Porque hoje é sábado, Sonia Aquino

Eu estava no StudioClio envolvido por Mozart e pela gastronomia

de um tremendo banquete

quando lembrei que não tinha preparado

a diversão sabatina de meus sete leitores — dos quais quatro são homens.

Despedi-me dos amigos e

corri pressurosamente até minha casa e meu computador

a fim de oferecer-lhes outro banquete,

o de Sonia Aquino, esta italianuda de Avellino.

Aquina ou aqüina, ela é uma Sonia

que vale nossa insônia. É atriz e apresentadora e

notem o desvelo, o capricho, a imensa e

inesgotável capacidade para o trabalho.

Ao menos é o que dizem das italianas aqui na Serra: passionalidade e amor ao trabalho.

A história da colonização italiana é clara:

o trabalho não era exclusivo dos homens.

Mas o que estou dizendo? Já disse que estou bêbado?

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Argélico (com os melhores lances do marasmo de ontem)

Colorados entediados com Argel

Colorados entediados com Argel

Argélico, se alguém faz tudo errado e ganha, então faz tudo certo? Não, né? Pois tu entraste com três volantes para enfrentar o terrível Sport em casa. Sem ataque, viste o Sport levando o cachorrinho para passear em pleno Beira-Rio. Quando o cãozinho preparava-se para cagar em nossa grama, ainda no primeiro tempo, tiraste Anselmo — esta terrível invenção catarinense — e colocaste o menino Ferrareis, que não é grande coisa, mas que fez o time respirar e crescer, evitando o frevo em nossa terra de músicas simples de dois compassos.

Nosso ataque já não é uma Ferrari e, quando tu enfias um monte de volantes aí mesmo que nada funciona. Jamais pensei que sentiria tanta saudade do Anderson. Espero que Seijas dispute posição com o ex-garoto de ouro gremista para que tu possas esquecer teus delírios de jogar com três volantes em casa. Contra o São Paulo no Morumbi ou o Santos na Vila, esta postura é aceitável pelo fato de que eles nos atacam e temos a possibilidade do contra-ataque. Mas aqui em Porto Alegre, para enfrentar um time fraquinho como este do Sport? Vai te catar, Argélico.

O que eu gosto da torcida do Inter é seu ar filosófico e distante. Onde eu estava, muita gente ria da tua escalação, esperando a inevitável mudança. Enquanto isso, conversavam com os amigos no WhatsApp.

Então, fizemos o suado gol e qual foi a tua reação? Retiraste um atacante e repuseste o trio de volantes, desta vez com Nilton, muito superior ao incompreensível Anselmo. Isso demonstra tua convicção. És racidal em teu teu desejo de sofrimento! E o que aconteceu? O Sport veio pra cima de nós e quase empatou. Ganhamos, mas…

Argélico, se alguém faz tudo errado e ganha, então faz tudo certo? Não, né?

 

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bolsonaro, Frota e o estupro

A notícia do estupro de uma menina de 17 anos no RJ por mais de 30 homens, do vídeo da moça desacordada com os genitais à mostra, do orgulho dos criminosos que teriam vingado uma traição amorosa, todo este absoluto horror combina demais com as declarações imbecis, machistas e bravateiras de um Bolsonaro — “Você não merece ser estuprada”, disse ele — e com a confissão de Alexandre Frota na televisão de já ter estuprado — sob risos da plateia. Fico até com vergonha das mulheres.

chapabolsonaro

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Nossa, como Porto Alegre embagulhou (*)

(*) Obrigado Felipe Prestes.

Fotos colorizadas de Porto Alegre nas décadas de 20 e 30 encontradas aqui.

POA 01

POA 02

POA 03

POA 04

POA 05

POA 06

POA 07

POA 08

POA 09

POA 10

POA 11

POA 12

POA 13

POA 14

POA 15

POA 16

POA 17

POA 18

POA 19

POA 20

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Argélico (com os melhores lances de São Paulo 1 x 2 Inter)

O futebol não impressionou ninguém, mas o resultado foi uma montanha de alegria | Foto: SC Internacional

O futebol não impressionou ninguém, mas o resultado foi uma montanha de alegria | Foto: SC Internacional

A primeira boa notícia do domingo foi a vitória obtida fora de casa com dois gols de Sasha, que nem jogou muito bem, mas quem sou eu para reclamar de um jogador que marcou dois gols num time com tantas dificuldades para atacar? Sasha foi genial! O que interessa é que ele estava no lugar para receber os belos passes de Vitinho e William — aliás, que jogada do William no segundo gol, hein?

Curiosamente, este jogo pareceu muito com a primeira partida das finais da Libertadores de 2006. Então e agora, São Paulo 1 x 2 Inter. Atacantes loiros fizeram dois gols lá e cá — Sóbis e Sasha –, dois zagueiros descontaram — Edcarlos e Lugano –, dois atletas do Inter foram expulsos — Fabinho e Alex — e só faltou uma expulsão do SP hoje, pois em 2006 Josué foi expulso.

A outra boa notícia foi a excelente estreia do goleiro Danilo Fernandes. Tranquilo, atuou como se estivesse há anos na posição. Outra bela atuação foi a de Fernando Bob. Não erra passes. Já o outro estreante, Anselmo, foi bem retirado por ti, Argélico. OK, é o primeiro jogo do ex-jogador do Joinville, mas ele poderia ter sido menos péssimo, não? Nilton entrou muito melhor.

Estamos passando por uma fase Simeone. sabemos nos defender, mas, se for necessário atacar, será uma cesariana para fazer um gol, principalmente em times que venham ao Beira-Rio fechados. Ontem, no Morumbi, fizemos dois em contra-ataques. Dou o braço a torcer, Argélico, tu ajeitaste a defesa, mas será que não tem ninguém na tua comissão técnica para dar jeito no ataque? É tudo muito previsível e lento. Nosso time joga feio que dá nojo de ver, mas defende-se bem, já disse isso.

A falta de técnica e beleza começa lá atrás. Nosso goleiro bateu tiros de meta quase sempre com o tradicional chutão para a frente. Apenas uma vez saímos jogando calmamente, com argumentos futebolísticos e não com gritaria. Mas vamos lá. Espero dificuldades contra um Sport retrancado na quinta-feira, às 16h. O jogo será no Beira-Rio. Mas acredito na vitória.

(Ah, o acordo entre o Inter e o Esporte Interativo está gerando efeitos na RBS. Mais do que nunca, é tudo contra o Inter. Imaginem que ontem “a arbitragem nos auxiliou”. Já para o Première, a Fox e a ESPN — emissoras paulistas — tudo foi normal).

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque hoje é sábado, ruivas

Para Felipe Prestes.

Com a proximidade dos dias frios,

com as noites cada vez mais longas,

nada melhor do que indicar,

a meus sete leitores,

uma (ou mais)

ruivas.

Pois elas têm algo em comum

ou algo que é paradoxal

ou que, ao menos, está em frontal oposição

ao frio.

Notem como essas fotos,

caçadas em site especializado,

demonstram de forma natural e involuntária

que as paisagens invernais

consistem no habitat das ruivas.

Um amigo me disse uma vez,

que as ruivas

são ideais para um amor efêmero, da duração exata de

um inverno. Acho que discordo.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque hoje é sábado sem personagem principal

Sim, porque às vezes a gente perde o interesse no personagem principal.

Porque às vezes a gente quer todas.

Também porque às vezes preferimos o anônimo e o antiglamour.

Porque às vezes não somos específicos em nossas preferências.

Porque às vezes a Rede Globo atrapalha.

Porque tantas vezes é apenas um belo rosto.

De novo.

sarah

Porque às vezes nos sentimos sufocados pela grandes mulheres.

Como a de acima.

Porque às vezes passamos toda a semana desconcertados,

AliciaMachado

pensando que de tudo o que vimos, ficou apenas um gesto aparentemente simples

Sara Shahi

visto num grande filme, realizado por mulher com alma e beleza,

CERTIFY-jumbo

que simplesmente retira as sandálias na nossa frente. E massageia os próprios pés, fazendo-nos voltar à personagem principal.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

#ocupatudo

Criação (gráfica) da Joana Gutterres Berwanger e criada por sugestão deste que vos escreve… A autoria do poema é das ruas.

ocupa4

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Um rascunho de Svetlana Alexievich, vencedora do Prêmio Nobel de Literatura de 2015

A escritora Svetlana Alexievich, Prêmio Nobel de 2015

A escritora Svetlana Alexievich, Prêmio Nobel de 2015

Publicado em 10 de outubro de 2015 no Sul21

O Nobel de Literatura, concedido à bielorrussa Svetlana Alexievich, 67 anos, na última quinta-feira (7), foi a senha para que se iniciassem duas barulhentas discussões em três países: a Bielorrússia (ou Belarus), a Rússia e a Ucrânia.

A primeira delas envolve a nacionalidade da literatura e da própria Alexievich. Os russos dizem que ela escreve em russo e nasceu na União Soviética. Colocando inadvertidamente lenha na fogueira, a própria autora disse, logo que recebeu o prêmio: “É muito perturbador. O Nobel evoca imediatamente os grandes nomes de Búnin, Pasternak e Brodsky”. Todos russos.

Ivan Búnin (Nobel de Literatura de 1933) e Boris Pasternak (recebeu em 1960) nasceram na Rússia czarista, produziram na União Soviética e foram opositores ao regime. Búnin, inclusive, emigrou e morreu na França. Joseph Brodsky (Nobel de 1987) nasceu durante a Segunda Guerra e morreu em Nova Iorque, exilado. Todos escreviam em russo. E Svetlana Alexievich também. Então, como ela não escreve em bielorrusso… Para os russos, ela é russa.

E a Ucrânia entre no jogo pelo simples fato da escritora ter nascido em seu solo e de ter mãe ucraniana, mesmo que tenha ido para Minsk ainda quando criança. Então é ucraniana.

Porém, para os bielorussos, ela cresceu, estudou e se formou como jornalista no país. O pai era um militar bielorrusso que fora transferido temporariamente para a Ucrânia. Além disso — e eles estão corretos –, ela sofreu enorme influência de grandes escritores do país, como Alés Adamóvich, o fundador do gênero de romance-documentário que a escritora pratica. Então é bielorrussa.

Lukashenko, o eterno

Lukashenko vê sua inimiga premiada

A outra discussão

A outra discussão gira em torno dos temas dos livros de Svetlana Alexievich. A partir de entrevistas — ela é uma extraordinária entrevistadora — a autora se dedica a criar painéis de vozes reais. Seus livros são “romances coletivos”, também conhecidos como “romances corais”, ou “romances de evidências”. São pessoas que falam de si mesmas numa espécie de coral.

