A mais bela foto e o mais belo vídeo da Greve Geral de 28 de abril

Ana Carolina Fernandes fez a melhor foto da greve

Ana Carolina Fernandes fez a melhor foto da Greve Geral de 28 de abril | Clique para ampliar

E Guilherme Santos, meu colega de Sul21, o mais belo e significativo vídeo.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Os autorretratos de Picasso dos 15 aos 90 anos

Conhecido como um dos maiores e mais prolíficos pintores de Arte Moderna, Picasso foi um homem de muitos talentos. Pablo Ruiz Picasso (Málaga, 25 de outubro de 1881 — Mougins, 8 de abril de 1973), foi um pintor espanhol, escultor, ceramista, cenógrafo, poeta e dramaturgo que passou a maior parte da sua vida na França. É conhecido como o co-fundador do cubismo ao lado de Georges Braque, inventor da escultura construída, inventor da colagem e de uma variedade de estilos que ajudou a desenvolver e explorar. Dentre as suas obras mais famosas estão os quadros cubistas As Meninas D’Avignon (1907) e Guernica (1937), uma pintura do bombardeio alemão de Guernica durante a Guerra Civil Espanhola. Além de diferentes formas de arte e materiais únicos, no entanto, Picasso também trabalhou em uma espetacular variedade de estilos. Essa abordagem estética em constante mudança é evidente em sua série de autorretratos, que ele pintou a partir dos 15 anos até 90 anos. Confira abaixo.

Aos 15 anos (1896)

pablo-picasso-self-portraits-1

Aos 18 anos (1900)

pablo-picasso-self-portraits-2

Aos 20 anos (1901)

pablo-picasso-self-portraits-3

Aos 24 anos (1906)

pablo-picasso-self-portraits-4

Aos 25 anos (1907)

pablo-picasso-self-portraits-5

Aos 35 anos (1917)

pablo-picasso-self-portraits-6

Aos 56 anos (1938)

pablo-picasso-self-portraits-7

Aos 83 anos (1965)

pablo-picasso-self-portraits-8

Aos 85 anos (1966)

pablo-picasso-self-portraits-9

Aos 89 anos (1971)

pablo-picasso-self-portraits-10

Aos 90 anos (28 de junho de 1972)

pablo-picasso-self-portraits-11

Aos 90 anos (30 de junho de 1972)

pablo-picasso-self-portraits-12

Aos 90 anos (2 de julho de 1972)

pablo-picasso-self-portraits-13

Aos 90 anos (3 de julho de 1972)

pablo-picasso-self-portraits-14

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Este blog apoia a greve

Niemeyer 2

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O Casamento de Rachel: “Eu não quero um deus que possa perdoar o que fiz”

Jonathan Demme, falecido hoje, é o grande autor de O Silêncio dos Inocentes, Totalmente Selvagem, De caso com a Máfia e Filadélfia, mas nada do que fez, em minha opinião, compara-se com O Casamento de Rachel. Uma grande obra de arte.

A cena final de 'O Silêncio dos Inocentes' | Clique para ampliar

O final de ‘O Silêncio dos Inocentes’ | Clique para ampliar

Curiosidade: Jonathan Demme usou a frase “A luta continua” para encerrar quatro de seus filmes, entre eles os conhecidos Filadélfia, de 1993, e O Silêncio dos Inocentes, de 1991. “A luta continua” foi um grito de guerra usado pela Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) durante a guerra que levou à independência do país, em 1975. A primeira ocorrência da frase parece ser um discurso de Eduardo Mondlane, líder revolucionário e ideólogo da nação moçambicana, em 1967: “Não há antagonismo entre as realidades da existência de vários grupos étnicos e a Unidade Nacional. Nós lutamos juntos, e juntos reconstruímos e recriamos o nosso país, produzindo uma nova realidade – um Novo Moçambique, Unido e Livre. A luta continua!”

O final de "De Caso com a Máfia'

O final de “De Caso com a Máfia’

.oOo.

A personagem Kym (Anne Hathaway) parece carregar todos os pecados do mundo em O casamento de Rachel, imenso filme do diretor Jonathan Demme. Sim, o mesmo Demme de O Silêncio dos Inocentes, o mesmo do Hannibal Lecter inaugural, passou a investir num cinema menor, de caráter autoral e finalmente acertou a mão neste pequeno e originalíssimo filme.

O filme inicia quando o pai de Kym a busca na clínica de reabilitação para drogados — onde está “limpa” há nove meses — a fim de que ela vá ao casamento de sua irmã Rachel. Quando chegam na casa da família, onde a festa será realizada, Rachel começa a sentir a pressão. O pai é extremamente solícito, solícito ao exagero. Oferece-lhe tudo, comida, carona, é todo atenção para com Kym, a filha querida que retorna à casa. Mas é óbvio que ele está apenas exercendo controle sobre ela, informando-se onde está, oferecendo carona para que ela não dirija em hipótese alguma, observando o que consome. Quando Kym encontra-se com a irmã, fica sabendo que não é mais a “madrinha principal” do casamento. Rachel a substituíra por uma amiga. Explode o primeiro desentendimento e ela consegue voltar ao posto perdido. Então Demme estabelece algumas regras.

O diretor tem personagens muito claros e bem construídos, tem o conflito montado; enfim, tem um esqueleto, e escolhe preenchê-lo por uma série de cenas improvisadas. Por exemplo, os discursos dos personagens no ensaio para a festa são realmente atrapalhados, vivos, naturais — um ator chega ao ponto de encarar a câmera –, baseados naquilo que foi definido para cada um deles. É um grande momento do filme. Outra é a esplêndida cena do ensaio dos músicos, onde os atores parecem, e estão, jogados na frente da câmera, divertindo-se a valer dentro de seus personagens. A disputa entre o genro e o sogro sobre quem consegue colocar mais pratos na lavadora de louça é outro momento brilhante de Demme, que capta a brincadeira de modo inesquecível.

O mesmo vale para as reuniões do grupo de reabilitação de drogados. Na primeira vez, Kym não fala nada; na segunda, expõe que está há nove meses sem drogas — é aplaudida — e conta sua história: o vício, o descontrole e o acidente de carro que causara, matando o irmão menor. As pessoas ficam abismadas com o relato. É neste momento que ela diz a frase que uso como título deste post. O controle que ela sofre é correto? Sim e não. Afinal, ela está limpa. Está conseguindo controlar a si mesma.

Mas a família segue pressionando. Rachel fica histérica porque o discurso de Kym no ensaio foi autocentrado e pontuado de ironias e pedidos de desculpas. O pai (Bill Irwin em atuação perfeita, sempre um passo atrás da intenção dos outros) tenta acalmar a situação, mas Rachel está em pleno acerto de contas e, em meio a ele, surpreende ao estabelecer nova vantagem sobre a irmã problemática: revela estar grávida. O pai será avô, fica enternecido; Kym fica furiosa, com razão. Todo o filme gira sobre a incapacidade de Kym atentar efetivamente ao que ocorre a seu redor, ela passa pelas coisas e não interfere, pois está inteiramente voltada para dentro de si mesma, no trabalho de Sísifo de “viver mais um dia” sem usar drogas. O que todos querem que ela consiga é, paradoxalmente, combatido pelos familiares. O papel de Kym é complicadíssimo. E Anne Hathaway é digna dele. Porém o time de atores é parelho. É impressionante a cena em que Rachel (a excelente Rosemarie DeWitt) negocia os lugares na mesa. Ela deseja ver Kym longe, em outra mesa. O rosto de Rachel, ao defender sua formação de mesa é exatamente o rosto que vi numa mulher quando falava sobre a parte monetária de sua separação: com o mesmo esgar, o mesmo sorriso cristalizado com olhos sérios, Rachel naquele momento é pura maldade e atenção. E Kym reage. Ou seja, o filme é um abrir feridas sem fim, quando tudo o que Kym deseja é fechá-las.

