Algumas observações sobre The Beatles: Eight Days A Week – The Touring Years, de Ron Howard

Compartilhe este texto:

Eu e Elena vimos o excelente documentário The Beatles: Eight Days A Week – The Touring Years. É tudo bom demais, mas estranhei 4 coisas:

(1) não foi citado o fato do baterista daquelas maratonas de Hamburgo ter sido Pete Best. Ringo Starr apenas entrou no grupo quando da primeira gravação, por exigência de George Martin;

(2) a morte de Brian Epstein poderia também ter sido referida no final dos Touring Years;

(3) a entronização de Sgt. Pepper’s como o maior dos discos quando há tantos outros do mesmo nível para a gente discutir pelo resto da vida e

(4) a ausência da cena abaixo no longo capítulo dos “escândalos gerados por Lennon”.

Beatles The Touring Years

Explico:

Lá em 1963, os Beatles se apresentaram para a família real britânica num show chamado Royal Variety Performance. Era um evento beneficente que ocorria todo ano. Havia 19 atrações. Entre elas, Marlene Dietrich e Maurice Chevalier. Os Beatles fizeram o sétimo espetáculo, o mais aguardado. A noitada aconteceu no Prince of Wales Theatre. Num camarote, a rainha mãe, a princesa Margaret e mais alguns aristocratas.

Livres da gritaria das fãs, eles tocaram três canções. Antes da última, John Lennon se chegou ao microfone, deu boa noite e falou: “Para nosso último número, eu queria pedir a ajuda de vocês. As pessoas nos assentos baratos podem bater palmas. O resto de vocês pode apenas sacudir as joias (just rattle your jewelry)”.

E emendou um sorriso matreiro até entrar na contagem de Twist and Shout. No dia seguinte, não se falava em outra coisa que não nos novos heróis da classe trabalhadora.

Vejam a partir dos 53 segundos.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

3 ideias sobre “Algumas observações sobre The Beatles: Eight Days A Week – The Touring Years, de Ron Howard

  1. Achei o documentário comportado demais, mas agradável. Podia cortar mais fundo na carne beatle, mas é um produto da Apple, ou seja, é biografia ”oficial”, criada com o propósito de manter o grupo em evidência hoje.

    De resto, um comentário sobre o comentário: Rafael Galvão, ”maior autoridade em Beatles do Brasil”? Faz-me rir, rsrsrsrs.

    • O Idelber Avelar também acha que o Rafael Galvão é o cara que mais entende de Beatles no Brasil. Não estou mal acompanhado… E você, o que te credencia a menosprezar o cara?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *