Bom dia, Zago (com os melhores lances de Inter 1 x 1 Corinthians)

Compartilhe este texto:
Dourado: ressurreição em plena Páscoa

Dourado: ressurreição em plena Páscoa | Foto: Ricardo Duarte

Vamos combinar algumas coisas bem simples. Sim, foi um jogaço. Foi eletrizante. Mas voltemos um pouco.

Qual é o objetivo do Inter em 2017?
Ora, sair da Série B.

Tem time para isso?
Sim, já tem e até possui alguns reservas interessantes. Ainda receberá Felipe Gutiérrez, que estreou ontem, e William Pottker, bom jogador da Ponte Preta que chega depois do Paulista.

Tem técnico para sair do buraco?
Aparentemente, sim. Ontem vimos até jogadas ensaiadas, coisa com a qual éramos proibidos até de sonhar com Argel e Roth.

O Inter tem obrigações no Gaúcho ou na Copa do Brasil?
Sim, um time grande sempre é altamente cobrado, porém, em 2017, após aquele fiasco comandado pelos incompetentes Piffero-Carvalho-Argel-Pellegrino-Roth, espera-se um mínimo. E o mínimo é sair da Série B.

Por isso tudo, achei maravilhoso o empate de ontem contra o Corinthians. Diante de 34 mil torcedores, o Inter jogou muito mais que o Corinthians durante todo o primeiro tempo. Teve pelo menos quatro chances claras de gol, desperdiçadas por Brenner, Nico López e Cuesta. Mas as duas maiores defesas foram do nosso goleiro Marcelo Lomba, em chutes de Romero, além de um milagre em chute de Maycon.

No início do segundo tempo, logo aos 7 minutos, o Corinthians marcou, fazendo voltar todos os fantasmas de 2016. Mas aos 11 um espetacular Rodrigo Dourado — jogando em sua verdadeira posição de volante-quase-zagueiro –, recebeu um cruzamento de Nico López e empatou o jogo de cabeça.

O que é animador é que jogamos bem, propondo o jogo e fazendo pressão. É provável que não consigamos a classificação, mas teremos sido dignos, algo que não fomos durante todo o 2016. Também podemos perder o Gaúcho, mas o importante é que façamos uma boa e tranquila Série B.

Mas ontem, Zago, tu voltaste a errar. A entrada de Carlos no lugar de Brenner tirou nossa possível contundência e a saída de Nico López foi pior ainda. Valdívia entroiu bem, mas Nico era nosso melhor atacante. Deveria ter saído Carlinhos, obviamente, com Ueldel indo para a lateral.

A propósito, que grande acerto foi a contratação de Edenílson! E como entrou bem o Marcelo Lomba!

Acho que a dupla Oriz e Cuesta ainda está insegura. Me dá medo.

Enfrentamos um time muito bem organizado de igual para igual. Se mantivermos esta evolução, chegaremos onde queremos chegar.

Ah, importante e rara grande atuação do árbitro Wagner Nascimento Magalhães (RJ). Acostumados que estamos aos juízes gaúchos, até ficamos surpresos com a boa qualidade do trabalho de Wagner.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *