E segue a agonia do torcedor colorado

Pois não é que ainda não estamos mortos? O site Infobola, do Prof. Tristão Garcia, mostra que o Inter tem 28% de chances de chegar ao G-4, o que nos daria a última vaga da Libertadores 2016. Os restantes 72%, é claro, ficam com o São Paulo. Só os dois lutam pela última vaga no Nirvana.

Na última rodada, o Inter joga contra o Cruzeiro no Beira-Rio, enquanto que o São Paulo vai até Goiânia pegar o desesperado Goiás, quase na segunda divisão. Pelo mesmo matemático, as chances do Goiás ser rebaixado são de 88%.

Então a coisa é simples. Basta ganhar do Cruzeiro e esperar por uma vitória do Goiás. Simples e quase impossível. A outra possibilidade é apenas matemática: um empate do São Paulo e uma vitória do Inter por 7 x 0, já que o saldo de gols vem antes do número de gols marcados nos critérios de desempate.

Ih, fudeu

Ih, fudeu

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Quando o Grêmio debutar em 2016, nossa criança terá 5 aninhos

A foto de Ricardo Duarte mostra o melhor do Inter -- Dourado e Vitinho. Já o resto...

A foto de Ricardo Duarte mostra o melhor do Inter: Dourado e Vitinho. Já o resto…

É uma pena que a longa agonia do Inter mascare sua absoluta ruindade neste péssimo ano. Se, nesta altura, estivéssemos sem chances de Libertadores no Brasileirão 2015, talvez a diretoria já trabalhasse planejando algo de mais consistente para o ano que vem. O jogo de ontem demonstrou como o se joga fora uma classificação. O Fluminense — com um time misto — pediu para ser derrotado. Viramos o primeiro tempo com vantagem de 1 x 0, jogamos todo o segundo contra 10 e… cedemos o empate. Demos um tal banho de bola no primeiro tempo, o jogo estava tão fácil que escolhemos relaxar no segundo.

2015 pode ser resumido assim: problemas com o preparo físico, com doping, contratação no meio do ano de um treinador inadequado, mais problemas físicos (agora com os velhos D`Alessandro, Alex, Juan, Réver e Anderson, que, aos 27, parece ter 40) e nada de títulos importantes. E assim vamos seguindo o Grêmio. Se eles completarão 15 anos sem eles e debutarão em 2016, nossa criança terá já 5 anos. Mas, incrivelmente, vamos para a última rodada ainda com chances, o que servirá para esconder o fracasso por mais uma semana..

A conclusão a que chego às vésperas da última rodada do campeonato não pode ser mais desalentadora para o futebol brasileiro. Dos 5 melhores classificados, 4 são péssimos, o que explica enorme a distância do Corinthians na primeira colocação. Os times atuais de Atlético-MG, Grêmio, São Paulo e Inter são piadas que deveriam estar na segunda metade da tabela se o Brasileiro tivesse um mínimo de qualidade. Mesmo sem grandes contratações, a base do Inter deveria garantir uma classificação, mas esta também não funciona direito e hoje toma goleadas do pessoal do uma e tá.

Reclamar de arbitragem? Dizer que o pênalti a favor do Flu foi mal marcado? Também acho, mas ora, colorados, deixem essas circunstanciazinhas de lado. Era um jogo fácil que se complicou por nossa incapacidade de manter uma mínima compostura em campo.

Nosso time resume-se aos chutes do emprestado e Vitinho e, olha, nem dá para ver corretamente o que mais serve com tanta desorganização em campo. Dourado e Alisson, certamente. O resto eu não sei.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque hoje é sábado, Audrey Tautou

Como é bom olhar para Audrey Tautou!

Após O fabuloso destino de Amélie Poulain, ela me sugere algo puro, engraçado e lúdico.

É uma bonequinha de menos de 1,60 m …

… que é fascinada pelos primatas. Tanto que, para fugir do assédio após Amélie…

audrey tautou 123

… fugiu para as florestas da Indonésia numa especie de exílio entre amigos.

Os franceses, com seu tradicional ufanismo, dizem que Audrey Tautou (diz-se Totu) …

audrey tautou 122

… é uma mistura de Audrey Hepburn e Leslie Caron.

Desta vez até estou de acordo.

Como quase todo mundo, eu a conheci como a Amélie que, vendo Paris do… Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque hoje é sábado, Paz Vega e Ana de la Reguera

Um post decididamente amalucado de 2009 cujas fotos recuperei

Paz e Ana, duas belas espanholas que me foram solicitadas sábado passado. Espanholas? Paz é espanhola; Ana, mexicana.