Tais corais são formados por vozes de sobreviventes da Segunda Guerra Mundial, do acidente nuclear de Chernobyl, da campanha no Afeganistão, etc. Também há um livro sobre como o povo sentiu a passagem do comunismo para o capitalismo. São relatos pessoais, onde, apesar de a política permanecer subjacente, têm um tom de forte crítica a várias gerações de governantes da União Soviética, Bielorrússia e Rússia.

(A Bielorrússia tem o mesmo presidente desde a implosão da União Soviética. Aleksandr Lukashenko, conhecido como O Último Tirano da Europa, está no cargo desde 1994 em sucessivas e mui discutidas reeleições).

Deste modo, o Nobel teria sido concedido a uma pessoa que dedica-se a tecer críticas à sociedade russa e bielorrussa, isto é, a uma pessoa de posições claras, non grata para muitos.

Então, na quinta-feira à noite, enquanto os amigos de Svetlana Alexievich faziam uma enorme festa numa vinoteca de Minsk, parte dos jornais e redes sociais locais referiam-se a um Nobel dado a uma autora que “odeia nosso país”.

A escritora em Portugal, na ocasião do lançamento de seu único livro traduzido para nossa língua

A escritora em Portugal, na ocasião do lançamento de seu único livro traduzido para nossa língua

Europeia

A escritora fala com grande tranquilidade sobre a primeira questão levantada, a de sua nacionalidade. “Eu sou europeia. Nasci na Ucrânia, de uma família que era metade do local e metade bielorrussa. Quase imediatamente após meu nascimento, fomos para a Bielorrússia. Durante mais de 12 anos eu vivi na Itália, Alemanha, França e Suécia. E há dois anos, voltei para Minsk”.

A Academia Sueca, anunciando sua vitória, elogiou os “escritos polifônicos” de Alexievich, descrevendo-os como “um monumento ao sofrimento e à coragem em nosso tempo”. Muito influenciada pelo escritor Alés Adamóvich, que considera como seu mestre, Alexievich tem a particularidade de deixar fluir diferentes vozes em torno de um tema. Ela esclarece diversos destinos individuais, descrevendo mosaicos que criam a certeza de tragédias reais. Alexievich trabalha decididamente na faixa do drama e da morte.

A edição portuguesa da Porto

A edição portuguesa da Porto

Os livros

Em 1989, ela publicou Tsinkovye Málchiki (Meninos de Zinco), sobre a experiência da guerra do Afeganistão. Para escrevê-lo, percorreu o país entrevistando mães de soldados mortos no confronto. Em 1993, publicou Zacharov-annye Smertiu (Encantados pela morte), sobre os suicídios cometidos por aqueles que não haviam conseguido sobreviver ao fim do socialismo. Em 1997, foi a vez de Vozes de Chernobyl, um aterrador retrato da tragédia cuja devastação radioativa atingiu principalmente a Bielorrússia. O livro vendeu 2 milhões de exemplares em língua russa.

No ano passado, foi lançado O Tempo de Segunda Mão (ou O Fim do Homem Soviético, em Portugal). Nesse novo trabalho, Alexievich se propõe a “ouvir os participantes do drama socialista”. Para a escritora, o “homo sovieticus” ainda continua vivo, e não é apenas russo, mas também bielorrusso, turcomano, ucraniano, casaquistanês, etc. “Hoje vivemos em Estados distintos, falamos línguas distintas, mas somos inconfundíveis, rapidamente reconhecidos. Todos nós somos filhos do socialismo”, afirma, referindo-se a seus “vizinhos de memória”. “O mundo mudou completamente e não estávamos realmente preparados para isso”

Falando à emissora sueca SVT, Svetlana Alexijevich disse que o prêmio a deixou com um sentimento “complicado”. A academia telefonou para ela enquanto estava em casa “deixando passar o momento da divulgação do vencedor”, disse ela, acrescentando que os mais de 3 milhões de reais do prêmio “comprariam sua liberdade”. “Demoro muito para escrever meus livros, de cinco a 10 anos cada um. Eu tenho duas ideias para novos livros, por isso estou muito satisfeita: agora vou ter dinheiro e tranquilidade para trabalhar neles.”

Os romances corais

Alexievich nasceu no dia 31 de maio de 1948 na cidade ucraniana de Ivano-Frankovsk. Após a desmobilização do pai do exército, a família retornou à Bielorrússia e se estabeleceu em uma aldeia onde ambos os pais trabalhavam como professores. Ela deixou a escola para trabalhar como repórter no jornal local na cidade de Narovl.

Alexievich escreve contos, ensaios e reportagens, mas diz que só encontrou sua voz sob a influência de Alés Adamóvich. Na cerimônia de divulgação do prêmio, a crítica literária Sara Danius disse que “não se trata de uma escritora de eventos nem de análise política, é uma historiadora de emoções. O que ela nos oferece é realmente um mundo emocional. O desastre nuclear de Chernobyl e a guerra soviética no Afeganistão são pretextos para explorar a indivíduo soviético e pós-soviético”.

Chernobyl, o horror

Chernobyl, o horror

Em Vozes de Chernobyl, Alexievich entrevista centenas de pessoas afetadas pelo desastre nuclear, indo desde uma mulher que, agarrada a seu marido morto, ouve os enfermeiros lhe dizerem que “isso não é mais uma pessoa, é um reator nuclear”, até os soldados enviados ao local. Fala de suas raivas por terem sido “arremessados lá, como areia no reator”. Em Meninos de Zinco, ela reúne vozes da guerra do Afeganistão: soldados, médicos, viúvas e mães.

“Eu não pergunto às pessoas sobre a política, eu pergunto sobre suas vidas: o amor, o ciúme, a infância, a velhice”, escreveu Alexievich na introdução ao O Tempo de Segunda Mão (O Fim do Homem Soviético). “Me interessam não apenas as tragédias vividas, mas a música, as danças, as roupas, os penteados, os alimentos. Os detalhes diversos de uma maneira desaparecida de viver. Esta é a única maneira de perseguir a catástrofe”.

“A história está interessada apenas em fatos; as emoções são excluídas do seu âmbito de interesse. É considerado impróprio admiti-los na história. Eu olho para o mundo como uma escritora, não como uma historiadora. Eu sou fascinada por pessoas “.

Seu primeiro livro, A guerra não tem rosto de mulher, tem como base entrevistas com mulheres que participaram da Segunda Guerra Mundial. “É uma exploração da Segunda Guerra Mundial a partir de uma perspectiva que era, antes do livro, quase completamente desconhecido “, disse Danius . “Ela conta a história de mulheres que estavam na frente de batalha na segunda guerra mundial. Quase um milhão de mulheres soviéticas participaram na guerra, e esta era uma história desconhecida. A obra foi um enorme sucesso na União Soviética, vendendo mais de 3 milhões de cópias. É um documento comovente e íntimo, trazendo para muito perto de nós cada indivíduo.” 

A edição alemã de "A guerra não tem rosto de mulher"

A edição alemã de “A guerra não tem rosto de mulher”

Tradutores, editores e leitores

Embora Alexievich tenha sido traduzida para o alemão, francês e sueco, ganhando uma série de importantes prêmios por seu trabalho, as edições em inglês do seu trabalho são escassas. Em Portugal, O Fim do Homem Soviético saiu este ano pela Porto Editora.

Seu editor francês diz que este livro é uma pesquisa micro-histórica da Rússia da segunda metade do século XX, indo até os anos Putin. Aliás, Alexievich é uma das vozes de oposição, costumando criticar duramente Putin e Lukashenko em palestras para leitores.

Bela Shayevich, que atualmente está traduzindo Alexievich para o inglês disse que “esta vitória significa que mais leitores serão expostos às dimensões metafísicas de sobrevivência e desespero das tragédias da história soviética. Espero que mais pessoas entendam o sofrimento provocado por circunstâncias geopolíticas estranhas a elas”.

A opinião geral de seus admiradores é a de que seus livros são muito incomuns e difíceis de categorizar. São tecnicamente não-ficção, mas recebem um belíssimo tratamento literário e de trabalho de linguagem. Sua tradutora inglesa faz uma reclamação: “Os editores ingleses e americanos são relutantes em assumir riscos e não gostam de livros muito trágicos. Não investem em um livro só porque ele é bom. Agora, com Nobel, talvez a coisa mude”.

Nas entrevistas após o prêmio, perguntaram a Alexievich sobre os refugiados na Europa. “A Europa agora passa por mais um teste sobre sua própria humanidade. Estive recentemente em Mântua, na Itália, e alguns amigos me convidaram para “marchar de pés descalços”. Este tipo de marcha foi organizada pela primeira vez em Veneza e agora está indo para todas as cidades. As pessoas tiram os sapatos e caminham descalças pelas cidades em solidariedade aos refugiados. Lá estavam refugiados, imigrantes e italianos solidários a eles. E isto na Itália, onde o nacionalismo é muito forte. Espero que, desta vez, a Europa seja aprovada no teste”.

Svetlana Alexievich é apenas a 14ª mulher a receber o Nobel de Literatura. Ao todo, 111 autores já foram premiados.

(*) Com Elena Romanov

.oOo.

Comentário de Charlles Campos sobre Alexievich:

Estou apaixonado por essa autora. Estou lendo avidamente o Vozes de Tchernóbil (mania esse revisionismo de acentos nas palavras russas: antes era Chernobíl, Checóv, Karenina, Karamázov, agora são outras sonoridades completamente diferentes). Que livro, senhores! Não esperem história acadêmica ali, nem erudição filosófica cartorizada. A profundidade inigualável desse livro está no sentimento humano, na pureza do olhar, o olhar que extravasa a tragédia, a omissão, a política assassina. Neste livro se diz coisas tão espantosas que assustamos por enxergá-las inseridas na trivialidade, como essa: os radioisótopos espalhados pelo acidente permanecerão pelo planeta 200 mil anos, são imortais comparados a nós. Esse livro, para mim, é o alívio gratificante de encontrar uma resposta ao documentário da BBC sobre Tchernóbil que eu assisti há 2 anos, que mostra os generais soviéticos computando todas as vidas perdidas na indiferença acintosa dos monumentos aos heróis: Svetlana restitui a riqueza humana desses assassinados e desses suicidas, nega-lhes a frieza das estatísticas. Um livro que todo mundo deveria ler, imediatamente. O sarcófago, a estrutura de aço construída em torno do reator 4 de Tchernóbil, expiou seu prazo de validade nesse ano, 30 anos depois. Se as chamas tivessem alcançado os outros três reatores, teria sido, literalmente, o fim da humanidade, a nossa extinção. 4 dias depois do acidente, nuvens de Césio-137 e Urânio-235 expelidas em Tchernóbil já estavam na China, na África, e pelos céus de vários países europeus. As narrativas desse livro_ impressiona saber serem colhidas em entrevistas, devido suas altas qualidades literárias_, mostram o quanto devemos nossas vidas ao sofrimento e morte dessas pessoas. É simplesmente um livro sublime e vasto. A Companhia das Letras prometeu publicar toda a bibliografia da autora.

