Você sabia que Martinho Lutero foi um precursor do feminismo?

Tradução livre (*) a partir de uma postagem em russo
da psicóloga e escritora Nuné Barseghyan.

Quinhentos anos da Reforma. Obrigado, Lutero, pelo dia de folga.

Todos sabem que Lutero contribuiu para a saída de um grande número de freiras dos conventos, mas não com a finalidade de que estas caíssem numa vida dissoluta, e sim para que tivessem uma vida honesta, centrada na Religião e dentro do permitido pelas Escrituras. A intenção era a de que elas seguissem se desenvolvendo espiritualmente.

Mas o mundo, há quinhentos anos atrás, era um lugar muito pior, mesmo que seja difícil acreditar. Na época, ninguém era punido por abuso sexual, pois o fato era considerado corriqueiro, normal. E uma mulher que vivia sozinha, convidava e apontava o caminho para o abuso.

E as pobres freiras tinham que casar. Caso contrário, não poderiam sobreviver honestamente.

Marinho e Catarina

Marinho e Catarina

Uma freira chamada Catarina, que foi provavelmente colocada na Roda dos Expostos, entregue a um convento a fim de que a família se livrasse de uma boca supérflua, não queria se casar de jeito nenhum. Na opinião de alguém que era freira por convicção, o casamento era um terrível erro. Como se não bastasse, ninguém queria se casar com ela por ela ter um rosto feio.

Ela ficou ainda muito tempo sozinha, então Lutero pediu-a em casamento. Ele era um celibatário convicto, mas decidiu salvar a mulher. O casamento foi muito feliz, como sabemos.

Mas nem todo mundo sabe que Lutero, nesta sociedade machista, estava um dia sentado entre homens em uma mesa discutindo todo o tipo de questões prementes relativas à Reforma Religiosa, quando, repentinamente, num ato desafiador e após ouvir todos os colegas homens, voltou-se para a esposa, que servia à mesa, e perguntou: “O que você pensa sobre isso, Frau Luther?”

Frau Luther deu sua opinião detalhadamente, tendo deixado o grupo estupefato. Todos ficaram em transe, impossível imaginar um choque maior. Como assim? Desde quando se ouve uma mulher?

Mas então o Lutero deu o tiro de misericórdia: “Sente-se conosco à mesa para o almoço, querida!”

Se não fosse o próprio Lutero, talvez os homens o agredissem, tamanho o absurdo da atitude. Era um tremendo acinte, uma enorme provocação aos outros comensais.

Eu hoje estou pessoalmente muito agradecida a ele. Posso viver sozinha, sem precisar de autorização. Ninguém acha isso inadequado ou incomum.

Danke, Martin Luther!

(*) Por Elena Romanov e Milton Ribeiro

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Halloween pra quê?

DNbPTMiXcAEhOQ-

22852059_10203627484484015_4884696488414596247_n

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Guto Ferreira (com os principais lances de Inter 0 x 1 Ceará)

Guto, tu és mesmo treinador? De futebol? Pergunto porque, cada vez que temos uma semana livre para treinos, o time volta jogando menos. E tuas escalações? Camilo joga mais do que Sasha. Então joga o “tático” Sasha. Nico joga mais do que Roberson. Então joga o omisso Roberson. Nico também joga mais do Pottker. Então joga o incompreensível Pottker. Winck joga um pouco mais do que Alemão. Então joga o desconexo Alemão. Também não se pensa num substituto para Danilo Silva, que ontem dedicou-se exclusivamente à ligação direta e aos erros defensivos.

O atordoado Guto Ferreira | Foto: Ricardo Duarte

O atordoado e confuso Guto Ferreira | Foto: Ricardo Duarte

Quando tomamos o gol do Ceará, tu colocaste ligeirinho Camilo e Nico. Que ridículo, Guto, que mediocridade. Em sério desafio à lógica, entras com Sasha e Roberson na frente. Porém, quando a coisa vai, corres para quem joga um pouco mais. Se Sasha, Pottker, Alemão e Danilo Silva são jogadores importantes para o controle do vestiário, é melhor buscar jogadores que joguem mais como amiguinhos.

Não tens nenhum Barcelona (da Catalunha) na mão, mas não dás contribuição nenhuma para que possamos nos tornar ao menos um time médio de Série A para 2018.

Foi muito feio ontem. O Ceará tocou e tocou a bola contra um time que tinha o apoio de 40 mil pessoas, que é maior e que deveria se impor, mas que era impotente. É isso. Somos um pênis grande e mole. Veio um pequeno brincalhão do Ceará é nos comeu competentemente. Alguém pode dizer que as entradas de Camilo e Nico não resolveram o problema, mas eles só entram na podre e têm muito menos tempo do que os maravilhosos titulares do Guto. Os dois deram outra vida a time, mesmo com a permanência de Danilo Silva e Alemão atrás.

Guto, tu realmente não és um técnico para a Série A. Já estou no time dos que desejam te ver fora do clube.

Na boa, não vou mais ao estádio. Também abandonei o time quando o treinador era Argel. Via só na TV, tranquilo, com uma bebidinha ao lado. É muita coisa para quem tem 60 anos e disposição para viver. Melhor ler um livro ou conviver com as amigos. Quero ver ao menos algo bem pensado e lógico em campo.

22886085_1567567129975769_543177110677687212_n

Temos 61 pontos em 32 partidas. Faltando seis jogos, estamos a quatro pontos da classificação matemática e a nove do quinto colocado. Ainda é uma posição segura, mas o problema é estamos construindo pouco para 2018. O que se vê em campo é assustador. Tanto que a diretoria do Inter projetava pelar a coruja em outubro e já fracassou neste intento amplamente divulgado.

Os últimos jogos serão:

3/11 (sexta-feira, às 19h15) – Inter x CRB
6/11 (segunda-feira, às 20h) – Luverdense x Inter
11/11 (sábado, às 16h30) – Inter x Vila Nova
14/11 (terça-feira, às 20h30) – Oeste x Inter
18/11 (sábado) – Goiás x Inter
25/11 (sábado) – Inter x Guarani

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Prepare-se para o novo escândalo nas redes

Imóvel, inteiramente nu, o artista russo Fyodor Pavlov-Andreevich, diretor da Galeria Solyanka em Moscou, se apresentará em São Paulo. Deitado, ele irá simbolizar Lênin em seu mausoléu. O público será convidado a tocar no corpo de Fyodor e, quanto mais intenso o toque, mais alta será a música na sala. A música é de Arto Lindsay e tem a possibilidade de ir ao Rio de Janeiro de Crivella em 2018. O nome da performance é Prove-me, sou como você.

Cartaz da exposição em Moscou

Cartaz da exposição em Moscou

Fyodor diz que, durante a performance, o corpo deixa de ser seu, passando a ser uma obra de arte. Em Moscou, garante ele, o público reagiu de forma totalmente imprevisível. O artista não tem receio de reações violentas após o cancelamento do Queermuseu em Porto Alegre, e a performance La bête, em que uma criança interagiu com o performer Wagner Schwartz, também nu, no MAM-SP. No Sesc Consolação, onde a performance ocorrerá, a classificação indicativa será de 16 anos, com explicações sobre a performance antes da entrada.

No ano passado, Fiódor fez uma performance nu no mesmo MAM e não houve nenhuma polêmica.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Veja o vídeo do barraco: Barroso diz que Gilmar é leniente com crime de colarinho branco

Montagem a partir de fotos do STF

Montagem a partir de fotos do STF

Gosto muito quando alguém consegue fazer o Gilmar Mendes fazer aquele sorrisinho escroto que faz quando está nervoso. Barroso arrasou, tirou do sério o Ministro que adora Aécio.

Segundo Barroso, Gilmar destila ódio o tempo inteiro, não julga, não fala coisas racionais, articuladas e está sempre com raiva. Gilmar devolveu: “Então, presidente, tenho este histórico, e realmente na Segunda Turma que eu sempre integrei, temos uma jurisprudência responsável, libertária e não fazemos populismo com prisões.”

Barroso disse ainda que Dirceu – preso e condenado na Lava Jato – deixou a prisão por decisão da Segunda Turma, composta por Gilmar. “Ele só está solto porque a Segunda Turma determinou. Não transfira para mim a leniência que vossa excelência tem com o crime do colarinho branco.” (…) “Vossa Excelência vai mudando a jurisprudência de acordo com o réu. Isso não é estado de direito. É estado de compadrio. Juiz não pode ter correligionário”.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Ajude o Renato. Não falta muito

Naquele fim de tarde terrível de tempestade no Jardim Botânico, quando o palco  onde a Ospa se apresentava foi destruído pelos ventos e pela chuva, conheci casualmente a mãe do jovem trompetista Renato Oliveira. Ele estava tocando com a orquestra e ela estava na porta do JB tomando o maior banho, esperando o filho ao mesmo tempo que estava sem poder sair, como todos nós. Conversamos e ela se identificou. Boa gente, orgulhosa do filho, mulher com jeito de quem leva uma vida dura e honesta.

Renato Oliveira (centro) | Foto: Maí Yandara

Renato Oliveira (centro) | Foto: Maí Yandara

Nós não sabíamos que, mais ou menos naquele momento, o Renato tinha salvado a tia do lanche da Ospa, a D. Lourdes, de um acidente maior. Ele simplesmente se atirara sobre a senhora de 70 anos para que a armação do camarim do evento não caísse sobre ela. Mas o Renato, além de solidário, é bom trompetista. E vejam o que está acontecendo agora com ele.

Renato Oliveira estuda na Escola de Música da Orquestra Sinfônica de Porto Alegre. Neste ano, foi convidado para estudar trompete no conservatório de música International Brass Studio, na Bélgica. Quem fez o convite foi o próprio idealizador da academia, o trompetista belga Dominique Bodart, quando realizou masterclass aqui em Porto Alegre. Por seu talento, Renato chamou a atenção de Bodart. Então, em setembro, o Renato, de apenas 19 anos, lançou uma campanha de financiamento coletivo para estudar lá. O objetivo é arrecadar o valor de R$ 33,2 mil, para custear gastos como passagens aéreas, alojamentos e alimentação.

A campanha encerra na segunda-feira, dia 6 de novembro, e Renato está ainda no meio do caminho. O Renato é tímido e não vai se rasgar por aí pedindo ajuda. Mas merece.

Então, se você tiver uma graninha sobrando, ajude o Renato. Clique aqui e dê uma força ao guri que é bom instrumentista e boa pessoa.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Uma perguntinha sobre o papel higiênico Black is Beautiful

OK, o novo papel higiênico tem o nome racista — considerando-se a finalidade do produto, é claro — de Black is Beautiful. Digamos que seja normal. Agora pergunto: quando a gente se limpa, no final, é necessário dar aquela conferidinha no tamanho do carimbo remanescente. Como se faz com um papel preto? Dá para ver ou o usuário deixará o trabalho final para as cuecas? Outra pergunta seria se a bunda fica preta. Fica?

Black is Beautiful

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Os edifícios-roscas de Moscou

moscow-bagel-house-86

No início da década de 1970, o arquiteto russo Evgeny Stamo e o engenheiro Alexander Markelov apresentaram planos para a construção de um edifício incomum na capital Moscou. A construção teria a forma de um cilindro, com cerca de 150 metros de diâmetro, envolvendo um grande pátio interno com quadras de esportes e espaços verdes. O prédio deveria ter mais de novecentos apartamentos e todos os serviços estariam nele — super-mercados, lojas, farmácia, lavanderia, correios, etc. Quando ficou pronto, em 1972, as autoridades ficaram tão impressionadas que decidiram que outros projetos semelhantes seriam implementados.

moscow-bagel-house-87

Naquela época, as Olimpíadas de Moscou de 1980 estavam próximas e a cidade decidiu construir cinco edifícios em forma de anel similares para simbolizar o evento. No entanto, quando o segundo edifício subiu, o projeto foi arquivado. A União Soviética estava à beira de um colapso econômico, e os edifícios eram muito caros de manter.

moscow-bagel-house-88

Além disso, os cinco edifícios ficavam muito longe uns do outros e jamais se poderia fazer qualquer associação significativa com os cinco anéis olímpicos. Além disso, os  pedestres nunca conseguiriam ver os anéis do nível da rua para apreciar a composição.

moscow-bagel-house-89

Hoje, os dois edifícios são usados como apartamentos. Cada edifício tem nove andares e mais de vinte entradas. Alguns dizem que encontrar a entrada certa e localizar um determinado apartamento é complicado. Tudo é muito igual.

moscow-bagel-house-90

Os moscovitas chamam carinhosamente as construções de “roscas”.

moscow-bagel-house-91

moscow-bagel-house-92

moscow-bagel-house-93

Fonte: Russia-ic.com / samstroy.com / www.msk-guide.ru / Weird Russia

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Museu gaúcho retira preventivamente obra polêmica, veja fotos

A fotógrafa Cibele Vieira, gaúcha radicada em Nova Iorque, escreveu em seu perfil do Facebook: It is a re-reading of Pietà. I painted it black. The photograph it is part of a series of photographs made from religious icons statues. Traduzo: é uma releitura da Pietà. Eu a pintei de preto. A fotografia é parte de uma série de fotos feitas de estátuas de ícones religiosos. 

Bem, a gente chega na mostra Projeto de Pesquisa em Fotografia Contemporânea, atualmente em exibição no Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS), na Casa de Cultura Mario Quintana, e logo vê o sinal mais civilizado de nossos tempos de retrocesso.

24/10/2017 - PORTO ALEGRE, RS - Exposição Projeto de Pesquisa em Fotografia Contemporânea, em exibição no Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS). Foto: Maia Rubim/Sul21

24/10/2017 – PORTO ALEGRE, RS – Exposição Projeto de Pesquisa em Fotografia Contemporânea, em exibição no Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS). Foto: Maia Rubim/Sul21

Logo na entrada, vê-se uma série de corpos nus, coisa que pode ser vista na arte sacra de qualquer igreja. Aliás, o nu está presente em todos os museus do mundo ocidental.

24/10/2017 - PORTO ALEGRE, RS - Exposição Projeto de Pesquisa em Fotografia Contemporânea, em exibição no Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS). Foto: Maia Rubim/Sul21

24/10/2017 – PORTO ALEGRE, RS – Exposição Projeto de Pesquisa em Fotografia Contemporânea, em exibição no Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS). Foto: Maia Rubim/Sul21

A moça abaixo não estava escandalizada com as fotografias. Pelo contrário, parecia plácida. O público das exposições costuma ser quieto e educado. Ama ou desgosta sossegadamente. Não dá discursos, não berra suas opiniões, não impõe, não ameaça, não grita e não se escabela se vê algo que vai contra aquilo que acredita. Costuma ser assim.

24/10/2017 - PORTO ALEGRE, RS - Exposição Projeto de Pesquisa em Fotografia Contemporânea, em exibição no Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS). Foto: Maia Rubim/Sul21

24/10/2017 – PORTO ALEGRE, RS – Exposição Projeto de Pesquisa em Fotografia Contemporânea, em exibição no Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS). Foto: Maia Rubim/Sul21

Uma das qualidades da arte é o poder de desestabilizar, fazendo com que repensemos coisas, dando-nos um empurrão da zona de conforto. Por isso, a criatividade e a imaginação as eternas são inimigas de moralistas, conservadores e burocratas. Porque afronta valores.

24/10/2017 - PORTO ALEGRE, RS - Exposição Projeto de Pesquisa em Fotografia Contemporânea, em exibição no Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS). Foto: Maia Rubim/Sul21

24/10/2017 – PORTO ALEGRE, RS – Exposição Projeto de Pesquisa em Fotografia Contemporânea, em exibição no Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS). Foto: Maia Rubim/Sul21

O MBL se aproveita da falta de vivência do grande público com a arte, a qual é adubada pela ignorância endêmica promovida por um sistema falido de educação. Tais pessoas não conseguem dar-se conta de que pedofilia, zoofilia, etc. pressupõem desejo sexual e uma vítima, infelizmente. O pior é que tais acusações jamais poderiam ser mantidas após a observação atenta das obras de, por exemplo, Adriana Varejão, expostas no Queermuseu. As acusações simplesmente não conferem com as obras.

24/10/2017 - PORTO ALEGRE, RS - Exposição Projeto de Pesquisa em Fotografia Contemporânea, em exibição no Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS). Foto: Maia Rubim/Sul21

24/10/2017 – PORTO ALEGRE, RS – Exposição Projeto de Pesquisa em Fotografia Contemporânea, em exibição no Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS). Foto: Maia Rubim/Sul21

A situação é tão grave que, de forma preventiva, o curador Fábio Rheinheimer resolveu retirar uma foto de Cibele Vieira antes de que a citada exposição Projeto de Pesquisa em Fotografia Contemporânea fosse aberta. A foto estaria no espaço em branco abaixo. Segundo Rheinheimer, a clara ausência da obra foi um protesto silencioso contra a violência dos conservadores.

24/10/2017 - PORTO ALEGRE, RS - Exposição Projeto de Pesquisa em Fotografia Contemporânea, em exibição no Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS). Foto: Maia Rubim/Sul21

24/10/2017 – PORTO ALEGRE, RS – Exposição Projeto de Pesquisa em Fotografia Contemporânea, em exibição no Museu de Arte Contemporânea do Rio Grande do Sul (MACRS). Foto: Maia Rubim/Sul21

Tenho minhas dúvidas se acertaste, meu caro Rheinheimer. Creio que foi mais um recuo. Dar espaço (e respeitar e demonstrar medo) para este gênero de manifestação é um erro, é dar espaço à barbárie.. A foto em questão é a Pietá abaixo, pintada de preto pela artista gaúcha Cibele Vieira. Ela estaria, quase preta, entre diversas fotos de pênis e vaginas. O últimos ficaram, a Pietà sumiu. Estranho.

Pietá, de Cibele Vieira / Divulgação

Pietá, de Cibele Vieira / Divulgação

Eu acharia provocativa a montagem. E creio que ela poderia significar várias coisas além da leitura rasa da “agressão a símbolos religiosos”. Só que nós temos pouco amor à liberdade de expressão e ainda menos à cultura e à curiosidade. O artista? Ora, o artista quer que o público procure entender de alguma forma o que ele quis dizer através das formas livres e pouco comuns que usou. A atitude de retirar a foto foi, em minha opinião, autocensura, ou seja, censura. E nela está implícita o fato de haver uma enorme diferença entre pensar que uma obra é equivocada, errada, sublime ou maravilhosa ou de simplesmente não mostrá-la.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Fotógrafo compõe pessoas e quadros em museus com belo resultado

Do Daily Mail — com fotos de Stefan Draschan

Stefan Draschan passa muito tempo com sua câmera em museus na Europa. Lá, com muita paciência, captura imagens de visitantes do museu que combinam com as pinturas. É uma abordagem curiosa que junta contemporaneidade a conteúdo histórico e artístico. O legal é que o visitante está vestido de tal forma que possa fazer parte da pintura. É criatividade, bom humor e arte. Vale a pena ver o resultado.