E é para entender o que lhe aconteceu que ela visita a mãe (Debra Winger). Ela quer fazer A Pergunta: por que foi deixada cuidando do irmão menor Ethan quando a mãe a sabia uma louca 100% drogada? Como resposta, recebe um tapa na cara de significado muito claro: “fique com sua culpa e seus problemas, não piore minha vida”.

O que impressiona no filme é que as cenas improvisadas empurram a narrativa, alterando-a e enriquecendo a realidade de forma arrebatadora. Várias vezes Anne Hathaway aparece em sua imensa solidão. Num determinado momento ela deseja dançar, mas dá a impressão que tem medo de soltar-se. Começa e para, recomeça e vai fazer outra coisa. A presença de músicos ensaiando e improvisando dá a senha e a dimensão da enorme (e perigosa) liberdade dada aos atores.

O filme é finalizado com coerência: o pai aparece com uma conviva e a apresenta a Kym, que ouve uma proposta de emprego. Ela não recusa, mas no outro dia retorna à clínica. Pois se Kym sabe que não quer um deus que possa perdoar seus atos, sabe também que ainda não é possível viver com sua família e amigos.

Demme não nega que suas maiores influências para a realização de O casamento de Rachel foram Robert Altman e o pessoal do Dogma 95. É flagrante. Eu acrescentaria que há um perfume, uma música, um ritmo de Tchékhov neste grande filme sem solução.

Jonathan Demme (1944-2017)

Jonathan Demme (1944-2017)

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Em Berlim (XI)

Ainda no dia 11 de janeiro, voltamos ao Piano Salon Christophori para a maior decepção musical da viagem. O repertório era fantástico: uma série de peças curtas para duos de violino, viola e violoncelo, cada um acompanhado por piano, finalizados com uma reunião geral no Quarteto para Piano Op. 25, de Brahms.

O problema não era o repertório, mas os executantes. A pianista era razoável. As cordas eram formadas por um violinista sem noção de estilo e algo lenhador, um violoncelista ainda pior, porém mais delicado, e uma boa violista, que faria furor em Porto Alegre tanto por sua competência como pela beleza. Deu quase tudo errado. A coisa foi fraquíssima. OK, são jovens, mas poderiam ser melhores.

DSCN0983

Não consegui encontrar o nome dos caras ou do grupo. Sorte deles, porque vocês sabem como é o Google.

DSCN0985

Bem, já contei como funciona o Piano Salon Christophori. Falei das peculiaridades do local e disse que a copa é livre para a plateia pegar cerveja, vinho ou água. Então, por pior que seja o recital, a gente sai de lá feliz, ainda mais quando encontra um cara como o Guilherme Conte, que estava no Christophori e que depois saiu para jantar conosco. Eu apenas o conhecia do Facebook.

DSCN0990

O Bernardo, que já o conhecia, tinha-me dito que o Guilherme era o cara de voz mais bonita que ele conhecia. Olha, não me impressionou muito, gostei foi da companhia e da conversa do tranquilo palmeirense que estuda História em Berlim e cuja mulher é violista na Orquestra do Gewandhaus de Leipzig.

A Elena trouxera um vinho que conseguimos abrir após longa negociação com os donos do restaurante. Mentimos que era aniversário do Bernardo e que precisávamos comemorar com um vinho de sua escolha. Houve resistência, mas os caras acabaram trazendo abridor e copos. Jantamos muito bem.

DSCN0988

O tal vinho era uma compra da Elena, que já o conhecia de outra viagem. Porém, como ela estava sem beber há meses, ele se instalou nela na forma de uma bela dor de cabeça. Não ocorreu nada de mais grave com o trio restante, nós apenas ficamos ainda mais felizes. Eu estava discretamente constrangido em razão dos bonitos e úteis presentes que ganhamos do Guilherme — legítimos grosseirões que somos, não trouxéramos nada para ele –, mas nada que empanasse o belo final de dia. O Facebook permite que conheçamos pessoas, mas não há nada como o prazer da presença.

Grande Guilherme!

DSCN0989

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Não tenho nada a ver com isso, apenas publico

Formação rochosa — ah, as formações rochosas… — no Arches National Park (EUA).

17800398_10208809130841711_2213799462575279569_n

Na Capadócia, há uma outra bizarra coleção de rochas fálicas. Algumas delas têm 40 m de altura. Foram criadas por erupções vulcânicas há aproximadamente 9 milhões de anos. A erosão do vento e da água deixaram-nas assim. Os turcos falam em cones, pilares, pináculos, cogumelos e chaminés. Deixa eles.

17903794_10208816757992385_7364808426885138249_n

Formação rochosa na Tailândia (conhecida como “A Vovó”).

17903539_10208818603718527_2393850832655864003_n

Outra formação rochosa na Tailândia (conhecida como “O Vovô”).

17904318_10208818604718552_7990383241665737427_n

Um afresco romano em Pompeia (Itália).

17903410_10208811193053265_1225754835927573324_n

Templo do Amor Khajuraho (Índia).

17861683_10208811121611479_7032102598721584681_n

Montanhas em Guizhou (China).

17862375_10208810779082916_7404630996511265829_n

Formação rochosa nas Filipinas.

A-rock-formation

Propaganda italiana de sorvete.

17884535_10155148809747398_5266826606655839195_n

Um amigo mandou isso…

17903582_10155152845647398_2275174482077734062_n

Vão trabalhar!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Revolução dos Cravos: a primavera após uma noite de 48 anos

110_1832-Cravos

Durou décadas a ditadura em Portugal. A rigor, foram 48 anos entre os anos de 1926 e 1974. Só Antônio de Oliveira Salazar governou por 36 anos, entre 1932 e 1968, e a Constituição de 1933, que implantou o Estado Novo nos moldes do fascismo italiano com seu Partido Único, permaneceu até 1974, por 41 anos.

Capa do jornal república de 25 de abril de 1974 (Clique para ampliar)

Acabou em 25 de abril de 1974 numa revolução quase sem tiros. Morreram apenas quatro pessoas pela ação da DGS (ex-PIDE). A adesão aos militares que protagonizaram o golpe na ditadura foi tão grande que as cinco mortes mais pareceram um desatino final. O nome de “Revolução dos Cravos” foi devido a um ato simbólico tomado por uma simples florista. Ela iniciou uma distribuição de cravos vermelhos a populares e estes os ofereceram aos soldados, que os colocaram nos canos das espingardas.

Tudo fora bem planejado. A ação começou em 24 de abril de forma muito musical. Um grupo militar instalou secretamente um posto no quartel da Pontinha, em Lisboa. Às 22h55 foi transmitida por uma estação de rádio a canção E depois do adeus, de Paulo de Carvalho. Este era o sinal para todos tomarem seus postos. Aos 20 minutos do dia 25, outra emissora apresentou Grândola, Vila Morena, de José Alfonso. Ao contrário da primeira canção, a qual era bastante popular, Grândola estava proibida, pois, segundo o governo, fazia clara alusão ao comunismo.

Passados 38 anos, todos reclamam em Portugal. Tendo no centro do cenário a atual crise econômica, a esquerda considera que o espírito da revolução se perdeu, assim como várias das conquistas dos primeiros anos, enquanto a direita chora as estatizações do período pós-revolucionário, afirmando que esta postura prejudicou o crescimento da economia. O ex-presidente Mário Soares afirma  que tudo o que ocorreu nos últimos 38 anos pode ser discutido e reavaliado, mas que a comparação entre o passado e o que há hoje é comparar “um passado de miséria, de guerra e de ditadura” com um país onde há “respeito pela dignidade do trabalho, pelos sindicatos e pela democracia pluralista”.

Deus, Pátria e Família (Clique para ampliar)

A ditadura iniciou em 1926 com o decreto que nomeou interinamente o general Carmona para a presidência da República. Após a dissolução do parlamento, os militares ocuparam todas as principais posições do governo. A ditadura teve o condão de unir todos os partidos que antes disputavam entre si. Eles enviaram uma declaração conjunta às embaixadas dos EUA, Inglaterra e França, informando que não reconheciam o governo. Em resposta, a repressão policial foi acentuada e todos os que assinaram a declaração foram presos em Cabo Verde, sem julgamento.

Todas as revoltas foram sufocadas enquanto os militares se viam às voltas com uma crise econômica. Havia duas correntes: uma representada pelo ministro das finanças, o general Sinel de Cordes, que desejava recorrer a um empréstimo externo e outra, de um professor de finanças da Universidade de Coimbra, Antônio de Oliveira Salazar, que pensava não ser necessário o empréstimo externo para resolver a difícil situação financeira do país. O empréstimo não foi feito em razão de que as condições exigidas eram inaceitáveis – quase as mesmas que a “troika” exigiu e levou atualmente. O resultado final do episódio foi o pedido de demissão de Sinel de Cordes e o convite a Salazar para a pasta das finanças.

O ditador solitário

Salazar impôs austeridade e rigoroso controle de contas. Obteve o equilíbrio das contas de Portugal em 1929. Na imprensa, controlada pela censura, Salazar era chamado de “o salvador da pátria”. O prestígio ganho junto ao setor monárquico e católico, além da propaganda, consolidavam pouco a pouco a posição de Salazar, abrindo espeço para sua ascensão. Ele se tornou o esteio dos militares, que o consultavam para tudo, principalmente para as reformas ministeriais. Enquanto a oposição era dizimada, Salazar recusava o retorno ao parlamentarismo e à democracia da Primeira República, criando a União Nacional em 1930, preparando a instalação de um regime de partido único.

Em 1932, foi discutida uma nova Constituição que seria aprovada no ano seguinte. Nela, é criado o Estado Novo, uma ditadura que dizia defender “Deus, a Pátria e a Autoridade”, principalmente a terceira, que depois foi alterada para Família. A ditadura portuguesa foi muitíssimo pessoal e revelava claramente o caráter de seu chefe. Salazar era uma estranha espécie de misantropo que governava um país ao mesmo tempo que amava a solidão e posava de inacessível. Suas palavras são surpreendentes, mesmo para um ditador. “Há várias maneiras de governar e, a minha, exige isolamento… O isolamento muito me ajudou a desempenhar minha tarefa e permitiu-me, no passado como hoje, concentrar-me, ser senhor do meu tempo e dos meus sentimentos, evitar que fosse influenciado ou atingido”. Muito católico, Salazar nunca casou e vivia entre padres. O cardeal de Lisboa, D. Manuel Gonçalves, disse dele: “é um celibatário austero que não bebe, não fuma, não conhece mulheres”, mas, a fim de afastar qualquer inclinação homossexual, ressaltou: “mas ele aprecia a companhia das mulheres e a sua beleza sem, no entanto, deixar de levar uma vida de frade”.

Salazar e Franco: colaboração e frieza

Tal como fazia na vida privada, Salazar criou uma curiosa política e um bordão não menos. Praticava uma política de isolacionismo internacional sob o lema Orgulhosamente sós. Atuava de forma tortuosa. Apoiou Franco na Guerra Civil de 1936, mas manteve com este uma relação fria e desconfiada. Durante a Segunda Guerra Mundial, agarrou-se à neutralidade como se disto dependesse sua vida. Talvez tivesse razão. Próximo ideologicamente do fascismo italiano, Portugal não hostilizou o eixo Roma-Berlim-Tóquio, apesar de ter tornado ilegais os movimentos fascistas, prendendo seus líderes. Comprou armas, mesmo durante a Guerra, tanto na Alemanha quanto da Inglaterra, evitando o confronto e a adesão. Acendendo uma vela para cada um dos lados, Salazar aceitava dar vistos a judeus em trânsito vindos da Alemanha e da França. Também concedeu aos Aliados uma base nos Açores.

O ditador foi homenageado por Fernando Pessoa.

Antonio de Oliveira Salazar

Antonio de Oliveira Salazar.

Três nomes em sequencia regular…
Antonio é Antonio.
Oliveira é uma árvore.
Salazar é só apelido.
Até aí está bem.
O que não faz sentido
É o sentido que tudo isto tem.

Este senhor Salazar
É feito de sal e azar.
Se um dia chove,
A água dissolve
O sal,
E sob o céu
Fica só azar, é natural.

Oh, c’os diabos!
Parece que já choveu…

Coitadinho
Do tiraninho!
Não bebe vinho.
Nem sequer sozinho…

Bebe a verdade
E a liberdade,
E com tal agrado
Que já começam
A escassear no mercado.

Coitadinho
Do tiraninho!
O meu vizinho
Está na Guiné,
E o meu padrinho
No Limoeiro
Aqui ao pé,
Mas ninguém sabe porquê.

Mas, enfim, é
Certo e certeiro
Que isto consola
E nos dá fé:
Que o coitadinho
Do tiraninho
Não bebe vinho,
Nem até
Café.

Após a Segunda Guerra Mundial, manteve a política do Orgulhosamente sós, mas nem tanto assim, pois Salazar desejava permanecer orgulhosamente só, porém, com suas colônias. Desde o final da Segunda Guerra Mundial, a comunidade internacional e a ONU passaram a defender políticas de autodeterminação dos povos em regiões colonizadas. Salazar ignorou o fato, levando o país a sofrer consequências negativas tanto do ponto de vista econômico como culturais.

Charge de 1957, publicada em jornal clandestino

Internamente, a violência da democracia de fachada de Salazar não ficava nada a dever a suas congêneres latino-americanas. O Estado Novo tinha sua polícia política, a PIDE (Polícia Internacional de Defesa do Estado), a qual era antes chamada de PVDE (Polícia de Vigilância e Defesa do Estado) e depois de DGS (Direção-Geral de Segurança). Em comum, a perseguição e morte aos opositores do regime. O regime autoritário, mas sem violência é uma fantasia que muitos católicos portugueses gostam de manter, pois a Igreja Católica sempre era citada por ele. Até hoje, alguns saudosos de Salazar misturam fascismo e catolicismo.

Em março de 1961, ocorreu uma chacina de colonos civis no norte de Angola. A resposta de Salazar foi uma Guerra Colonial chamada  Para Angola rapidamente e em força. Depois, novas guerras em Guiné e Moçambique, sempre com o propósito de permanecer orgulhosamente só, mas com as províncias ultramarinas sob sua bandeira. As Guerras Coloniais tiveram como consequências milhares de vítimas e forte impacto econômico sobre o país, tendo sido uma das causas da queda do regime.

Salazar foi afastado do governo em 27 de Setembro de 1968, após uma grave queda em casa, o que lhe causou uma trombose cerebral. Seu fim foi digno de opereta: naquele 1968, o então Presidente da República, Américo Tomás, chamou Marcello Caetano para substitui-lo. O curioso é que, até morrer, em 1970, Salazar continuou a receber “visitas oficiais” como se fosse ainda o presidente do país, nunca manifestando sequer a suspeita de que já o não era, no que não foi contrariado.

Negociações para a rendição da PIDE/DGS, no dia 26 de Abril de 1974. Fotografia de Joaquim Lobo.

O longo inferno foi finalizado pelo 25 de Abril, tal como o conhecem os portugueses. O Movimento das Forças Armadas (MFA) foi composto por oficiais intermediários da hierarquia militar, na sua maioria, eram capitães que tinham participado na Guerra Colonial e que foram apoiados por oficiais e estudantes universitários. Este movimento nasceu por volta de 1973, baseado inicialmente em reivindicações corporativistas das forças armadas envolvidas nas guerras coloniais, acabando por se estender a protestos contra a ditadura. Sem grande apoio e com a adesão em massa da população à Revolução dos Cravos, a resistência do regime foi praticamente inexistente, registrando-se apenas cinco mortos em Lisboa pelas balas da famigerada DGS.

Após o 25 de abril, foi criada a Junta de Salvação Nacional, responsável pela nomeação do presidente da República. Assim, em 15 de Maio de 1974, o general António de Spínola foi nomeado presidente.

Estabilizada a conjuntura política, prosseguiram os trabalhos da Assembleia Constituinte para a nova constituição democrática, que entrou em vigor no dia 25 de Abril de 1976, o mesmo dia das primeiras eleições legislativas da nova República.

Tanto Mar, de Chico Buarque

Sei que está em festa, pá
Fico contente
E enquanto estou ausente
Guarda um cravo para mim
Eu queria estar na festa, pá
Com a tua gente
E colher pessoalmente
Uma flor no teu jardim

Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei, também, que é preciso, pá
Navegar, navegar
Lá faz primavera, pá
Cá estou doente
Manda urgentemente
Algum cheirinho de alecrim

Foi bonita a festa, pá
Fiquei contente
Ainda guardo renitente
Um velho cravo para mim
Já murcharam tua festa, pá
Mas certamente
Esqueceram uma semente
Nalgum canto de jardim

Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei, também, quanto é preciso, pá
Navegar, navegar
Canta primavera, pá
Cá estou carente
Manda novamente
Algum cheirinho de alecrim

Grândola, Vila Morena:

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Tô dizendo…

O super-gremista Mauro Messina, sócio do melhor sebo de Porto Alegre, o Ladeira Livros, ficou muito mal após a eliminação do Grêmio no Campeonato Gaúcho. Está agindo estranhamente. Imaginem que ele me mandou a foto abaixo, dizendo: “Parecem tu e a Elena”. Só que são Arthur Miller e Marilyn Monroe.

Mauro, foi só um jogo de futebol. Outras vitórias virão e, com elas, a recuperação. Afinal, vocês são imortais, lembra?

(E, incrivelmente, a Elena não sabe andar de bicicleta…).

Arthur Miller Marilyn Monroe

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Zago (com os lances da classificação e as alegrias que o Grêmio nos dá)

Zago, não creio que o Inter possa considerar-se favorito ao hepta-campeonato. Mas, com a inacreditável eliminação do Grêmio, deixamos a posição de azarões para vislumbrarmos certa possibilidade de título. Contudo, fizemos uma partida miserável no Centenário. O Caxias venceu o jogo pelo mesmo placar que perdera em Porto Alegre, só que jogou muito melhor do que nós, foi superior e mais organizado. Tivemos duas parcas oportunidades de gol com Edenílson e Uendel, uma em cada tempo, apenas isso. Creio que houve alguma ressaca pela vitória contra o Corinthians no meio de semana, mas, mesmo assim, o baile foi demasiado. Como tem acontecido no Costelão 2017, o árbitro nos prejudicou, só que nosso pouco futebol foi ainda mais claro que os repetidos erros contra nós. (O que foi aquele pênalti não marcado??? Hahahaha). Ademais, árbitros têm que ser superados. Faz parte.

D`Alessandro: não jogou nada, mas como é esperto!

D`Alessandro: não jogou nada, mas como é esperto…

A alegria nos veio do jogo do Grêmio. Apresentando mau futebol, técnico ainda mais fraco e estratégia equivocada, o Imortal foi eliminado pelo surpreendente e corajoso Novo Hamburgo. Porém, nosso tema é o Inter.

Com D`Alessandro sobrecarregado na armação — resultado da colocação de Uendel na lateral –, com Anselmo sem saber o que fazer com a bola, aquele objeto estranho –, com uma dupla de zaga bem atrapalhada — a sorte de Léo Ortiz é sobrenatural — e a ruindade do lateral Alemão, não havia mesmo como fazermos grande coisa. Aliás, a expulsão de Brenner me preocupa. O empurrão que ele deu no juiz não foi acintoso, mas pode ser transformado em agressão nos tribunais, sim senhor. Deve ser a terceira expulsão tola de Brenner que, por sinal, está louco para entrar na lista de ruindades do time, pois simplesmente parou de jogar.

Zago, não temos padrão de jogo. A bagunça defensiva é um fato e três volantes — Dourado, Anselmo e Edenílson — deixam a armação apenas para o velhinho Dale. Não dá.

A boa notícia é que vamos perdendo goleiros e vão aparecendo outros. Esse Keiller me pareceu muito bom! Só que agora não há mais reservas inscritos. Ele é o último da fila e a direção vai pedir para colocar Daniel (?) entre os inscritos. Duvido que consiga. Também merece elogios o atacante Diego, o jovem que bateu calmamente o último pênalti de série. Ele já havia batido — e marcado — em São Paulo, contra o Corinthians.

E parabéns a D`Alessandro por ter provocado a torcida do Caxias após marcar seu gol na decisão por pênaltis. É sempre bom irritar adversários quando de uma série de cobranças. Eu dava risada na frente da TV com aquele senhor indignado, querendo agredi-lo. Acho que o argentino tem que dar aulas de malandragem para o resto do grupo. Mas malandragem não se aprende, tem que ser inteligente mesmo e aí fica difícil.

Então, apesar das alegrias que o Grêmio nos dá, não podemos comemorar mais do que o merecido coral de flautas de ontem à noite. Renato é mesmo “O incrível caso do treinador que poupou titulares na Libertadores para a semi do Gauchão”. E acabou atropelado. Fica, Renato!

Aqui, os melhores lances do jogo do Inter:

E agora, as alegrias que o Grêmio nos dá:

https://youtu.be/3G-Z-bsnm-o

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque hoje é sábado, Lucy Pinder

Este post é originalmente de 21 de julho de 2012, da semana em que Fernandão (1978-2014) assumiu como treinador no Internacional.

O, Captain! My Captain!

Em primeiro lugar, parabéns pela nomeação.

Era necessária mesmo uma limpeza no vestiário.

Uma forma mais grandiosa de ver as coisas,

mirando novos objetivos,

um novo perfil de equipe.

Porém, meu capitão, começaste muito mal:

Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Zago (com os melhores lances de Corinthians 1 (3) x 1 (4) Inter)

Coloradagem reunida para ver o jogo ouvindo música: Francisco Marshall, Rovena Marshall, Paulo Moreira, Adriano Cunha, Norberto Flach, Lavard Skou Larsen, Milton Ribeiro e Cláudia Beylouni Santos | Foto: Elena Romanov

Coloradagem reunida para ver o jogo ouvindo música: Francisco Marshall, Rovena Marshall, Paulo Moreira, Adriano Cunha, Norberto Flach, Lavard Skou Larsen, Milton Ribeiro e Cláudia Beylouni Santos | Foto: Elena Romanov

Como já disse, o objetivo deste ano é o de voltar para a Série A, de onde saímos por obra e graça do quinteto Piffero-Carvalho-Pelegrini-Argel-Roth, com auxiliares. Porém, como é tranquilizador um resultado como o de ontem! Ele deixa claro o bom trabalho realizado por esta direção na reconstrução do time em campo. Pensar que, em 20 de abril do ano seguinte ao maior fiasco da história do clube, o Inter não está tomando 4 x 0 do Anapolina e não deverá passar pela vergonha de uma Batalha dos Aflitos é de entusiasmar. Ao contrário, ontem nós eliminamos o poderoso Corinthians na Copa do Brasil com dois empates, o segundo fora de casa.

Acho que todos os interessados em futebol viram a partida, então vou comentar apenas os fatos principais do Inter. Tivemos coragem e personalidade, tivemos a sorte de perder Roberson por lesão, tivemos um goleiro (Marcelo Lomba) seguro que dava tranquilidade ao time e tivemos Dourado, Uendel e Nico López realizando atuações grandiosas, não obstante a clara antipatia que tu, Zago, tens pelo uruguaio.

Há que considerar que jogamos sem Carlinhos e Edenílson, jogadores importantes, para não falar da ausência do fundamental D`Alessandro. Tais fatos, que serviriam de fácil justificativa para uma derrota em São Paulo, foram ignorados por um time que se comportou como o grande que é, não como aquele cãozinho com o rabo entre as pernas do quinteto citado no primeiro parágrafo. Ou seja, o Inter foi o Inter.

E repito: tanto faz se perdermos o hepta gaúcho, o importante é ter time para jogar a Série A em 2018. Porém, vocês nos conhecem: o que vier a mais, receberemos com alegria.

Espero que ontem tenhamos sepultado 2016.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Dívida: os primeiros 5000 anos, de David Graeber

divida david Graeber

David Graeber é antropólogo e economista. Mas sua cultura é tão vasta que a leitura de Dívida faz-nos pensar se não seria também historiador, filósofo e filólogo. Quase só leio ficção, mas um grupo secreto e bastaste qualificado do Facebook convidou seus membros para discutir o livro entre os dias 20 e 21 de abril deste mês e, bom menino que sou, lá fui eu enfrentar o calhamaço. Tinha curiosidade para saber o que poderia haver de tão importante nele. Não me arrependo de tê-lo lido, ao contrário. O volume possui 702 páginas, mas imaginem que as últimas 199 são apenas de Notas Bibliográficas. Uma das principais teses do livro é de que as economias primitivas jamais apoiaram-se no escambo. Isso parece ser muito importante para o acadêmico que Graeber é. No posfácio, escrito em 2014 — o livro é de 2008 –, ele se declara feliz por ter alterado algo que era um fundamento da economia. Acho que é intuitivo achar que as economias primitivas baseavam-se no escambo e que os sistemas de crédito são mais recentes. A história padrão dizia que a ordem era escambo, depois dinheiro físico e então o crédito. Mas foi o exato oposto, o crédito veio primeiro — muitas vezes acertados e anotados em templos. Já a moeda foi inventada e cunhada dois mil anos depois das primeiras transações de crédito. E o escambo sempre foi uma improvisação para ser utilizada quando as pessoas perdiam o acesso ao dinheiro em lugares onde o usual seria utilizá-lo. O juro (ou interesse) veio por último. Graeber, que não é de modo algum um autor livre de sarcasmos, faz pouco da antropologia e da economia que não encontrava casos reais de escambo, mas que os tinha como pedra fundamental.

A segunda tese é a que tornou Dívida: os primeiros 5.000 anos (Ed. Três Estrelas) um inesperado best-seller. O livro mostra a história econômica como um reflexo da relação entre credores e devedores. Graeber desenvolve este raciocínio em ritmo adagio e a coisa é realmente linda, com todo um instrumental fático e até filológico a apoiá-lo. Em 5000 anos de história, a dívida sempre foi uma questão de poder e os verdadeiramente poderosos apenas pagavam suas dívidas se quisessem. E ele dá diversos exemplos de bom senso: nas sociedades antigas chegava-se a um momento no qual todas as dívidas — eu disse todas — eram simplesmente perdoadas para que a vida pudesse voltar a ser possível. É algo inconcebível nos dias de hoje e Graeber sugere que não é necessário pagar todas as nossas dívidas. Uma das epígrafes do livro é “Se você deve ao banco 100 mil dólares, o banco controla você. Se você deve 100 milhões de dólares ao banco, você controla o banco”.

Outro ponto interessante é a longa discussão moral sobre a seguinte noção: “Devemos pagar nossas dívidas porque é o correto”. O devedor que não paga é alguém que merece castigo, mas ninguém vê o credor com grande simpatia… É que a dívida, antes mais próxima de uma troca de favores tornou-se um instrumento de escravização e dominação. No início, presumia-se que as relações humanas precediam a economia e a estrutura jurídica de contratos, tribunais e governos. E ele escreve: “Nem todos nós temos que pagar nossas dívidas. E apenas alguns pagam. Nada seria mais importante do que passar uma borracha na divida das pessoas, marcar uma ruptura em nossa moral e começar tudo de novo”.

E nos prova que ninguém tem o direito de nos dizer o que realmente devemos.

Não é um livro adequado para conservadores amantes do capitalismo, do neo-liberalismo, etc., e nem para cagões. Pois discute abertamente que o sistema capitalista nunca foi organizado em torno da mão de obra livre. Uma empresa capitalista precisa de base moral e sua única moralidade é… a dívida — moral ou monetária. O livro defende que o trabalho assalariado não é livre — pois alguém que apenas pode vender sua capacidade de trabalho não pode ser considerado livre — e que existe, e sempre existiu, uma curiosa afinidade entre trabalho assalariado e escravidão. E nos enche de argumentos e documentação.

Não, não é uma leitura fácil, mas funciona como um machado que abre nossa cabeça para outras realidades. Sim, a analogia é deselegante, mas não me surgiu outra.

O norte-americano Graeber fala de um capitalismo impotente e vai destruindo uma série de mitos históricos. É claro que se trata de um anarquista, mas de um anarquista altamente brilhante e culto. Ele foi um dos criadores do Movimento Occupy em 2011 e co-autor do bordão “Somos os 99%”. É um acadêmico raríssimo, que vai para o pau na rua e que foi demitido de Yale em um episódio controverso, com os alunos fazendo uma petição contrária a sua saída com 4500 assinaturas que não foi aceita pela direção da Universidade. Ganhou Londres. Hoje ele dá aulas na Goldsmiths, University of London e na London School of Economics.

Ele também é autor de outro calhamaço espetacular: The Utopia of Rules: On Technology, Stupidity, and the Secret Joys of Bureaucracy [A utopia das regras: Sobre tecnologia, estupidez e as alegrias secretas da burocracia”].

Eu copiei umas partes para mim e para vocês. Espero que gostem:

Há uma boa razão para acreditar que, daqui uma ou duas gerações, o próprio capitalismo não existirá mais — muito provavelmente, como sempre lembram os ecologistas, porque é impossível manter uma máquina de crescimento perpétuo em um planeta finito, e a forma atual de capitalismo não parece ser capaz de produzir as mobilizações e os avanços tecnológicos revolucionários necessários para que comecemos a colonizar outros planetas. Contudo, diante da perspectiva do fim do capitalismo, a reação mais comum — mesmo por parte de quem se diz “progressista” — é o puro medo. Nós nos agarramos ao que existe porque perdemos a capacidade de imaginar alguma alternativa que não venha a ser ainda pior. 

