Chico Buarque fala sobre o racismo, sobre seu neto e a hipocrisia

chico buarqueChico Buarque comenta o racismo claro ou dissimulado de boa parte dos brasileiros. Ri daqueles que insistem em ignorar os séculos de miscigenação em nosso país. Em seu depoimento, Chico fala de sua revolta ao descobrir que sua filha, casada com o músico Carlinhos Brown, foi forçada a se mudar em razão das agressões que seu filho, neto de Chico, sofria dos moradores. Às vezes, quando ouço pessoas falando de sua genealogia — que sempre evitam suas linhagens não brancas, respondo que tenho pedigree. É que só se encontra portugueses em meu passado. Só que minha árvore genealógica é muito incompleta, muito curta, é dessas que logo se perdem, mesmo que eu tenha cidadania portuguesa adquirida em razão de ter avós portugueses por parte de pai. Aliás, os portugueses nunca se miscigenaram… Daqueles 128 citados por Chico — 4 avós, 8 bisavós, 16…, etc. — deve haver um monte de não brancos. Imagina se não há negros e índios dentre eles? Minha mãe era chamada de índia por seus pais… E os 128 estiveram por aí não faz muito tempo.

Com a palavra, Chico Buarque. Vale a pena ouvir.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

160 ideias sobre “Chico Buarque fala sobre o racismo, sobre seu neto e a hipocrisia

  1. Eu já ouvi – “Imagina o desgosto do Chico Buarque, criar bem uma filha e ela casar com Carlinhos Brown, um cara COM AQUELE NARIZ”. Eu imagino as coisas que não aconteceram pra eles (Carlinhos e a filha) terem saído do apartamento.

    Minha muito curta experiência de preconceito racial com relação a negros (porque já sofri contra amarelos…) foi a época que inventei de fazer permanente no cabelo. No primeiro mês, ele ficava bem enroladinho. O tratamento era outro, em todo lugar que eu ia as pessoas me olhavam torto, me tratavam mal. Isso porque era só cabelo.

    • O mais engraçado aqui é ver o preconceito racial ceder espaço ao preconceito cultural… ou seja, Brown pode até valer pela cor que tem, pelo nariz que tem, mas não vale pelo seu potencial artístico…pessoal, essas sutilezas são como racismo dissimulado que Chico Buarque fala..é bem a cara do Brasil.

    • Nossa moça! Quando você fala do nariz do Carlinhos, vc já esta sendo irônica. Acredito que vc tbm é preconceituosa. E quanto o seu cabelo, talvês nem seja o seu cabelo que chamou atenção, Talvês a sua arrogância. Pelo pouco que pude ler, você se expressa muito mal, e tem jeito de ser arrogante.

      • Gente, interpretação de texto. Essa frase no comentário dela está entre aspas, ou seja, ela está se referindo a algo que ouviu por aí.

          • Como é que alguém pretende fazer um juízo sobre a opinião de outra pessoa e sobre a herança socio-cultural do Brasil sem nem saber fazer interpretação de texto?

        • VAMOS ler com calma e com atenção, o que a Caminhante fez no início foi colocar ASPAS para identificar algo que outrem disse.
          Não lhe imputemo que não lhe seja devido.
          Na verdade ela se revoltou contra o comentário que citou. SIMPLES…

          • Quer saber? Caminhante mereceu porque deu detalhe demais. Repetir essas coisas só passa adiante e reforça de doer chocante o preconceito. Ela publicou assim se apropriou da frase. Desnecessário. Mereceu o mal entendido. É o inconsciente das pessoas reagindo.

      • Riosul, perceba que essa parte do comentário dela está entre aspas, o que significa que é a voz/opinião de outra pessoa, não dela. Ela ainda inicia o texto com “eu já ouvi”, o que deixa isso ainda mais claro. Observe como eu coloquei a fala dela entre aspas. Por favor, leia bem o comentário e o interprete antes de chamar a moça de racista.

      • Meio tarde p/ comentar, eu sei, mas uma coisa é certa:
        Ja encontrei o Brown e ele é nojento, se sente um deus da música, na ocasião, não pareceu nem um pouco humilde nem simples.

    • Ficaram te olhando feio, flor, porque você deve ser (ter ficado) uma super baranga. O seu preconceito está estampado na sua própria opinião.
      Tenho muitas amigas de cabelo cacheado que são um sonho de mulher e que arrebatam corações por onde passam. Mulheres negras maravilhosas, elegantes. Ser negra é mega sexy … Os homens ficam loucos!
      E a beleza está em se cuidar, em se amar, independente da cor.
      Melhora querida…

      • Impressionante essa caixa de comentários, explica muitas das polêmicas na Internet. Analfabetos funcionais acusam de racista um comentário que… denuncia o racismo.

    • Quase todos nós, mestiços brasileiros, já presenciamos atitudes estupidamente preconceituosas, inclusive este tipo de comentário que vc. acabou de citar. acho importante esta entrevista, pois sendo do grande Chico Buarque, chama mais atenção sobre este tipo de comportamento retrogrado e desumano. Considero o preconceito abonminável.

    • concordo com os textos contra o racismo (sou negro), mas o Chico e a Marieta so viram e resolveram falar de racismo depois de terem netos negros.

      • Que cambada de gente ignorante!
        Ficam chamando a moça de racista e arrogante e são um bando de analfabetos!
        Voltem pra escola. Aprendam leitura e interpretação de texto!

        • Pior que preconceito é não saber interpretar o que lê!!!
          Já vivem tão armados que não enxergam nada além do que convém.
          Brancos, pardos, negros, índios, amarelos…leiam e se instruam…cor de pele e tipo físico não é nada, conhecimento é tudo.

    • A questão não é a simpatia pelo Carlinhos Brown, a questão é que somos um povo mal assumido, ignorante e egoísta. Há uma recorrente tentativa de impor as próprias desgraças para o outro ao invés de encontrar respostas para elas nas diferenças. No caso do Brasil, o ítem racismo é um passo antes do delírio psicótico.

    • Eu acho um absurdo as pessoas julgarem o músico Carlinhos brown por causa do NARIZ eu creio que os negros também tenham o mesmo direito de VIVER e de ser FELIZ assim com os brancos também têm! Ser negro não é crime, na minha opinião os povos brasileiros são um povo muito racista e hipocrisia porque elas acham por ter pele clara ou melhor BRANCA que não são negros, mas a identidade NÃO está na cor da pele e SIM no sangue que corre nas veias dessas pessoas HIPÓCRITAS… Como morremos ninguém sabe definir quem o NEGRO ou quem o BRANCO por o CHEIRO É mesmo … A final de contas todos nós somos filhos do MESMO DEUS… Por favor PARE DE HIPOCRISIA E RACISMO✌?✌??? FIQUEM COM DEUS❤️.

  2. Bom, eu sou neto de espanhola e índio, e meu pai era negro, e eu sou um branco de quase dois metros de altura com nariz de negro. Não tenho preconceito racial nenhum, nunca emiti piadinhas sobre isso, e essa é uma das questões com as quais sou absolutamente resolvido. A única coisa contra a qual tenho preconceito é de artistas como Chico Buarque e Marisa Monte que se acham no direito de fazer discursos e poses bonitinhas e depois vem pegando milhões para shows através da lei Rouanet. O Chico eu nunca o ouvia (tem razão ele aparecer gargalhando de felicidade sobre as críticas contra ele pela net, afinal sua parte do espólio foi de 5 milhões), e a Marisa, que eu admirava e tenho a discografia, parei com ela. Preconceito do grosso e discriminação contra fenótipos que expressam a mais pura falta moral da minha parte, reconheço.

  3. Vc deixaria sua filha casar com o Carlin Brow? A questão não é de ordem étnica, mas sim cultural: o cara representa o que há de mais nefasto, atrasado e coorporativo na MPB. Deveriam criar um prêmio de melhor imitador do Caetano Veloso, assim, a disputa entre Carlin, Xico Cesar, Lenine e outras anomalias seria acirrada.

    • Carlin Brow? Xico Cesar? Fala sério cara, vc não sabe nem escrever o nome dessas pessoas e ainda quer falar mal? Puta que o pariu! Esses caras que vc citou são muito bons. Só talento. Sei que gosto é igual a bunda (cada um tem a sua) mas com certeza eles não tentam imitar ninguém, muito menos Caetano. Cada um tem um som foda e muito bom! Você nunca deve ter parado pra ouvir Lenine, não mesmo! Ele é fantástico! Se toca!!

    • Valner, você, como se diz no sertão, tá por fora um eito.
      Você nunca ouviu nenhum dos artistas que você citou, está falando bobozeiras…

    • Primeiro: Ninguém “deixa a filha casar”, meu caro. A filha é um ser que tem o direito de casar com quem ela quiser, mesmo sendo a sua. Segundo: limpe os ouvidos, mas não se esqueça de limpar a cabeça também.

    • Walner, em que século você vive? A sua filha, se é que você tem, vai casar com quem ela quiser. Não tessa de deixar ou não deixar. Se liga, cara!

