Um local de Porto Alegre: o Viaduto Otávio Rocha, o viaduto da Borges (fotos)

Publicado em 13 de Julho de 2014 no Sul21

Nubia Silveira e Milton Ribeiro (texto) e Flavia Boni Licht (consultora técnica)

Um dos cartões-postais de Porto Alegre, localizado no cruzamento da Borges de Medeiros com a Duque de Caxias, o exuberante Viaduto Otávio Rocha abriga lojas de discos, lancherias, sebos, ourives, sapataria, barbearia, lanchonetes, floras e artesanato sob seus arcos e escadarias. Não é um simples viaduto para a passagem de carros e pedestres, pois ele possui, em ambos os lados da avenida Borges de Medeiros, amplas escadarias de acesso até o nível do viaduto, sustentadas por grandes arcadas, sob as estão os pequenos estabelecimentos comerciais e instalações sanitárias que citamos.

É um local de visitação obrigatória para quem procura discos raros em nossa cidade.  Ainda no âmbito cultural e ao lado das escadarias, há o lendário Teatro de Arena e teve o Tutti até pouco tempo.

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21

Vitor Murari, do Movimento Amigos do Viaduto, falou ao Sul21 relatando a preocupação do movimento em manter a identidade do local como um ponto de cultura. “Há sempre boatos de que a sistemática que regra a relação dos permissionários com a prefeitura vai mudar, mas atualmente nossa preocupação é mesmo com as infiltrações de umidade”, disse.

“Nós cobramos a manutenção da prefeitura, que é a responsável, mas isso muitas vezes demora”. Vitor trabalha no Espaço Cultural Qorpo Santo, sala 1 do Viaduto, onde comercializa CDs, discos, livros e gibis.

Em 19 de setembro de 2008, uma lei municipal determinou que o espaço público superior do Viaduto Otávio Rocha passasse a ser chamado de “Passeio das Quatro Estações”. Cada uma das quatro escadarias passou a ser identificada por placas com o nome das estações do ano:

— Passeio Verão – com início na Rua Jerônimo Coelho e fim na Rua Duque de Caxias, lado direito do Viaduto, no sentido norte-sul,

— Passeio Outono – com início na Rua Jerônimo Coelho e fim na Rua Duque de Caxias, lado esquerdo do Viaduto, no sentido norte-sul,

— Passeio Inverno – com início na Rua Duque de Caxias e fim na Rua Coronel Fernando Machado, lado direito do Viaduto, no sentido norte-sul,

— Passeio Primavera – com início na Rua Duque de Caxias e fim na Rua Coronel Fernando Machado, lado esquerdo do Viaduto, no sentido norte-sul.

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21

História

O Viaduto Otávio Rocha foi inaugurado em 1932. As obras começaram em 1926, durante o mandato do intendente Otávio Rocha (1924-1928), apesar de já estarem previstas no Plano Diretor de 1914. A decisão de abrir a Avenida Borges de Medeiros, ligando o Centro à Zona Sul da cidade, e construir o Viaduto foi de Otávio Rocha e do presidente do Estado, Borges de Medeiros. Naquela época, o número de porto-alegrenses não ultrapassava os 200 mil.

O viaduto visto do lado sul l Foto: portoimagem.wordpress.com

O projeto é dos engenheiros Manoel Itaquy e Duílio Bernardi. Os elementos ornamentais foram criados pelo escultor Alfredo Adloff. A estrutura do Viaduto é de concreto armado, sendo que o vão central mede 19,20 m. “Por suas marcantes características arquitetônicas e urbanas, bem como pela sua relevância sócio-cultural, o Viaduto foi tombado como patrimônio de Porto Alegre em 1988”, afirma Flavia.

O ator Paulo José, que ajudou a criar o Teatro de Equipe e em 1961 trocou o Rio Grande do Sul pelos palcos paulistas, lembrou do Viaduto Otávio Rocha, no discurso feito em 1999, ao receber da Câmara Municipal o título de Cidadão Porto-Alegrense:

“A família vinha de Bagé, de carro, era noite, eu cochilava no banco traseiro. Acordei quando entrávamos na Avenida Borges de Medeiros, ao lado da Avenida Praia de Belas, e aí eu vi imponente, monumental, maior do que a Igreja Nossa Senhora Auxiliadora e a de São Sebastião juntas, mais alto do que a Ponte Seca, mais bonito do que a casa do meu avô, o Viaduto Otávio Rocha. Depois, pela vida afora, vi outros espaços monumentais impressionantes: a Piazza San Marco, Veneza, o Arco do Triunfo, o Coliseu de Roma, o Palácio de Westminster, mas nenhum deles me fez o coração disparar como aquela visão dos meus oito anos. O Viaduto Otávio Rocha foi o meu primeiro alumbramento.”

