Porque hoje é sábado, Claudia Cardinale

Post publicado em 18 de abril de 2009 e revisado agora. As fotos tinham sumido na passagem do blog.

Compreensivelmente, ela foi um dos mitos da geração anterior à minha.

E fez setenta anos na última quarta-feira. Filha de sicilianos, nasceu em Túnis com o nome de Claude Josephine Rose Cardinale.

Artisticamente, teve muito mais sorte que todas as outras belas atrizes italianas.

Pois participou de grandíssimos filmes: fez O Leopardo, Rocco e seus Irmãos e Vagas Estrelas da Ursa Maior, todos de Visconti; …

… fez , de Fellini; Era uma vez no Oeste, de Sergio Leone; foi a viúva de La Storia, de Luigi Comencini; e fez até o curioso (e excelente) Fitzcarraldo de Herzog.

Era excelente atriz e, simpaticamente, é uma mulher de esquerda envolvida com algumas importantes causas, como a dos homossexuais.

Deve ser ateia, claro. E deve detestar Berlusca, óbvio.

Conheci-a muitos anos atrás em O Leopardo. Nossa!

(Nem imagino quem é a figura acima que mereceu a análise muscular de la Cardinale).

Entendi o que dizia meu pai sobre a Cardinale, sempre citada com olhar sonhador.

Ah, o sol se reparte em crimes, espaçonaves, guerrilhas

Em cardinales bonitas, eu vou…

E, repito, gosto das mulheres que deixam-se envelhecer sem se esconder.

Demonstram o respeito que têm consigo. O que é raro entre as muito belas.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Durante programa da afiliada da Globo no RS, médium recebe mensagem do apresentador falecido

Foi numa edição do Jornal do Almoço da RBS TV do RS, no ano passado. A médium Maria Elisabeth Barbieri transmite uma mensagem do falecido comunicador Mendes Ribeiro, ex-comentarista do programa, para os atuais apresentadores. O momento lindo nos foi passado pelo Euclides Bitelo, que fala com toda a razão sobre a cômica mediocridade jeca de nossos programas.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

De Millôr Fernandes (1923-2012), em seu livro Poemas (1999)


Chico morreram. Millôr morremos. Simples assim.

Guga Alayon

Poema para grande orquestra parada – um silêncio bem alto

Você já amou uma mulher brilhante.
Você já amou uma mulher formosa.
Você já amou uma mulher
Silenciosa?
Que fala pouco.
E bem,
E baixo,
Que não eleva a voz por raiva
Nem má educação,
Que anda com seus pés de seda
Num mundo de algodão.
Que não bate, fecha a porta,
Como quem fecha o casaco
De um filho
(Ou abre um coração)?
Que quando fala, se aproxima
Ao alcance da mão
Pra que a voz não se transforme em grito?
E que absorve o mundo
Sem re-percussão
Num olhar de preguiça
Num colchão de cortiça
Como um mata-borrão?

Mas um dia ela sai
Levando o seu silêncio
De pingüim andando solitário em
sua Antártica
(ou Antártida),
No eterno
Gelo sobre gelo
No infinito
Branco sobre branco
E dos cantos e recantos
Onde habitou calada
– entre oniausente –
Brotam aos poucos,
Os ruídos
Pisados,
Colocados embaixo do tapete
Guardados na despensa
Na gaveta mais funda
De uma vida em comum.
Os trincos falam,
A cafeteira chia,
A espreguiçadora range,
O telefone toca,
As louças tinem,
O relógio bate,
O cão ladra,
O rádio mia,
Toda a casa ressoa, reverbera
e brada
E a orquestra em pleno do teu
dia-a-dia
Ataca a algaravia
Fabril
Escondida no lençol de silêncio
Com que ela partiu.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Mrs. Dalloway, de Virginia Woolf X A volta do parafuso, de Henry James

Fortes e confirmados indícios dão conta de que este que vos escreve e Nikelen Witter estarão na próxima segunda-feira, 2 de abril, discutindo os dois títulos acima no StudioClio. A volta do parafuso é de 1898; Mrs. Dalloway, de 1925. Neste ínterim, a arte mudou muito. Não gosto da palavra ruptura, até porque Virginia Woolf, com seu respeito aos escritores que a antecederam, a rejeitaria, mas há que considerar que a distância temporal entre as obras, de 27 anos, parece ser maior se entremearmos James Joyce e seu Ulisses, Diaghilev, Mahler, T.S. Eliot, Rilke, Ravel, Proust, Kafka, Pirandello, Svevo, Stravinsky… ou seja, o modernismo. A distância entre as duas pequenas obras-primas assemelha-se a comparar a perfeição clássica de Brahms a Mahler ou Bartók.

