximo sábado contra o Náutico, em Caruaru, às 16h30. O time pernambucano, como sempre, está aflito ou, melhor dizendo, já está acomodado horizontalmente em seu velório. Mas vocês sabem: o Inter gosta de tentar recuperar mortos e só falta uma mão cair para fora do caixão em nossa presença.

Faltam 14 rodadas e, com mais 20 pontos, estaremos livres da maior vergonha de nossa história. Jamais devemos esquecer os responsáveis por nossa queda no ano passado. Citamos novamente e nominalmente os caras, para que todos possam decorar: Fernando Carvalho, Vitório Piffero, Carlos Pellegrini, Argel Fucks, Celso Roth e alguns outros. Mas vamos ao jogo de ontem.

Sasha ensaia um pas de deux no meio da chuva. Bonitinho, não?

Sasha ensaia um pas de deux no meio da chuva. Bonitinho, não? | Foto: Ricardo Duarte

Não foi uma partida brilhante do Inter. Fomos apenas razoáveis. O jogo iniciou e de cara fizemos o primeiro gol. Uendel cruzou e Pottker entrou de carrinho para fazer 1 x 0. Claudio Winck quase marcou o segundo aos 11 min, mas o Figueirense teve uma chance claríssima de gol com Henan aos 21. Danilo Fernandes fez uma defesa milagrosa. Este primeiro tempo teve um Inter acomodado em campo. A chuva estava fria, deveriam correr mais para compensar, mas Edenílson fazia péssima partida, D`Alessandro pensava numa cama quente ausente, e Pottker sumiu após seu gol e do fiasco de querer passar e passar a bola para Damião quando ele mesmo deveria ter feito o segundo. Por falar nele, Damião era o único que estava realmente com tesão.

O segundo tempo parecia ser um bom momento para Juan, mas o que estou dizendo… Desculpe, Guto, sei que jamais é um bom momento para o menino.

Voltamos para o segundo tempo com um pouco mais de entusiasmo e não demorou para o segundo gol sair. Aos 7 min, D’Alessandro cobrou escanteio e Leandro mergulhou — era o dia perfeito para isso — entre os zagueiros para cabecear. Era o 93º gol seu com a camisa colorada, o quarto neste ano.

O último gol só saiu aos 37 min do segundo tempo quando Uendel fez grande jogada, invadindo a área a dribles e servindo Nico López para marcar o terceiro gol. Foi o 14º do atacante uruguaio, que isolou-se na artilharia da temporada.

Foi uma partida pobre contra um adversário que está louquinho pra cair. Resumindo, nosso primeiro tempo foi triste, com uma pequena melhora no segundo. Mesmo assim, o Figueirense pouco incomodou.

D’Alessandro está suspenso novamente pela sequência de cartões. Sim, Recife é longe, Dale. Depois, tem um ônibus até Caruaru. Um saco, né? Este é o nono (9º) cartão do gringo na Série B. O homem é uma usina amarela de reclamações. Não poderíamos ter Gutiérrez no lugar de Dale e Nico no lugar de Pottker, Guto? Porque Sasha já senti que é aquele cara amado pelo treinador, o que o torna imexível.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Leituras no Estomago Café

Descobrimos há poucos dias o Estômago Café ali na subida da Miguel Tostes. O local é ótimo, a comida e os petiscos veganos são sensacionais, mas tem mais. Sobre as mesas estão os livros de um grande leitor. No caso de uma grande leitora, a proprietária Júlia Fraguas. Não são livros de literatura comum, mas excelentes livros que foram lidos e anotados. Os livros anotados são coisas vivas, digo eu, um contumaz riscador e sublinhador deles, além de dialogador com autores ausentes, muitas vezes mortos.

Como sabemos, todo apaixonado por livros gosta de que falem bem de literatura, de que lhe elogiem os hábitos e a estranha forma de vida que o faz carregar livros para perto de si, como se fossem objetos transicionais. (Sabe aquele paninho, bichinho de pelúcia ou qualquer objeto que sirva de apoio emocional para a criança na infância? Pois é, o nome daquilo é objeto transicional e é fundamental porque tem a função simbólica de produzir conforto, segurança e sensação prazerosa). O que está escrito entre os parênteses acima parece a definição de livro para algumas pessoas…

Pois bem, estava aguardando uma pessoa lá no Estômago e comecei a fotografar alguns trechos presumivelmente sublinhados pela Júlia. O resultado está aí embaixo.