Seus trabalhos contam com registros em Londres, Paris, Viena e Berlim — onde ele espera pacientemente por seus modelos.

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-1

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-2

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-3

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-4

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-5

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-6

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-7

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-8

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-9

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-10

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-11

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-12

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-13

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-14

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-15

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-16

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-17

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-18

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-19

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-20

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-21

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-22

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-23

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-24

pessoas-combinam-quadro-museu-awebic-25

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Guto (com os melhores lances do perigoso Criciúma 2 x 3 Inter)

O Inter venceu o Criciúma fora de casa por 3 x 2 e deu mais um passo para voltar à Série A. Permanece líder da B com 61 pontos em 31 jogos. O segundo colocado, o América-MG, tem 56 pontos e o quinto, Vila Nova, que é o primeiro a não se classificar, tem 51, dez pontos a menos. O jogo era fácil e abrimos 2 x 0 com extrema facilidade. O primeiro tempo acabou em 2 x 1, mas poderia ter sido 4 ou 5 x 1, tamanha a facilidade. Cuesta, Dourado, Edenílson, D`Alessandro e Damião eram os donos do campo. Damião cruzou para Sasha — novamente em péssimo dia — marcar e Cuesta — novamente jogando muito — fez o segundo após cruzamento de Dale.

Foto: Ricardo Duarte

Foto: Ricardo Duarte

Porém, se Sasha e Pottker realizavam uma partida de constrangedora ruindade, Alemão e Danilo Silva conseguiam ser piores. O bom jogador Silvinho, do Criciúma, quando se deu conta da baixa qualidade de seus marcadores, passou a ir pra cima de ambos, passando por cima deles quase sempre com grande facilidade. Parecia Neymar! Um assombro! Se os observadores do Barcelona estivessem assistindo, sei lá.

Houve, é claro, aquele “Momento 2016”. O Criciúma empatou o jogo e poderia ter virado, tamanha era a facilidade para entrar pelo lado direito de nossa defesa. Toda tentativa de Silvinho, bem assessorado por Giaretta e Alex Maranhão, era um deus-nos-acuda. O Criciúma perdeu gols, prova de que ainda sofremos apagões inexplicáveis.

Mas o que diferencia o Inter na Série B é a qualidade. Quem mais tem Camilo no banco? No final do jogo, Camilo lançou Carlos — que entrara no lugar da enceradeira Pottker — e ele fez tudo que o Pottker não fizera. Se Pottker não conseguiu matar uma bola ao receber um gol feito de Dale no primeiro tempo, Carlos, ao ver-se pifado, matou a bola com categoria com a perna direita e tocou de esquerda para as redes.

Não temos um time pronto para a Série A. (Talvez não tenhamos nem técnico. Por que o time recuou no início do segundo tempo, Guto? Contra o Criciúma???) Os “titulares” Sasha e Pottker são dois muros. A bola bate neles e volta. É desperdício certo, quase sempre perdem a bola. Sasha é um meia de ligação que não deu NENHUMA ASSISTÊNCIA (passe para gol) em todo o ano.  Alemão e Danilo Silva são inaceitáveis. O pênalti que Danilo cometeu foi tão claro que vimos o lance antes de ele derrubar Silvinho. É uma piada de zagueiro. Ernando é um mestre perto dele. Moledo, um semideus, Klaus, o próprio Criador. E sobre Alemão: com o novo twitter de 280 caracteres dá pra listar todas as qualidades do Alemão e ainda sobram 280 caracteres. E é tudo.

O próximo jogo é no Beira-Rio, contra o Ceará (3º colocado, 55 pontos), no dia 28 de outubro (sábado), às 17h30.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Um resumo dos últimos 400 anos da música erudita ocidental em 12 minutos

A cargo do sensacional The King’s Singers. O nome da obra é modestíssimo: Masterpiece. O autor é Paul Drayton. A peça é hilariante e linda.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O apelo de Thomas Mann à razão parece dirigido ao Brasil de hoje

Há 87 anos, romancista tentou alertar povo alemão sobre perigos políticos após Partido Nazista ficar em segundo lugar nas urnas. Para o Nobel de Literatura, Hitler não podia mais ser visto apenas como piada de mau gosto.

Por Ricardo Domeneck, na DW
sob o título Bibliothek: O apelo de Thomas Mann à razão

Thomas Mann

No dia 17 de outubro de 1930, há exatos 87 anos, Thomas Mann proferia no Beethoven-Saal, em Berlim, sua palestra intitulada Ein Appell an die Vernunft (Um apelo à razão). Ao mesmo tempo, membros da Sturmabteilung (SA), a milícia paramilitar nazista, tentavam perturbar o evento e impedir que o escritor falasse.

O contexto e impulso dessa fala do romancista alemão foi o resultado das eleições de setembro daquele ano, quando o Partido Nazista (NSDAP) conquistou 18,3% dos votos, sendo o segundo mais votado, atrás do Partido Social-Democrata (24,5%) e à frente do Partido Comunista da Alemanha (13,1%).

O escritor tinha naquele momento uma posição de grande autoridade intelectual na República de Weimar, tendo recebido em 1929 o Prêmio Nobel de Literatura. Ele já era o autor dos romances Buddenbrooks (1901) e Der Zauberberg (A Montanha Mágica, 1924).

Longe de ser visto como um autor engajado numa época que via o ativismo potente de Bertolt Brecht (grande desafeto seu) e outros autores, Mann disse em sua palestra que o tempo do “jogo puro” de Friedrich Schiller ou do idealismo estético havia chegado ao fim diante de tais perigos políticos.

Segundo o autor, era importante deter os nazistas, que buscavam de forma efetiva, aos gritos, tornar indissociáveis ideias de nação e sociedade. Ele analisou o contexto político e econômico do momento, sem poupar críticas aos efeitos desastrosos do Tratado de Versalhes sobre a sociedade alemã.

O engajamento de Mann na luta contra o fascismo encontrou também sua face literária em uma novela importante publicada naquele mesmo ano: Mario und der Zauberer. Escrita no ano anterior, chegava no mais propício dos momentos. É seu trabalho mais escancaradamente político.

O narrador descreve como, durante uma viagem à Itália, ele testemunha o poder de hipnose de um mágico chamado Cavaliere Cipolla. Este era capaz de criar com sua fala um clima de opressão em meio ao público que assistia ao seu espetáculo, controlando os espectadores até que um deles, o Mario do título, se revolta e o mata.

O momento era de tensão e angústia entre os espíritos democráticos da época: Josef Stálin consolidara seu poder na União Soviética, Benito Mussolini conclamava os italianos a recuperarem a glória do Império Romano, e o Partido Nazista começava a conquistar uma posição perigosa dentro da República de Weimar. O tempo de rir dos nazistas havia acabado.

Mann parecia decidido a convencer o povo alemão, ou ao menos a parcela que poderia ouvi-lo, de que Adolf Hitler não podia mais ser visto apenas como uma piada de mau gosto – como muitos intelectuais da época reagiram à sua gritaria até que ele chegou ao poder, em 1933, quando já era tarde demais.

Infelizmente, sabemos que naquele momento o apelo à razão de Mann junto a seus compatriotas não foi suficiente. O próprio Beethoven-Saal, onde proferiu sua palestra, foi bombardeado e destruído em 1944.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Guto (com lances do horror de ontem, Boa 0 x 0 Inter)

Estava achando exageradas aquelas pessoas que te criticavam a ponto de pedirem tua cabeça, Guto, mas ontem a coisa foi tão apavorante que nem sei mais o que dizer para te defender. Já estou concordando com eles, achando que tu não podes ser o treinador para 2018. Creio que poucos de nós são tão masoquistas a ponto de apreciarem o que vimos ontem.

Setores distantes um do outro, dois volantes perdidos, jogadas aéreas para ninguém — pois Damião estava fora –, dezenas de balões para a frente — não deu para treinar a saída de bola nesta semana livre? –, centenas de passes errados, Winck sempre decepcionante… Bem, foi uma desgraça ver o jogo contra um adversário que nem treinara, chegando a Varginha depois de nós. O Inter voltou a parecer constrangido de ter que jogar a Série B, só que jogava a 30ª rodada!

Sem armação, Pottker (foto) e Nico López sucumbiram | Ricardo Duarte / SC Internacional / Divulgação

Sem armação, Pottker (foto) e Nico López sucumbiram | Ricardo Duarte / SC Internacional / Divulgação

Em nossa atual situação, não podemos enfrentar um campeonato mais qualificado. Com um time assim, vamos ser varridos da Série A como em 2016. Fomos um time sem inspiração contra uma equipe do meio da tabela e que perdera para o lanterna ABC em Natal na última rodada.

Camilo, Charles, Winck e Jéferson foram ridículos, deixando os atacantes Nico López e Pottker à míngua. D`Alessandro apenas foi franco ao qualificar a atuação do Inter como “horrorosa”.

Lembro de 2016, quando os resultados eram bons e o time jogava mal, muito mal. Depois, os resultados passaram a acompanhar as atuações e foi o que se viu foi aquela inexorável queda livre. Nossas últimas vitórias foram obtidas jogando o mínimo, sempre o mínimo.

Sabemos que não há muitas peças de reposição, mas ao menos a saída de bola deveria funcionar melhor, assim como o posicionamento de volantes e dos laterais treinadíssimos por ti.

Por incrível que pareça, somos líderes dessa bagaça com 58 pontos em 30 jogos.

O quinto colocado, o Vila Nova, tem 50.

Faltam 8 rodadas.

Nosso próximo jogo é contra o Criciúma (9º colocado), no sábado, dia 21, às 16h30min. Ontem, o Criciúma perdeu em casa para o Vila Nova.

Vamos ver o que conseguimos, Guto…

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Sem guglar, você adivinharia a autoria deste poema?

Obs.: acabo de deixar o nome do autor lá no final do post, após “Marcado com”.

Poema para grande orquestra parada – um silêncio bem alto

Você já amou uma mulher brilhante.
Você já amou uma mulher formosa.
Você já amou uma mulher
Silenciosa?
Que fala pouco.
E bem,
E baixo,
Que não eleva a voz por raiva
Nem má educação,
Que anda com seus pés de seda
Num mundo de algodão.
Que não bate, fecha a porta,
Como quem fecha o casaco
De um filho
(Ou abre um coração)?
Que quando fala, se aproxima
Ao alcance da mão
Pra que a voz não se transforme em grito?
E que absorve o mundo
Sem re-percussão
Num olhar de preguiça
Num colchão de cortiça
Como um mata-borrão?

Mas um dia ela sai
Levando o seu silêncio
De pingüim andando solitário em
sua Antártica
(ou Antártida),
No eterno
Gelo sobre gelo
No infinito
Branco sobre branco
E dos cantos e recantos
Onde habitou calada
– entre oniausente –
Brotam aos poucos,
Os ruídos
Pisados,
Colocados embaixo do tapete
Guardados na despensa
Na gaveta mais funda
De uma vida em comum.
Os trincos falam,
A cafeteira chia,
A espreguiçadora range,
O telefone toca,
As louças tinem,
O relógio bate,
O cão ladra,
O rádio mia,
Toda a casa ressoa, reverbera
e brada
E a orquestra em pleno do teu
dia-a-dia
Ataca a algaravia
Fabril
Escondida no lençol de silêncio
Com que ela partiu.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Os Direitos Inalienáveis do Leitor, por Daniel Pennac:

Por algum motivo, eu ainda não consigo cumprir o Nº 3. Cumpro brilhantemente o Nº 7 — já li até em estádio de futebol. Nunca vi necessidade do Nº 9 e minha amiga Cláudia Beylouni Santos me vem com mais dois direitos:

11. O direito de acumular uma muralha de livros amados, por ler, em todo o entorno da cabeceira da cama.
12. O direito de falar incessantemente sobre um livro apaixonante que se leu.

O Julio Ribeiro pede mais um:

13. O direito de comprar mais livros do que se consegue ler.

E a Maria de Abreu também:

14. O direito de parecer antipático e não responder por estar enredado e absorto entre uma linha e outra.

Mas chega! Vamos aos 10 direitos originais de Pennac:

1. O direito de não ler.
2. O direito de saltar páginas.
3. O direito de não acabar um livro.
4. O direito de reler.
5. O direito de ler não importa o quê.
6. O direito de amar os “heróis” dos romances.
7. O direito de ler não importa onde.
8. O direito de saltar de livro em livro.
9. O direito de ler em voz alta.
10. O direito de não falar do que se leu.

Daniel Pennac

Daniel Pennac

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Sobre “As Academias de Sião”, conto de Machado de Assis

O conto completo está aqui, dentro do site Domínio Público.

As Academias de Sião, de Machado de Assis, dá pano para muitas mangas, apesar de não ser um de seus maiores contos. O pano para as mangas é tecido ao longo de um plot mais do que original para a época: as academias de Sião tentavam resolver um peculiar problema: “Por que é que há homens femininos e mulheres masculinas? O que as induziu a discutir isso foi a índole do jovem rei. Kalaphangko era virtualmente uma dama. Tudo nele respirava a mais esquisita feminilidade: tinha os olhos doces, a voz argentina, atitudes moles e obedientes e um cordial horror às armas. Os guerreiros siameses gemiam, mas a nação vivia alegre, tudo eram danças, comédias e cantigas, à maneira que o rei não cuidava de outra coisa”.

Uma das academias venceu com a seguinte certeza: “A alma é neutra; nada tem com o contraste exterior”. Porém, Kinnara, a mais bela concubina do Sião, durante um encontro privado com rei, questionou a decisão dizendo existirem almas sexuais. Assim como o rei era o homem feminino, Kinnara seria a mulher máscula: “Um búfalo com penas de cisne”. Depois de um beijo, Kinnara convence o rei para que suas almas troquem de corpo por seis meses. Cumprido o prazo, cada uma seria restituída ao corpo original. A fábula de Machado pega emprestado temas orientais, sobretudo hindus. Basta lembrar o parentesco do conto com a “história hindu” de Thomas Mann As Cabeças Trocadas, onde há um personagem belo, mas com um corpo magérrimo, e outro feio, mas de belo corpo. Em Mann, há a troca de cabeças; em Machado, a de almas.

Após a troca, Kalaphangko, ou o corpo do rei agora com alma de Kinnara cuidou da fazenda pública, da justiça, da religião e matou uns tantos que não pagavam impostos. “Sião finalmente tinha um rei”, afirma Machado. Já a alma do rei “espreguiçava-se todo nas curvas femininas de Kinnara”. Sim, Machado de Assis diverte-se sempre conosco. E nós com ele.

O conto parece indicar que a alma masculina seria mais ativa e racional, enquanto a feminina seria passiva e emocional. Mas Machado de Assis não está aqui criando teses e sim controvérsias e boas piadas. Um pouco mais sobre Kinnara. Quando há a troca de almas, ela passa a um plano secundário e Kalaphangko planeja matá-la para não desfazer a troca, porém ela revela estar grávida e o rei sente-se incapaz de matar seu próprio filho, símbolo de sua virilidade e da continuidade da linhagem real. Ou seja, primeiro Kinnara consegue fazer a troca de corpos através de um beijo e depois logra não ser morta pela maternidade, um predicado físico feminino. Neste sentido, a simples Kinnara é mais uma mulher decisiva num mundo machadiano cheio delas. As mulheres de Machado seduzem, escolhem, querem e conseguem, expelindo sensualidade tanto em lentas e inexoráveis secreções ou como em espasmos (ou jatos…).

Tenho vontade, mas reluto em fazer uma interpretação do século XXI sobre um conto que não é mais do que um scherzo de Machado. Mas há outros aspectos intrigantes neste conto cheio de curiosidades que independem do instrumental psi de nossos dias. (1) Machado não cai em momento algum nas piadas fáceis e depreciativas de uma sociedade machista — e estamos em 1884. (2) Diferentemente de Tolstói, por exemplo — um escritor absolutamente contemporâneo de Machado — , o brasileiro não está nem um pouco preocupado em explicar o mundo ou em trazer a Verdade e a Solução a seus leitores. Ele apenas narra brilhantemente os fatos e nos deixa aqui pensando… (3) Os acadêmicos consideram um ao outro perfeitos estúpidos, mas permanecem academia, inclusive protagonizando o festivo momento final de As Academias de Sião, cantando todos juntos o hino “Glória a nós, que somos o arroz da ciência e a claridade do mundo!”.

A bela Kinnara — àquele momento já destrocada — não entendia como os membros da academia podiam ser a claridade do mundo quando reunidos e se detestarem separadamente… Mas sabemos que é assim. É notável que o fundador da Academia Brasileira de Letras nos passe uma noção tão bufa e verdadeira do comum das academias — locais que  podem ser melhor descritos como cestas de ofídios do que como clarões para o mundo.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Uma tentativa de entender porque o Facebook é cansativo e ler livros não é

Um dia desses, passei os olhos numa matéria que dizia que a leitura de livros era uma espécie poderosa de remédio para as tristezas e decepções da vida. Desta forma, os leitores de livros — acho que o texto utilizava o lugar comum “vorazes leitores” — tinham uma espécie bote salva-vidas que permitia que ficassem boiando durante as inundações que a vida nos impõe.

Sim, é uma ironia. Cena de Persona, de Ingmar Bergman.

Sim, é uma ironia. Cena de Persona, de Ingmar Bergman.

Impossível concordar mais. Quando a coisa está muito louca e incontrolável lá fora — e como está, não? –, quando a algaravia sem fim do Facebook começa a abalar nossa saúde mental, parece que um bom texto ou uma boa história vem cumprir não somente o papel de nos entreter, mas o de repor nossos pensamentos na linha da normalidade (ou do habitual, pois não tenho ilusões sobre minha normalidade).

Ler ficção não é somente entrar em outra realidade, mas estar em conexão íntima conosco de uma forma muito especial e tranquila. Pode até ser um livro que nos incomode com “murros no crânio” (para citar Kafka), mas o mergulho que fazemos, a penetração que realizamos no modo de pensar de alguém que nos é estranho, tem sempre o condão de nos mostrar o caminho de retorno a nós mesmos.

Quando fico muito tempo sem ler, tenho a impressão de que uma psicose pró-ativa vai tomar conta de mim e vou ficar tão idiota quanto um político de carreira ou outro carreirista qualquer. Mesmo que o nível médio daquilo que se publica seja muito baixo, vale a pena ler livros. A maioria das coisas que as pessoas escrevem no Facebook comentam sobre o dia de hoje de forma simples e descartável. Quando este hoje se torna ontem, aquilo que registramos não tem mais valor. É um palimpsesto (*) de altíssima velocidade. Isso perturba, cansa, gasta.

Enquanto escrevia este texto, descobri que existe uma biblioterapia. Ela consiste na prescrição de materiais de leitura com função terapêutica. A prática biblioterapêutica pode ser utilizada como um importante instrumento no restabelecimento psíquico de indivíduos com transtornos emocionais.

Começo a pensar em fazer listas terapêuticas…

(*) Papiro ou pergaminho cujo texto primitivo é raspado para dar lugar a outro.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Guto (com os principais lances de Inter 1 x 0 Brasil-Pel)

Guto, tu venceste 11 dos últimos 13 jogos na Série B, teu cargo está seguro — merecidamente, é claro –, mas teu time não convence. Ontem, naquele primeiro tempo, não sabia o que era pior: se o T5 que levou meia-hora para aparecer e já tinha umas 30 pessoas na parada ou se Cláudio Winck e Sasha fazendo evoluções sem o menor sentido em campo. A coisa não fluía. Não, não vou te comparar com o prefeito Marchezan, seria uma injustiça para contigo.

A cabeçada de Damião para marcar o único gol do jogo: numa palavra, centroavante | Foto do grande Ricardo Duarte / SC Internacional

A cabeçada de Damião para marcar o único gol do jogo: numa palavra, centroavante | Foto do grande Ricardo Duarte / SC Internacional

É certo que o querido Brasil de Pelotas fechava os espaços como podia, mas tínhamos zero de criatividade. Pobre de D`Alessandro, tendo que buscar a bola lá entre nossos zagueiros e ainda armar. Estava óbvio que cansaria. De seus três companheiros na linha de 4, um é volante e dois eram pesos mortos: Sasha e Pottker.

Fizemos o único gol do jogo no último suspiro do segundo tempo. Dale bateu uma falta ao lado da área para Damião marcar em jogada ensaiada. OK, méritos teus, Guto.

Logo no início do segundo tempo, Sasha tomou um chapéu do lateral Éder Sciola do Brasil e achou adequado dar-lhe um pontapé no peito. Expulsão justa. Então tu colocaste Camilo no lugar do cansado Dale e ocorreu o de sempre: o time melhorou. Ignoro o motivo pelo qual Camilo não joga no lugar de Sasha. Camilo marcou, armou, acertou passes, enfim, fez tudo que Sasha não faz e ainda fez o que ele faz, auxiliando Uendel.

Aliás, o segundo tempo, com 11 contra 10, foi um jogão. O Brasil foi para o ataque — parabéns, Clemer — e, mesmo sem criar muito, deu calor na nossa defesa. Nós tratávamos de contra-atacar. Chutamos três bolas no poste, sinal de má mira e de azar, dando aquela impressão paranoica de que, se perdíamos tantos gols, íamos acabar era tomando um. No final do jogo, Damião machucou-se e Nico López voltou a entrar bem.

Guto, não sei como fazer Pottker levantar a cabeça quando joga. Trabalho pra ti.

Temos 57 pontos em 29 rodadas, somos líderes seis pontos à frente do segundo colocado, que tem um jogo a menos. Nossa próxima partida é no dia 17 de outubro (terça-feira) contra o Boa Esporte, em Varginha, às 19h15. Sasha (expulso) e Edenílson (3º cartão) estão suspensos, Damião e Uendel são dúvidas porque terminaram o jogo lesionados, ambos na coxa esquerda.

Faltam 9 jogos e, com duas vitórias e dois empates, estaremos de volta à Série A.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Igreja Universal do Roubo do Brasil

Bancada evangélica no Congresso, “bispos” eleitos prefeitos, aliados desde o tráfico à presidência da república, todos trabalhando para fazer do Brasil o primeiro estado teocrático da América do Sul.

Excelente e necessária matéria de Alexandra Lucas Coelho para a Sapo24

satan

1. Satanás está a bombar. De Porto Alegre ao Rio de Janeiro, de São Paulo a Campo Grande, de Brasília a Jundiaí, o capeta é top. No começo era só o verbo, um templo aqui, outro ali, bradando & brandindo o nome do demo. Mas, com a ajuda do dízimo e da infinita dor humana, hoje é o que se vê: ministros neopentecostais, bancada evangélica no Congresso, “bispos” eleitos prefeitos, aliados desde o tráfico à presidência da república, todos trabalhando para fazer do Brasil o primeiro estado teocrático da América do Sul.

Setembro-Outubro de 2017, por exemplo. Lá faz Primavera, pá, E, depois de passarem Agosto a excomungar Chico Buarque por conta das letras do novo disco, os neo-cons brasileiros identificaram mais uma frente de batalha: o museu pedófilo, zoófilo e sabe-se lá que mais. Aliás, atalhando, arte com nus ou sexo em geral. Portanto, são neo-cons com dois milhões de anos de atraso. O que seria um problema só deles se não tivessem cada vez mais poder.

2. Fui morar no Rio de Janeiro há sete anos. Pouco depois, deu-se o “escândalo” das fotografias de Nan Goldin que deveriam ser expostas na Oi Futuro, braço cultural da empresa de telecomunicações Oi. Primeiro, a Oi “descobriu” que havia fotografias de crianças nuas e pediu à curadora que as retirasse. Nan Goldin aceitou, mas depois a empresa pediu que qualquer fotografia com crianças fosse retirada. Nan Goldin sugeriu que pusessem uma tarjeta a dizer “censurado”. A exposição acabou por ser cancelada.

Recém-chegada como era, fiquei perplexa. Uma das principais fotógrafas contemporâneas vetada no Rio. Onde tinha estado o Rio nos últimos 50 anos, para não ir mais longe? Aquele nível de debate estava mesmo a acontecer na capital do fio dental, do show do corpo, do culto das “novinhas”? Sim. Bunda de fora pode, deve, mamilo não. Sim, o Rio de Janeiro — o Brasil — era esse paradoxo da moralidade em que topless podia dar prisão. Tal como mulher que abortava podia ser presa se não morresse. E entretanto estupro seguia sendo mato. E as crianças que obcecavam a classe média, entregues a babás vestidas de branco, as mesmas crianças que tanto tinham de ser defendidas de artistas imorais, podiam morrer nas ruas, e serem chacinadas por milícias, quando eram pobres e negras, o que no Brasil quase sempre coincide. Donde resulta que Satanás deve representar um risco só para crianças brancas, porque as outras já nasceram em risco, mesmo.

3. Sete anos depois, estes “escândalos” já não acontecem apenas com empresas. Passaram a acontecer também com instituições sem fim lucrativo, museus públicos, governantes eleitos. E deixaram de ser bissextos para se tornarem diários. Entre Setembro e Outubro, todos os dias houve notícia do bando de inquisidores a que podemos chamar Igreja Universal do Roubo do Brasil: IURB.