Henry James era o grande estilista, um escritor cheio de artifícios e que foi ficando cada vez mais intrincado em sua prosa. Ele talvez seja um dos maiores representantes do fim de uma época que já forçava os limites do romance do século XIX, apontando para o que viria. Já Woolf gozava de uma liberdade que ainda escandalizava e criava seu primeiro grande romance, o saltitante Mrs. Dalloway.

Dá muito papo, ainda mais com a Nikelen, que é escritora e historiadora. Estaremos devidamente calibrados com cerveja Coruja. Acho que será bom.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Eu não vou prantear Chico Anysio

A Salomé de Chico Anysio: linha direta com a ditadura

O que posso fazer? Sempre achei o cara um saco, chato mesmo, o rei do humor rasteiro. Quando era criança e ainda via a Globo, gostava mais de Jô Soares. Chico Anysio era… cansativo, extremamente cansativo naquela eterna criação de tipos que logo se esgotavam e que acabavam repetidos ad nauseam. Criou 200 personagens, cada um com uma piada.

Lembro de algumas coisas, mas principalmente de minha opinião sobre a personagem Salomé, a velhinha que falava ao telefone com o presidente Figueiredo, tratando-o por João Batista e deixando o equino mandatário mais deglutível à população. Lembro como ele parecia bem acomodado durante o regime militar na Globo, mas não sei de maiores detalhes. Lembro também de seu ressentimento contra os novos humoristas como a turma do Casseta & Planeta. OK, eles não eram grande coisa, mas Chico ficou muito puto quando foi encostado pela Globo em favor dos meninos liderados por Bussunda. Mais cômico e estranho foi seu casamento com a ex-ministra de Collor Zélia Cardoso de Mello.

Aliás, há um episódio muito repugnante, ocorrido durante a campanha Collor X Lula. Ele tinha um espaço de stand-up no Fantástico. Então, em pleno calor da campanha, lá foi ele ajudar Collor: contou que D Marisa não poderia ser primeira dama porque o Planalto tinha muitas janelas de vidro e ela não resistiria a limpá-las todas. A Globo o adorava, claro. Era o retrógrado engraçado, o conservador popular. Como os textos que aprovava não eram suficientemente cômicos — pois humor à favor é complicado de aguentar — ,  Anysio passou superfetar novos personagens sob o filtro de seu talento de ator e, principalmente vocal. A propósito, Chico tinha excelente voz e sabia como usá-la. Era o que tinha de melhor.

Acho estranho que toda essa gurizada o esteja chamando de grande mestre do humor, etc. Na verdade, tiveram a sorte de vê-lo quando eram crianças. Todo mundo tem saudades da infância. Na minha opinião, Chico Anysio é um subproduto do monopólio da Globo. Ela era o humor que havia disponível. O ídolo poderia ser outro, mas ele teve sorte de estar lá no momento certo.

Infelizmente, não descansará em paz. Quem vê TV deverá ser invadido por homenagens ao grande homem. Estou fora dessa, ainda bem.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Beethoven – String Quartet Op.59 No.3 'Rasumovsky' – 2° mvto: Andante con moto

Outra joia injustamente desconhecida. Com o Quarteto Alban Berg.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Rimsky-Korsakov: Quinteto para flauta, clarinete, trompa, fagote e piano

Gosto muito deste primeiro movimento do curioso quinteto de R-K. As gravações são poucas, raras e boas em CD, mas no Youtube não tem quase nada. Encontrei este aqui, ó, de filmagem amadora, som mais ou menos e grande entusiasmo da moçada. Vale a pena dar uma olhadinha.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque Hoje é Sábado, Jacqueline Bisset

Post publicado em 24 de maio de 2008 e revisado agora. As fotos tinham sumido na passagem do blog.

Jacqueline Bisset (1944) é antes de tudo um rosto na memória.

Minha geração foi apaixonada por esta inglesa que a maioria pensa ser francesa.

Não era uma grande atriz, mas como não segui-la minuciosamente na tela?

Lembro que, adolescente, vi-a pela primeira vez no Cine Center, em Porto Alegre.

Tive alguma pressa em voltar para casa a fim de fazer-lhe(-me) justiça pelas próprias mãos.

Coisas da idade… Na minha opinião, ela fez apenas dois grandes filmes:

O notável A Noite Americana, de François Truffaut, …

… e a engraçadíssima comédia O Magnífico, de Philippe de Broca, com Belmondo em estado de graça.