Literaturaparaque1

Literaturaparaque2

Literaturaparaque3

Literaturaparaque4 <

Literaturaparaque5

Literaturaparaque6

Literaturaparaque7

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

MP considera que não havia pedofilia ou incitação à mesma na exposição Queermuseu: “Não houve crime. Ponto”

Com a Agência de Notícias da ALRS, do qual retirei trechos

No período dos Assuntos Gerais da reunião ordinária da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos da Assembleia Legislativa, presidida pelo deputado Jeferson Fernandes (PT), na manhã desta quarta-feira (13), deputados debateram sobre a exposição Queermuseu, Cartografias da Diferença na Arte Brasileira. A mostra, que acontecia no Santander Cultural, foi fechada pelos organizadores no domingo (10), após divergências e protestos. Presente, o promotor de Justiça Júlio Alfredo de Almeida, da área da Infância e Juventude do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP/RS). Na segunda-feira (11), o promotor esteve no Santander, acompanhado da coordenadora do Centro de Apoio Operacional da Infância, Juventude, Educação, Família e Sucessões, promotora Denise Villela.

Nas considerações iniciais, o deputado Marcel van Hattem (PP) explicou que havia convidado o representante do MP diante da mobilização da sociedade “gaúcha e brasileira em razão da exposição, que acabou fechada. A questão é pertinente e deve ser analisada democraticamente, sem violências”, ponderou. Para ele, a indignação aconteceu por parte de pessoas “que não se conformaram com situações que apresentavam sexo explícito, com acesso livre às crianças”. Disse que oficiou o MP por entender que, deve sim, haver liberdade de expressão, “mas que esta liberdade igualmente precisa ter limites, independente daquilo que é classificado ou entendido como arte”.

O deputado Pedro Ruas (PSOL) considerou que houve indignação, igualmente, por setores da sociedade que entenderam ter acontecido “um ataque à democracia e à liberdade de expressão”.

Cena de interior II -- Adriana Varejão

Cena de interior II, de Adriana Varejão

MP

O promotor Júlio Almeida, com 20 anos de atuação ligados à infância e juventude, disse que estava no encontro para “prestar contas à sociedade, tarefa do MP”. Informou que tomou a decisão de ir ao Santander, na companhia da promotora Denise Villela, após ter acesso a várias notas divulgas na imprensa e por parte das redes sociais. “Diante de algumas manifestações, segundo as quais haveria crime na mostra, me senti provocado, e o MP tem a obrigação de atuar quando provocado”, acrescentou, citando que foi recebido pela diretoria que lhe passou todas as informações solicitadas, bem como explicou as razões do fechamento da exposição.

Conforme ele, os dois promotores analisaram as mais de 200 obras e identificaram que algumas poderiam ter cunho sexual. “Não tratamos do mérito das obras enquanto arte. Nos fixamos no aspecto técnico, nas definições do ECA (Estatuto da Criança e do Adolescente)”, ponderou, destacando a atenção especial quanto ao crime de pedofilia. “Na nossa avaliação, depois que vimos as obras polêmicas, não havia crianças ou adolescentes em sexo explícito ou exposição de genitália de crianças ou adolescentes. Também não havia obras fazendo com que crianças fossem incentivadas a fazer sexo com outra criança”, comunicou, ponderando que a pedofilia ocorre em outras situações, como traz o artigo 241 do ECA: simular a participação de criança ou adolescente em cena de sexo explícito ou pornográfica por meio de adulteração, montagem ou modificação de fotografia, vídeo ou qualquer outra forma de representação visual. Já o artigo 241-D cita: aliciar, assediar, instigar ou constranger, por qualquer meio de comunicação, criança, como fim de, com ela, praticar ato libidinoso.

De acordo com ele, se poderia considerar que algumas obras apresentavam cenas com extremada sexualidade, mas sem pedofilia. “Em outros casos, nos deparamos com a simulação de ato sexual, aí caracterizada como pornografia. No entanto, se houvesse situação de pedofilia eu daria voz de prisão aos responsáveis”, assegurou. Conforme o promotor, é preciso analisar a intenção da exposição. “Além disso, a legislação brasileira garante a liberdade de expressão”, adendou. Na sua avaliação, é necessária a construção de dispositivos que especifiquem mais claramente faixas etárias dos visitantes também no caso de exposições e mostras de arte. “O ECA é claro na classificação indicativa de idade para casos como filmes, peças de teatro e programas de TV. Não há nada em referência a museus ou exposições”, sublinhou. Júlio Almeida ressaltou que uma medida, simples, a ser tomada, seria a colocação de peças polêmicas em área restrita e frisou que não houve crime no episódio.

Pedro Ruas (PSOL) também destacou a presença do MP no encontro, pela importância dos esclarecimentos. “Lamento, no entanto, que estejamos discutindo este tema, que não deixa de ser significante, ao invés de estarmos buscando atenção e medidas que diminuam o sofrimento de milhares de crianças e adolescentes no Estado que não têm saúde, remédios, alimentos, educação e nem casa. O MP foi claro: não houve crime, ponto”. Advertiu que já conhece este caminho. “Primeiro, fecham atividades culturais; depois, prendem quem for contra”

A deputada Manuela d Ávila (PCdoB) cumprimentou o MP por seu papel no episódio, verificando no local o conteúdo da exposição e sugeriu que o promotor solicite imagens dos dias nos quais funcionou a mostra. “Por certo verificará a ação de grupelhos que perseguiram artistas e constrangeram o curador. Preocupa, isso sim, que este tipo de ação tenha contribuído para o fechamento da exposição, algo muito próximo da censura. Não quero isso de volta; já vivi este tempo”, assinalou.

A deputada Stela Farias (PT) citou nota divulgada pelo Conselho Estadual de Cultura, intitulada Inaceitável Censura, em referência ao episódio Santander. O texto cita a inconformidade do Conselho, “diante da reação de intolerância que deu causa para o encerramento da exposição Queermuseu, programada para permanecer aberta ao público até 8 de outubro, no Santander Cultural”. Ainda de acordo com a nota, “o Conselho Estadual de Cultura afirma que a obra de arte não pode ser cerceada, limitada ou censurada, e seu caráter sempre será promover a liberdade criativa, assim como refletir o seu tempo sob as diversas óticas e contradições. Restrições a alguma obra asseguram ao público descontente o direito de abster-se de ir ao local de visitação, assim como acontece com qualquer outra manifestação de livre acesso”. Para Stela Farias, a situação é esta: “devemos ter o direito de acesso. Vamos se queremos”.

Por fim, o deputado Jeferson Fernandes, presidente da CCDH, observou que o debate propiciou pontos convergentes, como a necessidade de classificação indicativa de idade para casos como este. “De outra parte, tivemos a posição, segura, do MP de que não houve crime de pedofilia. Entendo, isso sim, que a exposição foi pano de fundo para posições retrógradas, de censura. O mais estranho é que grupos que se denominam liberais estejam por de trás disso. Algo paradoxal. Os que defendem a liberdade foram autores de denúncia que fechou a mostra”, analisou.

.oOo.

A nota divulgada pelo Conselho Estadual de Cultura que foi citada acima pela deputada Stela:

O Conselho Estadual de Cultura vem a público manifestar sua inconformidade diante da reação de intolerância que deu causa para o encerramento da exposição “Queermuseu – cartografias da diferença na arte brasileira” programada para permanecer aberta ao público até 8 de outubro, no Santander Cultural, em Porto Alegre. Esta mostra reúniu Pintores mundialmente reconhecidos como Alfredo Volpi e Cândido Portinari, além de outros 83 artistas.
A Constituição do Rio Grande do Sul em seu artigo 220 prevê que: “O Estado estimulará a cultura em suas múltiplas manifestações, garantindo o pleno e efetivo exercício dos respectivos direitos bem como o acesso a suas fontes em nível nacional e regional, apoiando e incentivando a produção, a valorização e a difusão das manifestações culturais. Parágrafo único: É dever do Estado proteger e estimular as manifestações culturais dos diferentes grupos étnicos formadores da sociedade rio-grandense”. A mesma Constituição prevê, em seu artigo 221, parágrafo V, inciso a: “as formas de expressão constituem direitos culturais garantidos pelo Estado”.

Lamentamos que tantos anos dedicados na separação dos direitos e deveres do Estado em relação à igreja e as ideologias sejam ignorados. Lamentamos constatar a apunhalada objetiva desferida contra a humanidade e o empobrecimento simbólico que este horror provocará

O Conselho estadual de Cultura afirma que a obra de arte não pode ser cerceada, limitada ou censurada e seu caráter sempre será promover a liberdade criativa, assim como refletir o seu tempo sob as diversas óticas e contradições.

Restrições a alguma obra asseguram ao público descontente o direito de abster-se de ir ao local de visitação, assim como acontece com qualquer outra manifestação de livre acesso.

O resultado destas manifestações, de indisfarçável intransigência e censura para com a referida exposição, evidencia a intolerância com o contraditório, o diferente, o novo. É sabido que não é função de uma exposição formar opinião ou definir posições ideológicas a partir do seu conteúdo e certamente isso não ocorrerá com o tema em tela.

Queremos um Brasil livre de medos, de preconceitos, de discriminação, de intolerância e por isso nos solidarizamos com o Curador e aos artistas da referida exposição.

.oOo;

Recebi de colegas da UFRGS:

As e os docentes da Ufrgs, reunidos em Assembleia Geral no dia 11 de setembro de 2017, manifestam seu repúdio ao encerramento da exposição ‘Queermuseu – Cartografias da diferença na Arte Brasileira’ no Museu Santander Cultural de Porto Alegre, atendendo a pressões de grupos que realizaram campanhas pelas redes sociais e ações de constrangimento aos frequentadores da mostra. O encerramento da exposição é uma concessão à intolerância, ao preconceito e à incompreensão das artes. As alegações apresentadas para o cancelamento desrespeitam as obras e os artistas envolvidos, privam a população porto-alegrense do acesso a uma mostra de relevância internacional e acenam para um caminho inaceitável de censura e de restrição às manifestações artísticas e ao debate sobre a diversidade.  (ANDES-UFRGS).

