Buscando uma pizza na Fermentô e o retorno para casa

Buscando uma pizza na Fermentô e o retorno para casa

Eu fui comprar uma pizza na Fermentô Pizzaria e aconteceu uma coisa admirável. Estava todo mundo naquele azáfama (está na hora de recuperar esta bela palavra), naquela correria louca de pegar ingredientes, montar as pizzas, colocá-las no forno, de empilhar as pizzas sobre o forno até que fossem buscadas quando, subitamente, começou a tocar Whole Lotta Love. Estavam todos de costas para o caixa, onde eu estava, menos a moça que trabalhou no Bonobo e que estava de frente. Quando Jimmy Page atacou o riff e Bonham ligou o motor, todas as bundas começaram a se mexer da mesma forma, em perfeita sincronia, menos a menina do Bonobo, que mexia os ombros. Era lindo, parecia que eu tinha entrado num musical. Até que um dos caixas pediu para baixar o som, porque aquilo o atrapalhava para conversar com os clientes no Whats. Hã???? Sim, ele conversava por escrito! Pois é, o cara acabou com nossa alegria. Mas tudo bem, todo mundo lá é legal, só que me deu vontade de dizer que um protetor auricular custa menos de R$ 5 em qualquer boa ferragem. E funciona até se ligarem uma britadeira.

.oOo.

Aí eu chamei um Uber e entrei no carro com duas pizzas.

— Seu Milton…
— Sim?
— São 20h e meu almoço foram umas fritas com Coca-Cola.
— E este cheiro está te matando.
— Sim. Tem uma de alho e óleo aí.
— Tem.
— Sabe que eu não comia alho? Mas aí, para poder beijar a minha namorada, comecei a comer, claro. Hoje adoro alho. Tudo pelo sexo.
— Acho justo, digno, fundamental.
— De acordo, seu Milton.
— Alho é um ingrediente conjugal. Se minha mulher come alguma coisa com alho no almoço, chego em casa à noite, sinto o golpe e mastigo um dente de alho para ficar em iguais condições. Aí dá para conviver na boa.
— Eu faço o mesmo. Mas tem algo pior, Seu Milton.
— O quê?
— Eu não suporto mulher que fuma, me causa enjoo.
— É mesmo?
— Sim, seu Milton. Sai aquele cheirão do hálito, dos poros, não rola.
— Tu brocha?
— Vou lhe confessar, seu Milton. Brocho mesmo. Ainda mais que não sou mais criança. E minha namorada é ex-fumante. Ela costuma me ameaçar dizendo que vai voltar a fumar.
— E o que tu faria?
— Isso seria um aviso para eu ir embora.

Surpreso, um pouco chocado com a última frase, me despedi do cara. Ele estava deprimido, mal por causa do alho e óleo que a namorada lhe ensinara a comer e péssimo por causa do anúncio dos cigarros, feito pela mesma. Mas que diabo de nariz tem esse cara, né?

A pizza de Flor de Alho e Óleo | Foto: Fermentô

Amor

Hoje eu fui a um velório de devastador impacto emocional. Era o velório de minha ex-babá, que faleceu aos 93 anos. Passei muitos anos sem vê-la, décadas, até que seu filho Jacó, em abril de 2015, me reconheceu na feira de sábado da Vasco, veio falar comigo e promoveu um reencontro imediato, pois ela estava ali. Pequenina, frágil, sorridente, ela me reconheceu e falou muito bem de mim e de minha mãe. Nos abraçamos, nos beijamos, a Elena tirou fotos. Se aquele foi um dia muito feliz, repetir hoje seria impossível.

Foto: Elena Romanov

Ver a babá é revisitar a infância. Fui uma criança agitada, muito ativa, devia ser insuportável. Se até hoje não consigo ficar parado, imagino a peste que fui. E imaginei a incomodação, a lavação de fraldas, a correria atrás de mim. Porém da Márcia só lembro de delicadezas. Minha mãe confirmava: dizia que eu tivera a mais amorosa das babás, que tivera sorte. (Minha mãe era uma dentista que, assim como a Márcia, trabalhava muito e na época as crianças só iam para o Jardim da Infância aos 6 anos).

A surpresa veio na conversa com seu filho Jacó. Ouvi muitas vezes coisas sobre o amor que a Márcia me dedicava, mas eu também cresci insuportável: sou o tipo de pessoa que não acredita ou reduz os elogios que raramente recebe. Com lágrimas nos olhos, mas mantendo o bom humor, o Jacó disse que estava feliz com minha presença e que “ficaria com ciúmes” porque a Márcia me adorava. Um exagero, pensei, mas não me passou despercebido um fato: um dos netos sabia quem eu era, eu era o cara do encontro na feira.

E desmanchei de vez quando Jacó pediu a palavra após a fala do padre. Orador nato, de fala inteligente, voz emocionada mas bem colocada, o advogado Jacó percorreu rapidamente o longo arco da vida de sua mãe e passou a referir cada pessoa presente. A pequena sala de velório estava apinhada. Falou de amigos e amigas de sua mãe, parentes — alguns dos quais ela também criara — e vizinhos.

Quando chegou a minha vez, soube que minha mãe era apenas a melhor amiga da sua. Márcia viera de Maquiné e minha mãe logo a empregara, mas eram mais amigas do que qualquer coisa, disse ele. E lembrei de visitas que fazíamos à Márcia quando ela não era mais babá. Lembrei que olhava para o Jacó e que ele era “muito criança” para mim — tinha seis anos a menos do que eu (aliás, tem até hoje…). E o Jacó lembrou do PUDIM que a Márcia fazia sempre para nossa chegada. Meu deus, eu lembro do pudim! Era um milagre! Até hoje amo pudim e sempre que vejo um tenho a esperança de que a massa homogênea e clara da parte de baixo seja laaaaarga, delicada e leve como os da Márcia.

E ele voltou a brincar sobre os ciúmes que tinha de mim, agora publicamente.

É claro que jamais retribuí nada para a Márcia, ao menos verbalmente. Esteja ela agora onde estiver, digo envergonhado que também a amo, que sei da sorte que tive ao conhecê-la — éramos dois jovens, Jacó — e que, mesmo sem esperanças, seguirei atrás de um pudim tão maravilhoso quanto o dela.

Reflexão simples sobre uma frase de Siddhartha Mukherjee: Preencher a vida

Reflexão simples sobre uma frase de Siddhartha Mukherjee: Preencher a vida

Na bela palestra de Siddhartha Mukherjee houve uma frase em que ele disse que, mesmo consciente da doença, a pessoa deve seguir preenchendo sua vida com coisas interessantes. Aliás, isso seria viver. E mudou de assunto. Concordo. E mais: digo que efetivamente não confio em pessoas que não leem, não se informam, não pesquisam, não ouvem música inteligente, não têm atividades culturais ou científicas. Viver é sobreviver e pré-viver, expressão que ele também usou, mas também é tentar o impossível de preencher o tempo de uma forma bonita. Essa é a razão pela qual valorizei tanto o post que compartilhei abaixo — do Gustavo Melo Czekster. Dos candidatos, a única que sei que lê é Fernanda Melchionna. Do resto, nada sei, pois eles não divulgam, sinal claro de seus vazios, de sua falta de preenchimento. É gente desinteressante, DESGRAÇADAMENTE ATIVA, que representa apenas o próprio desejo de participar ou empresas. Antes de votar, considerem isto.

(*) Música de qualidade seria aquela que nasce não de um produtor ou da modinha, mas de um autor que promova quaisquer diálogos ou confrontos com a cultura.

Siddhartha Mukherjee

 

Sobre o País da Cocanha e a Pasárgada de Bandeira

Sobre o País da Cocanha e a Pasárgada de Bandeira

Quando a lenda surgiu ninguém sabe, tampouco a origem da palavra. A denominação aparece num poema jocoso, recolhido por volta de 1230. Mas há inúmeras referências muito antigas a esta terra de tantas maravilhas.

Há um país pra lá da Alemanha, abundante de todos os bens, ao qual chamamos Cocanha, onde cada um, sem nada fazer, pode ir viver quando quiser; e ter roupa sem precisar de dinheiro, sempre que quiser; sem suar, nem sofrer, tem-se o que quiser. Aqueles que amam o trabalho, renegam esse lugar. Molengas e preguiçosos ali são bem-vindos e, é certo, se sentirão muito bem entretidos. Acreditarão que estão no paraíso terrestre e, por nada, desejarão trocar de lugar. Não há onde estar melhor e sem sofrimento, tão somente para desfrutar, rir, beber e comer.

Tradição oral da Idade Média, esta Cocanha é um país obviamente mitológico. Nesta terra maravilhosa, não havia trabalho e o alimento era abundante. Todo qualquer produto era de graça, as casas eram feitas de cevada ou doces, o sexo podia ser obtido livremente, o clima era sempre agradável, o vinho nunca terminava e todos permaneciam jovens para sempre. Vivia-se entre dois rios, um de vinho e outro de leite, as colinas eram de queijo — aliás, o queijo chovia do céu — e leitões assados caminhavam pelo campo com uma faca espetada no lombo para facilitar.

Esta utopia — fantasia de fartura, ociosidade, juventude e liberdade — enraizou-se no imaginário de diversos povos ao longo da Idade Média.

O País da Cocanha, ou Cocagne, foi retratado pelo pintor Pieter Bruegel.

O País da Cocanha, de Pieter Brueghel
O País da Cocanha, de Pieter Bruegel

A lenda de Cocanha também representou um símbolo para a cultura hippie nos anos finais da década de 60, um lugar onde todos os desejos seriam instantaneamente gratificados.

E, bem, há uma Praia da Cocanha, em Caraguatatuba (SP).

E Manuel Bandeira criou Pasárgada

Na verdade, Pasárgada não tem nada a ver com espetacular poema de Bandeira. Pasárgada ou Pasárgadas (campo dos persas) foi uma cidade da antiga Pérsia, atualmente um sítio arqueológico na província de Fars, no Irã, situado 87 quilômetros a nordeste de Persépolis. Foi a primeira capital da Pérsia, no tempo de Ciro II, e coexistiu depois com outras, dado que era costume persa manter várias capitais em simultâneo, em função da vastidão do seu império: Persépolis, Ecbátana, Susa ou Sardes. É hoje um Patrimônio Mundial da Unesco.

Ruínas de Pasárgada, Patrimônio Mundial da UNESCO
Ruínas de Pasárgada, Patrimônio Mundial da UNESCO

Bandeira explica: Vou-me embora pra Pasárgada foi o poema de mais longa gestação em toda minha obra. Vi pela primeira vez esse nome de Pasárgada quando tinha os meus dezesseis anos. Foi num autor grego. Esse nome de Pasárgada, que significa “campo dos persas”, suscitou na minha imaginação uma paisagem fabulosa, um país de delícias. Mais de vinte anos depois, quando eu morava só na minha casa da Rua do Curvelo, num momento de fundo desânimo, da mais aguda doença, saltou-me de súbito do subconsciente esse grito estapafúrdio: “Vou-me embora pra Pasárgada!”. Senti na redondilha a primeira célula de um poema

Vou-me embora pra Pasárgada

Manuel Bandeira (do livro Libertinagem, 1930)

Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconsequente
Que Joana a Louca de Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive

E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe – d’água.
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada

Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcalóide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar

E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der
Vontade de me matar
– Lá sou amigo do rei –
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada.

Você sabia que Martinho Lutero foi um precursor do feminismo?

Você sabia que Martinho Lutero foi um precursor do feminismo?

Tradução livre (*) a partir de uma postagem em russo
da psicóloga e escritora Nuné Barseghyan.

Quinhentos anos da Reforma. Obrigado, Lutero, pelo dia de folga.

Todos sabem que Lutero contribuiu para a saída de um grande número de freiras dos conventos, mas não com a finalidade de que estas caíssem numa vida dissoluta, e sim para que tivessem uma vida honesta, centrada na Religião e dentro do permitido pelas Escrituras. A intenção era a de que elas seguissem se desenvolvendo espiritualmente.

Mas o mundo, há quinhentos anos atrás, era um lugar muito pior, mesmo que seja difícil acreditar. Na época, ninguém era punido por abuso sexual, pois o fato era considerado corriqueiro, normal. E uma mulher que vivia sozinha, convidava e apontava o caminho para o abuso.

E as pobres freiras tinham que casar. Caso contrário, não poderiam sobreviver honestamente.

Marinho e Catarina
Marinho e Catarina

Uma freira chamada Catarina, que foi provavelmente colocada na Roda dos Expostos, entregue a um convento a fim de que a família se livrasse de uma boca supérflua, não queria se casar de jeito nenhum. Na opinião de alguém que era freira por convicção, o casamento era um terrível erro. Como se não bastasse, ninguém queria se casar com ela por ela ter um rosto feio.

Ela ficou ainda muito tempo sozinha, então Lutero pediu-a em casamento. Ele era um celibatário convicto, mas decidiu salvar a mulher. O casamento foi muito feliz, como sabemos.

Mas nem todo mundo sabe que Lutero, nesta sociedade machista, estava um dia sentado entre homens em uma mesa discutindo todo o tipo de questões prementes relativas à Reforma Religiosa, quando, repentinamente, num ato desafiador e após ouvir todos os colegas homens, voltou-se para a esposa, que servia à mesa, e perguntou: “O que você pensa sobre isso, Frau Luther?”

Frau Luther deu sua opinião detalhadamente, tendo deixado o grupo estupefato. Todos ficaram em transe, impossível imaginar um choque maior. Como assim? Desde quando se ouve uma mulher?

Mas então o Lutero deu o tiro de misericórdia: “Sente-se conosco à mesa para o almoço, querida!”

Se não fosse o próprio Lutero, talvez os homens o agredissem, tamanho o absurdo da atitude. Era um tremendo acinte, uma enorme provocação aos outros comensais.

Eu hoje estou pessoalmente muito agradecida a ele. Posso viver sozinha, sem precisar de autorização. Ninguém acha isso inadequado ou incomum.

Danke, Martin Luther!

(*) Por Elena Romanov e Milton Ribeiro

“Doutor, estou tendo uma crise de representação”

“Doutor, estou tendo uma crise de representação”

O paciente entrou no consultório com ar desalentado, deitou-se no divã e disse:

— Doutor, estou tendo uma crise de representação.

— Não me diga.

— Ninguém me representa e os que um dia se propuseram a isso, desistiram, mudaram, sei lá.

— Sim.

— Vi que a coisa era grave quando compareci em a audiência nesta semana e não encontrei meu representante, meu advogado. Não sabia mais quem era ele. Se o vi, não reconheci. Voltei para casa desesperado com a derrota na causa e, quando subi as escadas, cruzei com o síndico. Ele me disse que havia um vazamento no meu apartamento, só que, doutor…

psi

— Sim?

— Não votei nele. Ele não me representa.

— Acredito.

Os dois ficaram em silêncio por alguns segundos até que o paciente disse:

— Meu Deputado Estadual não foi eleito.

— O Federal?

— Também não.

— Senador?

— Perdeu por pouco.

— Presidente?

— Votei na Dilma, que já não me representava.

— Votaste em quem não te representava… Grave… Prefeito?

— O Sr. me toma por quem?

— Desculpe. E Governador?

— O Sr. realmente está me desconhecendo!

— Creio que deve haver pessoas em posições de algum poder que lhe representem. Vereador?

— Sim, votei numa boa menina. Foi eleita.

— Viu?

— É pouco, doutor.

— E o teu trabalho, ele representa tuas capacidades, teu papel e a forma como és necessário à sociedade…

— O que faço representa meu chefe, não a mim.

O médico contém o riso e diz que aquilo é muito comum.

— E as bancadas da Bala, da Bíblia, do Boi, da Bola?

— Nada doutor. Com B só Balzac, Bach, Beethoven e Brahms.

— E os movimentos identitários?

— Meu deus, doutor. Eles chegaram a tal grau de certeza de sua superioridade moral que não posso nem encará-los. Sinto-me indigno. E não poderiam me representar porque é o lugar de fala que garante a verdade do que é dito. Não adianta estudar. E meu lugar de fala é uma bosta: branco, homem, hetero, mesmo que traído pela mulher.

— Opa.

— Minha mulher, poderíamos chamá-la de Molly, elegeu um representante para minha função.

— Ela é mole?

— Meu deus, doutor, falo de Molly Bloom. Cito Ulysses.

— Ah, sim.

O médico se remexe na cadeira.

— Minha mulher tem um amante. Ponto.

O médico queria mudar de assunto. Decidira que representação era o tema daquela sessão. Adultério ficaria para uma ou várias próximas.

— E aqueles teus B`s queridos? Bach, Beethoven, etc.?

— Shostakovich.

— Como?

— Shostakovich. A polícia stalinista vinha buscar as pessoas em suas casas, à noite. Eles não davam tempo para o cara se vestir. Era levado para “prestar seu depoimento” como estivesse, normalmente de pijamas ou cuecas. Era para humilhar mesmo.

— E daí?

— E daí que Shostakovich passou a dormir vestido, preparado, para passar menos vergonha.

— E o que isso tem a…

— Depois ele pensou que seria melhor que não o pegassem dentro de casa. E começou a dormir no corredor. Quando ouvia o som do elevador, pegava a pasta e aguardava.

— Que loucura.

— Mas eles nunca vieram. A NKVD e a KGB nunca vieram.

— …

— E eu tenho medo do MBL, mas não apenas deles. Tenho medo de todos. E todos fazem linchamentos virtuais. Ninguém me representa.

— Escreva um textão no Facebook. Diga que respeita todo mundo. Os identitários, os punitivistas, a puta que o pariu, que cada um deve respeitar o espaço do outro, diga que acredita no diálogo e na democracia, que saúda respeitosamente cada degeneração. Não, não, não faça textão, responda a cada um de cada vez, sempre concordando. Depois volte aqui e vamos tratar do adultério em 30 sessões. Chama a Mole junto.

Impregnado

Impregnado

Gosto de crianças. Tenho boas relações com elas e acho que sei como surpreendê-las. Quando meus filhos eram pequenos, fazia às vezes concorrência natural aos recreacionistas das festas infantis. (Também tenho uma estranha habilidade para fazê-las dormir). Sempre tratei de tirar meus filhos da frente da TV e dos jogos. Acho que as crianças ficam tempo demais na frente da tela luminosa, demais no videogame. Meus filhos — hoje na faixa dos 20 anos — nunca pediram videogame e, se a Bárbara via muita TV quando pequena, depois foi se afastando.

É difícil convencer uma criança que há outras coisas tão legais quanto ficar deitado como uma besta vendo TV ou ganhando habilidade com os dedos no videogame. Sempre disse a eles que os jogos os deixavam incrivelmente hábeis para os jogos e só. Em minha sistemática pressão antiTV, entrava em casa diariamente cantando em altos brados a música dos Titãs:

A televisão me deixou burro
muito burro demais
agora todas as coisas que eu penso
me parecem iguais

E, depois, vinha o golpe fatal que irritava minha filha e a “obrigava” a correr atrás de mim para me bater:

(…)
e agora eu vivo dentro dessa jaula
junto dos animais.

