Da classe de uma senhora

Detesto a palavra classe, até porque uma dos piores chagas de nossa sociedade é o preconceito de classe, mas vá lá. Aqui cabe.

Eu e Elena fomos ao cinema no último sábado à tarde para ver o excelente Pedalando com Molière. Compramos os lugares E08 e E09. Na hora de sentar, a Elena pensou que nosso lugar estivesse ocupado. Porém, estava errada e a senhora de cabelo brancos que ocupava a cadeira, sorriu e mostrou seu ingresso, dizendo:

— O meu é o E10.

Ao ouvir aquela voz, fui remetido a não sei quantos anos atrás, talvez 40. Era a voz de Jacqueline ou Jaqueline Monteiro, uma das maiores amigas de minha mãe. Olhei para a ela, era uma senhora muito bonita, como a tia Jac sempre fora. Analisando o rosto, só podia ser ela. Sentamos ao lado e eu disse para a Elena, que me incentivou a fazer minha apresentação. Fiquei tímido e confuso por dois minutos — não queria dar para ela a notícia da morte de minha mãe no ano passado –, mas depois tomei coragem e perguntei se o nome dela não era Jacqueline. Ela me olhou com um belo sorriso de surpresa.

— Ah, sim, não tinha te visto… Não. Meu nome é Jacquely, com ípsilon no final, e tu deves ser o filho da Maria Luiza, não?

— Sim. Sou o Milton.

— E eu sou a tia Jac, que era como tu e tua irmã Iracema me chamavam.

Introduzi a Elena na conversação e o encantamento que a tia Jac ficou ao saber que ela era violinista talvez só tenha sido superado pelo meu ao ver que pusera em funcionamento duas pessoas da mais alta elegância e educação. E cultura. Não sei como, chegaram logo ao último filme do Woody Allen, sobre o qual a tia Jac parecia saber tudo (e de uma forma bastante crítica), e depois aos Quintetos de Schubert. Só me restava observar — além de dizer que o Quinteto de que elas estavam falando era aquele com dois violoncelos –, porque, se sou um silvícola perto da Elena, com aquelas duas juntas passo a visigodo. Não saberia me comportar. Senti que o momento de ela se referir a minha mãe estava chegando… Ela perguntou:

— Talvez a Maria Luiza já tenha infelizmente falecido…? — e, ao ver que eu confirmava com a cabeça, continuou.

— Vi-a há uns dez anos e ela estava confusa. Acho que não me reconheceu, que estava apenas sendo gentil. Telefonei algumas vezes e as notícias não eram boas. Deve ter sido doloroso para vocês.

Claro que ela sabia da morte. O vínculo com minha mãe estava estampado no português perfeito, com todas as conjugações certinhas, o mesmo de minha mãe. Mudou de assunto, dizendo que eu era parecido com os meus dois pais, uma mistura deles. É óbvio que me orgulhei de que a tia Jac — que demonstrara em cinco minutos elegância ímpar, vida cultural ativa e excelente memória — fora uma pessoa que convivera com minha mãe, cada vez mais irreconhecível em seus últimos anos de vida.

O filme — que se revelou extraordinário — começou. A Elena se aconchegou a mim e me disse no ouvido:

— Que senhora agradável! Ela é o máximo! Viu como eu estava certa?

Claro que estava. No final do filme, comentamos a três sobre o brilhantismo da história sobre o ator aposentado que é convidado a voltar aos palcos e entra em confronto com quem tenta contratá-lo. A tia Jac desceu as escadas segurando-se no corrimão, mas depois acelerou, caminhando na mesma velocidade que nós. Permanecemos sob o seu efeito.

(Voltamos para a casa a pé. Eu pensava na influência que as pessoas têm umas sobre as outras e no que dissera o queridíssimo Arthur, filho de dez anos do meu amigo Augusto Maurer:

— Com a classe da Elena, o Milton ficou muito mais educado).

Como não tenho fotos da Tia Jac, eu e Augusto Maurer
Como não tenho fotos da Tia Jac, eu e Arthur Bertuol Maurer | Foto: Augusto Maurer

12 comments / Add your comment below

  1. Talvez eu não vá ter o português perfeito assim como Tia Jac nesse pequeno comentário, mas Elena teve toda a razão em te instigar a perguntar se ela era ela mesma. Talvez se não tivesse se apresentado, estaria até hoje com aquele sentimento de perda; perda da oportunidade de saber se era ela ou não, mesmo que a sonoridade da voz tivesse te revelado que sim. Por isso Milton, mesmo eu não sendo tão velha assim, sempre que encontro ou passo por alguém na rua, não perco a oportunidade de perguntar, mesmo que para isso fique um pimentão de vergonha, pois as oportunidades passam, talvez, apenas uma única vez nas nossas andanças por aí. Quando te encontrei, talvez não tivesse sido oportuno ter me reportado à prima, mas, desculpa, não sabia do término face á distância familiar que temos com esses primos, Desculpa, mas não pude perder a oportunidade de comentar teu artigo. É isso aí! Lembranças boas que não voltam mais, mas que também não deixamos passar. Abs.

  2. Há 34 anos, por admirá la, escolhi a Dona Maria Luiza para minha madrinha de casamento. Um dos fatos mais positivos do meu curriculum, Milton Ribeiro.

Deixe uma resposta para Sandra Maria Martins Cancelar resposta