.oOo.

Nota do Departamento de Artes Visuais do Instituto de Artes – IdA (UnB) sobre a exposição Queermuseu:

Nós, membros da comunidade artística, cultural e acadêmica, professores do Departamento de Artes Visuais do Instituto de Artes da Universidade de Brasília queremos manifestar nossa contrariedade e nosso repúdio à decisão do Santander Cultural, de Porto Alegre-RS, de fechar e (auto)censurar a exposição Queermuseu: cartografias da diferença na arte brasileira.

Em um momento de aumento do conservadorismo, da intolerância e da violência ocasionada pelo preconceito, o fechamento e a censura de uma exposição abre um precedente gravíssimo que poderá ter como consequência a repetição de situações repressivas como essa em outras partes do Brasil e com diferentes atividades artísticas e culturais.

Afirmamos que as razões justificadas para a interrupção da exposição um mês antes de seu final são produto de uma campanha subterrânea pelas redes sociais que disseminaram informações falaciosas, equivocadas e deliberadamente mentirosas acerca das obras em exposição e sobre a plataforma curatorial da exposição.

Consideramos que decisão da instituição cultural terminará por reforçar movimentos obscurantistas e de caráter fascista que devem ser combatidos por todos os que defendem uma sociedade democrática e livre.

Nos solidarizamos com todos os 85 artistas participantes da exposição e com o curador Gaudêncio Fidelis pela violência dessa decisão e nos posicionamos radicalmente em defesa da liberdade de expressão e da liberdade da atividade artística no Brasil.

Brasília, 12 de setembro de 2017.

 Jesus Shiva, decFernando Baril

Jesus Shiva, decFernando Baril

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Sobre um detalhe da mostra Queermuseu do Santander

Quando pequeno, vendo TV, meu filho não suportava a voz do locutor que anunciava as maravilhas do Motel Botafogo. Ao ouvir a competente voz lasciva emitindo ar demais, meu filho tapava os ouvidos. “Por que ele precisa falar assim?”. Aquilo era muito para ele. Quando criança, o filho da Elena fechava os olhos quando Javier Bardem beijava Scarlett Johansson e Penelope Cruz em Vicky Cristina Barcelona. Minha filha também evitava tudo o que parecesse sexo. E garanto que vi inúmeras crianças fazerem o mesmo. Elas se protegem.

Hoje todos os citados e quase todas as outras crianças têm mais de 20 anos e são perfeitamente normais. Sei que não deve ser geral, mas é regra. Também sei que os politicamente corretos — de direita e esquerda — jamais engolirão esta liberdade assim no mais. É demais para as bolhas onde vivem.

Só quem tem experiência com elas sabe que evitam e logo esquecem quando veem uma cena forte (ou fraca) de sexo. Acham nojento. Na minha opinião, é idiotice achar que uma imagem sexual explícita vá deixar uma criança traumatizada. Ela não vai ficar parada, olhando, vai se retirar. Eu escrevi imagem, papel, tela, representação; não escrevi realidade, presença.

Tudo é usado pelos fascistas do MBL em sua sanha de proibição e “moralidade” e não guardo ilusões: a esquerda não é muito mais evoluída. Mas é um pouquinho.

Por outro lado, estou pasmo com a manutenção do fechamento por parte do Santander. Realmente, não há apelo à razão que entre na cabeça de um burocrata.

.oOo.

E meu guru Moysés Pinto Neto dá uma aula em seu perfil do Facebook:

O que vamos assistindo é o despedaçamento da inteligência em nível social e o jogar nas margens quem ainda ousa pensar. É uma sociedade burra, que não sabe fazer nada além de ~curtir~ e ~descurtir~, mobilizando seus afetos de raiva contra todos os signos que não correspondam à sua bolha algorítmica. A capacidade de interpretação é totalmente perdida, o mundo vira uma superfície unidimensional em que tudo só carrega um sentido: o de indicar como se deve agir. Tudo vira pedagogia rasa nas guerras culturais.

No universo unidimensional do sentido único, a arte é “incentivo a __”, como se o artista estivesse lá com a pretensão de dizer a regra. Ainda me lembro do debate, alguns anos atrás, quando uma desembargadora ativista defendeu a censura da música da Bidê ou Balde por incentivo à pedofilia, como já acontecera, por motivos análogos, com Racionais MCs e Planet Hemp.

Evidentemente, uma área como a arte, a mais polissêmica e multidimensional de todas da cultura, seria a primeira a ser assassinada numa sociedade de ignorantes que não conseguem entender o que é uma paródia, uma ironia ou qualquer coisa que escapa do sentido literal — além de viciados no complexo persecutório de que todo mundo é potencialmente um inimigo oculto. Por isso, não entendem que uma exposição que vende fotos da violência da Olimpíada sobre as favelas é uma ironia à mercantilização da morte ou que as mulheres que vão na Marcha das Vadias não são vadias no sentido estrito, mas querem transvalorar o termo para afirmar a liberdade sobre seus corpos, ou que não necessariamente alguém que escreve alguma coisa está dizendo exatamente o que está escrito. A metalinguagem, a escada infinita com que joga a inteligência, é o que está morrendo. Parece que só restarão superfícies de um lado só na pobreza do mundo moralista dos escrachos e repúdios.

Vivemos na era dos filmes dos irmãos Coen, em que a burrice — embora continue a mesma de sempre — consegue se encadear em rede, provocando eventos catastófricos e insólitos. Ainda não sabemos bem como reagir a isso, a não ser fazendo textões que nenhum dos ignorantes irá ler de qualquer modo.

Charge do genial Santiago

Charge do genial Santiago

 

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O Santander que salva e liberta

O que me surpreendeu foi a atitude do Santander. Achei um triste, fácil e pobre recuo. Já o linchamento promovido pelo MBL é algo esperado e se parece com muitos outros, realizados inclusive pela esquerda. São movimentos moralistas muito pouco esclarecidos e que se repetem. Agora, que pessoas do meio artístico recuem frente a argumentos tão fracos… Coitados de nós.

Vi dezenas de fotos da exposição. Achei excelente. Gostaria de visitá-la. Pedofilia e zoofilia? Menos, né? Pelo visto, o sarcasmo está fora de moda e, bem, está faltando um pouco de interpretação.

Em janeiro deste ano eu e Elena visitamos o Museu Pergamon (Pergamonmuseum) em Berlim. Foi assustador. Jamais tínhamos visto coisas como aquelas. Os assírios são uns pervertidos. Ainda bem que, em Porto Alegre, há o Santander para nos salvar.

Fotos de Milton Ribeiro (sentindo-se altamente escandalizado).

DSCN0999

DSCN1000

Ainda bem que não conheço Pompeia, patrimônio cultural da humanidade. Um lugar diabólico!

21462513_10210044215558057_7285657502674175649_n

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Guto (com os lances de Juventude 2 x 1 Inter)

Ontem, tivemos um derrota temperada pelo medo, não, Guto? Perdeste D`Alessandro e Camilo e, em vez de colocar alguém da posição (Juan), preferiste o volante Gutiérrez. Ficamos mais defensivos e, com isso, deste a senha para o Juventude atacar. “Eles tem medo do Jaconi e de nós”. Sim, os caras entenderam perfeitamente, Guto. Porém, nossa superioridade é tão grande que merecíamos a vitória. Claro que, irritados, poucos colorados lembrarão, mas Damião e Nico perderam gols incríveis minutos antes do gol do Ju que definiu o jogo em 2 x 1 para eles.

Gutiérrez marcando o gol do Inter | Foto: Ricardo Duarte

Gutiérrez marcando o gol do Inter | Foto: Ricardo Duarte

Mas por que mexeste num esquema que ia bem? Precisávamos do empate? O Juventude é tão terrível assim? Olha, não me pareceu. Pareceu um time bem fraco.

Gutiérrez até que foi bem, jogou muitíssimo mais do que Sasha e Pottker, mas não é um armador ofensivo. É lento, pisa na bola, atrasa o jogo quando precisaria acelerá-lo. Não tem vocação de atacante. Com três volantes em campo, a bola não era mantida na frente, a marcação do Ju ficava mais fácil e a bola voltava rápido. Voltava ainda mais rápido quando passava por Pottker. A titularidade do ex-jogador da Ponte já beira o incompreensível.

Todas essas noções táticas são bem simples e previsíveis, sei lá. Vemos isso há anos, mas o cagaço prevalece.

Em resumo, tens — tu e a direção — mentalidade de treinador de time pequeno, daqueles que não partem para o ataque e perdem mediocremente, tentando poucas coisas.

O Inter agora está em segundo lugar, com 42 pontos. Faltam 15 jogos. Segundo o Infobola, temos 82% de chances de classificação, segundo Chance de Gol, 97,6%. Precisamos de mais uns 23 para a classificação para a Série A. O próximo jogo é sábado, pela 24ª rodada, contra o Figueirense (17º colocado, o primeiro da zona de rebaixamento). Espero que façamos um jogo mais ofensivo, Guto. Ou tu achas que o Figueira é uma equipe “perigosa”.

