Para que ser mais do que triste?

Um tenista genial tem uma lesão no quadril que o impede de seguir jogando competitivamente. Isto é uma notícia triste para o esporte, principalmente num país como o nosso, que dá atenção mínima a tudo que não seja futebol. É um pouco mais triste se o cara, mesmo rico e tendo ganho os maiores torneios mundiais, permanecia com o mesmo ar alegre, sorridente e amador, preocupado em ajeitar as cordas da raquete a cada saque e levando quase sempre seus erros no bom humor.

O que Gustavo Kuerten não deveria fazer é o que fez ontem, por exemplo. Após rolar e perder insistentemente em torneios de aspirantes, resolveu jogar o Brasil Open. Segunda-feira foi eliminado nas duplas e, ontem, levou um baile de Carlos Berlock, um obscuro argentino. Dois a zero. Não, Guga, em honra a sua biografia, você não deveria receber os aplausos penalizados de noite de ontem. Foi patético.

Se Guga ama o jogo a ponto de não conseguir afastar-se, deveria desistir das competições profissionais. Poderia fazer um belo jogo-exibição de despedida. Imagine um evento que reunisse outros grandes tenistas do passado recente como Alex Corretja, Magnus Norman, Patrick Rafter – por que não Sampras? – e outros, ao lado de Guga e do show-man Fernando Meligeni. Uma coisa bonita: além dos jogos, o bom humor que acompanha estes torneios e, num telão, vídeos das inúmeras vitórias de Guga. Seria uma despedida digna de um grande tenista.

Gustavo Kuerten merece ser melhor lembrado. Como o foi durante a transmissão do Aberto da Austrália no mês passado. Roger Federer estava levando – e levou – um surpreendente 3 x 0 de Novak Djokovic. O comentarista brasileiro foi consultar quando fora a última vez que Federer tinha sido derrotado desta forma inapelável e chegou a um Roland Garros de sei lá quantos anos. Ele disse meio que suspirando: o último que impôs tal placar à Federer foi Gustavo Kuerten… Houve um silêncio após o qual ouviu-se um “Que coisa!”.

É assim que ele deve ser lembrado.

P.S.- Deveriam proibir que os comentarios aos posts sejam melhores que os próprios… O que o Dr. Claudio Costa faz aqui é sacanagem…

:¬)))

9 comments / Add your comment below

  1. Uai, uai, uai?? Que novidade é essa?? Adoro novidades!

    Milton, é difícil para um profissional ser afastado de seu meio ainda jovem. Ele quer prolongar, quer sentir-se integrante do Métier 🙁 é triste!

  2. Milton: confesso que me deu uma tristeza danada ao assistir parte do jogo de ontem. Falei com minha esposa exatamente o que você disse aqui. Quem já testemunhou o Guga batendo Safin, Sampras e Agassi numa mesma semana não merecia assistir um joguinho chinfrim como aquele. Berlocq ?!

    Porra, Guga, vai curtir a grana com gatinhas e surf. E de vez em quando bate uma bolinha com os amigos; mas deixa esse negócio de competição pra lá. É triste.

  3. ahahahaha, Roberson.
    Que loucura´são as ‘leituras’…
    Por alguns segundos matutei:
    “-Quem é este roberson que não me conhece, não sabe se gosto de gatinhas e surf ,que acha bato umas bolas com os amigos e que acha que a expressão ‘Eu aposto” seja algum tipo de competição.”
    O que posso dizer é que se eu fosse o outro Guga, seguiria seu conselho. Abraço

  4. Certo, certo.
    Alguns jornais apontavam Guga como decadente, há 6, 7 meses. Sim, é verdade. Fosse ele estrangeiro – argentino, principalmente -, seria tachado como perna-de-pau.
    Mas há a imprensa benevolente, corporativista.
    Bem, é preciso cuidar da parentada.

    Gênio?
    Não sei. Borg era gênio. Agassi tb. McEnroe idem.
    Gustavo era bom.
    Mas é apenas uma opinião.

    Valeu a visita no blog, camarada.
    Helnwein é um de meus ídolos.
    Abraço.

  5. Milton,
    Não tenho mais saco pra choradeira do Guga. A impressão que tenho, e posso estar sendo rigoroso demais, é que ele se cuidou menos do que deveria. Acho que as pessoas, principalmento os esportistas famosos, deveriam conhecer seus limites e saber a hora de parar. Pelé, a verdadeira magestade do esporte que tivemos, parou por cima. Se voltarmos para o tênis, o Meligeni, bem menos craque que o Guga, teve um final mais inteligente, planejado e belo. Não tenho certeza de se o Guga realmente se dedicou e quis voltar a jogar em alto nível, deu nessa coisa melancólica. Sempre ouvi dizer que ele era também muito competente como negociante e ganhava rios de dinheiro no ramo imobiliário. Talvez tenha dado prioridade pra isso e pensado que poderia voltar quando achasse melhor. Não conseguiu. Paciência! Que seja feliz, já que me parece ser um cara muito bacana.
    Grande abraço

Deixe uma resposta para Armando de Souza Cancelar resposta