Bom dia, Argel Fucks (com os gols da façanha de ontem)

Por isso que a gente está aqui, se a gente não estivesse aqui não teria porque estar aqui.
A verdade de hoje é mentira de amanhã e a mentira de hoje é a verdade de amanhã.
ARGEL FUCKS, após o empate contra o Aimoré, ontem à tarde

Estas palavras não são apenas do técnico do Internacional, estas palavras representam o time, a tática, a estratégia e o engano do Internacional. Estamos perdendo preciosas semanas de treinamento com um técnico sem condições de levar adiante um time de primeira ou de segunda linha. Não sei o que a diretoria faz ou pensa. Ontem, Argel mudou o time em seis posições. A finalidade eram “testes”: Então, ele trocou os dois laterais, colocando Paulo César e Gefferson, os dois volantes — entraram Jair e Fabinho –, mais o zagueiro Alan Costa e o centroavante Aylon. Destes, o único que não jogou vergonhosamente foi o último.

Aylon: uma fraca chama de esperança
Aylon: uma fraca chama de esperança | Foto: Ricardo Duarte

Eu quero dizer que estou apavorado com Argel. Aliás, já disse isso nas rodadas finais do Brasileiro do ano passado. Lembram que eu o “demiti”? Não adiantará reforçar o time se o arcabouço preparado para os novos jogadores estiver podre.

Bem, o jogo de ontem. O Aimoré faz parte do quarteto favorito para o rebaixamento juntamente com Passo Fundo, Cruzeiro e Veranópolis. Eles disputarão as três vagas. É um time fraco, mas jogou mais do que o Inter. Teve mais chances e, se não fosse Allison, teria virado o jogo. Paulo Cesar Magalhães, Alan Costa, Réver e Anderson são confirmações e deveriam receber imediatamente suas passagens para a Sibéria. Suas baixíssimas qualidades aparecem muito dentro de um time onde quem joga melhor apenas não compromete. Tal a bagunça organizada por Argel.

Que venha 2017!

https://youtu.be/KYXJgvwvMUI

1 comment / Add your comment below

  1. Milton: pior que o nosso time é o nosso treinador. Pode ser preconceito, mas a sua postura física à beira do campo só não é pior que o seu discurso . Fico com vergonha de, como colorado, ouvir suas explicações, antes e depois do jogo. Com um técnico deste tipo, acho injusto criticar os jogadores. E os diretores, vão morrer abraçados com o Argel?

Deixe uma resposta para Marino Boeira Cancelar resposta