Roubei de mim mesmo

Ontem, republiquei um texto de minha autoria que tinha aparecido em 2008 no Impedimento. O Latuff estava por aqui quando eu disse que tinha “roubado de mim mesmo”.

img233

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Argélico, do #pezinhonochão ao #pezinhonabunda que, espero, está próximo

Argélico: entelando derrotas e mau português na garganta

Argélico: entalando derrotas e mau português na garganta

O Inter ganhou 1 ponto em seus últimos 4 jogos. Foram três derrotas e um empate. Estamos em queda livre no Golpistão 2016. Acho que — contra tudo o que é razoável — os dirigentes do Inter vão tentar manter Argélico como técnico. Afinal, para um homem com a iniciativa do diretor de futebol Carlos Pellegrini, é complicado ter que se mexer muito. Hoje soube que Ramón Ábila, um dos sonhos de nosso diretor, já está no Cruzeiro. Nós vamos remar com Ariel. Pellegrini é um sonhador.

Ontem, não chutamos nenhuma vez ao gol do Flamengo. Gostaria de ter sido o goleiro do rubro-negro carioca. O mês está complicado do ponto de vista financeiro e um bicho por vitória viria bem. Nosso ataque chutou oito vezes ao gol do Fla, todas para fora. Tenho 58 anos, mas já fui bom nesse negócio de repor a bola em jogo. Enquanto isso, Muriel foi muito exigido, saindo-se bem. O gol dos cariocas saiu numa das panes defensivas do Inter e foi indefensável.

O único momento em que o Inter pareceu um time de futebol foi no início da segunda etapa. Comandados por Seijas, fizemos 15 minutos bem dignos. Mas então Argélico tratou de retirar o venezuelano, colocando Alex em seu lugar. Alex parece jogar com chuteiras de chiclete, tal a sua movimentação. Quase nem tocou na bola e o Flamengo ofereceu-nos um chocolate como consolo. Claro que eu previ, Argélico. Depois, na entrevista, disseste que Seijas, que voava em campo, estava desgastado pela Copa América. Desgastado estás tu, Argélico. Desgastado e louco, pois vês sempre outro jogo. O Flamengo acertou 11 vezes o nosso gol, nós nenhuma, e tu falaste em equilíbrio.

É muito decepcionante ter um amador como treinador. Por exemplo, nesta semana, o último gol de falta marcado pelo Inter completou um aninho de vida. Lembram? Foi contra o Santos, no Beira-Rio. Valdívia bateu uma falta ao lado da grande área e a bola entrou. Na minha opinião, foi sem querer, mas nem isso acontece contigo, Argélico. Teus treinamentos são tão úteis que poderiam ser substituídos por aulas de português. Falas muito mal, credo.

Tenho certeza que, à medida que o futebol do clube ia se degradando, o Inter aumentou em muito teu patrimônio. Está na hora de enganar outros trouxas.

O que eu peço é #pezinhonabunda pra ti.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ver na TV é ver pouco (com um esplêndido filme do rosto de uma torcedora em um estádio)

torcedoraTalvez eu vá ao estádio pela beleza plástica do jogo ou de sua tática (na TV não é tão bonito, nem tão interessante), mas talvez vá pela beleza do gramado, iluminado pelo sol ou pelos holofotes em jogos noturnos, ou quem sabe apenas por amor à disputa e ao Inter, mas acredito que a verdadeira razão é a de que o futebol é um gênero de espetáculo que produz maior variação de humores e participação do que qualquer outro que conheça. Por exemplo, se você for a um concerto, provavelmente não poderá ofender o artista ou, num museu, será no mínimo estranho se começar a vaiar o quadro. Vou a muitos concertos; sei que escolho bem e, quase sempre, saio feliz. Às vezes, ele é apenas aceitável. Há possibilidades bem tristes, é claro, porém elas raramente incluem a vaia, chamar o artista de filha-da-puta ou a disposição de odiar o time e odiar a si mesmo a ponto de desejar a própria derrota – em outras palavras, de desejar o próprio fracasso.

Estou enrolando para dizer isso: um concerto ou qualquer outro espetáculo que aconteça dentro de um teatro são representações mais incompletas da vida do que um jogo de futebol. Pronto, disse! Talvez não consiga dormir hoje. Os fantasmas de Shakespeare, Pirandello, Tchekhov, Bergman, Wagner (ai que medo!), Sófocles e de tantos outros me perturbarão a noite. Sei que os aspectos culturais envolvidos fariam o futebol perder de goleada nos primeiros minutos de uma discussão, mas experimente olhar de frente para uma torcida de futebol com o jogo se desenvolvendo às nossas costas. O sofrimento, a alegria, a expectativa, a frustração e quase todos os sentimentos são coisas presentes, visíveis quase a ponto de serem fenômenos físicos. Talvez até o amor romântico tenha representação no futebol… No teatro elisabetano — época de Shakespeare –, os assistentes manifestavam-se, podiam gritar e fazer piadas sobre Otelo, Iago e Desdêmona, mas, hoje, fazer isto seria uma tremenda falta de educação e eu até concordo. Pô, já imaginaram um cara berrando ao nosso lado, fazendo-nos perder as falas?

A possibilidade de amar, de ser indiferente ou de detestar o próprio time, de ridicularizar e sentir medo do adversário, de aplaudir ou desejar a própria derrota é exercida plenamente apenas quando estamos no estádio. Não sinto e, mais, acharia ridículo sentir tanta coisa na frente da TV. A maravilha está no campo de batalha e no leque de opções por ele oferecidas. Na proximidade do fato e no oscilar entre o píncaro da glória e o possível funeral está o fascínio da coisa.