Um enorme desperdício de beleza essa coisa de sobrarem tão poucos filmes de Bisset…

… em nossas cinematecas. Pois ninguém deseja rever hoje, a bomba O Fundo do Mar, por exemplo.

Jacqueline deixou-se envelhecer aparentemente sem cuidados cirúrgicos.

Acho que o fato uma mulher desta beleza,

acostumada a atrair olhares por sua aparência,

ter deixado sua juventude com tranquilidade,

é sinal inequívoco de que Jacqueline Bisset era bem mais do que um belo rosto.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O centenário de Contos Gauchescos, de Simões Lopes Neto

Publicado em 25/02/2012 no Sul21

Não é à toa que Contos Gauchescos faz parte da lista de leituras obrigatórias para o vestibular da UFRGS nos últimos anos. Ele ali está na justa companhia de José Saramago (História do Cerco de Lisboa), Guimarães Rosa (Manuelzão e Miguilim) e de outros. E de outros menores, deveria dizer. Claro, a lista da UFRGS não é garantia de qualidade — por exemplo, lá não estão Erico nem Dyonélio –, mas serve como comprovação de que o pequeno volume de 19 contos narrados por Blau Nunes está bem vivo.

Contos Gauchescos (1912) é o segundo livro de João Simões Lopes Neto (1865-1916), que também escreveu Cancioneiro Guasca (1910), Lendas do Sul (1913) e Casos do Romualdo (1914). O autor viveu 51 anos e publicou apenas quatro livros. Talvez sejam muitos, se considerarmos a colorida vida do autor.

Casa onde residiu Simões Lopes Neto em Pelotas. Hoje abriga o Instituto João Simões Lopes Neto (Rua Dom Pedro II, 810)

Simões Lopes Neto nasceu em Pelotas, na estância da Graça, filho de uma tradicional família da região, proprietária de muitas terras. Aos treze anos, foi para o Rio de Janeiro a fim de estudar no famoso Colégio Abílio. Retornando ao Rio Grande do Sul, fixou-se para sempre em Pelotas, então uma cidade rica para os padrões gaúchos. Cerca de cinquenta charqueadas formavam a base de sua economia. Porém, engana-se quem pensa que Simões andava de bombacha. Seus hábitos eram urbanos e as histórias contadas nos Contos Gauchescos eram baseadas em reminiscências, histórias de infância e, bem, a verdade ficcional as indica como de autoria de Blau Nunes, não? A epígrafe da obra deixa isto muito claro: À memória de pai. Saudade. Mas voltemos ao autor.

Sua vida em Pelotas não foi nada monótona. Abriu primeiro uma fábrica de vidro e uma destilaria. Não deram certo. Depois criou a Diabo, uma fábrica de cigarros cujo nome gerou protestos da igreja local. Seu empreendedorismo levou-o ainda a montar uma empresa para torrar e moer café e a desenvolver uma fórmula à base de tabaco para combater sarna e carrapatos. Fundou também uma mineradora. Nada deu muito certo para o sonhador e inventivo João, que foi também professor e tabelião, mas ao fim e ao cabo apenas sobreviveria como jornalista em Pelotas, conseguindo com dificuldades publicar seus livros e folhetins, assim como montar suas peças teatrais e operetas. Este faz-tudo faleceu em total pobreza.

A primeira edição de Contos Gauchescos foi publicada em 1912. Se o ano é este, a data exata da publicação parece ter sido perdida. Na primeira página do volume é feita a apresentação do vaqueano Blau Nunes, que o autor afirma ter sido seu guia numa longa viagem pelo interior do Rio Grande do Sul.

PATRÍCIO, apresento-te Blau, o vaqueano. Eu tenho cruzado o nosso Estado em caprichoso ziguezague. Já senti a ardentia das areias desoladas do litoral; já me recreei nas encantadoras ilhas da lagoa Mirim; fatiguei-me na extensão da coxilha de Santana, molhei as mãos no soberbo Uruguai, tive o estremecimento do medo nas ásperas penedias do Caverá; já colhi malmequeres nas planícies do Saicã, oscilei entre as águas grandes do Ibicuí; palmilhei os quatro ângulos da derrocada fortaleza de Santa Tecla, pousei em São Gabriel, a forja rebrilhante que tantas espadas valorosas temperou, e, arrastado no turbilhão das máquinas possantes, corri pelas paragens magníficas de Tupanciretã, o nome doce, que no lábio ingênuo dos caboclos quer dizer os campos onde repousou a mãe de Deus…

(…)

Genuíno tipo – crioulo – rio-grandense (hoje tão modificado), era Blau o guasca sadio, a um tempo leal e ingênuo, impulsivo na alegria e na temeridade, precavido, perspicaz, sóbrio e infatigável; e dotado de uma memória de rara nitidez brilhando através de imaginosa e encantadora loquacidade servida e floreada pelo vivo e pitoresco dialeto gauchesco.

(…)

Querido digno velho!
Saudoso Blau!

Patrício, escuta-o.

Capa da edição pocket da L&PM

Após esta apresentação — de pouco mais de duas páginas na edição pocket da L&PM — , está pronto o cenário para os 19 contos (ou “causos”) que o narrador Blau Nunes contará a seu patrício. Blau é o protagonista de algumas histórias, em outras é um assistente interessado que banha os fatos de intensa subjetividade. E aqui chegamos ao que o livro apresenta de mais original: o trabalho de linguagem de Simões Lopes Neto. Os contos são “falados”, são “causos” contados por Blau e a linguagem acaba por ser uma representação da fala popular misturada a uma inflexão erudita — certamente a de Simões — , transformando-se numa terceira forma de expressão. Numa belíssima terceira forma de expressão. Sabemos que o leitor do Sul21 já está pensando em Guimarães Rosa e tem toda a razão. Rosa confessou que seu texto tinha muito da influência de Simões. O gaúcho abriu as portas para as grandes criações do autor de Grande Sertão: Veredas e esta afirmativa não é a do ufanismo vazio que procura gaúchos em navios adernados, mas uma manifestação de consistente orgulho.

E, assim como nos livros de Rosa, a linguagem de Simões Lopes Neto talvez soe estranha à princípio, apesar de que o estranhamento é muito menor do que aquele com que se depara o leitor do mineiro. Se lá Rosa cria palavras utilizando seu enciclopédico conhecimento etimológico, se lá utiliza-se até de línguas eslavas; aqui Simões transforma o sotaque da região onde nasceu. Há os adágios populares, há os muitos gauchismos do campo e da cidade e há as expressões típicas da fronteira, recheadas de espanholismos. A memória de Blau Nunes é a memória geral do pampa narrando os acontecimentos principais de sua história que, em mosaico, formam uma visão subjetiva da região e de sua gente. Era 1912, não havia regionalismo, estávamos a 10 anos da Semana de Arte Moderna e 4 anos após o falecimento e Machado de Assis. Estamos, pois, falando da literatura de um pioneiro.

Ilustração de uma edição de Contos Gauchescos

Mas Simões Lopes Neto não trabalha apenas a linguagem, é um escritor que sabe criar constante subtexto. Ou seja, há as palavras, mas há um grande contador de histórias trabalhando-as, jogando informações subjacentes que reforçam ou contradizem o que está sendo contado. Isto pode ser sentido no pequeno conto O negro Bonifácio e no tristíssimo No Manantial — segundo e terceiro contos da coleção. A propósito, no CD Ramilonga, Vitor Ramil fez uma homenagem a No Manantial. A frase que é dita no início da canção é a primeira do conto e a que a encerra — Vancê está vendo bem, agora? — está próxima ao final do conto. É uma justa homenagem. Talvez No Manantial seja o melhor conto escrito por autor gaúcho até o surgimento de Sergio Faraco. Apenas em 1937, com a publicação de Sem rumo e Porteira fechada (1944), de Cyro Martins, e de O Continente (Erico Verissimo, 1949), a literatura do RS produziria outras grandes figuras ficcionais gaúchas. Dizia Tolstói: Se queres ser universal começa por pintar a tua aldeia. E Blau Nunes, na condição de narrador e protagonista dos Contos Gauchescos, é um gaúcho de qualquer latitude.

Marcelo Spalding, em excelente artigo análogo a este, finaliza citando a definição de Italo Calvino para o que seria um clássico. De seu artigo, roubamos duas frases de Calvino que, a nosso ver, cabem tão adequadamente a Contos Gauchescos que não há razão para não citá-las. Segundo Calvino, um clássico é uma obra que provoca incessantemente uma nuvem de discursos críticos sobre si, mas continuamente as repele para longe. Mais: clássicos seriam livros que, quando mais pensamos conhecer por ouvir dizer, quando são lidos  se revelam novos, inesperados, inéditos. E, avançando no perigoso terreno do tradicionalismo gaúcho, arriscamos dizer que a ligação com o, em sua maioria, tosco movimento, acaba por prejudicar o autor de Contos Gauchescos. O fato de haver inclusive uma Medalha Simões Lopes Neto faz com que muitos leitores do RS o associem ao MTG e deixem de entrar em contato um autor muito sofisticado. Pois o homem que desejava livrar-nos da sarna e dos carrapatos produziu grande literatura.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ribamar, de José Castello

José Castello é um conhecido crítico literário, escritor e jornalista que me acostumei a acompanhar nas páginas da Rascunho. Ribamar é seu mais recente romance. Romance? Romance muitíssimo autobiográfico, romance que é uma mistura entre ficção, memória, autobiografia e biografia do pai. Ribamar é José Ribamar Martins Castello Branco, pai do escritor, e o livro é uma dolorosa aproximação do filho ao pai morto.

Minha primeira surpresa ao ler Ribamar foi o tom deprimido do, tá bom, romance. O Castello que conhecia dos jornais me parecia incapaz disto: era um crítico e pessoa calma e bem-humorado, cujas críticas inteligentes eram sempre permeadas de compreensão. Fazia quase a crônica daquilo que lia. Era um agradabilíssimo gentleman literário, mas vá saber que abismos se escondem sob a casca? Sim, muito profundos. O mote para o romance-texto-anotações que vai sendo montado por Castello é a Carta ao pai, de Franz Kafka. Assim como Hermann Kafka não leu o livro do filho, Ribamar parece não ter lido mesmo livro quando lhe foi dado de presente pelo filho José. Anos depois, já com o pai morto, José depara-se com o exemplar que dera ao pai. O livro aparentemente não tinha sido lido, mas há uma frase sublinhada: Comigo não existia praticamente luta; minha derrota era quase imediata; apenas subsistiam evasão, amargura, tristeza, conflito interior. É neste ponto, além da lembrança de uma canção de ninar que manda “o mimoso José calar a Boca”, e que era cantada por seu pai, que começa a tentativa de retomada deste por parte do escritor.

O romance que, repito, é dilacerante e por vezes difícil de avançar, na segunda metade leva Castello à quente Parnaíba a fim de tentar recolher mais alguns cacos da infância paterna. A forma bisonha com que tais lembranças são procuradas e todos os sentimentos envolvidos dão enorme potência à Ribamar. Ribamar é aquele gênero de pai que penso seja cada vez mais raro, aquele que acha que humilhar educa, que criticar de forma acerba endireita. E o livro é tão dolorido que é realmente difícil escrever a respeito numa agradável manhã porto-alegrense, após uma noite feliz com os filhos.

O livro foi o vencedor da categoria melhor romance do 53º Prêmio Jabuti. Deve ter merecido. A carta ao pai de Castello não é a prosa fechada, redonda e circunstanciada de Kafka. O que faz Castello mais parece um amontoado de folhas, mas como doem.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Hoje é dia de comemorar COM CERVEJA os 327 anos de Bach

Claro, é uma comemoração simples e modesta, já que nem sei se há muitos parentes dele por aí além de PQP Bach, o filho bastardo. Mas a comemoração deve ser à base de cerveja.

Para quem conhece, é curioso ou lê a respeito da história da música, é sempre surpreendente o tamanho de Bach, seu grau de influência (influência que se revela perene) e sua colocação como pedra fundamental de toda a cultura musical. E todo o mundo que Bach criou foi desenvolvido numa época em que não havia muita noção de obra; ou seja, Bach não escrevia para a posteridade como passaram a fazer logo depois, mas para si, seus alunos e contemporâneos. E era um brigão; passava grande parte de seu tempo solicitando mais e melhores músicos, salários e procurando “emprego”, digamos. Costumava ganhar mais que seus pares, mas nada que fosse espantoso, de forma nenhuma.

A perfeição daquilo que criava e que era rápida e desatentamente fruída pelos habitantes das cidades onde viveu, era pura necessidade individual de fazer as coisas bem feitas. E, mais, ele parecia divertir-se criando dificuldades adicionais em seus trabalhos. Muitas vezes o número de compassos de uma cantata corresponde ao capítulo e versículo da Bíblia daquilo que está sendo cantado. Em seus temas aparecem palavras — pois a notação alemã (não apenas a alemã) é feita com letras — , e suas fugas envolvem verdadeiros espetáculos circences que só podiam ser apreendidas por especialistas. Então Bach era não apenas um fantástico melodista capaz amolecer as pernas de quaisquer ditadores — sei do que falo — , como um sólido teórico capaz de brincar com seu conhecimento. Em poucas palavras, pode-se dizer que o velho sobrava… Sua obra, mesmo com a perda de mais de 100 Cantatas e de outras obras por seu filho mais velho, o preferido de Bach e maldito pelos bachianos Wilhelm Friedemann, suas obras completas correspondem a 153 CDs da mais perfeita música. Grosso modo, 153 CDs são 153 horas ou mais de 6 dias ininterruptos de música.