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Viaduto foi declarado patrimônio em 1988 |Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21

Lei do patrimônio

O presidente Getúlio Vargas e o ministro da Educação Gustavo Capanema assinaram em 25 de novembro de 1937 o Decreto Lei número 25, que organiza o patrimônio histórico nacional. A legislação define como patrimônio histórico e artístico nacional “o conjunto dos bens móveis e imóveis existentes no País e cuja conservação seja de interesse público, quer por sua vinculação a fatos memoráveis da história do Brasil, quer por seu excepcional valor arqueológico ou etnográfico, bibliográfico ou artístico”. Hoje, o tombamento de bens materiais imóveis (prédios) e móveis (mobiliário, obras de arte e elementos de uma construção como um lustre, por exemplo) e o registro de bens imateriais (festas, processos de criação, como o de rendas) ocorrem em quatro níveis: municipal, estadual, nacional e internacional, por meio da Unesco. Alguns bens têm sua importância reconhecida em todos ou quase todos os níveis. O Theatro São Pedro, de Porto Alegre, é um dos bens imóveis que estão tombados pela EPAHC – Equipe do Patrimônio Histórico e Cultural de Porto Alegre, IPHAE – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado do Rio Grande do Sul e IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21

Débora Magalhães da Costa, diretora da EPAHC, lembra que “muito antigamente só bens excepcionais, grandes monumentos, eram considerados patrimônio histórico”. Hoje, diz ela, são enquadrados nesta categoria “bens que fazem parte da vida de uma comunidade, que representam uma comunidade, uma etnia”. Para reforçar esta ideia, tanto Débora quanto Ana Beltrani, coordenadora técnica do IPHAN, citam o tombamento de 48 casas de madeira da cidade de Antônio Prado, na Serra Gaúcha, que contam a história da imigração italiana, feito pelo Estado e a União.

O bem tombado, ressalta Eduardo Hahn, diretor do IPHAE, não “pode ser destruído ou descaracterizado”. Isso não significa que não possa sofrer algumas intervenções, quando necessário, desde que aprovadas pelo órgão responsável pelo tombamento. Débora dá um exemplo: a Casa Torelly, reconhecida como patrimônio histórico pela Prefeitura, em 1987, hoje sede da Secretaria Municipal de Cultura, precisou passar por algumas adaptações para o seu uso atual. “Tombamento – ressalta Eduardo – não é desapropriação. É reconhecimento”.

Responsabilidades e vantagens

O proprietário particular de um bem tombado ou registrado é responsável pela sua conservação, manutenção e recuperação. O Estado, porém, é corresponsável. E, segundo a lei, se o proprietário não tem condições de cuidar do patrimônio, ele deve abrir um processo, provando a sua situação financeira. Neste caso, os cuidados ficarão a cargo do governo municipal, estadual ou nacional.

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21

No caso de ter um imóvel tombado pelo município de Porto Alegre, o proprietário pode escolher entre dois benefícios: solicitar o não pagamento do IPTU ou a transferência do índice potencial construtivo, o que lhe dá o direito de construir em outra parte da cidade o equivalente em metros quadrados que poderia ter construído no local tombado. Neste caso, o imóvel passa para a Prefeitura. Mas, como o município não tem interesse em ficar com os imóveis tombados, a Prefeitura retransmite o prédio para o proprietário por meio de um Termo de Cessão, afirma Débora.

Para as edificações privadas que estão na área de preservação do Programa Monumenta – em Porto Alegre, os arredores das praças da Alfândega e da Matriz — são oferecidos empréstimos a juros baixos para a conservação ou recuperação do local. Eduardo Hahn diz que no caso dos bens tombados pelo Estado, o que os proprietários podem ganhar é a isenção do IPTU, se a prefeitura do município concordar. É o caso dos proprietários das casas de Antônio Prado. O Estado também se propõe a investir por meio de renúncia fiscal, através da LIC – Lei de Incentivo à Cultura. Aí, é preciso ter paciência para fazer um projeto, apresentá-lo à Secretaria da Cultura e esperar pela aprovação.

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21

Fiscalização

Este é um ponto sensível nos órgãos de patrimônio histórico. Todos se queixam de falta de estrutura para fazer uma fiscalização correta. Falta pessoal, faltam recursos, falta transporte. “A fiscalização é feita dentro do possível”, afirma Eduardo. “A equipe do Patrimônio Histórico é muito reduzida”. Ana Beltrani reconhece que nem sempre conseguem fiscalizar os bens tombados no interior do Estado. “Muitas vezes, por falta de carro”, diz.

Apesar da Lei de 1937 prever sanções e multas em réis, a moeda da época, Eduardo declara que atualmente “não há legislação que imponha multa ao proprietário que não cuidar do bem tombado”. Pode ser aberto um processo administrativo e, depois de muito tempo, ele ser condenado a fazer obras. Se provar que não tem recursos para isso, o Estado terá de fazê-las.