Pensei nisso quando li um comentário afirmando que a narração da TV deveria ser substituída pelo simples som ambiente do estádio. Apenas ele, o som, os gritos e cantos da torcida, quiçá o som da casamata com as ordens, palavrões e lamentações dos técnicos. Quem sabe umas mensagens escritas, indicando o tempo de jogo e as substituições. Sim, sei que estou num blog de jornalistas e eles poderiam (e até deveriam) chamar seu sindicato para intervir num caso desses, mas quando lembro de Galvão Bueno e alguns “famosos alguéns” de nosso Rio Grande, fico com a posição do cara.

.oOo.

Vejam agora o rosto de uma torcedora de futebol e tentem entender o que é ver um jogo de futebol no campo de jogo.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Como o Facebook pretende dominar o mundo

Pues no hay nadie perfecto..

No Brasil, 80% dos internautas têm perfil no Facebook. O enorme alcance da empresa de Mark Zuckerberg faz com que ela seja fundamental para os meios de comunicação. Estes colocam em nossas timelines suas notícias e textos. Ou colocavam, pois o Face está interferindo severamente nesta distribuição de links. E não adianta tentar evitar ou enganar o gigante. Ele vê claramente as nossas ações em seu aplicativo e nos manipula feito marionetes. Quem produz conteúdo e quer vê-lo lido tem que entender o que o monstro deseja.

Há algumas semanas, a presença dos meios de comunicação na rede social diminuiu muito. Caiu o alcance das notícias que os veículos publicam em suas páginas. Tal queda coincide, obviamente, com a mudança no algoritmo de distribuição.

Agora o Facebook não quer mais funcionar como um distribuidor de links — quem faria isso é o twitter. Distribuir links manda os usuários para fora do Face e agora ele quer manter os usuários o máximo de tempo possível dentro do aplicativo.

O funcionamento geral do Facebook é bastante simples. De um lado, existe a pilha de postagens criada por você (pessoa física ou veículo), de outro você tem uma pilha de amigos (ou curtidores, no caso de fan pages). Então, o Facebook mostra as postagens na chamada “Página inicial” dos amigos ou curtidores, mas não para todos. Ele mostra apenas para aquelas pessoas com as quais você mais se relaciona ou para seus parentes. É ele quem decide para quantos vai mostrar a postagem. É ele quem decide se a sua postagem ficará incógnita ou se fará sucesso. Claro, se o veículo pagar pela distribuição, o algoritmo lhe devolverá um sorriso e entregará o conteúdo para um maior número de seguidores.

Mas agora o Facebook não quer apenas isso, ele quer que o tráfego de seus usuários permaneça dentro da rede social. Ou seja, ele não quer mais os links. E coloca os meios de comunicação diante de um dilema inédito: para melhorar a distribuição de seu conteúdo, eles precisam publicá-lo na página do Facebook.

Não adianta tentar enganar o Face. Rindo, ele vê os jornais inventarem estratégias para melhorar a distribuição de notícias… Zuckerberg deve achar graça de tais estratégias, pois é ele quem decide, põe e dispõe.

Por outro lado, o Facebook sabe da importância dos veículos de comunicação. Diversos estudos, como o da consultora digital Parsely, indicam que o tempo dedicado a ler ou assistir notícias é maior que o de outros conteúdos. Além disso, os leitores de notícias, em busca de atualizações, consultam a rede mais frequentemente. São usuários importantes para as redes sociais.

Para tanto, o Facebook criou uma ferramenta para que as pessoas leiam as notícias e vejam os vídeos SEMPRE DENTRO DO FACEBOOK, sem sair dele. É o Instant Articles. Dentro dele, há um editor mais completo para que o veículo possa manter sua identidade. Publicando no IA, o Facebook remunerará o veículo conforme o número de leituras.

O que houve? Ora, o Facebook colaborou com os veículos de comunicação, seduziu-os habilmente e neste momento em que todos estavam felizes e instalados confortavelmente, quer cobrar pelo conforto. Era de se esperar.

Google

O Google já fazia o mesmo de outra forma. Cobrava dos produtores de conteúdo para que aparecessem nas primeiras páginas das pesquisa. Outro fato importante é que a ferramenta privilegia o produtores originais de textos. Os meros copiadores de notícias produzidas por outros veículos vão perdendo e perdendo posições nas pesquisas, caindo no ranking. O Ctrl-C Ctrl-V não é aprovado pela ferramenta. O “vou repicar esta notícia porque achei importante” pode ser um belo tiro no pé.

Com isso, quem se prejudica são os sites que produzem conteúdo E copiam notícias, penso eu…

Twitter

Até o twitter já tem um algoritmo que escolhe as notícias que mais possam interessar ao usuário da plataforma.

Conclusão óbvia

Claro, que este texto é apenas uma introdução a um assunto vastíssimo, mas a conclusão não cairá muito longe do “Não existe almoço grátis”. Ou seja, é impossível conseguir algo sem dar nada em troca. O termo “almoço grátis” faz referência a uma prática comum entre bares americanos do século XIX, que ofereciam refeições a custo zero. Mas apenas para os clientes que consumissem bebidas.

Ih, rapaz, mais de novas políticas do Facebook aqui.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Por que os cidadãos de Bielorrússia estão postando nus nas redes sociais em nome do interesse nacional

Da BBC Brasil

Este grupo de balconistas em um loja de roupas atendeu - literalmente - ao pedido presidencial

Este grupo de balconistas em um loja de roupas atendeu – literalmente – ao pedido presidencial

Quando o polêmico presidente de Bielorrússia (Belarus), Aleksandr Lukashenko, pediu que a população “tirasse a roupa e trabalhasse até suar”, sua intenção era apelar aos conterrâneos em meio a uma das piores crises econômicas da ex-república soviética nas últimas décadas. Ele falou em tirar a roupa, porque o país vai de mal a pior e faz calor neste início de verão e todos estão usando roupas leves.

Acontece que o rublo, a moeda do país, sofreu uma desvalorização de 60% nos últimos meses e o índice de desemprego é estimado em 15% — porém, de acordo com as estatísticas oficiais, ele é de apenas 0,7%. É que o controle ferrenho de informações é uma das marcas do regime de Lukashenko, conhecido como o “último ditador da Europa”.

Mas os bielorrussos reagiram de forma sarcástica ao pedido do presidente, no poder desde 1994, ironicamente apelidado de ‘papai’ (batska, em russo). Nas redes sociais, diversos “nudes” surgiram, com a hashtag (aqui traduzida) #fiquenuetrabalhe.

As fotos marcam um protesto simbólico contra "papai"

As fotos marcam um protesto simbólico contra “papai”

"Estamos agindo de acordo com a vontade do presidente"

“Estamos agindo de acordo com a vontade do presidente”

Não foi apenas em escritórios que os bielo-russos acataram o pedido presidencial

Não foi apenas em escritórios que os bielorrussos acataram o pedido presidencial

Mas não foi apenas em imagens que os conterrâneos de Lukashenko protestaram. Canções de protesto parodiando a mensagem presidencial circularam pela internet.

Só que os nudes se mostraram mais populares, e não apenas em Belarus. Em países vizinhos, como Rússia, Ucrânia e os países bálticos (Estônia, Letônia e Lituânia), imagens de pessoas nuas em ambientes de trabalho também viralizaram durante o fim de de semana. Interessante.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Algumas logomarcas que não deram nada certo…

Encontrado por aí. Por exemplo, o Kids Exchange virou…

piores-logos-do-mundo1

logomarcas-que-nao-deram-certo1

logomarca-subliminar1

logomarcas-subliminares1

logomarcas-que-não-deram-certo1

logomarcas-pornograficas1

logomarcas-mais-feias-do-mundo1

logomarca-de-sexo1

logomarca-com-sentido-duplo1

logomarca-com-duplo-sentido1

logomarca-subliminares1

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Veste-te de preto

Não há nada mais fácil do que parecer profundo e perspicaz em verso. Não tem nada que saber: basta enchumaçar de alusões vagas os poemas, evitar quaisquer referências ao que quer que seja de concreto, nublar o discurso com cogitações tão confusas e gratuitas quanto possível, articuladas no modo elíptico da poesia pós-mallarmeana e vanguardista do século XX. Habilmente mutilado, gramatical e semanticamente, até o fraseado mais oco adquire um não sei quê de prestigiante mistério num país, como o nosso, onde o leitor/poeta médio continua a achar que um discurso é tanto mais “fascinante” ou “poético” quanto mais abstruso e incompreensível. Com isso, não admira que a mais vítrea estupidez passe, amiúde, por alto logro estético e intelectivo, e que o chiste de Agustina Bessa-Luís em Fanny Owen – “Se queres parecer inteligente, veste-te de preto e fica calada” – pudesse ser reformulado em: “Se queres parecer inteligente, veste-te de preto e escreve versos sem sentido.”

José Miguel Silva

como-lavar-roupa-preta-sem-perder-a-cor-1

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Argélico (com os melhores lances do horror de ontem à tarde)

"Não sei por que ganho, nem por que perco".

“Não sei por que ganho, nem por que perco”.

O Inter, atual vice-líder do Brasileiro, obteve 1 um ponto dos últimos 9 que disputou. Ontem, fui ao Beira-Rio ver Inter 2 x 3 Botafogo, me deu vergonha, Argélico.

Na semana passada eu tinha escrito que o nível técnico do Brasileiro era tão baixo que nenhum resultado deveria surpreender. É óbvio que tudo isso começa nos técnicos desatualizados de nosso futebol. A derrota do Inter foi de inteira responsabilidade tua, Argélico Fucks. 100% tua e 100% previsível. Eu tirei um selfie no estádio antes do jogo — está no meu Face para comprovação — e escrevi: “Em busca da liderança com uma escalação podre…”.

Um time com Bob, Fabinho, Dourado e Anderson até suportaria uma nulidade como o Ferrareis na frente. Apesar do grupo fraco de jogadores, dá para fazer um time MUITO MELHOR. É ESCALAR e POSICIONAR corretamente os caras. Ontem, tínhamos que ter entrado com Bob, Fabinho, Dourado e Anderson. E Artur na LE, que é péssimo mas marca. Estou convicto de que a derrota de ontem passa 100% por ti, Argélico, que está deslumbrado com o G-4.

Não pensei que íamos perder para o fraco Botafogo, mas tinha certeza de uma péssima atuação.

O que viste em Géferson para colocá-lo no lugar de Artur? Exigências de empresários? Só pode ser.

O que vês neste coitado chamado Andrigo e no pobre Ferrareis? Andrigo é hoje um peso morto a Ferrareis é aquele tipo de jogador que os técnicos brasileiros amam: o atacante que sabe marcar e não faz mais nada. Com ele, ninguém sai jogando com facilidade. Porém, quando Ferrareis pega a bola, o zagueiro dá risada.

Já Alan Costa é um problema da direção que não contratou reposições para a montanha de zagueiros que foi vendida ou dispensada em 2016.

Por que a postura retrancada e cuidadosa — chamada por ti de pé no chão — foi abandonada para colocar Dourado e Fabinho como volantes-articuladores? Tomamos 7 gols em 3 jogos com a nova disposição. Éramos a melhor defesa do Temerão 2016. Dourado fora do lugar e Fernando Bob no banco enquanto nossa fraca zaga fica desprotegida? É de rir.

Mais: a Guaíba disse que o Inter fez 47 cruzamentos em todo o jogo, a maioria deles para os baixinhos Sasha e Andrigo. Para quê?

E o Botafogo, Argélico, é uma piada. Mesmo com as chances que lhes deste, poderíamos ter empatado ou até vencido… Os diretores reclamam da arbitragem… Ok, foi péssima, mas não foi por culpa dela que tomamos dois gols em 15 minutos do glorioso que irá novamente para a segunda divisão.

Muito triste o que fizeste. Difícil de acreditar que vais completar um ano como técnico do clube.

Anotem: Cruzeiro, Atlético-MG e Santos. Logo os três estarão na nossa frente. Era isso.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque hoje é sábado, Adam Cooper

Texto e escolha de fotos de Nani Dantas

Introdução (pelo autor do blog)

Já tivemos alguns PHES fora do padrão. Tivemos um de justa indignação, tivemos a sapiossexualidade com fotos de homens escolhidas por uma mulher, tivemos um PHES feito por outra mulher cujo foco eram filósofos, já tivemos um com fotos de mulheres escrito por uma mulher, e depois tivemos outro, já tivemos a eleição do homem (e da mulher) mais belo de todos os tempos, já corri na rua e dois homens de mãos dadas reclamaram rindo e aos gritos que o PHES tinha que se dedicar àquilo que eles gostavam. Também já abrimos espaço para vários héteros homenagearem quem achavam que era digna de ser homenageada — sim, no feminino, fazer o quê?

Hoje temos mais um PHES fora da curva. Não sei como começamos a negociar, mas creio que ocorreu a típica reclamação de que havia muita mulher no PHES e que eu deveria fazer também com homens. Neste caso, respondo sempre: faça um e eu publicarei! A paulista com os dois pés em Minas Nani Dantas topou. De forma modesta, esta minha amiga do Face pediu para ser descrita simplesmente como uma futura publicitária e curiosa.

Adam_Cooper_01São poucos os segundos em que Adam Cooper aparece em Billy Elliot, o filme de Stephen Daldry, que narra a história do menino de 11 anos e seu amor pela dança. A bela silhueta, esguia, as costas largas, a pele pálida, o olhar penetrante, a flexibilidade.

Adam_Cooper_02Então o salto em câmera lenta: o movimento dos pés, belo e preciso, o corpo pairando no ar. O êxtase, o arrepio, a emoção.

Adam_Cooper_03Pouco, mas o suficiente para hipnotizar e aguçar a curiosidade de quem o assiste. Billy Elliot quase poderia ser a história de Cooper, a não ser pelo fato de que os pais de Cooper, apaixonados pela arte, jamais se opuseram ao seu amor e talento para a dança.

Adam_Cooper_04Filho de um professor e uma pianista, começou a dançar pela sala aos 4 anos, depois de ver Fred Astaire na televisão. Aos 7 iniciou-se no ballet e, aos 16, ingressou no Royal Ballet School, um dos maiores centros de treinamento de ballet clássico no mundo.

Adam_Cooper_05Sem dúvida um grande feito para um menino nos anos 1980, assim como para o garoto do filme. Adam viajou o mundo todo com a Royal Company dançando em espetáculos aclamados.

Adam_Cooper_06Tornou-se “sex symbol” na dança, embora sempre tenha renegado o “título”. Para ele, a dança é sua energia vital. Ele a respira e transpira.

Adam_Cooper_07Depois de mais de 10 anos, Adam decidiu largar a Royal Ballet e dedicar-se a dança com mais liberdade. Tornou-se coreógrafo e hoje, aos quase 45 anos, continua dançando e coreografando.

Adam_Cooper_08O mundo é machista, é preconceituoso, e quem não sabe?

Matthew Bourne's SWAN LAKE. 15-12-2009Mas o que seria da arte sem os destemidos, os rebeldes, os “desajustados”? O que acontece então em um mundo em que Adam Cooper e Matthew Bourne – um dos maiores coreógrafos e diretores musicais ingleses – se encontram?

Adam_Cooper_10O Lago dos Cisnes interpretado totalmente por homens. Bourne e Cooper trabalharam muito na construção de uma versão radical do mais clássico de todos os ballets. Um espetáculo impecável.

Adam_Cooper_11Nele não há uma princesa frágil, submissa ou passiva. No papel de Odette há um bailarino forte, esbelto, realizando movimentos ágeis, vigorosos, com olhar penetrante e postura sempre indicando insubordinação.

Adam_Cooper_12Os movimentos ora delicados e suaves, ora quase selvagens e enérgicos, as expressões faciais e os olhares sempre desafiadores, subvertem não apenas o conceito convencional dos papéis masculino e feminino no ballet:

Adam_Cooper_13é também uma recusa a obedecer às normas tradicionais e conservadoras da sociedade.

Adam_Cooper_14A obra traz à luz questões como o machismo, o preconceito de gênero e a estereotipia.

Adam_Cooper_15Parafraseando Jack Kerouac, na arte jazem aqueles que a sociedade, na maioria dos casos, marginaliza. São os sem padrão, os loucos, os rebeldes, os que não se encaixam. E são gênios porque são revolucionários. Porque a arte é uma das formas mais autênticas de revolução.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Argélico (com os melhores lances do empate de ontem à noite)

Anderson, ilha de competência |Foto: Alexandre Lops

Anderson, ilha de competência | Foto: Alexandre Lops

Passados os primeiros dez jogos do Brasileiro, temos 20 pontos em 30 possíveis (66,6 % de aproveitamento) e estamos em segundo lugar, dois pontos atrás do líder Palmeiras com 5 partidas em casa e 5 fora. São bons números, mas o perde-ganha do campeonato deveria preocupar a quem acompanha futebol.

Os jogos são de um nível técnico tão rasante que tudo pode acontecer. Ontem, os resultados foram particularmente inesperados, mas quem vê Grêmio e São Paulo em campo não se surpreende com a derrota do primeiro em casa para o Vitória e o empate do segundo com o Sport no Morumbi. Pois, no âmbito de um Festival de Ruindade, um time lá do fundo da tabela pode bater com naturalidade quem está na frente.

O Inter jogou muito mal. O nível do técnico de nossa equipe não explica nossa posição. Somos um time esforçadíssimo, porém bagunçado, onde a tática não fica clara devido aos passes errados e constantes recomposições. Alan Costa, Géferson, Arthur, Ferrareis, Aylon e Andrigo, por exemplo, fazem um esforço comovente para acender um pau de fósforo. Considerando-se o que tínhamos na primeira década deste século, nenhum deles seria escalado. Passaria vergonha. A qualidade é baixa e qualquer um que se esforce pode jogar neste time.

O 1 x 1 foi justo porque o Coritiba também é muito fraco. Aliás, só o Palmeiras parece ser um pouco diferente do resto.

A próxima partida, contra o Botafogo, tem tudo para ser um drama. Vitinho “Rei dos Cartões” levou o terceiro amarelo por reclamação e não joga. Seu substituto natural seria Aylon, mas, no final do jogo de ontem, caiu em cima do ombro direito e sofreu uma luxação. Para piorar, ao que tudo indica Danilo Fernandes sofreu uma distensão…

Então, acho que não vamos nos livrar de Muriel “Mãos de Alface” no gol e veremos finalmente Mike (ou Marquinhos ou Andrigo ou Yan Petter) em campo, pois Bruno Baio é apenas um braço roubado à agricultura — não é um jogador de futebol. E onde está Brenner??? Ao menos Anderson deverá jogar. Hoje, o ex-gremista é um farol de inteligência e de bons passes em meio a uma correria caótica.

Desse jeito, o Inter ainda vai me tornar religioso. Só com muita reza mesmo. Nem falo de ti, Argélico. Nosso grupo de jogadores é uma piada dita por um piadista muito, mas muito esforçado e sem graça.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Machado de Assis e a Exibicionista

Cada qual sabe amar a seu modo; o modo, pouco importa; o essencial é que saiba amar.
Machado de Assis, em Missa do Galo

Anteontem, me senti como o Nogueira da Missa do Galo, o que não entendeu D. Conceição.

Eu esperava a Elena chegar enquanto uma mulher roçava-se em seu amigo ou amante ou marido olhando para mim. Sempre olhando para mim. Na hora, achei que fosse algo casual — vocês sabem, estou a anos-luz de ser um Paul Newman ou Alain Delon, além disso, estou perto dos sessenta, isto é, sou feio e sem atrativos –, mas quando voltava meus olhos para lá, ela me olhava.

Não sou muito envergonhado, mas também não sou cara-de-pau. Minha possível vergonha fica escondida sob o Homo Faber que sou e aquilo que posso chamar de Homo Ludens, alguém sempre pronto a se divertir. Esta criança interior ri, avacalha e satiriza muito. De certa forma, ela me protege.

E comecei a ficar irônico. Eu dava um tempo, mas quando passava meus olhos pela cena, estava sendo observado. E aguardava… Era um local absolutamente público, aberto, na rua. Cada um se excita a seu modo, talvez dissesse Machado. Há parafilias para todos os gostos. A(o) exibicionista tem a fantasia de que o observador ficará sexualmente excitado, o que só aumenta sua própria excitação. Então, eu era um reles apoio. Como não se divertir, ainda mais que estava esperando?

A Elena chegou toda linda e feliz.

.oOo.

O conto Missa do Galo é uma das obra-primas de Machado. As histórias de Machado costumam ser assim: ele conta o que ocorreu trinta anos. A Missa também é um conto retrospectivo. Maduro, o narrador Nogueira relata um acontecimento do passado. Menino do interior, quando tinha 17 anos, Nogueira morava na casa do escrivão Meneses. Estava ali, no Rio de Janeiro, para estudar. Naquele ano, já de férias, prolongou sua estada na Corte a fim de assistir à Missa do Galo. O escrivão Meneses, mesmo casado com dona Conceição — uma santa, segundo o narrador — mantinha um caso extraconjugal. Todos sabiam disso, inclusive sua esposa. Uma vez por semana, dizia que iria a um teatro ou outro lugar e ia encontrar-se com a amante. A noite de Natal foi uma dessas ocasiões e Conceição devia estar especialmente ofendida.

E a santa provavelmente pensou que a saída do marido propiciaria condições para que ela própria tivesse uma aventura. Assim, ao que tudo indica — pois como sempre Machado não afirma nada —  premedita um encontro com o jovem. Lendo na sala, o jovem Nogueira aguarda o horário da Missa e ela chega, procurando ser envolvente. E ele não capta as intenções de Conceição. Suas roupas, seus gestos, suas atitudes, seu andar, suas frases ambíguas são de sedução. Mas, vocês sabem, há o momento da sedução. Quando este passa, o reaquecimento é complicado. E tudo esfria, só reaquecendo inutilmente na memória de Nogueira, muito tempo depois.

Sim, não tem muito a ver com a situação que vivenciei, só o fato de eu ter ficado sem entender nada.

“Nunca pude entender a conversação que tive com uma senhora, há muitos anos, contava eu dezessete, ela trinta.”

Pode-se entender, se nem mesmo o narrador entende?

cinema leo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Alzheimer: descoberta forma de eliminar primeiros sintomas

Do esquerda.net

Uma equipe internacional coordenada pelo investigador português, Rodrigo Cunha descobriu como eliminar os primeiros sintomas de Alzheimer em modelos animais o que é considerado como um “avanço extraordinário” no combate à doença.

alzheimer_0A Universidade de Coimbra (UC) revelou que esta descoberta foi possível porque “pela primeira vez os cientistas focaram o estudo na causa dos primeiros sintomas da doença”, que são as perturbações na memória, causadas por modificações da chamada “plasticidade das sinapses no hipocampo”.

“O hipocampo desempenha um papel essencial na memória, funcionando como o gestor do gigantesco centro de informação recebida pelo cérebro. Das dezenas de milhões de sinais recebidos, o hipocampo tem de selecionar a informação relevante e validá-la, atribuindo-lhe uma espécie de ‘carimbo de qualidade’. Quando ocorrem falhas, este gestor assume que toda a informação é irrelevante”, revela uma nota da UC, citada pela Lusa.

Recuperação do sistema sináptico

Sendo as sinapses “as responsáveis pela transmissão de informação no sistema nervoso”, ao garantirem a comunicação entre neurônios, “a equipe utilizou um modelo animal duplo mutante – com a modificação de dois genes da proteína APP, que causam doença de Alzheimer em seres humanos – para rastrear toda a atividade destas ligações e identificar o que impede o hipocampo de processar e gerir corretamente” a informação obtida.

Os resultados desta investigação representam “um avanço extraordinário para o desenvolvimento de estratégias de combate à doença de Alzheimer, pois conseguiu-se recuperar o funcionamento sináptico”, sublinhou Rodrigo Cunha.

O investigador considera que, “do ponto de vista ético, é criticável se não se prosseguir para ensaios” em humanos e garante que estes são seguros para os doentes, tendo ainda acrescentado que em Coimbra há “todas as condições para avançar”, embora seja necessário assegurar financiamento.

Este estudo foi realizado ao longo de três anos pelo Centro de Neurociências e Biologia Celular da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra e contou com a participação de 15 investigadores portugueses e franceses tendo sido financiado pelo Prémio Mantero Belard de Neurociências da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e pela Association Nationale de Recherche de França.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O programa do PSOL apresentado ontem à noite em rede nacional

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Olimpíadas 2016

Olimpíadas

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ao tornar Bolsonaro réu, STF ajuda a civilizar debate público

Do blog de Kennedy Alencar

Ao aceitar uma denúncia e uma queixa-crime por injúria contra o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ), a Primeira Turma do STF (Supremo Tribunal Federal) ajuda a civilizar o debate público no Brasil.

Foi uma decisão histórica. Fixou limites para a imunidade parlamentar, abrindo a possibilidade de punição a quem incita o crime de estupro e prega uma cultura de violência contra a mulher. É muito grave que um cidadão faça isso. Mais grave ainda na boca de um deputado federal, que faz leis e tem mais voz no debate público.

Na sua carreira, Bolsonaro é um político que cresceu explorando o preconceito, o ódio e a desinformação. Nos últimos dois anos, com o aumento da intolerância no debate público, viu um terreno fértil para prosperar.

O Supremo coloca um freio nesse comportamento, dando um alerta a autoridades públicas e formadores de opinião que incitam o ódio, o preconceito e crimes, como esse do estupro. No caso analisado, ele disse que a deputada Maria do Rosário, do PT gaúcho, não merecia ser estuprada. Ora, nenhuma mulher merece. Dizer que há mulheres que merecem o estupro é incitar esse tipo de crime.

Bolsonaro inspira a violência no debate público. Na semana passada, houve um protesto de simpatizantes de Bolsonaro na UnB (universidade de Brasília) que resultou em agressões. Uma manifestante disse que pagava impostos e logo depois emendou frases homofóbicas. Ora, pagar imposto é dever do cidadão e não dá direito de homofobia a ninguém. Ela era uma simpatizante típica do deputado.

Bolsonaro é um personagem menor da política, mas que está construindo uma candidatura presidencial pelo partido Partido Social Cristão. Chegou a ter 8% numa pesquisa presidencial do Datafolha, tirando votos de tucanos que apostaram na radicalização do debate público e colheram um fenômeno fascista.

Há espaço numa democracia para a manifestação de todas as correntes políticas, da esquerda à direita. Mas a democracia não pode permitir, ainda mais sob o manto da imunidade parlamentar, que um deputado incite crimes, preconceito e ódio.

O Supremo deu um primeiro passo para punir um caso que teve início em 2003, quando houve a primeira ofensa de Bolsonaro a Mário do Rosário numa discussão no Salão Verde da Câmara. Em 2014, quando ela rebateu críticas de Bolsonaro à Comissão da Verdade, ele repetiu a agressão que resultou na denúncia do Ministério Público. O STF decidiu bem ao analisar esse caso.

bolsonaro

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Paulina, de Santiago Mitre

Gostei muito do filme argentino Paulina. É oportuníssimo, ainda mais após o estupro coletivo que ocorreu semanas atrás no RJ. Paulina é filha de um conceituado juiz. Advogada militante, com um suposto “futuro brilhante na carreira”, ela decide abandonar os estudos para dedicar-se a um trabalho como professora no interior da Argentina. Diz que a situação é temporária. Sabe que isto pode lhe custar alguns anos de carreira, mas o idealismo a leva inevitavelmente em direção ao projeto. Ela vai, mas logo nos primeiros dias é atacada e estuprada. O primeiro ponto polêmico são os velhos argumentos machistas levantados durante a investigação policial, e apontados de forma clara pelo excelente diretor Mitre, como o questionamento sobre que roupa Paulina estava vestindo… O segundo é que a advogada descobre que não sabe manejar seus alunos. Na verdade, é surpreendida pelo comportamento deles. O terceiro é que ela mantém suas convicções e vai em linha reta. “Quando os envolvidos são pessoas pobres o Judiciário não procura justiça, mas sim culpados.” Creio que o único problema do filme é a própria Dolores Fonzi, a atriz que faz Paulina e que tem belos olhos, mas que, a partir de determinado momento, não parece mais movida por seus ideais e sim pela birra. Ela é muito inexpressiva e calada para uma militante que vai a campo, acho eu. Mas tal fato torna o filme ainda mais desconcertante e digno de discussão. Mais uma joia argentina.

