Era uma vez em… Hollywood, de Quentin Tarantino

Era uma vez em… Hollywood, de Quentin Tarantino

Talvez este seja o melhor filme de Quentin Tarantino. Saí do cinema muito feliz e passei três dias com várias cenas voltando a minhas retinas tão fatigadas (boa tarde, Drummond!). Mas creio que a catarse do final do filme — fiquem sossegados, não vou contar — apenas possa ser compreendida por quem viveu a época do assassinato de Sharon Tate (Margot Robbie, boa atriz e linda como Sharon) pelo grupo de hippies de Charles Manson, o olhar mais apavorante daquela época em que eu tinha 12 anos. Meu pai falava daquele olhar assassino, minha mãe também.

(Este filme foi visto no Guion Cinemas — convenhamos, a TV ou o computador de casa só devem ser utilizados quando vemos um filme pela segunda vez, né?)

Como escreveu o Paulo Moreira no meu perfil do Face: “Desta vez, me deu um nó na garganta. Quanto eu era criança — 9 anos em 1969 — lembro de ver as matérias da Manchete e da Fatos & Fotos sobre o assassinato, as paredes escritas com sangue, as macas tapadas de lençol sendo retiradas. Aquele ataque bárbaro ficou marcado na minha memória. É divertida… (CENSURADO POR CONTER SPOILER)… mas ainda fica um travo na garganta.

O mundo ficou quase tão chocado com aquele assassinato ritual de extrema violência quanto com o tiro recebido pelo genial beatle pacifista John Lennon na frente do edifício Dakota. Sharon Tate era esposa de Roman Polanski (Rafal Zawierucha) — que recém filmara O Bebê de Rosemary — e ambos eram o casal da hora, ambos estrelas em ascensão que todos amavam.

1969, Los Angeles. Rick Dalton (Leonardo DiCaprio) é um ator de séries de cowboy da TV que, juntamente com seu dublê Cliff Booth (Brad Pitt), está decidido a fazer o nome em Hollywood, não obstante o fato de estar em decadência na TV. Ele mora do ladinho da mansão de Tate-Polanski, o que o deixa próximo dos fatos que citei acima.

O trabalho de Dalton e Booth permitem que Tarantino brinque dentro de alguns de seus gêneros e formatos preferidos. Há cenas sensacionais com DiCaprio atuando em westerns spaghetti, seriados policiais, caçador de recompensas e garoto-propaganda, porém, por mais citações e inspirações que tenha, este filme está longe de ser uma paródia. Ele é muitíssimo original. Obviamente, trata-se de um Tarantino, com seus diálogos amalucados, cenas longas, carros, etc., mas é também um filme maduro de narrativa madura e com significativos silêncios, o que nos deixa totalmente imersos no mais puro cinema.

Há duas histórias sendo contadas. A de Dalton-DiCaprio, ator de baixa auto-estima e ah… Temos Al Pacino, sensacional como o agente entusiasta que, para reanimar sua carreira, o leva aos spaghetti western, o que faz Danton e Cliff irem à Itália.

Pitt, DiCaprio e Pacino: atuações absurdamente boas | Divulgação

Em paralelo com esta história ficcional acontece outra, real: o ataque da seita de Charles Manson no número 10050 de Cielo Drive, em Los Angeles, moradia onde viviam Polanski e Tate. Há uma cena linda e longa numa sala de cinema onde a atriz se revê na tela. Nela, assistimos simultaneamente ao  maravilhoso desempenho de Tate herself e a felicidade de Margot-Tate ao ver a si mesma na tela. É uma bela homenagem de Tarantino a Sharon Tate.

Ao longo de duas horas e cinquenta minutos, assistimos a uma obra lotada de detalhes. Deve-se ficar atento, pois mesmo as cenas e planos mais longos estão repletos de referências.

Tarantino e sua Sharon Tate, vivida por Margot Robbie | Divulgação

O que é aquela cena com a atriz mirim onde ficam expostas todas as inseguranças do ator Dalton? O que é aquela cena pós-créditos? Por favor, não saiam do cinema durante os créditos! Vão perder uma cena hilariante. Que grande atuação de DiCaprio!

É um baita filme, surpreendentemente comovente e de sutil melancolia. O final fez vir lágrimas aos olhos de minha companheira, algo inimaginável em produções anteriores do diretor. Tarantino encontrou uma linda forma de reescrever e melhorar a história e as quase três horas passam como se fossem 30 minutos.

Sim, eu sei que está na moda criticar Almodóvar, von Trier e Tarantino, mas esqueça as modinhas críticas e vá assistir. Eu garanto.

Trailer 1:

Trailer 2:

Retrato do Amor, de Ritesh Batra

Retrato do Amor, de Ritesh Batra

Este é um excelente filme sobre a beleza dos encontros.

Retrato do Amor (mais uma daquelas incríveis traduções brasileiras — o título original é apenas Photograph) é um filme que, em qualidade, fica um pouco abaixo da obra-prima que é Lunchbox, do mesmo Ritesh Batra, mas mesmo assim é muito bom.

(Este filme foi visto no Guion Cinemas — convenhamos, a TV ou o computador de casa só devem ser utilizados quando vemos um filme pela segunda vez, né?)

Acompanhamos os problemas de Rafi (Nawazuddin Siddiqui), um homem que trabalha como fotógrafo em pontos turísticos de Mumbai e que não tem tempo arranjar uma namorada ou esposa. Afinal, ele precisa economizar muito a fim de pagar uma dívida de seu falecido pai para que a avó não perca sua casa. Porém, esta mesma avó o pressiona para achar uma boa esposa. E logo, pois ele está ficando velho. Então, no desespero, ele decide pegar a foto de uma moça que tirou dias antes e dizer para sua avó que está prestes a se casar com ela. Só que a avó decide visitá-lo para conhecer a moça. Milagrosamente, Rafi reencontra a moça e surpreendentemente ela aceita fingir ser sua namorada. Parece bobo, mas não é,

E mais não contaremos.

Foto: Divulgação

Miloni (Sanya Malhotra) é uma jovem inteligente e promissora. É dedicada aos estudos e criada em um núcleo familiar que a estimula. É privilegiada e melancólica. Rafi é um homem humilde e sem grandes pretensões. O filme acerta em mostrar as condições sociais vivenciadas pela classe do rapaz, bem como questões que envolvem honra, tradição e sua cor da pele. Na Índia, assim como aqui, a cor da pele faz diferença.

A calma e doçura do filme não evitam que fique evidente o fato de que as diferenças sociais são fatores fundamentais em Mumbai.

Assim como Lunchbox, Retrato do Amor é uma produção de extrema delicadeza e sensibilidade humanas. Há o receio do toque e de dizer coisas abertamente. Ritesh nos leva até o final do filme de forma muito suave. Aliás, este é de extrema elegância.

Recomendo fortemente.

Bom dia, Odair medroso (com os lances de Inter 1 x 1 Flamengo)

Bom dia, Odair medroso (com os lances de Inter 1 x 1 Flamengo)

Infelizmente, Odair, das duas uma: ou tu és muito burro ou estás na mão dos jogadores mais velhos e influentes do elenco. Só isto explica o fato de que contra o Corinthians, o Flamengo e em alguns momentos de algumas outras partidas, tenhas escalado Dale (38), Guerrero (35) e Sóbis (34) juntos no ataque.

Resultado?

Zero gols marcados. E como iniciaste ontem? Ora, com Dale, Guerrero e Sóbis. Agora tu somas mais os lentos laterais Uendel e Bruno, joga Patrick na receita e queres ganhar do Flamengo? O time se arrastava no primeiro tempo… Não fode, né, Odair?

Odair Hellmann ou A arte de jogar fora 51 minutos e permanecer no cargo | Foto: Ricardo Duarte / SCI

Deste modo, perdemos 51 minutos de jogo atendendo os veteranos e tua “política de vestiário”. Dale e Guerrero são ótimos, mas Sóbis só pode jogar de centroavante. Ele jogou pelos lados, com incrível lentidão, muito mais atrapalhando do que ajudando. E ainda nervoso.

Então, para ter o tal “vestiário na mão”, tu nos eliminas da Libertadores. Que maravilha.

Nos primeiros minutos do segundo tempo, como também já tinha acontecido no Maracanã e em outros jogos, tu tiras Sóbis e Uendel para colocar Nico López e Wellington Silva… E o que acontece? Passamos a dominar o jogo, pois o adversário passa a se preocupar com a rapidez de ambos. Curioso, não?

Sempre dá certo! Poderíamos até perder do mesmo modo como perdemos, mas atacaríamos, tentaríamos algo.

Então marcamos um gol e só tomamos o empate quando tu, loucamente, retiraste Cuesta para colocar Sarrafiore. Por que tanto desespero? Claro, quem perde 51 minutos de jogo fazendo política de vestiário, fica apressado e come cru no final. Ou nem come, né?

Tu és duplamente cagão. Cagão ao não escalar um time ofensivo e cagão ao escalar um time de medalhões.

Mesmo a manutenção de Zeca na reserva é uma burrice. Perdemos Iago (vendido) e agora temos dois laterais lentos. É óbvio que Zeca tem que jogar. Assim como os jovens tem que ter mais chances.

No critério de reservas tu também erras. Klaus está à frente de Roberto e Bruno Fuchs por antiguidade… Zeca não é reserva de Uendel. Seu reserva é o péssimo Natanael, que a direção trouxe da Bulgária. Mais política, agora com a direção.

Ontem entramos em campo com 10 jogadores de mais de 30 anos e Patrick, de 27. Média de idade do time titular ontem: 32 e uns quebrados…

Eu te mandaria embora hoje, mas sei que tu és obediente e querido da direção e a única chance de nos livrarmos de ti será no final do ano e mesmo assim duvido muito.

(E não adianta perguntar pra mim quem viria como técnico. Essa pergunta não é o torcedor quem deve responder, né? Se me pagassem salário, acho que teria a resposta).

Levo muito medo deste jogo contra o Cruzeiro. Será que vamos nos defender em casa com o nosso time de velhinhos?

Agora ficamos tontos e meio sem foco. Eu, pelo menos. Bem, temos o jogo contra o Cruzeiro no dia 4 de setembro a fim de tentar uma vaga na final contra o Grêmio. Vencemos a primeira partida no Mineirão por 1 x 0.

No próximo sábado, o Inter pega o Botafogo, pela 17ª rodada do Brasileirão, no Beira-Rio. Eu jogaria esta partida com os titulares. Afinal, estamos MUITO MAL E TEMOS QUE TREINAR UM TIME DIFERENTE.

Odair burro e politiqueiro! E cagão, é óbvio.

Futebol e Ópera: drops de segunda

Futebol e Ópera: drops de segunda

Realmente muito bonita a versão da Ospa para Orfeu e Eurídice, de Gluck, sob a regência de Evandro Matté. Destaque também para a bela direção cênica e cenografia de William Pereira. O que víamos refletia a música. Eu fiquei encantado com que vi e ouvi. O trio de cantoras arrasou. Denise de Freitas, Carla Cottini e Raquel Helen Fortes deram um banho. O coral também foi demais, né, Loren Hofsetz? Todo mundo saiu feliz do TSP. Mas quem foi brilhante mesmo foi a minha Elena Romanov, invisível lá no fosso! Bem, muita gente está a merecer parabéns hoje. Foi um trabalhão que deu certo, apesar do prazo exíguo e dos apertos de sempre. Parabéns, tudo está bem quando acaba bem, já dizia o velho Shake!

