Agora, no Sul21

Latuff trabalha, observado por Bárbara Jardim Ribeiro. Minha filha é grande fã do trabalho dele.

Foto: Bernardo jardim Ribeiro

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Estou precisando de algumas coisas

Precisaria de uns dois meses livres só para colocar as leituras em dia. Não posso seguir escrevendo sobre cultura sem ler Escuta Só, de Alex Ross, nem Tempo Fraturados, de Eric Hobsbawm. Fico me achando um embuste. Ademais, leria Terra Mátria, sobre a família de Thomas Mann no Brasil, e releria bastante coisa de meus amados Kafka e Sophia de Mello Breyner Andresen. Ah, também voltaria a Os Irmãos Karamázovi, que li com 15 anos e nunca mais. Aí, você pergunta se eu não poderia fazer isso em menos de dois meses e eu respondo que as leituras sim, mas que gostaria também de ir à Portugal. Só Lisboa e Porto, numa viagem turístico-literária, uma viagem para Pessoa e Sophia. E levaria a mais improvável das amigas, aquela que faz parte do tempo ora respirado, para que reconheçamos o deus lisboeta que era quatro e a poetisa portuense de quatro nomes próprios. Se sobrasse algum tempo, dormiria, pois esta é a descoberta desses dias: passei anos acordando antes do que devia e tenho recuperado com minúcia cada hora roubada. E, durante este período, arremessaria de volta os sapos que me fossem lançados e explicaria que vivemos num mundo imaginário onde até mesmo a imagem de nós mesmos é uma construção imaginária, o que significa dizer que acreditarmos no que nos é dito é o mesmo que dizer que não acreditamos em nada. Ao menos eu não acredito.

Como você agora ao me ler. Mas o que você não imagina é como eu acredito no que acabo de escrever.

Sophia de Mello Breyner Andresen

Boa noite, Sophia

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Só para quem leu ‘O mestre e Margarida’ (ou gosta de Sympathy for the Devil)

Maiores detalhes, aqui. As imagens são da minissérie russa homônima, baseada da obra de Bulgákov. O autor do vídeo abaixo colocou como trilha sonora Sympathy for the devil, dos Rolling Stones, canção cuja letra é baseada no livro. Ele tentou fazer uma sincronia entre letra e imagens. Muitas vezes conseguiu, claro. No show dos Stones que o Multishow recentemente apresentou, Mick Jagger adentrou o palco para cantar Sympathy… vestido como um enorme gato preto. Letra e tradução estão abaixo.

Sympathy For The Devil

Please allow me to introduce myself
I’m a man of wealth and taste
I’ve been around for a many long years
Stole many a man’s soul and faith

And I was ‘round when Jesus Christ
Had his moment of doubt and pain
Made damn sure that Pilate
Washed his hands and sealed his fate

Pleased to meet you
Hope you guess my name
But what’s puzzling you
Is the nature of my game

I stuck around St. Petersburg
When I saw it was a time for a change
Killed the czar and his ministers
Anastasia screamed in vain

I rode a tank
Held a general’s rank
When the blitzkrieg raged
And the bodies stank

Pleased to meet you
Hope you guess my name, oh yeah
Ah, what’s puzzling you
Is the nature of my game, oh yeah
(woo woo, woo woo)

I watched with glee
While your kings and queens
Fought for ten decades
For the gods they made
(woo woo, woo woo)

I shouted out,
“Who killed the Kennedys?”
When after all
It was you and me
(who who, who who)

Let me please introduce myself
I’m a man of wealth and taste
And I laid traps for troubadours
Who get killed before they reached Bombay
(woo woo, who who)

Pleased to meet you
Hope you guessed my name, oh yeah
(who who)
But what’s puzzling you
Is the nature of my game, oh yeah, get down, baby
(who who, who who)

Pleased to meet you
Hope you guessed my name, oh yeah
But what’s confusing you
Is just the nature of my game
(woo woo, who who)

Just as every cop is a criminal
And all the sinners saints
As heads is tails
Just call me Lucifer
‘Cause I’m in need of some restraint
(who who, who who)

So if you meet me
Have some courtesy
Have some sympathy, and some taste
(woo woo)
Use all your well-learned politesse
Or I’ll lay your soul to waste, um yeah
(woo woo, woo woo)

