Museu Iberê Camargo: mais um absurdo da provinciana e atrasada Porto Alegre

Quando certa manhã Álvaro Siza acordou de sonhos intranquilos, encontrou-se pensando que aquilo que lhe passara pela cabeça seria uma maravilhosa realidade: um gigante pilotando uma enorme pá, enterrando fundo seu instrumento de trabalho na beira do Guaíba, para depois erguer do chão o Museu Iberê Camargo e perguntar para onde deveria levá-lo. A resposta seria óbvia: para uma cidade que desse um mínimo de atenção para a cultura.

Foto: Elvira Tomazoni Fortuna

Foto: Elvira Tomazoni Fortuna

Não sei como Álvaro Siza Vieira foi construir uma de suas mais belas obras em Porto Alegre, o que sei é que a cidade não a merece. Trata-se de um museu de arte, um lindo prédio branco e iluminado na mais bela região da cidade com estacionamento no subsolo… Mas vejam só — funciona apenas dois dias por semana, sexta e sábado. Talvez os ônibus nem parem mais na frente do Iberê. Não sei de vocês, mas eu sofro com isso. Como minha cidade pode descuidar tanto de seu patrimônio cultural?

A obra é um achado. Espaçoso, privilegia a entrada de luz e a visão das águas do Guaíba. Deveria estar sempre lotado, com escolas durante o dia, mais visitantes e turistas. Em quase todos os lugares do mundo, os museus abrem todos os dias, exceto às segundas-feiras. São importantes não apenas para arte e sua memória, mas para o turismo. Só que aqui, no provinciano e cada vez mais cu do mundo chamado Porto Alegre, não há empresas, mecenas ou governo que possam assumir o local.

Só o prédio de Siza já seria uma atração para o turismo cultural. Foi vencedor de vários prêmios internacionais. Aliás, Siza é o mais premiado dentre os arquitetos vivos. Mas, daqui alguns anos, sua obra porto-alegrense deverá ser uma ruína cheia de vazamentos e pintura gasta. Já estou até me imaginando, velhinho, olhando o pôr do sol sentado na frente do bar — talvez igualmente fechado –, contando como aquilo foi maravilhoso durante uns poucos anos.

Não gosto nem de passar na frente. Para piorar, tem um pardal que faz com que todos os carros reduzam a velocidade quando passam por ele, o que faz com a gente observe bem a obra. E não entre.

087_copia

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O cartão virtual de ano novo de Zoravia Bettiol. Uma obra.

unnamed-4

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Brasília

Desenho à mão original de Nelson Moraes. Alguém usou ferramentes digitais a fim de mostrar a todos nós uma versão mais realista de Brasília. Podem roubar e distribuir à vontade. Falo da imagem.

n-moraes-brasilia

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Um passeio poético pela Voluntários da Pátria

Fotos de Bernardo Jardim Ribeiro

Pautado para simplesmente caminhar pela cidade, o fotógrafo Bernardo Ribeiro escolheu percorrer a Voluntários da Pátria da estação rodoviária até a Ramiro Barcellos. A região pouco turística estranhou a presença do fotógrafo. Em certo momento, ele foi alvejado por uma maçã. Mesmo assim, o resultado foi excelente. São gatos em antiquários, carroceiros, mendigos, crianças e Papais Noéis…. Enfim, belas cristalizações do fugidio em Porto Alegre.

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro / Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro / Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro / Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro / Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro / Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro / Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro / Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro / Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro / Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro / Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro / Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro / Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro / Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro / Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro / Sul21

Foto: Bernardo Jardim Ribeiro / Sul21

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Roubei de mim mesmo

Ontem, republiquei um texto de minha autoria que tinha aparecido em 2008 no Impedimento. O Latuff estava por aqui quando eu disse que tinha “roubado de mim mesmo”.

img233

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Uma charge do USA Today

menino norte-mericano

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Hoje pela manhã, entrou um vírus no meu computador…

A coisa estava lenta pacas. Aí, o Latuff chegou e…

Latuff Milton

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Latuff e o ataque dos beócios a Chico Buarque

Imagem gentilmente cedida por Carlos Latuff.

Chico Buarque Latuff

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Uma arma letal de instrução maciça: artista cria um tanque que oferece livros gratuitos

Raul Lemesoff, um artista de Buenos Aires, criou um tanque de guerra cuja função é o de ser uma Arma de instrução maciça. Com ela, Lemesoff combater a ignorância.

Lemesoff converteu um Ford Falcon 1979 em um tanque com torre giratória e espaço para armazenar cerca de 900 livros — dentro e fora do veículo.

Um vídeo realizado sobre o projeto mostra o artista dirigindo pelas ruas de Buenos Aires, entregando livros. Sua única exigência é a de que eles prometam ler o que ganharam. E ele diz: “Minhas missões são muito perigosas. Eu ataco as pessoas”.

Lemesoff09

Lemesoff08

Lemesoff07

Lemesoff06

Lemesoff05

Lemesoff04

Lemesoff03

Lemesoff02

Lemesoff01

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Faxineira confunde obra de arte com sujeira pós-festa e ‘faz limpeza’ em museu

Da BBC Brasil

Faxineira achou que obra de arte era sujeira deixada por festa e caprichou na limpeza...

Faxineira achou que obra de arte era sujeira deixada por festa e caprichou na limpeza…

Uma obra de arte teve de ser restaurada após ser confundida com sujeira e removida por uma faxineira em Bolzano, no extremo norte da Itália.

Ela achou que o trabalho, chamado Onde vamos dançar esta noite?, se tratava de uma bagunça deixada por uma festa realizada no local na noite anterior. A faxineira “limpou” o local no último sábado e jogou todo o material fora.

A obra, exibida no Museu de Arte Contemporânea de Bolzano, é composta por bitucas de cigarro, garrafas vazias e confetes.

O espaço ficou limpo após a faxina do último sábado

O espaço ficou limpo após a faxina do último sábado

A obra, já reinstalada, representa o hedonismo e a corrupção dos anos 1980

A obra, já reinstalada, representa o hedonismo e a corrupção dos anos 1980

Também conhecido como Museion Bozen-Bolzano, o espaço refez a instalação após obter o aval do duo Goldschmied and Chiari, artistas de Milão responsáveis pela obra.

Segundo seus idealizadores, a obra tem o objetivo de representar o hedonismo e a corrupção política vividos na década de 1980.

De forma bem humorada, o museu disse que “teve má sorte com a nova faxineira” e pediu desculpas aos visitantes pelo incidente. A exibição foi reaberta na terça-feira.

Segundo a empresa responsável pelo serviço de limpeza do local, a faxineira confundiu as peças com lixo. E que ela “apenas tentava fazer seu trabalho”.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Crise também na Rússia: o Hermitage ficará sem proteção policial…

…  por causa da escassez de pessoal no Ministério da Administração Interna.

Fonte: newsru

Em 1º de novembro, a polícia não vai mais estar presente na proteção ao Museu do Hermitage devido a demissões no Ministério do Interior. O Museu já recebeu o aviso. Segundo o presidente do Sindicato dos Museus da Rússia e Diretor do Hermitage, Mikhail Piotrovsky, esta situação irá afetar todos os outros museus, de modo que o sindicato convidou todos os museus para um encontro a fim de pensarem numa solução própria para a proteção conjunta dos museus e de suas exposições. Esta não deverá fugir da contratação de empresas de segurança privada.

Hermitage

“Recebemos uma carta informando que, em 1º de novembro, todo o policiamento que nós temos hoje não será mais disponibilizado”, disse Piotrowski a uma rádio de St. Petersburg. “Eu escrevi várias cartas a todos os ministros onde que eu disse exatamente o que significa a segurança do Hermitage para a Rússia e o mundo. Por enquanto não obtive resposta”.

Enquanto isso, o site oficial site da União dos Museus Russos publicou uma declaração em que seus líderes mostram-se preocupados: “A União dos Museus Russos está aconselhando-se juridicamente sobre o desenvolvimento de iniciativas legislativas que forneçam às instituições culturais proteção contra ataques e qualificação adequada de atos criminosos”, diz o documento.

A chefe do Serviço de Informação Histórica do Hermitage, Yulia Kantor, explicou que “o Museu Hermitage tem o melhor sistema eletrônico de proteção e monitoramento de museus, que está constantemente sendo melhorado, mas ele se torna inútil se não tiver pessoal para as intervenções”, observou ela.

A preocupação aumenta em razão de recentes ataques do movimento ortodoxo “Vontade de Deus”, que danificou várias exposições procurando destruir imagens onde “Jesus Cristo é retratado de forma indecente”.

O Sindicato dos Museus Russos manifestou preocupação com o futuro. “Nossa sociedade não está apenas mais pobre, está doente”, – concluiu em nota.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Jakub Schikaneder

Sugestão do Carlos Latuff:

Jakub Schikaneder -- Assassinato na Casa

Jakub Schikaneder — Assassinato na Casa | CLIQUE PARA AMPLIAR

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

De Pawel Kuczynski

De Pawel Kuczynski

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

De Renato Aroeira: A lição de anatomia do Dr. Janot…

Après Rembrandt (A Lição de Anatomia do Doutor Tulp).

Clique na imagem para ampliar

Clique na imagem para ampliar

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Algumas gárgulas

As gárgulas são desaguadouros, ou seja, são a parte saliente das calhas de telhados que se destina a escoar águas pluviais a certa distância da parede e que, especialmente na Idade Média, eram ornadas com figuras monstruosas, humanas ou animalescas. O termo se origina do francês gargouille, de gargalo ou garganta.

Acredita-se que as gárgulas eram colocadas nas Catedrais Medievais para indicar que o demônio nunca dormia, exigindo a vigilância contínua das pessoas.

Gargula 3

Gargula 6

Gargula 1

Gargula 7

Gargula 8

Gargula 9

Gargula 4

Gargula 2

Gargula 5

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

A Porca Noiva

O dia de ontem foi excelente. Eu e a Elena fomos ao Margs — a exposição das ‘últimas aquisições’ é muito legal –, tivemos um breve encontro com os queridos Bruno Alencastro e Ramiro Furquim, depois uma ida ao café do Santander, outra às exposições da CCMQ — todas elas lastimáveis –, jantamos num bom restaurante da Andradas (Buteko sei-lá-o-que), entramos no cinema para ver o ótimo O Sal da Terra e finalizamos com um suco misto na Lancheria do Parque. Para terminar, quando cheguei em casa, fiquei sabendo de Coritiba 2 x 0 Grêmio. Perfeito, apesar de que o Bruno e o Ramiro não devem ter gostado…

O ponto alto da exposição do Margs foi a Porca Noiva, de Evenir Comerlato. A primeira foto é ruim, mas depois dá para ver a qualidade e o dantesco da obra. Como em Esopo, em cujos escritos os animais falam e têm características humanas, aqui a porca vai se casar. E está toda esperançosa com seu véu. Mas há um detalhe, a aliança não cabe em sua pata de porca, o que dá espaço para pensarmos que a artista acha que tais animais não sejam adequados a um casório. Também veste preto, como aquela noiva de Truffaut que depois matava seus maridos. Outra interpretação possível é a de ver muito ódio ou desistência, pois, se observarmos bem a pata direita da porca, veremos mal disfarçados dedos humanos, o que talvez mostre que a porca é um ser humano. A aliança também vai nessa direção, não? E as unhas, das quais as noivas tanto cuidam?

Bem, vão ao Margs e tirem suas conclusões.
porca noiva 2

porca noiva 3

porca noiva 6

porca noiva 8

porca noiva 9

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Lucille está de luto (por Carlos Latuff)

bb king

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Nosso encontro com João Bez Batti

Eu estava recém separado quando resolvi pegar as crianças e tirar uns dias num hotel fazenda. Escolhi a pousada da Don Giovanni. Nunca tinha ido lá e deixei meu filho Bernardo ser nosso navegador. Perdemo-nos várias vezes, dávamos risadas, mas chegamos. Lugar lindo, acomodações perfeitas. Era uma quarta-feira gelada de inverno, quase zero grau. Ficaríamos até o domingo seguinte. No primeiro passeio, descobrimos algo que me pareceu do outro mundo. O escultor João Bez Batti tinha seu atelier numa casa dentro da fazenda. Já conhecia alguns de seus trabalhos. Havia algumas peças em exposição e fomos examinar cada uma delas quando o escultor chegou-se a nós timidamente, ouvindo e sorrindo do que dizíamos, principalmente do que diziam Bárbara e Bernardo. Ele puxou conversa com as crianças enquanto crescia em mim aquela conhecida dúvida de pai: estaríamos ou não incomodando?

bez battiMais um pouco e fomos embora. Depois do almoço, fui babar no travesseiro, mas depois soube que os dois tinham voltado ao atelier e, mais, que passaram horas com o João. No dia seguinte, ele veio me comunicar que tinha comprado pão, leite, nescau, bolachas, sucos naturais, iogurtes para eles e comida para a Bárbara dar para seus gatos. Queria que os guris se sentissem “mais em casa”. No hotel, houve certo pasmo. Bez Batti não costumava disponibilizar seu tempo tão generosamente, ainda mais para crianças. Enchi-os de recomendações e eles foram para o atelier. Às vezes eu conferia a bagunça e era sempre a mesma coisa. João estava seduzido pela Bárbara, que brincava com os gatos e comia (sempre perguntando para o João rir: “Eu sou magra de ruim, né?”), enquanto o Bernardo contava histórias — sempre foi insuperável neste quesito — e fazia perguntas sobre as pedras. Eles também levavam centenas de girinos do lago ao lado para o escultor observar… Voltavam para o hotel molhadíssimos e eu colocava as roupas cheias de barro no secador de toalhas do quarto. Guardei uma muda de roupa limpa e o resto era para encher de terra. A mãe deles que depois lavasse. Só ia chamá-los para o almoço ou algum passeio; a maior parte do tempo eles ficavam com o João. Ficamos amigos, claro.

Nos últimos dias, eu também permanecia no atelier. Passamos a falar sobre pedagogia e literatura. Tínhamos concepções “muito iguais” sobre como criar e acompanhar os filhos. Ríamos a respeito de ambos sermos pais-problema. Ríamos ainda mais porque ambos tínhamos, como ex-mulheres, ex-militantes de esquerda que se tornaram competitivas amantes do dinheiro. Na literatura, João descrevia uma vivência inteiramente diferente da minha. Tinha referências sempre muito interessantes sobre o ambiente dos livros. A cidade, os espaços, os quartos dos personagens, o campo. Ele foi capaz de descrever os ambientes das cenas principais de vários romances, coisa absolutamente distinta de minhas impressões, muito mais factuais e psicológicas. Era um outro gênero de sensibilidade e eu pensava que tudo o que ele me dizia era tão original e estranho que tinha certeza de sua absoluta inutilidade para mim. Mas nunca esqueci o quarto de Raskolnikov de que ele falava, os navios — cada um deles — de Somerset Maugham, as cenas em praças abertas, na rua ou em ambiente fechado. Tudo muito diferente do que lia. Em sua opinião, o bom escritor evita as longas descrições, pois são sempre decepcionantes e limitadoras. Bastava duas ou três coisas e o resto o leitor criava através da experiência. Tem que deixar para a gente, dizia.

Domingo, logo após o almoço, fomos procurá-lo para nos despedir. As crianças já estavam emocionadas e saudosas por antecipação, procurando o João para exporem sua confusão, provavelmente na forma de lágrimas. Eu sabia que a cena seria dramática. Só que não o encontramos. Porém, no momento em que pus o carro em movimento, o grande João Bez Batti veio correndo aos gritos atrás de nós, com uma pequena escultura em cada mão. Parei e saímos. Ele entregou os objetos, um para a Bárbara, outro para o Bernardo. O dono da pousada e os funcionários ficaram novamente pasmos. Nunca antes ocorrera algo assim. Notei que João represava alguma coisa em seus olhos e despediu-se rapidamente. Então voltou, deu-me um abraço e, com dificuldade, falou em meu ouvido direito: “Milton, não me estraga esses guris. Não quero me despedir deles porque tenho que manter minha fama de durão, tá?”.

João, acho que atentei contra tua fama hoje.

.oOo.

Penso que as obras abaixo, com exceção de Operária, estavam no atelier durante nossas visitas:


O Visionário


Operária


Pomba Várzea


Rio das Antas


Cabeça cubista


Caminho das águas

.oOo.

Hoje, João Bez Batti reside e trabalha na Casa Gilmar Cantelli (três links diferentes), a qual restaurou em 2002.

Ele segue realizando trabalhos em basalto. Em sua nova casa, também estão expostos os trabalhos em pintura e cerâmica de Diego Bez Batti, filho que ele certamente não “estragou”.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Edward Hopper fez ilustrações para Dom Quixote

Sim, Hopper.

Quixote Hopper

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Estava falando com o Latuff e chamei a falta d´água em São Paulo de…

… “crise hídrica”. Em resposta, ele pediu um papel para desenhar a tal crise…

Latuff Crise Hídrica

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!