As três palavras mais estranhas

As três palavras mais estranhas

De Wislawa Szymborska*

Quando pronuncio a palavra Futuro,
a primeira sílaba já se perde no passado.

Quando pronuncio a palavra Silêncio,
suprimo-o.

Quando pronuncio a palavra Nada,
crio algo que não cabe em nenhum não ser.

Wislawa Szymborska

Wislawa Szymborska, Poemas. Trad. Regina Przybycien.
Cia. das Letras, 2011, p.107.

via Adalberto de Queiroz

Nossa ida ao Cine Gourmet do Hotel Casa da Montanha de Gramado

Nossa ida ao Cine Gourmet do Hotel Casa da Montanha de Gramado

Chegamos ao Hotel Casa da Montanha no final da tarde de sexta-feira para participar de uma sessão do Cine Gourmet. A semana de trabalho fora complicada e era nossa primeira vez — minha e da Elena — neste evento que dura todo o fim de semana. O Casa da Montanha é sensacional e fomos recebidos com extrema gentileza pelos atendentes que fizeram o check-in. E olha, só de pisar no hotel, já deu vontade de ficar por lá. É tudo muito aconchegante e agradável. Quando chegamos ao nosso quarto, havia referências de muito bom gosto ao evento do qual iríamos participar.

Foto: Milton Ribeiro
Foto: Milton Ribeiro

Sobre a mesa estava um vinho de boas-vindas, além de toda a programação relativa ao Cine Gourmet, onde seria apresentado Volver, de Pedro Almodóvar. Todo o material recebido dizia da obra e tinha o colorido do cineasta espanhol. A agenda previa que na noite de sexta-feira seriam servidos queijos e vinhos para receber os participantes do evento. O filme seria passado na noite de sábado e os dias de sábado e domingo eram para aproveitar o hotel e a cidade.

Após chegarmos, passaram-se alguns minutos e bateram em nossa porta para nos oferecer uma comidinha rápida, desejar-nos uma boa estadia e perguntar se estávamos satisfeitos com a acolhida e o quarto. É claro que estávamos, muito. O prato que nos entregaram era  bem interessante para quem recém chegara de viagem.

Foto: Milton Ribeiro
Foto: Milton Ribeiro

Então descemos para uma voltinha rápida pela cidade. Na verdade, precisávamos de muito mais comida, pois não tínhamos almoçado em Porto Alegre. A temperatura estava na casa dos 5ºC, caindo. Apesar da excelente impressão inicial, nossa ignorância sobre o hotel ainda era quase total. E, imaginem, poderíamos ter jantado no La Cacería, localizado no próprio Casa e especializado em receitas de caças — “Cacería” significa “Caçada” em espanhol –,  além de risotos, massas e saladas. Só que a gente não lê manual nem folder e acabamos numa jantinha mais ou menos.

DSC03096No retorno, mais uma surpresa. Sobre a cama havia dois chocolates — excelentes, garanto-lhes — e informações sobre a previsão do tempo do dia seguinte. Seria um dia nublado, como indicava a marcação, e a temperatura estaria entre os 6 e 16°C.  Começamos a nos acostumar com a coisa: vocês conhecem a facilidade com que o ser humano se acostuma ao bom tratamento.

Foto: Milton Ribeiro
Foto: Milton Ribeiro

Depois fomos ao tal queijos e vinhos do hotel, onde conhecemos boa parte do pessoal que estaria na sessão do dia seguinte. Novamente, tudo perfeito. Havia vinhos perigosamente leves e outros encorpados que enfrentavam com galhardia os maravilhosos queijos.

Como disse, o dia de sábado, antes da sessão de cinema, era livre para flanar pela cidade e fizemos uma boa divisão entre o hotel e as ruas.

Foto: Elena Romanov
Foto: Elena Romanov

É óbvio que o conforto do Casa da Montanha se impôs e acabamos permanecendo mais nele do que fazendo turismo. Poderíamos ter ficado na piscina, mas esses animais viciados em leituras têm outros hábitos como os mostrados acima e abaixo. Então, dei o pontapé inicial na leitura de O Adolescente de Dostoiévski.

Há vários espaços no hotel destinados a quem quer ver TV, tomar chá, conversar, ler, exercitar-se, nadar, o diabo. Mas a cadeira acima e abaixo parece ser um point preferencial. Todos convergiam para lá, mas eu fui mais rápido.

Foto: Elena Romanov
Foto: Elena Romanov

E fomos para a sessão de cinema. O coquetel temático começou uma hora antes do início do filme. Homenageando um detalhe cômico do filme, foi servido um canapé de beterraba chamado “russo” que deixou a Elena encantada. Ela agradeceu especialmente à chef Gabriela Carvalho ao final do jantar, pois teve que ir à Gramado para reconhecer um sabor de sua infância.

Foto: Cibele Peccin
Foto: Cibele Peccin

O Cine Gourmet acontece mensalmente e os filmes são selecionados pelo crítico de cinema Robledo Milani. Ele é o curador do evento desde a primeira edição, há 10 anos. Ele revelou que Volver era uma visita ao passado do diretor Almodóvar. O filme se passa em grande parte na cidade onde ele nasceu e baseia-se nas mulheres-personagens que povoaram sua infância. “Volver é a comida que comia na infância. Também é a fome e a família”.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Milani explicou que as mulheres da infância de Almodóvar eram curvilíneas e voluptuosas. Deste modo, se a personagem principal, vivida por Penélope Cruz, não precisou aumentar seus seios, teve que usar um aplique para arredondar o traseiro. Não, não apresentarei fotos comprobatórias.

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A chef Gabriela Carvalho também falou. Fez uma breve referência ao fato de haver muito em comum entre as cozinhas brasileira e espanhola, e garantiu que haveria ousadias no cardápio — sempre secreto — que seria servido. Que ousadias? Ora, já veríamos. Ela disse que não admitiria uma mera reprodução do que aparecia na tela e que tudo fora recriado instintivamente.

Foto: Cibele Peccin
Foto: Cibele Peccin

Após o filme, no caminho para o Restaurante La Cacería, havia atores fazendo releituras de cenas do filme. Na saída da sala, por exemplo, mulheres de preto choravam desesperadas e davam-nos “pêsames” como se tivéssemos saindo de um velório e, bem na entrada do restaurante, estava uma nova Penélope Cruz sobre um freezer com uma faca na mão. Bem, quem viu o filme sabe o motivo. E ela cantava Volver, canção que Penélope recém cantara no filme (na verdade, ela é dublada).

E chegamos ao restaurante.

Foto: Cibele Peccin
Foto: Cibele Peccin

Por sorte, fomos convidados para ficar numa mesa com Robledo e Guilherme Cerveira. Em companhia tão agradável, nem precisaríamos de vinho para ficarmos loquazes. Mas, com eles e o festival de sabores servido sob a batuta de Gabriela Carvalho, a conversa ficou mais do que animada. Na verdade, chegou às raias das inconfidências.

Bem, a partir de agora, sofram.