Pois dia desses eu fui ao futebol com o filho de um amigo. Ir a um jogo acompanhado de crianças é sensacional. É boné, salgadinho, sorvete, amendoim, mais salgadinho, água, o diabo. Mas vale a pena. Quando, já na arquibancada, veio o primeiro moço com a cesta de salgados, carregando todos aqueles quilos de gordura trans, e ofereceu seus produtos, ele respondeu:

— Não, agora não, recém comi um pão e um suco. Depois eu vou querer. Volta depois, tá? Obrigado.

É claro que o homem não ouviu nada após o primeiro não. Eu ria explicando a meu pupilo que não precisava dar um discurso, que era só dizer não, obrigado.

Mas, voltemos um pouco no tempo. Voltemos até nossa entrada na arquibancada. Antes do campo abrir-se para nós, eu o avisei:

— Te prepara para uma visão espetacular. Tu nunca vai esquecer disso.

Ele caminhou silenciosamente até a borda da arquibancada superior. Parei a seu lado e vi que ele estava pasmo, impregnado pelo ambiente. É lindo ver um campo de futebol iluminado, à noite. É uma coisa que só nós entendemos e que é impossível transmitir a quem não gosta de futebol. A melhor resposta para quem não entende nossa cara nestes momentos é a de Louis Armstrong quando lhe perguntaram qual era a graça que ele via no jazz: Man, if you gotta ask, you’ll never know. Se você tem que perguntar, nunca saberá.

Ou seja, o vírus inoculara-se nele. Não tive muito tempo para ficar nostálgico lembrando do dia em que meu pai me levara para ver Inter 1 x 0 São Paulo, em 1968, nem para recordar o ainda mais emocionante Inter 4 x 0 São Luís, a estréia do meu filho Bernardo no Beira-Rio, pois tinha que controlar o menino dando discursos encantados com tudo, mas principalmente com aquela atmosfera tribal… Logo depois, ele começou a demonstrar todo seu grande conhecimento de palavrões.

— Vai tomar no cu, seu juiz idiota do caralho. Enfia o apito no rabo!

Sim, foi um começo promissor, apesar de ele levantar a cada minuto, atrapalhando o pessoal de trás para torcer gritando:

— Vai, vai, vai, vai! Não!

Ou utilizando a mui contrastante variação:

— Isso, isso, isso, isso! Não!

Quando se dava conta de que tinha levantado novamente, pedia desculpas aos detrás, que riam, achando divertido o “descontroladinho”…

Foi muito divertido, claro. Um dia, nessa grande desilusão do crescer e amadurecer de cada um de nós, talvez ele queira reencontrar seu próprio deslumbramento com o mundo. Os escritores alemães (a começar por Goethe e seu Wilhelm Meister) criaram um gênero de romance muito próprio, aquele que trata da história pessoal da desilusão: o Bildungsroman. É o romance de formação, da edificação da individualidade, da incorporação da cultura. Mas nada disso ele reencontrará se ler este texto, talvez apenas dê risadas de sua falta de jeito.

estadio-beira-rio

Sobre um detalhe da mostra Queermuseu do Santander

Sobre um detalhe da mostra Queermuseu do Santander

Quando pequeno, vendo TV, meu filho não suportava a voz do locutor que anunciava as maravilhas do Motel Botafogo. Ao ouvir a competente voz lasciva emitindo ar demais, meu filho tapava os ouvidos. “Por que ele precisa falar assim?”. Aquilo era muito para ele. Quando criança, o filho da Elena fechava os olhos quando Javier Bardem beijava Scarlett Johansson e Penelope Cruz em Vicky Cristina Barcelona. Minha filha também evitava tudo o que parecesse sexo. E garanto que vi inúmeras crianças fazerem o mesmo. Elas se protegem.

Hoje todos os citados e quase todas as outras crianças têm mais de 20 anos e são perfeitamente normais. Sei que não deve ser geral, mas é regra. Também sei que os politicamente corretos — de direita e esquerda — jamais engolirão esta liberdade assim no mais. É demais para as bolhas onde vivem.

Só quem tem experiência com elas sabe que evitam e logo esquecem quando veem uma cena forte (ou fraca) de sexo. Acham nojento. Na minha opinião, é idiotice achar que uma imagem sexual explícita vá deixar uma criança traumatizada. Ela não vai ficar parada, olhando, vai se retirar. Eu escrevi imagem, papel, tela, representação; não escrevi realidade, presença.

Tudo é usado pelos fascistas do MBL em sua sanha de proibição e “moralidade” e não guardo ilusões: a esquerda não é muito mais evoluída. Mas é um pouquinho.

Por outro lado, estou pasmo com a manutenção do fechamento por parte do Santander. Realmente, não há apelo à razão que entre na cabeça de um burocrata.

.oOo.

E meu guru Moysés Pinto Neto dá uma aula em seu perfil do Facebook:

O que vamos assistindo é o despedaçamento da inteligência em nível social e o jogar nas margens quem ainda ousa pensar. É uma sociedade burra, que não sabe fazer nada além de ~curtir~ e ~descurtir~, mobilizando seus afetos de raiva contra todos os signos que não correspondam à sua bolha algorítmica. A capacidade de interpretação é totalmente perdida, o mundo vira uma superfície unidimensional em que tudo só carrega um sentido: o de indicar como se deve agir. Tudo vira pedagogia rasa nas guerras culturais.

No universo unidimensional do sentido único, a arte é “incentivo a __”, como se o artista estivesse lá com a pretensão de dizer a regra. Ainda me lembro do debate, alguns anos atrás, quando uma desembargadora ativista defendeu a censura da música da Bidê ou Balde por incentivo à pedofilia, como já acontecera, por motivos análogos, com Racionais MCs e Planet Hemp.

Evidentemente, uma área como a arte, a mais polissêmica e multidimensional de todas da cultura, seria a primeira a ser assassinada numa sociedade de ignorantes que não conseguem entender o que é uma paródia, uma ironia ou qualquer coisa que escapa do sentido literal — além de viciados no complexo persecutório de que todo mundo é potencialmente um inimigo oculto. Por isso, não entendem que uma exposição que vende fotos da violência da Olimpíada sobre as favelas é uma ironia à mercantilização da morte ou que as mulheres que vão na Marcha das Vadias não são vadias no sentido estrito, mas querem transvalorar o termo para afirmar a liberdade sobre seus corpos, ou que não necessariamente alguém que escreve alguma coisa está dizendo exatamente o que está escrito. A metalinguagem, a escada infinita com que joga a inteligência, é o que está morrendo. Parece que só restarão superfícies de um lado só na pobreza do mundo moralista dos escrachos e repúdios.