Ana de la Reguera

Os leitores gostam que o PHES tenha mais de uma homenageada. Então, acima, Ana de la Reguera; abaixo, Paz Vega.

Paz-Vega-by-Gianluca-Fontana

Ana de la Reguera é cheia de curvas.

Paz é mais contemporânea.

O blog tem lá suas preferências.

Mas não interessa. Se você pudesse escolher entre as duas, …

… qual escolheria?

Paz nasceu em Sevilha em 2 de janeiro de 1976, tem 39.

PAZ VEGA

Ana nasceu em Vera Cruz em 8 de abril de 1977, tem 38.

Paz Vega ficou famosa por Lucia y el sexo. Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Hoje, os 10 anos da patética Batalha dos Aflitos

Sou colorado, mas sei que neste 26 de novembro de 2015, comemora-se os 10 anos de um dos momentos mais sensacionais, nervosos e patéticos da história do futebol gaúcho. Revendo o jogo, acho que, antes de uma epopeia, foi um inconfundível jogo de Segunda Divisão em um estádio e com jogadores típicos da categoria. Não sei como o Grêmio chegou àquilo. Atualmente, é muito outro. Ver em ação Sandro Goiano, Nunes, Galatto, Escalona, Lipatin, Marcel, Domingos e outros menos votados é uma alegria indizível para qualquer colorado. E, bem, a verdade é que a grande vitória gremista passa muito mais pelo despreparo e ruindade do Náutico do que pela atuação do tricolor gaúcho.

O Grêmio precisava apenas do empate para voltar para a Série A, mas jogava muito mal no primeiro tempo. Lá pelo final desta etapa, Domingos cometeu um pênalti em Paulo Matos. O lateral Bruno Carvalho chutou no canto direito de Galatto, acertando o poste. Até hoje, o goleador Kuki recusa-se a falar no assunto, mas os jornais do dia seguinte disseram que o terceiro maior artilheiro da história do clube pernambucano amarelou e acabou não batendo o pênalti. Bateu o tal Bruno.

No segundo tempo, o time gaúcho voltou melhor. Aos 15 min, entrou o jovem Anderson, de 17 anos, que seria decisivo apenas no rumo da partida, pois o empate era suficiente. Aliás, não dá para explicar as escalações de Marcel e Ricardinho tendo Anderson no banco. Com o menino em campo, o Grêmio logo ganhou velocidade e contra-ataques, diminuindo um pouco a pressão do Náutico. Não obstante, o Náutico seguia perdendo gols, alguns com Kuki, que jogava bem.

Aos 30 min do segundo tempo, Escalona, o lastimável lateral esquerdo do Grêmio, tomou cartão vermelho e, logo depois, houve um pênalti não marcado contra o Grêmio, como pode ser visto aos 14`27 do vídeo abaixo. Para compensar, o árbitro Djalma Beltrami, logo depois, marcou outro numa bola que bateu no cotovelo de Nunes. Hoje, aquilo é pênalti; na época não seria, pois o toque não fora intencional. Os jogadores e a comissão técnica do Grêmio indignou-se e começou uma confusão varzeana. Parecia o campo de futebol do Parque Saint-Hilaire. E é disso que o Grêmio se ufana nesta data. Todo mundo entrou em campo. Patrício, Nunes e Domingos foram expulsos e Odone ameaçou ir embora várias vezes. Estávamos na Segunda Divisão, não esqueçam.

Após 25 minutos de chinelagem, a torcida pedia Kuki, mas ele — ou o técnico, que diz que o artilheiro estava com as pernas pesadas — deixou a tarefa para o lateral-esquerdo Ademar. A cobrança foi no meio do gol e Galatto, que caía para o lado esquerdo, defendeu com a perna.

O Grêmio comemora e Kuki, deitado, desespera-se | Foto: gremio.net

Ademar (6) erra, o Grêmio comemora e Kuki (deitado) desespera-se | Foto: gremio.net

Na continuação do lance, o zagueiro Batata, do Náutico, cometeu falta violenta em Anderson e recebeu cartão vermelho. Na cobrança, Anderson aproveitou a perturbação do Náutico e fez o gol da vitória, que valeu também o título da Série B. Entre o erro de Ademar e o gol de Anderson, passaram-se 71 segundos. O conto diz que foram decisivos, mas repito: o empate bastava.

No momento do gol, eram 10 jogadores do Náutico contra 7 do Grêmio.