Foto: Cibele Peccin
Foto: Cibele Peccin

Assim como a palavra cão não morde, a foto acima não vem com gosto. Se viesse, vocês imediatamente morderiam o monitor do computador ou a telinha do celular. Isto foi um bacalhau realmente enlouquecedor para o neto de portugueses que vos escreve. Sou antigo admirador das variações sobre o tema bacalhau. E garanto-lhes, mesmo sendo incondicionalmente ateu, que a coisa estava no mais alto grau de divindade.

Agora babem:

— A entrada foi um mojito de presunto cru, melão, pepino, hortelã e limão siciliano, harmonizado com um PradoRey Classic Verdejo Sauvignon 2014 (Rueda, Espanha).

— O primeiro prato ficou chamado de Raimunda, nome do personagem de Penélope Cruz. Era uma Tortilla de batatas e bacalhau, compota de tomates frescos e alho, harmonizadas com um Artero Rosado La Mancha 2014 (La Mancha, Espanha). Na minha opinião, este prato roubou a cena, mas o resto da mesa ficou abobado foi com…

— O segundo prato. Era um Cozido Madrileño de cerne de cerdo, chorizo, garbanzo e ervas com a harmonização a cargo do i-nes-que-cí-vel Tribu 2010 — El Angosto (Valência, Espanha). Olha, realmente, este Cozido não se intimidou com o citado bacalhau.

— A sobremesa foi Arroz doce espanhol com cardamomo e canela. O vinho que o acompanhava era um Alambre Moscatel de Setúbal 2010 (Setúbal, Portugal).

Foto: Cibele Peccin

Foto: Cibele Peccin

Após o jantar, conversamos longamente com a chef Gabriela, pessoa de extrema modéstia que nem parecia ter-nos acabado de conduzir com tanto brilhantismo por algumas coisas boas da vida.

Eu e Elena agradecemos ao Robledo Milani pelo convite, deixando claro que estamos disponíveis. Imagina se não?

Bom dia, Argélico (com os melhores lances de sábado)

Bom dia, Argélico (com os melhores lances de sábado)
Aylon: não tem cara de centroavante, mas é
Aylon: não tem cara de centroavante, mas é

Eu fiz uma previsão que só o Alexandre Constantino ouviu. Foi quinta-feira, aqui em casa. Eu disse que Inter venceria, o Grêmio empataria e o Corinthians perderia nesta rodada, deixando os líderes do Brasileiro numa escadinha: Inter, 16; Palmeiras, 15; Grêmio, 14 e Corinthians, 13. Pois ficaria bonitinho. E aconteceu!

Agora, o Inter é a tartaruga em cima da árvore. Ninguém sabe como chegou lá, mas sabe-se que vai cair. Como eu, tem muito colorado rindo à toa, sem saber por quê.

Porém, ah, porém… O Miguel Galbarino me responde com uma afirmativa perturbadora. Diz que não tenho visto os outros times jogarem — o que é verdade — e que nossa posição como líder não o surpreende. Porém, o Dario Bestetti conta os pontos para não cairmos no rebaixamento — faltariam 30. E, porém, o Corneta Colorada, a melhor coisa que aconteceu na imprensa colorada neste século, ridiculariza todos — é um corneteiro profissional –, ordenando: “A primeira regra do clube do líder do Brasileirão é não falar de quem é o líder do Brasileirão”. E ilustra a frase com uma imagem alusiva a nossa liderança.

Brad Pitt

No último sábado, fizemos dois belos gols no América-MG (ambos do centroavante Aylon), tomamos o maior sufoco, eles descontaram, quase empataram, melhoramos com a entrada de Anderson e finalmente consolidamos a vitória com Ernando. O 3 x 1 não foi injusto, mas não diz de nosso susto. O próprio Argel admitiu a oscilação, enquanto que a torcida roeu até os ossos dos dedos com a notável sucessão de gols perdidos pelo América. O goleiro Danilo Fernandes voltou a jogar muito e Alex está pedindo aposentadoria.

E assim nós vamos vivendo. Muito esforço e algum futebol. Se a concorrência ficar trocando pontos como está, o time que conseguir pontos em casa e empates fora estará bem na foto. Eu não estou feliz porque não vejo futebol no Inter, mas é indiscutível que sete rodadas já servem para demonstrar alguma tendência. O Santa Cruz e a Chape já começam a sumir e quem pode mandar no campeonato já está na frente. Na minha opinião, o favorito é o Palmeiras. Tem bom técnico e numeroso elenco. Anotem.

Dia dos Namorados 2016

Dia dos Namorados 2016

É nosso terceiro Dia dos Namorados, Elena. E que dupla radical e amorosa nós somos! Minimalistas na maioria das coisas e maximalistas no hedonismo. Parece que nossos gens têm inscritas ordens muito semelhantes. Vivemos uma grandiosidade de câmara cheia de maravilhosas transições entre a cozinha e o quarto, o sonho e o diálogo, a preguiça de erguer-se e a vontade de regressar. Os amores nunca são muito razoáveis, mas podem ser tranquilos. Eu adoro teu olhar, tua voz, teu sorriso e trato de cuidar de ti, pois te amar fez com que eu conseguisse gostar um pouco mais de quem me andava estranho: eu mesmo. É isso: te amar me faz melhor, apesar de eu desconfiar que permaneço o serzinho de sempre. E mesmo que a gente um dia case, insisto em manter o status superior de teu namorado. E que mais preciso dizer se o que quero dizer é que te amo?

DSC03117

Porque hoje é sábado, alguns espreguiçares de inverno

Porque hoje é sábado, alguns espreguiçares de inverno

Meus sete leitores sabem que eu adoro o inverno. Simplesmente funciono melhor

Olivia Wilde Details 2010nesta estação. O sono e todas as atividades horizontais ganham, por exemplo,

Espreguiçar_02muito em disposição e qualidade.

Espreguiçar_03Porém, é mais complicado sair da cama pela manhã.

Espreguiçar_04O maldito botão Snooze (ou soneca) pede e pede para ser apertado.

Espreguiçar_05E a gente se atrasa.

Espreguiçar_06Mesmo que depois seja um enorme prazer caminhar pela rua sentindo a brisa fria,

Espreguiçar_07a gente se atrasa. Mas, ah, se pudéssemos ficar em casa, adiando tudo,

Espreguiçar_09pois hoje não posso, talvez amanhã seja possível, ou, ainda,

Espreguiçar_08daqui a dez minutos serei outro, um cara muito a fim de trabalho.

Espreguiçar_10E mais: tudo o que planejei fazer pela manhã

Read More

Porque hoje é sábado, Alicia Machado

Porque hoje é sábado, Alicia Machado

Yoseph Alicia Machado Fajardo tem 39 anos e é venezuelana.

Soube que ela foi a primeira Miss Universo da história a posar nua.

Uma pioneira!

O “reinado” de Alicia

como Miss Universo 1996,

Alicia-Machado-Wallpapersfoi marcado por escândalos em torno

do aumento de seu peso,

logo após o triunfo.

Só rindo.

alicia machado 23Acho que deve ter sido algo muito digno e normal, pois

a elevação de peso deixou-a

Read More

Sibelius: os 150 anos de um compositor que está na base da identidade de seu país

Sibelius: os 150 anos de um compositor que está na base da identidade de seu país
Sibelius em 1939, época de seu logo e definitivo silêncio
Sibelius em 1939, já na época de seu longo e definitivo silêncio

Publicado em 8 de dezembro de 2015 no Sul21

Os finlandeses dizem que seu país é uma mistura de sauna, sisu e Sibelius. Todos sabem o que é sauna, mas você sabe o que é sisu? A palavra está naquele grupo de difícil tradução para outros idiomas. Trata-se de uma mistura de confiança e autonomia, algo que faz com que a pessoa se veja como capaz de realizar qualquer coisa. O povo finlandês teria o tal sisu e isto faz parte do orgulho nacional. E Sibelius? Bem, Sibelius é um compositor de música erudita que é outra das bases da identidade do país. Ele teve um impacto muito maior na mentalidade finlandesa do que o meramente musical.

Por exemplo, o poema sinfônico Finlândia. A peça era um protesto contra a crescente censura do Império Russo que controlava o país no final do século XIX. Como a execução pública da peça orquestral fora proibida pelos russos, tornou-se comum trocar seu nome nos anúncios de concertos. O fato adquiriu ares de piada. A peça foi mascarada foram numerosos títulos falsos. Se anunciassem a obra Sentimentos Felizes ao Amanhecer da Primavera Finlandesa, já se sabia o que viria. Finlândia evoca a luta nacional do povo finlandês. À medida que vai chegando ao final, a música torna-se tranquila e a melodia serena do hino da Finlândia é ouvida.

Outro exemplo é a Sinfonia Nº 2. Escrita na Itália logo após a composição de Finlândia, foi um acontecimento nacional. Numa época de invasão e opressão russas, ela foi ouvida novamente como representação sonora do nacionalismo finlandês. Quando de sua estreia, foi tocada quatro vezes em oito dias, até ser proibida. Mas não se precisa saber de tudo isso para gostar dela, a música sobrevive tranquilamente sem o contexto de sua origem. Do ponto de vista atual, a música de Sibelius não transparece revolta ou orgulho nacionalista, mas de forma muito particular, deixa claro quão vasto e frio é o país.

https://youtu.be/qSp2ecoRyi8

Johan Julius Christian Sibelius, conhecido como Jean Sibelius (1865-1957) foi um dos mais populares compositores do fim do século XIX e início do XX. Ele nasceu na cidade de Hämeenlinna, então pertencente ao Império Russo, em 8 de dezembro de 1865, há 150 anos. O compositor preferia utilizar a forma francesa de seu nome, Jean.

Ele terminou o ensino médio em 1885 e começou a estudar Direito na Universidade de Helsinque, porém a música sempre foi a responsável por suas melhores notas na escola e ele logo desistiu do Direito. De 1886 a 1889, Sibelius estudou música na escola de música de Helsinque (hoje a Academia Sibelius), depois estudou em Berlim de 1889 a 1890, e em Viena de 1890 a 1891.

Sibelius fez parte de um grupo de compositores que aceitou as normas de composição do século XIX e foi muitas vezes criticado como uma figura reacionária da música clássica do século XX. Apesar das inovações da Segunda Escola de Viena, ele continuou a escrever num idioma estritamente tonal. Entretanto, sua música é profundamente criativa e nova.

Sibelius é muito diferente de seus rivais na virada do século XIX para o XX. Gustav Mahler e Richard Strauss, eram adeptos de misturar temas muito diferentes, buscando contrastes quase bipolares, enquanto Sibelius transformava lentamente seus temas. Os temas apresentados são poucos, mas estes crescem organicamente, de forma lógica e sem grandes contrastes. Este gênero de música é geralmente entendido como uma representação do país. É curioso como um compositor que admirava a severidade de estilo e a profunda lógica que ligava intimamente os temas fosse tão popular.

Sua Sinfonia Nº 7, por exemplo, é composta de quatro movimentos sem pausas, onde as variações vem do tempo e do ritmo. Sua linguagem não é nada reacionária, apesar de tonal. Sibelius dizia que, enquanto a maioria dos outros compositores estavam preocupados em oferecer coquetéis à audiência, ele oferecia água pura e gelada.

Em O resto é ruído, Alex Ross explica-nos uma parte do drama de Sibelius. Citando um texto de Milan Kundera que fala das características das pequenas nações da Europa, ele se refere ao sentimento de isolamento que os heróis nacionais dessas pequenas nações podem sentir. Todos sabem tudo sobre eles, não havendo espaço para o erro. Isto pode ser uma pressão insuportável. A vida de Sibelius era um pouco pior. Sem espaço para erros na Finlândia, considerado um gênio nos EUA, o finlandês ressentia-se da recepção altamente negativa de seus trabalhos no resto da Europa. Alguns chamavam Sibelius de “o pior compositor de todos os tempos”, apesar de Richard Strauss ter admitido que sua produção era inferior a do finlandês.

Há dois tipos de composição onde Sibelius focou o seu talento: o poema sinfônico e a sinfonia. Mas há duas peças célebres fora do foco principal. Obviamente, estamos falando da belíssima Valsa Triste

… e do espetacular Concerto para violino e orquestra, obra excepcionalmente melódica e virtuosística.

No que diz respeito ao poema sinfônico, foi neste tipo de composição em que uma boa parte da identidade finlandesa se fixou. Não só porque Sibelius soube capturar musicalmente o espírito finlandês — indo buscar elementos no folclore, técnica na qual precedeu Bartók, Kodály e Stravinsky –, como também soube encontrar a poética adequada que o fixou definitivamente como o representante nacional. Há várias destas composições, Tapiola parece ser a melhor….

e Karelia, a mais divertida.

https://youtu.be/2FJIy3UirHA

No que diz respeito às sinfonias, Sibelius procurava em cada uma delas basear-se na anterior, melhorando-a. É conhecido o fato de Sibelius ter destruído a sua 8ª Sinfonia — aquela que deveria resumir e dar um passo adiante em relação à sétima — depois de anos de tentativas e de ter por várias vezes prometido mostrá-la a seus fãs americanos. Mas a oitava nunca apareceu.

Como dissemos, as avaliações de Sibelius eram controvertidas. De um lado, o mundo anglófono — a Inglaterra e os Estados Unidos — consideravam suas sinfonias como monumentos de nossa época. Por outro lado, a Europa continental, principalmente os alemães, acusavam-no de ser um passadista medíocre, que não teve a coragem de fazer avançar a linguagem musical de seu tempo, permanecendo numa zona de conforto que lhe proporcionou popularidade.

Assim, para Olin Downes, o influente crítico do jornal The New York Times, e a opinião pública anglófona, Sibelius tinha lugar garantido entre os grandes sinfonistas do século ao lado do russo Dmitri Shostakovich. De outro lado, o mais influente crítico musical da vanguarda, Theodor Adorno, simplesmente considerava Sibelius o pior compositor do mundo.

