Cobertos de razão, torcedores colorados repudiam a declaração de Fernando Carvalho

NIKE SU13Eu já tinha escrito aqui neste blog que Fernando Carvalho era uma daquelas pessoas de alguma idade que não preservaram a inteligência. Disse e repeti. Acontece. Completo agora dizendo que ele deve ir para casa cuidar do netos, se os tiver e se os filhos permitirem. O que ele cometeu no dia de hoje já foi muito bem respondido pela ComudoInter e por minha amiga Elisa Piranema. Abaixo, copio os textos de meus amigos. Chega do Inter na 1ª Divisão, chega de fiascos. Vamos varrer esta diretoria nas eleições de dezembro. E adeus, Fernando Carvalho!

Também peço o encerramento do campeonato AGORA com a queda do Inter. Temos que repensar o clube.

.oOo.

O Grupo do Facebook, ComudoInter divulgou uma carta de repúdio à declaração realizada ao Vice-presidente de futebol Fernando Carvalho, onde ele comparou o acidente com o avião da Chapecoense com o risco quase iminente de rebaixamento do Internacional.

Com diversas assinaturas, a carta dos torcedores pede o encerramento do campeonato mesmo que acarrete o rebaixamento do Internacional.

Leia na íntegra:

CARTA DE REPÚDIO ÀS DECLARAÇÕES DE FERNANDO CARVALHO

De: Torcedores colorados
Para: Torcedores de outros times, amantes do esporte, e acima de tudo seres humanos

É com um imenso pesar que nós, torcedores do Sport Club Internacional, repudiamos as declarações dadas pelo ex-presidente Colorado – o Sr. Fernando Chagas Carvalho – à Rádio Pampa na fatídica Terça-Feira, dia 29/11/2016, após o trágico acidente com o avião que transportava a equipe da Chapecoense, além de sua comissão técnica, comissários de bordo e jornalistas esportivos.

Outrora um presidente do qual nos orgulhávamos de um dia termos tido, por sua glória máxima de obter um título mundial, hoje nos envergonhamos por sua frase “Temos a nossa tragédia particular, que é fugir do rebaixamento (…) e esse adiamento de rodadas certamente será prejudicial”, que demonstra uma absurda falta de compaixão ao desprezar que nenhuma tragédia, única e exclusivamente futebolística – como ser rebaixado a uma série inferior –, se sobrepõe à tragédia ocorrida que acarretou a perda das vidas de pessoas, pais de famílias e profissionais dedicados.

Seria leviano ignorar a comoção global com tamanha catástrofe, de tal forma que compadecer-se da dor alheia não é demagogo, e sim empático. A sua dor, torcedor de Chapecó, é também a nossa dor. E a sua decepção com a declaração infeliz, é, também, a nossa decepção. Abaixo de vestirmos vermelho e branco somos também de carne e osso, e o que, esporadicamente, nos divide, é algo infinitamente menor quanto ao que nos une permanentemente: Somos seres humanos, e como tais, prezamos pelo bem estar de nossos semelhantes.

Acima de qualquer rivalidade, acima de qualquer disputa e acima de qualquer paixão a uma entidade futebolística, deve-se sempre existir o respeito. Respeito, este, que parece ser uma virtude desconhecida ao antigo dirigente, mas que acompanha a nós, torcedores do Internacional e verdadeiros representantes deste Clube do Povo.

Isto posto, nos manifestamos favoráveis ao encerramento do Campeonato Brasileiro sem a realização de sua rodada derradeira, cientes de que os resultados atuais acarretariam o descenso de nosso clube. Não há clima para futebol no que resta deste ano.

Por fim, a quem tenha se ofendido: Nosso imenso pedido de desculpas, tal declaração não representa a dor que também estamos sentindo.

Atenciosamente,
Torcedores colorados “

.oOo.

A torcedora e minha amiga Elisa Del Pino Piranema publicou o que segue em seu perfil do Facebook. Ela também me representa.

Se já não bastasse todo o sofrimento que estamos vendo com a tragédia da Chape, tenho que ouvir um dirigente vir dar uma declaração NOJENTA E REVOLTANTE que o cidadão que é vice de futebol do Inter deu, pq me nego de hj em diante citar o nome dele.

Que moral tem essa criatura de falar uma coisa dessas se toda essa situação que estamos passando é culpa e muito dele por ter trazido o MAIOR DESAFETO DA TORCIDA COLORADA para nos treinar e se não bastasse insistir com ele mesmo vendo que o barco estava afundando.

Triste é ver um dirigente que já foi tão respeitado pelo Brasil inteiro, inclusive por mim, ter um fim tão decadente e patético.

Só tenho duas coisas a dizer: ESSE CIDADÃO NÃO REPRESENTA A MAIORIA DA TORCIDA COLORADA e peço desculpas às 75 FAMÍLIAS que perderam seus entes queridos por ter que ouvir e ler uma coisa dessas.

Triste é ver que tem pessoas que diante de uma tragédia dessas, consiga ainda pensar só no seu umbigo e sua reputação, pouco se lixando para os seres humanos que partiram de uma forma tão trágica.

Desculpe o desabafo mas numa hora dessas o que menos importa é se vamos cair ou não, pq a VIDA É MAIOR QUE TUDO E QUE TODOS.

Ontem foi o pior dos dias: nunca fomos tão rapidamente do luto à baixeza

Ontem foi o pior dos dias: nunca fomos tão rapidamente do luto à baixeza

Ontem foi o pior dos dias. Primeiro, houve a tragédia com o time da Chapecoense, vitimando jogadores, comissão técnica, dirigentes e jornalistas do excelente, simpático e organizado clube catarinense. Só se falava nisso, a comoção foi mundial. Pois enquanto todos os olhos estavam voltados para a Colômbia, enquanto a Rede Globo botava o país para chorar com edições de alta temperatura emocional, ratos de todas as espécies — deputados gaúchos, deputados federais e senadores, todos juntos, ao mesmo tempo — aproveitaram-se para deitar e rolar.

Foda-se o povo | Foto: Gisele Arthur
A brilhante foto-resumo: foda-se o povo | Foto: Gisele Arthur

Na verdade, a maioria dos políticos brasileiros está como na foto acima: lixando-se para as consequências sociais de seus atos. Eles trabalham apenas para seus patrões financiadores de campanhas e para suas igrejas. Porém, infelizmente, são os legítimos representantes do povo brasileiro, um povo sem o menor grau de informação, idiotizado pela propaganda e bovinizado pelos meios de comunicação dominantes.

A desonra do que fizeram ontem a Assembleia Legislativa do RS, o Congresso Nacional e o Senado, dificilmente será superada. Mesmo assim, a imensa maioria do povo brasileiro ainda não entendeu que os atuais donos do poder são meros estafetas de grandes empresários que ganham muito, mas muito com eles.

Tais testas-de-ferro querem reduzir um estado que não dá o mínimo de saúde, educação e segurança. A intenção é de privatizar o que der, sempre em causa própria e na de seus patrões. O que pensar do Ministro da Saúde Ricardo Barros, um engenheiro civil que teve sua campanha financiada por um dos principais operadores de planos de saúde do país? O que ele tentará fazer? Você já sabe, vai reduzir os gastos e o atendimento do SUS. Quem se rala? Os mais pobres, a maioria, justo aqueles que votaram nos deputados de propagandas mais ostensivas e nos evangélicos do Congresso.

Não tenho mais dúvidas sobre a necessidade das ruas. E elas se tornarão mais e mais violentas. Lamento, mas creio ser necessário. Temos em Brasília uma quadrilha governando para si e procurando anistiar-se de seus próprios crimes. Imaginem que a Câmara dos Deputados, também ontem, rejeitou a criação do crime de enriquecimento ilícito de servidores públicos. A noite de 29 para 30 de novembro de 2016 jamais será esquecida pelos servidores que recebem propina. Foi uma noite de liberação!

Mas ainda maior repercussão terá a PEC 55, aprovada ontem em primeiro turno no Senado e que corta investimentos sociais por 20 anos, jogando muita gente na absoluta falta de saúde e educação. Tal PEC é uma encomenda de certos empresários financiadores de campanhas. Estes são os piores inimigos do povo brasileiro. E devem ser tratados como tais.

Curiosamente, as manifestações de 2013 começaram pedindo mais investimentos em serviços públicos e no combate à corrupção. Ontem, o Congresso respondeu impondo severos limites a ambos.

Como escrevi, acho que temos que ir mais e mais para as ruas. Meus parabéns aos estudantes que ontem foram a Brasília. Estamos nas mãos de ministros corruptos, senadores corruptos, deputados corruptos, juristas corruptos. E as grandes emissoras de TV e rádio, comprometidas com o lamaçal, ainda vêm dizer que se trata de vândalos, que democracia não é baderna. Que a baderna aumente! Infelizmente, é o momento da Grande Baderna.

P.S. — Peço desculpas pelo texto (muito) irritado, inteiramente fora da linha habitual do blog.

Apartamento de Bulgákov em Moscou vai virar museu

Apartamento de Bulgákov em Moscou vai virar museu

Em processo de restauração, espaço já abrigou primeira mostra este ano. Museu permanente irá expor objetos do escritor, entre eles fotos e escrivaninha.

Da Gazeta Russa

Mostra "Manuscritos não queimam" foi a primeira de novo museu Foto: Agência Moskva
Mostra “Manuscritos não queimam” foi a primeira de novo museu Foto: Agência Moskva

O apartamento em Moscou onde o autor Mikhail Bulgákov viveu nos anos 1920 e 1930 e escreveu sua obra mais conhecida, “O Mestre e Margarita”, será reaberto em breve como museu, anunciou o diretor do espaço, Peter Mansilla-Cruz.

A decisão de reutilizar o apartamento como galeria foi feita em dezembro de 2015, e uma pequena exposição-teste foi realizada em maio deste ano.

“Pequena e muito íntima, [a mostra] ficou em cartaz por 10 dias. Trouxemos um exemplar da primeira edição de ‘O Mestre e Margarita’ e alguns itens importantes de sua parafernália. Foi um anúncio do futuro deste espaço como um museu”, disse Mansilla-Cruz à Gazeta Russa.

Manuscrito exibido na exposição em maio Foto: Agência Moskva
Manuscrito exibido na exposição em maio Foto: Agência Moskva

O apartamento, descrito no livro “Um Coração de Cachorro”, está localizado na rua Bolsháia Pirogóvskaia, 35a (próximo às estações de metrô Sportívnaia e Frúnzenskaia).

“A casa onde Bulgákov viveu e trabalhou é um memorial de nossa herança cultural”, disse o diretor, “por trás da fachada há uma mansão do século 19 que foi reconstruída de cima a baixo na época soviética. O apartamento foi ocupado por serviços administrativos e usado como depósito, por isso está conveniente gasto. Também sofreu mudanças internas – o arco que conduzia ao famoso escritório foi recoberto com tijolo.”

O desenvolvimento do conceito do museu e a restauração continuarão ao longo de 2017, mas Mansilla-Cruz adianta que o memorial irá exibir a escrivaninha de Bulgákov e outros artefatos.

“Felizmente, muitas de suas fotos da época foram preservadas, todos esses detalhes podem ser restaurados”, acrescentou o diretor.

Moscou já possui um espaço dedicado ao escritor, o Museu Estatal Bulgákov, que está localizado na rua Bolsháia Sadôvaia, 10 (perto do metrô Maiakóvskaia), no endereço onde Woland e sua trupe viviam em “O Mestre e Margarita”. Este museu organiza excursões por Moscou apresentando locais ligados a Bulgákov.

Se liga, meu amigo: Sul21 lança campanha de assinaturas

Se liga, meu amigo: Sul21 lança campanha de assinaturas

Assim como vários órgãos da mídia independente, o Sul21 está lançando sua campanha de assinaturas. Acho justo e esperado.

Com a democracia brasileira fragilizada por sucessivos ataques à Constituição e ao Estado de Direito, com o crescimento da onda de intolerância e de um discurso de ódio que procura criminalizar os direitos humanos e sociais, com a grande imprensa subordinando a produção e a circulação da informação a seus interesses particulares, acreditamos que nosso trabalho é mais do que nunca necessário.

Queremos e vamos sobreviver. Quando afirmamos isso, não desejamos apenas a manutenção de nossos empregos, mas uma ampliação de cobertura. Só nós sabemos o que deixamos de cobrir por “falta de pernas”. Há uma enorme demanda dos movimentos que não recebe divulgação e amplificação.

6f1cfa8fab8d7bca73c162b8245427f8

Para enfrentar esse cenário, o Sul21 está lançando uma campanha de assinaturas a fim de fortalecer e qualificar o trabalho que desenvolve desde 2010.

Mais do que uma mera colaboração financeira, a campanha propõe uma maior aproximação do nosso público leitor com o trabalho cotidiano que realizamos.

O conteúdo do Sul21 permanecerá aberto. Não é nossa ideia impedir a leitura dos não assinantes do portal.

Além do livre acesso a nosso conteúdo e de colaborar para o fortalecimento do portal, os assinantes receberão produtos especiais como envio de notícias por diferentes plataformas e aplicativos, boletins especiais sobre temas estratégicos da conjuntura e ingressos para participar dos Debates Sul21.

Porém, o mais importante é que a sua assinatura contribuirá para que o Sul21 qualifique e amplie sua capacidade de fazer um jornalismo independente comprometido com a justiça, a democracia e os direitos fundamentais.

A motivação para este texto é óbvia, mas pedimos mais uma colaboração a vocês: por favor, divulguem em suas certamente qualificadas redes pessoais de forma a que mais pessoas sejam informadas de nossa campanha.

Nesta página estão todos os detalhes de como funcionam as assinaturas.

Agradecemos sua participação e divulgação.

Índice médio de felicidade, de David Machado

Índice médio de felicidade, de David Machado

indice-medio-de-felicidade-david-machadoDe uma forma muito pessoal, gostaria de caracterizar o excelente romance Índice médio de felicidade como uma “história pânica”. Em nenhum momento consegui um afastamento emocional do livro, pois ele tocou profundamente em um de meus maiores medos — o do desemprego, ainda mais na minha idade de 59 anos. O texto do português David Machado é envolvente, profundamente humano e nervoso, impondo um ritmo forte à leitura.

Após décadas de crescimento, Portugal soçobra em uma profunda crise econômica e o desemprego cresce. O romance é narrado por Daniel, um jovem na casa dos 30 anos que se vê sem ter o que fazer. Demitido de uma agência de viagens, passa a realizar pequenos trabalhos, vê sua esposa mudar-se para o interior com os filhos e fica em Lisboa, aguardando a sorte e ocupando-se com todo o tipo de coisas, muitas delas perfeitamente inúteis para tirá-lo do buraco, meros reflexos de sua situação.

Otimista ao mais alto grau, Daniel vai resistindo de uma forma muito peculiar e humana: procura não encarar a dura realidade e a falta de perspectivas. Mesmo a vergonha que sente de expor-se aos filhos e à mulher é mostrada pelo filtro de leveza de Daniel. Porém, à medida que lemos o romance, sentimos crescer um subtexto que caminha na direção contrária ao que diz o narrador. Suas boas intenções passam a ser claramente hostis a ele próprio. Um verdadeiro achado.

A história é ótima, com um belo final. O bom humor do livro e a extraordinária capacidade narrativa de David Machado — um ex-economista que não escreve uma palavra em economês — garantem um livraço.

Índice Médio de Felicidade recebeu o Prêmio da União Europeia para a Literatura e, dizem, será adaptado para o cinema. Recomendo MUITO.

De forma inteiramente casual, encontrei-me com David na Feira do Livro de Porto Alegre no momento em que adquiria seu livro
De forma inteiramente casual, encontrei-me com David na Feira do Livro de Porto Alegre no momento em que adquiria seu livro. O pedido de autógrafo foi inevitável.

Inter mexeu um minguinho, mas permanece em coma

Inter mexeu um minguinho, mas permanece em coma

3baeed38-5b65-4708-a4dd-7b75c9cf2ef5Eu assisti à partida apenas ontem à noite. Credo, que coisa assustadora! Em primeiro lugar pelo futebol feio, interrompido pela janela de luz do golaço de Valdívia e, no final, o terror completo com o Cruzeiro perdendo dois gols feitos com Robinho e Ábila. Nos dois lances, o goleiro Danilo Fernandes ficou parado, na torcida para que suas redes não fossem estufadas pelos chutões desferidos da entrada da pequena área. O segundo pareceu um efeito especial. A gente espera ver a bola lá dentro, mas ela passa como se tivesse a propriedade de atravessar redes e paredes. Vejam os dois lances no vídeo abaixo, logo após o gol de Valdívia. Não sei como aquelas bolas não entraram.

Acabou 1 x 0 para o Inter. Vendo o jogo, se eu não soubesse o resultado final, não acreditaria. Mas o Inter baixou suas chances de rebaixamento de 90 para 82%… Ou seja, ainda dependemos de um mundo para nos livrarmos, a começar por uma escorregada do Vitória hoje à noite contra o Coritiba já em férias. Não duvido que o Inter esteja repassando uma grana de incentivo ao Coxa. Sobre o resto, é um fim de feira.

O time não tem padrão de jogo, é confuso na defesa, não cria, não arma. Dependemos do Sobrenatural de Almeida.

Ah, se Lisca tivesse chegado antes… Ontem, mudou o time sempre com correção e ousadia. Não temos futebol, mas conseguimos certo domínio territorial com as saídas do péssimo Géferson e do horroroso Dourado de 2016. Tenho certeza de que, se Lisca tivesse chegado antes, não estaríamos nesta merda.

Agora, hoje à noite, faremos uma torcida meio constrangida pelo Coritiba à espera de um milagre no próximo domingo.

P. S. sobre o drone: achei engraçada a brincadeira. Dei risada. Mas não é todo mundo que sabe rir de si mesmo. O incrível é que os torcedores não apenas foram se vingar como invadiram a casa errada. Quebraram o que viram pela frente. Imaginem o medo desta família que, por sinal, é (ou foi) colorada. E, como em nossa Porto Alegre tudo o que não há é segurança, aquelas pessoas inocentes da brincadeira ficaram à mercê de um grupo de vândalos, para dizer o mínimo. Um completo absurdo.

https://youtu.be/BkJKY46ysaI

No dia da morte de Fidel, lembro de minha longa conversa com Padura

No dia da morte de Fidel, lembro de minha longa conversa com Padura
Foto de Alberto Korda. Clique para ampliar.
Foto de Alberto Korda. Clique para ampliar.