    • Agora tive que entrar nesse “fórum”: Chico César imitando Caetano? Lenine imitando Caetano? kkkkkkkkkkkkkk. Só rindo disso! Ai, ai…

    • gente que incrível os comentário aqui!!A falta de interpretação do primeiro comentário foi incrível, as pessoas não sabem o significado de aspas, entre vírgulas e não leem a frase como ela foi escrita. E sobre o comentário do Walner, rapaz, terrível esse seu comentário, o Carlinhos Brown só é um percursionista incrível, Lenine? putz não se há o que falar de Lenine de ruim, meu caro, primeiro de tudo, você sabe o que é MPB? isso é o mínimo que para se fazer qualquer tipo de crítica em relação aos cantores que você sitou, se não souber, use as palavras ” minha opinião” vai ser bem melhor. ¬¬

    • Você tem problema, cara. Carlinhos Brown é um ótimo artista, diversificado, com ótimos trabalhos percurssivos… Você provavelmente deve ter ouvido apenas “Água Mineral”

  4. Já que o Walner mencionou… qualquer pai que se preza não aprovaria um sujeito como o Carlinhos Brown se aproximar de sua filha, e não tem nada a ver com a largura da narina do caboco. O que é Carlinhos Brown, fico me perguntando. Alguém sabe assobiar uma música do cara, uma musiquinha, que não seja aquele perdigoto marijuaniano da namorada é a namorada? Carlinhos Brown é a corporificação do espírito aventureiro do assim chamado “artista nacional”, o cara sem nenhum talento que, por algum equívoco muito piedoso da infância (“olhem como a carlinhos tem uma ginga toda própria para assoar o nariz”_ nada a ver com a espessura do instrumento musical), ou algum mimo de pais aristocráticos nunca desmentido (“é, Carlinhos, você é único com o batuque nessas panelas”), cresceu se achando predestinado, especial, com selo de garantida de qualidade. E eu só vejo ele com saias, com apliques arquiteturais no cabelo, com óculos hemisféricos, e aquela conversa insuportável de bêbado de boteco que acha que sabe opinar sobre tudo com T-R-A-N-S-C-E-N-D-Ê-N-C-I-A. Um sujeito vazio e mimado, que sobrevive mal a mal graças à falácia nunca posto à prova de que “faz sucesso com os gringos que realmente entendem de música”, assim como os geniais Bachs modernos, Alexandre Pires e não sei mais quem. A única coisa prazerosa de se ver é o Carlinhos ensejando aquela cena ridícula da presidenta, ele e a Marta Suplicy (meu Deus, o Brasil é demais: a Marta Suplicy!!!), propagandeando em apresentação oficial a tal caxarola ou caxirola, enfim, aquele instrumento que já existe há mil anos, que o Carlinhos pintou de verde e amarelo e patenteou com outro nome. Ver a Marta dançando com o chocalho nas mãos, se achando uma garotinha sexy, com o repuxo de pele quase rasgando na lateral, é impagável. Obrigado, Carlinhos Brown. Mas é algo absolutamente saudável nutrir preconceito do brabo, preconceito pesado, contra Carlinhos Brown.

    • Charlles…Seu argumento me parece de alguém extremamente recalcado e mal resolvido. Desculpe-me a grosseria, mas ninguém é obrigado a ouvir/ ver o que não gosta. Aliás, de cantores bons estamos bem carentes, no Brasil. Carlinhos Brown ainda é salvo por suas belas composições e acho que ele realmente não deveria cantar, pois não é a “praia” dele. Mas dizer que um pai não gostaria de ver sua filha com um sujeito como ele??? Me parece bem preconceituoso este teu comentário.

        • Os meus comentários nessa caixa,modéstia à parte, não são os que repercutiram mais e os mais interessantes (ainda que odiosamente)? Os outros são parte apenas da mesmice sã e concordante dos que balançam com a cabeça, apenas.

          • “Recalcado e mal resolvido
            te torna
            um cara chato
            pra caramba,
            além de
            recalcado e mal resolvido
            …isso sim” (Caroline, para Charlles Campos)

            Lindo, Carol! Adorei!

      • Sou negra,com avós negro/italiana,negro/índio e digo com toda certeza:JAMAIS DEIXARIA MINHA FILHA SE CASAR CO CARLINHOS BROWN.Medíocre como cantor,limitado como compositor (só posso citar uma única música interessante:Meia lua inteira e só!).
        Não gosto dele,de suas atitudes,de suas maneiras e de sua petulância.Se fosse escolher marido para uma filha,escolheria o Denzel Washington,sonhar não custa nada,afinal de contas.

          • Oi? Não gosto dele? quantos aqui conhece o Carlinhos Brown? to confusa? ja foram na casa de vocês, amigos íntimos? ah gente deixamos de ser hipócritas né? toda e qualquer formulação de NÃO DEIXARIA MINHA FILHA CASAR COM ELE, é uma Preconceito(Opinião ou pensamento acerca de algo ou de alguém, cujo teor é construído a partir de análises sem fundamentos, ou preconcebidas sem conhecimento e/ou reflexão), vocês conhecem a música dele, conhecem o que a mídia passa sobre ele, mas acho que não é isso que se analisa quando o assunto é casar né?

    • Como é? Estamos num tempo que os pais ainda devem se meter nas escolhas amorosas dos filhos? Que palhaçada….A questão que se colocou aqui é de preconceito racial, não musical. Ninguem falou na qualidade musical dele, e sim no direito de ele não ser desrespeitado, nem seu filho e sua mulher, pela cor.

        • Estou rindo aqui com esse seu comentário, Adriana, pois me fez lembrar de Frank Zappa. Corria o mito do show business de que Zappa defecava no palco, em suas apresentações ao vivo, e comia as próprias fezes depois. Perguntado sobre isso por um repórter, Zappa respondeu que se lembra de que a única vez que esteve muito próximo de comer fezes foi em um restaurante em San Antonio, no Texas. Hahahhahahaha.
          (desculpe, nada a ver com o tema do post, mas é muito engraçado.)

      • na verdade a filha do Chico teria que se casar é comigo,morri de raiva quando ela casou com o brow,ia ser muito legal ainda de quebra iria tocar com o chico,que peninha.

      • 1) Ver o vídeo, dizer que é Branco de 2m sendo filho de Negro, já prova uma deficiência ou surdez, só ouve o que quer, ou baixa capacidade de interpretar o que ouviu. Enquadrando-se perfeitamente naquilo que tenta negar afirmando-se: ” absolutamente resolvido.”.

        Mas que todo o tratado abaixo da discussão aponta o contrário é esclarecedor.
        a) Não somos resolvidos.
        b) Contra ou a favor é muito preconceito embutido, pois se iguais quase nenhuma palavra dessa faria sentido. Se a diferença cromatica fosse irrelevante então, nem o vídeo.

    • Concordo com quase tudo que diz o Charlles, o tal do Brown é um pé no saco sim, só acho que exagerou um pouco. Agora, o bonitão lá de cima, falar que o Lenine é um imitador do Caetano, é foda! O cara é super talentoso, ta na batalha há anos, compõe bem, tem personalidade… devagar com a louça. Até acho que o timbre do Chico César lembra sim o Caetano, mas é só isso. E o Chico, o Buarque, a gente tem que perder essa mania idiota de que o cara não pode ter dinheiro. Ah, ele faz um discurso socialista! E daí? Nunca vi ele propor a ditadura do proletariado. Se era de esquerda nos anos 60 e 70, ótimo! Tantos, com um mínimo de participação social e cidadania, empunharam a bandeira socialista e foram pra rua gritar contra o AI5, pelas Diretas e até contra as guitarras! Ainda mais quando jovem. O sujeito trabalha pra cacete, compõe, ensaia, grava, toca, divulga, vende e o caralho! Tem todo direito de receber e bem por seu ofício. Os bacaninhas lá de cima acham que ele tinha que frequentar o boteco da esquina da rua deles, andar de fusquinha e arrotar pobreza pra ficar bem na fita da galera que patrulha a vida alheia. Seu Jorge passou maiores perrengues na vida e a custa de muito sacrifício fez sucesso, ganhou grana e comprou uma Lamborghini! Cara! Tinha gente querendo queimar o negão em praça pública! Vão cuidar da vida de quem leva nossa grana sem prestar qualquer tipo de serviço, bom ou ruim! Leva na mão grande! Carlinhos Brown, a gente gostando ou não, faz a arruaça dele sem nos roubar nada além da paciência! Lenine, Chico César, e, principalmente, Chico Buarque merecem todo nosso respeito. Quero que eles fiquem ricos, muito ricos, porque em um país onde a música, ao contrário da política, da justiça e do economia, é motivo de orgulho e reverenciada no mundo todo, nada mais justo que colham o bônus. E que sejam muitos bônus!

    • Charles, não me considero fã de Carlinhos Marron (ok, me rendo à sua gracinha) mas olha: Carlinhos gravou a primeira composição própria no finalzinho dos anos 70. Compôs pra Gal Costa uma música que eu adoro do album Plural (zazando), e vive de música na Bahia há mais de 30 anos. Desmerecer o trabalho dele por que vc não gosta é seu direito, mas acho que vc não conhece tanto assim pra poder falar tanto assim. De mais a mais vc vem falar do desmerecimento musical dele num post sobre racismo, ou seja, quis fazer graça pra uns amigos chegados, mas mandou mal. Todo mundo entendeu q vc não gosta de Carlinhos Brown nem do Chico Buarque, mas desqualificar o assunto do post desviando pra um outro assunto mais do seu agrado é meio bobo. Presta atenção, fofo. Essas coisas desmerecem muito mais você. Tenho certeza que seu gosto musical é ótimo, que você é culto e inteligente, mas fora de seu grupo de amigos PESSOAIS, ninguém liga. Você tá dando tiro no próprio pé.

      • Mas….seu comentário tem 15 linhas. Você deve ter gasto uns 10 minutos, no mínimo, comigo. Rosa, você ligou! Você ligou, Rosa! Viva o rabo do tatu! Viva a pena do urubu! Viva! Viva!

        Adeus, pessoal. Até a próxima.

        • Cada um chama atenção como pode mesmo né?Esse tal de Charles chama pela chatisse cara bobinho,deve ser sozinho e mal cumido e é cumido com U mesmo que é para da mais força ok?kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.

      • Tenho pena da ignorância de alguns que não se reconhecem negros. Somos um povo mestiço. Ainda que não assumidos. Basta olhar para o passado e ver a miscigenação da raça branca com o negro e o índio. E só voltar se ao passado e deixar de ser ignorante e assumir de peito aberto a nossa mistura de raças.

    • Aê! Charlles, se ligue ai!