Sibelius aos 30 anos
Sibelius aos 30 anos

Hoje, a 150 anos de distância de seu nascimento e a 58 de sua morte, já possuímos distância histórica suficiente para avaliá-lo tão somente pela qualidade de sua música, ignorando os critérios estético-ideológicos. E o que se vê é, sim, um dos mais importantes sinfonistas do século 20. Suas sete obras neste gênero possuem uma lógica interna implacável.

Mahler foi um dos “culpados” ao escrever que considerava o finlandês um compositor provinciano.

sibeliuksen-maailma_www_bertil-dahlgrenSímbolo nacional e figura artística mundial, Sibelius parou subitamente de compor em 1927. Ele passou os trinta anos seguintes no mais completo silêncio criativo, recolhido a sua casa encravada numa floresta finlandesa e à qual de Ainola em homenagem a sua mulher.

Sibelius viveu 92 anos. O alcoolismo certamente contribuiu para o bloqueio criativo de 30 anos. Sua última aparição pública como maestro foi desastrosa — ele estava completamente bêbado. Mas, como imagina o escritor inglês Julian Barnes no conto O Silêncio (editado em 2006 no Brasil pela Rocco no livro Um toque de limão), o compositor, sentado diante de uma garrafa de vodca, deve ter proclamado a vitória. “Hoje, sou tão famoso por meu longo silêncio quanto o fui por minha música”.

.oOo.

Fontes:
Jean Sibelius: os sons nórdicos de um dos maiores compositores do século passado
Jean Sibelius
Jean Sibelius (1865-1957)

Uma aulinha de gramática cinematográfica

Uma aulinha de gramática cinematográfica

Este post é do roteirista Sylvio Gonçalves via Hsu Chien.

Dogville

Trata-se de um belo vídeo do Cinefix com 10 filmes que romperam regras. Que evolução teria o cinema sem a subversão de produções como DOGVILLE, que aboliu os cenários, e O ANO PASSADO EM MARIENBAD, que abriu mão da lógica narrativa? Ou a ousadia de ERA UMA VEZ EM TÓQUIO, que infringiu completamente a regra dos 180 graus, ACOSSADO, que estabeleceu o uso narrativo dos jump cuts, ou até do (aparentemente tradicional) PSICOSE, cujo roteiro ousou mudar de protagonista? Vale muito a pena assistir ao vídeo, que apresenta várias sugestões de filmes anti-convencionais.

O Marabá está morto

O Marabá está morto

Não há quase mais cinemas de rua em Porto Alegre. Todos os cinemas se internaram em shoppings ou em Centros “Culturais”. À noite, não se vê mais placas luminosas de letras quase sempre tortas ou faltantes anunciando filmes. Além, disto, os cinemas reduziram seu tamanho. Já faz tempo que desapareceram aquelas imensas salas em que funcionários com lanterninhas nos indicavam os lugares livres, pois lotavam… A televisão, o VHS, o DVD, o Now, o Netflix, aliados à falta de espaço, de tempo e charme transformaram nossas salas em coisas diminutas e bonitinhas, mas com pouco a mostrar na tela. Os filmes mudaram, tornaram-se infantis, acelerados, meio bestas. Suas fórmulas passaram a se repetir como os sapatos à venda nos shoppings e alguns são criados como em série, como Big Macs.

Mas a época do Marabá era diferente. O Marabá era um cinema que ficava em um bairro contíguo ao centro da cidade. Ou no bairro mais próximo a ele, se considerarmos que nosso centro é, na verdade, uma ponta enfiada no rio-lagoa-estuário Guaíba. O Marabá não tinha nenhum charme, não era frequentado por mulheres elegantes que deixavam rastros não de ódio, mas de perfume atrás de si. Essas iam a outros lugares. Nenhuma surpresa nisto, pois o Marabá, fora construído para passar reprises e porcarias. Os filmes mais artísticos que lá vi foram as obras-primas kitsch de Jack Arnold: O Monstro da Lagoa Negra, O incrível homem que encolheu e — como esquecer dos gritos da mocinha? — A Revanche do Monstro. O enorme cinema ficava na rua Cel. Genuíno, 210, próximo à Av. José do Patrocínio. Só que, um dia, cansado de tanto passar filmes ruins, alguém por lá enlouqueceu por lá e começou a passar somente grandes filmes em programas duplos. Eram apenas duas sessões — uma iniciava às 14h e outra às 20h — mas, meus amigos, que sessões! Um belo dia, estando eu na casa dos quinze anos, abri o jornal e li que o Marabá passava A Noite, de Antonioni, e Viridiana (*), de Buñuel, em seu programa duplo. Talvez a nova geração desconheça a expressão “programa duplo”. É o seguinte: semanalmente, eram apresentados dois filmes com um pequeno intervalo no meio para irmos ao banheiro e ao bar comprar balas, fumar, conversar, beber, namorar ou simplesmente esticar as pernas. Só que os programas duplos apresentavam normalmente filmes pornográficos ou de pancadaria. Nunca coisas daquele calibre.

Eu e um bando de loucos por cinema começamos a acorrer ao lúgubre Marabá. Aposentados e desocupados também pagavam o ingresso baratíssimo do cinema não muito limpo. Grupos de estudantes vinham ver e rever filmes enquanto matavam aulas. Minha sessão habitual era a das 14h; formávamos uma peculiar fauna de jovens secundaristas, universitários, velhos e desempregados. Lembro de ter saído muitas vezes rapidamente de casa, batido a porta, lembro de pegar e pagar o ônibus, de parar nas imediações do centro e de correr como Catherine, Jules e Jim (ou Lola, para os mais jovens) em direção ao cinema. Comigo, chegavam outros esbaforidos. Trocávamos um cumprimento rápido e entrávamos. Comigo, muitas vezes veio Maria Cristina, minha primeira namorada; quando víamos os filmes pela primeira vez, não protagonizávamos grandes cenas de amor nas poltronas desconfortáveis de encosto de madeira, deixávamos para fazer isto em frente a sua casa, na rua Santana. No máximo, trocávamos alguns beijos apaixonados no intervalo — afinal, estávamos ali pelo cinema. Porém, quando conseguíamos ir duas vezes na mesma semana, a segunda tarde era dedicada quase que inteiramente ao amor. Foi numa cadeira do Marabá — ou em duas, mais precisamente — que minhas mãos e boca tiveram seu primeiro contato com o seio feminino. Inesquecível. Não entrarei em detalhes sobre tudo o que fiz pela primeira vez no Marabá, mas não exagerem na imaginação, pois nossa primeira relação sexual, a minha e a dela, ocorreu numa noite, atrás do sofá da sala de sua casa… Voltemos ao cinema.

Depois vieram outros programas duplos. Houve Gritos e Sussurros (Bergman) e Amarcord (Fellini), Jules e Jim (Truffaut) e Ascensor para o Cadafalso (Malle), O Mensageiro (Losey) e Petúlia, um Demônio de Mulher (Lester), Janela Indiscreta e Um corpo que cai (ambos de Hitchcock), Cidadão Kane e A Marca da Maldade (ambos de Welles), Paixões que alucinam (Fuller) e O Sétimo Selo (Bergman), O Magnífico (de Broca) e A Malvada (All About Eve, de Mankewicz), West Side Story (Wise-Robbins) e O Criado (Losey), e, comprovando que a loucura tomara conta do programador, houve Andrei Rublev (Tarkovski) e Acossado (Godard), evento que deixou nossas bundas quadradas por longo tempo. Em 1975, após um programa duplo que apresentava Contos da Lua Vaga (Mizoguchi) e Morangos Silvestres (Bergman), comecei a ter aulas à tarde e a estudar para o exame vestibular. Planejava voltar ao Marabá quando entrasse na universidade, em 1976. Só que, neste ínterim, o Marabá morreu para virar garagem. Sim, após Dillinger está morto (Ferreri) fazer dupla com Um Caso de Amor ou O Drama da Funcionária dos Correios (Makavejev) começou a demolição. Ou seja, a glória do Marabá, um cinema de 1800 lugares fundado em 1947, era sua agonia, a agonia de um querido dinossauro.

Não há mais cinemas de rua em Porto Alegre e também não há nenhuma cinemateca alucinada e radical como o Marabá. Quando as salas menores pareciam ter o poder de reabilitar para nós a gloriosa história do cinema, algo as trouxe para a isonômica mediocridade dos blockbusters. Resta-nos o egoísmo do DVD, resta-nos ver os filmes em nossa casa, às vezes na cama, podendo a sessão ser interrompida pelo telefone ou pela campainha da porta. Apesar das imagens perfeitas, não há o ritual de ir ao cinema, nem a sala escura onde somos ininterrompíveis, nem — perversão minha — o divino cheiro de mofo do Marabá, hoje substituído pela fuligem dos automóveis e pelos gritos dos manobristas.

(*) Aquele Viridiana tinha uma curiosidade que muito nos fez pensar. O filme começava com todos os atores falando espanhol, depois, subitamente, todos aderiam ao francês. Só as legendas permaneciam na língua de Camões. Alguns espectadores desejavam discutir esta característica do filme. Descobrimos depois, conversando no saguão do cinema, que houvera uma troca de rolos por parte da distribuidora e que naquele momento, em Recife, talvez Fernando Monteiro estivesse vendo o filme com sua primeira metade em francês e a segunda em espanhol.

A Cel. Genuíno hoje. Ela é a da direita.

Bom dia, Argélico (com os melhores lances da coisa de domingo)

Bom dia, Argélico (com os melhores lances da coisa de domingo)
Tô com um problemão desta tamanho"
Tô com um problemão desta tamanho”

Eu estava mais a fim de escrever sobre a corrupção em nosso Brasil-sil-sil, mas vou escrever, com um dia de atraso, minha tradicional — para mim e meus sete leitores — crônica esportiva de segunda-feira. Vi boa parte da parte da partida contra o Vitória e vou te inocentar, Argélico. O plano era perfeito até o Ernando cometer aquele imperdoável erro individual. Sabemos, eu e tu, que somos um time apenas mais ou menos. Um time assim não é tolerante à falhas, ainda mais quando resultam em gol do adversário num início da partida. Como sempre, entramos fechadinhos, prontos para segurar o Vitória e especular em contra-ataques. Porém, quando o Vitória marcou, todo o plano foi por água abaixo e times ruins não têm Plano B.

O Sasha poderia ter colocado tudo novamente no lugar quando o goleiro do Vitória errou em bola deixando-o livre com o gol aberto, de costas para o mesmo. Só que Sasha não se deu conta de sua liberdade e apressou-se tentando uma puxeta que foi para fora. Se ele tivesse mas calma para analisar a situação…

Culpa tua, Argélico, são os erros de passes. Um time erra 30 passes por jogo, em média. No primeiro tempo contra o Vitória, erramos 26. Há que treinar e treinar. Treinar a direção do passe e facilitar o recebimento do mesmo. Com jogadores parados e marcados, mais passes saem errados. E a prova de que não nos movimentamos para receber as bolas é a lentidão na saída de trás. Êta, coisa arrastada!

Esperamos pelos reforços. Anselmo está com o terceiro amarelo e não joga sábado contra o América-MG. Tu podias pedir para a CBF deixá-lo assim para sempre, não? Talvez Dourado volte, o que seria maravilhoso. Sasha também não joga e é outra maravilha porque ele não tem feito muito na posição de centroavante. Acho até que o Aylon poderá ser um acréscimo. Quem fará falta mesmo é Paulão, pois Réver e Alan Costa são lamentáveis.

Agora, é tentar vencer o América e ver os resultados paralelos. O importante é ficar próximo dos líderes até a chegada dos reforços e de Valdívia. Nossos dois próximos jogos são no Beira-Rio contra times mineiros: sábado (11) contra o já citado América e quinta-feira (16) contra o Atlético. A propósito, tens notícias de Nico López? Ele virá?

https://youtu.be/ZFz6FBFP1ds

Banksy surpreende escola primária em Bristol com mural

Banksy surpreende escola primária em Bristol com mural

O artista pintou uma parede da Bridge Farm Primary School para agradecer à escola por ter dado o seu nome a um dos pavilhões.

Do Publico.pt

Banksy

Poderia ser apenas mais um regresso às aulas na Bridge Farm Primary School, em Bristol, Inglaterra, não fosse a parede frontal com uma imagem de uma menina a correr atrás de um pneu em chamas com um pau na mão. O mural, da autoria de Banksy, tem 4 metros e foi descoberto, esta segunda-feira, por um funcionário da escola.

A obra, que surpreendeu alunos, professores e funcionários, é uma forma de agradecimento do artista à escola por ter dado o seu nome a um dos pavilhões. Durante o período de férias, a escola tinha escrito uma carta à equipe de Banksy para informá-lo do concurso feito para nomear os edifícios da escola em homenagem a personalidades de Bristol.

Junto do mural foi encontrado, também, um bilhete deixado por Banksy com a seguinte mensagem: “Obrigado pela carta e por darem o meu nome a um dos edifícios. Por favor, aceitem esta imagem. Se não gostarem, sintam-se à vontade para acrescentar coisas – tenho a certeza que os professores não se vão importar.” O artista deixou, ainda, uma mensagem às crianças: “Lembrem-se, é sempre mais fácil conseguir o perdão do que a autorização.”

assinatura Banksy

O diretor da escola, Geoff Mason, disse ao Bristol Post que o trabalho deve ter sido realizado “durante o fim-de-semana e completado esta segunda-feira à noite, mas não há certezas.” Bansky aproveitou a interrupção letiva da escola para ir pintar na sua cidade natal.

A equipe de Banksy ligou à escola a confirmar a veracidade do trabalho do artista na Bridge Farm Primary School. A escola primária pensou, desde o primeiro momento, na segurança da obra. “Fizemos várias pedidos para garantir que ninguém a limparia da parede”, disse o diretor.

Um obituário para Muhammad Ali

Um obituário para Muhammad Ali

Quem não viveu aquela época, dificilmente poderá imaginá-la. Era totalmente diferente. As lutas de boxe, principalmente a dos pesos pesados, eram acompanhadas mundialmente com extremo interesse. Todos as comentavam e davam palpites. Também o campeonato e o ranking mundial de xadrez interessava muito. Por exemplo, se o boxe tinha Muhammad Ali, George Foreman e Joe Frazier, o xadrez recebia manchetes e páginas inteiras comentando Bobby Fischer, Boris Spassky e Anatoly Karpov. Eram outros tempos, repito. Além disso, eram tempos em que havia desportistas brilhantes, cujas declarações mereciam ser ouvidas. E Ali era especialmente inteligente, desafiador e falador. Amava um microfone. Suas declarações estão até hoje sendo vistas e ouvidas no YouTube.

Ali e Malcolm X
Ali e Malcolm X

Dias antes do grande embate Ali x Foreman, o único professor negro que tive na vida — o excelente Serjão, de Física, que dava aulas no meu querido Colégio Estadual Júlio de Castilhos — estava nervoso. Sabia da importância daquela luta em âmbito mundial. E dizia para aquele grupo de brancos:

— Gente, vocês não imaginam o quanto é importante que Muhammad Ali / Cassius Clay vença. Foreman é negro, mas é um conformista meio burro. Ali é um de nossos principais representantes. Ele precisa ganhar a luta para readquirir o respeito perdido. Se derrubar Foreman, vai falar muito e isso é bom.

Em 30 de outubro de 1974, às 4h da madrugada em Kinshasa, Zaire (atual República Democrática do Congo) lutaram Muhammad Ali e George Foreman. O motivo do horário maluco era a transmissão de TV para o mundo inteiro. Foreman era o campeão após ter vencido Joe Frazier, mas Ali era o ex-campeão cujo título fora retirado por motivos políticos. Explico: em 1967, Ali foi proibido de lutar por três anos e meio, após se recusar a se alistar no Exército dos Estados Unidos, negando-se a participar da Guerra do Vietnã. Disse que nenhum vietnamita jamais o chamara de crioulo e perguntava: “Tenho algum inimigo no Vietnã? Não, meus inimigos estão aqui”.

Para deixar a coisa ainda mais quente, três anos antes Ali tinha sido derrotado injustamente por Frazier. A derrota fora por pontos, numa decisão muito contestada dos juízes. O próprio Ali apareceu no dia seguinte todo feliz e da cara boa, mostrando uma foto de Frazier cheio de hematomas, tirada horas antes. “Como eu posso ter perdido a luta se ele está indo para o hospital?”, perguntava. Frazier defendera o título mundial da categoria peso-pesado e o manteve. Ali caíra no 15º assalto. Ergueu-se rapidamente, meio atordoado aos olhos de milhões de pessoas pela televisão e de milhares no ginásio. A luta fora equilibradíssima, mas sua queda deve ter influenciado decisivamente em sua derrota, claro.

Já a luta de Kinshasa era uma disputa contra o novo campeão George Foreman — que pulverizara Frazier meses antes — contra Ali. O evento foi um dos primeiros realizados por Don King, que fez a luta no Zaire, pois o presidente ofereceu um generoso patrocínio para receber a luta.

Resumindo, Ali recuperara sua licença no mundo do boxe em 1970, tinha vencido duas lutas, mas, ao tentar recuperar o cinturão de peso pesado, perdera para o campeão Joe Frazier. Foreman tinha sido campeão nas Olimpiadas de 68 e rapidamente foi ganhando prestigio no mundo do boxe, pela sua enorme envergadura e poderosos socos. Mesmo assim, o campeão Frazier e seus empresários acharam que Foreman não seria páreo, pois ele seria muito lento. Isso se mostrou um grande erro: em apenas dois assaltos Frazier sofreu seis quedas até que a luta foi interrompida pelo juiz. Depois, Foreman também nocauteou Ken Norton, o único homem, além de Frazier, a fazer Ali cair.

Na famosa luta entre Ali e Foreman, Foreman entrou como franco favorito, por ser muito mais novo — na época tinha 25 anos, enquanto Ali tinha 32 –, por ser muito mais forte, pela sua até então invencibilidade e pela ferocidade com que vencera todos os seus adversários.

Ali criou uma estratégia incomum para vencê-lo. Como sabia que Foreman seria imbatível num combate aberto, Ali optou por cansá-lo ao máximo, pois seu adversário não estava acostumado a lutas longas, sempre nocauteando seus adversários nos primeiros assaltos.

Durante sete rounds, ou seja, por 21 minutos de luta, Ali ficou nas cordas, apenas recebendo os violentos socos de Foreman, assimilando-os e se esquivando como podia. Apanhava muito enquanto gritava: “É só isso?”, “Me disseram que você batia forte!” ou “Minha mãe me batia mais forte que você”.

Ali para Foreman: "Minha mãe me batia mais forte que você!".
Ali para Foreman: “Minha mãe me batia mais forte que você!”.

No oitavo round, houve uma súbita alteração. Ali tomou a iniciativa e seu oponente pareceu muito surpreso por ter ficado entre seu adversário e as cordas pela primeira vez naquela noite e talvez na vida. Já estava exausto e demonstrava no rosto certa estupefação, pois notara que só naquele momento começava a luta para Ali. O nocaute veio logo no primeiro contra-ataque. Foi algo fulminante. Foreman caiu e não levantou mais.

No dia seguinte, Serjão comemorou em aula. Aquilo fora muito mais do que uma simples luta, fora a vitória de um curioso lutador bonito e humanista, comprometido e brilhante em tudo o que fazia. Este homem faleceu no último sábado.

R.I.P., Muhammad Ali.

Foreman em direção ao chão.
Foreman em direção ao chão.

Porque hoje é sábado, Caroline de Bendern

Porque hoje é sábado, Caroline de Bendern

A aristocrata Caroline de Bendern subiu nos ombros do amigo Jean-Jacques Lebel,

Caroline de Bendern_03pois seus pés doíam muito na longa caminhada de protesto naquele 13 de maio de 1968.

Caroline de Bendern_01Quando chegaram à praça Edmond Rostand, perto dos Jardins de Luxemburgo.

Caroline de Bendern_02eles foram vistos por aquele que iria imortalizar Caroline contra sua vontade.

Caroline de Bendern_04A foto, uma das mais famosas do século XX, foi feita por Jean Pierre Rey e acabou

Caroline de Bendern_05na capa da Paris Match e da Life.

Caroline de Bendern_06A bela inglesa carregava a bandeira vietnamita.

Caroline de Bendern_07Não usava a vermelha porque os comunistas tinham tentado sabotar o movimento.

Caroline de Bendern_08Também não usava a bandeira negra porque não sabia nada sobre o anarquismo.