Loren Hofsetz completa, em comentário feito no meu perfil do Facebook: Foi muito bom vivenciar tudo isso. Temos muita sorte de ter o maestro Manfredo Schmiedt que esteve com a gente em todos os momentos para estarmos à altura do que a obra pedia. Foi incansável. Em todos os intervalos esteve conosco. Devemos muito a ele. A Elisa Machado que nos preparou vocalmente, a todos os envolvidos na produção que desde as amadas maquiadoras, o pessoal do cabelo, do figurino e, sobretudo à orquestra, em especial Elena Romanov que foi uma das que demonstrou apoio e torcida para que tudo desse certo. Trabalhamos juntos. Bravo também ao Evandro Matté! Obrigada pela tua presença, é um privilégio ter alguém como tu nos apoiando e que, por ser tão apaixonado por música, só agrega e eleva o nível quando se trata de falar sobre ela. Muito obrigada!

(Pena que a Dança das Fúrias tenha sido cortada).

.oOo.

Os camarotes laterais do Theatro São Pedro são o próprio inferno. Na segunda fila, não via o palco. Deveriam doar estes ingressos. Sempre. Fui salvo por amigos.

.oOo.

Pelo visto, Odair vai escalar Sóbis contra o Flamengo, deixando de fora Nico López e Wellington Silva. Não desejo isto, mas será uma eliminação bem ridícula, com substituições pré-definidas, pois Sóbis não tem velocidade nenhuma nesta época da vida e só pode jogar de centro-avante. Espero estar errado. Vai sair aos 5 do segundo tempo, quando estivermos desesperados.

.oOo.

Perdemos para o Goiás. Nico López não poderia fazer isso, mas fez. Não está se esforçando nada no time alternativo após perder a posição para Sóbis. Aliás, esta foi a atuação mais podre do time de Odair em 20 meses. Algo jamais visto. Jogando com um a mais desde o início do jogo e ganhando de 1 x 0 acabaram perdendo por 2 x 1.

Até o diretor de futebol Roberto Melo reconheceu o ridículo da atuação.

E Parede também…

A posição do PUM sobre as queimadas

A posição do PUM sobre as queimadas

Primeiro Bolsonaro rejeita (esnoba) os recursos alemães e noruegueses para a Amazônia, depois diz que lhe faltam recursos para estancar os incêndios-queimadas. Ele tinha que ser impichado logo, mas, sabemos, para tanto falta a tempestade perfeita que passaria pelo Congresso, imprensa e opinião pública. Num Congresso coalhado de baba-ovos e evangélicos imbecis, nenhum impeachment passa.

* Não houve engano: quem leva a religião para a política é imbecil e canalha.

Ontem à noite, enquanto a Amazônia ardia, assisti a um maravilhoso recital com o notável violinista Bernard Zinck e a não menos pianista Lucia Barrenechea ali no IA-Ufrgs.

No repertório, a Sonata Nº 3 para Violino e Piano de Brahms, a Sonata de Poulenc e a Sonata Espanhola de Turina como aquecimento.

A Universidade resiste como pode ao desgoverno federal.

(Peço desculpas pela nota sem graça, é que tá difícil ter graça neste país).

Bom (ou boom) dia, Odair (com os lances de Fla 2 x 0 Inter)

Bom (ou boom) dia, Odair (com os lances de Fla 2 x 0 Inter)

Em primeiro lugar, ontem ficou óbvio que temos menos time do que o Flamengo e que teríamos que jogar tudo o que sabemos e mais um pouco. Em segundo lugar, entramos em campo com 10 jogadores de 30 anos ou mais — só Patrick tem menos, tem 27 — e ficamos perturbadíssimos com o primeiro gol de Bruno Henrique. Foi um deus nos acuda, uma total falta de compostura de parte de boleiros experientes.

Ficamos muito felizes ao ver que Edenílson, um de nossos principais jogadores, estaria em campo apenas 14 dias após a lesão muscular sofrida no jogo contra o Cruzeiro. Maravilha. Só que Edenílson não entrou em campo, Edenílson não foi o Ed.

O papel do torcedor é o de torcer, vaiar, opinar e, se puder, pagar a mensalidade. Um dos papéis comissão técnica é o de saber quem está apto para jogar. E Edenílson não estava apto. Por que entrou no jogo? E, pior, por que não saiu no intervalo?

No futebol moderno — basta ler os livros disponíveis –, o time que tem um elo (digo, um jogador) fraco, enquanto o adversário os têm parelhos, provavelmente perderá. Quem falhou no primeiro gol? Ora, o bom Edenílson. E no setor de quem manobrou Filipe Luís no segundo para deixar Gabigol e Bruno Henrique num inexplicável dois contra dois — não se tratava de um contra-ataque — contra nossa zaga? Ora, no setor de Edenílson.

Mancada: pobre Edenílson, entrou em campo na capa da gaita | Foto: Ricardo Duarte / SCI.

Lindoso tinha que jogar por dois e ainda descobrimos que Bruno Henrique era muito mais veloz do que Moledo e Cuesta…

Nem tudo está perdido. Como dizia Dino Sani, futebol é uma caixinha de surpresas, mas é quase certo que dissemos adeus à Libertadores 2019 ontem à noite.

Teremos que vencer por dois gols de diferença e, se tomarmos um, por três. Imaginem.

Ou seja, o Flamengo é quase semifinalista.

Quando Dale e Sóbis saíram, o Flamengo passou a ter sempre a bola. Ela ia e voltava imediatamente. Nico López e Wellington Silva são agudos, mas são lamentáveis na retenção de bola. As saídas de Dale e Sóbis foram compreensíveis. Havia que tentar atacar, mas… Ou seja, se os dois primeiros não são agudos, os dois últimos não tocam a bola.

Para completar, Nico está em fase tenebrosa. No final do jogo, fez tudo certo. Driblou, se esquivou, fez grande lance e, com o canto esquerdo aberto a sua frente, chutou bisonhamente para fora. E como este gol perdido fará diferença! É necessário religar Nico. Cadê o trabalho da comissão técnica?

Voltando a Ed. Sim, sei que Nonato ou Bruno Silva não são Edenílson, mas quem o escalou acabou com nossas possibilidades. Preparadores físicos, médicos e treinador destruíram nossas chances ontem à noite.

Agora, temos um jogo pelo Brasileiro. Enfrentaremos o Goiás, fora de casa, no próximo domingo (25/08), às 16h. Melhor entrar com um grupo fisicamente inteiro porque talvez nossa vaga na Libertadores 2020 saia mesmo do Brasileiro.

E, na próxima quarta-feira (28, às 21h30), o Flamengo terá que se sentir tão mal no Beira-Rio quanto nos sentimos ontem no Maracanã. Porém, se eles tiverem um pouco de compostura, será melhor dirigir nossos pensamentos para a Copa do Brasil. Não será fácil o jogo contra o renovado Cruzeiro.

Duas observações curtas sobre o Inter

1. Todo amante do futebol deve observar o lindo drible que Parede aplicou no lateral do Fortaleza antes do gol de Wellington Silva. Foi das coisas mais belas que o esporte bretão pode nos oferecer. Algo sublime, apenas comparável a Garrincha na Copa de 62, ao daquele Botafogo 3 x 2 Flamengo de 63, assim como a Tostão na Copa de 70, driblando entre um monte de ingleses e cruzando para Pelé e depois Jairzinho. Observem bem o drible de bailarino de Parede.

Vejam o filme abaixo a partir dos 3min50.

2. O torcedor colorado que acompanha os jogos e vê Tréllez atuar merece um título como compensação.

Este é o mar, de Mariana Enriquez

Este é o mar, de Mariana Enriquez

Depois do excelente livro de contos As coisas que perdemos no fogo, Mariana Enriquez retorna com o romance Este é o mar, que não chega aos pés do citado livro de contos.

Este é um romance que gravita entre o terror, o gótico e o fantástico. Helena é uma das deusas (digamos assim) que cria lendas do rock. Quem facilitou a morte de John Lennon fazendo-o caminhar sozinho na rua, criando a lenda? Ora, uma deusa como Helena. Quem fez Kurt Cobain ficar dias em casa antes de sua morte? Ora, outra deusa. E quem criou a lenda de Jim Morrison, matando-o em Paris? Outra coleguinha de Helena. E Sid Vicious? E Elvis?

Helena converte-se em secretária de James Evans, vocalista e compositor da banda Fallen, e o acompanha a toda parte. Ele é um mega sucesso mundial. E Helena vai matá-lo, claro. Após uma turnê-recorde de 350 shows, após Helena auxiliá-lo — sem ele saber, claro, porque ela tem super-poderes — a escrever lindas canções que faziam o público suspirar e as mulheres gritarem histericamente nos concertos — elas são chamadas de Enxame –, enfim, após levá-lo ao Olimpo, ela vai torná-lo uma lenda.

Enriquez adora uma historinha macabra. Também curte o fantástico. Ela penetra sem maiores problemas em um território pouco explorado pela literatura latino-americana. O livro é sombrio, mas não tão perturbador quanto deveria, apesar da enorme turnê, das overdoses, das pastas com quatro mil e quinhentas horas de arquivos cheios de imagens, shows e entrevistas, do amor doentio por uma banda e seu líder, do isolamento deste.

Há a luta para se tornar o fã mais fiel. Há meninas dispostas a morrerem com a imagem de seu ídolo e o estômago cheio de comprimidos. Há também a história do mundo dos seres que conspiraram para que Cobain, Vicious, Morrison, etc. morressem de repente, fazendo sofrer milhões da fanáticos.

A ideia é gótica. A execução é boa. O livro é médio.

Paralelepípedo Cultural I

Paralelepípedo Cultural I

Boa tarde, amigos da Rádio Web e/ou — a primeira rádia web do Brasil.

Este é o Paralelepípedo Cultural, programa apresentado por este que vos fala, Milton Ribeiro, num oferecimento da Livraria  Bamboletras — livraria de todos os gêneros — localizada no Shopping Nova Olaria, 776, loja 3.

Hoje, vamos mostrar alguma coisa da produção musical erudita da Europa da segunda metade do século XX.

Arvo Pärt

Sabemos que o elitismo fazia parte da ideologia da Segunda Escola de Viena.

A Segunda Escola de Viena foi um grupo de compositores modernos de Viena, formada por Arnold Schoenberg e seus discípulos Alban Berg e Anton Webern.

Sua música é caracterizada pela atonalidade, pelo dodecafonismo e por, simplesmente, virar as costas ao público.

Se a música dava para assobiar, não era música.

Esse elitismo na linguagem da música europeia que Schönberg radicalizava teve muitos discípulos e a música erudita foi se tornando cada vez mais complicada e impenetrável.

É claro que se tornou também irrelevante.

Em resposta, ocorreu uma onda trazida pelos negros das Américas, que trouxe de volta o elemento dionisíaco da música, de que a Europa havia aberto mão.

Achamos mesmo que a maior parte da música relevante do século XX tem uma dívida para com a corrente negra.

Mas houve uma pequena e resistente aldeia gaulesa que salvou a segunda metade do século europeu.

Ela estava nos países do Báltico.

A Rússia, a Finlândia, a Lituânia, a Estônia, a Polônia, etc. permaneceram fazendo música compreensível.

Hoje, vamos apresentar 4 obras de compositores da região.

Comecemos pelo russo Shostakovich com seu Trio para Piano N° 1, composto quando o compositor tinha apenas 16 anos.

O trio foi escrito em apenas um movimento e foi…

Bem, foi apenas um trabalho de aula de Shostakovich.

Este foi o Trio Nº 1 de Shostakovich com o DSCH-Shostakovich Ensemble.

(Acima, outra gravação. Na gravação que será apresentada o Trio #1 tem 10min41 de duração).

Agora vamos partir para o divertido Tango Polifônico, do russo Alfred Schnittke.

Parece que um dos objetivos principais de Schnittke na sua carreira foi o de conseguir a unificação da música clássica com a ligeira, como faz nesta obra de 1979. Sua técnica era chamada de poliestilística, o que consiste no uso de múltiplos estilos e/ou técnicas de composição musical, e é visto como uma característica pós-moderna.

Este foi o Tango Polifônico de Alfred Schnittke, com a Orquestra Sinfônica da Rádio do Norte da Alemanha, sob a direção de Eiji Oue.

Finalizando, vamos a duas peças do estoniano Arvo Pärt.

Pärt nasceu em 1935 e é o compositor erudito vivo que é mais tocado no mundo. A musica de Pärt é muito inspirada pelo Canto Gregoriano.

Suas obras geralmente têm um ritmo lento e meditativo.

A abordagem composicional de Pärt expandiu-se com o tempo, mas o efeito geral permanece basicamente o mesmo.

“Spiegel im Spiegel” ou “Espelho no Espelho” é uma famosa peça de Arvo Pärt escrita em 1978. A peça tem uma voz melódica, a do violino, acompanhada pelo piano.

Esta peça é popularíssima, tendo sido utilizada em 26 filmes de diretores como Godard, Sorrentino, Guy Ritchie e François Ozon, dentre outros.

Este foi Spiegel im Spiegel, com a violinista Lisa Batiashvili e a pianista Hélène Grimaud.

Então, para terminar de vez, vamos a mais uma célebre peça de Pärt, Fratres. Fratres significa Irmãos. Imaginem que esta obra, composta em 1977, foi trilha sonora de 13 filmes.

Então, vamos ouvir Fratres com Viktoria Mullova, violino, e a Orquestra Nacional da Estônia, sob a  direção de Paavo Jarvi.

O Deserto dos Tártaros, de Dino Buzzati

O Deserto dos Tártaros, de Dino Buzzati

Este é um clássico absoluto do século XX. O milanês Dino Buzzati viu a vida como uma força silenciosa que nos arrastava para um destino trágico. Escrito em 1940, O Deserto dos Tártaros conta a história de Giovanni Drogo, que, melancólico e esperançoso, deixa sua cidade em uma manhã de setembro para chegar à fortaleza Bastiani, onde passará por quatro meses, ou por toda a vida. O forte fica na fronteira do mundo habitado de seu país, de frente para um deserto de onde sempre podem surgir inimigos. É uma antiga construção onde um misterioso torpor ataca alguns, estagnando tudo, das paredes à paisagem, do ar às pessoas.

Todos esperam pela grande batalha e pela glória militar que dará sentido a suas vidas, mas aguardando e aguardando, Drogo acabará sofrendo desta imobilidade. Esta assombração se arrasta entre os personagens. Deste modo, todos observam o deserto, mas o movimento verdadeiro só vai acontecer quando… A história tem enorme força alegórica, representa todos os homens, o significado de suas ações e sua existência.

O Deserto dos Tártaros é ambientado em um país imaginário. Como dissemos, Drogo, a partir do momento em que é tornado oficial e é designado Fortaleza Bastiani, tem certeza de uma bela carreira, no entanto, por incontáveis ​​anos nenhuma ameaça aparece e a fortaleza vai sendo esvaziada de sua importância estratégica, permanecendo apenas como uma construção empoleirada numa montanha solitária, da qual muitos até ignoram a existência.

Quando chega, Drogo tem má impressão do local. Ele confidencia o fato a seu superior, o major Matti. Este o aconselha a esperar quatro meses até o exame médico periódico, após o qual ele pode ser transferido por motivos de saúde. Sim, inventariam alguma coisa para transferi-lo. Então Drogo sabe que sairá logo de lá, só que nesse período parece sofrer o fascínio dos imensos espaços desérticos que se abrem para o norte. A vida na fortaleza Bastiani ocorre de acordo com as regras estritas que regem a disciplina militar e exerce uma espécie de feitiço sobre alguns soldados. As forças armadas apoiam-se na esperança de ver o inimigo aparecer no horizonte, só que… Enfrentando os tártaros, lutando contra eles, tornando-se heróis, seria a única maneira de devolver a eles sua importância, para finalmente haver algum sentido nos anos vividos ali.

OK, Drogo não atinge o alvo de sua existência, mas derrota seu maior inimigo: o medo de morrer. Ao final, Drogo sorri reconciliado com sua história, na qual ele finalmente encontra um significado que supera sua individualidade.

Um grande livro. Dino Buzzati (1906-1972) foi, além de escritor, jornalista do Corriere della Sera. Lá permaneceu por 44 anos. Talvez o jornal fosse seu Bastiani particular.

Pequeno comentário sobre as eleições e a desigualdade na Argentina e no Brasil

Pequeno comentário sobre as eleições e a desigualdade na Argentina e no Brasil

(Imaginem que levei 3 dias de gancho no Face em razão de uma foto de um grupo de índios onde aparecia 1 (um) pênis de longe? Era uma postagem de 2017 e foi publicada por mim NO PERFIL DO SUL21, onde trabalhava… Ou seja, algum troll do Sul21 acabou me achando dois anos depois. Mas… adiante!).

A Frente de Todos, do candidato Alberto Fernández e que tem a ex-presidente Cristina Kirchner como companheira de chapa, venceu ontem as eleições primárias da Argentina impondo-se com ampla vantagem sobre o atual presidente Mauricio Macri: 48% contra 32%. Uma vitória acachapante. O resultado coloca o candidato da oposição de, OK, esquerda, como favorito para vencer as eleições presidenciais de outubro.

Quando digo “OK, esquerda”, é porque acho que o combate à desigualdade — mesmo quando as esquerdas estavam no poder — foi muito tímido em nosso país e no vizinho. As pessoas se focam nos PIBs e esquecem das boas condições de saúde, da necessária melhoria da qualidade da escola fundamental, etc. É necessário dar igual atenção à redução das desigualdades e aos índices de crescimento. E, é óbvio, detonar com a ideia de que reduzir a desigualdade é coisa de comunista.

Cristina Kirchner passou ao lado de uma possível rejeição a seu nome. Usou o nome de Alberto Fernández, um político centrista, colocando-se como vice. Foi inteligente, pois talvez não vencesse sozinha a rejeição, assim como o PT não conseguiu vencer sozinho o antipetismo no Brasil. Aprendam!

No Brasil ainda estamos defendendo uma frágil democracia da desumanidade de um presidente ridículo, fascista e perigoso. Neste cenário, a estratégia da esquerda parece ser meramente a de chegar viva nas próximas eleições. Não há um projeto de país, o que é lastimável.

Na Argentina, tudo indica que Macri poderá ser um episódio de curta duração no longo domínio peronista da política na Argentina. E apesar de o peronismo ser uma particularidade que mistura elementos de esquerda e direita, os mercados financeiros já estão mostrando desagrado com o seu regresso provável ao poder. Excelente.

Lembro de um amigo — de direita — que me disse que, quando estava na Dinamarca, o diretor-geral da empresa onde trabalhava ganhava somente 5 vezes mais do que ele, um estagiário. E a empresa tinha 300 pessoas e era altamente lucrativa. Nossa, como os dinamarqueses são comunas… Se se fizesse isso no Brasil, seria um deus nos acuda.

Mas, provavelmente, vamos de novo com a esquerda na Argentina. Boa sorte!

Montagem do Brasil 247

A história dos bares de esquerda de Porto Alegre: a Esquina Maldita (revisado)

A história dos bares de esquerda de Porto Alegre: a Esquina Maldita (revisado)

(Fanfarras. O programa começa. Adentra o palco um homem grisalho, não de todo acabado. É o Especialista. Ele senta ao lado do apresentador, que fala.)

— Nosso pogrom d`oje traz o Espesializta Milton Ribeiro para nos contar sobre a Esquina Maldita. Boa noite.

— Boa noite, é um praz…

— Claro que é um prazer! Milton, diga-nos: quais foram os bares que formaram a famosa Esquina das avenidas Osvaldo Aranha e Sarmento Leite?

— Ora, primeiro, em 1966, veio o Alaska, depois vieram o Estudantil, o Copa 70 e o Marius.

— Quanto tempo duraram?

— Sei lá. O que sei é que o Alaska fechou em 1985 e o Marius foi adiante.

— Quem ia ao Alaska?

— A militância d`esquerda.

(Fanfarras. O apresentador levanta-se e grita.)

— Ele acaba de ganhar uma caixa de nosso patrocinador, os cigarros d`Arrabalde, o cigarro d`oômem! Parabéns, Milton.

— Obrigado. Eu estava ligado.

— Bem, podemos continuar.

— O Alaska tinha um garçom que às vezes era acompanhado de um auxiliar meio idiota. O idiota sempre mudava, era de alta rotatividade. O garçom não era nada idiota, seu nome era Isake Plentis d`Oliveira.

(Fanfarras. Porém, o apresentador levanta-se e faz parar tudo.)

— Não, não valeu. Com nomes próprios não vale.

— OK, desculpe.

— Adiante!

— Então o garçom era Isake Plentis de Oliveira, conhecido por apenas por Isake. Quem ia lá era a intelectualidade da esquerda e muitas vezes éramos visitados pela polícia. Obviamente, o DOPS mantinha informantes lá.

— Sempre foi assim?

— Bem, nem sempre. No início era um bar em que as pessoas iam para conspirar ou falar de política, era também quase exclusivamente masculino. Depois, nos anos 70, as mulheres tomaram conta.

— Ninguém comia ninguém?

— É… pouco. Foi um bar de resistência à ditadura até a metade dos anos 70, depois virou o local da esquerda festiva. Derrubávamos o governo todas as noites.

— E o que você comia lá?

— Apesar do pessoal do teatro frequentar, não era um bar para conseguir mulher, a gente comia os pratos mesmo.

(O apresentador ri e aponta para o Especialista. Seu gesto denota quão irresistivelmente engraçado é ele.)

— Os pratos eram o Robertão, o Burguês, o Vietcong e se bebia trigo velho ou batidas de côco e maracujá. Tinha chope, mas eu não tomava chope lá.

— E os outros locais?

— O Estudantil era barato e bagaceiro. As pessoas morriam no Hospital São Francisco e os parentes iam lá se embebedar. Esses momentos eram tristes. Era também o bar dos lixeiros da madrugada. Eles paravam o caminhão e o Ataliba, o garçom, servia cerveja para eles. Esse pessoal não se misturava com os intelectuais do Alaska e vice-versa.

— E o que você comia lá?

— Mulheres, porque o bar tinha dois ambientes. O da frente, com mesas, e o de trás, que era escuro e destinado ao sexo. Do amasso ao coito, podia tudo. Com o tempo, deixei de ir porque eu não era suficientemente promíscuo.

— Trepava-se com estranhos?

— Quase sempre. E eu não queria, em hipótese alguma, colocar minhas namoradas na roda.

— Um machismo perfeitamente natural, compreeensível, adequado e correto. Mas e o Copa 70?

— Era um bar d`omossexuais!

(Fanfarras. O apresentador levanta-se e grita.)

— Ele acaba de ganhar mais uma caixa de nosso patrocinador, os cigarros d`Arrabalde, o cigarro d`oômem! Parabéns, Milton.

— Obrigado. Eu fiquei desligado por um tempo mas agora liguei de novo.

— Bem, podemos continuar.

— Era o bar onde a Nega Lu, que se chamava Luis Airton Bastos, fazia performances.

— Então, o que se comia lá?

— Bundas.

— Havia drogas?

— Eram disseminadas entre os bares. Mas o pessoal do Alaska não gostava daquilo. Elas alienavam.

— E o Marius?

— O Marius foi o último a abrir. Já era o tempo da decadência. A Universidade foi lá para o campus e o pessoal das drogas foi… foi… foi para… deixa eu fazer a frase… mais para o meio da Redenção.

— Hum, para que bar?

— O nome dele é… é. Bom, eles se tornaram o pessoal d`Ocidente.

(Fanfarras. O apresentador levanta-se e grita.)

— Ele acaba de ganhar mais uma caixa de nosso patrocinador, os cigarros d`Arrabalde, o cigarro d`oômem! Parabéns, Milton. A terceira caixa, hein?

— Obrigado. Agora tô ligado, tô ligado.

— E então?

— O grosso das pessoas foi para o Ocidente e os saudosos da Esquina Maldita acabaram no Marius.

— Bem, como já entregamos três caixas de nosso patrocinador e o Milton tem de trabalhar, encerramos aqui a entrevista. Milton, alguma coisa que queira acrescentar?

— Foi um`onra estar aqui.

(Fanfarras. O apresentador levanta-se e grita.)

— Não vale, não vale, tem que ser com “d”. Boa noite. Fim de programa.

Bom dia, Odair (com os principais lances de Cruzeiro 0 x 1 Inter)

Bom dia, Odair (com os principais lances de Cruzeiro 0 x 1 Inter)

Sou um admirador do goleiro Fábio, do Cruzeiro. São 14 anos e mais de 800 jogos como titular do clube mineiro, um absoluto recorde. Talvez deva admirá-lo ainda mais hoje. Afinal, ele fez uma grande defesa na cobrança de falta de Guerrero, só que, ao invés de espalmar para o lado, espalmou para a frente, dando chance para Edenílson marcar. Obrigado, grande Fábio! Acontece.

Edenílson comemora seu gol fora do campo, com Danilo Fernandes | Ricardo Duarte / SCI

Foi uma ótima partida do Inter e o resultado foi o mesmo obtido na primeira perna das oitavas de final da Libertadores, contra o Nacional, fora de casa: um tranquilizador 1 x 0 fora de casa. Agora é manter isso aí, como diria o repugnante Temer.

O segundo jogo contra o Cruzeiro será na primeira quarta-feira de setembro (04/09), no Beira-Rio. A equipe classificada disputará a final contra o vencedor de Grêmio e Athletico Paranaense que ainda não começaram a jogar.

Não foi uma atuação de encher os olhos. Aliás, o jogo foi muito trancado e cheio de passes errados, mas merecemos amplamente a vitória. Mesmo com nossa superioridade, o primeiro tempo foi um deserto de emoções. Apenas Sassá incomodava nossa defesa na base da força. Ele conseguiu dois giros sobre nossa zaga, mas sempre concluiu por cima. No segundo, criamos três chances claras de gol, sendo que na última marcamos com Edenílson.

Mano — cuja batata assa há semanas — nos ajudou ao tirar Sassá para colocar Fred.

Moledo e Cuesta foram notáveis. Idem para Lindoso.

Guerrero e Edenílson foram espetaculares. Lamentavelmente Ed sofreu uma distensão ao final da partida. Se ficar fora por três semanas, fará muita falta.

Bruno é uma excelente surpresa.

O meio de campo de Lindoso e Edenílson triturou o Cruzeiro. Todo mundo esteve em alto nível, à exceção de Nico López e Patrick, que participa muito do jogo, mas erra demais.

A troca de Nico por Wellington Silva deu nova vida a nosso ataque. A primeira chande gol que tivemos foi uma iniciativa do baixinho, que enrolou todo mundo.

Foi uma vitória da estratégia. Sabedores do desespero do Cruzeiro, tratamos de explorá-lo. Fechamos os espaços e tratamos de contra-atacar. Desde 2004 não ganhávamos do Cruzeiro em BH.

Grande trabalho teu, Odair.

A volta do Inter a campo acontece no próximo domingo (11/08), quando enfrenta, no Beira-Rio, o Corinthians, em partida da 13ª rodada do Brasileirão. O confronto está marcado para as 11h, bem na hora do almoço de Dia dos Pais. Papai é o maior, mas vão se foder, né?

.oOo.