Pleased to meet you
Hope you guessed my name, um yeah
(who who)
But what’s puzzling you
Is the nature of my game, um mean it, get down
(woo woo, woo woo)

Woo, who
Oh yeah, get on down
Oh yeah
Oh yeah!
(woo woo)

Tell me baby, what’s my name
Tell me honey, can ya guess my name
Tell me baby, what’s my name
I tell you one time, you’re to blame

Oh, who
woo, woo
Woo, who
Woo, woo
Woo, who, who
Woo, who, who
Oh, yeah

What’s my name
Tell me, baby, what’s my name
Tell me, sweetie, what’s my name

Woo, who, who
Woo, who, who
Woo, who, who
Woo, who, who
Woo, who, who
Woo, who, who
Oh, yeah
Woo woo
Woo woo

Simpatia Pelo Diabo

Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Dunga

dungaDunga, meu amigo. Se tu quiseres comprovar, venha ao Sul21 e pergunta pro Igor Natusch, pro Iuri Müller ou pro Nicolas Pasinato. Eu previ o fiasco de ontem. Previ no momento em que vi que D`Alessandro e Fabrício provocaram o terceiro cartão amarelo para jogarem o Gre-Nal. Burrice, Dunga, coisa de quem não sabe jogar pontos corridos. Todos os concorrentes ao título e à Libertadores vencerão o Náutico em Recife e em casa. Ademais, os três pontos contra o Grêmio valem o mesmo que os três pontos contra o Náutico, só que os últimos são muito mais fáceis. A matemática ainda não foi avisada de que essa coisa de que ganhar Gre-Nal é importante. Três são três. Sempre.

Voltando aos amarelos: Fabrício e Dale são os dois armadores do time. Como esperar a manutenção da qualidade da armação sem eles? Impossível, né? Ainda mais colocando um estreante de belo nome como Alan Patrick… Coitado do cara, né, Dunga? O time ficou todo torto e lento. Não foi falta de esforço, foi falta de entrosamento, de mecânica.

Outra coisa que deu pra notar é que o Ronaldo Alves não dá. Jackson ou Alan jogariam muito mais ali do lado direito. Para de inventar hierarquias por idade, Dunga.

Depois de ontem, se perdermos o Gre-Nal, tu arranjaste uma crise, certo? Que mancada, Dunga, pelamor.

Nem vou falar mais porque estou meio puto contigo, tá?

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Nossa, acho que bebi demais

Imagens roubadas do Sátiro (lá tem mais).

BeerLagunitas

BeerGreatLakes

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

A melhor roupa, a mais elegante

557034_504013276334564_1372114022_n

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque hoje é sábado, Dina Sfat

Eu amava Dina Sfat (1939-1989). Ela foi, primeiro que tudo, um grande rosto de atriz.

Dina_Sfat_001

Filha de judeus poloneses, foi também uma bela, lindíssima mulher, porém

Dina_Sfat_003

sua essência jamais obteve ser captada por câmeras fotográficas,

Dina_Sfat_004

pois as câmeras mostram cristalizações do fugidio, figuras imóveis,

Dina_Sfat_005

enquanto Dina só podia ser apreendida no somatório

Dina_Sfat_002

de gestos, voz, maneiras, expressões, movimentos, charme e por um fato único

Dina_Sfat_006

(e talvez inexplicável): Dina tinha uma presença assombrosamente sensual e sedutora.

Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

A incrível aventura do Endurance de Shackleton e de Hurley, seu fotógrafo

Parte da tripulação do Endurance aquece-se frente ao fogo — CLIQUE PARA AMPLIAR

Publicado em 5 de janeiro de 2013 no Sul21

A celebridade do explorador irlandês Ernest Henry Shackleton, nascido em 15 de Fevereiro de 1874 e que morreu em 5 de Janeiro de 1922, é devida à incrível aventura do Endurance, mas também ao fotógrafo australiano Frank Hurley. Foram dele as fotos que imortalizaram a expedição, uma daquelas pioneiras viagens suicidas ao continente antártico, realizadas no início do século XX. Na verdade, o grande herói polar — norte e sul — não foi Shackleton e sim o norueguês Roald Amundsen, mas a documentação do Endurance é muito mais rica, graças a Hurley. Enquanto que as fotos de Amundsen são prosaicas, apresentando homens em fotografias posadas, Shackleton levou um artista entre os 27 tripulantes do barco, como os leitores do Sul21 poderão comprovar. Hurley capta a beleza das paisagens, a vida possível na Antártida e a tragédia.