Se estiveres encagaçado, fale com torcedores.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Um Celibidache desconhecido

Uma dimensão adicional e desconhecida de Sergiu Celibidache. Uma filmagem alegre do grande regente romeno orientando o Quinteto de Sopros da Dinamarca em 1973. Ele dá extrema atenção aos tempos. A obra são Três Peças Breves, de Jacques Ibert. Vale a pena assistir, mesmo que não se entenda uma palavra do que ele diz.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Nosso Capitão, de Sadi Schwerdt

20170907-1-sadi-capa-706x1024Eu nasci em 1957 e acompanho futebol diariamente desde 1966, quando a Copa da Inglaterra me fisgou. Por outro lado, um núcleo familiar 100% colorado me trouxe para o Inter. Então, por ter vivido os fatos como expectador e torcedor, conheço boa parte daquilo que é descrito pelo lateral Sadi Schwerdt, o Sadi, neste livro franco e belamente escrito. Li feliz e muito rapidamente suas 222 páginas de texto simples e direto.

De certa forma, aos 75 anos, Sadi segue sendo o capitão do Inter. Sua visão ainda é a de identificar problemas e denunciá-los, mas também guarda a postura de proteger colegas e a instituição. Os anos 60 foram terríveis para os colorados. O Campeonato Gaúcho era o máximo que Grêmio e Inter podiam aspirar e, entre 1956 e 1968, o Grêmio ganhou todos, à exceção de 1961. A derrota de 1962 foi especialmente ridícula. Sadi chegou depois disso à titularidade, para ser a estrela de um Inter que destinava recursos para a construção do Beira-Rio e deixava os investimentos em futebol para um plano secundário. Lembro que o time nem era tão ruim, mas os dirigentes do futebol faziam coisas, que vistas de hoje… Como é que deixaram Alcindo escapar para o Grêmio? Como é que Sérgio Lopes também foi parar no tricolor? E por que contrataram Foguinho para técnico em 68? (É o mesmo que o Grêmio contratar Falcão hoje para dirigir a equipe ou o Inter contratar Renato). José Alexandre Záchia era tão perdido quanto seus filhos Pedro Paulo e Luiz Fernando, que afundaram novamente o Inter nos anos 90. Ou seja, os dirigentes da época deram enorme contribuição para o adversário.

Tais confusões ficam claras no livro de Sadi, mas jamais pensem que ele grita cada um dos fatos. Não, eles são citados elegante e calmamente pelo Capitão do time. É como se perdoasse. Menos tranquilas são as referências feitas ao ambiente de sacanagem e politicagem barata da Seleção Brasileira, onde ele se destacou sem ser capitão. Analisando suas atuações por lá — que, sei, foram sempre muito boas –, Sadi é mais explícito e explica o funcionamento dos grupos de cariocas e paulistas e as pressões.

20170907-na-selecao-673x1024

Quando cheguei ao futebol mesmo, em 1969, já entendendo escalações, um pouco de tática e a importância de cada um, Sadi já tinha iniciado a série de lesões que o impediram de ir à Copa de 70. Já se tornara um lateral mais comedido no ataque, mas mantinha a segurança defensiva. Lembro do meu desespero cada vez que Jorge Andrade era escalado em seu lugar. Lembro também dos gritos da torcida do Grêmio com a finalidade de perturbá-lo. Gritavam até o nome de sua esposa… E sei que só os grandes jogadores recebem tal tratamento. (Lembro também de vaiar Ronaldinho e outros grandes jogadores do Grêmio… Puro medo, né? Ninguém perde tempo e voz com as ruindades).

Como disse João Saldanha, nos anos 60, o Inter era um time modesto com um grande jogador. Ficou assim até 1968, quando começaram a aparecer Claudiomiro, Bráulio, Sérgio, Valdomiro, etc, e um novo período de glórias chegou.

Nosso Capitão dá um belo painel do clube e do Rio Grande daquela época sob a ditadura militar. Também traz fotos e a recordação especialíssima abaixo. Esta é a foto do álbum Gigante da Beira-Rio que dez entre dez crianças coloradas completaram, incluindo este que vos escreve. É óbvio que reconheci na hora.

Recomendo o livro, mas antes de terminar, digo que Sadi, quando entrou para a política, rejeitou a Arena. Escolheu a oposição. Isso diz muito de meu ídolo.

O lançamento de Nosso Capitão será dia 14 de Setembro, quinta-feira, no Restaurante Terra & Cor Gastronomia (Avenida Praia de Belas, 1400) com a presença de velhos ídolos colorados.

20170907-capitao

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Passado Perfeito, de Leonardo Padura

Padura Passado PerfeitoBêbado, logo após uma virada de ano bastante alcoolizada, o detetive Mario Conde é acordado por seu chefe, o Velho, com uma urgência: Rafael Morín, um executivo do Ministério da Indústria, homem que viaja pelo mundo negociando produtos da ilha, está desaparecido. Morín é um ex-colega de aula que ostenta a fama de ser rigorosamente honesto e competente. Um grande quadro, dos maiores. Conde chega a reclamar dos elogios unânimes que são feitos a ele. Tinha um passado perfeito. Para completar é casado com Tamara, espécie de símbolo sexual da escola, a mulher por quem todos eram apaixonados 17 anos antes. Já Mario, triste e desiludido, é a antítese de Rafael.