O lances do jogo começam aos 57 segundos do vídeo abaixo.

Woody Allen, o cineasta proscrito

Woody Allen, o cineasta proscrito
Luis Grañena

Por Rubén Amón no El País
Mal traduzido por mim

As alegações de abuso que teriam sido cometidos contra sua filha fizeram com que o diretor ficasse impedido de trabalhar. San Sebastian salvou-o. O cinema de Woody Allen (83 anos) está exposto à dialética do erotismo e da morte. Nela, há o sexo como remédio ou antídoto para o niilismo, mas também abriga superstições e premonições. Nenhuma tão evidente quanto a alegoria do exílio que Dirigindo no Escuro (2002) transfere, do cineasta incompreendido nos EUA e idolatrado na Europa.

A começar pela Espanha, cuja devoção ao iconoclasmo de Allen foi reconhecida no Prêmio Príncipe das Astúrias (2002), no monumento de bronze que foi erguido em Oviedo, na participação na produção de vários filmes — a produtora Mediapro é um aliado usual — e no salva-vidas recém lançado pelo município de San Sebastián.

É nesta cidade que Allen está filmando seu 51º primeiro filme. As estrelas são Christoph Waltz e Elena Anaya. E é uma comédia romântica — outra comédia romântica — cujo enredo de promiscuidades não requer muita imaginação: ela tem um caso com um brilhante diretor de cinema francês. E ele se apaixona por um residente espanhol bonito na cidade. A cidade é San Sebastián, que reagiu com entusiasmo geral, mas lá também houve movimentos de repulsa. Pois há estranhos escrúpulos éticos de um partido que apoia certos atos terroristas, mas que abomina o cineasta pervertido.

Allen foi submetido a um processo de extermínio nos Estados Unidos. O movimento MeToo, o puritanismo e o oportunismo comercial da indústria americana condenaram o autor de Crimes e Pecados — seu filme nuclear — a uma sentença de morte civil. Nenhuma conclusão judicial atribui a ele ter cometido crime de abuso sexual contra Dylan Farrow, sua filha adotiva, mas as declarações que ela fez à mídia estabeleceram uma verdade metajudicial ou parajurídica. Os próprios irmãos de Dylan negaram e negam suas acusações, mas… E esta duvidosa verdade transformou Allen em uma espécie de leproso, um fora da lei. Isso impede seus projetos nos EUA. Imaginem que ele não encontrou nenhum editor disposto a publicar suas memórias — todo o seu trabalho é implícita ou explicitamente autobiográfico –, que a Amazon sequestrou seu último filme, que deveria distribuir — rompendo um contrato que garantia 4 filmes a Allen… Acabou sendo processada pelo cineasta. Allen também não conseguiu recursos financeiros para manter o costume de lançar um filme anual. Houve até mesmo atores e atrizes que renunciaram a trabalhar sob seu comando, de modo que o monstro adquiriu proporções excessivas. Seus filmes foram expostos a um processo de revisão, na medida em que Manhattan, Dia de Chuva em Nova York ou Igual a Tudo na Vida foram destruídos em autópsias exemplares para demonstrar a recorrência com a qual Woody Allen estabelecia relações com jovens nos filmes. Seu relacionamento com Soon-Yi — filha adotiva de Mia Farrow, atriz que foi parceira de Allen por 12 anos, portanto, enteada do diretor — veio à luz quando ela tinha 22 anos e ele tinha 56. Eles estão casados a quase 30 anos.

O movimento inquisitorial confundiu realidade e ficção, pessoa e trabalho. O fogo justiceiro puniu a imoralidade. Allen é um cineasta superlativo que cultiva todos os gêneros — o thriller angustiante, a ficção científica, a comédia, o musical … — e que organizou seu próprio universo no caos. É fácil reconhecê-lo. Como música de fundo, vamos colocar uma cortina de jazz, vamos expor, em branco sobre preto, em letras Windsor os nomes de Charles H. Joffe, de Stephen Tenenbaum, vamos juntar um filme com o anterior e com o seguinte, numa espécie de itinerário lúcido, sarcástico e pessimista que explora a fronteira existencial.

Não é verdade que Woody Allen repita o mesmo filme repetidas vezes. Acontece que todos emanam da mesma personalidade e da mesma ingenuidade. E das mesmas obsessões: sexo, niilismo, humor negro, psicanálise, amor sem correspondência, sexo, hipocondria, sexo, retaliação ao rabino, sexo e medo da morte. É por isso que faz sentido evocar sua resposta à imprensa quando um colega lhe perguntou há alguns anos o que ele achava da morte. A resposta foi reflexo da alegoria metafísica de Você Vai Conhecer O Homem Dos Seus Sonhos.

— O que eu penso da morte?” Bem, eu sou totalmente contra isso.

Tive a oportunidade de conversar com Allen. Identifiquei seu olhar de espanto sobre a armação dos óculos. Reconheci a voz dos filmes. E ele confirmou a impressão de um caráter cativante, nervoso e consciente de que ele não poderia mais aparecer como antigalã em seus filmes. É por isso que ele tem reencarnou em Joaquin Phoenix por alguns anos, ou em Colin Firth, Owen Wilson e Josh Brolin. E resistindo a completar 85 anos. Como ele resistiu em pegar seus quatro Oscars. Foi uma reação preventiva, uma rejeição premonitória de vingança contra aquilo que a indústria americana iria organizar. E uma maneira de preparar seu exílio cultural. Allen nasceu na cidade menos americana da América. Ele cresceu em cinemas de bairro embalados no balanço do neo-realismo italiano. Eu nunca desistiria de Manhattan, mas Manhattan desistiu dele.

Foto: Divulgação