Objeto de Desejo

Para ela, os cheiros sempre foram importantes. Percebia grande parte do mundo através deles. Ao chegar a um restaurante, por exemplo, rapidamente notava a qualidade da comida; ao chegar o prato, adivinhava seus condimentos e a forma como fora preparado; ao retornar para casa, reconhecia o cheiro de banho do marido ao deitar — o mesmo há 30 anos –, assim como o cheiro da cama ao acordar. Havia também os cheiros ruins, que a afastavam. Ela dizia que baratas tinham determinado odor, assim como o pó da casa. Seu marido balançava negativamente a cabeça… Ora, cheiro de barata…

Impossível dizer se era seu sentido mais importante, mas era aquele do qual mais se orgulhava; sabia que o fato de ser excelente cozinheira devia-se à habilidade olfativa, um talento discreto e pouco considerado, mas que nunca a abandonara ou fora-lhe hostil. Tudo começou em sua infância no interior; corria à cozinha para sentir mais forte o cheiro do pão que sua mãe fazia para vender nas padarias; ficava feliz ao sentir entrar pelas janelas as delícias da terra molhada no início da estação das chuvas. Até hoje, quando os primeiros pingos batiam na janela de seu apartamento na cidade grande, sua memória trazia-lhe a fragrância da terra carente e dos telhados empoeirados, sugerindo felicidade e risos.

Hoje, ao acordar, veio-lhe à memória um cheiro inesquecível. O do perfume “Toque de Amor”. Ainda hoje, o vidro é o mesmo de sua trinta anos atrás. Ela o tinha visto pela primeira vez no quarto da irmã mais velha de uma amiga.

Avon Toque de AmorNuma quente tarde de sábado, conseguiu entrar sozinha no quarto da moça. Estava com um pouco de medo, mas era-lhe necessário olhar de perto aquele perfume. No quarto havia uma penteadeira algo aristocrática para a simplicidade daquela gente e lá estava, bem no meio, uma bombinha para borrifar perfume, algo lindíssimo, com uma cordinha púrpura na ponta. E, ao lado, o vidro de “Toque de Amor” da Avon. Aos quatorze anos, sua pele ainda não conhecera um perfume de verdade, apenas sabonetes e talco, quando havia. O maior luxo de sua família de raras posses permitia-se era a Água de Colônia, apenas usada com parcimônia em ocasiões especiais. Ela olhava o vidro e sentia pela primeira vez o desejo irrefreável de caminhar rente às pessoas pelas ruas da cidadezinha, deixando uma leve fragrância que as faria voltarem a cabeça.

A partir daquele momento, o vidrinho passou a povoar sem tréguas sua imaginação. Dali a dois meses depois, haveria a de formatura do ginásio. Iria usar um vestido novo, amarelo, com pequenas tranças de tecido realçando o decote, uma obra de carinho costurada por sua mãe. Mas sua noite de princesa seria incompleta sem o “Toque de Amor”, garantia absoluta de sucesso.

Criou coragem e foi falar com a privilegiada proprietária do perfume; expôs a importância de uma leve borrifada do “Toque”. Sua resposta foi um fraco não, disse que, se cedesse, teria também que aspergir ou pingar ao menos uma gota em cada irmã, que até então não tinham merecido tamanha distinção. Jurou segredo absoluto, mas a outra não aceitava. Passada uma semana, ela lhe propôs não apenas um, mas três borrifos.

Em troca, ela apenas precisaria levar uma carta até um endereço comercial na Pinheiro Machado. Fácil demais! No grande dia, deu uma passadinha na casa da amiga e pôs na bolsa do colégio o desejado aparato. “Três borrifadas só”, ouvi-a repetir, “se colocares mais, fica insuportável de tão forte. Não dá para chegar perto!”. Então, já vestida para o baile, recebeu de si mesma as três gloriosas borrifadas e foi para a festa de formatura. No salão de festas do colégio, sobre o piso vermelho de cimento queimado, dançou embalada por um conjunto estreante da própria cidade: eles arrasaram em covers de “Renato e seus Blue Caps” e Jerry Adriani.

Foi uma noite inesquecível. Dançou “Feche os Olhos” com um menino que nunca tinha visto e que certamente sentira o “Toque de Amor” em seu pescoço e no colo cheio de trancinhas amarelas aspergidas.

Feche os olhos e sinta um beijinho agora
De alguém que não vive sem você
Que não pensa e não gosta
De outra menina e tem medo de lhe perder

Na semana seguinte, pagou a dívida. O homem era gerente da agência do Banco do Brasil da cidade. Era bonito, de meia idade. Muito velho, em sua opinião.

Dois meses depois, toda a cidade comentava. A esposa traída fez todo alarde possível. A patrocinadora do perfume, aos 19 anos, foi expulsa de casa. Passou a morar com uma tia na capital e o moço acabou transferido. Nunca mais se soube da moça e ela nunca mais usou “Toque de Amor”.

Publicado em 2008. Tinha esquecido dessa historinha simples.

10 comments / Add your comment below

  1. Sim, cheiro de barata é intolerável! feliz daquele que não o reconhece.
    Sim, nada como os frascos de nossa adolescência! E os perfumes dos pescoços das reuniões dançantes. Santana sempre me lembra reunião dançante no alto do caracol de petrópolis e o perfume de um menino.
    Passei uns 30 anos sem usar perfume, por conta de rinite alérgica. Há poucos meses descobri que posso usar novamente, e foi uma viagem. No tempo, na imaginação e no olfato – frascos, marcas, lembranças: Vivre, Pierre Balmain, Seiva de Alfazema, Promessa…
    Obrigada por mais essa viagem. Abç, Flávia

  2. É, sei bem isso de hesitar na hora de clicar o “enviar”. Mas é como tampar o nariz e pular na água – depois que clicou… “foi”! … Azar! E aí estamos livres da hesitação e do texto, ou comentário, não é? E a sensação é talvez de liberdade (junto com o medão!).
    Mas vc se livrou tb do meu elogio! Vc disse que é uma grande história. É sim. Mas eu disse que é um belo texto! Uma boa história não é nada sem um bom narrador, vc sabe disso.
    E nem o fato de ser escrita num jorro, só em meia hora depõe contra ela!
    Publicou, agora agüente! inclusive os elogios!
    Abraço, flávia

  3. O texto é brilhante Milton,parabéns. Estas coisas da divagação, do passado e da reflexão de lugares e coisas; sempre nos dá idéias boas e precisas para as linhas da imaginação. Ainda mais quando todo o traço do enredo, já está todo construído de uniformidade; à própria realidade da vida em significância que viveu, abraços e continue sempre assim.

  4. Achei LINDO demais o texto-conto…Usei muito o Toque de Amor lá pelos 15 anos!

    E funcionava messmo !

    Passo todo dia por aqui,gosto muito do que tu escreves.

    Abraço Sueli

  5. Como sempre mais uma viagem com histórias do mestre Milton!
    Adorei essa história, principalmente o final. Pra variar os finais de história do Milton são SEMPRE surpreendentes….
    Abração Mestre Milton!!

  6. Sabes que estou ministrando História do Perfume, agora. Teu belo texto poderia estar nas primeiras páginas de qualquer livro sobre o tema. Perfume é memória, sedução, ocupa um imenso lugar invisível em nossas vidas, como todos os cheiros que sentimos e também evitamos sentir. O olfato é um sentido silenc Sabes que estou ministrando História do Perfume, agora. Teu belo texto poderia estar nas primeiras Sabes que estou ministrando História do Perfume, agora. Teu belo texto poderia estar nas primeiras páginas de qualquer livro sobre o tema. Perfume é memória, sedução, ocupa um imenso lugar invisível em nossas vidas, como todos os cheiros que sentimos e também evitamos sentir. O olfato é um sentido silencioso, talvez por isso revele mais do animal em nós, é nas ddobras da carne que ele busca e revela nossa relação com o oitro páginas de qualquer livro sobre o tema. Perfume é memória, sedução, ocupa ump imenso lugar invisível em nossas vidas, como todos os cheiros que sentimos e também evitamos sentir. O olfato é um sentido silencioso, talvez por isso revele mais do animal em nós, é nas dobras da carne que ele busca e revela nossa relação com o oitro ioso, talvez por isso revele mais do animal em nós, é nas ddobras da carne que ele busca e revela nossa relação com o oitro

    1. Entendi, Nikelen. Obrigado!

      Estou fascinado pela questão dos cheiros nos últimos dias. A relação que faço é direta com a sensualidade. Como disseste, o cheiro tem invadido um “enorme lugar invisível” e atrativo em minha vida. Algo que nunca tinha sentido tão fortemente. Se fosse promíscuo, poderia escrever um teoria do cheiros.

      E mais não digo. Mas já disse…

Deixe uma resposta