A edição desta sexta-feira (4) do Guardian informa que um grupo australiano, aproveitando o aniversário de morte de Shackleton, anunciou que irá refazer a clássica viagem que vamos resumir aqui, uma das mais incríveis jornadas de sobrevivência conhecidas.

Sir Ernest Shackleton — CLIQUE PARA AMPLIAR

Assim como Amundsen, Shackleton foi tema de diversos livros que se assemelham às narrativas modernas de Amyr Klink e de alpinistas que arriscam tentativas de chegar ao topo do Everest, por exemplo. São atos aparentemente inúteis e perfeitamente humanos, como ressaltou o montanhista George Mallory (1886-1924). Numa conferência, ao ser questionado sobre o motivo pelo qual desejava tanto escalar o monte Everest, Mallory replicou a um repórter: “Quero porque ele está lá”. A Antártida também estava lá para Shackleton e ele desejava ser o primeiro a chegar ao Polo Sul. Na primeira tentativa, em novembro de 1902, numa expedição comandada por Robert Scott,  alcançaram 82°16 S, o ponto mais austral alcançado pelo homem até então. Doente de escorbuto, Shackleton viu a expedição ser abortada. Motivado com a experiência, organizou sua própria expedição e, em 9 de janeiro de 1909, após muitas dificuldades, alcança o recorde de latitude, 88°23 S, porém é forçado a abandoná-la a apenas 150 km do Polo Sul. O motivo de ter virado as costas à glória foi a segurança de seus homens. Após  percorrerem 3000 km na Antártica, ele regressaram à Inglaterra.

Amundsen: o maior de todos não tinha um fotógrafo à altura

Dois anos depois, em dezembro de 1911, o imbatível Amundsen, seus cães e trenós, alcançaram o Polo Sul. Naquele ano, o norueguês e Robert Falcon Scott protagonizaram uma verdadeira corrida pelos 90 graus: partiram com apenas duas semanas de diferença em outubro de 1911, ambos da plataforma de Ross. Amundsen atingiu o polo em 14 de dezembro, iniciando o retorno no início de janeiro. O grupo de Scott chegou ao mesmo local em 17 de janeiro, encontrando lá a bandeira norueguesa. No caminho de volta, Scott e seus cinco expedicionários morreram de fome e exaustão.

(Parêntese sobre Amundsen: já dissemos que este norueguês liderou a expedição à Antártida (1910-1912) que descobriu o Pólo Sul em dezembro de 1911. Também foi o líder da expedição que chegou pela primeira vez ao Polo Norte em 1926. Como se não bastasse, foi o primeiro a atravessar a Passagem do Noroeste, entre os anos de 1903 e 1906. A Passagem do Noroeste consiste em, de navio, entrar pelo oeste do Alaska, fazendo o contorno pelo norte da América, rente ao Polo Norte, até chegar à Groenlândia).

Já presos na neve, os tripulantes passeiam com os cães — CLIQUE PARA AMPLIAR

Perdida a corrida ao Polo Sul, Shackleton impôs-se um novo desafio: o de atravessar o continente a pé, passando sobre o Polo. Em agosto de 1914, partiu da Inglaterra no Endurance (palavra que significa resistência) com 27 homens. Eles viveriam uma das histórias mais complicadas da exploração polar. O resultado foi mais um fracasso. Após perderem o Endurance, foram resgatados pelo Yelcho, graças à generosidade do comandante chileno Luis Pardo Villalón. Ao voltar à Inglaterra, em 1917, Shackleton e seus homens foram recebidos como heróis.

Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Morre um grande artista

Leon_FerrariNesta quinta-feira, morreu aquele que era considerado maior artista plástico da Argentina, León Ferrari, cuja obra de crítica à Igreja irritou o papa Francisco, quando Jorge Mario Bergoglio ainda era cardeal. Ferrari faleceu aos 92 anos.