E também sobrava cerveja em sua casa. Seus contratos previam dinheiro e algumas vitualhas fundamentais: cevada, trigo, lenha e não apenas cevada, mas uma quantidade enorme de cerveja, pois o homem não apenas queria a cevada com a autorização para produzir a bebida, mas a própria. Pode-se de dizer que, naquela época, por questões de saúde, era preferível beber cerveja à água, mas… Pô, Bach pedia muita cerveja. Um litro de cerveja custava o equivalente a US$ 1,50 e o de leite $1,25; isto é, a cerveja era tão (in)acessível quanto o leite, porém as notas examinadas por seus biográfos indicam que a família Bach consumia toneladas dela. Um relatório de gastos do compositor em 1725 (tinha 40 anos) dá conta de um consumo enorme por um período limitado, suficiente para várias pessoas por muitos dias. É óbvio que seus alunos e músicos bebiam junto, mas não vou entrar em maiores detalhes porque o que desejo arengar hoje é simplesmente o fato de que qualquer bachiano que se preze deve beber CERVEJA hoje. É a bebida correta.

Espero ter sido claro. Um brinde à grande e produtiva vida de Johann Sebastian Bach!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Enquanto Hitler fala da Copa na Arena, o Les Luthiers esmerilha

Eu não tenho culpa de nada, só achei tudo muito engraçado.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O time pode até ser mais ou menos, já o marketing…

Vídeo gravado através de telefone celular:

http://youtu.be/oe_V2Nk6V6w

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Olivio e a maquete

Abaixo, a bela foto que Caio de Santi publicou em seu Facebook. Talvez apenas compreensível para gaúchos, ela mostra o ex-governador e conselheiro do Internacional Olivio Dutra levando uma das maquetes do futuro Beira-Rio após o evento de assinatura do contrato com a Andrade Gutierrez. Quem conhece Olivio pessoalmente não fica indiferente a sua simpatia e simplicidade.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque hoje é sábado, Cyd Charisse (ou as pernas)

Post publicado em 21 de junho de 2008. As fotos tinham sumido na passagem do blog.

Um amigo pediu um Sábado Trash com Deborah Secco, mas confesso que me assustei com o resultado…

Então, fiquei com a monumental Cyd Charisse (1922-2008), falecida esta semana.

Nunca vi um filme com ela. Nem Cantando na Chuva vi.

Sou hostil ao gênero “Musical”; acho que só gostei de West Side Story e… Dançando no Escuro é mesmo um musical?

Fico imaginando se, num momento de extrema alegria, reagisse saracoteando com um louco.

Imagino-me dançando no nascimento de um filho, dentro da maternidade, com a criança nas mãos sendo perseguido pela pediatra, que também dançaria.

Ou após a primeira relação sexual, saltando aliviado sobre o sofá da sala, dando voltas na TV, pegando quadros, trocando seus lugares na parede.

Dançaria na frente do Palácio Piratini, junto aos brigadianos, pedindo a queda da tia Yeda.

Bom, chega. Meu pai era um admirador — como todos –, das pernas perfeitas da deusa Cyd. Falava muito nelas.

Cyd chegou a fazer um seguro de cinco milhões de dólares para suas pernas (é um recorde, está no Guiness Book).

Seu verdadeiro nome é Tula Ellice Finklea e acho que foi uma boa fazer a troca.

Foi casada por 60 anos com o cantor Tony Martin. O que é que deu errado com eles?

Ela dizia que Gene Kelly era mais criativo, mas que Fred Astaire era melhor dançarino.

Ela devia saber; afinal, dançar era com ela.

Para mim, ficam suas pernas, verdadeiramente loooooooooooooongas e deslumbrantes.

No fechamento desta edição, descobrimos que ela recebeu de Bush o National Medal of Arts and Humanities Award.

Viram? Sempre desconfiei desses dançarinos…

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Que saco! O papa estará novamente entre nós em 2013

Pô, qual é? O que esse cara vem fazer aqui de novo?  O papa vai visitar o Rio de Janeiro durante a “fundamental” Jornada Mundial da Juventude, programada para o período de 23 a 28 de julho de 2013. O governo federal criou uma comissão especial para organizar os preparativos do boca-livre carola. A atuação da comissão especial será considerada prestação de serviço público relevante e não será remunerada. OK, me engana que eu gosto… Não vão gastar nadinha, né?

A caricata figura nem chegou e eu já estou de saco cheio do noticiário. A vantagem é que já sei quando devo marcar minhas férias. Ou… a propósito: vamos organizar um protesto contra o boçal aí?

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

A alegria de precipitar-se no abismo (post motivacional)

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O dia em que Porto Alegre será destruída

Foto tirada ontem por Ramiro Furquim / Sul21

2014. 18 de junho. Dia do quarto jogo a ser realizado no Beira-Rio, cujas obras foram entregues à Fifa e ao mundo faz um mês. Era um dia estranhamente quente para aquele finalzinho de outono. A partida reúne — reúne… — Argentina e Inglaterra. A cidade está tomada pelos hermanos, mas também, em menor número, pelos polidos e simpáticos invasores das Malvinas. Após duas greves, a Brigada Militar está de prontidão e as rádios “de sucesso” anunciam que o Rio Grande do Sul será palco do confronto do século e que um gaúcho-úcho-úcho, Leandro Vuaden, será o quarto árbitro. Todas as preocupações se voltam para a situação nas ruas, ignorando o que ocorre nos céus. Só a Defesa Civil do governador olham para lá. É que lá formam-se nuvens e mais nuvens e, no final da manhã do grande jogo, começa um toró de varrer Malvinas, Margarets e Cristinas do mapa.

Logo falta luz na Zona Sul, claro. Todos os ingleses que tomavam banho nas águas do Guaíba são direcionados para o BarraShoppingSul, onde há energia elétrica e argentinos que, à princípio, apenas os observam silenciosamente. Nas ruas, instala-se o caos com 35 pontos de alagamentos. Para piorar, ocorre um acidente entre dois ônibus dentro da Túnel da Conceição, formando um engarrafamento verdadeiramente inesquecível, pois os argentinos saem dos seus carros para beberem cerveja e quebrarem qualquer coisa coisa que encontram, no que são imediatamente imitados por ingleses e gaúchos. Uma árvore cai sobre um inglês e a Embaixada do país cobra explicações do governo brasileiro.

Tudo se torna muito mais divertido quando os torcedores notam que será impossível chegar ao estádio no horário, digamos, aprazado. Na Zona Sul, a muito custo, a Brigada consegue criar dois corredores que levam separadamente ingleses e argentinos a pé, sob forte chuva, para o estádio, aproveitando a proximidade. Os que estão no resto da cidade… Bem, estes não vão chegar a lugar algum. Então, brigam. Como um jogo de futebol que se torna mais violento conforme a chuva, a coisa fica cada vez mais descontrolada. Três ingleses são afogados hasta la muerte por grupos argentinos na Av. Osvaldo Aranha, enquanto comandos ingleses perseguem hemanitos com paus e pedras. Gremistas trajados com seus típicos pijamas são confundidos pelos ingleses — as camisetas são quase iguais, lembram? — e entram no bolo para apanhar. Os colorados aproveitam para tirar uma casquinha.

(Putz, 7h, dia cheio, tenho que cobrir a abertura da Semana de Porto Alegre. Desculpem, vou para o trabalho agora. Nem revisei, só achei a ideia divertida, tá? Talvez dê continuidade mais tarde a este verdadeiro drama gaúcho).

Filme de 2009 no Arroio Dilúvio:

Esse diz que é de ontem, mas é o mesmo surfista de 2009. Acho que é outra filmagem do mesmo fato, pois encontrei esta filme ainda ontem, durante o toró:

http://youtu.be/mU-MskcwjDY

E ontem…

Tartarugas queriam sair do Arroio Dilúvio ontem. Lá fora estava igual. | Foto: Léo Cardoso

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Essa coisa chata de comparar Pelé, Maradona e agora Messi

Ontem, eu e meu filho estávamos chegando ao Beira-Rio quando ele começou a reclamar — com toda a razão — de Juca Kfouri. Dizia ele que o Juca escreveu uma matéria em que defendia superioridade de Pelé com base em números, gols e títulos. Ambos gostamos bastante do jornalista e concordamos com grande parte de suas ideias e posições, mas são casos incomparáveis. O contexto de Pelé era outro. O Santos jogava quilos de amistosos, parava guerras e muitos jogos de Pelé eram pura exibição. Nem marcavam o cara. Se fosse para comparar, teríamos que limpar todos esses gols. Limparíamos também a Copa de 1962, a Copa de Garrincha, quase não jogada por Pelé e todos os Campeonatos Paulistas, pois não há estes anacrônicos estaduais em outros países.

Mas o que me deixa mais encasquetado é que mestres como Xavi, Beckenbauer ou Cruyff, não podem entrar nesta comparação. Beckenbauer era volante e depois passou a zagueiro. Sua função não era a de marcar gols. Xavi costuma dar de presente gols e mais gols para outros (por exemplo, Messi) fazerem ao borbotões, e o mesmo ocorria com Cruyff. A defesa nacionalista de Pelé — e agora não falo mais apenas de Kfouri — é das coisas mais bobas que conheço. Pelé foi o meio jogador de seu tempo, o mesmo valendo para Maradona, Messi e muito outros. Mas agora, se me encherem o saco, digo que vi os três jogarem — o que é verdade — e que Maradona era o melhor disparado…

P.S.: Nos 5 x 0 do Inter sobre o The Strongest, o melhor jogador em campo foi Oscar, que deu três passes de bandeja que resultaram em gols. Damião fez três, mas e daí? Viram só?

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Merval Pereira, nosso representante na ABL, defende Ricardo Teixeira

Pobre Ricardo Teixeira. Segundo Merval Pereira, um injustiçado. A peça que se lê abaixo demonstra toda a compaixão do colunista de O Globo para com a saída de um dos homens que mais acumula denúncias no mundo do futebol — talvez o campeão — e que sempre tirou sarro das mesmas, como pode ser comprovado nesta franca e bem humorada reportagem da Piauí.

Teixeira presidia a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) há 23 anos, cargo que ocupava por indicação do então sogro João Havelange, e via-se envolvido em uma série de denúncias de irregularidades, tanto no Brasil quanto no exterior. As acusações do jornalista Andrew Jennings, da BBC, autor do livro Jogo Sujo: o mundo secreto da Fifa pareciam cada vez mais inequívocas. Joseph Blatter, presidente da Fifa também acusado por Jennings, e o Palácio do Planalto não conversavam mais com ele. Sentindo-se isolado e sacaneado, o capo pediu para sair. Romário, um gênio dentro do campo e um mestre da objetividade fora dele, autor da célebre e exata súmula sobre Pelé, “Pelé calado é um poeta”, recumiu tudo num pouco brilhante mas não menos exato lugar-comum: “Hoje podemos comemorar. Exterminamos um câncer do futebol brasileiro”.

Quem fica em seu lugar não é muito diferente. José Maria Marin é velho aliado de Maluf e antigo cartola amigo de Teixeira. Teve seus momentos de fama este ano: em 25 de janeiro, foi flagrado colocando no bolso uma das medalhas destinadas aos jogadores do Corinthians na cerimônia de premiação dos campeões da Copa São Paulo de Juniores. Na ocasião, a Federação Paulista de Futebol disse que a medalha já estava reservada a Marin (?), mas no fim da solenidade um dos goleiros do Timão, Matheus, acabou sem receber seu prêmio. Estamos em boas mãos.

Mas, voltando a Teixeira, Merval e o Jornal Nacional da Globo ficaram tristes com sua saída. Não vi o JN, só li a prosa escorreita, bela e compassiva de Merval.

As angústias de Ricardo Teixeira

As acusações de corrupção no Brasil e no exterior certamente pesaram na decisão de Ricardo Teixeira de se demitir da presidência da CBF.

Pelo menos na Fifa a solução é imediata: a saída do dirigente brasileiro suspende investigações que porventura estejam tramitando. No Brasil, ele espera que seu desaparecimento da cena pública atue como sempre, fazendo com que o esqueçam.

Mas, recentemente, ele se revelou a amigos angustiado mesmo foi com o fim de seus sonhos. A realização da Copa do Mundo no Brasil era o sonho de Ricardo Teixeira para chegar à Presidência da Fifa, o reconhecimento público de seu trabalho era uma ambição que alimentava.

Achava que, finalmente, iriam dar valor ao que fizera nesses 23 anos à frente da CBF. Mas o sonho tranformou-se em pesadelo.

Na nota de renúncia, ele abordou o tema dizendo que suas vitórias foram subvalorizadas e os erros superdimensionados.

Não tinha mais interlocução com a Presidente Dilma Rousseff, e nem com o Presidente da Fifa Joseph Blatter. E via a cada dia os trabalhos para a realização da Copa mais e mais atrasados.

Temia que a culpa final recaísse sobre ele, tinha medo de se transformar no bode expiatório dos dois lados, governo e Fifa. Como Presidente do Comitê Organizador, é claro que tinha culpa, mas sentia-se a cada dia mais isolado, sem capacidade de reação.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!