Corvos na Chuva, de Ernani Ssó

Corvos na Chuva Ernani SsóQuando falei com Ernani, ele me disse que Corvos na chuva era uma coletânea de contos escritos nos últimos, sei lá, 25 ou 30 anos. Logo fui torcendo o nariz, achei que leria uma série contos desiguais em suas perspectivas, temas ou em qualidade, mas errei. O saldo foi muito, muito positivo. Acho que Ernani passou um bom filtro na coleção e, dos 15 contos do livro, deliciei-me verdadeiramente com uns 12, mas quando não gostei, a coisa foi realmente séria. Cheguei a reler Nana, nenê, O anjo exterminador e Safáris. Estava desconfiado de mim, queria conferir se não estava sonolento ou cansado demais para entender a intenção do autor. Porque o resto é excelente, a começar pelo conto que dá título ao livro e fecha o volume.

Corvos na chuva é uma realização extraordinária. Tem história clara e bem contada — onde todas as revelações vêm na hora certa — sob uma furiosa e sofisticada metalinguagem. Coisa rara. Olha, é arrebatador mesmo. Outros excelentes contos são Primeira comunhão, O rei da sanfona e o curtíssimo As férias do coveiro. Os dois primeiros são interessantes e diferentes abordagens ao amor adolescente. Já o terceiro é para se dobrar de rir. Deve ser da fase inicial e mais humorística de Ssó. Puro humor negro.

Os outros contos revelam um autor com pleno domínio de seus meios. Seu virtuosismo e ritmo dobra-se facilmente às necessidades de cada história. Ou seja, nenhum dos oito contos não citados são esquecíveis e um deles… Bem, vamos escrever algumas frases sobre o ousado Outra missa.

Outra missa é uma nova versão de Missa do galo, obra-prima de Machado de Assis. Ssó passa a narração em primeira pessoa para Conceição. Meus sete leitores são cultos e sabem que, no original, o narrador é o estudante Nogueira. A nova versão é respeitosa e nela as intenções da moça ficam, obviamente, mais claras para o leitor. Afinal, Conceição é o “polo ativo”, por assim dizer, da rarefeita história. Mas a sutileza de mostrar ao leitor o crescendo no qual a sedução ainda é possível (e até provável) e a demonstração de que o momento de decisão tinha passado e não seria mais possível recuperar, só estão no conto de Machado e no de Ssó. Lembro de um antigo livro em que vários autores — Autran Dourado, Lygia Fagundes Telles, Antônio Callado, Osman Lins, Nélia Piñon… mais alguém? — recriaram o conto de Machado e nenhum deles chegou perto desta pequena joia criada por Ernani Ssó.

Recomendo muito.

P.S. — Ernani me esclarece por e-mail: “As férias do coveiro é o penúltimo conto escrito. O último foi o Outra missa“.

Ernani Ssó | Foto: Ramiro Furquim/Sul21.com.br

Ernani Ssó | Foto: Ramiro Furquim/Sul21.com.br

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque hoje é sábado, Marion Cotillard

Acho que temos uma maioria francesa no PHES, não?

'Blood Ties' Photocall - The 66th Annual Cannes Film FestivalNascida em 30 de setembro de 1975, em Paris,

Marion Cotillard é mais uma para o time.

Ela não é apenas lindíssima, é uma atriz de primeira linha que já fez até Piaf, imaginem.

Uma pena ela ter embarcado naquele último e lastimável Macbeth,

de tão má memória. Melhor lembrar de

A OrigemFerrugem e Osso, Dois Dias, Uma Noite, Peixe Grande… Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Do curioso linguajar dos pampas

Gauchos chimarrãoCom a consultoria de Milton Saad

Vocês lembram do Analista de Bagé do Luís Fernando Verissimo? Pois a mãe de um amigo meu — crasso bageense — diz coisas muito parecidas. Conheci-o há uns 5 anos. É provavelmente a pessoa mais engraçada que conheço. Não faz aquele humor palhaço, seu humor é verbal e raramente usa o recurso da imitação. Acho que todos nós concordamos que todo humor é precedido por inteligência e capacidade de observação especiais. Ele as possui em doses cavalares. Um dia ainda farei uma antologia dele, porém hoje prefiro ir a Bagé tomar um mate com sua mãe, ainda moradora da cidade do analista. Enquanto a chaleira não chia, começamos a entrar no clima recordando o imortal Analista da cidade.

Luís Fernando Veríssimo:

Certas cidades não conseguem se livrar da reputação injusta que, por alguma razão, possuem. Algumas das pessoas mais sensíveis e menos grossas que eu conheço vem de Bagé, assim como algumas das menos afetadas são de Pelotas. Mas não adianta. Estas histórias do psicanalista de Bagé são provavelmente apócrifas (como diria o próprio analista de Bagé, história apócrifa é mentira bem educada) mas, pensando bem, ele não poderia vir de outro lugar.