Vivemos na era dos filmes dos irmãos Coen, em que a burrice — embora continue a mesma de sempre — consegue se encadear em rede, provocando eventos catastófricos e insólitos. Ainda não sabemos bem como reagir a isso, a não ser fazendo textões que nenhum dos ignorantes irá ler de qualquer modo.

Charge do genial Santiago
Charge do genial Santiago

 

Noções bestinhas (mas verdadeiras) da língua russa

Noções bestinhas (mas verdadeiras) da língua russa

Nabokov se diz Nabôkav. Mas dizer o nome do autor de Anna Kariênina — sim, Karênina é apenas o nome de um dos cachorros de meus filhos — é mais complicado. É Talstói, porque o “o” que é não tônico vira “a” na pronúncia (vide Nabôkav). E sim, é Dastaiévski, tão pensando o quê? E o livro de Gontcharov (Gantcharóv), Oblómov, se diz Ablômav. Já o nome de Tchékhov (Tchéhav) envolve fonemas decididamente alienígenas. Então, se você encontrar um russo, pergunte “Como é mesmo o nome do autor de A Dama do Cachorrinho, As Três Irmãs, que era contista, dramaturgo e médico?” Quando o cara responder, preste bem atenção porque eu não consigo dizer aquilo. E o primeiro nome é Antôn…

Shastakovich, Prakófiev, Gógal, samavar… Vai por aí.

Me chamem de Dastá, nada de Dostô.
Me chamem de Dastá, nada de Dostô.

‘E o vento levou…’, Averbuck e outros tópicos

‘E o vento levou…’, Averbuck e outros tópicos

“Critico uma versão específica da política identitária que é performática em suas demonstrações de consciência social. Não gosto particularmente porque é um grupo muito inclinado a censurar, a atacar em bloco indivíduos. Odeio isso. Ao calar seus inimigos políticos, eles calam também o dissenso dentro da própria esquerda e é este dissenso que sempre fez a esquerda ser vibrante intelectualmente. São os questionadores que evitam que a ideologia se fossilize porque nos obrigam a repensar. Mas suas vozes foram caladas.”

Angela Nagle

Gone

E o vento levou… (Gone with the wind) foi banido de um cinema em Memphis (Tennessee) por veementes protestos relacionados a questões raciais. O filme seria racista. Bem, na verdade é mesmo racista. Por outro lado, o site de pesquisas de opinião pública YouGov, fez uma pesquisa em 2014 e chegou à conclusão de que o filme é considerado “muito bom” ou “um dos melhores” por 73% por cento dos negros dos EUA. Outros 14% acharam o filme “legal, bacana” (“fair”). Só 13% desgostaram do filme e 0% disseram que E o vento levou é “um dos piores”. Ou seja, o racismo não chega a chocar ou prejudicar a avaliação do filme. São números.

gwtw1

O fato que me chama muitíssimo a atenção é que — como acontece provavelmente no caso de Memphis — há pouco em comum entre alguns movimentos identitários e as populações que eles buscam representar. Há minorias que gritam estridentemente e são lidas como maioria, só que não são. O som que fazem parece ser audível apenas para seu gueto.

Há muito fanatismo nas redes sociais e o fanático não presta atenção a nenhuma complexidade ou nuance. Ele sai reclamando, se vitimizando e linchando. Como escreveu Amós Oz, “Nunca vi um fanático com senso de humor ou então alguém com senso de humor se tornar um fanático. Humor é a habilidade de rirmos de nós mesmos, e, quando podemos fazer isso, desenvolvemos uma noção de relativismo”. Eu jamais conseguiria imaginar um desses linchadores pró-ativos das redes rindo de seus enganos.

E cada vez mais tenho certeza de que certos movimentos falam só para si mesmos. É como se as pessoas ficassem asseverando e parabenizando uma a outra pelo fato de estarem do lado certo. Como Thomas Bernhard, formam um acúmulo de argumentos imoderados que às vezes fazem rir quem está de fora, mas que são capazes de destruir psicologicamente a vítima. São gritalhões desagradáveis a apontar fatos que podem até ser justos, mas cuja forma de abordagem parece inaceitável ao receptor da mensagem.

Dia desses, ouvi um sujeito dizer que não poderia publicar um elogio a uma carne que comera porque seus amigos veganos poderiam postar vômitos em resposta no Facebook. Ele tinha medo da minoria gritona.

O recente e lamentável fato do estupro de Clara Averbuck nos dá um caminho que não é geral, mas que serve de exemplo de uso de inteligência. Lá no fundo do cenário do caso, ficou bem distinta a dignidade de Clara ao não provocar um linchamento. Conheço Clara desde os tempos de glória dos blogs, ela tinha um muito louco e bom. Ela poderia fazê-lo, mas não divulgou o nome do escroto abusador e nem a placa do carro. Ao contrário, promoveu uma hashtag chamada #MeuMotoristaAbusador fazendo com que muitas mulheres narrassem os abusos sexuais que sofreram em transportes. Infelizmente, é muito comum e violento.

Ou seja, ao não dar o nome, foto e placa de seu agressor, Clara evitou a catarse de um linchamento militante cheio de ofensas e sem nenhuma direção que não seja a aniquilação do inimigo da hora — e onde até ela ficaria mal-vista em razão da batalha — para dar lugar a narrativas onde… Olha, aprendi muita coisa lendo os relatos.

Sobre E o vento levou… Um monte de gente que desconhece o filme deve estar assistindo-o só para procurar racismo nele. Certamente vão encontrá-lo, mas passarão boas horas vendo um filme de narrativa envolvente. No futuro, lembrarão mais dela. Sim, a realidade é cruel, mas cumpre respeitá-la.

Oliver Sacks, Bach

Oliver Sacks, Bach

Hoje fazem dois anos que Oliver Sacks morreu. Antes de falecer, muito doente, ele tinha apenas dois prazeres: salmão defumado e Bach. Casualmente, hoje vim para o trabalho ouvindo a Missa em Si Menor, que tantos acham ser a maior das músicas já compostas. A versão de Rudolf Lutz tem tanto ritmo que cheguei aqui com um pouco de dor na mão. Estava discretamente regendo toda a coisa pelo caminho. Só falta o salmão defumado, Oliver.

Oliver Sacks

As russas, os russos

As russas, os russos

A qualidade da educação dos russos é totalmente diferente da nossa e isso se reflete de formas nem sempre fáceis de explicar, porque as pessoas daqui se ofendem. É que em média é muito outro nível, garanto-lhes. Ontem, durante a cerimônia de formatura da Lizaveta, filha da Elena, sentei-me longe de minha mulher porque havia um local especial para pais no Salão de Atos da Ufrgs. Então, fui me sentar com a Iúlia, uma menina de São Petersburgo colega da Liza, lá no local destinado aos amigos, conhecidos, agregados, etc. Ela iria fotografar a festa após a formatura. A coisa ia longuíssima e eu comecei a ler um livro enquanto ela pegou o celular, super concentrada. Ah, pensei, uma russa que passa o tempo bobamente no celular. Na festa, horas depois, perguntei o que ela tanto lia:

— Poemas de Brodsky.

O poeta russo Joseph Brodsky com um amigo(a)
O poeta russo Joseph Brodsky com um amigo(a)

Um encontro muito, mas muito agradável

Ontem aconteceu uma coisa muito legal. Eu estava atravessando a Redenção, vindo do Bom Fim em direção à Feira do Largo da Epatur, quando um menino que desconhecia me chamou pelo nome e perguntou se podia me acompanhar na caminhada. Apresentou-se como S., arquivista, gremista, 27 anos, faceless e leitor do meu blog e do PQP. Disse que era raro poder ter uma conversa interessante sobre música erudita. Dei uma risada e ele propôs falarmos sobre Mahler. Nossa, S. é muito culto, educado e agradável. Fomos até a Epatur, comprei o que precisava e ele ainda voltou comigo. Acho que conversamos uns 45 minutos. Mahler, Mendelssohn, Mozart, Bach e uma boa análise psicológica das lamentáveis ocorrências (solo dele) da semana foram nossos temas. No dia em que fazia 60 anos, vejo como pode ser bom ter 27 e ser um flâneur de sábado.

.oOo.

Durante a tarde, recebi este e-mail:

Milton,

Foi um prazer conversar e te agradeço muito a receptividade.

Confirmei aqui. Na verdade, a versão do Herreweghe que estou buscando é a da Missa em Dó menor do Mozart. A missa do Bach tu já disponibilizou. Muito obrigado!

Desejo que tu tenha um belo aniversário! Saúde e alegrias.

Um abraço,

SP

Nojo de dedo-duro

Nojo de dedo-duro

“Pai, a mamãe amassou o teu carro novo”, disse o menino, deixando a mãe sem chances de explicar ao marido, com calma, o que tinha acontecido. Numa outra ocasião, enquanto o irmão contava que tinha perdido o aparelho dos dentes, ele logo entregou: “É mentira! Eu vi ele pisar em cima do aparelho no banheiro”. Bonitinho, não? Mas depois eles crescem.

Na empresa, o dedo-duro invariavelmente será ou um bajulador do chefe ou um alpinista que vê nos deslizes de alguém a oportunidade para depreciá-lo e, desta forma, conquistar a confiança dos superiores. Quando questionado sobre suas razões, irá enaltecer a necessidade de qualidade e a importância do trabalho. Mais pressionado, invocará princípios éticos e morais…

Não sei fazer isso. Na minha escola, o Colégio Júlio de Castilhos, quem dedurasse recebia a mesma punição do dedurado. Recebi péssima educação, vai ver. Tenho visto muita gente da nova geração dedurando, mesmo que não saiba da missa a metade. Fico chocado.

Mas é claro que há dedos-duros de todas as idades, não é um fenômeno geracional, minha amostragem é que é viciada.

vomito

.oOo.

Ao acusado, opino: “É censurável usar de arrogância para com o humilde. Mas talvez seja ainda pior seguir humilde frente a arrogância”. Outra coisa: a acusação era falsa. Tu não tinhas feito nada, apenas tinhas feito pouco.

Mudando de assunto: Mas e quando a gente vê um colega fazendo algo muito errado? Criminoso até?

Aí conta, né? Há uma diferença entre delação e denúncia. Quando for coisa do dia a dia, o melhor é manter uma conversa privada com quem errou e lembrá-lo da regra que está sendo infringida. Havendo persistência no erro, teimosia ou sacanagem, aí, sim, é cabível uma denúncia aos superiores. Se for CRIME, o caso é outro.

A Filoca, o sexismo e a nova pudicícia

A Filoca, o sexismo e a nova pudicícia

A Filoca chamava-se Orfila, tia Orfila. Ponho a mão no fogo por ela: foi a pessoa que mais certamente morreu virgem na ala cruz-altense da família. Por algum motivo, ela ocupava o cargo de “reserva moral”. Perfeitamente mal-humorada, era digna do posto. Cada vez que algo parecia fora do lugar, a família ia lá consultar a Filoca. E a Filoca dava seus palpites. Normalmente era obedecida pelos meus pais e tios. Já nossa geração… No final dos anos 60, lembro dela reclamando das minissaias, recordo das meninas da família puxando suas saias para baixo quando a Filoca se aproximava, das piadas sobre ela. Eu a evitava como se ela fosse um bolsonaro. Era a única coisa ruim em minhas férias em Cruz Alta.

Ela jamais casara, mas dava palpites nos casamentos de todos. Pior, dava soluções. Nunca tivera filhos, mas sabia tudo sobre a educação das crianças. Hoje, lembrando de algumas de suas observações, dou risadas.

Comercial Cazaque

Depois, o mundo evoluiu e a revolução sexual deixou as coisas em patamares não ideais, mas muito melhores. Mesmo durante a ditadura, o discurso foi ampliado em assuntos tabus como sexo, comportamento e doenças. Houve maior liberdade. A educação também mudou e, trinta anos depois, nos anos 90, criei meus filhos muito mais razoavelmente do que fui criado. Mas, burraldo que sou, pensava que o mundo sempre evoluiria para melhor.

Como diz Carpeaux a respeito da época de Laurence Sterne, nosso início de século também tem uma parte importante da juventude que é dotada de um discurso bem mais pudico do que os das gerações anteriores. Há o que não deve ser visto, há o que não deve ser ouvido, há o que não deve ser mostrado. O medo às representações impõe coisas que a realidade, essa boba, insiste em mostrar.