svetlana-alexievich_650x400_71444303070

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

19 de maio é o dia dela

DSC01583Hoje a Elena está de aniversário. Ela nasceu muito longe, na pequena Moguilev. Quando aconteceu, eu já estava por aí há algum tempo — em outro continente e hemisfério — e a possibilidade de um encontro entre nós era menor do que a de eu ganhar na Megasena. Afinal, somos sete bilhões e ela nem era um milhão, o que já seria complicado.

Mas aconteceu. Conhecia-a na Ospa, depois tivemos uma discussão no Facebook sobre um andamento de Beethoven (esperavam um bate-boca, mas ficamos amigos), nos conhecemos e hoje temos uma vida tão tranquila e amorosa que ela costuma dizer que sente cada uma de nossas caminhadas como se fossem férias, mesmo que eu a esteja levando para o trabalho e vice-versa. E são férias mesmo, tal a leveza que alcançamos — ao menos na área de convivência, porque quando subo na balança… Bem, deixa pra lá. E falamos pouco ou nada de Beethoven. E não damos um ao outro mera atenção residual. Mas nada disso adiantaria, repito, nada disso adiantaria se não considerássemos doces os lábios um do outro.

Dizer que espero que eu possa ajudá-la a suportar a vida para que ela não nos marque para o resto do dia, da semana ou da existência é pouco, pois, na verdade, espero que ela tenha uma bela vida, cheia de sorrisos, saúde e felicidade — sempre a meu lado, claro.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

25 imagens fundamentais de nosso tempo (uma antologia pessoal)

Muito pessoal. A ideia e algumas fotos — e discordâncias — vieram do site mundo.com. Retirei algumas imagens sugeridas pelo site, coloquei outras, e ampliei a seleção de 20 para 25 fotos. Acho que ficou aceitável.

.oOo.

1. Os soviéticos hasteando a bandeira no Reichtag. A foto foi tirada com uma Leica pelo fotógrafo Yevgeni Khaldei, da Agência Tass.

01

2. O avião 14 Bis levantando voo. No começo do século 20, Alberto Santos Dumont concluiu a construção de seu avião 14 Bis e com ele alçou voo, fazendo deste o primeiro objeto mais pesado que o ar a voar sem a ajuda de impulsos externos.

02

3. Erguendo a bandeira em Iwo Jima. A intenção norte-americana ao invadir a ilha era obter uma localização estratégica para o reabastecimento das tropas norte-americanas no avanço até o Japão. Após a vitória, os EUA ficaram com o local para si, claro.

03

4. Dia da Vitória em Times Square. O final da Segunda Guerra. O fotógrafo Alfred Eisenstaedt tirou a famosa fotografia de um marinheiro norte-americano beijando uma jovem enfermeira na Times Square em Nova York. A mulher foi identificada mais tarde, na década de 1970, como Edith Shain, porém a identidade do marinheiro continua desconhecida.

04

5. Che Guevara, é claro. O famoso retrato de Che Guevara, intitulado Guerrilheiro Heroico, foi tirado em 5 de março de 1960 em Havana, Cuba. Guevara comparecia à inauguração de um memorial.

05

6. A capa de Abbey Road. Os Beatles se juntaram nos estúdios da Abbey Road, em Londres, na quente manhã de 8 de agosto de 1969 para tirar a foto da capa do disco que estavam gravando.

06

7. O protesto do Monge. Em 11 de junho de 1963, Thich Quang Duc, um monge budista vietnamita, ateou fogo ao próprio corpo e queimou até a morte em uma rua movimentada no centro de Ho Chi Minh.

07

8. O desastre do Hindenburg. O desastre do Hindenburg ocorreu em 6 de maio de 1937, quando o gigantesco dirigível alemão pegou fogo e foi destruído durante uma tentativa de pouso na base naval de Lakehurst, em Nova Jersey, nos Estados Unidos.

08

9. Na Praça da Paz Celestial. Este misterioso homem tornou-se famoso em todo o mundo após o fotografo Jeff Widener registrá-lo em pé, frente a uma coluna de tanques chineses durante os protestos na Praça da Paz Celestial em Pequim, no dia 5 de junho de 1989.

09

10. A imagem do corpo do jornalista Vladimir Herzog enforcado em cela do II Exército é uma das mais emblemáticas do período ditatorial.

vladimir herzog

11. Menina afegã. Sharbat Gula tinha 12 anos quando foi fotografada pelo jornalista Steve McCurry durante uma reportagem para a revista National Geographic, publicada em junho de 1985. Quando foi fotografada, a menina afegã vivia como refugiada no Paquistão durante a ocupação soviética no Afeganistão.

10

12. O monstro do Lago Ness. Foto de 1934. As histórias sobre o monstro do Lago Ness têm sido contadas desde aproximadamente 565 d.C. Os defensores de sua existência acreditam que a criatura venha de uma linhagem de Plesiossauros… Tudo negado pela comunidade científica, obviamente.

11

13. Guerra Fria. Explosão da bomba atômica nas Ilhas Marshall. Era um teste nuclear comum em meados do século XX. A foto é de 25 de julho de 1946, quando da primeira detonação de uma bomba atômica embaixo d’água. Foi liberada uma nuvem de vapor com quilômetros de altura, coroada por jatos de água.

12

14. Nascer da Terra. Na noite de Natal de 1968, nenhum dos astronautas a bordo da Apollo 8 estava preparado para o momento em que veriam seu planeta surgir atrás no horizonte lunar. O Nascer da Terra é o nome dado à imagem da NASA tirada pelo astronauta William Anders durante a primeira viagem tripulada a orbitar a Lua.

13

15. Einstein mostrando a língua. É uma das imagens mais conhecidas de Einstein. O cientista aprovou a foto e pediu nove cópias dela. Após autografar uma das imagens, ele a presenteou a um repórter. Em 19 de junho de 2009, a imagem assinada foi leiloada por mais de US$ 70 mil.

14

16. Almoço no topo de um arranha-céu. 20 de setembro de 1932. Almoço no topo de um arranha-céu é uma famosa fotografia em preto e branco tirada durante a construção de um edifício na cidade de Nova York.

15

17. Maio de 1968, Paris. Em 13 de Maio de 1968, em Paris, o fotógrafo Jean-Pierre Rey imortalizou uma jovem de 23 anos. A foto foi publicada pela revista Life. A protagonista da dessa célebre imagem foi posteriormente identificada como sendo a jovem aristocrata e modelo inglesa, Caroline de Bendern, que vivia em Paris depois de ser expulsa de vários colégios na Inglaterra. Ela estava sobre os ombros de um amigo, porque seus pés estavam doloridos. O avô viu a foto e ficou escandalizado. Por conseqüência desta fotografia, Caroline perdeu a mesada milionária e acabou sendo deserdada pelo avô. Caroline passou o resto de sua vida processando Jean-Pierre Rey pelos direitos da fotografia.

maio68

18. Fotografia icônica mostra as cabeças de Lampião (última de baixo), Maria Bonita (logo acima de Lampião) e outros cangaceiros do bando.

altardelampiao

19. No dia 29 de junho de 1973, durante os confrontos que culminaram com a deposição do presidente do Chile, Salvador Allende, o cinegrafista sueco-argentino Leonardo Henricksen, do canal 13 de Buenos Aires, deixou seu hotel, no Centro de Santiago, ao ouvir rajadas de metralhadoras. Era o Regimento de Blindados, que se sublevara e atacava o Palácio de Governo. Henricksen conseguiu se posicionar a apenas duas casas do palácio. Militares determinaram que a rua fosse desimpedida, mas ele não saiu do lugar. Um oficial apontou uma arma para o cinegrafista. E atirou. A imagem treme, mas ele continua filmando. Um soldado, então, deu um tiro de misericórdia, de fuzil. A câmera continua registrando a cena até que tudo fica branco na tela.

20130629tancazo-momento-em-que-militar-dispara-contra-o-cinegrafista-leonardo-henrichsen

20. O impacto. A fotografia foi considerada pela National Geographic uma das 25 mais importantes imagens dos ataques de 11 de setembro. Às 9 horas da manhã do dia 11 de setembro de 2001, o voo 175 da United Airlines colidiu contra a torre sul do World Trade Center.

18

21. Execução em Saigon. Esta foto foi tirada por Eddie Adams durante a guerra do Vietnã. O major General Nguyen Ngoc Loan, à esquerda mata o vietcongue Nguyen Van Lem à direita.

execução em Saigon

22. Dali atomicus. O fotógrafo Philippe Halsman informou que tentou obter a imagem 28 vezes até ficar satisfeito com o resultado. Antes das técnicas modernas e computadorizadas de manipulação de imagens, ele conseguiu tirar esta fotografia do artista surrealista Salvador Dali suspenso no ar.

20

23. Menina de 9 anos fugindo após ataque em uma aldeia no Vietnã. Ela sobreviveu, apesar de suas roupas terem queimado sobre seu corpo.

main-qimg-724da2c94512be55e48a5e4481619861

24. Um homem judeu, ajoelhado diante de um poço cheio de corpos, está prestes a ser morto por um soldado alemão. Esta fotografia foi encontrada no álbum de fotos de um soldado alemão, e na parte de trás estava escrito o título de “O Último Judeu de Vinnitsa”.

main-qimg-3d837c870d7f4d5fdd86dc2ae440c10b

25. Foto de Mike Bem, esta imagem mostra-nos a mão de um menino ugandense na mão de um médico da Cruz Vermelha.

main-qimg-3d67792eee7f2a2ab285a33a2ac3b37a

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Eu vou ter uma convulsão com este Ministro da Saúde

Antes de tudo, um detalhe: o maior doador individual da campanha do atual Ministro da Saúde para deputado, em 2014, Elon Gomes de Almeida, é sócio do grupo Aliança, uma administradora de planos de saúde.

Ricardo Barros

Pois bem, em entrevista concedida ao jornal Folha de S. Paulo, o atual Ministro da Saúde, o famigerado Ricardo Barros (PP-PR) revelou com toda a clareza o projeto político do governo de Michel Temer com relação à Saúde, explicitando que “o país precisa rever o direito universal à saúde”, e que “quanto mais gente puder ter plano, melhor”.

Barros afirmou que pretende criar uma equipe para rever protocolos da área e descobrir se há fraudes na aplicação dos recursos. Ele defendeu, no entanto, que “quanto mais gente puder ter planos de saúde, melhor porque vai ter atendimento patrocinado por eles mesmos, o que alivia o custo do Governo em sustentar essa questão“. Ora, então para que pagamos o SUS? Para usá-lo somente para receber uma merreca de aposentadoria? Qual é a razão deste duplo pagamento? É a mesma questão na educação. Pagamos impostos, mas, se queremos uma educação melhor para nossos filhos, pagamos também colégios particulares. E o que é o estado mínimo? Não é aquele que garante, saúde, educação e segurança? Pois não chegamos ainda lá.

(O país tem 2 milhões de profissionais e trabalhadores do SUS, parte dos quais constituem as 40 mil equipes de Saúde da Família, com cerca de 265 mil Agentes Comunitários de Saúde, milhares de estudantes de cursos de graduação e pós-graduação na área de saúde, milhares de gestores que atuam em mais de cinco mil municípios desse imenso país, lutando para garantir o acesso universal a serviços de saúde. A Constituição Federal de 1988 consagrou “Saúde como Direito de Todos e Dever do Estado” e instituiu o SUS como Sistema de Saúde Pública universal e equitativo, tentando inscrever o Brasil no rol dos países civilizados).

Arthur Chioro, que dirigia o Ministério da Saúde até antes da última reforma ministerial de Dilma, afirmava constantemente que faltavam recursos e que era necessário que houvesse outras fontes para suprir o sistema, com a provável volta da CPMF. Cortes, entretanto, nunca fizeram parte dos planos. O país gasta aproximadamente 7% de suas Receitas Correntes Brutas com o sistema. Para o Movimento Saúde Mais Dez, que reúne mais de cem entidades do setor, seria necessário elevar esse valor para 10%.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

1971, o melhor ano do Rock

Who`s NextHoje, minha praia são os eruditos, mas em 1971 tinha de 13 para 14 anos e estava atento a tudo o que acontecia na música que ouvia — a MPB e o rock. Dando uma olhada nos lançamentos daquele ano, vejo muito daquilo que é ouvido e reverenciado até hoje, mesmo que tenham passado 45 anos. A lista reduzida que deixo para vocês logo após a imagem da capa do Led Zeppelin IV é impressionante. É complicado vencer 1971, um ano acachapante em que — reduzindo ainda mais a lista — foram produzidas coisas como Led Zeppelin IV, Who`s Next?, Aqualung, Tapestry, L. A. Woman, American Pie e Fragile. Talvez Baba O’Reilly tenha sido a melhor gravação do melhor ano da história das gravações, não? Este post foi suscitado pelo lançamento de Never a Dull Moment: Rock’s Golden Year (Nenhum Momento Chato: o Ano de Ouro do Rock) do crítico inglês David Hepworth.

Abaixo, a lista reduzida, repito.

Led Zeppelin IVParanoid — Black Sabbath
Pearl — Janis Joplin
Tapestry — Carole King
Aqualung — Jethro Tull
Sticky Fingers — Rolling Stones
L.A. Woman — The Doors
Blue — Joni Mitchell
American Pie — Don McLean
Ram — Paul McCartney
Who’s Next — The Who
Tarkus — Emerson, Lake & Palmer
Meddle — Pink Floyd
At Fillmore East — The Allman Brothers
Nursery Crime, Genesis
Electric Warrior — T. Rex
Fireball — Deep Purple
Imagine — John Lennon
Led Zeppelin IV — Led Zeppelin
The Concert for Bangladesh — George Harrison, Eric Clapton e outros
Killer — Alice Cooper
Fragile — Yes
Hunky Dory — David Bowie

tapestry

 

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Hoje pela manhã, entrou um vírus no meu computador…

A coisa estava lenta pacas. Aí, o Latuff chegou e…

Latuff Milton

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

A mesa ao lado pergunta: por que os pais dos alunos não reformam os colégios públicos do RS?

Hoje, ao meio-dia, a mesa de direitistas do Tuim estava impossível. Primeiro. o quarteto afirmou que Temer estaria sendo boicotado pela mídia (?). Depois, decidiram que os pais dos alunos deveriam reformar as salas destroçadas dos colégios públicos gaúchos. Não chega a ser um absurdo, mas ninguém considerou que tais pais — da parcela mais pobre da população — têm enooooooorme tempo livre e, cada um deles, complicadas lutas de subsistência pela frente. Ah, ninguém explicou se o estado daria o material para as reformas… Possivelmente não, pois um deles, absolutamente encantado com a ideia, falou em colocar uma placa na entrada com o nome de todos os pais que reconstruíram o colégio. Também não falaram na segurança e na garantia de um serviço que não seria o mais profissional do planeta.

E depois querem que a gente volte do almoço tranquilo e bem humorado. Pergunto, pode-se dizer que isso seja um descanso? Melhor mergulhar numa leitura qualquer e esquecer do mundo ao redor. Ele pode ser horrível.

Abaixo, fotos de Carlos Latuff tiradas hoje pela manhã no Colégio Paula Soares, em pleno centro de Porto Alegre. Imagina como estão as da periferia.

Paula Soares 1

Paula Soares 2

Paula Soares 4

Paula Soares 3

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Só porque eu gosto: fotos de crianças rindo

Criancas rindo 4

Criancas rindo 1

Criancas rindo 3

Criancas rindo 2

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Boa tarde, Argel Fucks

Paulão é pra isso, não pra bater pênaltis.

Paulão é pra isso, não pra bater pênaltis.

Como bem assinalou o Corneta Colorada, nenhuma previsão é demasiadamente pessimista quando o assunto é o Internacional. Sabemos que o Campeonato Gaúcho caiu em nossas mãos em razão da incapacidade do Grêmio de chegar a outro lugar que não seja a Arena e sabemos que tu, Argel, és é ainda nosso técnico em razão… Bem, aí eu já desconheço o motivo.

Ontem, tu bateste todos os recordes. Com Anderson fora, recuaste Sasha para colocar Aylon. Ora, isso é mudar a característica do time, é mudar o esquema. Por pior que esteja, o substituto de Anderson é Alex, sempre Alex. E ele não estava nem no banco… Mais: em vez de colocar 12 reservas, como o regulamento do Brasileiro permite, colocaste só 7… E ainda cometeste mais duas piadas dignas de um verdadeiro pateta.

(1) Escalaste Paulão para bater o pênalti. Ora, Paulão é um de nossos melhores jogadores de 2016, mas convidá-lo para bater pênaltis é uma absoluta demasia. Ele não é bom do ponto de vista técnico e ontem estava especialmente atrapalhado, com saudades dos atacantes mansinhos do Gauchão.

(2) Retirar o centro-avante Aylon para colocar William na lateral esquerda e Gustavo Ferrareis no ataque (com a saída de Artur) foi digno da imensa gargalhada que dei na hora.

O Inter fez 30 cruzamentos para a grande área. Este talvez seja outro recorde, mas é antes outro absurdo, considerado-se que visavam Aylon e um grupo de jogadores não muito altos. O goleiro da Chapecoense consagrou-se, é claro.

E houve aquele momento-vexame dos times sem comando: em uma falta a favor do Inter, ninguém foi fazer a cobrança. O árbitro mandou que o mais próximo desse continuidade ao jogo. Ou seja, assim como qualquer um bate pênalti — e erra –, qualquer um serve para bater faltas no meio-de-campo.

Nosso time é uma pândega e só estou aguardando que tu caias, Argel. Já são 10 meses que nosso clube — altamente profissional em algumas áreas — deixa o futebol nas tuas mãos, um amador que faz marketing de suas qualidades nas entrevistas coletivas pós-fiascos.

Na boa, #ForaArgel.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Momento Bolsonaro: Este é um país que vai pra frente / Eu te amo, meu Brasil

os-incriveis-compacto-eu-te-amo-meu-brasil-14328-MLB4006299838_032013-FO primeiro vídeo é uma propaganda cívica da época da ditadura militar, desencavada pelo meu amigo Fernando Guimarães. Passava na TV a cada intervalo comercial e todos a conheciam de cor. Coloquei-a ontem no Facebook e um bando de gente veio dizer que lembrava da letra… “Este é um país que vai pra frente, Ô Ô Ô… De uma gente amiga e tão contente Ô Ô Ô… Este é um país que vai pra frente / De um povo unido de grande valor / É um país que canta, trabalha e se agigante / É o Brasil de nosso amor”. É inesquecível para quem tinha via televisão na época. Que morte horrível.

O segundo vídeo é mais longo e entrava só pelo rádio, acho. Ouvíamos a toda hora “Eu te amo, meu Brasil” com Dom e Ravel (primeira versão) e depois com Os Incríveis que, aparentemente, quiseram gravá-la. Como a primeira, é uma marchinha. Fez enorme sucesso, embora jamais tocasse em minha casa, é claro. Era uma “arte” paralela incentivada pelo governo numa época de ouro de nossa MPB. Enquanto algumas rádios tocavam Chico, Tom, Caetano, Milton, etc., outras, mais populares batiam no civismo, e na promoção do amor ao país. Enquanto isso, havia o bipartidarismo que deu origem ao atual PMDB e a tortura grassava..

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque hoje é sábado, agora é que são elas

Ashley Ann Vickers não é Ministra do Desenvolvimento Social e Agrário

do governo Temer,

quem ocupa este cargo é Osmar Terra,

que foi ao Uruguai advertir Mujica sobre os perigos da maconha.

Cristina del Basso não é Ministra da Justiça e Cidadania no governo Temer,

mas sim o linha-dura liberticida Alexandre de Moraes.

Trata-se de um rolo compressor, tem a cara da ditadura, parece o ovo da serpente.

Emily Blunt não é Ministra da Casa Civil

mas o ilibado Eliseu Padilha.

Emmy Rossum não é Ministra do Trabalho.

O Ministro que vai tentar pulverizar a CLT é Ronaldo Nogueira do PTB, Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque hoje é sábado, Maria Schneider

Se a vida tivesse alguma lógica

ou propósito

jamais deixaria sucumbir tão cedo

ou jamais nos retiraria

(após temo-lo visto),

o sorriso de Maria Schneider.

Jack Nicholson deve tê-lo amado.

Antonioni reconheceu-o (Clapton também?).

Ela teve um ar de doce menina

e uma inesperada exuberância,

que parecia preferir esconder. Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!