Pues, diz que o divã no consultório do analista de Bagé é forrado com um pelego. Ele recebe os pacientes de bombacha e pé no chão.

— Buenas. Vá entrando e se abanque, índio velho.

— O senhor quer que eu deite logo no divã?

— Bom, se o amigo quiser dançar uma marca, antes, esteja a gosto. Mas eu prefiro ver o vivente estendido e charlando que nem china da fronteira, pra não perder tempo nem dinheiro.

— Certo, certo. Eu…

— Aceita um mate?

— Um quê? Ah, não. Obrigado.

— Pos desembucha.

— Antes, eu queria saber. O senhor é freudiano?

— Sou e sustento. Mais ortodoxo que reclame de xarope.

— Certo. Bem, acho que o meu problema é com a minha mãe.

— Outro.

— Outro?

— Complexo de Édipo. Dá mais que pereba em moleque.

— E o senhor acha…

— Eu acho uma pôca vergonha.

— Mas…

— Vai te metê na zona e deixa a velha em paz, tchê!

Agora, comparem as expressões de nosso analista com as da mãe de meu amigo. Entre parênteses, algumas observações minhas e dele.

— Para quem está se afogando jacaré é tronco (Sensacional! Fico imaginando o sujeito se afogando, passa um jacaré…).
— Tranquilo como sono de surdo!
— Calmo como cozinheiro de hospício! (Aqui há controvérsias, uns acham que é preciso ser muito calmo para aguentar aqueles loucos, outros – eu entre estes – acham que os loucos estão noutra e não dão importância à fome ou à pontualidade; daí, a calma).
— Mais pesado que pastel de batata-doce.
— Curto como coice de porco.
— Dei-lhe uma atrás da outra, como punhalada de louco (Esta é maravilhosa!).
— Perdido como cusco em procissão (Um clássico).
— Frio de renguear cusco (Parando para analisar, esta é sensacional. Renguear é mancar).
— Mais enfeitado que bidê de china (Em Bagé, bidê é o mesmo que cômoda. Chinas são originariamente todas as mulheres que não são sinhás, que são as donas de fazendas, mulheres dos senhores).
— Mais assanhado que bolicheiro de campanha (Bolicho é um bar que vende de tudo um pouco, mas principalmente bebidas. Dizem que quando não tem freguês, o bolicheiro vai para a calçada assobiar para todas as mulheres que passam; afinal, macho que é macho come qualquer uma).
— Isso é manotaço de afogado! (Perfeito! Resposta que se deve dar quando alguém não tem mais argumentos numa discussão e passa dizer quaisquer absurdos ou a ofender seus oponentes).

E o mais usado:
— Não tá morto quem peleia, já dizia uma ovelha no meio de quarenta cachorros. (Que macheza!)

Para terminar, vamos a duas do pai do meu amigo. Notem como o estilo torna-se sensivelmente mais grosso e anal…:

— Pomba que come pedra, sabe o cu que tem.
— Não sou lagoa para refrescar cu de pato. (Quando pediam dinheiro para ele).
— Mais perdido que peido em bombacha (Outro clássico).

Eu sou um gaúcho 100% urbano e portoalegrense, que nunca montou num cavalo ou morou no interior e que não gosta de chimarrão. O que faço escrevendo isso, meu caro Analista de Bagé? Seria um ato falho? Mereço um joelhaço?

Colaboraçães de Henrique Bente:

— Cavalo de pinguço sabe onde bolicho dá sombra (se não me engano, é uma das anotações do velho Adão, o pai do Analista de Bagé).
— Más assustado que véia em canoa.
— Más perfumado que mão de barbeiro.

E minha expressão favorita de êxtase:
— Feliz que nem pinto no lixo.

Colaboração de Gustavo Uriartt:

— Mais ligado que rádio de preso.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Edições perigosas, de John Dunning

edicoes-perigosas-john-dunningJohn Dunning parece fazer questão de rigor. Em seu romance policial Edições Perigosas, há uma morte na primeira frase e a conclusão só será inteiramente fechada na última. Para quem, como eu, desejava descansar de leituras mais árduas, Edições Perigosas foi perfeito. É muito bem escrito, tem história envolvente e os personagens são bem construídos, com cada (boa) trama disparando numa direção, de forma a nos enganar. O tema de fundo é a paixão pelos livros. Quem me emprestou este Dunning foi o livreiro Mauro Messina, da célebre Ladeira Livros. Dias depois, por ter falado muito bem do que estava lendo, tive que comprar o volume, pois minha mulher disse que também queria lê-lo. Mauro me cobrou tão pouco que parece não ter entendido muito bem o romance…

Os romances policiais costumam explorar detetives excêntricos que deslindam tramas complicadas. Cliff Janeway não chega a ser uma figura peculiar. Trata-se de um policial algo violento que é tarado por literatura e livros raros. Em Edições, ele investiga a morte de um alfarrabista. Alfarrabista é pessoa que garimpa livros para os sebos, seja comprando-os muito barato na origem, seja simplesmente recebendo de quem queira livrar-se deles. Eles os vendem um pouco mais caro para os livreiros que, por sua vez, exploram gente preguiçosa como nós. O livro nos dá uma ideia clara do que é o trabalho nos sebos e é óbvio que o Mauro foi seduzido pela questão da busca e compra de novos volumes, atividade da qual ele me confessou gostar especialmente.

John Dunning domina o gênero com sobras. Tem estilo fácil e viciante. Na área dos clichês, temos uma incerta mulher fatal e só. Os outros ficam de fora. Para nosso prazer, durante as discussões sobre livros e seus preços, esbarramos em Salinger, Bellow, Golding, Faulkner, Hemingway, Rex Stout, etc.

Recomendo.

(Livro comprado na Ladeira Livros).

John Dunning

John Dunning

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Da série Minha Infância (11 fotos com famosos)

Tolstói, eu e minha irmã Iracema em 1906.

Tolstói, eu e minha irmã Iracema em 1906.

Em 1931, anos depois de nosso encontro com Tolstói, eu e minha irmã conhecemos Stálin.

Em 1931, anos depois de nosso encontro com Tolstói, eu e minha irmã conhecemos Stálin.

Eu e minha irmã no Adriático, nos anos 50, brincando com Ingrid Bergman.

Eu e minha irmã no Adriático, nos anos 50, brincando com Ingrid Bergman.

Nosso muito concorrido encontro com Einstein

Nosso muito concorrido encontro com Einstein

Nós dois com Charles Chaplin

Nós dois com Charles Chaplin

Eu e minha irmã Iracema jogando cartas com Shostakovich em 1937.

Eu e minha irmã Iracema jogando cartas com Shostakovich em 1937.

Já adolescentes, eu e minha irmã Iracema durante uma masterclass com William Faulkner no início dos anos 50.

Já adolescentes, eu e minha irmã Iracema durante uma masterclass com William Faulkner no início dos anos 50.

Eu e minha irmã Iracema visitando Erico Verissimo.

Eu e minha irmã Iracema visitando Erico Verissimo.

Olha só, Iracema, nós com a Rainha da Inglaterra! Lembra?

Olha só, Iracema, nós com a Rainha da Inglaterra! Lembra?

Uma luta entre eu e minha irmã Iracema em 1921.

Uma luta entre eu e minha irmã Iracema em 1921.

Eu e minha irmã Iracema em 1961 com Yuri Gagarin. Um amor de pessoa.

Eu e minha irmã Iracema em 1961 com Yuri Gagarin. Um amor de pessoa.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Falcão (com os lances do horror de ontem)

Ariel salvou o Inter no final. Paulão não repetiu as boas atuações de 2016.

Ariel salvou o Inter no final. Paulão não repetiu as boas atuações de 2016.

Beneficiados pelo árbitro e pela sorte, conseguimos um pobre empate contra a Ponte Preta em Campinas. Fomos salvos por nosso goleiro Marcelo Lomba e pelos erros dos homens de preto. O bandeira não viu uma bola que entrou e Paulão cometeu um pênalti claro, não marcado.

Após 11 meses de Argélico, o Inter ainda tenta estancar a hemorragia causada pelo destreinamento a que foi submetido. Jogamos 11 meses fora e estamos pagando um alto preço. Culpa do presidente Derrotório Piffero e do Departamento de Futebol. É um time viciado em mau futebol, que apela para a simplificação extrema se pressionado.

Por exemplo, Falcão — e ele está certo nisso — quer que o Inter saia jogando com a bola no chão, só que isto é uma novidade para quem só deu chutões e mais chutões nos últimos meses. E o time erra passes e mais passes.

Desta forma, Fernando Bob entrega a bola para o adversário e, pior, a defesa congela, como no gol de empate da Ponte. A Ponte é um time simples e sem grandes expressões técnicas, mas bem treinado por Eduardo Batista. E nós tomamos um banho de bola deles. O empate foi milagroso.

Além dos graves problemas causados por Argélico — falta de bola no chão, dinâmica, padrão, sincronia, jogadas ensaiadas, etc. –, temos alguns valores individuais que mereceriam o patíbulo. Géferson é especialmente inexplicável. O cara está nos fodendo desde a Libertadores de 2015 e está ali, em campo. Ou não, pois o que ele deixou de fazer no segundo gol da Ponte foi uma demonstração de que está com a cabeça ocupada com outras coisas. Ferrareis é outro. Conseguiu errar tudo o que fez.

Olha, eu acompanho o Inter deste 1967, quando completei 10 anos de idade. Sou sócio há mais de trinta anos e jamais vi uma situação tão pobre do ponto de vista futebolístico quanto a que vivemos hoje. Temos o pior departamento de futebol dos últimos 50 anos. Perdemos 5 seguidas e, como já disse, não fomos goleados pelo time médio da Ponte Preta em razão da ajuda do juiz.

Por culpa do incompetente Argélico, temos um time sem armação. Sasha por ali mais parece uma piada.

E, já que Bob foi expulso, os volantes contra o Corinthians deverão ser Fabinho e Anselmo. E quem será o lateral direito? E o esquerdo? Volta o apenas aceitável Arthur ou vamos com Alex? Pois Géferson tem que ser retirado do time, do banco e do Beira-Rio.

Hoje, nossa perspectiva é a mais repugnante de todas: a segunda divisão. Quem nos fez vislumbrar tal horizonte que trate impedir que o pior aconteça. Digo isso aos Srs. Piffero e Pellegrini. Eu e parte boa da torcida fizemos a nossa parte: avisamos desde o ano passado sem parar.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque hoje é sábado, mulheres lendo (Vol. 3)

Neste blog de sete leitores, já tivemos dois PHES de mulheres lendo.

Mulheres_Lendo_01

Este e este.

Mulheres_Lendo_02

Não somos monotemáticos, mas temos o vício da provocação.

Mulheres_Lendo_03

E, em comentários lidos por aí, alguns leitores de mentes simples

Mulheres_Lendo_04

sugeriram que uma mulher lendo não ficaria mais bonita,

Mulheres_Lendo_05

antes ficaria mais culta, preparada, pronta para a luta.

Mulheres_Lendo_08

(Como se uma coisa evitasse a outra, como se a mulher mais cultivada não fosse a mais atraente).

Processed with VSCOcam with t1 preset

E, se Werther morreu por ver Carlota, dando pão com manteiga às criancinhas,

Mulheres_Lendo_11

se achou-a assim tão mais bela…

Mulheres_Lendo_12

Que problema haveria em achar mais bonita uma mulher quando lê? Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Tradutora de Svetlana Aleksiévitch, Sonia Branco vira ‘sócia’ da bielorrussa

Sonia Branco e Svetlana Aleksiêvitch: "Nosso livro"

Sonia Branco e Svetlana Aleksiévitch: “Nosso livro”

Encontro entre autora e tradutora durante a Flip rendeu agradecimentos e dedicatória especial. Escolhida para verter obras da bielorrussa, Sonia Branco relata experiência de noites debruçadas sobre obras “densas e envolventes”.

Da Gazeta Russa

A Nobel de Literatura Svetlana Aleksiévitch, que esteve na recente edição da Flip (Festa Literária Internacional de Paraty), é uma escritora de muitas vozes. E, se uma delas fala português, isso se deve a Sonia Branco. No evento, além de terem a oportunidade de trocar algumas palavras, o encontro rendeu uma “parceria” inesperada: em sua dedicatória, a bielorrussa agradece pelo que chama de “agora nosso livro”.

“Foi uma emoção muito grande. Jamais imaginaria que isso fosse acontecer”, conta Sonia. A voz brasileira da Nobel de Literatura, aliás, também é uma mulher de muitas faces.

Com nome de heroína de Dostoiévski – aliás, uma paixão de ambas –, Sonia Branco não para por aí. É professora de Língua e Literatura da Universidade Federal do Rio de Janeiro, doutora e mestra em Teoria Literária, tradutora com vasta experiência, e um dos maiores nomes em estudos eslavos do Brasil.

O contato com Svetlana aconteceu por acaso. Após o anúncio de que a bielorrussa seria a Nobel de Literatura de 2015, iniciou-se uma corrida para lançar seus livros no Brasil. E isso passava pela escolha de tradutores para sua obra – densa, humana, mas contemporânea e de fácil acesso.

Logo, Sonia Branco foi contatada e, durante alguns meses, abriu mão de finais de semana, noites e feriados para dar corpo à versão brasileira de “Vozes de Tchernóbil”, um dos livros mais importantes de Svetlana Aleksiévitch. A obra sobre a catástrofe nuclear foi uma das três escolhidas para apresentar a bielorrussa ao Brasil, juntamente com “A Guerra não tem rosto de mulher” e “Tempo de segunda mão”.

“Passei meu Natal com a tradução. Chorei muitas vezes com o texto, me envolvi demais. É um livro denso e que precisa de um cuidado especial”, diz Sonia. O trabalho evoluiu e, enfim, a tradução pronta, e livro já está nas prateleiras. Mas a glória maior da brasileira ainda estaria por vir.

A participação de Svetlana na Flip era uma grande oportunidade para Sonia Branco conhecê-la. Mas, sem ingressos garantidos, restou comprar os bilhetes – como qualquer mortal – e aguardar uma brecha na agenda da bielorrussa. A chance aconteceu logo após a participação de Svetlana na Tenda dos Autores – evento principal da feira. Mesmo com a enorme fila para autógrafos, Sonia conseguiu trocar algumas palavras com a escritora.

E, ainda mais importante do que um “convite” para Minsk, foi a dedicatória singela e generosa feita por Svetlana Aleksiévitch, que escreveu no exemplar de Sonia “obrigado pelo, agora, NOSSO livro”. Assim, a brasileira se tornou “sócia” de um Nobel de Literatura. E, paralelamente, Svetlana Aleksiévitch ganhou uma nova voz feminina e bem brasileira.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Noruega faz o melhor comercial das Olimpíadas no Rio de Janeiro

olimpiadas-rio-de-janeiro-noruega

Entre centenas de campanhas publicitárias sobre os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, foi a Noruega que criou o comercial mais brasileiro. A peça mostra um Rio de Janeiro mais “realista” e é uma campanha da marca esportiva XXL Sport & Villmark. Tudo se passa em uma favela e mostra a história de um garoto que persegue um misterioso homem para devolver a carteira que ele deixou cair. Ao mesmo tempo, o próprio garoto é perseguido por policiais que acreditam que o acessório tenha sido roubado por ele.

Vejam abaixo.

via

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Só a ficção arranha a realidade

Faulkner

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Uma breve reflexão sobre os linchadores virtuais

Ilustração: Yuri Leonardo

Ilustração: Yuri Leonardo

Já vi grandes linchamentos na internet e vejo vários pequenos sendo ensaiados aqui e ali. Dentro da rede, creio que a melhor estratégia de defesa seja a de não se defender. Em caso de ataque, o melhor é que o agredido não somente fiquei quieto, mas impeça seus amigos de defendê-lo. O correto é o silêncio. Quando isso não acontece, a briga só aumenta e o nível torna-se rasante com o aparecimento de um verdadeiro enxame de vigilantes da moralidade pública, de guardiões de todas as virtudes e do politicamente correto.

Os linchadores de internet são um fenômeno mais ou menos recente, nascido nos blogs e disseminado nas redes sociais. O linchador tem normalmente por alvo uma pessoa que desconhece pessoalmente. Ele mal e mal conhece uma expressão do agredido, quase sempre plana, sem contexto. Há uma recusa pela complexidade e pela faceta.

Imagino que o linchador fique entre uma ocupação e outra. No intervalo, compraz-se com sua atuação na rede e com a de seus pares, enquanto o linchado sofre 24h, se lê os absurdos escritos. As ofensas vêm de um “mundo virtual”, mas ecoam e têm reflexos no real. O linchador de internet não pega em paus ou pedras, mas pode levar uma pessoa frágil ao fundo do poço, causando danos e ele e a seus próximos. Danos não apenas morais, mas profissionais.

O assustador é que o linchador tem a capacidade de disseminar mentiras (ou meias verdades) de forma absolutamente sem freios. Ele pega uma história já interpretada — isto é, distorcida –, sem desejar avaliar sobre se os fatos são verdadeiros. Apesar de saber só um tiquinho, não pestaneja e busca na internet o efeito altamente prazeroso de entrar numa discussão sem ver caras irritadas nem gritos. Dissemina ódio sem ética e respeito à intimidade alheia.

A leitura dos linchadores é algo pra espantar. Ali temos a clara noção de que a pessoa média e politicamente correta carrega toneladas de ódio contra as coisas mais incríveis, incluindo até o Monty Python!

Nesta semana, vi dois ensaios de linchamento. No primeiro, um perfeito idiota reclamou que o autor de um texto poético escrevera que as mulheres “ficam mais bonitas quando se entregam a [leitura de] uma história”. Ponto. A acusação era de que o primeiro elogio a se fazer a uma mulher que lê jamais seria o de que ela fica mais bonita. (Deveríamos dizer, ah, ela está se ilustrando ou se informando…?) Olha, se eu vejo uma desconhecida lendo, acho-a mais bonita do que em várias outras circunstâncias. Mais: acho que um escritor — como o este meu amigo — fica mais interessado em conhecer uma mulher leitora do que numa que não ame os livros. Meu amigo escritor ficou quieto, apenas curtiu os comentários dos malucos, como se os levasse em conta. A coisa cessou rapidamente.

(Fiquei pensando em alguns poemas clássicos que teriam de ser revisados…)

O segundo foi bem mais agressivo. Outro amigo escreveu que Taylor Swift era “uma cantora de bosta”. Então ele foi acusado de uma inverdade: de ter chamado a tal Taylor de bosta. Ora, ele escreveu que ela era uma cantora de bosta, ou seja, que não cantava porra nenhuma. Sei que ele diria o mesmo de um cantor que detestasse. O que ele fazia era um juízo de valor sobre a arte desta Taylor que desconheço.

Os agressores eram feministas que não merecem tal denominação, a meu ver muito maior que tais baixarias. A discussão chegou ao ponto descontrolado do meu amigo ter que ler que “tratar homens e mulheres com igualdade é machismo”, ponto onde eu devo acabar este já longo texto. Em casos de linchamento, não há espaço para discordâncias cordiais ou reflexão ou para “complexidades mesmo as mais simples”.

Há outros casos, outros temas. No passado, vi um linchamento absurdo de uma judia que se declarou não sionista. Descobri casualmente e tive dificuldade de saber quem era a vítima, sempre chamada de vaca, puta ou mulherzinha de merda. E o maior de todos, o daquele professor que sofreu com uma matilha de parvos moralistas porque um blog decadente — como todos — achava que precisava de page views.

É uma vontade de achar problema, de criar polêmica, que torna tudo irrespondível. Será que isso serve para o linchador virtual mascarar uma inação efetiva? Pois, em seu íntimo, ele deve ter certeza que está limpando o mundo de suas porcarias e fazendo sua parte na construção de um mundo melhor.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Feliz Dia do Amigo

Nelson Moraes: A gente tem que abrir a cabeça pra entender que amizade é tudo.

Dia do Amigo Trotsky Stálin

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Mozart – Adágio da Serenata para 13 Instrumentos de Sopro, K. 361, "Gran Partita"

Esplendidamente interpretado por F. Murray Abraham — que ganhou o Oscar de Melhor Ator por este Amadeus (1984), de Milos Forman –, Salieri diz:

Na página não parecia… Nada! O princípio simples, quase cômico. Só uma pulsação. Trompas, fagotes… como uma sanfona enferrujada. E depois, subitamente… lá bem no alto… um oboé. Uma única nota, ali pendurada, decidida. Até que um clarinete a substitui, adoçando-a numa frase de tal voluptuosidade… Isto não era uma composição de um macaco amestrado. Era música como eu nunca tinha ouvido. Cheia de uma saudade, de uma saudade não realizada. Parecia-me que estava a ouvir a voz de Deus.

.oOo.

Música

(Para D.D.S.)

Algo de miraculoso arde nela
e fronteiras ela molda aos nossos olhos.
É a única que continua a me falar,
depois que todos os outros ficaram com medo de se aproximar.

Depois que o último amigo tiver desviado o seu olhar,
ela ainda estará comigo no meu túmulo,
como se fosse o canto do primeiro trovão,
ou como se todas as flores tivessem começado a falar.

(1958)

De Anna Akhmátova. Este poema foi dedicado a Dmitri Shostakovich e está gravado em seu túmulo. Foi uma exigência do compositor.

A tradução é de Lauro Machado Coelho, no excelente livro Shostakovich – Vida, Música, Tempo.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Os passageiros do metrô do Século XVI

Segundo o fotógrafo Matt Crabtree, você pode encontrar todo o tipo de pessoa no metrô de Londres. No entanto, não verá ninguém do século XVI. A série abaixo é intitulada ‘Os passageiros do metrô do Século XVI’. O autor tira as fotos clandestinamente, quando anda de trem na cidade. “Todas essas fotos são tiradas, retocadas e enviadas do meu telefone”, escreveu ele no Facebook. “Tento capturar momentos suburbanos mundanos de beleza tranquila, clássica.”

via

secret-subway-portraits-16th-century-tube-passengers-matt-crabtree-5-57626c78b5f28__700

secret-subway-portraits-16th-century-tube-passengers-matt-crabtree-3-57626c739c874__700

secret-subway-portraits-16th-century-tube-passengers-matt-crabtree-4-57626c75b3041__700

secret-subway-portraits-16th-century-tube-passengers-matt-crabtree-6-57626c7aabc7d__700

secret-subway-portraits-16th-century-tube-passengers-matt-crabtree-7-57626c7cbb9b3__700

secret-subway-portraits-16th-century-tube-passengers-matt-crabtree-14-57626c8dbade1__700

secret-subway-portraits-16th-century-tube-passengers-matt-crabtree-15-57626c8fa0803__700

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Falcão (com os melhores lances da quinta derrota consecutiva)

Falcão: belo casaco

Falcão: belo casaco

Nada do que está acontecendo no clube, Paulo Roberto, é culpa tua. Recebeste um time em estado de degradação e destreinamento e, para reorganizá-lo, levará algum tempo. Aos torcedores que ontem agrediram jogadores e dirigentes, tenho a dizer o seguinte: sou inteiramente a favor dos protestos e vaias, mas contra a violência. E mais: não adianta protestar contra os jogadores, mas contra os responsáveis pelo departamento de futebol, ou seja, contra gente como Derrotório Piffero e Carlos Pellegrini. Secundariamente, valeria a pena protestar contra a massa de torcedores anônimos e parvos que se enganaram com nossa liderança sem ver o que ocorria em campo — um golpe de sorte ao estilo Santa Cruz.

Afinal, se hoje ganhamos incrível e inédito 1 ponto dos últimos 21 disputados, os responsáveis são aqueles que mantiveram Argélico na virada do ano — já se sabia tudo sobre sua incapacidade — e o deixaram fazendo bobagens até meados de julho. O time, hoje, joga um arremedo de futebol. 1 ponto em 21 é para chamar a SAMU, a Unimed, o viagra, o álcool ou qualquer coisa que nos reanime.

Hoje estamos a 12 pontos do líder, a 6 do G-4 e apenas 5 pontos à frente do Z-4.

Certo, nossos jogadores não são Brastemps, mas não ficam abaixo da maioria da concorrência. Falta articuladores — Alex é um ex-jogador, Anderson cultiva uma barriga de aposentado e D`Alessandro foi expulso do clube pelo Derrotório — e parece que não vamos tê-los, a não ser que Seijas surja como solução ou que Anderson dedique-se finalmente a seu ofício. Entrar em campo com Andrigo, Ferrareis e Sasha mais parece piada.

Se eu fosse tu, Falcão, jamais entraria com o citado trio na armação. Como dali não sai nada mesmo, colocaria o problema na mão de raposas mais velhas, como Alex, Anderson e Marquinhos. Nada por nada, é melhor queimar quem tem grande salário. Outra coisa: acho que Dourado tem que ficar atrás. Sua presença ofensiva é dispensável e falta proteção aos zagueiros.

(Olhando o grupo de jogadores do Inter, é incrível o número de jogadores ruins. Quem um nome? Allison Farias.)

A ruindade na armação começa a estourar lá atrás, onde não está Dourado. Por exemplo, os antes bons William e Paulão começam a vazar e o cenário atual é de um Inter que vimos raramente e que, para nossa sorte, ainda não vingou, um que é franco favorito ao rebaixamento.

O primeiro tempo de ontem foi lastimável. O Beira-Rio assistiu silencioso a um time muito bem estruturado e treinado destruindo uma equipe menor e indefesa. Aquele primeiro tempo podia ter sido um 0 x 3 sem grande exagero. Melhorou um pouco no segundo, mas chance de gol que é bem, nada.

No próximo jogo, domingo, às 11h, contra a Ponte Preta em Campinas, o Inter poderá ter de volta o goleiro Danilo Fernandes e o meia Seijas, ambos em fase final de recuperação de lesões. Por outro lado, Rodrigo Dourado e William, convocados para a seleção olímpica, desfalcam a equipe, se podemos utilizar este termo para o que temos.

Obs. final: Nico López seria um belo reforço. Ele e a Udinese aceitaram a proposta do Inter, mas o esperto Pellegrini acha impossível que dê tempo para que sua documentação esteja pronta antes de terça-feira, data em que fecha a janela europeia. Se isso acontecer, será mais um episódio ridículo desta diretoria de circo. (Lembram quando Quintero foi anunciado? Cadê Quintero?)

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque hoje é sábado, mulheres lendo

O PHES de hoje foi escrito, escolhido e dirigido pelas consoantes do escritor gaúcho Gustavo Melo Czekster, que também pilota o blog O Homem Despedaçado. Os textos de Gustavo — Mestre em Literatura Comparada e advogado — são deliciosos, verdadeiramente invejáveis, mas o que provoca meus ciúmes é a notável capacidade que ele tem de sair sempre sorrindo nas fotos. É um sorriso despudoradamente feliz, como se ele estivesse indo ou recém vindo do Nirvana. Bá, como é difícil para mim fazer isso sem que transpareça meu desejo de matar o fotógrafo. Gustavo é autor de um livro que tem o mesmo nome de seu blog e acaba de finalizar seu segundo, Não há amanhã, que sairá pela Zouk. 

.oOo.

Existe algo de especial quando você me olha.

Foto 01

Você poderia escolher entre dezenas de outros,

Foto 02

Mas eu fui o sortudo.

Foto 03

Às vezes você vai se perder comigo em alguma rua,

Foto 04

Irá me levar para as promessas que moram na cama,

Foto 05

Ou talvez nos enrodilharemos no sofá como dois gatos velhos.

Foto 06

Talvez a gente se esqueça do mundo na cozinha,

Foto 07

Talvez você me convide para tomar um café e seus olhos se tornem sonhadores, Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bruegel, os cegos e meu sonho

Hoje eu tive um sonho. Estava pintando o quadro abaixo. Eu era Pieter Bruegel, o Velho e pintava em meu atelier A Parábola dos Cegos, certo? Há mais: estava emocionadíssimo porque um dos cegos — qual seria? — era meu pai e era do maneira abaixo que ele se deslocava com seus pares. Um negócio desesperador. Mesmo! Eu pintava e chorava.