Mitre-Paulina

Paulina é um remake. Aqui está o filme de 1960. Também argentino, com o mesmo título original (La Patota) e igualmente um filmaço. Mirtha Legrand, a Paulina de 1960, parece fazer uma atuação “mais inteira” do que Fonzi. O trabalho do diretor Santiago Mitre é excelente, mas, afora este fato, é útil para sairmos discutindo a questão. É impossível não falar sobre o filme após a sessão.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Argélico: um apelo à razão (com os melhores lances da alegre derrota)

Argélico: também quero ser feliz, pô

Argélico: também quero ser feliz, pô

Têm razão aqueles que ficam desconfiados contigo, Argélico. Não há coerência em teu trabalho. Por exemplo, o primeiro tempo foi equilibrado, com constantes trocas de ataques e muitas finalizações lá e cá. A Guaíba disse que foram 18 no total, 9 para cada lado. Isso não é o teu Inter, Argélico! A estratégia com a qual alcançamos a liderança foi a de se fechar e jogar em contra-ataques. Por que mudamos? Por que esquecemos o tão falado e repetido pezinho no chão? Agora vamos amar e sonhar, quando nosso normal é ficarmos no quarto fechado, debaixo dos cobertores, tentando ouvir a hora em que o banheiro fica livre?

Apelo à tua razão: podemos apenas ser — num sonho — o Leicester deste campeonato. Temos que ser pragmáticos, defensivos e chatos, só explorando os contra-ataques fora de casa.

Saímos perdendo por 1 x 0 neste primeiro tempo franco em que poderíamos ter ganho ou empatado no joguinho aberto e feliz proposto por ti. Voltamos sem compostura defensiva no segundo tempo, mas empatamos aos 20 do segundo tempo com Vitinho. Éramos melhores, mas teu timinho bailarino tomou mais um gol num rebote ao 27. A partir daí, O Inter, acostumado a ter na defesa sua principal arma, descabelou-se e tomou mais um aos 34. E Vitinho descontou.

Isso que tu fizeste, Argélico, foi muito tolo. Ora, a receita de todos que ganharam o brasileiro por pontos corridos é a de trocar pontos com os grandes e ganhar dos pequenos. O correto seria manter o esquema e ganhar um contra-ataque, sem pensar que poderíamos nos tornar um Barcelona.

Todos os adversários na tabela, ou seja, o trio que nos no seguia no G-4, venceu. Prova de que eu tinha razão em olhar seriamente para a tabela apenas após a décima rodada, quando teremos 5 jogos em casa e 5 fora. E isto ocorrerá apenas depois do jogo contra o Coritiba, quinta-feira. Desta forma, há espaço para cair ainda mais.

Bob dá mais segurança do que Dourado à defesa? Não creio. É que Dourado avança mais porque tu o liberas, Argélico.

Pior, mantiveste Alex em vez de colocar logo Anderson em campo. Alex está em pré-aposentadoria, Argélico. Hoje, Anderson é vinte vezes melhor. Até três volantes, com o Dourado se soltando, seria melhor.

Mas o campeonato segue. Quinta-feira, temos o Coritiba em Curitiba. O Coxa tem apenas duas vitórias no Brasileiro e luta para ficar fora da turma do rebaixamento. Igualzinho ao Figueirense, que estava em idêntica situação. Como somos especialistas em reerguer mortos…

Espero que tu voltes ao pragmatismo e esqueça o futebol alegre e bailarino do Brasil-sil-sil. E te dou uma dica: Bob e Fabinho, Dourado e Anderson, Sasha e Vitinho.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque hoje é sábado, Nico e Sara Forestier

Nico foi o anagrama criado por Andy Warhol a partir de Icon,

mas na vida civil ela era a modelo alemã Christa Päffgen.

Warhol era o empresário do grupo e impôs sua presença.

Os músicos a chamavam de tone deaf ou “surda tonal”.

Ouvindo o disco, onde ela participa discretamente,

a gente dá razão aos músicos.

Lou Reed devia amar vê-la e detestar ouvi-la.

Apesar disso, o resultado foi uma das maiores obras-primas do rock: The Velvet Underground & Nico.

Era uma, digamos, sortuda, pois já tivera participado de outra obra-prima, La Dolce Vita, de Fellini:

.oOo.

E aqui nós mudamos nossa programação pelo fato de termos visto hoje a excelente comédia política francesa, Os nomes do amor (Le nom des gens), de Michel Leclerc. Lá, está atuando maravilhosamente uma francesinha que desconhecia, Sara Forestier.

Ativista de esquerda, a jovem que Sara encarna possui interessantes atributos físicos e,

para convencer qualquer direitista a mudar de lado, não pensa duas vezes em levá-lo

para a cama. Nascida em 1986, Sara arrasa com sua irresistível beleza.

Mas quando fui ler o que meu guru Merten disse sobre o filme e Sara,

não pude deixar de rir. Abramos aspas para o mestre:

Fiquei louco pela Sara. No filme de Michel Leclerc, ‘Les Nom des Gens’,

ela faz um mulherão de comportamento libertário, que trepa com fascistas convencida

de que, na cama, vai convertê-los. Ah, a mentira do cinema.

Na tela é morena, voluptuosa. Ah, a mentira do cinema. Agora, aqui em Paris,

surgiu aquela loira pequeninha, de óculos”.

Hahahahaha, mas que tremenda atriz, Merten, que tremenda mulher!

P.S.: Depois o mestre completa: “Fiquei besta — gauchismo para pasmo — com a erudição de Sara ao falar sobre cinema”. Claro, meu velho, nada ou muito pouco é casual nesta área. Ela é um monstro.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Argélico (com o pezinho no chão e os melhores lances de ontem à noite)

Sacha: "Dá no meio que eu não vou estar ali!

Sasha: “Dá no meio que eu não vou estar ali!” | Foto: Ricardo Duarte

Só a vocês oito — Argélico e mais meus sete leitores — posso dizer que sou uma fraude. Não fui ao Beira-Rio ontem à noite. Assisti ao jogo no Pastel com Borda da Fernandes Vieira, o Magnífico Templo de Sandra Giehl, comandante gremista do local. No meio da peleja, olhei para fora e vi que chovia. Eu estava sem guarda-chuva e reclamei da vida no muro das lamentações do Facebook. As pessoas ficaram com peninha de mim, lá no Beira-Rio, fiel torcedor, no frio, sob a intempérie, sofrendo, longe de casa. Só que eu estava a três quadras de minha casa, a 800 m de minha cama, a dez minutos de Elena. E preocupado com uns míseros pingos gelados sobre minha crescente e inexorável careca. Calei-me sobre a verdade. Seria linchado. Não gostaria.

(Logo após o jogo, a citada Sandra Giehl mudou bruscamente de canal, passando para o interessantíssimo Off, que mostrava uns caras praticando surf. Eu compreendo a mágoa dela).

Jogamos muito bem, Argélico. Tivemos finalmente a tal saída rápida e um antes desconhecido repertório de jogadas de ataque. Senti-me torcedor de um time de futebol. Fiquei comovido com o gol de Vitinho. Uma linda jogada de Anderson, jogador JAMAIS CRITICADO NESTE ESPAÇO. Posso até ter exagerado sobre tua incompetência, Argélico, mas sempre achei que Anderson sairia da letargia. Ele tinha lampejos, apenas faltava energia elétrica para mantê-los acesos. A entrada do ex-gremista aqueceu a noite de Porto Alegre, ao menos dentro do Pastel com Borda. Entrou no lugar de Alex, também de boa atuação. Os dois trocaram beijinhos de comadre quando da substituição. Gostei.

Vitinho: artilheiro

Vitinho: artilheiro | Foto: Ricardo Duarte

E o gol do Sasha? Só eu e tu vimos. Somos bons observadores. Quando a bola caiu no pé do Vitinho, Sasha ergueu o braço direito apontando para o meio da área. Tipo quero o cruzamento ALI. Mas correu para o outro lado, recebendo-o livre, quase dentro do gol. Confiram o fato abaixo, naquilo que era antes chamado de vídeo-tape. O fato revela entrosamento. Gostei.

E Danilo Fernandes? Que baita goleiro!

O time seguiu marcando, mordendo e correndo muito. Só Ferrareis destoou, mas nem tanto assim. Esforçou-se muito. Parabéns, ao preparador físico João Goulart! Que grande profissional! Recomendações, abraços e beijos em D. Maria Teresa, meu amigo!

D. Maria Tereza, esposa de João Goulart

D. Maria Tereza, esposa de João Goulart

Depois de apresentarmos a bela esposa de João Goulart, voltemos à partida de ontem. Como disse meu grande amigo Luís Augusto Farinatti, ultra-titulado professor de História da UFSM, “O Argel faz discurso mandando ‘manter os pezinhos no chão’ e quem obedece é a zaga do Grêmio”. Hahahaha, pior.

Pés no Chão, Argélico, para manter-nos sonhando com aquilo que não acontece há 37 anos, como aprecia lembrar o Sr. Ladeira Livros, excelente nesta coisa de contar décadas sem vitórias. Não creio em título nem em Libertadores, mas jamais frequentaremos os fogos do inferno da Segunda Divisão.

Ok, Argélico, para manter o sonho, pés no chão. Então…

Temos 19 pontos, três pontos na frente do segundo colocado. E há um detalhe que baixa nosso orgulho (pezinho no chão, pezinho no chão!). Jogamos 8 partidas, 5 delas no Beira-Rio. Se estivermos na frente depois dos dois próximos jogos, ambos fora, aí sim seremos líderes. Com 10 jogos (1/4 do campeonato), metade das partidas fora e metade dentro, aí sim.

No mais, Argélico, sussurro apenas uma palavra em teu ouvido: Dale.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Argélico Fucks, um nome socialmente problemático?

Meus caros sete leitores, a Wikipedia tem um verbete de artigos incomuns. Nele, há uma sessão chamada Weird Names (Nomes estranhos). Quem está lá? Ora, o atual treinador do meu time, o SC Internacional. Argélico Fucks. E, vejam bem, nem é pelo Argélico! A explicação para a inclusão do nome de Argel é a de que seu sobrenome seria socialmente problemático. Todo mundo sabe o que é “to fuck”, creio. Certa vez, um jornal estampou: “Fucks Off to Benfica”, gíria que significa “Cai fora pro Benfica”. Porém, fuck off pode ser também “tomar no cu” ou “ir à merda”. A Wikipedia diz:Argélico 01Argélico 02

No Eurosport:

Argel Fucks off to Benfica

Com a colaboração de um dos sete, Alberto Rosa.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!