Quando conversei com Leonardo Padura, ele foi muito franco sobre seu país. Pediu que ficassem off-the-record apenas algumas de suas impressões sobre o Brasil. Falou que há uma esquerda romântica que vê Cuba como paraíso socialista e há uma direita muito agressiva, que a vê como um inferno comunista. E Cuba não é uma coisa nem outra. Segundo ele, o país parece mais com o purgatório. Porém… “Como leste em meus livros, sabes o quanto sou crítico de muitas coisas que ocorrem em Cuba, mas posso te dizer com toda certeza que, por sorte, lá nunca houve os excessos que ocorreram na União Soviética, na Alemanha e nos países do oeste. É uma sociedade que teve e tem, sobretudo, grandes problemas econômicos. A economia não funciona bem e a política está presente na vida das pessoas, mas nunca tivemos grande repressão. Há controle, é uma sociedade muito controlada, de um partido único, em que o estado e o governo são os mesmos. Há controle, repito, mas sem excessos. Lezama Lima, por exemplo, jamais teria sido publicado na URSS ou na Europa Oriental comunista. Até hoje teria problemas na Rússia. Em Cuba, foi. E isso aconteceu nos anos 60”.

Sobre a relação dos escritores cubanos com o mercado, foi ainda mais tranquilo: “Até 1990, 91, cada vez que um escritor cubano publicava um livro fora do país, tinha que fazê-lo através de uma agência literária do Ministério da Cultura. Ela cobrava os direitos e dava a parte do escritor. Já a partir dos anos 90, foi possível a livre contratação. Eu, no ano de 1995, comecei a publicar através de uma editora espanhola. E, desde então, minha relação econômica com o governo cubano é a de um escritor que recebe direitos e que paga impostos, como qualquer trabalhador independente. Pago pontual e religiosamente meus impostos, mas os direitos são meus e de uma agência da Espanha”.

Pois é, eu e Padura | Foto: Roberta Fofonka
Pois é, eu e Padura | Foto: Roberta Fofonka

Conversamos muito sobre Cuba. Sobre a dificuldade de alguém realizar-se no país — parecia que falávamos de toda a América Latina –, sobre a casa onde mora, que é a mesma em que nasceu. Aliás, seu pai e seus avós também viveram no mesmo local. Riu quando, ironicamente, perguntei se a revolução não quisera levá-la. Também sobre a sensação de pertencimento de todo povo cubano. Sobre a pobreza e as fugas. Sobre o excelente sistema de saúde, uma das obsessões de Fidel. E ele contou a piada que já conhecia: “Acaba o comunismo e o pai diz para o filho em Cuba: meu filho, tudo o que te disseram sobre as maravilhas do comunismo eram mentiras, mas tudo o que te disseram sobre o capitalismo era verdade”.

A ingenuidade de tanta gente que vê um país latino tão semelhante ao Brasil como se fosse outra dimensão…

Hoje, dia da morte de Fidel Castro, não é dia de entrar no Facebook. Li cada coisa sobre Cuba… Uns falando no tal paraíso, outros falando em pobreza e que Fidel não deveria ter nascido… Olho para lá, para cá, e concluo que essa gente certamente não mora no Brasil.

fidel-castro-1

Evitar a queda para a Série B no tapetão é coisa de time grande…

Evitar a queda para a Série B no tapetão é coisa de time grande…

A ironia do título que criei não dá ideia da vergonha que sinto de torcer para um time tão ruim. O texto abaixo não é meu, porém explica muita coisa. De resto, dura lex sed lex, ou seja, a lei é dura mas é lei.

Querem a real? Então tá!

O TAPETÃO: Pra galera que não entendeu o que aconteceu com o jogador Victor Ramos, do Vitória. Ele pertence ao Monterrey e foi emprestado ao Palmeiras. Findou o contrato com o Palmeiras e foi repassado DIRETO para o Vitória. Acontece que isso é PROIBIDO pela FIFA. O jogador foi negociado com se fosse patrimônio (ativo) do Palmeiras, sendo que ele pertence ao Monterrey! A FIFA determina que nesses casos, o jogador retorne ao clube que pertence logo após o término do contrato e só daí ele pode ser negociado novamente. Mas de acordo com o informativo da Fifa, ele não retornou ao Monterrey, ele foi repassado DIRETO pro Vitória. Isso é proibido porque antigamente era uma maneira de evitar os pagamentos de encargos pelas partes envolvidas, no caso Monterrey e Vitória. Cada ida e vinda do jogador resulta na incidência de tributos e com esse repasse direto, essas tributações são limitadas. O jogador está SIM inscrito irregularmente! Se o Bahia não conseguiu reverter o resultado do campeonato baiano foi porque faltou força POLÍTICA. Tudo é política. Precedente jurídico tem de sobra, mas uma punição por Vitória com perda de pontos passa antes de tudo por uma forte articulação política. O STJD pode optar por multa, advertência ou embargos ao Vitória. Como pode optar também pela perda de pontos. E isso depende muito mais de Fernando Carvalho e sua influência do que propriamente dos advogados. Carvalho, como um homem de direito que é COM CERTEZA irá agir. É a última cartada. É bonito ? Não. Mas é legítimo e legal. Se o Inter tivesse cometido esse erro, adversário nenhum perdoaria.

Que cagada, Victor Ramos...
Que cagada, Victor Ramos…

Mônica Leal e meu Tempra dourado

Mônica Leal e meu Tempra dourado

Obs. inicial: Hoje, duas pessoas vieram me falar deste velho post. Recordar é viver! Importante dizer que já paguei o que devia à nobre vereadora.

Alguns poucos de vocês devem lembrar que a atual vereadora de Porto Alegre e ex-Secretária de Cultura do RS, Mônica Leal, me processou. Sei que muita gente vai me invejar e devo confirmar que tenho o maior orgulho disso. É currículo, meus amigos! Bem, ela ganhou a causa e fiquei devendo um alto valor para ela. Depois, meu advogado — que é excelente — conseguiu baixar o montante e hoje a coisa está num valor que não lembro qual é, só lembro que é igualmente impossível de pagar. Afinal, se me virarem de cabeça para baixo e chacoalharem, só vão cair no chão minhas passagens e os almoços que devo comer até o fim do mês.

Hoje me ligou um oficial de justiça. A seguir, o diálogo:

— É o Sr. Milton Ribeiro?

— Sim, quem fala?

— Aqui é X., oficial de justiça, e eu tenho uma intimação para entregar ao Sr.

— Da parte de quem? — perguntei, já sabendo do que se tratava.

— De… Mônica Leal — ele disse e deu uma risadinha curta, não sei por quê.

— Ah, sim, pois é, acho que ela deve processar muita gente, né? E o que diz a intimação?

— Ela pede a penhora de um Tempra de sua propriedade.

— Um Tempra? O Sr. quer dizer o automóvel?

— Sim, o automóvel.

— Mas eu nunca tive um Tempra.

— Mas é o que está escrito aqui.

— OK, o Sr. fica de plantão no dia X no horário Y no local Z, não?

— Sim.

— Eu vou aí buscar a intimação, pode ser? Passo aí na frente todo dia.

— Ah, perfeito. Estarei aqui. Obrigado.

— Obrigado, boa tarde.

— Boa tarde.

Quando depositei o telefone no gancho, minha mente se iluminou. Lembrei do Tempra. Estávamos talvez em 1997. Eu e meus amigos Daniel e Corrêa compramos um carro em São Paulo para fazer negócio. O troço era bom e caro e não era um Tempra. Vendemos na primeira semana. Recebemos uma parte em dinheiro e outra na forma de um carro de menor valor: o Tempra dourado.

Eu juro para vocês que nunca tinha visto uma coisa mais feia na minha vida. Eu nunca dei bola para carros, mas aquilo era uma excrescência, um problema de malformação de fábrica, algo que faria a Igreja aprovar o aborto, algo que deve ter feito os operários da Fiat pararem a produção para olharem bem, darem gargalhadas e contarem pros amigos.

— Daniel, que carro é esse?

— É o que a gente recebeu na volta.

— Daniel, esse carro não foi figurante em Carruagens de Fogo?

— Que coisa horrível, né?

— Daniel, quem é que vai comprar isso?

— Olha, Milton, o carro está em excelente estado blá, blá, blá…

Demoramos uns 3 meses ou mais para nos livrar do Chariots of Fire. Mas ele foi adiante. A dúvida que fica no ar é a seguinte: será que ele ainda está em meu nome? Será que, em estando no meu nome, teve pagos seus impostos? Bem, se não teve, aí toda a piada começa a perder a graça. O pior é fucei no site do Detran e nada de Tempra.

Hoje à tarde, só para apavorar meus sete leitores, procurei um Tempra dourado na internet mas não achei. Era um amarelo metálico, credo. Era dessa cor aí embaixo, mas não era digno como este Maverick. Imaginaram o horror?

.oOo.

Acabamos de encontrar uma foto de Tempra dourado!

tempra-dourado

Boa tarde, Presidente Piffero, você conseguiu!

Boa tarde, Presidente Piffero, você conseguiu!
Rotina corintiana: Ernando não comete pênalti, mas o juiz marca.
Rotina corintiana: Ernando não comete pênalti, mas o juiz marca.