A IURB tende a prosperar num país como o Brasil porque vive da vulnerabilidade alheia, como todos os oportunistas. A desigualdade de origem favorece-a. O descaso do Estado é um combustível para ela. Onde as pessoas estiverem ao deus-dará, ela é pastora, recolhendo o dízimo. Com o projecto de ter um presidente. Tudo o que não lhe interessa, como governante, é que as pessoas se emancipem. Uma arte desafiadora, perturbadora, fora da caixa, será sempre sua inimiga. Alvo permanente.

A sequência de acontecimentos deste último mês — ou deveríamos dizer retrocedimentos — não é um acaso.

4. Primeiro foi o cancelamento em Porto Alegre, sul do Brasil, da exposição “Queermuseu — Cartografias da Diferença na Arte Brasileira”, que reunia 270 peças de 85 artistas, entre os quais Lygia Clark, Alfredo Volpi ou Cândido Portinari. Inquisidores indignados, liderados por um colectivo intitulado Movimento Brasil Livre (MBL), protestaram contra conteúdos “pedófilos”, “zoófilos”, além do desrespeito a Cristo, e o Santander Cultural encerrou a exposição.

Vale a pena ler o comunicado do Santander para confirmar o nível de auto-ajuda a que se chegou: “Quando a arte não é capaz de gerar inclusão e reflexão positiva, perde seu propósito maior, que é elevar a condição humana.” Representação confundida com apologia. Necessidade confundida com propósito. Motivação confundida com efeito. E que raio será a reflexão positiva? E o elevador da condição humana, será hidráulico? Ou terá ascensorista?

Tanto equívoco sobre arte e criação dá preguiça. Começar por onde? Pintura rupestre, a Bíblia, a Lolita do Nabokov, aquela passagem de “Em Busca do Tempo Perdido” sobre incesto homossexual? Proust, Joyce, Sade, só putaria. Os gregos em geral. Pompeia, claro. O Renascimento, cheio de pénis e mamilos. A própria da Capela Sistina. Se dependesse da IURB, não veriam a luz do dia. Nenhuma criança seria exposta ao David de Michelangelo. Sobretudo rapazes. Perante tamanho esplendor ainda dariam em “gays”, e era preciso curá-los.

5. Sim, porque ainda o Brasil não recuperara do caso Santander houve essa decisão nazi da Justiça do Distrito Federal que permite que os gays sejam tratados como doentes. Um juiz liberou a “cura gay”: isto aconteceu em Setembro de 2017. E aconteceu num país em que gays, LGBT em geral, são constantemente atacados, por vezes mortos. Portanto, um juiz veio dar força de lei à intolerância, à discriminação, à violência. Quem xingava e maltratava está mais autorizado para o fazer.

6. Mas não saia do seu lugar, porque segue-se o “escândalo” da performance “La bête”, com um artista inteiramente nu. É verdade, em 2017, quando os woodstockers já estão bem grisalhos ou foram desta para melhor, isso foi notícia no Brasil. E foi notícia porque os zelosos da imoralidade não tiveram dúvidas morais em tornar viral um vídeo que mostra uma mãe com uma filha observando o artista nu, e a criança a tocar-lhe no tornozelo. Horror, pedofilia! Pior, com dinheiro dos contribuintes porque isto se passava numa mostra no Museu de Arte Moderna de São Paulo. O museu ressalvou que havia três avisos sobre nudez, mas inquisidores foram manifestar-se lá, exigindo o encerramento, agredindo funcionários.

E o delírio avançou em dominó. Um ministro veio dizer que aquela cena da performance era crime. Um deputado, inflamado, criou a sua própria versão da performance: “Um marmanjo completamente nu de mãos dadas com três ou quatro crianças fazia uma apresentação cultural. O acto daquele pilantra, que estava nu no museu de artes modernas, não é só um ataque à moral do povo brasileiro, mas é para mexer com o subconsciente dos tarados do Brasil.” Ouvindo isto, outro deputado lembrou ao plenário que o deputado indignado fora flagrado a ver pornografia no telefone em plena votação da reforma política, e se defendera alegando que os amigos lhe mandavam “muita sacanagem”. O primeiro deputado tentou agredir o segundo. Um terceiro evocou com saudade instrumentos de tortura da ditadura, lamentando não poder usá-los no artista da performance. “Se aquele vagabundo fosse fazer aquela exposição (…) ia levar uma ‘taca’ que ele nunca mais iria querer ser artista e nunca mais iria tomar banho pelado.”

7. Como isto é contagioso, em Campo Grande (capital do Mato Grosso do Sul), deputados denunciaram uma exposição por pedofilia e obscenidade. Em Jundiaí (São Paulo), um juiz proibiu uma peça com uma atriz transgénero no papel de Jesus. Em Brasília, um deputado visitou o Museu Nacional Honestimo Guimarães por ter “recebido denúncias de que o local abrigava ‘conteúdo semelhante ao do Santander Cultural”.

Entretanto, no Rio de Janeiro, o Museu de Arte do Rio (MAR) anunciou que receberia a exposição “Queermuseu”, censurada no Santander de Porto Alegre. Mas o prefeito da cidade, Marcelo Crivella — “bispo” da Igreja Universal do Reino de Deus e sobrinho do chefão Edir Macedo — produziu um vídeo para anunciar que não, que o Rio não quer uma exposição pedófila e zoófila. E não resistiu a uma pilhéria: “Saiu no jornal que ia ser no MAR. Só se for no fundo do mar. Por que no Museu de Arte do Rio, não.”

Resultado, o conselho que define a programação do MAR deliberara pela vinda da exposição, mas o prefeito deu ordem contrária e o museu é municipal. O MAR já declarou que não receberá a exposição.

8. Perante tudo isto, curadores, pensadores, artistas não ficaram parados, houve abaixo-assinados e outros movimentos. Entre muitos contributos para o debate, pareceram-me essenciais os que contrariam a ideia de uma guerra simétrica, como se duas partes estivessem a tentar impôr-se. Falso. Há uma parte em guerra, impondo cancelamentos e censura, como sistema. Quem não quer ver, não vê, protesta, critica. O que se está a passar no Brasil é outra coisa. É impedir a arte de existir, os outros de acederem a ela. Tudo em nome do bem, e vade retro satanás.

9. Esta semana, em Brasília, uma mãe de 47 anos foi ao cinema com a filha de 20, saíram do filme abraçadas. Um homem insultou-as como casal “gay”, depois bateu na cara da rapariga, a ponto de ela guardar um olho negro. Certamente ambas o provocaram com gestos suspeitos. E no Brasil de 2017, perante suspeita do maligno, um homem não é de ferro.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!