Essa semana tive frouxos de riso ao saber que esta propaganda cazaque tinha sido criticadíssima naquele país:

Só que a agência de propaganda sabia que as redes sociais iriam gritar indignadas — criar escândalo era uma estratégia da agência — e, menos de dois dias depois, já tinha um contra-ataque preparado:

Se o mau gosto é óbvio, muito melhor é a explicação da empresa: “Os vídeos não mostram nada que não se veja em qualquer praia ou piscina”. Caramba, é mesmo! Sim, senhores, a hipocrisia está cada vez mais ampliada, e não somente no governo Temer.

Porém, para mim, o mais engraçado é que, após caírem na estratégia comercial da empresa, as redes sociais disseram que os homens usam chapéus de comandantes e as mulheres de comissárias. Sim, referiam-se ao tapa-sexo! OK, é verdade, mas… A realidade não é quase essa? Ou o comercial deve ser educativo e apontar novos caminhos? É essa sua função? Pensei que o objetivo fosse a venda de passagens aéreas… Ou será que ele vai impedir o correto e inevitável percurso das mulheres às posições mais importantes?

E aqui fala um dos defensores das maestrinas, um cara que traduz artigos feministas, um cara que escreveu sobre a lamentável sujeição de Clara Schumann ao marido, um cara que fez o mesmo sobre Camile Claudel, um cara que publicou sobre Fanny Mendelssohn quando ninguém sabia de sua existência, que apresentou a muita gente boa o notável ensaio feminista Um teto todo seu, de Virginia Woolf, que é um sujeito que se orgulha de ser filho de uma das primeiras dentistas do RS, talvez a primeira. Lembrem bem disso. Meu problema é com a nova moralidade.

Bem, mas sou burro mesmo: meu exemplo veio do Cazaquistão, terra onde grassa o sexo. Aqui, isto jamais ocorreria. Imaginem se vamos retornar àquela época triste da Filoca? De jeito nenhum.

Polícia japonesa prende ex-esposa que quebrou 54 violinos

Polícia japonesa prende ex-esposa que quebrou 54 violinos

Uma mulher foi presa em Tóquio por ter invadido a oficina de seu ex-marido — um luthier — e quebrado 54 violinos, no valor de mais de US$ 1 milhão. O processo de divórcio do casal já dura 3 anos. Ela é Midori Kawamiya, 34. A identidade do luthier foi preservada. Ele é descrito como um norueguês de 64 anos.

Não sei o que ele terá feito para ela reagir assim, mas sinto pelos violinos. Auxiliei a Elena na compra de um instrumento. Soube que tenho bom ouvido, ouvia de perto, de longe, avaliava a sonoridade de acordo com os 50 anos de consumo música erudita que tenho nas costas. Falava sobre o som mais moderno, mais barroco, etc.

Ela diz que fui fundamental. Espero ter sido porque acabei desenvolvendo amor pelos instrumentos comprados e pela profissão de luthier. É preciso enorme paciência para aguentar as manias de gente que ouve zumbidinhos e desconfia de que o seu som não chega até a esquina. Além de emitirem opiniões incríveis sobre graves e agudos.

Então, considerando que o cara é um luthier, sei que ele deve ter colado com cuidado milhares de peças, arrumado a posição de 50 mil almas, trocado 100 mil cordas e crinas, e suportado as manias de muitos violinistas.

E aí vem a mulher e quebra tudo.

A notícia é incompleta. O que teria feito o luthier para ela reagir assim? Dependendo, até viro de lado.

Broken-Violin

Estudar (e amar) faz bem

Estudar (e amar) faz bem

Um ganho secundário do Almoço Clio Musical é a necessidade de estudar. Mesmo que não seja necessária uma dedicação exaustiva, pesquisar, estudar e escrever sempre me animam muito. Ontem, cheguei meio mal-humorado em casa, com aquela sensação ruim de atraso em coisas que precisam de tempo para serem desenvolvidas. Era o final da tarde e ainda dei mil voltas procrastinatórias. Depois, pensei que se começasse apenas a me organizar para o trabalho, ele se encaminharia naturalmente. Claro, a coisa engrenou e comecei a me sentir cada vez melhor e melhor, chegando quase a algum início de euforia. E tudo ficou (bem) encaminhado. Escrevi bastante sobre o tema A Sinfonia, Parte I: das Origens ao Classicismo.

Então, perto das das 22h, fui buscar a Elena no ensaio da Ospa. Para este bobo apaixonado é sempre uma alegria vê-la e revê-la, mesmo que o intervalo seja de segundos. Fiquei esperando por ela e dei risada com um colega seu de Ospa que me disse que “havia abutres rondando meu avião”. Tá bom. Eu e ela voltamos abraçados, caminhando naquela velocidade que fica entre o medo de ser assaltado e a elegância. Jantamos e pensei no tempo que dura a alegria de fazer um trabalho intelectual, mesmo que este não seja uma loucura de complicado e se este pode ser catalisado por outros fatos da vida diária. E concluí que devo repetir e repetir, ainda que sem o incentivo do Almoço Clio. Ou correr pela rua, pois ambas são atividades que me fazem retornar a um melhor equilíbrio.

Hoje pela manhã, dei uma reajustada na alegria. Caminhei até o trabalho com a 9ª de Mahler nos fones. Sim, é uma tragédia, mas o contato com uma uma realização daquelas sempre me deixa feliz. Ao meio-dia, após um almoço rápido, usei a meia-hora restante dando-me novo empurrão lendo De Amor e Trevas, de Amós Oz, na Biblioteca Pública. É muita sorte trabalhar na mesma quadra que a BPE. A gente ganha mal mas tem sorte.

Acho que tenho que dar um jeitinho de tornar mais frequentes esses estímulos que me deixam feliz. Todos eles. Afinal, estou por fazer 60 anos e é, digamos, minha reta final.

Joseph Haydn: o herói desta edição do Almoço Clio Musical.
Joseph Haydn: o herói desta edição do Almoço Clio Musical.

Eu e o mítico Batman de Adam West

Eu e o mítico Batman de Adam West

Eu nunca gostei de super-heróis, só do Batman de minha infância e daquele desenho da Warner dos anos 90, também do Batman, que achava sofisticado. Hoje, Adam West se foi. Ele não era tão fortão, nem vestia-se de preto como os Batmen (ou Batmans) de hoje, mas eu me divertia com ele, principalmente quando subia num prédio e uma “pessoa comum” (que sempre era um ator/atriz conhecido) abria a janela para perguntar o que estava ocorrendo. Ele e Robin respondiam educadamente, com calma. Aquilo era uma boa definição de bizarrice. Eu adorava.