Ferrari precisou se exilar no Brasil por ser perseguido pela ditadura argentina (1976-1983), que sequestrou seu filho Ariel, um dos milhares de desaparecidos. Tão provocador e polêmico quanto reconhecido por seu talento nas artes, Ferrari foi o fundador do clube antirreligioso dos ímpios, hereges, apóstatas, blasfemos, ateus, pagãos, agnósticos e infiéis.

Uma exposição que apresentava uma retrospectiva da obra de Ferrari, em 2004, no Centro Cultural Recoleta (CCC), o mais importante da capital da Argentina, provocou uma forte reação de setores católicos e uma carta pastoral em que o atual papa se posicionou contra o teor das obras.

“Hoje me dirijo a vocês bastante magoado pela blasfêmia promovida no CCC nesta exposição de artes plásticas, evento realizado por um Centro Cultural que é financiado com dinheiro de cristãos e pessoas de boa vontade, através dos seus impostos”, escreveu o então cardeal de Buenos Aires.

A Civilização Ocidental e Cristã, de León Ferrari

A Civilização Ocidental e Cristã, de León Ferrari

Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Três coisas que não têm nada a ver uma com a outra

Renasceu. Abbado e músicos de Bologna | Foto:  Raffaello Raimondi

Renascido: Abbado e músicos de Bologna | Foto: Raffaello Raimondi

A Filarmônica de Berlim é atualmente um túmulo de maestros. Claudio Abbado, 80, depois que saiu de lá, tornou-se leve e criativo, deixando de lado o ser apocalíptico (e doente) da época berlinense. Criou a Orchestra Mozart em Bologna, onde nos brinda com luz, leveza e ousadia. Ouçam as gravações das sinfonias de Mozart para conferir. Já Simon Rattle, que era um monstro em Birmingham e foi para Berlim, lá tornou-se um regente crepuscular e rotineiro. O que fez? Ora, pediu demissão. Como o contrato é longo, retira-se em 2016, salvo engano. O próximo a adentrar a caixa mortuária de Berlim deverá ser Christian Thielemann. R.I.P. e depois saia correndo, Christian.

Na verdade, o que engessa a orquestra é o compromisso com um passado conservador, já enterrado. Se não mudar, ver a Berliner vai tornar-se mera atração turística.

.oOo.

De Danielle Magno no Facebook:

Me deixa triste ver feministas pedindo censura à pornografia, dizendo que é objeto de submissão feminina e direito do homem sobre o corpo da mulher. Acho nada disso, que sociedade chata que regula nudez e sexo sob paradigmas tão autoritários.

.oOo.

Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Dunga

Dunga, dá um carrinho por trás no Luigi? | Foto: Divulgação

A última bobagem. Dunga, dá um carrinho por trás no Luigi? | Foto: Divulgação

Ontem foi um dia muito cheio e não pude te cumprimentar pela vitória sobre o Flamengo. Grande resultado, Dunga, parabéns. Teu time é de luta e a gente gosta disso. É importante ressaltar que o Flamengo é hoje um time de Mano Menezes e isso significa dizer que sabe marcar, contra-atacar e que irá longe, apesar de estar mal colocado no Brasileiro. Mesmo jogando em casa, nem todos os times grandes vencerão o Flamengo, que tem ons jogadores e um líder no banco.

D`Alessandro e Forlán não conseguiram jogar, tal foi a marcação. Aliás, qualquer e nenhum dos dois times poderiam marcar gols. Tivemos sorte, Dunga, e isso é importante. Também gostei da postura gelada do Juan ao não comemorar o gol feito por ele nos descontos, quando tudo contribuía para que ele corresse para a torcida entusiasmado. A gratidão é um belo sentimento, mas a gente quase trincou de expectativa pensando que o gol tivesse sido anulado. Lembro de Gamarra, Iarley, Sóbis e de outros ex-jogadores nossos que marcaram gols contra o Inter. Os dois primeiros baixaram a cabeça, o terceiro pôs as mãos na boca, como se tivesse cometido um crime involuntário. Acho bonito, repito.

Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Alerta aos goleiros: Scocco e Alex chutam muito

São compilações, claro. Tudo o que eles fazem dá certo. Mas mesmo assim é impressionante.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Proposta ao Sul21: a viagem do repórter coroinha Milton Ribeiro

O segundo milagre de Pio XII

Um segundo milagre de Pio XII?