Caroline de Bendern_09A bandeira vietnamita parecera-lhe o símbolo mais adequado

Caroline de Bendern_10de uma guerra que todos os jovens denunciaram.

Caroline de Bendern_11Mas seu avô viu a foto em revistas e a deserdou.

Caroline de Bendern_12Caroline de Bendern vive hoje na Normandia. Processou muitas vezes Pierre Rey,

Caroline de Bendern_13o homem que a tornou o maior ícone do maio de 68.

P.S. — Há muito mais fotos de Caroline, mas todas protegidas por direitos. Detestamos.

Os cem anos de um clássico desconhecido: La Divina Increnca, de Juó Bananére

Os cem anos de um clássico desconhecido: La Divina Increnca, de Juó Bananére
Alexandre
Alexandre Ribeiro Marcondes Machado, criador de Juó

Publicado em 8 de novembro de 2015 no Sul21

A artograffia muderna é una maniera de scrivê, chi a gêntil scrive uguali come dice.
Juó Bananére

Hoje, se poucos sabem quem foi Juó Bananére, o que dizer de sua obra magna La Divina Increnca? Porém, durante as primeiras décadas do século XX, Juó foi um dos nomes mais famosos da imprensa paulistana e brasileira. Ele foi um personagem fictício, imigrante italiano criado por Alexandre Ribeiro Marcondes Machado (1892-1933), e que era assunto tanto nas feiras e ruas quanto nos salões da alta sociedade.

Formado em engenharia pela Escola Politécnica da USP, alto e elegante, Alexandre em nada correspondia à imagem de Bananére que o caricaturista Voltolino imortalizou: um sujeito de meia-idade, baixo, gordo e maltrapilho. Bananére escrevia textos que parodiavam o sotaque da grande colônia italiana de São Paulo. Como quase todo imigrante, os italianos recém-chegados eram obrigados a aceitar quaisquer trabalhos. Um deles era o de puxar carroças de frutas para vendê-las. Daí o pseudônimo: um João Bananeiro qualquer virou Juó Bananére. Ele era o autor de versos como estes:

Migna terra tê parmeras,
Che ganta inzima o sabiá.
As aves che stó aqui,
Tambê tuttos sabi gorgeá.

A abobora celestia tambê,
Chi tê lá na mia terra,
Tê moltos millió di strella
Chi non tê na Ingraterra.

O leitor do Sul21 certamente reconhecerá neles uma paródia ao poema Canção do exílio de Gonçalves Dias. Além de brincar com poemas famosos, Juó escrevia os também os seus próprios, além de crônicas satíricas que narravam a vida dos imigrantes e faziam piadas com figuras da época, como os presidentes Venceslau Brás, Hermes da Fonseca, o jurista Ruy Barbosa e muitos outros. Também há paródias inspiradas em romances de Machado de Assis, mantendo sempre a mistura dos idiomas italiano e português.

La divina

Por mais de 20 anos, Juó se fez presente nos meios culturais e jornalísticos paulistas. Eterno Gandidato á Gademia Baolista de Letras, ele, infelizmente, nunca obteve uma cadeira para si, apesar dos imensos e macarrônicos elogios que fazia a si mesmo.

Nomes ilustres não lhe pouparam elogios. Oswald de Andrade referiu-se a ele como “o mestre da sátira no Brasil”. O escritor Antônio de Alcântara Machado não deixou por menos: o personagem teria sido “o melhor cronista” de São Paulo.

Apesar de não ter ascendência italiana, Alexandre apaixonou-se pela cultura surgida nos bairros operários que se expandiram na capital paulista, como Brás, Barra Funda, Belenzinho, Mooca e Bexiga — bairro de Adoniran Barbosa, que adorava e deixou-se influenciar por Juó –, após a grande onda imigratória que fez com que a população da cidade passasse rapidamente de 130 mil habitantes em 1895 a 580 mil em 1920. Metade destes habitantes consistiam de imigrantes estrangeiros e outro quarto de seus filhos já nascidos no Brasil.

Como jornalista, Alexandre escrevia artigos para o jornal O Estado de S. Paulo e, em outubro de 1911, começou a assinar uma coluna na revista semanal O Pirralho, um periódico literário, político e de humor recém lançado por Oswald de Andrade. É lá que ele passa a usar o pseudônimo Juó Bananère. O novo jornal tinha uma proposta pré-modernista, movimento literário precursor do Modernismo.

Após a morte de Alexandre, o personagem Juó Bananère ficou esquecido por décadas, sendo eventualmente lembrado pela coletânea La Divina Increnca. Atualmente, reeditados, seus textos têm sido objeto de estudos de historiadores, críticos e teóricos da literatura.

Artigo da Revista O Pirralho. Criação de Oswald de Andrade. Poema de Juó Bananére
Poema publicado na revista O Pirralho. Criação de Oswald de Andrade. Poema de Juó Bananére

Apesar das colunas nos jornais, a principal obra de Juó foi mesmo o livro La Divina Increnca, paródia de Divina Comédia, de Dante Alighieri, editado pela primeira vez em 1915 e reeditado em 1924, 1966 e 1993. Atualmente a editora Livronovo está procurando viabilizar uma nova edição através de financiamento coletivo.

Juo Bananére
Juo Bananére

Com efeito, críticos consagrados, como Otto Maria Carpeaux, atribuíram a ele o papel de precursor do modernismo. A inventividade linguística do personagem seria o equivalente tupiniquim às ousadias de James Joyce e ao movimento dadaísta europeu. O professor Carlos Eduardo Capela, de teoria literária da Universidade Federal de Santa Catarina e autor da obra Juó Bananére — Irrisor, Irrisório (2009, Nankin Editorial/Edusp, 538 páginas), não encara as comparações como piadas, mas acredita que tais teses sejam absurdas.

“Há coisas em comum, como o humor. Mas o modernismo é um movimento literário, articulado, tem um manifesto. Já o Bananére é um piadista, nunca quis ser nada além disso. O espaço dele é o efêmero, a coisa pequena, o cotidiano.”  Mais apropriado, acredita ele, é enxergar em Alexandre/ Bananére um rico caso de testemunho histórico e de criação de um personagem.

“Ele confronta um ambiente intelectual conservador e projeta, por via paródia, o desclassificado, os tipos marginais. Hoje se fala muito em dar voz às minorias, mas ele já fazia isso há quase cem anos.”

Sua coluna em O Pirralho chamava-se O diário do Abax’o Piques. Abaixo Piques era o nome da atual Ladeira da Memória, local tombado em 1974 na cidade de São Paulo. Mais tarde, após romper com Oswald de Andrade, Alexandre fundou o Diário do Abax’o Piques — Diario Semanale di Grande Impurtanza, em associação com o ilustrador Voltolino (1884 – 1926). Nele, Juó se intitulava poeta, barbieri i giurnaliste e, em sua logomarca, estava escrito Lasciate ogni speranza. 

Lasciate ogni speranza, voi che entrate (“Deixai qualquer esperança, vós que entrais”) é o famoso verso que se encontra na porta de entrada do Inferno, a primeira parte de La Divina Commedia, a obra-prima de Dante, da literatura italiana e da cultura da Idade Média.

diario-abaxo-piques

O jornal caracterizava-se por apresentar temas essencialmente políticos, discutidos em tom satírico, por meio de uma linguagem humorística escrachada. O periódico apresentava duas seções fixas Taka – Shumbo Shimbum e um “sumplemento” esportivo – Sport que finalizava cada edição. Os colaboradores usavam pseudônimos para assinar suas colaborações. Ali, Juó Bananére registrava uma linguagem própria à mesclagem cultural que gerou paulistano.

Tal como aconteceu com o Barão de Itararé e seu inventor Aparício Torelly, o Juó Bananére inventado por Alexandre Marcondes Machado acabou por reinventar seu inventor como escritor. Hoje, pode-se dizer que existe Juó Bananére e não Alexandre Marcondes Machado. Juó, com seu italiano de imigrante pobre em São Paulo, aparecia como uma voz viva e afrontosa dos despossuídos do país.

A principal fonte de inspiração de Alexandre Machado estava nas ruas, e era para essas mesmas ruas que retornava a obra pronta, de enorme sucesso, tendo em vista as repercussões em textos de outros autores e relatos de pesquisadores. Está mais do que hora de recuperarmos Bananére como parte de nossa história literária.

Fontes:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Ju%C3%B3_Banan%C3%A8re
http://www.bookstart.com.br/pt/juo
http://bananere.art.br/increnca.html
http://www.unicamp.br/iel/site/alunos/publicacoes/textos/l00004.htm

capa_divina_increnca-jpeg

Bom dia, Argélico (com vídeo do resumo do jogo de ontem)

Bom dia, Argélico (com vídeo do resumo do jogo de ontem)

Apesar da boa partida realizada pelo Atlético-PR, teu time voltou a aplicar uma goleada de de 1 x 0, Argélico. O início do jogo foi todo do adversário e provocou calafrios na arquibancada: um chute de Walter Cheeseburger beijou a trave e, logo depois, Giovany perdeu gol feito após driblar William.

A coisa não estava muito fácil pro nosso lado, mas a sorte foi fiel. E o time começou a se ajeitar. Vitinho fez grande jogada e chutou para fora, Paulão não alcançou uma bola quase dentro do gol e então aconteceu o de sempre — ou quase sempre: na sequencia do lance, Vitinho fez o gol numa confusão dentro da área que teve origem em um escanteio bem batido por Andrigo.

Vitinho: nosso melhor jogador está na lista dos sete com dois cartões
Vitinho: nosso melhor jogador está na lista dos sete com dois cartões | Foto: Ricardo Duarte

Também como quase sempre, melhoramos no segundo tempo. Alex entrou muito bem no lugar do confuso Andrigo e o Atlético-PR foi obrigado a admitir que seria mais um time a não fazer gol em nós.

É a regra de 2016: somos chatos, dificilmente levamos gol e, se deixarem, fazemos. Mas cada jogo requer um esforço notável de marcação, tanto que já temos sete jogadores pendurados com dois cartões amarelos. E, bem, estamos recém na quinta rodada. Não sei onde vamos parar desse jeito, porém, hoje, somos líderes do campeonato com 5 gols marcados em 5 jogos e 1 contra. O aproveitamento são inacreditáveis 87% (4 vitórias e 1 empate).

Gostei de tua entrevista de ontem. Afora as frases feitas que repetes infinitamente, houve a admissão de que o time correu sério perigo, chegando a jogar pessimamente naquele início de jogo. Sim, porque a história poderia ter sido inversa, com nossa primeira derrota no Beira-Rio. Digo isto porque dificilmente marcaríamos dois gols num time que estaria fechado lá atrás. (É tranquilo admitir que só fizemos um bom segundo tempo porque o Atl-PR perdia e ia à frente, não?).

Ainda vamos praticamente completos para o próximo jogo em Salvador, contra o Vitória, domingo, às 16h. Creio que apenas Fabinho, com torção no tornozelo, te obrigará a uma substituição. Devemos começar a partida com o fraco Anselmo em seu lugar e sabe-se lá quantos cartões receberemos lá. Será um compromisso duríssimo e provavelmente começarão a aparecer os desfalques.

Nossa vida no Brasileiro vai depender, é claro, de como se saírem essas peças de reposição, de como forem os retornos de Valdívia, Dourado e Anderson, e de como ingressarem os novos contratados Seijas, Ariel e o esperadíssimo Nico López. Se suas atuações forem deficientes, melhor acender uma vela desejando que a gordura acumulada neste início não acabe em uma semana de spa das lesões e cartões. Se derem boa resposta, seremos candidatos a alguma coisa boa. Mas sempre no estilo Leicester: sem brilho, mas cumpridores.

Boa sorte!

https://youtu.be/KZ_3SUYttG8

Instituto Liberal denuncia a física quântica como instrumento marxista

Instituto Liberal denuncia a física quântica como instrumento marxista

iWKad22

A introdução ao artigo é do Jornal GGN:

No artigo “A complicação como método ideológico”, reproduzido integralmente abaixo (http://migre.me/tZaOm) o autor diz que “a Verdade está sempre associada à luz, ao desatar de nós e à contemplação imparcial”.

No entanto, “a marca histórica da esquerda é a falta de clareza. Claro, pois para justificar um sistema de crenças que não funciona, é esperado que as assertivas não pudessem ser facilmente analisadas ou refutadas, esperando-se do discípulo apenas a fé no que o mestre diz”.

O autor lista como “disciplinas típicas da esquerda” a Sociologia e a História. Para ele, a filosofia, como ciência, visou “implantar o socialista, associado à ideia marxista (…) (dizimando) os sistemas de crenças concorrentes”, como o Cristianismo e a ideia de Verdade.

Da Filosofia, o autor apontou seu dedo acusador para a Física.

Sobram bordoadas na física newtoniana, que “é, para quem quer confundir, excessivamente exata, matemática e previsível. São objetos em movimento no universo, seguindo leis já mapeadas”.

Mas a borduna se volta, mesmo é para a física quântica que, “através de extrapolações indevidas de descobertas de cientistas como Einstein, Heisenberg, Schrödinger, Planck e outros, ganhou a fama de ser o ramo científico onde “tudo pode”. Estar em dois lugares ao mesmo tempo, ser e não ser, teletransporte, telepatia, o mundo como um sonho, o nada que é tudo, enfim, uma espécie de “liberou geral” da ciência, contrário à física newtoniana, e que certamente não seria autorizado pelos físicos quânticos, os quais eram sérios”.

E aí, a grande constatação: Por que o interesse da esquerda na física quântica?

E explica: “Porque “harmoniza” com o uso de drogas, com a ideia de que o indivíduo é uma ilusão, criando uma justificativa racional para a irresponsabilidade e o ateísmo. Ambos os resultados bem úteis e “capitalizados” pelo movimento revolucionário”.

A Complicação como Método Ideológico

Por Lucas de Moura Lima