Ontem à noite, após nova e merecida derrota – apesar do pênalti inexistente que foi marcado contra o Inter — a boa equipe de esportes de Nando Gross, na Rádio Guaíba, fez um levantamento dos erros cometidos por Vitorio Piffero nestes dois anos. Na brincadeira não valia falar nas coisas que deram errado por uma eventualidade, apenas naquelas que a imprensa e a torcida apontaram na hora: vai dar errado, tem tudo para dar errado. E deram.

Foram tantas coisas que é difícil de lembrar de todas: a promessa de que teríamos Tite, a esnobada em Mano Menezes, a contratação de Aguirre — técnico nº 8 na preferência da direção –, o preparo físico nos tempos do uruguaio, a insistência com Argel, a cedência de D`Alessandro para o River, a contratação de Falcão, sua combatida substituição por Celso Juarez Roth, a não demissão de Roth antes do jogo contra a Ponte, quando tínhamos 10 dias para treinar, a entrada de Lisca sem tempo para treinar, a tentativa de queimar Seijas e Nico López, que ontem foram os melhores… E, aliás, ontem tivemos uma escalação com cara de Fernando Carvalho, não?

Entrar com Sasha e Paulão, colocar Aylon em campo, mas deixando Vitinho como centroavante (?), as substituições que não alteram o esquema, tudo igual a Juarez, na verdade tudo igual a Fernando Carvalho. Pois o maior de todos os erros de Piffero foi o de ter entregue o futebol ao decadente presidente campeão do mundo em vez de buscar alguém mais atualizado e menos negociante.

Gente, já era. O Infobola está até bonzinho e diz que temos 90% de chances de cair. Basta olhar como nosso ataque joga — o terceiro pior da Série A — para saber que é 100%. Só o reserva Nico López chuta. Não há criação ou posse de bola. Todos erram passes. A defesa só dá chutão. Como disse o goleiro Danilo Fernandes na saída do campo, o Inter parece um time juvenil, todo assustadinho. Não ganhamos fora de casa desde MAIO, tá bom? Imagino o que passa pela cabeça de gente desassombrada como Valdomiro, Figueroa, Mário Sérgio, Iarley, Tinga ou D`Alessandro vendo o atual time jogar. Somos uma vergonha futebolística.

Parabéns, Vitorio Piffero!
Parabéns, Vitorio Piffero!

Sartori, em vez de extinguir Fundações, que tal ir atrás dos sonegadores ?

Sartori, em vez de extinguir Fundações, que tal ir atrás dos sonegadores ?
Foto: Guilherme Santos / Sul21
Foto: Guilherme Santos / Sul21

Anos atrás, eu prestava consultoria ao setor de TI da FEE. Gostava do ambiente e da criteriosa seriedade das pessoas de lá. Além disso, a utilidade e a qualidade do trabalho realizado também era clara. Era uma série de atividades voltadas para a geração de indicadores, tabulações, perfis econômicos, publicações, trabalhos acadêmicos, etc. Ficava tão feliz, a sensação de ser útil era tão grande que sempre ultrapassava o número de horas contratadas. A Fundação é de 1973. Tem, portanto, 43 anos de serviços prestados.

Como ouvinte, sou fã absoluto da FM Cultura 107.7, da Fundação Piratini. É a melhor rádio do dial do FM. O que dizer das horas e da cultura que ganhei no Sessão Jazz do Paulo Moreira, no Conversa de Botequim, na Manhã Popular Brasileira, no Contracultura, no Estação Cultura, no Cultura na Mesa e no pré-antigo As Músicas que Fizeram sua Cabeça?

Agora, Sartori pretende acabar com as duas Fundações e mais sete que conheço muito menos, quase nada. É o que diz a tabela que anexo abaixo, publicada hoje em ZH.

sartori-fee-tve-fm

Sem medo de errar, sei que a FEE será substituída por mil consultorias contratadas. E vocês sabem como são estas contratações. Eu sei. Lá por 2008, perdi uma empresa por me negar a pagar propina a um gestor federal. Ele ficou indignado pelo fato de eu ter escolhido ser correto. Procurando vingança, até nos processou por “maus serviços”. (Vejam só, a FEE nos contratara sem esquema no passado. Já esta outra…)

Seria irresponsável acusar alguém ou o governo de querer fazer o mesmo. Mas acho absurdo este descarte de importantes empresas. Ouço e leio o choro do governo do RS: “não temos dinheiro”, “são empresas desnecessárias”. Porém, curiosamente, o governo gasta milhões em propaganda para dizer que economiza muito. OK, na opinião deles há que chegar ao estado mínimo, só que não temos o mínimo de saúde e educação. E, quando fala em déficit, o governo olha principalmente as despesas, cuidando muito menos das receitas.

O que o Pezão Feltes, nosso Secretário Estadual da Fazenda faz contra a sonegação? Olha, não ouço falar nisso. É só mimimi sobre despesas com funcionalismo — que nem pode sonegar — e extinções.

Acho que lucro é igual a receita menos despesa. Então, tão importante quanto cortar despesas é aumentar a receita.

E Feltes, o Sindicato dos Técnicos Tributários da Receita Estadual do RS (Afocefe) e do Sindicato Nacional dos Procuradores da Fazenda (Sinprofaz) afirmou em 18 de agosto que a sonegação de ICMS no RS chegara a R$ 4,5 bilhões até aquela altura, considerando apenas o ano da graça de 2016.

Isso é dinheiro grosso, não? A FEE, por exemplo, gasta R$ 22 milhões com celetistas em um ano, ou seja, 204 vezes menos.

Por que não ir atrás? Por que é antipático? Por que incomoda os amigos que financiaram as campanhas? Que tal tentar resolver a coisa pelo outro lado? É mais gostoso chorar e assim justificar a inação?

Finalmente, adeus Celso Roth! Lisca é um novo gerente do manicômio de Piffero, Carvalho e Affatato

Finalmente, adeus Celso Roth! Lisca é um novo gerente do manicômio de Piffero, Carvalho e Affatato

Eu não contei pra vocês, meus sete leitores, mas a verdade é que assisti todos os jogos da fase Celso Roth em casa ou em bares. Desde sua contratação, neguei-me a ir ao Beira-Rio ver a palhaçada. Só fiquei pagando minha carteira vermelha. E olhando de longe. Ontem, assisti apavorado ao baile que Juarez tomou do bom Eduardo Baptista, técnico da Ponte e futuro técnico do Corinthians para 2017.

Imaginem que Baptista retirou um zagueiro para colocar um atacante… Ou seja, fez exatamente o que Celso Juarez deveria ter feito quando do gol de empate da Ponte. Deu a dica. Só que Celso, com suas opiniões copiadas de algum manual perdido dos anos 70 — e que desconhecia Minelli e Telê –, teve medo de tirar um zagueiro ou volante para colocar mais atacantes. Medo. E o jogo acabou num trágico 1 x 1 e nós com dois zagueiros e dois volantes… Ele só fez trocas de maquiagem. Nada de alterar o esquema, mesmo com time indo para a segunda divisão.

Meses atrás, o ataque não funcionava, então Carvalho trouxe um técnico retranqueiro como solução… Aliás, lembram de meu texto anterior, de antes deste jogo? O título era Olha, para salvar o Inter, só tirando Celso Juarez Roth nesta retinha final e mesmo assim…

Trocar de técnico agora é como repensar a vida depois do salto para o suicídio. É óbvio que Lisca já tinha sido contatado, tanto que hoje, antes das 7h, enquanto eu ainda aquecia minha bochecha no travesseiro, ele já estava anunciado no site do clube. Só que antes do jogo de ontem, tivemos dez dias para treinar e agora Lisca terá de atuar como já na segunda-feira à noite. Hoje é sexta, lembram? Foram 22 jogos com Roth.

Lisca Louco em sua época de Náutico
Lisca Louco em sua época de Náutico

Treinar com Celso Roth é como ensaiar com um mau maestro. A gente sabe olhando o que acontece algumas vezes aqui em Porto Alegre. No primeiro ensaio a música até sai. Depois, com as instruções ditadas pela incompetência, ela piora. Piora tanto que os ensaios são cancelados. Os músicos mais malandros adoram a folga que lhes caiu do céu. Trabalham menos e o resultado no concerto acaba sendo pífio, ou Piffero. É isso. Treinar com Celso Roth é isso. Dez dias de treinamentos podem ser fatais. E todos sabem disso no manicômio de Piffero, Affatato e Carvalho.

Só me resta desejar boa sorte a Luiz Carlos de Lorenzi, o Lisca, que tem fama de louco e vasta experiência nas divisões de base do Inter. Espero que ele tenha autorização para retirar Paulão e Sasha do time, para não escalar Vitinho descontado, enfim, para tentar encontrar uma rede que salve o Inter de esborrachar-se no chão. Pois o salto foi dado.

Agora o Inter tem que pontuar mais do que o Vitória. Nossos próximos jogos ~soa complicados: Corinthians (fora), Cruzeiro (casa)  e Fluminense (fora). Enquanto isso, a tabela do Vitória é uma piada: Figueirense (casa), Coritiba (fora) e Palmeiras, provavelmente já campeão, em casa. Ou seja, dá pra dizer que já era.

P.S. –Vocês não votar no Affatato para presidente, né?

Uma(s) lista(s) de melhores contos, na minha humilde opinião e na do El País

Uma(s) lista(s) de melhores contos, na minha humilde opinião e na do El País
Machado de Assis e Guimarães Rosa.
Machado de Assis e Guimarães Rosa.

O Brasil sempre privilegiou o conto, mas os europeus nunca deram grande importância ao gênero. O Caderno de Cultura Babelia do jornal espanhol El País publicou uma notícia que fala sucintamente da recente valorização do conto naquele país, pedindo para que autores espanhóis citem seus contos favoritos da literatura não espanhola. Curiosamente, nenhum conto foi citado duas vezes. Depois, coloco uma relação de contos favoritos deste blogueiro.

Relatos universales que no hay que perderse

Escritores, editores y libreros que han participado en este especial sobre el renacer y la nueva valoración del cuento en España comparten con los lectores títulos de sus cuentos favoritos en español y otras lenguas.

— El llano en llamas, de Juan Rulfo, y Bartleby, el escribiente, de Herman Melville (Berta Marsé).

— Carta a una señorita en París, de Julio Cortázar, y La dama del perrito, de Antón Chéjov (Cristina Cerrada).

— La Resucitada, de Emilia Pardo Bazán, y El bailarín del abogado Kraykowsky, de Witold Gombrowicz (Cristina Fernández Cubas).

— El Aleph, de Jorge Luis Borges, y Una casa con buhardilla, de Antón Chéjov (Eloy Tizón).

— El espejo y la máscara, de Jorge Luis Borges; Una luz en la ventana, de Truman Capote, y Donde su fuego nunca se apaga, de May Sinclair (Fernando Iwasaki).

— Bienvenido, Bob, de Juan Carlos Onetti; El álbum, de Medardo Fraile; En medio como los jueves, de Antonio J. Desmonts; Alguien que me lleve, de Slawomir Mrozek; Los gemelos, de Fleur Jaeggy; La colección de silencios del doctor Murke, de Heinrich Böll, y Guy de Maupassant, de Isaak Babel (Hipólito G. Navarro).

— Un tigre de Bengala, de Víctor García Antón, y La revolución, de Slawomir Mrozek (José Luis Pereira).

— No oyes ladrar los perros, de Juan Rulfo; El veraneo, de Carmen Laforet; La corista, de Antón Chéjov, y Rikki-tikki-tavi, de Rudyard Kipling (José María Merino).

— Continuidad de los parques, de Julio Cortázar, y El nadador, de John Cheever (Juan Casamayor).

— El Sur, de Jorge Luis Borges; Parientes pobres del diablo, de Cristina Fernández Cubas; Tres rosas amarillas, de Raymond Carver, y La dama del perrito, de Antón Chéjov (Juan Cerezo).

— El infierno tan temido, de Juan Carlos Onetti, y Los muertos, de James Joyce (Juan Gabriel Vásquez).

— Las lealtades (de Largo Noviembre de Madrid), de Juan Eduardo Zúñiga, y El nadador, de John Cheever (Miguel Ángel Muñoz).

— Continuidad de los parques, de Julio Cortázar, y William Wilson, de Edgar Allan Poe (Patricia Estebán Erlés).

— Ojos inquietos, de Medardo Fraile; Noche cálida y sin viento, de Julio Ramón Ribeyro, y Míster Jones, de Truman Capote (Pedro Ugarte).

Minha relação saiu um pouco grande, apesar de ter sido escrita improvisadamente. Mas se pensasse mais, talvez não mudasse demais. Vamos a ela.

Contos estrangeiros:

— A Viagem, de Luigi Pirandello;
— O Velho Cavaleiro Andante, de Isak Dinesen (Karen Blixen);
— Ponha-se no meu lugar, de Raymond Carver;
— A Fera na Selva, de Henry James;
— Bartleby, o Escrivão, de Herman Melville;
— A Enfermaria Nº 6, de Anton Tchékhov;
— Queridinha (ou O Coração de Okenka), de Anton Tchékhov;
— A Corista, de Anton Tchékhov;
— A Dama do Cachorrinho, de Anton Tchékhov;
— Olhos Mortos de Sono, de Anton Tchékhov;
— Os Sonhadores, de Isak Dinesen (Karen Blixen);
— A Morte de Ivan Ilitch, de Leon Tolstói;
— Uma Alma Simples, de Gustave Flaubert;
— As Jóias, de Guy de Maupassant;
— Os Mortos, de James Joyce;
— O Licenciado Vidriera, de Miguel de Cervantes;
— O Artista da Fome, de Franz Kafka;
— A Colônia Penal, de Franz Kafka;
— A Queda da Casa de Usher, de Edgar Allan Poe;
— Berenice, de Edgar Allan Poe;
— William Wilson, de Edgar Allan Poe;
— O Primeiro Amor, de Ivan Turguênev;
— Três Cachimbos, de Ilya Ehrenburg;
— A Loteria da Babilônia, de Jorge Luis Borges;
— A procura de Averróis, de Jorge Luis Borges;
— O jardins dos caminhos que se bifurcam, de Jorge Luis Borges;
— Tlön, Uqbar, Orbis Tertius, de Jorge Luis Borges.

Contos brasileiros:

— Missa do Galo, de Machado de Assis;
— Uns Braços, de Machado de Assis;
— Noite de Almirante, de Machado de Assis;
— Um Homem Célebre, de Machado de Assis;
— A Terceira Margem do Rio, de Guimarães Rosa;
— Meu tio, o Iauaretê, de Guimarães Rosa;
— A Hora e a Vez de Augusto Matraga, de Guimarães Rosa;
— O Duelo, de Guimarães Rosa;
— Guapear com Frangos, de Sérgio Faraco;
— O Voo da Garça-pequena, de Sergio Faraco;
— Corvos na Chuva, de Ernani Ssó;
— Contrabandista, de João Simões Lopes Neto;
— Baleia, de Graciliano Ramos (não é um conto, mas pode funcionar como tal);
— O homem que sabia javanês, de Lima Barreto;
— O Vitral, de Osman Lins;
— O Afogado, de Rubem Braga;
— Venha Ver o Pôr do Sol, de Lygia Fagundes Telles;
— Feliz Aniversário, de Clarice Lispector;
— Uma Galinha, de Clarice Lispector;
— O Japonês dos Olhos Redondos, de Zulmira Ribeiro Tavares.

A roupa entlou

A roupa entlou
Foto meramente ilustrativa, sou muito menor.
Foto meramente ilustrativa, sou muito menor. Não sou eu, tá?

Houve uma época em que eu trabalhava de terno e gravata. Tinha 14 kg a menos. Hoje, não preciso mais usar roupa formal e faz anos que não visto — ou me fantasio — com tal indumentária. Desta forma, meus ternos ficaram guardados num canto do guarda-roupa. Mas, no próximo sábado, vou a uma festa mais social e, bem, tive que encarar a realidade. Comprar um terno, alugar ou tentar me meter num dos que tenho?

Fui experimentando um por um. Todos estão em muito bom estado, mas as calças simplesmente se negavam a caber no modelo arredondado que me tornei. Por algum motivo bem masoquista, resolvi tentar me enfiar no mais velho deles e vim em direção ao mais novo. Como deus é pai, o último entrou. Quando aconteceu, disse para mim mesmo, “entlou”.

Sim, entlou. Explico: uma vez lavava a louça com meu filho Bernando brincando a meus pés. Ele devia ter uns 2 ou 3 anos de idade. Como eu com meus ternos, ele pegava uma coisa de cada vez na cozinha e colocava dentro de seu caminhão de madeira. Por exemplo, pegava um ovo, colocava no bagageiro, fechava-o e dizia “entlou”. (Sempre foi muito cuidadoso, jamais estragou um CD ou livro meu. Tinha respeito pelas coisas da casa). Depois pegava uma laranja e dizia “entlou”. Um limão e dizia entlou, etc. Então, pegou um mamão, colocou delicadamente no bagageiro e disse “não entlou”. Aí eu disse pra ele, “É, filho, o mamão é muito grande, não cabe no bagageiro”. E segui lavando os pratos e talheres quando ouvi um barulho estranho de bisnaga sendo apertada e sua voz “mas agola entlou”.

Incrível, o mamão ficou quadrado, a coisa mais linda. Mais ou menos como eu dentro da calça que entlou. Mas entlou, tá entlado, vou com ela. Hoje, comi apenas salada, um filé de peixe e água no almoço. Tudo para que a calça entle sem eu ouvir som de bisnaga.

Falta testar as gravatas. Não pensem que sei dar nó de gravata. Mantenho por anos os nós que as boas almas fazem para mim, mas lembro que os desmanchei na última vez que as guardei. Achei que jamais as usaria novamente e que era ofensivo dar gravatas para os mendigos do Bom Fim.

E conjeturo se pescoço engorda. Ah, a camisa entlou sem reclamar de nada.

A Natureza Intensa, de Nelson Rego

a-natureza-intensa-nelson-regoNão sei quais são as principais referências literárias de Nelson Rego, mas não devo errar muito se falar em Bataille, Sade, Genet, Gombrowicz e Gide, além de algo mais político. Porém, este livro não segue nenhum modelo utilizado pelos autores citados, apenas fazendo com que lembremos deles. Em A Natureza Intensa, Rego faz uma curiosa literatura hedonista, onde há belas e glamurosas mulheres em posições de poder. Elas administram suas empresas a partir de fundamentos éticos muito pouco praticados, que incluem não somente a solidariedade como o sexo e a beleza.

O volume abre com o conto Garota Espiralada, onde uma modelo posa nua para um grupo de artistas. Só que estes parecem um grupo de voyeurs mais interessados no corpo da menina do que em seus trabalhos. O trabalho parece pretexto para a contemplação.

Farsantes Sinceras conta uma viagem onde duas mulheres circulam por uma Itália cheia de tentações e mistérios. Aqui, somos apresentados a algumas personagens da narrativa que fecha o livro.

Sim, o melhor é o conto final (ou novela, pois tem 75 páginas). A natureza intensa brota por todo lado trata de um homem maravilhosamente perdido na casa da dona de uma grife que retira da pobreza meninas para trabalharem como modelos. Vitória dá-lhes tudo: educação, roupas, segurança, beleza… Dá-lhes o mundo. E elas tornam-se “queridas, ousadas, nada submissas, valentes, justiceiras, taradinhas, narcisistas, perspicazes e profundas, um pouco fúteis, criativas, inteligentes e estudiosas e aplicadas em suas responsabilidades, cheias de compaixão e amor apaixonado, exibicionistas, ecológicas, solidárias, com espírito de equipe, independentes, vaidosas, uns amores, tudo de bom”.

Rego não faz pornô soft, faz boa literatura com um belo trabalho de linguagem, que lembra os autores citados na abertura desta resenha. O que é também singular no mundo de Nelson Rego é que tudo isso é temperado por posições contra o establishment. Isto é, não estamos nunca no terreno do conformismo. Os planos das poderosas mulheres incluem investimentos nos promissores editores gays de Londres que sonham em abrir uma sucursal antirreligiosa em Jerusalém e outra antirracista no Texas. Elas também pretendem abrir linhas de crédito para quintais quilombolas dedicados à agricultura orgânica nas regiões mais latifundiárias e racistas do RS… Lembram que o deputado Luis Carlos Heinze disse que quilombolas, índios, gays e lésbicas era “tudo que não presta”? Pois bem, ele ficaria louco com os planos delas.

Sem dúvida, é um mundo é bem interessante e, infelizmente, distinto de nossa realidade. Talvez, como diz a poderosíssima Jewel, verdadeira suma-sacerdotisa, a intenção seja a de dar esperança para o mundo através do tesão.

Recomendo!

Nelson Rego | Foto: Palavraria
Nelson Rego | Foto: Palavraria

Porque hoje é sábado, Marie Gillain

Porque hoje é sábado, Marie Gillain

Não sei se meus sete leitores a conhecem. Conhecem?

Ela é Marie Gillain, uma atriz belga que esteve em cartaz em Porto Alegre com o filme

Tudo o que desejamos. Não, o nome do filme não se refere a ela,

mas não acharia nenhum absurdo se assim fosse.

Correto?

Vi-a em diversos filmes e sempre a achei linda, assim como devem ter achado

Philippe de Broca, os Irmãos Taviani, Ettore Scola, Régis Wargnier, Cédric Klapisch,

Guillaume Nicloux, Danis Tanović, Anne Fontaine… Nada contra, não sou exclusivista.

Sabe-se que nasceu em 1975 e é atriz desde a infância.

marie-gillain-1

Tem 41 anos. Duas filhas. Sempre foi solteira.

Read More

No Dia Nacional de Greve, uma salada destinada aos desligados

No Dia Nacional de Greve, uma salada destinada aos desligados

Na vinda para o trabalho, me senti até seguro com tanta polícia na rua. Como escreveu no facebook minha amiga Mariana Xerxenesky, torço que um dia os bandidos sejam tratados como os estudantes e os funcionários públicos do Brasil. Aliás, poderiam até tratar melhor os bandidos. Eles não merecem bombas. Afinal, são produtos mais da desigualdade e da falta de educação e horizontes do que de sua má índole.

Ontem à noite, saí para dar uma passadinha no supermercado. Uma vizinha estava saindo sorridente de seu apartamento, carregando malas. Na rua, outros estavam colocando coisas em seus carros para aproveitar o prologado feriadão. De sexta à terça são 5 dias. Foi quando me dei conta do quanto poderia ser maior o Dia Nacional de Greve se marcado para um dia em meio de semana. Nas grandes cidades há muita gente do interior  — principalmente estudantes — e não os condeno por fugirem de Porto Alegre à menor oportunidade.

Mas, por exemplo, meu enteado permanece na Ocupação, a PEC 55 (antiga 241) segue ameaçando todo o investimento em educação e saúde e, ao que parece, as manifestações são grandes. Mas não poderiam ser ainda maiores?

Bombas no estudantes da Ufrgs. Eles têm razão em cantar: "“Que vergonha, que vergonha deve ser, espancar trabalhador para ter o que comer”
Bombas no estudantes da Ufrgs. Eles têm razão em cantar: ““Que vergonha, que vergonha deve ser, espancar trabalhador para ter o que comer” | Foto: Maia Rubim

É sempre bom lembrar que a mobilização de hoje é um ato nacional contra a montanha de absurdos que está sendo proposta pelo governo Temer: terceirizações no setor público, o projeto “Escola Sem Partido” — também chamado de Lei da Mordaça, destinado a professores —  a terrível PEC 55 (241) — uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que trata do teto dos gastos públicos e que congelará os gastos e investimentos com saúde e educação por 20 anos!!! –, o projeto de lei número 4567 — que altera regras para a exploração de petróleo e gás natural do pré-sal, acabando com o conceito de Petrobras –, as reformas da Previdência e do Ensino Médio, a flexibilização do contrato de trabalho, a defesa da lei do piso. etc.

Não são coisas secundárias e a sociedade deve ser alertada para o que Temer e seu Congresso estão preparando. Está acima de partidos. Esqueça a briga de coxinhas x petralhas, eu também não aguento mais. Digo isso desta forma porque há muita gente que se enojou e se desligou da política nos últimos tempos.

Também é bom se ligar no cheque abaixo. Os caras se sentiam tão seguros que a Andrade Gutierrez repassava propina sem o menor cuidado, via cheque nominal. É muita transparência né? Você sabia que o nome completo de nosso atual presidente é Michel Miguel Elias Temer Lulia? Que ironia este Lulia, né? Mas preste bem atenção no valor.

cheque

Carlos Magalhães escreveu:

— Senhor Andrade Gutierrez, poderia me passar uma módica propina de 1 milhão de dólares?
— Claro! Vocês fazem muito por nós. Aguarde enquanto o meu funcionário vai ao cofre retirar o montante e colocar em uma mala.
— Não, não. Preciso de um cheque.
— Mas cheque é um perigo, vai ser rastreado. Não recomendo.
— Insisto. Preciso do cheque.
— Discordo veementemente, mas aqui está seu cheque.
— Obrigado, mas não é isso. O cheque tem que ser nominal.
— NOMINAL!!!!!!????? Pago propinas há décadas e nunca vi alguém pedir propina via cheque nominal!!!!!
— É porque o senhor não conhece o novo governo. Somos honestos. Gostamos de tudo às claras e prezamos a accountability acima de tudo. Até mais ver.
— Até mais ver. Agora sim esse país está entrando nos eixos…

.oOo.

Então, pessoas, informem-se porque o dia não acabou e haverá muito mais. Em todo o país.

O blogueiro encontra a Leitora Ideal

O blogueiro encontra a Leitora Ideal
René Magritte, Décalcomanie, 1966, © Photothèque R. Magritte / Banque d'Images, Adagp, Paris, 2016
René Magritte, Décalcomanie, 1966, © Photothèque R. Magritte / Banque d’Images, Adagp, Paris, 2016

O blogueiro senta-se na frente do micro e pergunta a si mesmo:

— Escrevo um post rápido ou requento algo antigo?

— Não, nada de requentar, quero algo novo e de qualidade — responde a Leitora Ideal.

— É que tenho pouco tempo, estou cansado e mesmo numa rapidinha há que ter atenção. Diria até que uma rapidinha é pura atenção concentrada, pura qualidade, algo tão condensado que nosso pensamento…

— Não me enrola.

— Como assim? Eu não ganho nada para publicar aqui. E tu vens porque quer. Não tem essa de exigência, não.

— É um direito adquirido, meu docinho. Sou uma de teus sete leitores. Venho aqui há dez anos e sempre há quatro ou cinco posts novinhos por semana.

— Depois de dez anos, o único direito que te dou é o de me criticar, e já é muito.

— Ah, escreve logo. Eu sei que estás trabalhando demais, mas ontem à noite ouviste quatro, eu disse quatro CDs! Hoje, ficaste horas olhando o facebook. Tu andas dispersivo, é isso.

— Dispersivo? Pô, tô trabalhando como um cão. E escrevi umas coisinhas aí, nem lembro mais.

— E passaste o domingo num almoço que durou até às 18h.

— Tá bom, mas estou sem assunto.

— Sem assunto? E aquela história bagaceira que começaste a semana passada e que causou tanta ojeriza? Não a mim, claro. Cadê o resto daquele nojo? Por que não publicas? E mais: este livro de Dostoiévski está te tomando muito tempo. Vou te tirar ele.

— Vai me tirar… Só estou lendo lentamente. E daí? Alem disso, não vou deixar que uma leitora interfira em minha vida privada.

— Vida privada? Tu? — e ri desbragadamente.

— Não entendi. Estou começando a me irritar.

— Música, vinho, amigos, pouca leitura e nada de escrever. Que beleza, hein? Sabes o que a mulher do Richard Strauss gritava para ele todo o dia logo após o café da manhã? Ela ordenava: “Anda Richard, vai compor”.

— Não sou Strauss e a mulher dele era uma prussiana… Minha mulher é uma russa nada disciplinada. E tu és uma reles leitora.

— Não, eu sou A Leitora.

— Olha, já que estou aqui tão dispersivo e ocioso, — ironiza o autor — gostaria de te fazer umas críticas.

— Faça, benzinho.

— O problema é que eu não tenho o que fazer contigo. Tu vais a meu blog e me elogias sempre, tu gostas de tudo indistintamente… Não há crítica, é chato.

— Chata? Eu? Eu sou a Leitora Ideal! Sou eu quem te dá toda a força do mundo, quem curte e comenta primeiro.

Faz um beicinho.

— É assim que me retribuis?

— É… –- ele hesita e volta à carga. — É que é chato mesmo. Até para elogiar há que ter crítica. Não adianta vir sempre com mesmos adjetivos e adulações. Assim, parece que eu escrevo sempre a mesma coisa.

— Tu estás me rejeitando?

— De certa forma, sim.

— É que eu escrevo o que queres ler. Quando me faltam adjetivos laudatórios, eu repito.

— Desculpa, mas tu não me serves para nada.

— Olha que eu vou embora!

— Como quiser….

— Tu devias me respeitar.

— Ponha-se daqui para fora. A porta da rua é serventia da casa…

— Outra frase feita? Será que a Leitora Ideal só merece isso? Não mereço mais nada? Tu não gostas quando vês aquele primeiro coraçãozinho no face sabendo que é um carinho meu?

— …

— Tu não sentirias minha falta se eu te abandonasse?

— Sim, mas…

— Disse sim! Disse sim! Não quero ouvir mais nada.

E senta-se no colo do blogueiro. Ele nota que ela não tem peso. Nem calor. Recebe um longo beijo, apesar de não perceber nenhuma umidade, tato, pressão, nada. Os braços que envolvem seu pescoço não são sentidos. Não há cheiro. É aterrorizante.

— Oh! Agora te deixei no ponto — ela diz, erguendo-se.

Ele não sabe o que dizer. Está pálido.

— Eu quis te dar tua linguagem de volta –- continua a leitora.

— Nem a língua me deste.

— Como? Tu és uma pessoa à procura da linguagem e eu, ao te dar meu beijo seráfico, devolvo-a a ti.

— Coisa sem graça.

— Te enganas.

— Prefiro ser enganado com algum prazer do que receber um beijo sem verdadeiramente senti-lo.

— Viste? Estás no ponto.

— Não me faças rir.

— Falaste em receber meu beijo sem sentir de verdade. Isto não é uma definição de linguagem? Voltaste a te ver refletido nela. A possuir uma linguagem, o que significa que podes escrever, expressar qualquer coisa.

— Tu és uma leitora que só me elogia.

— E tu és a tua linguagem. Anda, vai escrever!

Ele olha para o monitor branco no micro. Ela volta a falar.

— Eu leio o texto e trato de te refletir.

— Com elogios repetitivos?

— É o que queres.

— Não. Prefiro as críticas, aprendo com elas.

— Bobagem. Eu sei. Só eu sei.

Dito isto, a leitora dirige-se para a saída, não sem antes lançar um calculado olhar de despedida ao blogueiro. Ele se levanta a fim de fazer a gentileza de abrir a porta, mas ela a atravessa como se não existisse.

Michel Moore em 27 de julho: 5 motivos pelos quais Donald Trump será o próximo presidente dos Estados Unidos

Michel Moore em 27 de julho: 5 motivos pelos quais Donald Trump será o próximo presidente dos Estados Unidos

trump

Amigo:

Sinto muito por ser o portador de más notícias, mas fui direto com vocês no ano passado quando disse que Donald Trump seria o candidato republicano à Presidência. E agora trago notícias ainda mais terríveis e deprimentes: Donald J. Trump vai ganhar a eleição de novembro.

Esse palhaço desprezível, ignorante e perigoso, esse sociopata será o próximo presidente dos Estados Unidos. Presidente Trump. Pode começar a treinar, porque você vai dizer essas palavras pelos próximos quatro anos: “Presidente Trump”. Nunca na minha vida quis estar tão errado como agora.

Vejo o que você está fazendo agora. Está sacudindo a cabeça loucamente – “Não, Mike, isso não vai acontecer!”. Infelizmente, você está vivendo numa bolha anexa a uma câmara de eco, onde você e seus amigos vivem convencidos de que o povo americano não vai eleger um idiota como presidente.

Você alterna entre o choque e a risada por causa dos últimos comentários malucos que ele fez, ou então por causa do narcisismo vergonhoso de Trump em relação a tudo, afinal de contas tudo tem a ver com ele. E aí você ouve Hillary e enxerga a primeira mulher presidente, respeitada pelo mundo, inteligente, preocupada com as crianças, alguém que vai continuar o legado de Obama porque isso é obviamente o que o povo americano quer! Sim! Outros quatro anos disso!

Você tem de sair dessa bolha imediatamente. Precisa parar de viver em negação e encarar a verdade que sabe que é muito, muito real. Tentar se acalmar com fatos – “77% do eleitorado é composto por mulheres, negros, jovens adultos de menos de 35 anos; Trump não tem como ganhar a maioria dos votos de nenhum desses grupos!” – ou com a lógica – “as pessoas não vão votar num bufão, ou contra seus próprios interesses!” – é a maneira que seu cérebro encontra para te proteger do trauma. Como quando você ouve um estampido na rua e pensa “foi um pneu que estourou” ou “quem está soltando fogos?”, porque não quer pensar que acabou de ouvir alguém sendo baleado. É a mesma razão pela qual todas as primeiras notícias e relatos de testemunhas sobre o 11 de setembro diziam que “um avião pequeno se chocou acidentalmente contra o World Trade Center”.

Queremos – precisamos – esperar pelo melhor porque, honestamente, a vida já é uma merda, e é difícil sobreviver mês a mês. Não temos como aguentar mais notícias ruins. Então nosso estado mental entra no automático quando alguma coisa assustadora está realmente acontecendo. As primeiras pessoas atingidas pelo caminhão em Nice passaram seus últimos momentos na Terra acenando para o motorista; elas acreditavam que ele tinha simplesmente perdido o controle e subido na calçada. “Cuidado!”, elas gritaram. “Tem gente na calçada!”

Bem, pessoal, não se trata de um acidente. Está acontecendo. E, se você acredita que Hillary Clinton vai derrotar Trump com fatos e inteligência e lógica, obviamente passou batido pelo último ano e pelas primárias, em que 16 candidatos republicanos tentaram de tudo, mas nada foi capaz de parar essa força irresistível. Hoje, do jeito que as coisas estão, acho que vai acontecer – e, para lidar com isso, primeiro preciso que você aceite a realidade e depois talvez, só talvez, a gente encontre uma saída para essa encrenca.

Não me entenda mal. Tenho grandes esperanças em relação ao meu país. As coisas estão melhores. A esquerda ganhou a guerra cultural. Gays e lésbicas podem se casar. A maioria dos americanos têm uma posição liberal em relação a quase todas as questões: salários iguais para as mulheres; aborto legalizado; leis mais duras em defesa do meio ambiente; mais controle de armas; legalização da maconha. Uma enorme mudança aconteceu – basta perguntar ao socialista que ganhou as primárias em 22 Estados. E não tenho dúvidas de que, se as pessoas pudessem votar do sofá de casa pelo Xbox ou Playstation, Hillary ganharia de lavada.

Mas as coisas não funcionam assim nos Estados Unidos. As pessoas têm de sair de casa e pegar fila para votar. E, se moram em bairros pobres, negros ou hispânicos, não só enfrentam filas maiores como têm de superar todo tipo de obstáculo para votar. Então, na maioria das eleições é difícil conseguir que pelo menos metade dos eleitores compareça às urnas.

E aí está o problema de novembro — quem vai ter os eleitores mais motivados e mais inspirados? Você sabe a resposta. Quem é o candidato com os apoiadores mais ferozes? Cujos fãs vão estar na rua das 5h até a hora do fechamento da última urna, garantindo que todo Tom, Dick e Harry (e Bob e Joe e Billy Joe e Billy Bob Joe) tenham votado? Isso mesmo. Este é o perigo que estamos correndo. E não se iluda. Não importa quantos anúncios de TV Hillary fizer, quão melhor ela se portar nos debates, quantos votos os libertários roubarem de Trump — nada disso vai ser capaz de detê-lo.

Você precisa parar de viver em negação e encarar a verdade que sabe que é muito, muito real. Eis as 5 razões pelas quais Trump vai ganhar:

1. A matemática do Meio-Oeste, ou bem-vindo ao Brexit do Cinturão Industrial. Acredito que Trump vá concentrar muito da sua atenção em quatro Estados tradicionalmente democratas do cinturão industrial dos Grandes Lagos — Michigan, Ohio, Pensilvânia e Wisconsin. Estes quatro Estados elegeram governadores republicano desde 2010 (só a Pensilvânia finalmente elegeu um democrata). Nas primárias de Michigan, em março, mais eleitores votaram nos republicanos (1,32 milhão) que nos democratas (1,19 milhão). Trump está na frente de Hillary nas últimas pesquisas na Pensilvânia e empatado com ela em Ohio. Empatado? Como a disputa pode estar tão apertada depois de tudo o que Trump tem dito? Bem, talvez porque ele tenha dito (corretamente) que o apoio de Clinton ao Nafta (acordo de livre comércio da América do Norte) ajudou a destruir os Estados industriais do Meio-Oeste.