Não leio muitos livros policiais. Alguns amigos mais especializados na área aprovam com reservas a série de livros policiais de Padura que tem Conde com personagem principal. Faltariam o humor e as frases de efeito típicas do gênero, sobrariam sexo e cenas de Havana. Chego à conclusão de que, com efeito, não sou um grande admirador do gênero, pois achei que Passado Perfeito está muito acima da média que gênero. Gostei demais da cor do romance, da criação do ambiente e das pessoas que circulam tratando uns ao outro como latinos — queridos, afáveis e corruptos. Importante: Padura jamais deixa de fazer críticas à cidade e ao país. Parece ter menos medo de criticar a situação do que os escritores brasileiros, que desejam convites para feiras e eventos e evitam críticas aos políticos…

Li, em algumas outras críticas, certa má vontade com o fato de haver tanta gente esperta e viva em Havana. Também com o fato de Padura descrever a prostituição, a pobreza, a vida de pessoas que vão se ajudando, se amando e sobrevivendo bem — inclusive a do amigo Magro, que ficou paraplégico em razão de um tiro que levou na Guerra de Angola –, sem grandes ranzinzices. Mas estes são os nossos tempos, né?. Já eu, que estou aqui pela literatura mesmo

Recomendo.

Livro comprado na Bamboletras.

padura

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Roberto Bolaño: “Roubar livros não é um delito”

BolañoNeste texto, escrevi sobre a necessidade de roubar livros em determinadas situações e idades. O grande escritor chileno Roberto Bolaño — 2666, Os Detetives Selvagens, Noturno do Chile, etc. — fala muito a respeito disso em seus livros. E fala sempre divertidamente, de uma forma muito viva e, bem, experiente. Sei que meus amigos livreiros detestam esse assunto, mas outros, não livreiros, insistem nele. Um deles me enviou o vídeo abaixo. Para mim, afora o tema, é um enorme prazer ver Bolaño (1953-2003) falando alegremente, ainda com boa saúde.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Gente, a PF invadiu minha casa hoje pela manhã e outros tópicos

Foto: Fernando Guimarães

Foto: Fernando Guimarães

OK, o japa poderia ter dado uma afofada naquela almofada antes de sacar a foto.

.oOo.

Um milagre na Câmara. Existem vários absurdos no sistema eleitoral brasileiro. Os piores, na minha opinião, são o modelo de financiamento e as coligações nas proporcionais, que só existiam aqui e que ontem começaram a acabar. Ou seja, se for novamente aprovada pela Câmara em segundo turno, a distribuição dos votos para deputados, em 2018, só levará em conta aquilo que seus partidos receberem, sem permitir alianças. Antes, com as coligações malucas que os políticos inventavam, misturando alhos com bugalhos, você votava em uma candidato, por exemplo, do PT, e ajudava a eleger um do PMDB (porque o PT estava coligado com o PMDB).

.oOo.

Votação de Aécio em 2016:
51.041.155 votos
Valor encontrado no apê de Geddel:
51.038.866 reais

O que significa? Sei lá.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Os gregos não escreviam necrológios

Li algures que os gregos antigos não escreviam necrológios,
quando alguém morria perguntavam apenas:
tinha paixão?
quando alguém morre também eu quero saber da qualidade da sua paixão:
se tinha paixão pelas coisas gerais,
água,
música,
pelo talento de algumas palavras para se moverem no caos,
pelo corpo salvo dos seus precipícios com destino à glória,
paixão pela paixão,
tinha?
e então indago de mim se eu próprio tenho paixão,
se posso morrer gregamente,
que paixão?
os grandes animais selvagens extinguem-se na terra,
os grandes poemas desaparecem nas grandes línguas que desaparecem,
homens e mulheres perdem a aura
na usura,
na política,
no comércio,
na indústria,
dedos conexos, há dedos que se inspiram nos objectos à espera,
trémulos objetos entrando e saindo
dos dez tão poucos dedos para tantos
objectos do mundo
e o que há assim no mundo que responda à pergunta grega,
pode manter-se a paixão com fruta comida ainda viva,
e fazer depois com sal grosso uma canção curtida pelas cicatrizes,
palavra soprada a que forno com que fôlego,
que alguém perguntasse: tinha paixão?
afastem de mim a pimenta-do-reino, o gengibre, o cravo-da-índia,
ponham muito alto a música e que eu dance,
fluido, infindável, apanhado por toda a luz antiga e moderna,
os cegos, os temperados, ah não, que ao menos me encontrasse a paixão
e eu me perdesse nela
a paixão grega.