Tive a sorte de não ver tudo isso ao vivo. Estava viajando. Lembro apenas que calculei o horário do final da partida e entrei numa lan house romana, louco para confirmar que o Grêmio ficara pelo segundo ano consecutivo na Segundona. Mas o site do Terra estava estranho: dizia que eram 57 minutos do segundo tempo e estava 0 x 0. Devia estar errado. Um bug, com certeza. Fui fazer outra coisa. Quando retornei a Porto Alegre, tudo já era uma grande lenda.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Um leigo lendo sobre assédio moral

Por pura curiosidade (ou necessidade interna), eu, que gosto de ler só ficção ou ensaios sobre ficção, comecei a ler livros e publicações sobre dois outros assuntos: psicopatia e assédio moral. Procurei tanto livros quanto publicações esparsas na internet. Bem, psicopatia é uma coisa e assédio moral é outra. As duas coisas normalmente não estão misturadas e não sou vítima em nenhum dos casos, apenas observo coisas. É claro que eu li textos para não especialistas, mas escritos por gente que trabalha com isso. A coisa virou mania e eu pensava a cada manhã: hoje é assédio ou psicopatia?

Hoje vou de assédio.

Assedio Moral

A discussão sobre assédio moral está chegando com força no âmbito do serviço público e há de se espraiar. O assédio moral é uma coisa que se naturaliza e permanece. É uma forma de violência continuada que consiste na exposição da pessoa a situações constrangedoras e humilhantes, praticadas por uma ou mais pessoas. O comportamento do assediador tem o objetivo de deixar rente ao chão a auto-estima da vítima. Pouco ou nada do que ela faz presta. Ela é ridicularizada, inferiorizada, culpabilizada, amedrontada, punida, ofendida ou desestabilizada emocionalmente. Sua saúde física e psicológica é colocada em risco, além de ver afetado, é claro, seu desempenho. Por iniciativa do chefe ou de um grupo, normalmente o ambiente se torna um “todos contra um” e o empregador ou seu representante costuma reforçar a pressão com uma bela lógica: Veja bem, se todos estão contra ti, quem está errado?

Obviamente, a vítima fica na dúvida se o problema não será ela. Será que eu atraio este tipo de coisa? Ou será que tudo não é paranoia minha e o que está acontecendo é normal?

O assédio por parte da chefia pode assumir a forma de gritos e humilhações públicas, enquanto que o do grupo aposta mais na propagação de boatos, isolamento, recusa de comunicações, fofocas e exclusão social. O processo é repetitivo e prolongado, minando resistências.

O objetivo é o de pressionar tanto que o assediado acaba por pedir demissão. Muitas vezes o coitado acaba por ser transferido. Porém, no serviço público, do qual não vai se demitir por ter estabilidade e uma melhor aposentadoria, a vítima costuma cair na passividade, ilhada em condições de humilhação e constrangimento. E sofre psicologicamente, muitas vezes deprimindo-se e adoecendo. Então, seus atestados médicos geram desconfiança e… maior assédio.

Às vezes, a própria organização incentiva ou tolera tais ocorrências por achar que vão aumentar a competitividade e produtividade, sendo sinal do tesão do grupo. Em organizações mais avançadas, são motivo de demissão por justa causa.

O assédio nem sempre é intencional. As práticas podem ocorrem com os agressores ignorando que os abusos são uma forma de violência psicológica. Isso não retira a gravidade do assédio moral e dos danos causados às pessoas, que devem procurar ajuda psicológica e/ou jurídica para fazer cessar o problema.

As vítimas de assédio moral não são necessariamente pessoas frágeis ou que apresentem qualquer transtorno. Muitas vezes elas têm características percebidas pelo agressor como ameaçadoras. Uma melhor formação causa inveja. A capacidade crítica também é ameaça — caso tipico: suas sugestões para melhorias no trabalho são primeiro rejeitadas como piadas e depois adotadas como ideias de outrem ou do grupo. As mulheres mais criativas estão dentre os alvos preferidos. Se forem negras ou estrangeiras, pior. Claro, as vítimas habitualmente são de grupos já discriminados na rua: mulheres, homossexuais, pessoas com deficiências, idosos, minorias étnicas.