A piada ontem no Sul21 era a de que eu faria a cobertura da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) entre os dias 23 e 28 de julho. Sim, aquele mesmo que promoverá o encontro de jovens de todo o mundo com o Papa Francisco. Seria um repórter gonzo, participando intensamente e até dividiria o quarto com um bispo. Mas não correria risco nenhum porque não sou mais garotinho. Como sou um coroa pra lá dos 50 anos e não sou muito alto, seria chamado de O Repórter Coroinha. Quero tanto conviver com os peregrinos, participar das vigílias, conhecer as católicas mais fervorosas…

Existem diversos pacotes disponíveis, mas o que eu quero mesmo é um kit peregrino “com diversos acessórios inéditos e exclusivos que auxiliarão em sua peregrinação e ficarão de recordação”. Como posso seguir vivendo sem um? No link acima, há também propostas de hospedagem até o dia 30 de JUNHO. Esses católicos são perturbados, né? Tanta fidelidade, casamento e virgindade confunde até o passar do tempo.

O que me interessa é fazer a reportagem gonzo deste verdadeiro sonho do coração de Deus. Na boa, estou preparado e de coração aberto para as maravilhas que Deus tem reservadas para cada um de nós. Para mim, principalmente.

Mas também vou protestar. Afinal, querem canonizar Pio XII ao arrepio da Lei Divina. Este Papa só fez um (1) milagre — um tumorzinho que sumiu numa beata — , não dois (2) dos grandes como manda a lei. Até aceitaria a canonização se o Grêmio ganhasse um campeonato em 2013, mas para sabermos teríamos que esperar até o fim do ano. Se bem que até setembro já saberemos, creio.

Um outro milagre de Pio XII pode ter sido realizado ao final da 2ª Guerra Mundial. Instado pelos aliados a fazê-lo, o Papa Pio XII negou-se a condenar as atrocidades praticadas pelos nazistas contra judeus, acentuando o número de mortes. É um milagre! Vou propor. Quero ir!

Heil!

Heil!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Oh!

A vereadora Mônica Leal (PP) ficou irritada ao verificar que seu quadro não estava no mural das vereadoras e acusou os manifestantes de o terem roubado. No entanto, um funcionário da Câmara de Vereadores de Porto Alegre a avisou que o retrato havia sido guardado por seus assessores pois estava com o vidro quebrado. A vereadora, então, solicitou ao presidente da Casa, Thiago Duarte (PDT), que fosse aberta uma queixa-crime por conta do vidro danificado.

Foto: Bruna Andrade - Jornalismo B

Texto e fotos: Bruna Andrade – Jornalismo B

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Dunga

imagesCaríssimo!

Não houve sofrimento ontem, né, Dunga? Não jogamos bem, mas foi uma classificação controlada, quase uma formalidade para um ato antecipadamente decidido. Quando fizemos o gol do América-MG (por favor, Dunga, Jackson dá de dez em Ronaldo Alves), foi só trabalhar um pouquinho para empatar e repor as coisas em seus lugares. Sim, claro, suamos, mas agora é que virão os maiores adversários da Copa do Brasil. Quer saber? Estou mais preocupado é que contratemos logo este excelente Ignacio Scocco, que viria em boa idade (28 anos) e que é um baita jogador.

Scocco tem aquelas características simpáticas: marca gols e é criativo. Precisamos de gente assim, que saiba colocar as bolas nas redes adversárias, que tenha intimidade com o fato, que ache anormal aquele faniquito que dá em alguns na hora do chute final, da alegria. Sempre digo, Dunga, os artilheiros não valem mais por acaso, valem mais porque são raros e poupam trabalho. Os times que têm de parir uma bigorna para fazer um golzinho são deprimentes.

Agora é preparar o time para o jogo contra o Flamengo. Precisamos ganhar e nos despedir definitivamente de Caxias, Dunga. É muito longe, frio e os gringos nos veem com reservas. Vamos para NH, onde fica mais fácil pra gente ir. Estou com saudades de ir aos jogos, Dunga.

Posso te dizer um segredo? Não vi nenhum jogo do Inter de Fernandão, nem do de Dorival. Não eram treinadores de futebol como tu. Detesto times bagunçados. Faz dois anos que só vejo meu time pela TV. Não dá mais, chega.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

8 kg a menos

melanciaPerdi 8 kg desde o último dia 13 de junho. Não que eu tenha planejado. Crescentes fatores enervantes tiveram preponderância e não os indico ao pior de meus inimigos. Com boa dose de ironia, minha filha elogia o resultado. Os chineses também, pois… Não, antes dos chineses, mais uma coisinha. Fui fazer uma corrida domingo. Os 11% a menos de peso fizeram enorme diferença. Fiz 8 km em tempo recorde, mas falemos dos chineses.  A matéria é do publico.pt.

Restringir a quantidade de alimentos ingeridos pode ser a chave para uma vida prolongada, segundo dados de uma equipa de cientistas chineses que acabam de publicar um estudo na revista científica Nature Communications.

A equipa da Universidade de Jiao Tong, em Xangai, explica que fez uma série de experiências em 150 ratos ao longo de três anos e que foi possível estabelecer uma relação entre comer pouco e viver mais tempo nos ratinhos que foram sujeitos a uma restrição das calorias ingeridas por dia.

Zhao Liping, coordenador do estudo e investigador da Escola de Biotecnologia e Ciências da Vida da universidade chinesa, em declarações ao jornal Shanghai Daily, citado pela Lusa, adiantou que as conclusões se podem aplicar a outros animais e também a humanos – ainda que sejam necessárias investigações adicionais já que os resultados em pessoas devem ser personalizados. Além disso as experiências decorreram apenas em ratinhos machos, já que o sexo poderia ser um fator que poderia influenciar os resultados.

De acordo com o cientista, a restrição calórica favorece a expansão da flora bacteriana saudável presente no sistema digestivo, nomeadamente os lactobacilos, o que ajuda a combater e a reduzir o número de bactérias nocivas para o organismo. Zhao assegura que estas bactérias “boas” são um elemento determinante na saúde e tempo de vida.

Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Educação sentimental

Natália, Bernardo e aminha máquina fotográfica, que sempre me prega peças

Natália, Bernardo e minha máquina fotográfica, esta sempre pregando peças

Minha sexta-feira à noite foi em casa, tranquila, preguiçosa, com gente um pouco cansada, mas com muito carinho envolvido. Meu filho Bernardo fez o jantar para mim, sua namorada Natália e sua irmã Bárbara. Um bom vazio numa panela de pressão com uma garrafa e meia de cerveja preta Kalena, mais cebola e alho. 60 minutos depois, abriu-se a panela, desfiou-se a carne, que voltou para a panela e esta para o fogo, recebendo o restante da segunda garrafa de ceva, mais creme de leite, sal e nhoque. Tudo saiu no ponto, perfeitíssimo. A melhor refeição, a mais querida.

No dia seguinte, nós e os vizinhos do andar de cima seguimos comendo. Eles faziam hums e ohs a cada garfada. Não, não é exagero de pai. O afeto espraiava-se naturalmente.

Foram momentos especiais. Muito obrigado.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Dunga

dungaCaríssimo!

Parabéns pela grande vitória. São três pontos que poucos times obterão ao longo do campeonato. Fazem a diferença e, de certa forma, compensam aquela inexplicável derrota para o Bahia lá em Caxias. Aliás, espero que nossos jogos logo possam ocorrer aqui em Novo Hamburgo, muito mais perto.

Meus parabéns se estendem ao fato de que hoje houve volantes na frente de nossa zaga, hoje tu deste proteção para nossos velhinhos. Dunga, gostei muito da providência. Josimar e Fabrício ficaram ali. Está correto.

Esta vitória foi tua. O time estava todo esbodegado, cheio de improvisações. Eram 8 desfalques: Willians, Caio, Leandro Damião, Maurides, Otávio, Ygor, Airton e Mike. O lateral Fabrício de volante, o atacante-armador Jorge Henrique — como jogou este baixinho! — como terceiro homem, etc. E só tínhamos seis caras no banco e, olha…

Dunga, não te estressa com o Luigi. Nosso presidente é um banana e é claro que mais problemas do tipo do que sucedeu com o Willians acontecerão novamente. O Luigi é lento e meio desatento, mas é bom para segurar jogadores. De resto, nós sabemos que o melhor é blindar o vestiário — deixemos o Luigi lá no escritório pensando que entende de futebol.