Assim como para a Caminhante, Ernesto Sábato e José Saramago,a cegueira e suas metáforas, mas principalmente a cegueira sem metáfora, é algo que assusta e causa perplexidade, pena, medo, profundo interesse, tudo.

Quando acordei, a imagem da obra-prima de Bruegel foi substituída pela da galinha abaixo, vista ontem no Google Images. Bem, sei lá.

P.S. — Meu pai, morto em 1993, nunca teve deficiência visual.

Parábola dos Cegos

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Tão otário que paga pra te ver

E o Partido se autodenomina Novo.

rodr constantino

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Carolina, a mulher que “não deu filhos” a Machado de Assis

CARTADEmachadoecarolinaLi hoje contrariado um texto que dizia que a esposa de Machado de Assis — a muito amada Carolina Augusta Xavier de Novais — “não tinha lhe dado filhos”. Céus, que expressão boba. Se Carolina não deu a filhos a Joaquim Maria, também Joaquim Maria não os deu a Carolina. E não creio que ninguém considere Machado incompleto porque não teve filhos. “…não transmiti a nenhuma criatura o legado de nossa miséria”, escreveu o personagem-título de Memórias Póstumas de Brás Cubas. E se isto vale para um homem, vale para uma mulher.

Mas é fato que algumas pessoas com filhos veem com desconfiança os que não têm. Parece que traem a espécie humana. Em nosso passado agrário, ter filhos até podia ser uma questão fundamental. Afinal, famílias grandes podiam trabalhar extensões maiores de terra, produzindo maior prosperidade e alimento. Além disso, os pais contavam com os filhos para suportarem melhor a velhice.

Lembro que alguns antigos casais narravam com orgulho o fato de terem voltado da lua-de-mel com uma encomenda. E, se a coisa demorasse a acontecer, o mundo passava a ver a mulher — e exclusivamente ela — como portadoras de algum distúrbio, como a Carolina de Machado. E se o problema fosse com o cara?

Porém, em nossos dias, sabemos que a maioria de nossos filhos não cuidará de nós na velhice e nem renderá grana.

Outro fato atual é que o sexo parece estar cada vez mais afastado da reprodução. O cara não precisa ser um Bach para ser considerado viril e nem a mulher super parideira é um sucesso. Também nunca ouvi um amigo dizer publicamente que gostaria de ter filhos com uma mulher, só ouvi que “essa é pra casar”, quase sempre dito em tom de brincadeira para uma mulher linda e inteligente.

Para mim, ter filhos foi e é motivo de enorme grande alegria. Mas e daí que alguns não tenham? É uma escolha facultativa mesmo neste país atrasado, evangélico e sem aborto legal. É uma escolha que não é simples, pois significa a forma de vida que alguém quer para si. E, para os que não conseguem tê-los por algum motivo físico, há milhares de crianças necessitadas de pais que lhes deem amor.

Mas tudo isso só pela frase sobre Carolina?

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Chuva

livro-cem-anos-de-solidaoOntem, estava saindo do Guion Cinemas, olhei para fora e vi toda aquela chuva com o reflexo das luzes no chão do Nova Olaria. Pensei num dia em que estava viajando com a Elena e ela não voltava e não voltava. Estávamos em Londres e chovia aquela chuva de lá, que raramente é forte. Poucos usam guarda-chuvas na capital britânica, mas a Elena detesta chuva e seria bem capaz de ficar esperando que passasse. Mas também poderia estar perdida ou refém de um comando terrorista. E eu no quarto do hotel, cada vez mais angustiado. Desci até a recepção e contei meu drama para o atendente. O cara achou graça e disse que ninguém se perdia em Londres. Então, pensei num mal súbito.

Sem aguentar esperar, dirigi-me até a frente do hotel e raciocinei sobre como deveria fazer para encontrá-la em seu caminho de volta, se ela não estivesse numa maca de hospital. E fui. Andei umas três quadras e a vi de longe, com seu andar calmo e deslizante de quem teve mãe bailarina. Fiquei com vergonha de minha histeria. E diminuí o ritmo dos passos para observá-la melhor. Roupa cinza, ela vinha com o casaco sobre a cabeça, protegendo-se da chuva fraca. Uma bonita figura. E lembrei de como ela não suportaria Macondo. Dias antes ela tinha me dito que seu livro preferido na juventude fora uma edição russa de Cem Anos de Solidão de um tal Márquez. Como ela disse só o último nome do autor, eu achei que ela falava em Marx. Aí eu expliquei que aqui se dizia García Márquez.

Mas não tive tempo de seguir conjeturando porque tive que abrir meus braços para ela.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!