Batman e Robin

O Tempo e Ignacio Iturria: “Todos siempre correndo como locos”

O Tempo e Ignacio Iturria: “Todos siempre correndo como locos”

É mais ou menos como eu me sinto todos os dias, à exceção dos finais de semana. Um cara correndo como um louco contra um fundo escuro.

Ao meio-dia, almoço rapidamente para subir até a Biblioteca Pública a fim de ler por 30 min. É a salvadora “pausa de mil compassos”, mas sem ver a meninas e com um livro nos braços (Obrigado, Paulinho da Viola!). E sigo vivendo com a impressão de que, de certa forma, sou sempre ultrapassado por minha pressa, e que vou apenas existindo dentro dos dias.

Hoje pela manhã, vi o e-mail da Lu Vilella indicando a compra de “A Montanha Mágica”, relançado pela Companhia das Letras. Lembro vagamente das reflexões sobre o tempo que há no início do romance e de como este se move, estica e contrai-se. Atualmente, ele parece diminuto, mas agora, terça-feira ao meio-dia, parece que já estou há uns quatro dias nesta semana. E faltam horas. E sobra cansaço.

Foto: Milton Ribeiro, em julho de 2015 (Montevidéu).
Foto: Milton Ribeiro, em julho de 2015 (Montevidéu).

O “Capitão do Mato” Vinícius de Moraes

O “Capitão do Mato” Vinícius de Moraes

Eu ia colocar o nome de Monteiro Lobato no título desta pequena crônica, mas achei que não valia a pena. Afinal de contas, ele é um caso especial: não há dúvida sobre o racismo de nosso mais famoso autor infanto-juvenil. Como exemplos maiores, temos o final de Urupês, onde a miscigenação é condenada na apresentação do polêmico personagem Jeca Tatu — que depois tornou-se o pobre esquecido por um governo omisso — mas que antes fora apenas um caboclo inferior e inapto. Para o autor, o caboclo era um “funesto parasita da terra”, “seminômade, inadaptável à civilização”. Tá bom.

Se isso já era público, em 2011 foi divulgada uma carta do escritor enviada a Arthur Neiva em 10 de abril de 1928, e publicada na revista Bravo! em maio de 2011. Ali temos Lobato defender a Ku Klux Klan e seus ideais.

“País de mestiços, onde branco não tem força para organizar uma Ku-Klux-Klan, é país perdido para altos destinos […] Um dia se fará justiça a Ku-Klux-Klan; tivéssemos aí uma defesa desta ordem, que mantém o negro em seu lugar, e estaríamos hoje livres da peste da imprensa carioca — mulatinho fazendo jogo do galego, e sempre demolidor porque a mestiçagem do negro destrói a capacidade construtiva”.

Mas hoje estava pensando no branco mais negro do Brasil, aquele que paradoxalmente se auto-denominava “Capitão do Mato Vinicius de Moraes”. Durante o império, ou melhor, durante a época da escravatura, o capitão do mato era um empregado público, uma espécie de policial encarregado de reprimir os pequenos delitos ocorridos no campo. Na sociedade escravocrata brasileira, sua principal tarefa era a de capturar os escravos fugidos.

Capitão do mato, quadro de Rugendas, 1823
Capitão do mato, quadro de Rugendas, 1823

Normalmente eles eram escravos libertos, o que fazia com que fossem superiores tanto aos escravos e como aos pobres livres, porém ainda assim ficavam na última categoria como empregado público. Por serem em maioria de origem escrava, eram odiados pelos cativos, já que um dia os capitães tinham pertencido a mesma posição social que eles.

Geralmente formavam grupos que variavam de acordo com a quantidade de escravos fugitivos, trabalhando em conjunto com as forças militares da colônia. A função deles era impedir a fuga de escravos e capturar os que conseguissem fugir, então tinha dupla função: a de amedrontar e de reprimir. Não, não tinham a menor nobreza.

Com o tempo, a expressão capitão do mato passou a incluir aquelas pessoas que não eram funcionárias públicas, mas que, para ganhar uma grana, passaram a procurar fugitivos para depois entregá-los aos seus donos mediante prêmio.

O capitão do mato gozava de nenhum prestígio social, seja entre os negros que tinham neles os seus inimigos naturais, seja na sociedade escravocrata, que suspeitava que eles sequestravam escravos apanhados ao acaso, esperando vê-los declarados em fuga para depois devolvê-los contra recompensa.

Agora, que brincadeira foi essa de Vinícius — que cantava sambas, fazia a apologia do negro e ainda seguia religião africana — ter apelidado a si mesmo de capitão do mato?

Olhem só este trecho do Samba da Bênção:

Eu, por exemplo, o capitão do mato
Vinicius de Moraes
Poeta e diplomata
O branco mais preto do Brasil
Na linha direta de Xangô, saravá!
A bênção, Senhora
A maior ialorixá da Bahia
Terra de Caymmi e João Gilberto
A bênção, Pixinguinha
Tu que choraste na flauta
Todas as minhas mágoas de amor
A bênção, Sinhô, a benção, Cartola
A bênção, Ismael Silva
Sua bênção, Heitor dos Prazeres
A bênção, Nelson Cavaquinho
A bênção, Geraldo Pereira
A bênção, meu bom Cyro Monteiro
Você, sobrinho de Nonô
A bênção, Noel, sua bênção, Ary
A bênção, todos os grandes
Sambistas do Brasil
Branco, preto, mulato
Lindo como a pele macia de Oxum
A bênção, maestro Antonio Carlos Jobim
Parceiro e amigo querido
Que já viajaste tantas canções comigo
E ainda há tantas por viajar
A bênção, Carlinhos Lyra
Parceiro cem por cento
Você que une a ação ao sentimento
E ao pensamento
A bênção, a bênção, Baden Powell
Amigo novo, parceiro novo
Que fizeste este samba comigo
A bênção, amigo
A bênção, maestro Moacir Santos
Não és um só, és tantos como
O meu Brasil de todos os santos
Inclusive meu São Sebastião
Saravá! A bênção, que eu vou partir
Eu vou ter que dizer adeus

Se alguém souber me explicar, por favor.