Mas, como desgraça pouca é bobagem, criatividade e informação costumam estar presentes no perfil da pessoa que reage ao autoritarismo. E o grupo costuma tratar disso.

assedio moral pesadelo

Abaixo, deixo pra vocês a definição de assédio moral retirada de uma cartilha preparada pela ANDES/UFRGS. “Segundo constatação dos estudiosos do tema, há um perfil das vítimas muito marcante: são pessoas que resistem às investidas dos chefes, trabalham mesmo doentes, são capazes e criativas, e em sua maioria mulheres”:

“Caracteriza-se pela degradação deliberada das condições de trabalho em que prevalecem atitudes e condutas negativas dos chefes em relação a seus subordinados, constituindo uma experiência subjetiva que acarreta prejuízos práticos e emocionais para o trabalhador e a organização. A vítima escolhida é isolada do grupo sem explicações, passando a ser hostilizada, ridicularizada, inferiorizada, culpabilizada e desacreditada diante dos pares. Estes, por medo do desemprego e a vergonha de serem também humilhados associado ao estímulo constante à competitividade, rompem os laços afetivos com a vítima e, frequentemente, reproduzem e reatualizam ações e atos do agressor no ambiente de trabalho, instaurando o ‘pacto da tolerância e do silêncio’ no coletivo, enquanto a vítima vai gradativamente se desestabilizando e fragilizando, ‘perdendo’ sua autoestima”.

O documentário abaixo, A dor (in)visível – Assédio Moral no Trabalho, é uma produção do Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS) – Procuradoria do Trabalho no Município (PTM) de Caxias do Sul; do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) – Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE) em Caxias do Sul; e do Governo Federal.

E é muito ilustrativo.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Breve comentário sobre o Gre-Nal de ontem (com os melhores lances)

Anderson e Ramiro: o Grêmio correu atrás, sem alcançar | Foto: Ricardo Duarte

Anderson e Ramiro: o Grêmio correu atrás, sem alcançar | Foto: Ricardo Duarte

Houve um lance que resumiu perfeitamente o Gre-Nal de ontem. Estávamos no primeiro tempo e o bom Artur foi bater um lateral ao lado da área gremista. De forma incompreensível, ele mandou a bola próximo à linha de fundo, bem onde estavam Galhardo e Geromel. Encantados, vendo o presente viajar pelo alto, os dois se confundiram e cederam o escanteio.

A vitória colorada foi normal, tivemos maior volume de jogo, mais chances de gol — veja os melhores lances abaixo — e mais interesse na partida. Iniciamos o jogo com o time bem posicionado e até atuando bem. As ausências de Juan e Réver obrigaram Argel a realizar uma coisa que ele evitava fazer: colocar um lateral esquerdo na lateral esquerda. Com Ernando no meio, a zaga melhorou; com Artur na lateral tivemos boa marcação — Luan e Giuliano foram anulados — e algum apoio no ataque.

Ainda acho que Dourado — o melhor em campo — deve jogar mais atrás, apesar da boa atuação jogada que ele criou para o gol de Vitinho. Sobre outros jogadores, diria que D`Alessandro cansou muito cedo, que Lisandro foi incansável na marcação aos zagueiros do Grêmio e que, bem, prefiro ver nosso centroavante jogando com a bola nos pés, coisa que Lisandro parece evitar. De resto, Vitinho é um doido que faz jogadas que ninguém entende para depois marcar gol e William é um sequelado sem remédio.

Argel colocou o time certinho em campo, mas, logo após o gol de Vitinho, fez a bobagem de sempre. Anderson — outro que jogou muito bem — pediu para sair e, em vez de colocar Alisson Farias em campo, Argel colocou o volante Bertotto. Tal opção foi o convite para o Grêmio vir ao nosso campo. Este foi um erro tático que poderia ter-nos custado a vitória. Só que o Grêmio… Como é que estão em terceiro lugar no campeonato?

O site de estatísticas Infobola nos dá 33% de chances de ir à Libertadores. O percentaul só cresce, ms acho que ficaremos só com o Gaúcho, vendo o Grêmio ser eliminado rapidamente no torneio continental.

P.S. — Como é que Grohe, um goleiro de seleção, não sabe jogar com os pés? Todas as bolas recuadas para ele, mesmo as mais simples, acabaram como lateral para o Inter.

P.P.S. — Segundo Alexandre Perin: dos últimos quinze gre-nais, o Inter perdeu dois. Nenhum no Beira Rio. Sete vitórias do Inter, seis empates, duas vitórias do Grêmio.

P.P.P.S. — Com o Gre-Nal de ontem, ficamos assim:

408 clássicos
154 vitórias do Inter
127 vitórias do Grêmio
127 empates

Dá-lhe empates!

P.P.P.P.S. —

Fonte: grenais.com.br

Fonte: grenais.com.br

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque hoje é sábado, Michelle Phillips

Texto de Luiz Biajoni (reproduzido sem autorização, claro)

Michelle_Phillips_1967

MICHELLE PHILLIPS. Conhecem? Ela cantou no THE MAMAS AND PAPAS

The-Mamas-And-The-Papas

e depois foi backing vocal de LEONARD COHEN.