Mais fotos atuais:

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21
Foto: Bernardo Jardim Ribeiro/Sul21

Fotos históricas:

 Otávio Rocha e Borges de Medeiros tomaram a decisão de abrir uma nova avenida l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
Otávio Rocha e Borges de Medeiros tomaram a decisão de abrir uma nova avenida l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
 Em 1928, começava a nascer o Viaduto da Borges l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
Em 1928, começava a nascer o Viaduto da Borges l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
 Construção foi prevista pelo Plano Diretor de 1914 l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
A construção foi prevista pelo Plano Diretor de 1914 l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
O escultor Alfredo Adloff criou os ornamentos l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
O escultor Alfredo Adloff criou os ornamentos l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
 Obra foi concluída em seis anos l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
Obra foi concluída em seis anos l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
 Quando da construção do Viaduto, a população de Porto Alegre era de aproximadamente 200 mil habitantes l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
Quando da construção do Viaduto, a população de Porto Alegre era de aproximadamente 200 mil habitantes l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
 Viaduto Otávio Rocha: ligação entre o Centro e a Zona Sul de Porto Alegre l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
Viaduto Otávio Rocha: ligação entre o Centro e a Zona Sul de Porto Alegre l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
Projeto do Viaduto é dos engenheiros Manoel Itaquy e Duílio Bernardi l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
Projeto do Viaduto é dos engenheiros Manoel Itaquy e Duílio Bernardi l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
As obras começaram durante o mandato do intendente Otávio Rocha l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
As obras começaram durante o mandato do intendente Otávio Rocha l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
Em 1932, a obra foi inaugurada l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo
Em 1932, a obra foi inaugurada l Foto: Fototeca Sioma Breitman, Museu de Porto Alegre Joaquim Felizardo

4 comments / Add your comment below

  1. Uma das minhas promessas de fim de ano foi a de não mais comentar em sites que não fosse o meu e em redes sociais. Abro uma exceção única aqui após ler seu facebook hoje. Você diz, sobre o Latuff (o cartunista que abortou sua genialidade presumida pelo politicamente correto):

    “pergunta em sua timeline: Para tudo e me responde: Para quê fazer desenhos de Maomé pelado, Maomé dando o rabo, a Virgem Maria chupando pau, Moisés masturbando um porco?”

    Faço essa exceção a uma intenção séria por que ESSA SEMPRE FOI A PERGUNTA QUE EU FIZ ao ver seus tantos e tantos post sobre virgem Maria e Jesus, sobre seios da Maria e caras de taras de Jesus, e papas e padres em atitudes arranjadamente suspeitas, e tantas e tantas ofensas ao cristianismo ao longo desses sete anos que frequento seu blog.

    Nota: eu não repudio em nada esses seus posts. Mas porque esse argumento contra um comentador em seu facebook, que revela uma completa e absoluta amnésia sobre si mesmo?

  2. E a última das últimas notas: tudo fica chato demais quando vai se comentar em seu blog e vê-se que tem que passar pelo crivo do que é ou não aceitável, na seletiva dos comentários.

    A partir de agora, definitivamente, mantenho minha promessa.

  3. Nubia e Milton, agradeço por terem lembrado desse espaço tão precioso da cidade. Só senti falta de um esclarecimento sobre a responsabilidade da prefeitura quando se fala na Lei do patrimônio, já que só se comentou a situação de um proprietário sem condições de preservar seu imóvel. Quando o patrimônio é público, tombado pelo Município, e este não tem condições de cuidá-lo, não deveria procurar as esferas estadual ou federal para isso?

    Atualmente mantenho nos altos da escadaria do Passeio Outono, ao lado de onde foi o Tutti, o pub temático “Armazém Porto Alegre” – cuja missão extrapola a sobrevivência/crescimento como negócio, buscando dar um exemplo do que pode ser feito no local, sempre muito visitado por turistas portoalegrenses, estrangeiros e de várias partes do Brasil.

    Faço parte do Movimento Amigos do Viaduto, atuando ativa e voluntariamente há 6 anos como publicitário nas ações que buscam o reconhecimento do espaço. Nas mais recentes colaborações, criei todo o material gráfico para divulgar o desfile de moda e demais atividades do aniversário de 82 anos do monumento, além das peças de comunicação para o 2º Seminário “Patrimônio Cultural e Políticas Públicas” realizado no Memorial do Ministério Público, onde foram discutidas durante uma semana possíveis soluções para o abandono dessa riqueza da cidade.

    Só quem vive ou trabalha por ali percebe o tamanho do encanto das pessoas pelo monumento, revelado diariamente por depoimentos de visitantes, fotografias, vídeos, filmes publicitários, books de moda, noivos ou debutantes. E para registrar e incentivar isso foi que, após morar por 8 anos em um apartamento ao lado das escadarias do viaduto e largar um emprego de 17 anos numa empresa privada, abri ali o meu negócio próprio.

    Então o viaduto se tornou parte de minha vida e de meus sonhos, que espero um dia realizar: ver esse rico espaço servindo à cidade, seus moradores e visitantes, como um complexo turístico-cultural equipado e reconhecido como tal. Coisa pra gente se orgulhar e um dia dizer para uma visita: “quer conhecer um local tri legal?”

Deixe uma resposta