      Você conhece Brown?
      Já viu ele tocar? Viu ele ali bem de perto, na coxia? Na construção da arte? No dia-a-dia em seu traquejo de lidar com as pessoas? Sabe onde ele nasceu, viveu e mantem sua raiz?
      Já compôs com ele algum dia?
      Com o Lenine e os outros citados?

      Eu posso te dizer, ser limitado e mal resolvido, que não sendo “genial” ou “super-herói”(Ninguém é obrigado a ser. A não ser que Hollywood seja seu paradigma), ele é um cara do bem, mesmo, com todos os defeitos e qualidades, que todos temos.

      Sobre etnias(?!)

      Sou negro, neto de português, com povos originais brasileiros e africanos d’África e mestiços, casado com uma descendente (pais, avós…) de europeus e pais de filhos “totalmente mestiços” e lindos, lindos e lindos, em todos os aspectos.

      Vivo os meus dias com essa ignorância, ao redor.

      E acho uma total perda de tempo essa tal falácia de filho de tal, neto de tal. Se liguem, todos. Isso é preconceito velado. E parte do processo descriminatório milenar, busquem saber, mesmo.
      Para o “bem”, ou para o “mal” estamos sendo acordados, agora e já, já..

      Sr. Charlles, caráter, “fiote”, não é hereditário. Se ligue.

      A não ser que você seja nazista, fascista, seja da KKK ou associados emitir essas opiniões e achar-se o “tal”, o “bam bam bam” é realmente deprimente e fator de “insuportar-se”. Compreende?

      Há! Antes que me esqueça…

      Antes de parecer, precisamos ser, pois, caso essa lógica de fachada McDonaldiniana perdure(é o que parece), até ante ao leito mortuário, o medo da morte será a assombração e o “tenebroso”, até o último fio.
      Por pura ignorância… Aff!!

      Falo de Brown, com conhecimento de causa.

      (p.s) perdoem-me os erros ortográficos “intencionais”, ou não.

  5. Se eu deixaria minha filha casar com Carlinhos Brown? Eu desejo que ela seja feliz! Se casar com uma mula sem cabeça a fizer feliz, que assim seja. Não faltam exemplos de mulheres que se casaram com loiros, altos, de olhos azuis para em seguida descobrirem que se casaram com uma reencarnação nazista. E na Europa, Carlinhos Brown é venerado, sempre de agenda cheia. Tudo isso é apenas e tão somente provincianismo.

  6. Comentários de mal disfarçado racismo os do Walner e do Charles, hein? Só faltou eles enfileirarem os negros aceitáveis. Chico daria gargalhadas deles. São trouxas, burros e discriminatórios. Por que vêm a teu blog? Masocas, também.

  7. Esses caras que querem relativizar a discriminação… Que procuram problema em gente de cor, são os mais queridos… Vou me embora para ficar bem longe deles…

  8. Os comentários de Charlles Campos e Walner misturaram ignorância, preconceito e hipocrisia, temperadas com pedantismo. É muita besteira junta. É lamentável e triste.

  9. Só enxergou preconceito racial no meu comentário um ali em cima que, a título de dizer que Carlinhos é reverenciado na Zuropa, acabou ele incorrendo no preconceito de que quem pensa diferente é “provinciano”; e outros ali, deixe-me ver, que disseram que eu posso enfileirar os negros e que sou gentalha. Ah, vão te catar! Só porque Carlinhos Brown é um porre e eu não gosto dele, e, por coincidência, é negro, eu sou preconceituoso? Eu tenho que babar ovo e venerar a ele e ao Chico dos 5 milhões da lei Rouanet para ser gente fina, elegante e sincera? E a maioria que comenta aqui é sulista, né; gente que direto quer se separar do Brasil e fundar uma nação recolhida só da nata dos descendentes de alemães, italianos, e portugueses, como bem arvora o sangue ibérico o nobre Milton Ribeiro aí no texto acima. Pois vão olhar para seus umbigos progressistas hipócritas antes de tecerem diagnósticos do meu caráter e de quem eu recrimino ou não. Eu não tenho em absoluto nenhum preconceito de cor ou algo que o valha, só não gosto de Carlinhos Brown e Chico Buarque, um pela péssima música que faz, outro por aparecer defendendo minorias e se dizer de esquerda e ser um aristocrata que nunca se aproximou do tal homem que cai da construção e fica atrapalhando o trânsito, e pega milhões, de forma imoral, de dinheiro de impostos que deveriam ser revertidos em dinheiro público ou para ajudar artistas desconhecidos. E quem é preconceituoso aqui é o senhor Milton Ribeiro, que no Facebook disse que em Goiás, onde moro, só tem gente atrasada e desqualificada, com exceção_ vejam bem a lucidez ostensiva_, de uns dois blogueiros amigos pessoais dele e a família Caiado (e não foi ironia). Aí vem vocês bonitinhos, de conversa pronta e o emplasto burro e idiota da cartilha do politicamente correto, dizer que eu sou preconceituoso. Cambada de hipócritas maria-vai-com-as-outras, cheias de esquemas prontos e frases ostensivas para disfarçar o vazio mental.

    • Charlles, a tua argumentação é muito insólita e livre-associativa. Quiseste me atingir como habitante da Região Sul (e separatista?) e nobre ibérico (hã?). Não sei de qual acusação devo rir mais.

      Quando elogiei meus amigos goianos Nelson Moraes, Cynthia Feitosa, Cássia Fernandes e o poeta Marcos Caiado — nada a ver com outros Caiados — , disse realmente que TODOS os outros goianos eram sertanejos universitários. Acho claro, claríssimo, que a afirmativa era muito pouco séria, né? Até fui à Goiânia visitar esses amigos! Bebemos incontáveis Bohemias!

      De resto, peço desculpas, mas acho que acusaste o golpe. E não tenho nada a ver com isso.

      • Estava longe de ser brincadeira, Milton, as suas anotações sobre os que moram em Goiás no Facebook. Comentei sobre isso em um post em meu blog. Devo dizer que me senti melindrado a ficar ofendido (veja bem), pois também me pareceu que, de certa forma, você sabia que eu leria seu conceito, já que sou o goiano, senão o único, o que mais aparece em seu blog. Mas eu estou longe de me magoar com essas coisas, looonge…, quando eu recupero meu perfil analítico mínimo. Vi isso que escreveu sobre os goianos, depois, como uma provocação, e eu adoro provocação, e um de meus lemas é nunca perder o bom humor e nunca me ofender. Aí eu venho aqui, falo ali em cima que não gosto mais da Marisa Monte (uma mulher BRANCA), que não suporto Chico Buarque (um homem BRANCO), e os comentaristas assinalam, apenas e da forma mas má intencionada possível, que eu odeio Carlinhos Brown por ele ser NEGRO. Isso é uma miséria intelectual, meu caro; uma indigência mental que ocorre aqui com frequência por parte dos realmente raivosos frequentadores de seu blog. Quando foi que eu me dirigi pessoalmente a algum deles e os ofendi, xinguei, os maltratei com meu comentários, para que eles venham me estereotipar e tentarem me ofender? Que paisinho eternamente falido é esse nosso, e que classe miserável de seguidores do trivial com azeitona, a opinião enlatada? Eu mesmo _ olha só as ironias_ escrevi essa semana contra a boçalidade a que a sociedade alienada de Goiânia está afundada, e por um acidente grave que acometeu um dos membros da minha família que mais amo: por acaso, um NEGRO (como se eu tivesse que dar essa carteirada para me defender):
        http://charllescampos.blogspot.com.br/2013/05/silly-words.html

        • Olha Charles, quero dizer que concordo contigo que o músico Carlinhos Brown é um pé no saco, e, se é verdade que recebeu R$ 1 milhão para pintar o chocalho da capoeira e mudar-lhe o nome para caxirola, é também um aproveitador da cultura que diz representar. Quanto aos incentivos, quer absurdo maior do que artistas contratados da Globo, (que é uma das maiores produtoras cinematográficas do país) como a Xuxa, recorram aos incentivos da Lei Rouanet; que a meu ver deveriam ser usados para aquelas manifestações culturais não amparadas pelas grandes empresas e pela grande mídia; para financiar seus filmes?

    • Impressionante como ainda tem gente que ao falar com gaúchos acaba, em algum momento da conversa, tocando na questão do separatismo.

      Pra quem não sabe (ou não lembra), no começo dos anos 90 um cidadão chamado Irton Marx lançou a idéia de fazer um plebiscito para separar o RS do Brasil. Fundou até um partido separatista, mas a coisa jamais saiu do plano das ideias dele, jamais o plebiscito foi marcado, sequer cogitado. O caso repercutiu na imprensa do Sudeste, mas na real jamais passou disso: uma ideia.

      E, é claro, com base num fato histórico: em 1836 o general Antônio Neto, em nome do gen. Bento Gonçalves, preso na Bahia, proclamou a independência do RS, fundando então a República Farroupilha. Quando Bento fugiu da cadeia na BA e chegou ao RS, soube que tinha sido eleito presidente de uma república que ele não sabia que existia (o projeto original dos farrapos não falava em separar o RS do Brasil).

      Bueno, então houve sim uma separação. Só que isso faz quase 200 anos! Agora, outra coisa: pra quem não sabe, antes até dos farrapos no RS, em 1824, Pernambuco, mais algumas vilas da Paraíba e do Ceará separaram-se do Brasil, criando a Confederação do Equador – e ninguém fica hoje chamando pernambucanos, paraibanos e cearenses de separatistas!

      • Mas que há, sim, em certas localidades do Rio Grande (principalmente as de colonização massiva de alemães e italianos), um aberto desprezo aos “brasileiros”, um franco discursinho de que são “diferentes”, é difícil negar. Quantas vezes já ouvi a ladainha esta de familiares que são dessas regiões, de seus vizinhos, de colegas universitários que vomitam sua sabedoria agrária-pastoril-anti-Brazil nos primeiros semestres na faculdade e seguem sem mudar em absolutamente nada e continuarão falando as imbecilidades de seus pais para seus filhos…

        Pode não ter nenhum partido ou movimento político considerável, atuante, mas que há, há. É aquilo: quando não sabemos se o que aparece no O Bairrista é verdade ou mentira, pois é tão comum de ver e ouvir coisas similares.