Michelle_Phillips_03

(Sim, sei que a foto acima não tem Cohen, mas a grande Janis Joplin)

Michelle_Phillips_02

Fez filmes para a TV e cinema. Foi casada com JOHN PHILLIPS, do MAMAS,

Michelle_Phillips_05

e viveu um affair com DENNIS DOHERTY, também do grupo.

Michelle_Phillips_06

Acabou expulsa do MAMAS por viver um caso com GENE CLARK, do BYRDS.

Michelle_Phillips_07

Aí casou com DENNIS HOPPER – mas largou-o uns oito dias depois para viver com seu melhor amigo, JACK NICHOLSON.

Michelle_Phillips_08

Aí largou NICHOLSON uns dois anos depois para ir morar com o melhor amigo dele

Michelle_Phillips_09

(e vizinho),

Michelle_Phillips_10

WARREN BEATTY.

Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque hoje é sábado, alguns gostam de poesia

Scarlett-Johansson

~ Alguns gostam de poesia ~

Rachel Weisz

Os meus ouvidos escutam cada vez menos as conversas, os meus
[olhos enfraquecem, continuando porém insaciados.

penelope-cruz

Vejo as pernas delas de mini-saia, de calças,
[ou de tecidos vaporosos,

Paz de la Huerta

Espreito cada uma, os seus rabos e coxas, pensativo,
[embalado por sonhos porno.

Nicole Andrea

Ó lascivo velho jarreta, estás com os pés para a cova
[e não para os jogos e brincadeiras da juventude.

Marine Vacth

Mas não é verdade, faço apenas aquilo que sempre fiz,
[compondo as cenas desta terra, movido pela
[imaginação erótica.

kate upton

Não desejo justamente estas criaturas, desejo tudo,
e elas são como um sinal de convívio extático.

Georgia Salpa

Não tenho culpa de sermos feitos assim, metade de
[contemplação

Edita Vilkeviciute

desinteressada e metade de apetite.

Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Polícia indonésia queima 3,3 toneladas de maconha e enfumaça toda uma cidade

Fontes: aqui e aqui..

maconha indonésia

A polícia de Palmerah, um distrito de Jacarta, queria marcar a ocasião. E o mínimo que podemos dizer é que ela conseguiu.

Após a destruição de mais de três toneladas de resina de cannabis, toda a cidade ficou enfumaçada.

Moradores relataram que sentiram tonturas, dores de cabeça e ficaram fora de seu estado normal quando a fumaça invadiu as ruas.

As forças de segurança usavam máscaras, mas aparentemente não considerou oportuno fazer o mesmo com a população.

O material foi avaliado em 1 milhão de dólares.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Argel Fucks e o legado de Muhamad Said al-Sahaf

O Inter joga um bolão, declarou Muhamad Said al-Sahaf

O Inter joga um bolão, declarou Muhamad Said al-Sahaf

Por Marco Weissheimer (em RS Urgente intervenção no futebol)

As entrevistas do treinador do Internacional, Argel Fucks, vêm impactando a comunidade futebolística gaúcha, em especial a colorada, pela insólita leitura que o comandante faz dos jogos. O insólito consiste em relatar um jogo que só ele parece ter visto. Na verdade, a estratégia midiática de Argel tem precedentes históricos. Ela remete às antológicas entrevistas de Muhamad Said al-Sahaf, ministro de Informação iraquiano, durante o governo de Saddam Hussein, que espantava o mundo com seus briefings diários à imprensa, totalmente desconectados da realidade. Said al-Sahaf elevou esse estilo de entrevistas à categoria de arte. Entre outras coisas, ele chegou a desmentir que as tropas norte-americanas tivessem entrado em Bagdá, enquanto os tanques do Tio Sam passavam atrás do prédio onde ele dava sua coletiva.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, presidente Piffero (com os melhores lances do fiasco de ontem)

D`Alessandro queria ser expulso, mas vai ter que jogar o Gre-Nal | Foto: Ricardo Duarte

D`Alessandro queria ser expulso, mas vai ter que jogar o Gre-Nal | Foto: Ricardo Duarte

Presidente, Argel é o treinador do Vamo lá, moçada! Os jogadores correm, se matam, mas sem a mínima organização. Se o adversário tiver 2g de cérebro verá que nossa correria não leva a nada. E o pior é que, quando o time é permanece 10 dias apenas treinando, volta jogando menos, prova de que os treinamentos de Argel são tão úteis quanto eu me preparar para as Olimpíadas agora, com 58 anos, disputando uma vaga no time de basquete, com meus 1,70m.

Um amigo ontem me ligou assustado dizendo para eu ligar o rádio porque o Argel estava surtando nos microfones. Naquela loucura mansa de quem está num nirvana particular, Argel disse que tivemos 55% de posse de bola, quatro chances de gol (?), 290 passes certos e o controle do jogo (?). Completou, para meu pasmo, lembrando que Abel tomara 5 da Chapecoense no ano passado, que dava gosto ver D`Alessandro e Anderson correrem e que nada estava perdido. Ou seja, ele vive numa realidade paralela.

Eu… comecei a rir.

É com esse espírito que devemos encarar o Gre-Nal. Não adianta entrar em brigas nem levar a sério o time de Argel, | Foto: Ricardo Duarte

É com esse espírito que devemos encarar o Gre-Nal. Não adianta entrar em brigas nem levar a sério o time de Argel. | Foto: Ricardo Duarte

No segundo tempo, D`Alessandro, impotente, estava louco para ser expulso como já acontecera com Juan. Olha, na posição dele, eu também estaria atrás de um cartão vermelho. Com sua biografia, para que jogar um Gre-Nal sem chances?

Os erros de Argel começaram no vestiário com a inclusão de Lisandro López na posição de Valdívia. Lisandro é a maior decepção de 2015. O lugar de Valdívia deveria ser ocupado por um jogador da função: Alisson Farias, é óbvio. Mas teu técnico escolheu inventar, Piffero. E não foi só isso: como disse meu amigo Marcelo Furlan, Argel queimou duas substituições para fazer uma. Muito mais simples seria colocar Arthur no lugar do Lisandro Lopes após a expulsão de Juan. E por que deslocar Rodrigo Dourado para colocar a ruindade do Nico Freitas que será dispensado? Aliás, para que colocar um jogador que SABE que será dispensado (Nico) e outro que DESEJA sair (Lisandro)? Qual é a motivação desses caras? E qual é a motivação de Alisson Farias e de Bertotto, os dois jovens ex-juniores que ficaram no banco vendo esses desmotivados jogarem?

Nosso time é motivo de chacota e com toda a razão. O twitter oficial da Chapecoense saiu-se com essa:

– A Chape sempre trata bem seus adversários. D’Alessandro ganhou cartão, chapéu e caneta.

E foi a pura verdade. Mas Dale não ganhou o desejado segundo cartão, aquele que o livraria do fiasco de domingo.

Espero que o Grêmio acabe com a longa agonia de 2015. Mas sem goleada, por favor.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Uma arma letal de instrução maciça: artista cria um tanque que oferece livros gratuitos

Raul Lemesoff, um artista de Buenos Aires, criou um tanque de guerra cuja função é o de ser uma Arma de instrução maciça. Com ela, Lemesoff combater a ignorância.

Lemesoff converteu um Ford Falcon 1979 em um tanque com torre giratória e espaço para armazenar cerca de 900 livros — dentro e fora do veículo.

Um vídeo realizado sobre o projeto mostra o artista dirigindo pelas ruas de Buenos Aires, entregando livros. Sua única exigência é a de que eles prometam ler o que ganharam. E ele diz: “Minhas missões são muito perigosas. Eu ataco as pessoas”.

Lemesoff09

Lemesoff08

Lemesoff07

Lemesoff06

Lemesoff05

Lemesoff04

Lemesoff03

Lemesoff02

Lemesoff01

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O emprego de Bach está vago. Quem se habilita?

Começaram as audições para o cargo de kantor na Igreja de St Thomas, em Leipzig, onde, inclusive, estão os restos mortais de Bach. São quatro finalistas de um grupo inicial de 41 candidatos.

Os candidatos são Markus Teutschbein, 44 anos, que atualmente rege em Basileia, Suíça; Clemens Flämig, 39, que dirige o coro da cidade na cidade de Halle, perto de Leipzig; Markus Johannes Langer, 44 anos, regente na cidade alemã de Rostock e Matthias Jung, 51, que manda na Dresden Choir Boys.

Cada um tem uma semana para convencer a banca sobre suas qualidades.

“É uma imensa pressão”, admitiu Stefan Altner, membro do comitê decisório. “Se nós não encontrarmos o candidato certo entre os finalistas, começaremos tudo de novo.”

Não é como contratar um técnico de futebol qualquer.

800px-Leipzig_Thomaskirche

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Barthes

Assino embaixo e por todos os lados o texto de Francisco José Viegas:

Assinalou-se na semana passada, quinta-feira, 12, o centenário de Roland Barthes (1915-1980). Obras decisivas como O Grau Zero da Escrita (1953), Elementos de Semiologia (1965), O Prazer do Texto (1973), Fragmentos de um Discurso Amoroso (1977) e o inevitável Mitologias (1957), uma bíblia ilustrada, todos publicados pelas Edições 70, fizeram de Barthes um nome incontornável nos «estudos literários» dos anos setenta e oitenta, ao lado do dos papas do estruturalismo – onde ocupava um dos principais altares, encaminhando-se para transformar os «estudos literários» em «estudos culturais», um caldeirão preparado para facilitar a vida a pregadores com doutoramento e despensa. No mandarinato intelectual da época, o seu trabalho não era o mais ortodoxo. Tinha a seu favor a paixão pela literatura; foi em seu nome que declarou a «morte do autor», que seria um apêndice (menor) da obra; quase nada dele interessaria, justamente na medida em que os meios de comunicação privilegiam o autor (que é uma estrela) em detrimento da obra (que não leram). Fica dele a imagem de uma grande paixão pela literatura (escrevia magnificamente), independente das ortodoxias e inutilidades que a sua obra gerou.

Writer Roland Barthes

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O time das 11 melhores comédias, uma antologia pessoal

Para deixar nossos dias mais leves.

1. Monty Python em Busca do Cálice Sagrado
(Monty Python and the Holy Grail,
roteiro de Graham Chapman, John Cleese, T. Gilliam, Eric Idle, T. Jones e Michael Palin,
direção de Terry Jones e Terry Gilliam,
1975)

ads_mp6

2. Quanto Mais Quente Melhor
(Some Like It Hot,
roteiro de Billy Wilder e I.A.L. Diamond,
direção de Billy Wilder,
1959)

Some-Like-It-Hot-DI

3. Meu Tio
(Mon Oncle,
roteiro e direção de Jacques Tati,
1958)

mon oncle

4. Noivo Neurótico, Noiva Nervosa
(Annie Hall,
roteiro de Woody Allen e Marshall Brickman,
direção de Woody Allen,
1977)

annie hall

5. O Jovem Frankenstein
(Young Frankenstein,
roteiro de Gene Wilder e Mel Brooks,
direção de Brooks,
1974)

large young frankenstein blu-ray3

6. A Vida de Brian
(Monty Python’s Life of Brian,
roteiro de Graham Chapman, J. Cleese, Terry Gilliam, Eric Idle, T. Jones e Michael Palin,
direção de Terry Jones,
1979)

monty-python-s-life-of-brian-original-4

7. Um Peixe Chamado Wanda
(A Fish Called Wanda,
roteiro de John Cleese,
direção de Charles Crichton,
1988)

wanda

8. M*A*S*H
(M*A*S*H,
roteiro de Richard Hooker e Ring Lardner Jr.,
direção de Robert Altman,
1970)

big__Mash-Review04

9. Cliente Morto Não Paga
(Dead Men Don’t Wear Plaid,
roteiro de Steve Martin, Carl Reiner e George W. Gipe,
direção de Carl Reiner,
1982)

cliente morto não paga

10. Feitiço do Tempo
(Groundhog Day,
roteiro de Danny Rubin and Harold Ramis,
direção de Ramis,
1993)

Groundhog Day

11. Dr. Fantástico 
(Dr. Strangelove or: How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb,
roteiro de Stanley Kubrick, Terry Southern e Peter George,
direção de Kubick,
1964)

Dr. Strangelove or How I Learned to Stop Worrying and Love the Bomb

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ontem, quando fui pagar o salário do Valdívia…

Valdívia… a moça do caixa olhou para o boleto, levantou os olhos e disse:

— Carteirinha vermelha do Inter, um privilégio.

Confirmei as duas afirmativas e ela seguiu:

— Viu o que aconteceu com o valdívia? Seis meses fora, ruptura dos ligamentos do joelho.

— O quê? Não sabia.

— Sim, foi para uma dessas seleções da CBF corrupta e voltou desse estourado.

Feito o pagamento, ela me entregou os comprovantes e declarou:

— O ano realmente acabou. Só nos resta fazer boa figura no Gre-Nal e tentar voltar melhor em 2016.

— É verdade. Boa tarde.

Valdívia se machucou defendendo a Seleção Olímpica Brasileira. Um norte-americano caiu sobre ele numa jogada. Faz anos que estou me lixando para esta Seleção e para a titular também. Como a CBF amenizará o desfalque técnico e financeiro do clube? Simplesmente não fará nada, vai ficar apenas torcendo para que Valdívia esteja recuperado para as Olimpíadas de 2016, em agosto. O Inter e Valdívia trabalharão para ela, que não paga nada ao clube.

Argel perde simplesmente o artilheiro colorado da temporada, com 19 gols. Antes, já perdera, Sasha, que vai para a terceira cirurgia no tornozelo menos de um ano, e o péssimo Rafael Moura. Na metade do ano, vendemos Nilmar pela terceira vez. E Lisandro López vais para o Racing em 2016. Como Vitinho, depende da renovação do empréstimo junto ao CSKA de Moscou, podemos dizer que não temos ataque. Espero que Piffero saiba fazer a mágica de remontá-lo. Nós, sócios, fazemos nosso papel pagando em dia.

Quando Valdívia voltar, espero que Marco Polo Del Nero não seja mais o presidente da CBF. Estamos pelo FBI. Claro que isto não vai melhorar a entidade nem o joelho de nosso jovem jogador de 21 anos, mas é bom ver esses caras caírem.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

A crise da Síria bem contada em 10 minutos e 15 mapas

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Hora de se informar mais e escrever menos

A tolice das redes sociais neste fim de semana foi tamanha que desisti de ler as postagens. Era gente reclamando da bandeira da França nas fotos de perfil, era gente reclamando de que a lama de Mariana tinha virado nota de rodapé — bem, com nossa imprensa e políticos, o que esperavam? –, era gente que chegava ao ponto de comparar o incêndio na boate Kiss com o massacre do Bataclan.

Pessoalmente, minha solidariedade pessoal vai para Paris, Minas Gerais, África, Japão, Oriente Médio e para as periferias brasileiras. O que houve em Mariana e em Paris têm nome: são ambos crimes e espero que sejam punidos rigorosamente. Essa comparação de tragédias, misturadas com nacionalismo, é muito pouco humanista.

Nestes momentos, o melhor a fazer é ficar quieto e tentar não ler a montanha de gente que resolve dar sua contribuição após passar dias e dias ignorando o que acontece no mundo. Pois é muito irritante ler as “soluções” propostas.

Montagem do site Mural do Coach

Montagem do site Mural do Coach

A questão de Mariana é gravíssima. Trata-se de um crime ecológico de enormes proporções e de longa duração. A destruição de fauna, flora e solo ao longo da bacia do Rio Doce é algo gigantesco e de consequências incalculáveis. O desastre remete à velha exploração indiscriminada de nossos recursos naturais, com altos custos ambientais e com os principais ganhos indo para o exterior. Mas o governador de Minas deu coletiva em plena sede da empresa causadora da lama… Enquanto isso, a empresa inventava um “abalo sísmico”, mas ele garantiu que esta realizava todos os esforços para minorar o problema.

Se as responsabilidades forem abrandadas e se o descaso reinar, nosso país estará entregue a própria sorte. Uma das analogias para o caso de Mariana é a de dizer que trata-se de um tumor primário do qual começam a se desprenderem células cancerígenas para a corrente sanguínea. O que fazer? Não sei.

Já Paris é o câncer em âmbito mundial. Para o Brasil, Mariana é muito mais importante. Para o mundo, bem, o Estado Islâmico considera-se o agente do Apocalipse, tá bom?

Nestes momentos, todos esquecem que o Ocidente optou por investir no fundamentalismo islâmico, escolhendo-o como “solução” ao nacionalismo árabe. Depois, quando estes grupos passaram a criar problemas, passaram a invadir e bombardear as regiões dominadas por estes grupos. (Quem lucra sempre? Ora, os fabricantes de armas!) Só que esta reação gerou tal ódio que começaram os atentados no Ocidente. Então, pensa o Ocidente, vamos atacá-los ainda mais. E nós, decidem os fundamentalistas, cometeremos ainda mais atentados. Ou seja, é uma questão complexa, não é discussão para ignorantes como eu. É o momento de ler quem entenda do assunto e seja minimamente honesto.

O autoproclamado Estado Islâmico não é um simples grupo de psicopatas. É um grupo religioso com crenças que acho perfeitamente imbecis, mas que são cuidadosamente pensadas, entre elas a de que o grupo será o agente do apocalipse que se aproxima. Querem saber mais? Comecem por aqui. Sim, é complicado.

O ISIS é diferente dos grupos anteriores. Não estamos mais no campo do bando de xaropes que vende religião, nem no do grupo dos que quer matar os infiéis. Eles são um grupo que se visa acabar com tudo, inclusive e principalmente com a história. E… São 30 mil caras que controlam um território maior que o da Inglaterra e que têm dinheiro para recrutar pessoas. E… É dinheiro ocidental. Afinal, nações aliadas aos Estados Unidos estavam financiando os rebeldes sírios que lutavam contra a ditadura de Bashar Al Assad. O que fazer? Não sei.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!