Como chegamos a esse ponto? Suspeito que estamos vendo as últimas consequências da militarização do próprio capitalismo norte-americano. Na verdade, podemos dizer que nos últimos trinta anos assistimos à construção de um vasto aparato burocrático cujo objetivo é criar e manter a desesperança, uma máquina gigantesca feita para, antes de mais nada, destruir qualquer ideia de possíveis futuros alternativos. Na sua origem está uma verdadeira obsessão por parte dos governantes do mundo todo — em resposta às revoltas dos anos 1960 e 70 — por garantir que os movimentos sociais não nasçam, floresçam ou proponham alternativas; de que os que contestam os acordos de poder existentes jamais sejam vistos, sob quaisquer circunstâncias, como vencedores. Para isso, é preciso criar um vasto aparato formado por exércitos, polícia, vários tipos de empresas de segurança privada e de sistemas de inteligência militar, além de instrumentos de propaganda de todos os tipos concebíveis. A maior parte deste aparato não ataca diretamente as alternativas, mas cria um clima de medo universal, de conformidade chauvinista e puro desespero que faz com que qualquer ideia de mudar o mundo pareça uma fantasia inútil. Manter esse aparato parece ser ainda mais importante para os defensores do “livre mercado”, mais ainda do que manter qualquer tipo viável de economia de mercado.

(…)

Nossa imaginação coletiva, como observei, sofreu uma espécie de colapso. É quase como se as pessoas tivessem sido levadas a acreditar que os avanços tecnológicos da nossa época, e a sua tão grande complexidade social, tivessem o efeito de reduzir nossas possibilidades políticas, sociais e econômicas, em vez de expandi-las.

(…)

Para começarmos a nos libertar, o primeiro passo que precisamos dar é nos ver novamente como atores históricos, como pessoas que podem fazer alguma diferença no curso dos acontecimentos mundiais.Isso é exatamente o que a militarização da história está tentando evitar. 

(…)

O que tentei fazer neste livro não foi propor uma visão de como será nossa próxima era, mas sim abrir novas perspectivas, ampliar nossa percepção das possibilidades e começar a perguntar o que significaria pensar com profundidade e grandeza apropriadas ao momento.

.oOo.

Missionário: Veja só você! Está jogando a vida fora ao ficar deitado o dia inteiro desse jeito.

Samoano: Por quê? O que acha que eu deveria estar fazendo?

Missionário: Ora, tem um monte de cocos por aí. Por que você não seca a polpa e vende?

Samoano: E por que eu faria isso?

Missionário: Você pode ganhar muito dinheiro. E, com o dinheiro que ganhar, pode comprar uma máquina para secar a polpa mais rapidamente e ganhar ainda mais dinheiro.

Samoano: Certo, mas para que eu faria isso?

Missionário: Bom, você ficaria rico. Poderia comprar terras, plantar mais árvores, expandir suas atividades. A partir de então, nem precisaria mais fazer o trabalho pesado, poderia contratar pessoas para isso.

Samoano: Certo, mas por que eu faria isso?

Missionário: Bom, ao final, cheio de polpa, propriedades, máquinas, empregados e dinheiro, você poderia se aposentar como um homem rico. Então não teria que fazer mais nada e poderia passar o dia inteiro deitado na praia.

David Graeber dando um rolê por Londres.

David Graeber dando um rolê por Londres.

(Livro comprado na Ladeira Livros).

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Uma sessão de fotos de Carl Nielsen

Esses compositores eruditos, tão sérios… Vejam abaixo fotos do grande e eminente dinamarquês Carl Nielsen (1865-1931). Importante: ele foi grande MESMO!

Carl August Nielsen é o Villa-Lobos da Dinamarca, o compositor nacional do país. Com seis sinfonias, concertos fundamentais para violino, flauta e clarinete, duas óperas, seis quartetos de corda, um extraordinário quinteto de sopros, músicas de câmara e centenas de hinos e outras obras vocais, o trabalho do Carl Nielsen é considerado um tesouro nacional e ponto de encontro entre dinamarqueses.

Carl Nielsen foi original e diferente, perturbador e inspirador. E as fotos abaixo…

12998732_10206134852346420_8620189141023386997_n

12993367_10206134852106414_8350539204866951369_n

13001055_10206134851786406_1740310737695879434_n

12994438_10206134852426422_3503059663885469175_n

13015544_10206134851386396_1577208287379526854_n

13062453_10206134851186391_7962500586428998083_n

12990980_10206134851026387_6814791063700095741_n

12993504_10206134850826382_380496675953512374_n

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Em Berlim (X)

Então, naquele 11 de janeiro de 2017, nós saímos do Berggruen Museum na maior correria porque a Elena tinha marcado um encontro com sua amiga Nune Bars — ou, mais exatamente, Nune Barseghyan –, uma psicóloga e escritora de origem armênia que mora em Berlim. Nune (diz-se Nuné) trabalha com pacientes desenganados. Não deve ser das coisas mais estimulante, mas ela é uma pessoa alegre que anda de bicicleta por todos os cantos de Berlim. Calculamos mal o tempo e nos atrasamos espetacularmente. Quando chegamos ao bar combinado, Nune já tinha ido embora. Era compreensível. Telefonamos e ela gentilmente voltou para conhecer a amiga de internet. O tempo lá fora estava assim.

DSCN0946

Pois é, não era muito convidativo.

DSCN0947

Ainda mais para ver uma amiga que tinha se atrasado.

DSCN0949

Mas no fim deu tudo certo.

DSCN0951

Nune e Elena conversaram em russo, enquanto eu ficava engordando, tomando café e olhando as guloseimas expostas.

DSCN0956

A coisa é boa demais, garanto.

DSCN0960

Enquanto isso, uma verdadeira tempestade de neve seguia tomando conta da rua.

DSCN0961

Sem ter o que fazer, eu fotografava um cara que fazia selfies na neve.

DSCN0963

Mais uma para sair bonitinho. Ficou bom? Sim. Então vou postar (abaixo).

DSCN0964

Então, Bernardo chegou e nós saímos para a rua a fim de dar uma caminhada. Não diria que Elena estava em seu habitat, mas não pensem que estava surpresa. Na verdade, quem estava meio desadaptado era eu, que a fotografava.

DSCN0965

E a fotografava. O estado do casaco que ela pegara emprestado de mim era realmente esplêndido.

DSCN0966

E saímos pela rua em direção ao local por onde antes passava o Muro de Berlim.

DSCN0967

No meio do caminho, Nune nos abandonou porque tinha um compromisso profissional.

DSCN0968

E chegamos ao local que estávamos procurando, na Bernauer Strasse. Ali fica o Memorial do Muro de Berlim.

DSCN0970

O clima entre nós — eu, Elena e Bernardo — era tão bom, riamos tanto que eles começaram a dançar sem música e a fazer poses para as fotos. Vá entender essa gente.

DSCN0971

Bernardo está virado num alemão. Entra nos bares, compra uma cerveja e sai bebendo pela rua.

Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Zago (com os melhores lances de Inter 1 x 0 Caxias)

Nico pode ser o melhor em campo, mas sempre sai | Foto: Ricardo Duarte

Nico pode ser o melhor em campo, mas sempre sai, com a permanência do horroroso Roberson | Foto: Ricardo Duarte

Vi apenas o primeiro tempo de Inter x Caxias. Foi um massacre colorado. Me disseram que o segundo tempo foi de predomínio caxiense e de grandes dificuldades para o Inter. Eu acredito. Me apavorei só de assistir aos melhores lances do jogo. O que foi aquele gol bem anulado no final. Onde estava a marcação?

Vi mais do jogo do Grêmio ontem. Depois de Bolaños receber repetidos presentes para abrir o placar contra o Veranópolis e do ridículo Iquique, botaram um time de futebol para enfrentar o tricolor. E eles quase tomaram uma virada do NH, que perdeu gol sem goleiro e ainda teve um pênalti não marcado pelo querido Diego Real, o mesmo sujeito quer fez o Inter perder para o Juventude após todos os seus auxiliares terem lhe asseverado que não fora pênalti. Em Inter e Juventude ele viu o que não houve, mas, a favor do Grêmio, ele não viu isso.

No pênalti, a camiseta do cara rasgou. Desculpe, mas é muita vontade de ver o Grêmio campeão gaúcho. Muita vontade. Estava no Beira-Rio no primeiro jogo entre Inter e Cruzeirinho. Nem sei quem era o árbitro, mas já tinha sentido a má vontade gratuita do cara…

A verdade é que estou mais preocupado com quarta-feira. Acho que o Corinthians é favorito, mas temos boas chances. Espero que o Edenílson possa jogar e que Brenner volte a entrar em campo. Suas últimas atuações são de  matar. Assim como está, a gente fica com desejo imediato de Pottker, Brenner.

E, Zago, por favor. Repetir Roberson no meio campo? Tu tá louco? E aquelas substituições? Deixar Roberson em campo para tirar Nico López parece piada. Tu tens parte do passe dele e queres o lucro, não? Só pode. E Anselmo é um deboche com o torcedor colorado, como escreveu meu amigo Marcelo Furlan.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Não querem ser mães — e não são incompletas por isso

Não ter filhos é uma escolha tão legítima como ter. E pode ser um caminho de felicidade. Duas realizadoras espanholas mergulharam no “tema tabu”, reviraram preconceitos, descobriram histórias surpreendentes. Documentário [m]otherhood estará pronto em menos de um ano. Para desmistificar a maternidade como um conto de fadas

Do Publico.pt (Portugal)

Imagem do documentário [m]otherhood

Imagem do documentário [m]otherhood

A existência de um “instinto maternal” é para a filósofa Elisabeth Badinter “o maior engano da humanidade”. A mulher, ao contrário dos outros animais, não nasceu para ser mãe. E acreditar nisso, diz, é um “absurdo incrível”. Maribel Castelló adora crianças, é parteira num hospital de Valência, mas ser mãe está para ela fora de questão. Sarah Ficher, jornalista alemã, deixou meia Europa em choque ao dizer preto no branco, no livro Die Mutterglück-Lüge: Regretting Motherhood, por que razão se arrependeu de ser mãe. Estes são apenas três dos muitos depoimentos recolhidos por Inés Peris e Laura García para [m]otherhood, um documentário que quer mostrar que a escolha de não ter filhos é tão legítima como a de ter. E que sim: uma mulher pode ser “completa” sem ser mãe.

A ideia começou a surgir na cabeça da realizadora Inés Peris quando, de tão insistente, a “pressão social” para ser mãe se tornou incomodativa, contou por e-mail. Alguns amigos e conhecidos faziam-lhe a “eterna pergunta”: Quando serás mãe? Outros iam mais longe e atiravam comentários em tom de sentença: “Se te va a pasar el arroz” (o que, em português, será o equivalente a “estás a ficar fora de prazo”). Inés começou a prestar mais atenção ao assunto. Perguntou a amigas se passavam pelo mesmo. Procurou artigos, bibliografia. Investigou. E descobriu um enorme “vazio” no meio audiovisual: o tema era praticamente ignorado. Ao comentá-lo com a também realizadora Laura García, a viagem começou: juntas, estão a explorar o lado b da maternidade para contar o que ainda não foi contado.

A existência de uma grande pressão social para ser mãe não deixou a dupla surpreendida. Elas próprias passavam por isso. Mas a investigação trouxe à luz factos que foram, até para elas, algo inesperados. No processo de recolha de material, conheceram mulheres que têm tanta certeza sobre o facto de não quererem ser mães que estão dispostas a submeter-se a uma intervenção médica de esterilização definitiva. E muitas mulheres e homens que vêem a reprodução como um tema ambiental e de responsabilidade colectiva: alguns decidiram não ter filhos porque fazê-lo, no primeiro mundo, significa um perigo para a sustentabilidade do planeta.

Ainda um tabu?

Inés e Laura queriam perceber se a maternidade — e a opção de não ser mãe — continuava a ser uma questão envolta em tabus. E mesmo antes de partir para o terreno foram percebendo que sim quando, ao comentar com amigos e conhecidos o projecto que tinham em mãos, eles reagiam:

– Isso é muito interessante… mas sabem mesmo onde se estão a meter?

Não havia dúvidas quanto ao ponto de partida: “Claro que é [um tema tabu]”. Considera-se que uma mulher que decide não ter filhos tem algum problema psicológico, porque não é ‘natural’ não o querer. A partir daí, criam-se uma série de ideias pré-concebidas que ligam estas mulheres a pessoas que odeiam crianças ou que querem alcançar um elevado estatuto profissional, tipicamente masculino, a qualquer preço”, escreveram, a quatro mãos, ao P3. Algumas mulheres, contam, chegam a ser chamadas “alpinistas” ou, no mínimo, “ambiciosas” (no mau sentido da palavra) quando decidem não ser mães. “Isto acontece porque, tradicionalmente, a identidade feminina está muito marcada pela maternidade, sem a qual uma mulher seria sempre incompleta.”

A existência destes tabus não é um problema teórico. As realizadoras de [m]otherhood acreditam que eles se transformam em vários tipos de discriminações. “A mais direta” vinda diretamente da família e amigos: “As mulheres sem filhos são, em geral, menos tidas em conta, por exemplo nas decisões tomadas entre irmãos quando estes já são adultos”, contam. “Mais subtil” é a marginalização no local de trabalho e na sociedade em geral. E as etiquetas que lhes vão colando: são por muitos considerados egoístas, masculinas, ambiciosas ou incapazes de amar incondicionalmente. As realizadoras espanholas ilustram: “Nos meios de comunicação e outros espaços que geram conteúdos simbólicos como o cinema , as mulheres sem filhos são vistas como personagens más e socialmente discriminadas.” O exemplo clássico: a Cruella de Vil, vilã do filme 101 Dálmatas.

No próprio documentário — atualmente em produção e com lançamento previsto para o o final de 2017 ou início de 2018 —, a britânica Jody Day, criadora de Gateway Women, explica que estes preconceitos são “muito nocivos porque entram na nossa mentalidade desde que somos crianças”. Por isso, Inés e Laura gostavam de ver outras visões a serem divulgadas: “Precisamos de modelos positivos de mulheres sem filhos para que a sociedade se dê conta de quanto podem estas mulheres dar à vida colectiva e para que elas próprias tenham modelos com os quais se possam identificar e se sintam mais realizadas pessoal e socialmente.”

É que o lado nocivo destes discursos é algo para levar muito a sério. Muitas vezes, lamentam, estas mulheres experienciam “sentimentos de falta de identidade e pertença, porque quase não existem na sociedade modelos positivos que as representem”.

Maternidade = felicidade?

Voltando aos mitos. Há um que as duas realizadoras gostavam de ver definitivamente descomposto: o de que a maternidade é sinônimo de felicidade para todas as mulheres. Não é, dizem. “Normalmente, não se fala do facto de algumas dessas mães sentirem que têm de suportar a maior parte do peso, do esforço que significa ter uma criança. Nem do facto de o companheiro não assumir uma responsabilidade semelhante.” Outras sentem ainda que “o conto de fadas que lhes tinham contado não é bem assim e que a maternidade tem aspectos muito duros e dolorosos dos quais não se fala”. Ou, mais ainda, “declaram ter-se arrependido de serem mães”.

Orna Donath, socióloga israelita, é uma das entrevistadas do documentário. Em 2016, publicou um estudo com 23 mães que afirmavam ter-se arrependido de ter filhos — ainda que isso não significasse que não gostavam deles. “Elas explicam algo que a sociedade parece não estar preparada para encarar, já que a maternidade está idealizada socialmente e parece impossível que uma mãe possa dizer que, se soubesse o que significava a maternidade, se soubesse o que sabe agora que é mãe, teria decidido não ter filhos.”

Para as espanholas, este trabalho não só é importante para dar voz a estas mulheres como é essencial para pôr outras perspectivas em cima da mesa: saber que opções existem “pode ajudar a decidir melhor qual o caminho que elegemos para a nossa vida”. Porque, defendem, qualquer um é legítimo.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Zago (com os melhores lances de Inter 1 x 1 Corinthians)

Dourado: ressurreição em plena Páscoa

Dourado: ressurreição em plena Páscoa | Foto: Ricardo Duarte

Vamos combinar algumas coisas bem simples. Sim, foi um jogaço. Foi eletrizante. Mas voltemos um pouco.

Qual é o objetivo do Inter em 2017?
Ora, sair da Série B.

Tem time para isso?
Sim, já tem e até possui alguns reservas interessantes. Ainda receberá Felipe Gutiérrez, que estreou ontem, e William Pottker, bom jogador da Ponte Preta que chega depois do Paulista.

Tem técnico para sair do buraco?
Aparentemente, sim. Ontem vimos até jogadas ensaiadas, coisa com a qual éramos proibidos até de sonhar com Argel e Roth.

O Inter tem obrigações no Gaúcho ou na Copa do Brasil?
Sim, um time grande sempre é altamente cobrado, porém, em 2017, após aquele fiasco comandado pelos incompetentes Piffero-Carvalho-Argel-Pellegrino-Roth, espera-se um mínimo. E o mínimo é sair da Série B.

Por isso tudo, achei maravilhoso o empate de ontem contra o Corinthians. Diante de 34 mil torcedores, o Inter jogou muito mais que o Corinthians durante todo o primeiro tempo. Teve pelo menos quatro chances claras de gol, desperdiçadas por Brenner, Nico López e Cuesta. Mas as duas maiores defesas foram do nosso goleiro Marcelo Lomba, em chutes de Romero, além de um milagre em chute de Maycon.

No início do segundo tempo, logo aos 7 minutos, o Corinthians marcou, fazendo voltar todos os fantasmas de 2016. Mas aos 11 um espetacular Rodrigo Dourado — jogando em sua verdadeira posição de volante-quase-zagueiro –, recebeu um cruzamento de Nico López e empatou o jogo de cabeça.

O que é animador é que jogamos bem, propondo o jogo e fazendo pressão. É provável que não consigamos a classificação, mas teremos sido dignos, algo que não fomos durante todo o 2016. Também podemos perder o Gaúcho, mas o importante é que façamos uma boa e tranquila Série B.

Mas ontem, Zago, tu voltaste a errar. A entrada de Carlos no lugar de Brenner tirou nossa possível contundência e a saída de Nico López foi pior ainda. Valdívia entroiu bem, mas Nico era nosso melhor atacante. Deveria ter saído Carlinhos, obviamente, com Ueldel indo para a lateral.

A propósito, que grande acerto foi a contratação de Edenílson! E como entrou bem o Marcelo Lomba!

Acho que a dupla Oriz e Cuesta ainda está insegura. Me dá medo.

Enfrentamos um time muito bem organizado de igual para igual. Se mantivermos esta evolução, chegaremos onde queremos chegar.

Ah, importante e rara grande atuação do árbitro Wagner Nascimento Magalhães (RJ). Acostumados que estamos aos juízes gaúchos, até ficamos surpresos com a boa qualidade do trabalho de Wagner.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Em Berlim (IX)

Naquele grande e longo dia 11 de janeiro, nós nem pretendíamos ir ao Berggruen Museum, mas o Marcos Abreu disse que era imperdível e a experiência me mandava obedecê-lo. Explico: recentemente, compramos as melhores caixas acústicas, fizemos a melhor e mais barata viagem de férias de julho e compramos o melhor microfone do mundo, sempre seguindo as sugestões do Abreu. A experiência mandava dar-lhe uma nova chance. E foi ótimo!

O Museu Berggruen tem em seu acervo cerca de 20 Matisses, 60 Klees e três andares repletos de Picasso. Eu disse três andares! Está localizado em frente ao Palácio de Charlottenburg e ao lado de outros dois museus, Bröhan-Museum e Sammlung Scharf-Gerstenberg, mas só entramos no Berggruen.

A coleção de obras desses três artistas é impressionante, há trabalhos de quase todas as fases dos mesmos. Não é um museu imenso, dá para ver tudo em duas horas, o problema é que você vai querer voltar ou talvez morar lá.

Eu tirei muitas fotos dos quadros e, se você quiser ir, daremos uma voltinha sem compromisso por lá a partir de agora.

Paul Klee: A Senhora do Selo

Paul Klee: “A Senhora do Selo”

Paul Klee: não lembro o título...

Paul Klee: não lembro o título…

Matisse: No Atelier em Nice

Matisse: “No Atelier em Nice”

Jardim externo do Berggruen

Jardim externo do Berggruen

Mais de perto

Sim, estava frio.

Picasso: O Suéter Amarelo

Picasso: “O Suéter Amarelo”

Picasso: Nu sentado, secando os pés

Picasso: “Nu sentado, secando os pés”

É um Picasso, mas esqueci do título

É um Picasso, claro, mas esqueci o título

Picasso: No Café

Picasso: “No Café”

Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

24 senadores, 39 deputados, 3 governadores e 8 ministros de Temer na lista da Odebrecht. E eles te “representam”, votarão Reformas, etc.

O que deve acontecer? Creio que nada. A fim de baixar a poeira, os indiciados esvaziaram o Congresso, anteciparam o feriadão e segunda-feira voltarão a trabalhar para quem financiou suas campanhas. Ou seja, seguirão fazendo seu trabalho de desmonte dos direitos do trabalhador.

Notem que os os presidentes das duas Casas, Senado e Câmara de Deputados, Eunício Oliveira (PMDB-CE) e Rodrigo Maia (DEM-RJ), estão na lista comandada por Aécio e Jucá, com 5 inquéritos cada um.

Os gaúchos presentes são o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB), os deputados Marco Maia (PT) e Ônix Lorenzoni (DEM), as deputadas Maria do Rosário (PT) e Yeda Crusius (PSDB), mais Humberto Kasper e Marco Arildo Prates da Cunha, que integraram a direção da Trensurb.

Aecio lista do Fachin Sul21

O que acontecerá agora? Agora, com a autorização do Supremo para a abertura dos inquéritos, a Procuradoria-Geral da República (PGR) passará a comandar a apuração dos investigados. Este órgão poderá solicitar a ajuda da Polícia Federal, pois serão conduzidas diligências e colhidos depoimentos. Durante essa etapa, o órgão pode pedir a quebra do sigilo telefônico ou bancário e a prisão preventiva dos investigados, com autorização prévia de Fachin.

Se, ao fim do inquérito, houver indícios de que os investigados tinham cometido crime, a PGR poderá apresentar denúncia ao STF. Só a partir do momento em que o STF aceita a denúncia, o denunciado passa à condição de réu e começa a responder ao processo judicial.

Além do processo no Judiciário, os investigados podem ser penalizados com a possível cassação do mandato, mas isso dependerá da decisão do Congresso.

O desfecho do caso ainda está bem distante — e há temores de que mudanças legislativas evitem a punição de parte (ou da totalidade) dos crimes cometidos, claro. As denúncias apuradas na Lava Jato levaram em média 5,5 anos para serem julgadas. Se seguirem essa média, os julgamentos da lista de Fachin chegariam a uma conclusão no final de 2022.

Até lá, eles já terão acabado com todos os teus direitos. Deste modo, ou tu protesta ou dança. A lista nada alterou.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Das circunstâncias especiais

frank

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!