Trump vai bater em Clinton neste tema, e também no tema da Parceria Trans-Pacífica (TPP) e outras políticas comerciais que ferraram as populações desses quatro Estados. Quando Trump falou à sombra de uma fábrica da Ford durante as primárias de Michigan, ele ameaçou a empresa: se eles realmente fossem adiante com o plano de fechar aquela fábrica e mandá-la para o México, ele imporia uma tarifa de 35% sobre qualquer carro produzido no México e exportado de volta para os Estados Unidos. Foi música para os ouvidos dos trabalhadores de Michigan. Quando ele ameaçou a Apple da mesma maneira, dizendo que vai forçar a empresa a parar de produzir seus iPhones na China e trazer as fábricas para solo americano, os corações se derreteram, e Trump saiu de cena com uma vitória que deveria ser de John Kasich, governador do vizinho Estado de Ohio.

De Green Bay a Pittsburgh, isso, meus amigos, é o meio da Inglaterra: quebrado, deprimido, lutando. As chaminés são a carcaça do que costumávamos chamar de classe média. Trabalhadores nervosos e amargurados, que ouviram mentiras de Ronald Reagan e foram abandonados pelos democratas. Estes últimos ainda tentam falar as coisas certas, mas na verdade estão mais interessados em ouvir os lobistas do Goldman Sachs, que na saída vão deixar um cheque de gordas contribuições.

O que aconteceu no Reino Unido com a Brexit vai acontecer aqui. Elmer Gantry é o nosso Boris Johnson e diz a merda que for necessária para convencer a massa de que essa é a sua chance! Vamos mostrar para TODOS eles, todos os que destruíram o Sonho Americano! E agora o Forasteiro, Donald Trump, chegou para dar um jeito em tudo! Você não precisa concordar com ele! Você nem precisa gostar dele! Ele é seu coquetel molotov pessoal para ser arremessado na cara dos filhos da mãe que fizeram isso com você! DÊ O RECADO! TRUMP É SEU MENSAGEIRO!

E aqui entra a matemática. Em 2012, Mitt Romney perdeu por 64 votos no colégio eleitoral. Some os votos de Michigan, Ohio, Pensilvânia e Wisconsin. A conta dá 64. Tudo o que Trump precisa para vencer é levar os Estados tradicionalmente republicanos de Idaho à Geórgia (Estados que jamais votarão em Hillary Clinton) e esses quatro do cinturão industrial. Ele não precisa do Colorado ou da Virgínia. Só de Michigan, Ohio, Pensilvânia e Wisconsin. E isso será suficiente. É isso o que vai acontecer em novembro.

2. O último bastião do homem branco e nervoso. Nosso domínio masculino de 240 anos sobre os Estados Unidos está chegando ao fim. Uma mulher está prestes a assumir o poder! Como isso aconteceu?! Diante da nosso nariz! Havia sinais, mas os ignoramos. Nixon, o traidor do gênero, nos impôs a regra que disse que as meninas da escola têm de ter chances igual de jogar esportes. Depois deixaram que elas pilotassem aviões de carreira. Quando mal percebemos, Beyoncé invadiu o campo no Super Bowl deste ano (nosso jogo!) com um exército de Mulheres Negras, punhos erguidos, declarando que nossa dominação estava terminada. Meu Deus!

Este é apenas um olhar de relance no que se passa na cabeça do Homem Branco Ameaçado. A sensação é que o poder se lhes escapou por entre as mãos, que sua maneira de fazer as coisas ficou antiquada. Esse monstro, a “feminazi”, que, como diz Trump, “sangra pelos olhos ou por onde quer que sangre”, nos conquistou — e agora, depois de aturar oito anos de um negro nos dizendo o que fazer, temos de ficar quietos e aguentar oito anos ouvindo ordens de uma mulher? Depois disso serão oito anos dos gays na Casa Branca! E aí os transgêneros! Você já entendeu onde isso vai parar. Os animais vão ter direitos humanos e uma porra de um hamster vai governar o país. Isso tem de acabar!

3. O problema Hillary. Podemos falar sinceramente, só entre nós? E, antes disso, permita-me dizer que gosto de Hillary — muito — e acho que ela tem uma reputação que não merece. Mas ela apoiou a guerra no Iraque, e depois disso prometi que jamais votaria nela de novo. Mantive essa promessa até hoje. Para evitar que um protofascista se torne nosso comandante-chefe, vou quebrar essa promessa. Infelizmente acredito que Hillary vá dar um jeito de nos enfiar em algum tipo de ação militar. Ela está à direita de Obama. Mas o dedo do psicopata Trump vai estar No Botão, e isso é o suficiente. Voto em Hillary.

Vamos admitir: nosso maior problema aqui não é Trump — é Hillary. Ela é extremamente impopular — quase 70% dos eleitores a consideram pouco confiável e desonesta. Ela representa a política de antigamente: faz de tudo para ser eleita. É por isso que ela é contra o casamento gay num momento e no outro está celebrando o matrimônio de dois homens. As mulheres jovens são suas maiores detratoras, o que deve magoar, considerando os sacrifícios e batalhas que Hillary e outras mulheres da sua geração tiveram de enfrentar para que a geração atual não tivesse de ouvir as Barbara Bushes do mundo dizendo que elas têm de ficar quietas e bater um bolo.

Mas a garotada também não gosta dela, e não passa um dia sem que um millennial me diga que não vai votar em Hillary. Nenhum democrata, e seguramente nenhum independente, vai acordar em 8 de novembro para votar em Hillary com a mesma empolgação que votou em Obama ou em Bernie Sanders. Não vejo o mesmo entusiasmo. Como essa eleição vai ser decidida por um único fator — quem vai conseguir arrastar mais gente pra fora de casa e para as seções eleitorais –, Trump é o favorito.

4. O eleitor deprimido de Sanders. Pare de reclamar que os apoiadores de Bernie não vão votar em Clinton — eles vão votar! As pesquisas já mostram que um número maior de eleitores de Sanders vai votar em Hillary este ano do que o de eleitores de Hillary que votaram em Obama em 2008. Não é esse o problema. O alarme de incêndio que deveria estar soando é que, embora o apoiador médio de Sanders vá se arrastar até as urnas para votar em Hillary, ele vai ser o chamado “eleitor deprimido” — ou seja, não vai trazer consigo outras cinco pessoas. Ele não vai trabalhar dez horas como voluntário no último mês da campanha.

Ele nunca vai se empolgar falando de Hillary. O eleitor deprimido. Porque, quando você é jovem, não tem tolerância nenhuma para enganadores ou embusteiros. Voltar à era Clinton/Bush para eles é como ter de pagar para ouvir música ou usar o MySpace ou andar por aí com um celular gigante. Eles não vão votar em Trump; alguns vão votar em candidatos independentes, mas muitos vão ficar em casa. Hillary Clinton vai ter de fazer alguma coisa para que eles tenham uma razão para apoiá-la — e escolher um velho branco sem sal como vice não é o tipo de decisão arriscada que diz para os millennials que seu voto é importante. Duas mulheres na chapa — isso era uma ideia boa. Mas aí Hillary ficou com medo e decidiu optar pelo caminho mais seguro. É só mais um exemplo de como ela está matando o voto jovem.

5. O efeito Jesse Ventura. Finalmente, não desconte a capacidade do eleitorado de ser brincalhão nem subestime quantos milhões de pessoas se consideram anarquistas enrustidos. A cabine de votação é um dos últimos lugares remanescentes em que não há câmeras de segurança, escutas, mulheres, maridos, crianças, chefes, polícia. Não tem nem sequer limite de tempo. Você pode demorar o tempo que for para votar, e ninguém pode fazer nada. Você pode votar no partido, ou pode escrever Mickey Mouse e Pato Donald. Não há regras, E, por isso, a raiva que muitos sentem pelo sistema político falido vai se traduzir em votos em Trump. Não porque as pessoas concordem necessariamente com ele, não porque gostem de sua intolerância ou de seu ego, mas só porque podem.

Só porque um voto em Trump significa chutar o pau da barraca. Assim como você se pergunta por um instante como seria se jogar das cataratas do Niágara, muita gente vai gostar de estar no papel de titereiro, votando em Trump só para ver o que acontece. Lembra nos anos 1990, quando a população de Minnesota elegeu um lutador de luta livre para governador? Elas não o fizeram porque são burras ou porque Jesse Ventura é um estadista ou intelectual político. Elas o fizeram porque podiam. Minnesota é um dos Estados mais inteligentes do país. Também está cheio de gente com um senso de humor distorcido — e votar em Ventura foi sua versão de uma pegadinha no sistema político. Vai acontecer o mesmo com Trump.

Voltando para o hotel depois de participar de um programa da HBO sobre a convenção republicana, um homem me parou. “Mike”, ele disse, “temos de votar em Trump. TEMOS que dar uma chacoalhada as coisas”. Foi isso. Era o suficiente para ele. “Dar uma chacoalhada nas coisas”. O presidente Trump certamente faria isso, e uma boa parcela do eleitorado gostaria de sentar na plateia e assistir o show.

Fonte: BrasilPost