– Herberto Hélder

Herberto Hélder (1930-2015)

Herberto Hélder (1930-2015)

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Financiamento zero, despesa nula: esta é a verdadeira e necessária reforma política

PUM - Partido Utopico Moderado

Certa vez, eu e o Francisco Marshall estávamos assistindo um concerto qualquer quando eu falei no financiamento público de campanha, esta invenção tão incompreensível e injusta para o povo quanto antidemocrático é o financiamento próprio ou das empresas. E o Chico gritou:

— Financiamento público? Então eu vou ter pagar por aquilo? Eu quero financiamento zero, despesa nenhuma, jogo limpo e igual para todos, isso sim!

E reinventamos (ou ele reinventou, não lembro bem) rapidamente uma Lei Falcão para o século XXI. Foto do(a) candidato(a), currículo, plataforma, partido, talvez uma fala de alguns minutos e só. Nada de santinho, nada de outdoor, nada de jingle (jingle para me representar? Isso é um show?), nada de empresas ou cidadãos metendo dinheiro, nada. Uma campanha igual para todos. No máximo comícios, debates na TV e fim. Após eleitos, como brinde, o PUM oferece a cada deputado muitos agentes da PF para fiscalizá-los 24h. Recebeu propina, PUM!, fora.

Sempre ventilando a política, o PUM apoia a medida. A surpresa é que o Chico, neste fim de semana, em sua coluna de ZH, colocou em palavras este Nirvana eleitoral. A seguir, deixo-lhes o texto completo:

Despesa nula em campanhas eleitorais, a verdadeira e necessária reforma política

Por Francisco Marshall

Os políticos acostumaram-se com esse esquemão e o adaptam, com duas falácias: financiamento público de campanha e o fundo partidário.

Os maiores inimigos da democracia são a demagogia e o marqueteiro. A demagogia é monstro antigo, que pode ser domesticado e servir para se interpretar a vontade popular; ela torna-se um mal quando são prometidos benefícios impossíveis, para iludir o povo, onerando o Estado ou criando desencanto com a política. Já o marqueteiro é sempre inimigo da democracia: cria imagens enganosas, vende o ruim como se bom fosse, gasta o escasso recurso (privado e público) para iludir, premia a eugenia e pavimenta o caminho para muitos delitos: desvios, sobras de campanha e compromissos com doadores e veículos de imprensa. Não à toa, o próprio termo marqueteiro é corruptela da palavra marketing, evidenciando que aqui temos um vendilhão com técnica publicitária.

O engano produzido por marqueteiros só tem utilidade para os farsantes que querem se eleger à custa da boa-fé dos ingênuos e da dignidade da política. Perde a publicidade, maculada por essa promiscuidade, e perde o espaço público, empestado com mensagens inadequadas. Agrava-se a assimetria e a prevalência do interesse econômico, nada isonômicas. Pior, os políticos profissionais já se acostumaram com esse esquemão e agora o adaptam, com duas falácias: o financiamento público de campanha e o bilionário fundo partidário. Contra este mal, a sociedade pode aplicar antídoto eficiente e de grande benefício para a melhora da política: despesa nula, zero gasto possível em campanhas eleitorais. Como funcionaria?

Os tribunais eleitorais elaboram uma base de dados padronizada, com identificação e CV do candidato, suas propostas e um canal de comunicação, com interface simples, acessível intuitivamente por qualquer pessoa do povo. Na campanha, os candidatos ficam proibidos de realizar despesa eleitoral, inclusive manter páginas na internet, mas especialmente a produção de materiais publicitários de qualquer espécie; isto é de fácil fiscalização. É preciso lei rigorosa contra robôs nas redes sociais, um veneno que já está impregnando a internet. Sem santinho, programa partidário com forma de novela ou outdoor: cidade limpa, base de dados digital. Nada impede a realização da agenda de comícios e de debates, seguindo regras públicas. Espécie de Lei Falcão da era digital.

E como se dará o acesso de quem não tem computador?

Os tribunais eleitorais, em parceria com os Executivos e Legislativos, podem usar os recursos hoje empregados no fomento direto a partidos para subsidiar a implantação e a manutenção de um novo serviço cívico: ilhas digitais com terminais assistidos disponíveis para o povo e ampliação da cobertura pública de wi-fi. Nos interstícios eleitorais, essas ilhas podem funcionar como bibliotecas digitais cidadãs, com ferramentas que permitam às pessoas acesso a benefícios sociais (se sobrar algum da devastação atual), chances de emprego e informação com efeito educacional. Se essas ilhas tiverem ao lado praças para atividades culturais e desportivas, o Brasil estará salvo em poucos anos. Despesa nula em campanhas eleitorais, a verdadeira e necessária reforma política.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!