        Tendo dito essas coisas, entendo que isso vem de uma minoria. O professor René Gertz tem um trabalho maravilhoso sobre racismo no RS, para quem quiser checar: http://renegertz.com/

        Caso curioso: http://renegertz.com/noticias/notas/97-tania

        • Mas uma coisa é racismo, outra é separatismo. O racista pode se sentir superior ao outro, que seria o inferior, mas não necessariamente traduzir isso em ação política para separar um estado do país (como, aliás, vc chega a comentar).

    • Não entendi, mesmo, onde enxergaram racismo em teu comentário, Charlles. Mas é aquilo né: não podes falar um ai de Chico Buarque, de Carlinhos Marrom (fora invasão linguística YANKEE/ALBIONA!!1!1) e de toda essa suposta intelligentsia cultural brasileira, do sambinha com cara de enfado, dos LEGÍTIMOS representantes da cultura do POVO brasileiro, dos defensores do Brasil ante a dominação cultural imperialista, pois serás chamado de racista para baixo, afinal ou se está com eles, do lado do BEM, ou não está.

      Esse pessoal marxista não pensa nada que preste, mas temos que dar os parabéns: enquanto os merdas dos militares só se preocupavam em caçar uns gatos pingados armados, que nunca, sozinhos, fariam revolução alguma neste país, deixaram livre o que ocorria nas universidades, e depois (hoje) nas escolas, e temos aí uma sociedade moldada por eles que agiram durante aquele tempo, sociedade que não consegue pensar de outra forma, não consegue raciocinar, só enxerga “bem” ou “mal”, 01010101.

      *Obs: antes que digam que defendo os militares, por favor, foi a maior MERDA da história deste país. Nem Collor é pior.

    • Amiguinho, acho que está equivocado: não queremos mais o separatismo e sim sermos anexados ao Uruguai, levando junto as praias catarinenses. No mais, 2 horas de enxada te fariam bem.

    • Olha sou baiana de nascimento,nascida num bairro histórico que pouco em relação ao descobrimento e independência do Brasil.
      A respeito do Carlinhos Brown a acho injusto seu comentário, chego a afirmar que você não é baiano,ele como uma maioria é remanescente de bairros pobres, centro mais favela, com todos os problemas de infra-estrutura e segurança publica infelizmente muito comum,mais que conseguiu apesar de toda a adversidade,ganhar espaço e puxar a comunidade com ele. É sim um ícone e representa muito bem a Bahia e a musica popular brasileira…sim…representa! Musicas belas em sua maioria cedida aos amigos e outros artistas. Um diferencial de Carlinhos Brown é acreditar no que faze isso é muito bom,obvio essa é a receita para que tudo dê certo.
      Acho que você está na bronca com ele rs. Na ultima copa a Gogunzela ou sei lá o que, tbm era um instrumentuzinho que na minha epoca de criança era nada mais nada menos que um apito com uma aba enorme, que muitos apelidaram com o nome de um instrumento musical “corneta”. Se ele ganha dinheiro mais os maravilhosos artista que vc citou…poxa..rsrsrsrs… mérito só dele…queria eu reinventara roda kkkkkkkkkkkkk se isso me trouxesse benefícios,sem prejudicar ninguem. Se o cara não precisa de marketing…rs ele é o marketing. Isso incomoda!

      • Adorei, Márcia! Você foi simples e direta!!!! Existem (muitos) “intelectuais de plantão” por aqui que só sabem mostrar seu(s) pré-conceitos sobre tudo e todos! Posso até não curtir o Carlinhos cantando, mas como compositor, ele é 10! E, quanto ao instrumento, essa gente está é com dor de corno, afinal, como um negão daquele pode ser tão esperto e registrar a ideia antes de um branco???? Que abuso, né? kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  10. CHARLLES CAMPOS NO TERREIRO (http://charllescampos.blogspot.com.br/2013/05/nesta-noite-de-sexta-desterrada-do.html#comment-form) by Ramiro Conceição
    .
    .
    Borocochudo, dentro da tenda dum terreiro, Charlles Campos esperava ansiosamente a chegança de pai Miro Conceição que, de repente, adentrou cachimbando uma azul cortina de fumaça…
    .
    PMC: “Nem precisa falá, zifinho, zuncê tá num bololô danado, num é?
    .
    CC: “É, pai Miro, tá tudo dando errado…: semana passada, convidei um amigo pra ir lá em casa e descobri, afinal, que ele era somente um tremendo peidorreiro; não tem cabimento, tem?; depois, ganhei ingressos de minha irmã para assistir o show do Paul no Serra Dourada, mas deu tudo errado: um parente sofreu um grave acidente; resumindo: não fui!…”
    .
    PMC: “Humm… Parece coisa do Jurabê… Zuncê tá pagando mico. Deixa preguntá: zuncê andou falando no blog dalgum X9, cangüete
    ou traíra?”
    .
    CC: “Bem, pai Miro, lá no blog escrevo sobre muita gente… Normalmente, são escritores que admiro… Ah, sim, lembrei, há umas duas semanas escrevi elogiando o Reinaldo Azevedo, da Veja, por sua posição clara sobre a penalização de adolescentes infratores menores de 18 anos…”
    .
    PMC: “Para!… Para!… Zifinho, zuncê pegou mandinga, tá argolado… O zevedo é um ex-LIBELU, um católico-chupa-molho amigo da comidilha, um couro-de-pica, uma creca, um culhudeiro, um currute duro de engolir, um filho da… prima-puta da dita ditabranda… Entendeu, zifinho?”
    .
    CC: “É.., mais ou menos…, pai Miro fala um pouco difícil…”
    .
    PMC: “Não tem pobrema… faz um mail pro marco nunes ou pro milton ribeiro que eles vão te explicá… Vou ensiná pra zuncê ganhá muito bongo. Depois zuncê me paga. Zuncê vai fazê o seguinte: vai pegá 7 Veja veias; dispois, vai picotá todas elas. Bem picotadinhas…; dispois vai colocá todo os pedaço numa panela de barro. Assim, numa sexta-feira de lua cheia, zuncê vai leva tudo pra uma encruzilhada. Vai dispois jogá muita cachaça nos picadinhos e acendê um fósfo. Depois, sai correndo, mas não olha pra trás… Deixa tudo queimando… Entendeu, zifinho?”
    .
    CC: “Entendi”
    .
    PMC: “Então sarava”

    • QUADRÂNTICOS
      by Ramiro Conceição
      .
      .
      Agora, falando a sério sobre a cultura popular brasileira. Charlles, querido amigo, não compreendo a sua incompreensão sobre a obra do Chico. A meu juízo, ele é um dos maiores, em língua portuguesa, de todos os tempos. Chico não precisou, não precisa e nem precisará de nenhuma verba à sua perpetuação artística. Se porventura alguma grana federal, e por conseguinte também do meu bolso, foi utilizada ao fomento de tal obra, creio, tranquilamente, que foi muito bem gasta…: simplesmente pelo mérito incontestável da supracitada.
      .
      Se essa é a questão, então, doo de coração meus minguados reais necessários à tal divulgação, pois sei que estou a fomentar a sanidade cultural de meus bisnetos… E isso me basta!
      .
      Por outro lado, Charlles, nesse reino verde-amarelo do jabá, você tem razão em acusar a colossal promoção, na mídia, de efetivos quadrânticos, isto é, aquelas degenerações bioculturais muito abaixo de qualquer mediana besta social: aqui se pode escolher qualquer um dos espécimes do dito sertanejo universitário…
      .
      Mas uma coisa é uma coisa e outras… são ostras! Por exemplo, a obra “Tribalistas” é esteticamente, sem dúvida, interessante. Sem entrar em desdobramentos bizantinos, o musical salto artístico mais sério que pintou, depois da ditabranda no Brasil, foi Chico Science, lamentavelmente, morto tão cedo. Ao lado de Science, Lenine, Legião e, fundamentalmente, os Paralamas. Outro cara, que andou a fazer coisas interessantes mas, infelizmente, com uma cabeça de merda, é o Lobão. Arnaldo Antunes, fora dos Titãs, tem elaborado coisas interessantíssimas. Outro excelente é o Zeca Baleiro: um raro ramo da arte. Amo os cantos de Zélia Ducan, Cássia Eller, Maria Rita, Zizi Possi e os concertos sinfônicos de Mônica Salmaso.
      .
      Ou seja, há por aí gente boa pra caralho… E que vá pro caralho – essa massa dos politicamente corretos!

        • APOTEOSE
          by Ramiro Conceição
          .
          .
          Se não crês em mim tal qual amigo
          então não me vês, mas um inimigo
          que carregas dentro e que te devora,
          que, a te furtar, está nesse teu agora.

          Amar é não plantar carências…
          Ah, essas farpas da existência!
          Rascunhos são a nossa essência.
          Dos fracassos  se faz ciência.

          Trocar amigos por inimigos
          é do mar, com o mal, roubar o sal
          no escuro d’estrelas embrulhadas.

          Para provar que sou amigo, digo:
          amar é crer… em nossa hipótese
          e às cegas ver a nossa apoteose.

      • Pois Chico pode levar sua grana, amigo poeta, mas, se fosse da minha escolha (no Brasil, o país que não me deixa em paz, nunca é: eu apenas e tãosomentemente pago), não levaria a minha grana. Conheço a obra do Chico, tenho um dounloadi dos tantos discinhos do cara, e certa vez me impus a ouvi-lo de cabo a rabo para assegurar minha opinião sobre o rapaz. A única coisa que me impressionou foi a faixa “Construção”, tudo nela é esplêndido, os arranjos mancinianos que emula a trilha visual de Hollywood dos anos 40, a calma distante em que Chico canta os eventos deterministas de um desgraçado brasileiro comum_ ainda que, num primeiro momento tenha me parecido genial, depois de muito escutá-la, se me mostrou um artifício pequeno aquela permuta de termos finais dos versos. Mas o restante do disco_ com exceção de “Cotidiano”_ é chatíssimo, desigual, aquele marasmo sonífero da baixa poesia de Chico, que nunca foi um Caetano, um Milton Nascimento, um Tom Waits, um Dylan. Já reparou que na MPB não há poetas malditos como o Waits? São todos uns letristas que fazem poses de independentes mas sempre mamaram na maracutaia e nos benefícios da mídia institucional e do poder: Chico contra a ditadura? Hahahaha. E seus programas na Globo, ninguém menciona, né. Já reparou que na MPB não há contracultura? O brasileiro comum classe média, escolado, com o diploma de curso superior na parede, com o círculo de amigos do barzinho de final de tarde para o papo cabeça sobre o triste cotidiano de escritório; o brasileiro cool que lê pouco e mal e disfuncionalmente, recebeu esses artistas sem brilho como o Chico como o ápice do bom gosto cultural, o compêndio de tudo que ele deve gostar e mal-dizer, já deglutido, já canonizado pela noção de requinte da intelligentsia nacional: afinal o Chico fala da ditadura, do amor, do Zeppelin, das diferenças de classe: o Chico sobrepõe a necessidade de uma cultura autêntica, da contracultura americana, do jazz, do existencialismo francês e médio-europeu, ao gosto do brasileiro, do tamanho do espírito brasileiro que na verdade nunca se importou com cultura, mas com o arvorar-se de culto. É por isso que o nosso John Coltrane é alguém insosso e broxa como o João Gilberto, nosso Stravinsky é alguém de talento obeso e bonachão, carregado de conformismo pela bajulação dos poderosos, como Tom Jobim. Acho muito engraçado a mídia progressista sentar o pau na Globo e na Veja, mas toda a cultura brasileira que os descolados dessa mídia recebe garganta abaixo vem do artistas criados pela Globo e pela Veja. Todos esses são carteirizados pela Globo e pela Veja. Millõr Fernandes morreu aposentado pela Veja (fazer o quê? E eu adoro Millõr Fernandes). A MPB é broxante como todo brasileiro é, é a cara do brasileiro. Você fala desses aí, mas ninguém fala, ou pouco se fala, de gente que saiu desse circuito boçal de música de fim de festa, e tem um valor real, como Airto Moreira. Gosto de Moreira, de Tião Carreiro (vão ouvir Tião Carreiro e me digam se umas cinco músicas dele não tem mais tutano que 50 de Chico), de Milton, algumas de Caetano, algumas de Gil, algumas de Raul.

        Esses dias estava ouvindo umas das músicas “cabeças” compostas pelo Brown para a Marisa, se não me engano uma que fala “tô te esperando, tô te esperando”. Depois procurei na discografia do Talking Heads: uma cópia descarada de David Byrne.

        Ah… a banda Calypso também fez turnê pela Europa.

        • PÁSCOA DAS CIGARRAS
          by Ramiro Conceição
          .
          .
          Acordei em meio a uma melopeia nativa
          de uma tribo do Xingu a dançar ao redor
          da cama onde eu, sem medo, dormia nu.
          Enquanto ocorria, levantei-me à alegria
          e com fé fiz um café e – às gargalhadas! –
          sambei no seio da casa do velho “eu” que se auto-olhava
          não acreditando em mim, ali, a cantarolar qual as cigarras.

  11. Discussão bizantina, enquanto o racismo no Brasil é claro e evidente, e não gostar da música de um ou outro CB não implica detratá-los enquanto cidadãos de classes A, B ou C; ademais, se o negócio é criminalizar a Lei Rouanet, referente à renúncia fiscal de empresas que aplicam o dinheiro que oiria aos cofres públicos em eventos privados, então teríam,os que nos satisfazer com a penúria de eventos, ficando assim tão somente nas mãos da Petrobras ou Caixa Econômica, Vale ou Furnas, e aí ficaríamos na mesma quanto a escolha dos artistas agraciados, pois estamos no domínio da cultura de massa. Ecos de Lobão no comentário do Charlles, mas parece aquela coisa da menina que quer refundar a Arena, é contra o regime de cotas e… se beneficia do mesmo regime para estudar em universidade pública. Os heróis do capitalismo mercadista só são heróis para seus pares tão hipócritas quanto reacionários. Há também clara demonstração de narcisismo furibundo psicótico. A receita é trancar todo mundo em uma cápsula espacial que dê vinte voltas em torno do planeta, enquanto caixas de som liberam as músicas de um cedê completo dos grandes sucessos de Carlinhos Brown. Por fim, depois do pouso, é só liberar os zumbis, 50% em Goiânia, 50% em Porto Alegre.

  12. Por mais que haja a negativa da obtenção do passaporte à zona privilegiada da intectualidade brasileira, devo admitir que minha incursão aqui é patrocinada por tal presunção. Carlinhos Brown não tem permissão para tocar em minha playlist, Chico, sim. Muito o que se diz aqui nada tem a ver com racismo ou musicismo, e sim com preservação da auto-identidade, forjada na mais obscura nata dos equívocos ancestrais inscritos sob a forma de preconceito. A única versão que aceito é a do caos. E cada um fabrica o seu. Enquanto isso, as conveniências se ajeitam, as negociações rolam. A contradição é a palavra de ordem da antiga nação tupiniquim, tornada império e mais tarde república. Se cada um exercita seus gostos e zonas de exclusão, linhas limítrofes e bandeiras furta-cor, só nos resta saber que Carlinhos e Chico são crias do mesmo engano, e se nutrem dele enquanto um novo engano mais atraente se constituir entre mentes que argumentam, argumentam e se confortam diante do primeiro copo de cerveja que encontrarem.

  13. Sou uma pessoa muito média, não tenho toda essa compreensão e cultura esbanjada aqui no papo, nem todo este vocabulário… só me assombra a facilidade que as pessoas tem de sair do tema e começar a se pavonear!!! Também não gosto do Carlinhos Brown, simplesmente porque o acho com muita maquiagem e pouco resultado, mas pergunto: pode ser discriminado pela cor? Não!!! É disso que se está falando, todo mundo começou a viajar e a questão principal ficou escondida…. como tudo o mais no Brasil, é claro…

  14. O problema do Carlinhos Brown não é de cor é de personalidade! mais um macunaíma sem caráter do Brasil. Macunaímas existem aos montes no Brasil e de todas as cores.

  15. Preguiça de ler esses comentários completamente vazios, recalcados e mimados desse tal de Charles.
    A fase aborrecente ainda não passou…? O tema que deveria ser mais importante nesta entrevista do Chico era falar sobre o preconceito, triste realidade que ainda impera no Brasil, queiramos ou não. Os comentários deste sujeito, que se engana achando serem polêmicos e interessantes – coitado – não passam de mera excusa de quem não tem mais sobre o que falar.

      • Charles, o RS é uma terra de preconceituosos, separatistas, machistas, bregas, defensores de uma “revolução” de ladrões de cavalos, assassinos de escravos… >> E não venham dizer que há exceções porque é óbvio que há!

        O genro do Chico B. é um mercenário, como o seu sogro, o qual não me importa de donde veio e nem que valores capitais justificam a ganância dele, me importa que ele cobrou uma cifra impagável em POA, por um show, por tanto, elitizado, pras dondocas do Moinhos de Vento e eu não me misturo com essa gentalha. Por isso, mesmo gostando do artista, não fui. Mentira, não fui porque eu sou do povo, os meus pés, os pés dos negros e do cara que morreu atrapalhando o tráfego não puderam ir para o show apreciar a canção popular do senhor Buarque. Mas agora cansei dele, acho que é mais porque os fãs dele são uns chatos do que pelo fato de ele ser um mercenário. E quanto a união matrimonial da filha do Chico. Se fosse filha minha eu exilava na França pra não casar mal assim. >> a França é ironia pro pessoal do politicamente correto arrancar os cabelos, explico antes que me chamem de elitista. Obs. gostei tanto da história do Zappa quanto do sarcasmo.

  16. Minha filha e qquer pessoa tem o livre direito de escolher seu parceiro !!!!! É eu não deixaria é a minha filha casar com qquer angustiado e frustado e acéfalos como esses q comentaram ai em cima !!!! Pessoas doentes e infelizes q so veem o mal o ruím e os defeitos em tudo pois nunca estão contentes !!! Que triste !!! Viva Carlinhos e Chico !!!!!!

    • para mim o maior indicio de racismo é do que quem sem diz despido de preconceitos, mas faz questão de ressaltar sua branquitude Sr. Charles. A outra é desviar o assunto, não deixar que se discuta o racismo. Teu papo empolado e pernóstico não engana. Com certeza você não tem o destaque que procura ter na vida real e é na virtualidade que procura atenção. Terá mesmo dois metros de altura ou o sera o magrelo desbotado, baixinho e objeto de piadas, misógino e solitário? Carlinhos Brown deve acordar todo dia e correr para os jornais para saber tua opinião sobre ele. Declarar-se interessante…que pretençaõ.

  17. Charles Campos meu filho, você não é apenas preconceituoso e medíocre. És também estúpido e mal informado. Carlinhos Brown é considerado um dos maiores percussionistas do planeta e um gênio musical na opinião de especialistas do mundo inteiro. Aporveita seu tempo livre e da uma estudada querido!