O Abel está reclamando da cera do nosso goleiro Muriel. O Abel é muito cômico. Se ele não quisesse ver cera, era só pedir a seus jogadores pararem de levantar a bola pro Fred ganhar as jogadas no corpo-a-corpo, né? “Ele atrapalhou nossa reação”. E tu estavas lá para quê? Ele também não viu justiça no resultado. Esse troço de justiça é algo curioso. Parece que concluir bem em gol não é uma qualidade. Mais: o Flu não pressionou, não houve bolas na trave nem grande defesas de Muriel. Ou seja, o merecimento do Flu teria sido o de ter maior posse de bola. Bem, isso o Barcelona também teve contra o Bayern e o resultado foi o que se viu…

A imprensa é chata, né, Dunga? Estão falando que a gente toma muitos gols. Até tomamos, mas isso é uma decorrência de um time ofensivo. O que a imprensa não pensa é sobre a efetividade de Forlán, D`Alessandro e companhia. O Forlán é todo confuso e atrapalhado, mas algo acontece na hora de chutar a gol. O cara tem o DNA do gol. Ele faz, e de qualquer distância. Ponto. Com este efetividade, retirar alguém lá da frente seria loucura. Claro que a defesa tem problemas na bola alta, etc. Mas acho que tu não deves acumular defensores para fazer esta correção, tens que seguir apostando no punch, na potência do pessoal lá da frente. Se tomarmos muitos gols, que sigamos enfiando ainda mais lá na frente. E acho super legal torcer para o time que mais faz gols no campeonato e também para um dos que mais toma. Os jogos são divertidos — vai dizer? — e os paulistas ficam doidos com um time ofensivo vindo de ti. Eles não te conhecem mesmo, deixam-se levar pelo preconceito do Dunga turrão.

Eu sempre disse que tu eras técnico de futebol. Sabia desde a Seleção e espero que a gente possa seguir trocando ideias por muito tempo, meu amigo.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque hoje é sábado, vários motivos para você amar o iPhone *

Quando as mulheres se arrumam, se preparam,

iphone_espelho_01

costuma ser demorado.

iphone_espelho_02

Elas se observam,

iphone_espelho_03

testam variações,

iphone_espelho_04

combinações,

iphone_espelho_05

Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

A extinta União Soviética completa 90 anos. Tal país, qual arte?

Publicado em 30 de dezembro de 2012 no Sul21

Nicolau II em 1898: um país de grande literatura, mas em convulsão

A ensaísta Flora Süssekind, num livro sobre literatura brasileira, criou o belo título Tal Brasil, qual romance? É com este espírito — apenas com o espírito, pois nossa pobre capacidade nos afasta inexoravelmente de Flora — que pautamos para este domingo o que representou (ou pesou) a União Soviética em termos culturais. Sua origem, a Rússia czarista, foi um estado que mudou o mundo não apenas por ter se tornado o primeiro país socialista do planeta, mas por ter sido o berço de uma das maiores literaturas de todos os tempos. Quem lê a literatura russa do século XIX, não imagina que aqueles imensos autores — Dostoiévski, Tolstói, Tchékhov, Turguênev, Leskov e outros — viviam numa sociedade com resquícios de feudalismo. Através de seus escritos, nota-se claramente a pobreza e a base puramente agrária do país, mas há poucas referências ao czar, monarca absolutista que não admitia oposição e que tinha a seu serviço uma eficiente censura. Na verdade, falar pouco no czar era uma atitude que revelava a dignidade daqueles autores.

No início do século XX, Nicolau II, o último czar da dinastia Romanov, facilitou a entrada de capitais estrangeiros para promover a industrialização do país, o que já ocorrera em outros países da Europa. Os investimentos para a criação de uma indústria russa ficaram concentrados nos principais centros urbanos, como Moscou, São Petersburgo, Odessa e Kiev. Nessas cidades, formou-se um operariado de aproximadamente 3 milhões de pessoas, que recebiam salários miseráveis e eram submetidos a jornadas de até 16 horas diárias de trabalho, sem receber alimentação e trabalhando em locais imundos. Ali, havia um ambiente propício às revoltas e ao caos social, situação que antecedeu o nascimento da União Soviética, país formado há 90 anos atrás, em 30 de dezembro de 1922.

Os trabalhadores foram recebidos pela artilharia, sem diálogo

Primeiro, houve a revolta de 1905. No dia 9 de janeiro daquele ano, um domingo, tropas czaristas massacraram um grupo de trabalhadores que viera fazer um protesto pacífico e desarmado em frente ao Palácio de Inverno do czar, em São Petersburgo. O protesto, marcado para depois da missa e com a presença de muitas crianças, tinha a intenção de entregar uma petição — sim, um papel — ao soberano, solicitando coisas como redução do horário de trabalho para oito horas diárias, assistência médica, melhor tratamento, liberdade de religião, etc. A resposta foi dada pela artilharia, que matou mais de cem trabalhadores e feriu outros trezentos. Lênin diria que aquele dia, também conhecido como Domingo Sangrento, foi o primeiro ensaio para a Revolução. O fato detonou uma série de revoltas internas, envolvendo operários, camponeses, marinheiros (como a revolta no Encouraçado Potemkin) e soldados do exército.

Se internamente havia problemas, também vinham péssimas notícias do exterior. A Guerra Russo-Japonesa fora um fiasco militar para a Rússia, que foi obrigada a abrir mão, em 1905, de suas pretensões sobre a Manchúria e na península de Liaodong. Pouco tempo depois, já sofrendo grande oposição interna, a Rússia envolveu-se em um outro grande conflito, a Primeira Guerra Mundial (1914-1918), onde também sofreu pesadas derrotas em combates contra os alemães. A nova Guerra provocou enorme crise no abastecimento das cidades, desencadeando uma série de greves, revoltas populares e fome de boa parte da população. Incapaz de conter a onda de insatisfações, o regime czarista mostrava-se intensamente debilitado até que, em 1917, o conjunto de forças políticas de oposição (liberais e socialistas) depuseram o czar Nicolau II, dando início à Revolução Russa.

Lênin trabalhando no Kremlin, em 1918

A revolução teve duas fases: (1) a Revolução de Fevereiro, que derrubou a autocracia do czar Nicolau II e procurou estabelecer em seu lugar uma república de cunho liberal e (2) a Revolução de Outubro, na qual o Partido Bolchevique derrubou o governo provisório. A Revolução Bolchevique começou com um golpe de estado liderado por Vladimir Lênin e foi a primeira revolução comunista marxista do século XX. A Revolução de Outubro foi seguida pela Guerra Civil Russa (1918-1922) e pela criação da URSS em 1922. A Guerra Civil teve como único vencedor o Exército Vermelho (bolchevique) e foi sob sua liderança que foi criado o Estado Soviético. Lênin tornou-se, assim, o homem forte da Rússia, acompanhado por Trotsky e Stálin. Seu governo foi marcado pela tentativa de superar a crise econômica e social que se abatia sobre a nação, realizando reformas de caráter sócio-econômico. Contra a adoção do socialismo na Rússia ergueu-se uma violenta reação apoiada pelo mundo capitalista, opondo o Exército Vermelho aos russos brancos (liberais).

Canibais com suas vítimas, na província de Samara, em 1921.

O país que emergiu da Guerra Civil estava em frangalhos. Para piorar, em 1921, ocorreu a Grande Fome Russa que matou aproximadamente 5 milhões de pessoas. A fome resultou do efeito conjugado da interrupção da produção agrícola, que já começara durante a Primeira Guerra Mundial, e continuou com os distúrbios da Revolução Russa de 1917 e a Guerra Civil. Para completar, houve uma grande seca em 1921, o que agravou a situação para a de uma catástrofe nacional. A fome era tão severa que a população comia as sementes em vez de plantá-las. Muitos recorreram às ervas e até ao canibalismo, tentando guardar sementes para o plantio. (Não terá saído daí a fama dos comunistas serem comedores de criancinhas? Num documentário da BBC sobre o século XX, uma mulher, ao lembrar-se da fome, conta que sua mãe tentou morder sua filha pequena e que ela precisou trancar a mãe e fugir da casa. Bem, continuemos).

Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!