  18. gente, alguém poderia me esclarecer uma questão sobre Chico e Carlinhos Brown? eu lembro que quando a filha do Chico se envolveu com o Carlinhos a minha irmã (leitora voraz de revistas do tipo Amiga, Contigo , Caras etc.) vivia comentando aqui em casa que o Chico não aceitava esse casamento e que ele a flha estavam brigados por isso, que apenas a Marieta estava lidando bem com a situação, mas o Chico não. então, por favor, me esclareçam agora: não houve nada disso? isso era apenas coisa da cabeça da minha irmã? ou o Chico é realmente o hipócrita que ele no video acusa os outros de serem? espero mesmo que isso tenha sido coisa da cabeça da minha irmã, baseada em comentários alheios, enfim, coisas de público mesmo.

    • Val, não brinca menina! Que babado! Ô Chico, ô humanidade! Procurei no Google e encontrei cinco sites que reafirmam isso: não só o Chico, mas toda a família Buarque foi contra a entrada de Brown na família, e isso foi o pivô da separação de Chico com a Marieta Severo. Chico Buarque é um hipócrita. Olha só esse texto (humorístico, mas baseado em fatos pra lá de reais):

      “A Maldição de Carlinhos Brown

      Brown é um pé-frio, sangue-ruim, que só atrai azar e infortúnio para quem cruza seu caminho. Nossas desconfianças começaram com o rompimento da banda mineira Sepultura.

      Muitas versões sobre o fim foram divulgadas pela imprensa do mundo todo, mas nem as questões empresariais ou mesmo financeiras foram decisivas para a separação do grupo brasileiro de maior sucesso no exterior. O Sepultura acabou por causa da improvável participação do Bruxo Brown no álbum Roots, que detonou divergências musicais irreversíveis entre os integrantes da banda. Max “Ah eu tô maluco” Cavalera, vocalista do Sepultura e grande responsável pela mudança do som da banda, em seus dois últimos álbuns, querendo assumir o controle criativo da banda convidou Brown para gravar uma música com o Sepultura sem o grupo saber. O resto da banda, que já tinha achado aquele negócio de gravar música com tribo indígena um programa de índio, não pensou duas vezes e pediu a conta.

      Como diz o ditado popular: o diabo nunca fica sozinho, mas separa todos a sua volta. Carlinhos Brown foi também o pivô do divórcio entre o compositor Chico Buarque e a atriz Marieta Severo. Depois de quase trinta anos de casamento enfrentando a ditadura militar, o exílio, o vício de cocaína de Chico e todo resto, a relação acabou. Tudo por que eles, infelizmente, não estavam preparados para ter o inventor da timbalada como genro. Para quem não sabe o feiticeiro Brown é casado com a filha mais nova do casal, Helena. Parece que a briga final se deu num daqueles almoços de domingo. Toda família Buarque de Hollanda reunida e Brown larga aquela sua máxima: ” o nada não existe, pois o nada já é um elemento excessivo de informações”. Nesta noite o casal teria tido uma briga violenta, que acabou culminando com o divórcio. Segundo informações de vizinhos foram ouvidas frases acusativas dos dois lados, mas apenas uma pode ser entendida com clareza, Chico consternado gritava: “se você tivesse deixado que ela estudasse em Cuba nada disso teria acontecido…”

      Mas nem só de separações e discórdia é feita a maldição de Brown. Aqueles que se envolvem com a Black Magic Brown podem ter um fim pior. Como é o caso da Marisa Monte. Em sua busca pelas melhores cabeças de sua geração (e não estamos falando necessariamente de música) Marisa acabou conhecendo o místico Brown. Seu envolvimento sério com a magia baiana do Candeal parece tê-la atordoado de tal forma que em seu último CD, Barulhinho Bom, Marisa incluiu quatro músicas de Brown. Não contente Brown ainda co-produziu o disco.

      Marisa, que é de longe a melhor voz de sua geração, nunca soube escolher seus parceiros, quer na música como na sua vida íntima. A parceria com Nando Reis, quando a cantora misturou as duas coisas, já tinha sido um erro. Porém, sua parceria musical e espiritual com Carlinhos Brown, transformou Marisa na verdadeira tradução da falsa baiana — “aquela que não bole nem nada/ e que quando entra no samba ninguém grita oba!” — da música de Geraldo Pereira, imortalizada na voz da Gal Costa.

      Quem teve a oportunidade de acompanhar alguns dos poucos shows de uma conturbada turnê conjunta que Brown e Marisa fizeram no centro do país, e que, não por acaso, acabou tendo suas apresentações em Porto Alegre canceladas, pode vislumbrar o quão aturdida e confusa está Marisa. Vê-la na MTV ao lado do Mago Brown fazendo uma tentativa de dança da “bundinha” foi das cenas mais grotescas e ridículas já mostradas naquela emissora. O caso da cantora é grave, talvez irreversível, e requer uma intervenção médica urgente. Uma vez que no atual estado de influência demoníaca em que Marisa se encontra ela já não responde por seus atos.

      A Maldição de Brown já atravessou o além-mar e não encontra barreiras para seus desígnios malignos. Brown fez uma participação pequena e nada especial em Velocidade Máxima 2, teve até mesmo sua música “A Namorada” incluída na trilha sonora. Foi o suficiente para o filme ser um fracasso retumbante de bilheteria nos Estados Unidos, e comprometer as promissoras carreiras de Sandra Bullock e do diretor holandês Jan De Bont, que também dirigiu Twister e o primeiro Velocidade Máxima. Brown também estaria por trás dos vários acidentes no set de filmagem que atrasaram a gravação do filme e prejudicaram seu lançamento no verão americano.

      Mas se o internauta incrédulo ainda não acredita na maldição, reservamos para o final o melhor: foi encontrado entre os destroços do Fiat Uno de Chico Science uma fita do álbum Alfagamabetizado de Brown. Tudo leva a crer que Science ouvia Carlinhos Brown quando perdeu o controle do carro e se espatifou contra um poste. Sad But True. Especulamos até se não foi suicídio.

      Por isso a ZeroZen adverte: Carlinhos Brown faz mal a saúde, evite o contágio por meio auditivo e mantenha fora do alcance das crianças.”

  19. impressionante como há bastante gente que não pensa, ou não quer pensar, E lê milton ribeiro.
    charlles campos come criancinhas. cuidem-se.

  20. Engraçado como uma constatação do óbvio derivou, em razão de ódios diversos, para uma discussão acerca da qualidade ou não de uns e outros, e depois para xingamentos diversos, avaliações tortas, etc., quando a questão era só uma: mais uma vez o racismo mostrando-se viril e potente, apesar do livreco do Kamelo mor. Sim, há em muito do que tá escrito aí acima racismo enviesado ou mesmo muito mal disfarçado, e isso só corrobora o manifesto de Chico acerca de sua filha, sogro e neto. Mas não: tem que se declarar desprezo aos músicos, expor supostas evidências de racismo do próprio Chico e cair numa discussão sem sentido acerca da qualidade musical, só para permitir a expressão do velho viralatismo político, cultural, social, sexual e o caralho.

    Enfim, tudo muito educativo.

  21. de minha parte nem cheguei à constatação do óbvio pq acesso ao youtube só tenho em casa. mas se era constatação do óbvio, qual o mal de a discussão desviar-se para a qualidade dos músicos? as melhores discussões aqui no milton, opinião minha, é claro, foram criadas no desvio. não vi, acho q tbm não viste, marcos, racismo algum nas opiniões do charlles. por outro lado, sei q se referia a ele qto ao viralatismo político… mas q mania essa de só chamar tudo de viralatismo. ok, acontece em todo mundo igual, ñ é problema só do brasil. mas dá pra começar uma discussão sobre o brasil dizendo o “brasil é foda”? se o charlles apenas fizesse isso ok, mas ele sustenta o q diz, não? contrapor apenas com outro clichê, o do viralatismo, parece pouco.

    • Ah, eu acho que chata é essa mania de que aqui é o pior lugar do mundo, que a música brasileira atual é a pior coisa do mundo, que a literatura brasileira é a pior coisa do mundo, que o povo brasileiro é o pior do mundo, que o político brasileiro é o pior do mundo, que etc. etc. e etc., então pode ser clichê falar em viralatismo e não ser clichê falar essa merda toda aí, embora qualquer um tenha ciência dos problemas que temos, e não há porque escondê-los nem minimizá-los, mas pô-los em destaque absoluto enquanto o mundo que vemos hoje também é o que é, ah, encheção de saco pura.

      Um racismo subliminar, sim; uma ideia oculta de “pandemônio étnico”, razão pelo atraso latino, em conjunção com a Igreja Romana, essas babaquices, sem dar a mínima para um processo histórico muito mais complexo e que resultou na degradação ambiental do continente e dos povos que aqui estão para cumprir com a função de trabalhar como escravos para manter as ilusões civilizadas do tal “primeiro mundo”. Isso tudo é cansativo, ramerrão.

      Mas, arbo, vá lá, essa coisa de “não sou racista, tanto que tenho até amigo preto, e meu nariz, sei não”, bem, tem uma carga de reacionarismo kamélico, e fingir a não existência do racismo para não arcar com os custos sociais e econômicos da aplicação cotidiana desse racismo como princípio ideológico, político e econômico.

      Ademais, o racismo é desimportante quando você não sofre por ele e, ao contrário, dele se beneficia.

      E ecoar Lobão, sinceramente…

  22. Adoraria ir ao casamento de minhas filhas com marido carinhoso na relação, respeitoso com a individualidade delas e de meus futuros netos, e, que soubesse assar uma costela aos domingos ou ao menos gelar uma cerveja… qualquer coloração ou tonalidade…raça ou credo.

  23. “O preconceito é uma doença do cérebro.”Nelson Mandela, OPORTUNO QUANDO DIA 13 DE COMEMOROU ABOLICAO DA ESCRAVATURA, O PRECONCEITO CONTINUA, TODOS OS DIAS, QUALQUER LUGAR Postei no meu blog o video Chico devidamente nome da fonte.
    Passei pelo blog gostei muito, leva reflexao….

  24. iamgina, o brasileiro racista,que falta de sabedoria,é o cúmulo da bestidade nóis que fomos formados por Portugueses analfabeto,negros e iìndiosAinda bem , que sou super brasileiro,de´pois vieram o resto aí misturou tudo.eu sou Paraense, sou bisneto de indíos pacajás, nordestinos e de ribeirinhos, sou feliz e não abro mão de minha genética, que o francisco seja felíz, ele o pai e a mãe, e o avô, somos todos mestiços,

  25. O preconceito começa quando vejo pessoas claramente miscigenadas se dizendo negras “com orgulho!”.

    Por que desprezar a sua parte branca? Não é negro, nem é branco. Você é miscigenado, multiétnico, como a imensa maioria dos brasileiros.

    Aqui, são raros os brancos e são raríssimos os negros. Somos multiétnicos, várias etnias misturadas, “amalgamadas”, como diz Jorge Mautner, e deveríamos assumir isso.

    O Brasil é um dos poucos países do mundo que conseguiram esse nível de miscigenação. Claro que isso não foi algo espontâneo, natural, como gostam de nos dizer, mas sim uma política pública criada dois anos depois da independência, que era chamado de “Branqueamento”.

    As pessoas eram incentivadas, quase obrigadas a fazerem casamentos onde negros, indígenas, mulatos, mamelucos, deveriam orgulhar a família e casar com brancos, afim de “LIMPAR” as próximas gerações do Brasil. E isso, àquela época, era dito sem aspas, era algo visto como necessário, um dever que os cidadãos tinham que cumprir para levar o Brasil recém-independente rumo ao desenvolvimento.

  26. Charlles, obrigada pelo esclarecimento. Infelizmente, minha irmã já não está mais aqui, mas eu me lembro perfeitamente dela comentando recorrentemente o que eu expus, inclusive o que você acrescentou, ou seja, que a relação da Helena com o Carlinhos Brown havia sido o pivô da separação de Chico e Marieta, segundo a imprensa, pelo fato de o Chico não aceitar esse casamento. Na verdade, eu não tenho o hábito de comentar notícias, nem me lembro de já ter lido esse blog alguma outra vez, mas depois de ouvir tudo que minha irmã comentava à época, estranhei aquela manchete. Pensei: como o Chico poderia se atrever a apontar o racismo alheio depois de tudo que foi noticiado antes? Agora vi também que alguém aqui julgou não vir ao caso trazer à tona a objeção do Chico à união da filha com o Carlinhos, o que naturalmente foi visto como “racismo” de sua parte, o mesmo racismo que ele aponta e condena nos outros. Portanto, como não vem ao caso? Não entendi…

  27. Li (quase) todos os comentários e vi de tudo: preconceito racial, preconceito cultural, patriarcalismo, machismo, regionalismos exacerbados, preconceito social… Será que é por isso “que a gente não dá certo”???
    AFINAL, QUE PAÍS É ESSE??? OU SERÁ QUE SÓ CONSEGUIMOS SER ISSO???
    Triste, muito triste…

  28. ñ entendo pq qndo há algo sobre polemicas, como o racismo, as pessoas desviam o assunto,
    nesse caso do talento ou de qualquer outra coisa a respeito da pessoa, ñ param pra ver q alí tem um ser humano q merece e deve ser respeitado como tds, até msm os q ñ deveriam merecer assim como a maioria dos nossos politicos, bandidos de td e qualquer genero, se o kra é bom. se tem talento ou ñ é problema dele, tem tanta gente q é “boa” em talento e peca em humanidade, espanca mulher, dentre outras coisas, se vc ñ curte o trabalho do kra, ñ o ouça, mas pense, ele como pai e ela como mãe, vendo seu amor maior sendo humilhado, maltratado, vc q se diz ser humano faria oq?? será q vc q julga ta acima de sofrer qualquer tipo de preconceito?? vc é perfeito aos olhos dos seres q se dizem humanos?? pense nisso…

  29. Pingback: Chico Buarque fala sobre o racismo, sobre seu neto e a hipocrisia | Tudo Bem Ser Diferente

  30. PRECONCEITO

    Diz o Dicionário: Conceito ou opinião formados antecipadamente, sem maior ponderação ou conhecimento dos fatos; idéia preconcebida, julgamento ou opinião formado sem se levar em conta o fato que os conteste, suspeita, intolerância, ódio irracional ou aversão a outras raças, credos, religiões, etc…
    O Preconceito racial é indigno do ser humano, porém inerente a ele.
    Por exemplo, podemos citar alguns preconceitos praticados pelo ser humano:
    SOCIAIS:
    Nordestinos (BRASIL), Profissionais, Deficientes, Pobres, Prostitutas, Homossexuais, etc.
    RACIAIS:
    Judeus, Japoneses, NEGROS, etc…
    Definido o entendimento sobre PRECONCEITO, vamos abaixo, abordar com especificidade o PRECONCEITO sobre o NEGRO:
    A raça NEGRA sofre preconceito desde os primórdios da civilização mundialmente, conforme comprova a história da humanidade.
    Os brancos, não se sabe a origem, entendem que o NEGRO é uma raça inferior e que, portanto, deve servi-lo, atuar sempre em segundo plano, nunca como protagonista, a não ser que lhe interesse.
    Haja vista, que os trabalhos mais pesados, sujos e/ou que não exijam maiores conhecimentos intelectuais e culturais é que são oferecidos ou disponibilizados aos NEGROS.
    Se isto não é uma verdade, como se explica que a população favelada/pobre, considerada de “Categoria C” é, na sua grande maioria, constituída por NEGROS.
    Façamos visitas a prisões e penitenciárias, onde fatalmente constataremos a predominância NEGRA.
    É lamentável…, principalmente neste BRASIL, a manutenção dessa
    I G N O R Â N C I A, pois, a mesma ainda existe, embora de forma sutil, já que proibida por Lei.
    Esquecem, aqueles que a mantém, que nossa origem é da miscigenação de Caboclos, Holandeses, Índios, Alemães, Mulatos, Portugueses, Italianos, NEGROS, etc. e etc…
    Portanto, se você for um deles, procure em sua árvore genealógica e verá se essa “maravilha de pessoa” não é produto de várias raças, inclusive a NEGRA.

    SP 11/VII/2.000
    Ronaldo Marcio Borges Barcellos

  31. Eu estou chocada…….sem acreditar no que li acima! Esse povo que fala do que não sabe, esse Charles, meu Deus, o que é isso! O que essa pessoa faz pela humanidade, o que faz pelo próximo, eu sei, aporrinha, incomoda!!!!!! Carlinhos Brown nasceu num bairro pobre, pela falta de perspectiva de vida daria fácil um marginal. Porém o que ele fez, com o “batuque”, ele transformou a favela onde nasceu. Assim que começou a ganhar um dinheirinho com o “batuque”, ele construiu casas, buscou apoio construiu escolas de música, muitas crianças saíram das ruas e passaram a ter um lar! Transformou o bairro onde ele mora, investe nas pessoas que lá vivem! Aí vem um babaca que não deve fazer nada na vida a não ser coçar o saco, e fala do nariz do Brown! Vai se informar e crescer, você não vale um pum do Carlinhos Brown!

  32. Chico está certo, não existe “raça branca pura no Brasil”. Mas sua análise deriva-se mais de um pensamento de senso comum e uma visão científica desatualizada. Primeiramente, para ser definido como raça dentro de uma dada espécie, no nosso caso, Homo Sapiens Sapiens, deveria haver um percentual genético muito maior que diferenciasse as pessoas. Isto não existe. Temos cores, cabelos, alguns pontos de adaptação de nossa espécie aos climas e locais para onde migraram, mas não se definiram raças diferentes. No nosso caso, temos etnias, ou seja, aspectos culturais, sociais e políticos diferenciados. Então, para começar, “Raça” não se aplica ao ser humano. Por fim, nossos ancestrais mais antigos vieram da África (ver pesquisas recentes na Scientific American) ou no documentário Ardi. Há cerca de 5,2 milhões de anos já haviam hominídeos vivendo na África e daí migrando para Europa e Ásia. Bem, tal fato faz de todos nós geneticamente africanos, com aspectos de genoma (10%) dos povos desta região. Em palavras simples, todos somos “negros” pelo menos um pouco. No entanto, o discurso de Chico é muito bonito e tocante. Ele vê a importância da miscigenação das diversas etnias tanto no Brasil, quanto no mundo. O antropólogo e sociólogo Michel Serré já havia nos dito isso há duas décadas. Este pensador tem uma paixão pelo Brasil por suas características de miscigenação e sua diversidade cultural.

    Então, por favor, pensem bem quando forem querer ser chamados de Arianos, Afro-descendentes, Ciano-descendetes ou coisa parecida. Pois para mim são faces da mesma raiz racista de como se vê as pessoas. Prefiro chamá-los de brasileiros, franceses, marroquinos etc. Pensem nisso!

  33. Wow, olha o rebanho que saca! Por que não criar uma reserva de mercado para artistas nacionais, hein?! Já que, infelizmente, o mercado não seleciona – a prova viva da mendicância intelectual já está exposta supra – o melhor é criar, além dos Sescs da vida, uma rubrica orçamentaria para manter a corja caetânica e sua trupe furibunda.

  34. SENHOR, PERDOAI-VOS, ESSES IGNORANTES NÃO SABEM O QUE DIZEM! O paíszinho de M… Não sabem valorizar o que temos de melhor – a nossa miscigenação – e ainda misturam, nas entrelinhas, outras formas de preconceito e manifestações de “atraso” (preconceito cultural, patriarcalismo, machismo, regionalismos exacerbados, preconceito social).
    Vou insistir: Será que é por isso “que a gente não dá certo”???
    AFINAL, QUE PAÍS É ESSE??? OU SERÁ QUE SÓ CONSEGUIMOS SER ISSO???

  35. Meu caro Charles, depois de ficar aqui lendo o quiproquó que se seguiu às declarações do meu querido Chico Buarque, resolvi seguir seu Blog (o seu, não o dele, rs).

  36. Discutiu-se aqui o sexo dos anjos”. O importante é que a filha do Chico gostou do “negão” que deve ter atributos que a satisfazem (o que é fundamental para o ser humano) e não está nem aí para críticas ou elogios .ao marido e ao seu pai.. Quanto ao resto, “tudo é relativo”.

  37. Gente, é só uma questão de raciocínio, se todos nós descendemos de um único homem que deu origem ao ser humano, é claro que todos nós temos nossa raiz negra, afinal, vocês não acreditam que, Adão e Eva eram brancos, né? Além de que, o que importa não é se sua pele é branca ou negra, o que realmente importa é que todos fomos gerados, nascemos e um dia morreremos e iremos todos para o mesmo lugar! Vocês já pararam pra observar que hoje, não existe distinção entre brancos e negros quando se trata de doença? Pois é, o sol nasce para todos e certamente todos nós um dia não veremos mais a sua luz, por que a morte chegará para brancos e para negros, não importa se é rico ou se é pobre!

  38. De fato, a sociedade cobra que uma jovem oriunda de “uma boa família, branca, da elite, que teve acesso aos estudos e aos bens materiais” não possa “se envolver com a ralé…” e ainda mais “fazer crias com esta ralé”. Certamente, há quem pense que a moça não foi bem criada, que houve alguma ruptura ética na formação da mesma. Esta sociedade racista não percebe que a moça está amando a si mesma, ao seu país, à sua cultura, quando abre seu coração para o que há de mais belo no ser humano, a sua humanidade e seu histórico ancestral. Mudar, transgredir os pre(conceitos/concepções) é complexo e tirânico, traz traumas. Chico é um fofo, sabe da dor de ver seus rebentos sofrerem o que ele sempre combateu em suas letras, a hipocrisia da humanidade racista e castradora.

    • Quem não sabe ler e entender, apenas interpreta equivocadamente os textos e palavras, poupe os demais leitores de comentários, porque não sabe também escrever!

  39. Incrível, inacreditável, triste, lamentável, surreal, bizarro!!! Quanta falta de amor ao próximo, quanta ignorância, quanta falta de compaixão, quanta falta de respeito, quanta intolerância, quanto preconceito, quanto racismo, quanta gente sem noção, sem educação, sem princípios, sem caráter, quanta gente má!!! Surreal!!! Tenho, que entender porque, meus filhos não querem ter seus próprios filhos, “o mundo está confuso”, é o que eles falam!!! Sou um tipo índio, filha de alemão com espanhola, não sou branca, não sou negra, não sou índia, sou de tudo isso um pouco, mas acima de tudo sou GENTE!!! Amo meu próximo, respeito meu próximo como a mim mesmo, raça, credo, religião o que for, nada disso é importante, gordo, magro, feio, bonito, nada importa, o caráter, a ética, a generosidade, a educação, a compaixão, a humanidade, a decência, o amor a seu próximo acima de tudo, o resto é resto!!! Vamos respeitar as diferenças, vamos amar ao próximo, abomino o racismo, o preconceito e a falta de AMOR E RESPEITO AO PRÓXIMO!!!

  40. Para quem não sabe assobiar uma música do Brown, basta pegar 80% dos CD’s de Marisa Monte e escolher, além de algumas com Paralamas, Arnaldo, e outros.

  41. Na boa, pessoal… Carlinhos Brown pode não ser um completo medíocre (aliás, esses são raros), e não se questiona o fato de ser um bom partido ou não para a filha de alguém (pessoalmente, sou mais fã do ator Chico Diaz, casado com outra filha do Buarque), mas, musicalmente, convenhamos, em que pese o marketing pessoal e o oportunismo, ele está longe de ser brilhante.

    E, antes de ser acusado de preconceituoso, deixe-me molhar o bico. Brilhantes são Gilberto Gil, Milton Nascimento, Djavan, Hermeto Paschoal (geneticamente negro, pois albino). Assim como o próprio Chico Buarque. Como Arrigo Barnabé, Tom Jobim.

    A geração de Carlinhos Brown, em sua maioria, foi talhada para o mercado, para o entertainment, sem grande aprofundamento, sem tanta coisa a dizer. As obras de Carlinhos Brown são verdadeiros jingles, superficiais que só. Arnaldo Antunes e Lenine, brancos e (não por isso) mais cerebrais, tampouco me encantam a contento.

    Não troco a melhor música do Carlinhos Brown por nenhuma das 100 melhores do Gilberto Gil, ou do próprio Chico Buarque. São níveis diferentes.

    Quanto às filhas, que casem com quem queiram, com índios, judeus, alemães, japoneses, argentinos, paquistaneses, não importa. Eu, pessoalmente, ficaria feliz de ver minha filha com Carlinhos Brown, porque o cara realmente tem inteligência e talento pra… ganhar dinheiro. É o que se espera de um genro, afinal…

  42. Ah, e outra coisa: não há problema algum em um artista nacional consagrado do porte de Chico Buarque ganhar cinco milhões por meio da Lei Rouanet, ou por outra fonte de recursos públicos, desde que com transparência e lisura. Ao que tudo indica, foi o que aconteceu. Poderia ganhar bem mais, inclusive. Ao menos que se acredite que o Estado não deve investir em cultura, realmente não há mal nenhum nisso. Mesmo porque, no Brasil, o que se investe de dinheiro público em cultura não é nada perto do que se investe, por exemplo, em esporte. Quem acha um absurdo, um escândalo ou desperdício de dinheiro deveria saber que só a Prefeitura de São Paulo recentemente gastou 2,5 milhões só pra realizar um evento de MMA (em outras palavras, “luta livre”).

  43. Acho que se fala muito e sem qualquer pertinencia, o importante nisto tudo é que não podemos aceitar retroceder, temos que lutar para que todos percebam que somos cidadões do mundo.

  44. Minha nossa, fiquei espantada com tantos comentários. Quanta ignorância e prepotência por parte de alguns. Esses tipos de comentários nem deveriam existir na verdade. Num país como o nosso, totalmente mestiço, questões como o racismo nem deveriam ser discutidas. É uma pena tudo isso! Eu sinto uma profunda tristeza em saber que vivo num mundo como esse, que tenho que encarar certas atitudes, certos comentários de pessoas dignas de pena, porque se olharem pra trás descobrirão que o seu sangue não é puro. Quanta tolice! Parabéns pra todos que mantém a cabeça em cima do pescoço e os pés no chão!!!

  45. IMPRESSIONANTE É VER QUE TEM GENTE QUE NÃO SABE LER ! O COMENTÁRIO DE CAMINHANTE É CLARO AO DIZER QUE SABE O QUE É ISSO E IRONIZA NO TEXTO PELO QUE PASSOU DE FORMA DISTINTA…ENFIM DEVE SE A FALTA DE SINAPSE GENERALIZADA !
    **RECOMENDO UM CURSO DE ”HERMENÊUTICA AOS QUE NÃO COMPREENDERAM O TEXTO !

  46. Sinceramente; penso q o ser humano seja qual for sua raça, deve perpetuar sua espécie, até mesmo para valorizar a si mesmo.
    O próprio negro é preconceituoso e racista de si mesmo.
    Agora, aki prá nós, um tal q se julga compositor, inventar um absurdo de uma letra falando sobre (água mineral, e pior que isso ,ir a um evento de rock pesado gritar sobre (água mineral, extrapolou e sujou os grandes nomes da MPB, inclusive a minha querida BAHIA.

  47. COMO MORREMOS IREMOS TER O MESMO CHEIRO SEJA BRANCO OU SEJA NEGRO, SEJA RICO OU POBRE…. BRASIL QUE VERGONHA ABSOLUTA!!!!!!!!!! SÓ EXISTE UM DEUS PARA TODOS NÓS VAMOS PARAR COM RACISMO NA HUMANIDADE POR FAVOR…. MORO NO EXTERIOR SOU NEGRA E MEU MARIDO É ÁRABE NA PELE BRANCA ELE ME AMA DO JEITO QUE SOU???‍❤️‍?‍? ELE É PARA TER UM FILHO NEGRO COMIGO PORQUE ELE AMA OS NEGROS ASSIM COMO ELE TAMBÉM AMA OS BRANCO… SOU NEGRA BAIANA , MAIS SOU DESCENDENTE DE PORTUGUESES BRANCO… DEUS ABENÇOE TODOS VOCÊS SEMPRE GRANDE BEIJOS DA NEGRA BAIANA COM MUITO ORGULHO.

  48. Realmente foi muito triste o preconceito que eles sofreram no condomínio,se tivesse no lugar deles eu não teria mudado, se eles foram morar lá é porque tem condição financeira,se não gostaram da presença da família no condomínio eles que se mudassem, aceita que doí menos,não adianta correr da situação, tem que encarar de cabeça erguida. Minha mãe é negra e meu pai é branco,minha mãe sofre muito preconceito,eu não sofro porque sai com a mistura dos dois,realmente é uma situação constrangedora isso acontecer no Brasil é vergonhoso,tem mais negros do que brancos, país da miscigenação.

  49. Porra nenhuma…..
    Agente sabe que o racismo no Brasil tem conotação economica e preto rico tá longe de sofrer disso.
    Se eles foram colocados pra fora do condominio pode ter sido pelo gigantismo egóico de algum deles. Eu duvido que de fato aconteceu como ele tá falando…

  50. não existe racismo,,,,,,,,,,,,,,o que existe é esculhambação cultural………..se carlinhos brown fosse menos espalhafatoso com certeza não teria sido esculhambado no condominio onde morava…………..exames de genealogia ja existem faz tempo e prova que o brasileiro é um cachorro de rua viralata com sarna cheio de pulgas e carrapatos …………….eu sei que se um dia eu for ao japão namorar as maravilhosas japonesinhas os pais da japonesas vão me esculhambar,,,,,,,,,,,,,tenho consciencia(com ciencia) disto………….

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *