Revolução dos Cravos: a primavera após uma noite de 48 anos

110_1832-Cravos

Durou décadas a ditadura em Portugal. A rigor, foram 48 anos entre os anos de 1926 e 1974. Só Antônio de Oliveira Salazar governou por 36 anos, entre 1932 e 1968, e a Constituição de 1933, que implantou o Estado Novo nos moldes do fascismo italiano com seu Partido Único, permaneceu até 1974, por 41 anos.

Capa do jornal república de 25 de abril de 1974 (Clique para ampliar)

Acabou em 25 de abril de 1974 numa revolução quase sem tiros. Morreram apenas quatro pessoas pela ação da DGS (ex-PIDE). A adesão aos militares que protagonizaram o golpe na ditadura foi tão grande que as cinco mortes mais pareceram um desatino final. O nome de “Revolução dos Cravos” foi devido a um ato simbólico tomado por uma simples florista. Ela iniciou uma distribuição de cravos vermelhos a populares e estes os ofereceram aos soldados, que os colocaram nos canos das espingardas.

Tudo fora bem planejado. A ação começou em 24 de abril de forma muito musical. Um grupo militar instalou secretamente um posto no quartel da Pontinha, em Lisboa. Às 22h55 foi transmitida por uma estação de rádio a canção E depois do adeus, de Paulo de Carvalho. Este era o sinal para todos tomarem seus postos. Aos 20 minutos do dia 25, outra emissora apresentou Grândola, Vila Morena, de José Alfonso. Ao contrário da primeira canção, a qual era bastante popular, Grândola estava proibida, pois, segundo o governo, fazia clara alusão ao comunismo.

Passados 38 anos, todos reclamam em Portugal. Tendo no centro do cenário a atual crise econômica, a esquerda considera que o espírito da revolução se perdeu, assim como várias das conquistas dos primeiros anos, enquanto a direita chora as estatizações do período pós-revolucionário, afirmando que esta postura prejudicou o crescimento da economia. O ex-presidente Mário Soares afirma  que tudo o que ocorreu nos últimos 38 anos pode ser discutido e reavaliado, mas que a comparação entre o passado e o que há hoje é comparar “um passado de miséria, de guerra e de ditadura” com um país onde há “respeito pela dignidade do trabalho, pelos sindicatos e pela democracia pluralista”.

Deus, Pátria e Família (Clique para ampliar)

A ditadura iniciou em 1926 com o decreto que nomeou interinamente o general Carmona para a presidência da República. Após a dissolução do parlamento, os militares ocuparam todas as principais posições do governo. A ditadura teve o condão de unir todos os partidos que antes disputavam entre si. Eles enviaram uma declaração conjunta às embaixadas dos EUA, Inglaterra e França, informando que não reconheciam o governo. Em resposta, a repressão policial foi acentuada e todos os que assinaram a declaração foram presos em Cabo Verde, sem julgamento.

Todas as revoltas foram sufocadas enquanto os militares se viam às voltas com uma crise econômica. Havia duas correntes: uma representada pelo ministro das finanças, o general Sinel de Cordes, que desejava recorrer a um empréstimo externo e outra, de um professor de finanças da Universidade de Coimbra, Antônio de Oliveira Salazar, que pensava não ser necessário o empréstimo externo para resolver a difícil situação financeira do país. O empréstimo não foi feito em razão de que as condições exigidas eram inaceitáveis – quase as mesmas que a “troika” exigiu e levou atualmente. O resultado final do episódio foi o pedido de demissão de Sinel de Cordes e o convite a Salazar para a pasta das finanças.

O ditador solitário

Salazar impôs austeridade e rigoroso controle de contas. Obteve o equilíbrio das contas de Portugal em 1929. Na imprensa, controlada pela censura, Salazar era chamado de “o salvador da pátria”. O prestígio ganho junto ao setor monárquico e católico, além da propaganda, consolidavam pouco a pouco a posição de Salazar, abrindo espeço para sua ascensão. Ele se tornou o esteio dos militares, que o consultavam para tudo, principalmente para as reformas ministeriais. Enquanto a oposição era dizimada, Salazar recusava o retorno ao parlamentarismo e à democracia da Primeira República, criando a União Nacional em 1930, preparando a instalação de um regime de partido único.

Em 1932, foi discutida uma nova Constituição que seria aprovada no ano seguinte. Nela, é criado o Estado Novo, uma ditadura que dizia defender “Deus, a Pátria e a Autoridade”, principalmente a terceira, que depois foi alterada para Família. A ditadura portuguesa foi muitíssimo pessoal e revelava claramente o caráter de seu chefe. Salazar era uma estranha espécie de misantropo que governava um país ao mesmo tempo que amava a solidão e posava de inacessível. Suas palavras são surpreendentes, mesmo para um ditador. “Há várias maneiras de governar e, a minha, exige isolamento… O isolamento muito me ajudou a desempenhar minha tarefa e permitiu-me, no passado como hoje, concentrar-me, ser senhor do meu tempo e dos meus sentimentos, evitar que fosse influenciado ou atingido”. Muito católico, Salazar nunca casou e vivia entre padres. O cardeal de Lisboa, D. Manuel Gonçalves, disse dele: “é um celibatário austero que não bebe, não fuma, não conhece mulheres”, mas, a fim de afastar qualquer inclinação homossexual, ressaltou: “mas ele aprecia a companhia das mulheres e a sua beleza sem, no entanto, deixar de levar uma vida de frade”.

Salazar e Franco: colaboração e frieza

Tal como fazia na vida privada, Salazar criou uma curiosa política e um bordão não menos. Praticava uma política de isolacionismo internacional sob o lema Orgulhosamente sós. Atuava de forma tortuosa. Apoiou Franco na Guerra Civil de 1936, mas manteve com este uma relação fria e desconfiada. Durante a Segunda Guerra Mundial, agarrou-se à neutralidade como se disto dependesse sua vida. Talvez tivesse razão. Próximo ideologicamente do fascismo italiano, Portugal não hostilizou o eixo Roma-Berlim-Tóquio, apesar de ter tornado ilegais os movimentos fascistas, prendendo seus líderes. Comprou armas, mesmo durante a Guerra, tanto na Alemanha quanto da Inglaterra, evitando o confronto e a adesão. Acendendo uma vela para cada um dos lados, Salazar aceitava dar vistos a judeus em trânsito vindos da Alemanha e da França. Também concedeu aos Aliados uma base nos Açores.

O ditador foi homenageado por Fernando Pessoa.

Antonio de Oliveira Salazar

Antonio de Oliveira Salazar.

Três nomes em sequencia regular…
Antonio é Antonio.
Oliveira é uma árvore.
Salazar é só apelido.
Até aí está bem.
O que não faz sentido
É o sentido que tudo isto tem.

Este senhor Salazar
É feito de sal e azar.
Se um dia chove,
A água dissolve
O sal,
E sob o céu
Fica só azar, é natural.

Oh, c’os diabos!
Parece que já choveu…

Coitadinho
Do tiraninho!
Não bebe vinho.
Nem sequer sozinho…

Bebe a verdade
E a liberdade,
E com tal agrado
Que já começam
A escassear no mercado.

Coitadinho
Do tiraninho!
O meu vizinho
Está na Guiné,
E o meu padrinho
No Limoeiro
Aqui ao pé,
Mas ninguém sabe porquê.

Mas, enfim, é
Certo e certeiro
Que isto consola
E nos dá fé:
Que o coitadinho
Do tiraninho
Não bebe vinho,
Nem até
Café.

Após a Segunda Guerra Mundial, manteve a política do Orgulhosamente sós, mas nem tanto assim, pois Salazar desejava permanecer orgulhosamente só, porém, com suas colônias. Desde o final da Segunda Guerra Mundial, a comunidade internacional e a ONU passaram a defender políticas de autodeterminação dos povos em regiões colonizadas. Salazar ignorou o fato, levando o país a sofrer consequências negativas tanto do ponto de vista econômico como culturais.

Charge de 1957, publicada em jornal clandestino

Internamente, a violência da democracia de fachada de Salazar não ficava nada a dever a suas congêneres latino-americanas. O Estado Novo tinha sua polícia política, a PIDE (Polícia Internacional de Defesa do Estado), a qual era antes chamada de PVDE (Polícia de Vigilância e Defesa do Estado) e depois de DGS (Direção-Geral de Segurança). Em comum, a perseguição e morte aos opositores do regime. O regime autoritário, mas sem violência é uma fantasia que muitos católicos portugueses gostam de manter, pois a Igreja Católica sempre era citada por ele. Até hoje, alguns saudosos de Salazar misturam fascismo e catolicismo.

Em março de 1961, ocorreu uma chacina de colonos civis no norte de Angola. A resposta de Salazar foi uma Guerra Colonial chamada  Para Angola rapidamente e em força. Depois, novas guerras em Guiné e Moçambique, sempre com o propósito de permanecer orgulhosamente só, mas com as províncias ultramarinas sob sua bandeira. As Guerras Coloniais tiveram como consequências milhares de vítimas e forte impacto econômico sobre o país, tendo sido uma das causas da queda do regime.

Salazar foi afastado do governo em 27 de Setembro de 1968, após uma grave queda em casa, o que lhe causou uma trombose cerebral. Seu fim foi digno de opereta: naquele 1968, o então Presidente da República, Américo Tomás, chamou Marcello Caetano para substitui-lo. O curioso é que, até morrer, em 1970, Salazar continuou a receber “visitas oficiais” como se fosse ainda o presidente do país, nunca manifestando sequer a suspeita de que já o não era, no que não foi contrariado.

Negociações para a rendição da PIDE/DGS, no dia 26 de Abril de 1974. Fotografia de Joaquim Lobo.

O longo inferno foi finalizado pelo 25 de Abril, tal como o conhecem os portugueses. O Movimento das Forças Armadas (MFA) foi composto por oficiais intermediários da hierarquia militar, na sua maioria, eram capitães que tinham participado na Guerra Colonial e que foram apoiados por oficiais e estudantes universitários. Este movimento nasceu por volta de 1973, baseado inicialmente em reivindicações corporativistas das forças armadas envolvidas nas guerras coloniais, acabando por se estender a protestos contra a ditadura. Sem grande apoio e com a adesão em massa da população à Revolução dos Cravos, a resistência do regime foi praticamente inexistente, registrando-se apenas cinco mortos em Lisboa pelas balas da famigerada DGS.

Após o 25 de abril, foi criada a Junta de Salvação Nacional, responsável pela nomeação do presidente da República. Assim, em 15 de Maio de 1974, o general António de Spínola foi nomeado presidente.

Estabilizada a conjuntura política, prosseguiram os trabalhos da Assembleia Constituinte para a nova constituição democrática, que entrou em vigor no dia 25 de Abril de 1976, o mesmo dia das primeiras eleições legislativas da nova República.

Tanto Mar, de Chico Buarque

Sei que está em festa, pá
Fico contente
E enquanto estou ausente
Guarda um cravo para mim
Eu queria estar na festa, pá
Com a tua gente
E colher pessoalmente
Uma flor no teu jardim

Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei, também, que é preciso, pá
Navegar, navegar
Lá faz primavera, pá
Cá estou doente
Manda urgentemente
Algum cheirinho de alecrim

Foi bonita a festa, pá
Fiquei contente
Ainda guardo renitente
Um velho cravo para mim
Já murcharam tua festa, pá
Mas certamente
Esqueceram uma semente
Nalgum canto de jardim

Sei que há léguas a nos separar
Tanto mar, tanto mar
Sei, também, quanto é preciso, pá
Navegar, navegar
Canta primavera, pá
Cá estou carente
Manda novamente
Algum cheirinho de alecrim

Grândola, Vila Morena:

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Resumo da palestra de Bolsonaro e uma pergunta: o que Vladimir Herzog acharia disto?

Pois ele foi convidado da Hebraica… Desde quando uma entidade judaica chama um fascista para falar? Judeu apoiando intolerância? Que tipo gente é essa da Hebraica do Rio?

Bem, vamos ao resumo:

Bolsonaro: o show da estupidez.

Bolsonaro na Hebraica: o show da estupidez.

“Eu tenho 5 filhos. Foram 4 homens, a quinta eu dei uma fraquejada e veio uma mulher”.

“Eu fui num quilombo. O afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas. Nem pra procriar ele serve mais”.

“Alguém já viu um japonês pedindo esmola por aí? Não, porque é uma raça que tem vergonha na cara. Não é igual a essa raça que tá aí embaixo, ou como uma minoria que tá ruminando aqui do lado”.

“Se eu chegar lá não vai ter dinheiro pra ONG. Esses vagabundos vão ter que trabalhar. Pode ter certeza que se eu chegar lá (Presidência), no que depender de mim, todo mundo terá uma arma de fogo em casa, não vai ter um centímetro demarcado para reserva indígena ou para quilombola”.

“Tínhamos na presidência um energúmeno que só sabia contar até 10 porque não tinha um dedo”.

“Eu não tenho nada a ver com homossexual. Se bigodudo quer dormir com careca, vai ser feliz”.

Terminou sob aplausos e gritos de “Mito, mito, mito”.

Realmente, a ignorância grassa em todos os extratos. Fico pensando em Herzog, grande jornalista, professor e dramaturgo brasileiro, judeu naturalizado que foi torturado e assassinado pela ditadura civil-militar brasileira nas instalações do DOI-CODI.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Darwin, Dickens e Thomas Mann só trabalhavam quatro horas por dia

Nota do blogueiro: É uma pena não ser criativo como esses caras. Se fosse, saberia como viver.

De Carey Dunne, traduzido resumidamente por mim. Retirado daqui.

De acordo com um crescente movimento contra a postura workaholic, a chave para uma maior produtividade poderia ser trabalhar menos horas. A obra Em descanso: Por que você produz mais quando trabalha menos, do consultor Alex Soojung-Kim Pang, defende uma jornada de trabalho de quatro horas. “Décadas de pesquisa demonstram que a correlação entre o número de horas trabalhadas e a produtividade é muito fraca”, diz Pang, um estudioso visitante da Universidade de Stanford e fundador da Restful Company.

Um estudo do Instituto de Tecnologia de Illinois, ainda na década de 1950, descobriu que os cientistas que trabalhavam 35 horas por semana eram menos produtivos do que seus colegas de 20 horas por semana, enquanto que os trabalhadores que suavam 60 horas eram os menos produtivos de todos. Pesquisas mais recentes concordam.

“Algumas empresas, incluindo a Tower Paddle Boards, bem como muitas empresas na Escandinávia, descobriram que seus negócios cresceram — e a satisfação dos funcionários aumentou — depois de cortar as horas de trabalho dos funcionários”, diz Pang.

As rotinas diárias de alguns dos pensadores mais influentes da história também apoiam a noção de que estar descansado é crucial. “Quando você examina as vidas das figuras mais criativas da história, você se confronta com um paradoxo: eles organizam suas vidas em torno de seu trabalho, mas não seus dias”, escreve Pang.

O País da Cocanha, tela de Pieter Bruegel

O País da Cocanha, tela de Pieter Bruegel

Pelos padrões de hoje, o ritmo do naturalista britânico Charles Darwin e do escritor Charles Dickens era digno de vadios ou, no mínimo, de gente preguiçosa. Eles trabalhavam apenas de quatro a cinco horas por dia. O mesmo faziam os escritores Alice Munro, Gabriel García Márquez, W. Somerset Maugham, Anthony Trollope e Peter Carey, o cientista John Lubbock, o diretor Ingmar Bergman, o artista Arthur Koestler e o matemático Henri Poincare. “As horas que esses luminares gastavam em descanso deliberado”, Pang afirma, “eram tão importantes para seu trabalho como o tempo gasto realmente trabalhando. Quando paramos e descansamos adequadamente estamos investindo em criatividade”.

Enquanto muita gente queima pestana até tarde, as rotinas diárias desses escritores, matemáticos e cientistas deveriam encorajar você a deixar o trabalho mais cedo e descansar um pouco.

Em seus 73 anos, Charles Darwin conseguiu publicar 19 livros. Seu último, A Origem das Espécies, é possivelmente o volume mais influente na história da ciência. O tempo que Darwin passou fazendo trabalho científico — teorização, escrita e experimentação — geralmente consistia em apenas três períodos de 90 minutos por dia. Depois de uma curta caminhada matutina e café da manhã, Darwin trabalhava das 8h às 9h30, momento em que ele fazia uma pausa para ler, escrever cartas e ouvir um romance sendo lido em voz alta. Às 10h30, ele retornava ao trabalho e parava ao meio-dia para uma caminhada curta por Sandwalk, um local de Down, perto de Londres. Depois do almoço, mais cartas, uma sesta de uma hora e um lanche. Ele apenas retornava ao escritório entre às 16h às 17h30. Depois, convivia com a família e jantava.

“Se Darwin quisesse assumir um cargo numa universidade atual, jamais seria aceito”, escreve Pang. “Se ele estivesse trabalhando em uma empresa, seria demitido em uma semana.”

G.H. Hardy, um dos principais matemáticos da Grã-Bretanha no início do século XX, iniciava seu dia com café e uma leitura atenta das páginas de esportes dos jornais. Depois se concentrava na matemática das 9h às 13h. Jogos de tênis e longas caminhadas enchiam suas tardes. “Quatro horas de trabalho criativo por dia são o limite para um matemático”, defendia ele, de acordo com Pang. Um colaborador próximo de Hardy, John Edensor Littlewood, concorda, dizendo que a concentração necessária para fazer um trabalho sério era de “quatro horas por dia ou no máximo cinco, com pausas a cada hora”.

Depois de uma juventude notívaga, Charles Dickens, autor de mais de uma dúzia de romances, adotou uma programação chamada por ele de “metódica e ordenada”. Das 9h às 14h, ele escrevia em absoluto silêncio, Depois, almoço, diversão e nada de escrever.

O escritor alemão e prêmio Nobel Thomas Mann, que publicou o aclamado romance Buddenbrooks aos 25 anos, fechava-se em seu escritório diariamente das 9h até às 13h para trabalhar em romances. “Escrevo duas páginas por dia, não menos, não muito mais”. Após às 13h, só leitura, correspondência e passeios”, escreveu Mann. À noite, não todos os dias, ele passava mais uma hora revisando a produção matinal.

Em uma entrevista de 1984 para a The Paris Review, a escritora irlandesa Edna O’Brien falou sobre sua rotina diária de quatro horas de escrita: “Eu me levanto pela manhã, tomo uma xícara de chá e entro nesta sala para trabalhar. Nunca saio para almoçar ao meio-dia, nunca, mas eu paro em torno das 13h e 14h. No resto da tarde, dedico-me a coisas mundanas. À noite, eu leio, vou a uma peça de teatro ou a um cinema ou visito meus filhos. Nunca trabalho à noite.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Jane Austen inventou o seu próprio casamento. Duas vezes

1118384

Do excelente Publico.pt

Autora britânica forjou registros na paróquia de que o pai era responsável ainda durante a adolescência. Em 2017, comemoram-se os 200 anos de sua morte.

O casamento de Elizabeth Bennet com Fitzwilliam Darcy, nas páginas de Orgulho e Preconceito (1813), não terá sido o primeiro casamento criado por Jane Austen. Dois documentos que a serem divulgados pelo Arquivo de Hampshire, o condado onde nasceu a autora britânica, mostram que, ainda adolescente, Austen forjou o seu próprio casamento — por duas vezes.

O Arquivo de Hampshire anunciou ter na sua posse os registos de casamento de 1755 a 1812 de Steventon, a localidade onde nasceu Jane Austen, no sudoeste do Reino Unido. O seu pai era padre anglicano e reitor da paróquia, motivo pelo qual a escritora – que os biógrafos acreditam que nunca casou – teve acesso ao livro de assentamentos.

Os dois registros encontrados estão escritos à mão, presumivelmente pela própria Jane Austen, sobre páginas de uma espécie de formulário de casamento previamente impresso. O primeiro desses documentos diz respeito à suposta boda entre Jane Austen e Henry Fitzwilliam de Londres. O segundo refere o casamento com Edmund Mortimer de Liverpool. Os investigadores não conseguem precisar se Fitzwilliam ou Mortimer eram, de fato, pessoas reais, ou personagens saídas da imaginação da escritora.

Os especialistas acreditam que Austen seria ainda uma adolescente no momento em que forjou estes dois registros de casamento, revelando “uma faceta surpreendente durante os seus anos de juventude”, valoriza o porta-voz para a cultura do condado de Hampshire, Andrew Gibson, citado pela agência AFP. “Este documento singular revela um outro lado do caráter de Jane Austen”, acrescenta.

Os registros agora resgatados pelo Arquivo de Hampshire vão ser expostos ao público em Maio no Winchester Discovery Center integrados na exposição A Misteriosa Menina Austen, que assinala os 200 anos da morte da autora. Os documentos sob a guarda da mesma instituição e que também serão mostrados na ocasião incluem ainda o registro de batismo de Austen, em 1775, escrito pelo seu próprio pai, e o registo do seu funeral, na Catedral de Winchester.

A autora de Orgulho e Preconceito e Razão e Sentimento, entre outras obras, morreu em 1817, aos 41 anos. O bicentenário dessa data, que se ocorrerá em 18 de julho, serão comemorados em todo o Reino Unido.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

ONU: Brasil cai e fica em 22º lugar em ranking de felicidade; a fria e ateia Noruega lidera

Noruega

Com informações da BBC Brasil

Não tinha escapatória, né? Com os Temer e seus coxinhas indiciados no poder, o Brasil ficou ainda mais triste, agora segundo as Nações Unidas.

A liderança passou da fria Dinamarca — país com maioria ateia — para a Noruega, que é bem parecida. Uma pesquisa de 2016 revelou que 39% dos noruegueses não acreditam em Deus, contra 37% de crentes, e 23% que responderam não saber. Se Deus não os deixa mais felizes, também o sol e calor não parecem ter muita influência positiva na felicidade das pessoas. Mas isso nós, gaúchos, sabemos.

O Relatório Mundial da Felicidade de 2017 foi divulgado nesta segunda-feira (20) pela ONU. O período compreende os anos de 2014 a 2016. O Brasil caiu cinco posições e está agora no 22º lugar entre 155 países. É a segunda queda consecutiva. Na edição de 2016, referente ao período de 2013 a 2015, o país já havia caído do 16º para o 17º lugar.

O ranking de 2017 é encabeçado pela Noruega, que tirou a liderança da Dinamarca. Islândia, Suíça e Finlândia completam a lista das nações mais felizes do mundo. Portugal é o quarto país menos feliz da Europa.

Na outra ponta, as mais tristes são Ruanda, Síria, Tanzânia e Burundi. A República Centro-Africana ocupa a lanterna.

A Europa Ocidental e a América do Norte dominam o topo do ranking, com os Estados Unidos e o Reino Unido nas 14ª e 19ª posições, respectivamente.

Já países na África Subsaariana e atingidos por conflitos tiveram notas previsivelmente mais baixas. A Síria em guerra ficou no 152º lugar entre 155 países, e Iêmen e Sudão do Sul, que estão enfrentando fome iminente, estão nas 146ª e 147ª posições, respectivamente.

O Relatório Mundial da Felicidade foi divulgado para coincidir com o Dia Internacional da Felicidade da ONU.

Clipboard01

O levantamento é baseado em uma única pergunta simples e subjetiva feita a mais de 1 mil pessoas todos os anos em mais de 150 países: “Imagine uma escada, com degraus numerados de zero na base e dez no topo”, diz a pergunta. “O topo da escada representa a melhor vida possível para você e a base da escada representa a pior vida possível para você. Em qual degrau você acredita que está?”

O resultado médio é a nota do país – que, neste ano, variou de 7.54 (Noruega) a 2.69 (República Centro-Africana).

Mas o relatório também analisa as estatísticas para explicar por que um país é mais feliz do que o outro. Entre os dados observados, estão o desempenho da economia (medido pelo PIB per capita), apoio social, expectativa de vida, liberdade de escolha, generosidade e percepção de corrupção.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Os países que consomem mais maconha no mundo

Traduzido (con alcuna licenza), do The Telegraph

Um novo relatório afirma que o governo do Reino Unido deve legalizar a maconha porque é “a única solução para a diminuição dos problemas de crime e vício”. O estudo, intitulado O Efeito da Maré: como o mundo está mudando seu pensamento em relação à Cannabis, foi produzido pelo Instituto Adam Smith e tem o apoio de vários deputados.

Clipboard01

Link para o excelente infográfico, origem da imagem acima

De acordo com o Instituto, a atual estratégia de drogas do Reino Unido “falhou em seus principais objetivos de impedir que as pessoas usem drogas, fabriquem drogas”. Também falharam “em acabar com o crime, a corrupção e a morte relacionadas com o tráfico que ocorrem em grande escala em todo o mundo”.

O relatório afirma que a legalização reduziria o crime organizado, melhoraria a qualidade (e portanto a segurança) da cannabis e seria bom para os cofres do Tesouro. Uma indústria legal de cannabis do Reino Unido, calcula, iria movimentar 6,8 bilhões de libras anualmente, com 1 bilhão indo direto para o Tesouro

Vários países tiveram um repensar a cannabis nos últimos anos. Portugal descriminalizou todas as drogas em 2001 e dentro de uma década o uso de substâncias foi reduzido pela metade. O Uruguai adotou uma abordagem semelhante — legalizou a maconha em 2013 — enquanto a Califórnia, Massachusetts e Nevada se tornaram recentemente os últimos estados dos EUA a votar pela legalização da droga. .

Embora a cannabis não seja legal na Holanda, ela pode ser amplamente consumida nos coffee shops do país. Amsterdam é estigmatizada com a cidade da maconha. No entanto, apesar da liberdade, os cidadãos holandeses não são os maiores usuários do mundo: de acordo com o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), essa distinção vai para a Islândia.

Top 30 países consumidores de cannabis (percentual da população entre 15 e 64 anos)

1 Islândia – 18,3%
2 Estados Unidos – 16,2%
3 Nigéria – 14,3%
4 Canadá – 12,7%
5 Chile – 11,83%
6 França – 11,1%
7 Nova Zelândia – 11%
8 Bermuda – 10,9%
9 Austrália – 10,2%
10 Zâmbia – 9,5%
11 Uruguai – 9,3%
12 Espanha – 9,2%
13 Itália – 9,2%
14 Madagáscar – 9,1%
15 República Checa – 8,9%
16 Israel – 8,88%
17 Santa Lúcia – 8,87%
18 Belize – 8,45%
19 Barbados – 8,3%
20 Holanda – 8%
21 Groenlândia – 7,6%
22 Jamaica – 7,21%
23 Dinamarca – 6,9%
24 Suíça – 6,7%
25 Egito – 6,24%
26 Reino Unido – 6,2%
27 Irlanda – 6%
28 Estônia – 6%
29 Bahamas – 5,54%
30 Serra Leoa – 5,42%
(O Brasil tem 2,6%)

Os dados do UNODC sugerem que a cannabis é utilizada por 18,3 por cento da população da Islândia (15-64 anos). Os EUA (16,2%) e a Nigéria (14,3%) apresentaram a segunda e terceira maiores taxas de consumo; o Reino Unido ficou em 26º lugar na lista, seguido pela Irlanda. E a Holanda? Está em 20º.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

A diferença entre verão e inverno na Finlândia

Clipboard01Este vídeo consiste em duas sequências sincronizadas, uma tomada durante o dia mais longo do inverno e outro durante o dia mais claro do verão na cidade de Kuopio, Finlândia. Kuopio fica mais próximo do Polo Norte do que Ushuaia do Polo Sul. A cidade argentina fica a 54º ao sul e a finlandesa a 62º. Só por curiosidade: a cidade de Moguilev — onde nasceu a Elena — e Minsk, ambas na Bielorússia (Belarus), ficam a 53º ao Norte, correspondendo à Terra do Fogo.

Abaixo, o inverno está à esquerda e verão à direita, claro.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Alexandre Moraes, um lombrosiano no STF?

alexandre-de-moraes-dupla-2

O psiquiatra, cirurgião, higienista, criminologista, antropólogo e cientista italiano Cesare Lombroso, no anseio de buscar as motivações das práticas criminosas, concentrou-se no estudo da essência do criminoso, desenvolvendo uma extensa pesquisa empírica de traços físicos e mentais com indivíduos encarcerados, doentes mentais e soldados, denominada Antropologia Criminal. Considerando tais elementos, a pesquisa de Lombroso estabeleceu esses traços em “estigmas” passíveis de determinação de um potencial delitivo. Neste sentido, despida de qualquer tipo de livre arbítrio, a prática criminosa estaria sujeita apenas às características patológicas do indivíduo. Ele se deliciaria com o Ministro da Justiça Alexandre Moraes.

moraes

É claro que eu não acredito em Lombroso, é claro que suas teorias estão amplamente superadas, é óbvio que eu conheço muita gente boa com jeitinho de neandertal, mas se eu visse Alexandre Moraes à noite vindo na minha direção, na mesma calçada… Eu atravessaria a rua.

O que deixaria Lombroso feliz seria o vídeo abaixo, onde o futuro ministro do STF tem um chilique e passa derrubar pés de cannabis com um facão. É uma guerra perdida, mas que soa como a música de Roberto Carlos aos ouvidos conservadores. Lombroso acaba de me soprar aqui no ouvido. “Esse crânio, esse descontrole, observe bem, Milton. Aposto que ele leva um pente no bolso”.

Por aí, estão chamando Moraes de “Alexandre, o Glande”.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O que o Facebook vê quando nos apaixonamos

via Fernando Guimarães
tradução e adaptação libérrimas de Milton Ribeiro

Durante os 100 dias antes do início da relação, observamos um aumento lento, mas constante, no número de postagens compartilhadas entre o futuro casal. A outra notícia é que os cientistas do Facebook sabem mesmo demais a nosso respeito.

1

Viram? O Facebook pode entender muito bem suas intenções e perspectivas românticas.

Em um post publicado pelo Facebook Data Science, um grupo de cientistas da empresa anunciou que há evidências estatísticas que sugerem claramente o surgimento de relacionamentos antes que eles ocorram.

“Como os casais tornam-se casais”, escreve o cientista de dados Facebook Carlos Diuk, “as duas pessoas entram em um período de aproximação, durante o qual o tempo de Facebook aumenta. Depois que o casal torna-se oficial (em relacionamento sério), seus posts diminuem drasticamente, presumivelmente porque os dois estão felizes e passam mais tempo juntos”.

No post, Diuk dá números claros:

Durante os 100 dias que antecedem o início da relação, observa-se um aumento lento, mas constante, no número de postagens compartilhadas entre o futuro casal. Eles se curtem, chamam a atenção um do outro. Quando a relação começa (“dia 0”), os posts começam a diminuir. Observamos um pico médio de 1,67 postos por dia 12 dias antes do início da relação e depois os números começam a cair. Entendemos que os casais decidem passar mais tempo juntos e as interações on-line dão lugar a interações no mundo físico.

Você pode ver esses dados no gráfico acima. O número de posts no perfil sobe e sobe, até cair quando as coisas se tornam oficiais.

A equipe do Facebook Data Science costuma divulgar informações amorosas dentro do enorme volume de dados da empresa possui sobre relações sociais. Eles também sabem o quanto os relacionamentos duram normalmente e como o amor se correlaciona com religião e idade. Já os dados comerciais eles não gostam tanto de divulgar…

Voltando a nosso tema, Diuk também revela que, ao mesmo que o número de postos diminui, estes se tornam mais felizes. “Observamos uma espetacular melhora no humor após o ‘dia 0’. Aqui está um gráfico descrevendo essa mudança:

2

Para a análise de sentimentos como os descritos acima, a ciência está longe de ser perfeita. Os robôs não são muito bons em interpretação e sarcasmo. Mas muitas vezes é interessante saber.

A equipe tomou vários cuidados para não errar muito. A fim de eliminar os falsos relacionamentos do Facebook, ele só analisou os casais que entraram em “relacionamento sério” entre os meses de abril e outubro, evitando os períodos de festas.

Para que seguir postando se há coisas mais legais para fazer agora?

Para que seguir postando se há coisas mais legais para fazer agora?

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

As Origens da Cachaça

Eu adoro cachaça e pelo visto fiz escola em casa. Meu filho que mora em Berlim pediu que eu levasse alguma coisinha para ele. Sabia da origem do nome pinga — a primeira cachaça teria sido bebida por escravos negros de gota em gota, pois a cachaça caía do teto de onde o melaço fora preparado. Há a teoria de que o líquido também servira para curar ferimentos das costas de escravos, daí o nome aguardente. Nos primórdios a cachaça era consumida apenas por escravos e gente da ralé. Que tolinhos… O texto que segue é do professor e mestre em História Rainer Sousa.

cachacas

No começo da colonização do Brasil, a partir de 1530, a produção açucareira apareceu como primeiro grande empreendimento de exploração. Afinal, os portugueses já dominavam o processo de plantio e processamento da cana – já realizado nas ilhas atlânticas – e ainda contavam com as condições climáticas que favoreciam a instalação de grandes unidades produtoras pelas regiões litorâneas no território.

Para que todo esse trabalho fosse realizado, os portugueses acabaram optando pelo uso da mão de obra escrava dos africanos. Entre outras razões, os colonizadores notavam que os escravos africanos eram mais adaptados do que os índios ao trabalho compulsório, apresentavam maiores dificuldades para empreender fugas e geravam lucro à Coroa por conta dos impostos cobrados sobre o tráfico negreiro.

No processo de fabricação do açúcar, os escravos realizavam a colheita da cana e, após ser feito o esmagamento dos caules, cozinhavam o caldo em enormes tachos até se transformarem em melado. Nesse processo de cozimento, era fabricado um caldo mais grosso, chamado de cagaça, que era comumente servido junto com as sobras da cana para os animais.

Tal hábito fazia com que a cagaça fermentasse com a ação do tempo e do clima, produzindo um liquido fermentado de alto teor alcoólico. Desse modo, podemos muito bem acreditar que foram os animais de carga e pasto a experimentarem primeiro da nossa cachaça. Certo dia, muito provavelmente, um escravo fez a descoberta experimentando daquele líquido que se acumulava no coxo dos animais.

Outra hipótese conta que, certa vez, os escravos misturaram um melaço velho e fermentado com um melaço fabricado no dia seguinte. Nessa mistura, acabaram fazendo com que o álcool presente no melaço velho evaporasse e formasse gotículas no teto do engenho. Na medida em que o liquido pingava em suas cabeças e iam até a direção da boca, os escravos experimentavam a bebida que teria o nome de “pinga”.

Nessa mesma situação, a cachaça que pingava do teto atingia em cheio os ferimentos que os escravos tinham nas costas, por conta das punições físicas que sofriam. O ardor causado pelo contato dos ferimentos com a cachaça teria dado o nome de “aguardente” para esse mesmo derivado da cana de açúcar. Essa seria a explicação para o descobrimento dessa bebida tipicamente brasileira.

Inicialmente, a pinga aparecia descrita em alguns relatos do século XVI como uma espécie de “vinho de cana” somente consumida pelos escravos e nativos. Entretanto, na medida em que a popularização da bebida se dava, os colonizadores começaram a substituir as caras bebidas importadas da Europa pelo consumo da popular e acessível cachaça. Atualmente, essa bebida destilada é exportada para vários lugares do mundo.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Brasil fica em sexto lugar no ranking de países ‘mais ignorantes’ do mundo

Não chega a ser uma novidade. Quando vemos nossos representantes, quando vemos o crescimento dos evangélicos, o sertanejo universitário, etc., temos uma ideia clara da ignorância de nosso povo. Afinal, como dizia o Barão de Itararé, “Se há um idiota no poder, é porque os que o elegeram estão bem representados”. Mas a ideia principal da pesquisa foi a de ver o quanto cada país conhecia de si mesmo. Dos 40 países pesquisados, vencemos apenas os Estados Unidos — país-modelo de tantos brasileiros –, a África do Sul, a Taiwan de Trump, China e Índia. O levantamento ouviu 27.250 pessoas entre setembro e novembro deste ano em 40 países. Venceu a Holanda, seguida de Inglaterra, Coreia do Sul, República Tcheca e Malásia.

Clique na imagem para ampliar

Clique na imagem para ampliar

Do Blog do Brasilianismo

O Brasil é o sexto colocado em um ranking que avalia o nível de ignorância da população de 40 países em relação à realidade vivida neles.

O dado é um dos resultados da pesquisa ”Os Perigos da Percepção”, realizada pelo instituto Ipsos Mori. O estudo avaliou o conhecimento geral e a interpretação que as pessoas fazem sobre o país em que vivem e comparou esta percepção com dados oficiais de cada país – quanto mais próxima a percepção da realidade, menor é considerada a ignorância do país.

O resultado indica que as pessoas em todos os países avaliados têm uma interpretação muito equivocada da realidade.

Entre os temas abordados, o levantamento mostra que a população da maioria dos países acredita que a riqueza é mais bem distribuída do que ela de fato é. Além disso, pensam que a população do lugar onde vivem é menos feliz do que elas dizem ser, acham que a proporção de muçulmanos na sociedade é bem maior do que a realidade, e creem que as pessoas são menos tolerantes em relação a homossexualidade, aborto e sexo antes do casamento do que elas de fato são.

O levantamento ouviu 27.250 pessoas entre setembro e novembro deste ano em 40 localidades usando uma combinação de métodos, incluindo pesquisas online, pelo telefone e presenciais.

A pesquisa avaliou a percepção da realidade de pessoas da Alemanha, da África do Sul, da Argentina, da Austrália, da Bélgica, do Brasil, do Canadá, do Chile, da China (e, separadamente, de Taiwan e de Hong Kong), de Cingapura, da Colômbia, da Coreia do Sul, da Dinamarca, da Espanha, , dos Estados Unidos, da França, das Filipinas, da Hungria, da Índia, da Indonésia, de Israel, da Itália, do Japão, da Malásia, do México, do Peru, da Polônia, do Reino Unido, da Rússia da Suécia, da Tailândia, da Turquia e do Vietnã.

Os dados coletados a respeito da percepção de realidade das pessoas foram comparados com informações de diferentes fontes oficiais e institutos de pesquisas respeitados internacionalmente.

A partir dos dados coletados no levantamento e da sua comparação com dados reais, a pesquisa traçou o “índice de ignorância”, listando os países em que a percepção é mais distante da realidade.

O “Índice de Ignorância” é formado a partir da média computada dos resultados no estudo. Por resultado, entende-se a diferença entre as respostas fornecidas pelos respondentes do estudo (percepções) e os dados oficiais de cada país (realidade). Quanto maior a diferença entre percepção e realidade, pior é a classificação do país.

A Índia aparece em primeiro lugar na lista, seguida pela China e por Taiwan. Na ponta oposta do índice, Holanda, Reino Unido e Coreia do Sul aparecem como países menos ignorantes.

Erros

Segundo a pesquisa, os brasileiros erram feio, por 12 pontos percentuais, na percepção do percentual da população muçulmana no país, e se equivocam mais ainda ao achar que esta religião está crescendo no país, e poderia chegar a 18% em 2050 (dados reais apontam que a proporção é de menos de 1%, e deve permanecer assim).

Questionados sobre a proporção da população que diz ser feliz, os entrevistados brasileiros disseram acreditar que era de 40%, quando dados de estudos indicam que são 92% os brasileiros que se dizem felizes.

Os brasileiros ouvidos no levantamento acham que o país é mais tolerante do que ele realmente é. Para os entrevistados, 51% dos brasileiros acham que a homossexualidade é moralmente aceitável, mas dados reais indicam que só 39% da população pensa assim.

Entrevistados disseram acreditar que 43% da população acha que o sexo antes do casamento é inaceitável, mas o dado real é de 35%; e que 61% do país acha o aborto moralmente inaceitável (dados reais indicam que 79% da população pensa assim).

O levantamento indica erro dos entrevistados também em relação à desigualdade. Para os ouvidos, os 70% menos ricos do país possuem 24% da riqueza do Brasil, quando na verdade possuem apenas 9%.

Entre as perguntas da pesquisa, o dado em que os brasileiros ouvidos mais se aproximaram da verdade foi em relação ao tamanho da população. Para os entrevistados, o país tem 200 milhões de habitantes, pouco menos do que os 207 milhões de dados atualizados do censo, diz o estudo.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Realmente devia ser um inferno viver em Cuba sob Fidel

Imagens de ontem em Cuba. Como disse um comentarista abaixo, “Cuba é uma ilhota se comparada com seu todo poderoso vizinho. Mesmo assim possui índices melhores na saúde e na educação. Então, se quiserem criticar Cuba e Fidel, primeiro façam melhor”.

foto

People watch the caravan carrying Cuba's late President Fidel Castro's ashes in Camaguey

clipboard01

clipboard011

clipboard02

plaza-de-la-revoluncion-homenaje-a-fidel-castro-ruz03-copia-768x497

36581810_401

 

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

No dia da morte de Fidel, lembro de minha longa conversa com Padura

Foto de Alberto Korda. Clique para ampliar.

Foto de Alberto Korda. Clique para ampliar.

Quando conversei com Leonardo Padura, ele foi muito franco sobre seu país. Pediu que ficassem off-the-record apenas algumas de suas impressões sobre o Brasil. Falou que há uma esquerda romântica que vê Cuba como paraíso socialista e há uma direita muito agressiva, que a vê como um inferno comunista. E Cuba não é uma coisa nem outra. Segundo ele, o país parece mais com o purgatório. Porém… “Como leste em meus livros, sabes o quanto sou crítico de muitas coisas que ocorrem em Cuba, mas posso te dizer com toda certeza que, por sorte, lá nunca houve os excessos que ocorreram na União Soviética, na Alemanha e nos países do oeste. É uma sociedade que teve e tem, sobretudo, grandes problemas econômicos. A economia não funciona bem e a política está presente na vida das pessoas, mas nunca tivemos grande repressão. Há controle, é uma sociedade muito controlada, de um partido único, em que o estado e o governo são os mesmos. Há controle, repito, mas sem excessos. Lezama Lima, por exemplo, jamais teria sido publicado na URSS ou na Europa Oriental comunista. Até hoje teria problemas na Rússia. Em Cuba, foi. E isso aconteceu nos anos 60”.

Sobre a relação dos escritores cubanos com o mercado, foi ainda mais tranquilo: “Até 1990, 91, cada vez que um escritor cubano publicava um livro fora do país, tinha que fazê-lo através de uma agência literária do Ministério da Cultura. Ela cobrava os direitos e dava a parte do escritor. Já a partir dos anos 90, foi possível a livre contratação. Eu, no ano de 1995, comecei a publicar através de uma editora espanhola. E, desde então, minha relação econômica com o governo cubano é a de um escritor que recebe direitos e que paga impostos, como qualquer trabalhador independente. Pago pontual e religiosamente meus impostos, mas os direitos são meus e de uma agência da Espanha”.

Pois é, eu e Padura | Foto: Roberta Fofonka

Pois é, eu e Padura | Foto: Roberta Fofonka

Conversamos muito sobre Cuba. Sobre a dificuldade de alguém realizar-se no país — parecia que falávamos de toda a América Latina –, sobre a casa onde mora, que é a mesma em que nasceu. Aliás, seu pai e seus avós também viveram no mesmo local. Riu quando, ironicamente, perguntei se a revolução não quisera levá-la. Também sobre a sensação de pertencimento de todo povo cubano. Sobre a pobreza e as fugas. Sobre o excelente sistema de saúde, uma das obsessões de Fidel. E ele contou a piada que já conhecia: “Acaba o comunismo e o pai diz para o filho em Cuba: meu filho, tudo o que te disseram sobre as maravilhas do comunismo eram mentiras, mas tudo o que te disseram sobre o capitalismo era verdade”.

A ingenuidade de tanta gente que vê um país latino tão semelhante ao Brasil como se fosse outra dimensão…

Hoje, dia da morte de Fidel Castro, não é dia de entrar no Facebook. Li cada coisa sobre Cuba… Uns falando no tal paraíso, outros falando em pobreza e que Fidel não deveria ter nascido… Olho para lá, para cá, e concluo que essa gente certamente não mora no Brasil.

fidel-castro-1

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Aconselhamento de casais: o último pingo é necessariamente das cuecas?

Uma leitora de nosso blog — autodenominada “Nojentinha” — observou atentamente seu marido quando este entrou desnudo no quarto. Recém saído do banheiro, ele se deitou ao lado dela. Ela então viu que na ponta do seu pênis havia uma gotinha de cor amarela. Pior, havia pentelhos polvilhados de gotículas de mesma coloração. Houve choque, gritos, rejeição. O pobre homem foi chamado de nojento, assim como toda a raça masculina — a nossa, imaginem. Sem dúvida, um sério problema matrimonial. Ela me pergunta se tais fatos são normais na vida de casal.

Ora, Nojentinha, infelizmente minha resposta é SIM. Trata-se de um simples problema hidráulico. Imagine uma mangueira com um dos lados fechado. Não adianta atirá-la para todos os lados a fim de que a água saia. Não funciona nem para o mangueirão do jardim nem para a mangueirinha de seu marido.

0841

Então você provavelmente perguntará: se o porco do meu marido não consegue livrar-se dos pingos logo após a mijada libertadora, por que eles molharão a cueca dali a alguns minutos?

A explicação é simples: a coisa é lenta, Nojentinha. Na medida que algum mililitro (ml) de líquido seja reabsorvido pela uretra marital (ou na medida em que o líquido evapore), estará criada a condição para que o pingo seja substituído pelo ar. Então, quando o pênis ficar em determinado ângulo favorável à entrada de ar, o pingo marital, amarelo e brilhante, pingará sobre a cueca. É tão inevitável quanto a mangueira de seu jardim, que fica mijona após alguns minutos.

Há duas soluções: (1) o seu marido permanecer no banheiro aguardando por todos os pingos ou (2) troque-o por uma mulher.

Os leitores que desejarem outros esclarecimentos sobre a vida adulta podem usar a caixa de comentários. Eu explico tudo.

Ele pode ser maravilhoso, mas vai pingar sua Mash.

Ele pode ser maravilhoso, mas vai pingar sua Mash.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Desculpem os norte-americanos, mas o avião é mesmo uma invenção brasileira

14-bis-olimpiadasUma parte da cerimônia de abertura das Olimpíadas irritou os norte-americanos e provocou um debate: o avião foi inventado por Santos Dumont ou pelos irmãos Wright?

Pergunte a qualquer brasileiro quem foi o inventor o avião e você obterá sempre a mesma resposta: Alberto Santos Dumont. Em 23 de outubro de 1906, o inventor brasileiro levantou voo com seu 14-bis em Paris e foi reconhecido como o fundador e pai da aviação pela Federação Aeronáutica Internacional (FAI), coisa que os Wright jamais conseguiram.

Porém, quando a Cerimônia de Abertura da Rio 2016 comemorou a invenção de Santos Dumont, foi iniciado um grande debate, especialmente nos EUA. Afinal, os americanos também são unânimes em dizer que, três anos antes, Orville e Wilbur Wright foram os primeiros homens a voar. Os narradores da rede NBC chegaram a sugerir a seus espectadores norte-americanos que os brasileiros estavam fazendo uma piada…

Porém, desculpem, os irmãos Wright não inventaram o avião. O que eles construíram foi um planador.

Assim, até eu

O primeiro voo dos Wright: com rampa e vento, até eu

De acordo com especialistas em aviação, eles não somente utilizaram um trilho de lançamento para impulsionar o avião, como realizaram seu “primeiro voo” com ventos fortes e num declive. Ou seja, não há realmente nenhuma prova de que o “Kitty Hawk” (acima) tenha sido capaz de decolar por conta própria.

Por outro lado, o avião de Santos Dumont, o 14-bis, não precisou nem de ventos, nem de qualquer ajuda externa. Sua aeronave voou por cerca de 61 metros completamente por conta própria. Graças ao voo, o brasileiro ganhou um prêmio de 1.500 francos do Aéro-Club de France. De acordo com a Federação Aeronáutica Internacional (FAI), o 14-bis foi o primeiro do avião do mundo. Depois, quando os Wright reivindicaram a invenção para si, a FAI convidou a dupla para contestar a primazia, mas eles nunca apareceram.

Entre as muitas condições para reconhecer o primeiro voo, a FAI havia estabelecido condições meteorológicas sem ventos e a necessidade de a aeronave decolar por seus próprios meios.

14-bis-flight

Os norte-americanos que defendem os irmãos Wright cometem 3 grandes erros nacionalistas. O primeiro é o de confundir avião com “planador”. O segundo seria atribuir a invenção do planador aos irmãos Wright quando foi Leonardo da Vinci quem o inventou. E o terceiro, é que avião é aquilo que “se levanta do chão por seus próprios meios”, ou seja: tem motor.

.oOo.

14-bis — Especificações
Fabricante Alberto Santos Dumont
Primeiro voo em 23 de outubro de 1906
Tripulação 1 – piloto
Dimensões
Comprimento 10 m
Envergadura 12 m
Altura 4,8 m
Peso(s)
Peso vazio 160 kg
Propulsão
Potência (por motor) 50 hp
Performance
Velocidade máxima 30,8 km/h

14 bis

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Por que os cidadãos de Bielorrússia estão postando nus nas redes sociais em nome do interesse nacional

Da BBC Brasil

Este grupo de balconistas em um loja de roupas atendeu - literalmente - ao pedido presidencial

Este grupo de balconistas em um loja de roupas atendeu – literalmente – ao pedido presidencial

Quando o polêmico presidente de Bielorrússia (Belarus), Aleksandr Lukashenko, pediu que a população “tirasse a roupa e trabalhasse até suar”, sua intenção era apelar aos conterrâneos em meio a uma das piores crises econômicas da ex-república soviética nas últimas décadas. Ele falou em tirar a roupa, porque o país vai de mal a pior e faz calor neste início de verão e todos estão usando roupas leves.

Acontece que o rublo, a moeda do país, sofreu uma desvalorização de 60% nos últimos meses e o índice de desemprego é estimado em 15% — porém, de acordo com as estatísticas oficiais, ele é de apenas 0,7%. É que o controle ferrenho de informações é uma das marcas do regime de Lukashenko, conhecido como o “último ditador da Europa”.

Mas os bielorrussos reagiram de forma sarcástica ao pedido do presidente, no poder desde 1994, ironicamente apelidado de ‘papai’ (batska, em russo). Nas redes sociais, diversos “nudes” surgiram, com a hashtag (aqui traduzida) #fiquenuetrabalhe.

As fotos marcam um protesto simbólico contra "papai"

As fotos marcam um protesto simbólico contra “papai”

"Estamos agindo de acordo com a vontade do presidente"

“Estamos agindo de acordo com a vontade do presidente”

Não foi apenas em escritórios que os bielo-russos acataram o pedido presidencial

Não foi apenas em escritórios que os bielorrussos acataram o pedido presidencial

Mas não foi apenas em imagens que os conterrâneos de Lukashenko protestaram. Canções de protesto parodiando a mensagem presidencial circularam pela internet.

Só que os nudes se mostraram mais populares, e não apenas em Belarus. Em países vizinhos, como Rússia, Ucrânia e os países bálticos (Estônia, Letônia e Lituânia), imagens de pessoas nuas em ambientes de trabalho também viralizaram durante o fim de de semana. Interessante.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Na Inglaterra, fracassa suicídio coletivo homeopático

Notícia antiga, mas plenamente válida em função do que ouvi anteontem no Tuim.

homeopatia

Precisamente às 10:23 da manhã do último dia 30 de janeiro, mais de 400 céticos britânicos ingeriram quantidades maciças de remédios homeopáticos buscando uma “overdose” que, se a homeopatia funcionasse, deveria ter causado sérias consequências. Felizmente, como se queria demonstrar, todos saíram ilesos deste protesto público contra a venda de “remédios” homeopáticos que não possuem qualquer efeito comprovado além do placebo. Uma overdose de pílulas de açúcar não tem efeito maior do que uma bala. De doce, claro.

“Pensamos que não se deveria vender pílulas de açúcar a pessoas que estão doentes. A homeopatia nunca funciona melhor que um placebo. Os remédios são tão diluídos que não há nada neles”, declarou Michael Marshall, da Sociedade de Céticos de Merseyside. E nestas declarações, Marshall estava incrivelmente apenas repetindo as declarações de quem vende tais produtos e mesmo daqueles que os receitam. Explica-se.

Um dos principais alvos da campanha 10:23 foi a cadeia de farmácias “Boots”, que oferece produtos homeopáticos em suas prateleiras lado a lado com remédios que realmente possuem algum efeito. O mais impressionante é que há meses o principal responsável pela rede de farmácias, Paul Bennett, já havia admitido que os produtos são vendidos porque são populares, e não porque sejam efetivos no tratamento de qualquer doença.

“Não tenho nenhuma prova de que esses produtos funcionam. Trata-se da livre escolha do consumidor, e um grande número de nossos clientes crêem que são eficazes”, declarou ao Comitê de Ciência e Tecnologia à Câmara dos Comuns em Londres. A rede de farmácias parece feliz em respeitar a livre escolha de seus clientes quando isto significa lucrar vendendo produtos que não funcionam.

Em resposta ao protesto cético contra a venda de produtos inócuos a consumidores incautos, mesmo o Conselho de Homeopatas da Nova Zelândia já foi forçado a reconhecer que seus produtos não contêm “substâncias materiais”. A porta-voz do conselho, Mary Glaisyer, admitiu publicamente que “não resta nenhuma molécula da substância original”. É reconhecidamente apenas água ou açúcar. Vale repetir, como Bennett reconheceu, sem nenhum efeito comprovado.

Mesmo antes da demonstração cética, um episódio no início de dezembro de 2009 que poderia ser trágico terminou cômico quando a filha do músico Billy Joel, Alexa Ray Joel, tentou se suicidar tomando uma overdose de remédios. O detalhe é que as pílulas eram de “Traumeel”, um produto homeopático para tratar dor nas articulações. Alexa Ray Joel ligou para a emergência e foi rapidamente tratada, mas ainda que não o fosse “nada iria acontecer porque não há nada [no produto]”, disse o Dr. Lewis Nelson, toxicologista do Centro Médico da Universidade de Nova Iorque. Mal sabia ela que estava comprovando a ineficácia dos produtos homeopáticos.

A ausência de qualquer efeito, mesmo em “overdoses” como as ingeridas pelos céticos britânicos, pode soar mesmo benéfica para alguns, já que pelo efeito placebo muitos dizem sentir-se melhores. Tentativas de suicídio que terminam cômicas… que mal haveria na homeopatia? Isto é, além de sustentar uma indústria multimilionária feliz em cobrar altos valores por produtos sem qualquer eficácia real?

Resulta que há prejuízo social muito concreto, incluindo sofrimento e mortes desnecessárias nada engraçadas.

Como relata o jornalista Simon Singh, homeopatas podem oferecer aconselhamento de saúde claramente nocivo. Questionados sobre se pais deveriam imunizar seus filhos com a vacina tríplice, de 168 homeopatas consultados, 77 responderam mas apenas dois indicaram a vacinação. “É evidente que a enorme maioria dos homeopatas não encoraja a imunização”. Aconselhamentos infelizes como estes contribuíram para o ressurgimento de surtos de sarampo em vários países, incluindo o próprio Reino Unido, onde recentemente os casos passaram de dezenas para milhares.

47195653_mmr_466

Vale notar que o surgimento destas milhares de crianças afligidas pela doença muito real e facilmente prevenível está relacionado também com um estudo de 1998 extremamente deficiente supostamente associando a vacina tríplice ao autismo. Andrew Wakefield, autor do trabalho original que espalhou medo e contribuiu para reduzir o número de crianças vacinadas, foi recentemente julgado pelo Conselho Geral de Medicina britânico como tendo agido de forma “desonesta e irresponsável”, com “notório desprezo” às crianças que foram sujeitos de sua pesquisa.

Seria cômico se não fosse trágico: não só seus resultados não puderam ser reproduzidos por ninguém, havendo indicações de que Wakefield os fraudou. Também se descobriu que o médico estava em verdade tentando patentear sua própria vacina tríplice alternativa, além de ser pago para depor em um julgamento defendendo a ligação da vacina tradicional ao autismo, com algumas das crianças em seu estudo sendo filhas dos mesmos pais envolvidos na ação judicial.

Tudo indica que o suposto médico contra as vacinas queria apenas vender suas próprias vacinas. A saúde pública, o bem-estar de milhões de crianças não foi sua principal preocupação, e como consequência, a taxa de imunização caiu e mais de mil doentes ao ano surgiram onde antes surgia apenas um punhado.

A vacina tríplice é segura e múltiplos estudos independentes da Polônia, Dinamarca, Finlândia, o próprio Reino Unidoe Japão provam que e não possui qualquer relação com o autismo – no Japão, a tríplice foi interrompida após 1993, sem qualquer feito sobre os índices de autismo.

Não muito diferentes de Wakefield, as farmácias que produzem e vendem produtos homeopáticos não são iniciativas corajosas contra as grandes indústrias farmacêuticas. Ao invés, a indústria homeopática está mais do que feliz em lucrar com aquilo que não possui efeito comprovado, e reconhecidamente não possui qualquer substância ativa. A medicina alternativa é em grande parte apenas uma forma alternativa de lucrar com doentes sem esperança.

O que só se torna mais revoltante nos casos em que tais doentes podem encontrar esperanças concretas de prevenção e cura na medicina “convencional”. Indo desde a vacinação, um dos mais poderosos recursos médicos a controlar e erradicar moléstias da paralisia infantil à varíola, até casos como o de Daniel Hauser, felizmente curado do câncer pela medicina, ou o de Gloria Sam, infelizmente morta através da homeopatia.

Nada cômico.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Tchernóbil, 30 anos: ainda uma gota num longo rio de tempo

O desastre de Tchernóbil ou Chernobyl, como se escreveu por anos em nosso país, está completando 30 anos hoje. Jamais pensei que teria alguma ligação com este acidente nuclear, mas hoje felizmente convivo com Elena, nascida na Bielorrússia e que lá estava durante o caso. Seu país, a Bielorrússia ou Belarus, faz fronteira com a Ucrânia, e foi quem mais sofreu com o desastre em função dos ventos e dos rios que levavam para lá a maior parte da radiação emitida pela usina, como se vê nos dois próximos mapas. Foi uma época muito perigosa, até porque as autoridades soviéticas não informaram a população sobre o fato e, num primeiro momento, todos permaneciam vivendo normalmente suas vidas, até visitando o local, dando apoio aos soldados e operários que lá estavam, etc. As pessoas que foram retiradas de Pripiat e arredores não sabiam o motivo pelo qual estavam sendo desalojadas e foram aconselhadas a levarem apenas uma bagagem de mão. Nunca mais puderam ver seus pertences, claro. Nesta reportagem no jornal português Público, há um bom retrato da situação atual e de como a natureza voltou a tomar conta da região. Curiosamente o homem faz mais mal à natureza do que a radiação, mas há o perigo de animais com radioatividade.

map-of-ukraine

.oOo.

Do Publico.pt

Três décadas após o pior desastre nuclear da História, a Ucrânia começa a pensar no que fazer com a antiga central, onde ainda estão 200 toneladas de combustível atômico. As interrogações multiplicam-se.

Um homem participa na vigília pelas vítimas do acidente nuclear de Tchernobil, na localidade de Slavutich onde morava a maior parte dos trabalhadores da central AFP/GENYA SAVILOV

Um homem participa na vigília pelas vítimas do acidente nuclear de Tchernobil, na localidade de Slavutich onde morava a maior parte dos trabalhadores da central AFP/GENYA SAVILOV

O que fazer com Tchernóbil, 30 anos depois do pior acidente nuclear da História? Animais e plantas reconquistaram os mais de quatro mil quilômetros quadrados da zona de exclusão na Ucrânia e na Bielorrússia, onde se concentraram as cinzas radioativas da explosão de um dos reatores da central, por isso fala-se na criação de uma reserva natural. Mas também há planos para criar uma lixeira nuclear ao lado deste paraíso de vida selvagem que durante muitos e muitos séculos continuará contaminado pela radioatividade. O difícil é fazer uma escolha que se possa pagar e de que possa garantir o futuro.

Marina Shkviria descobriu uma alcateia de lobos perto de uma das centenas de povoações abandonadas após a explosão do reator 4 da central de Tchernóbil, no Norte da Ucrânia, a 26 de Abril de 1986, na então União Soviética. Só na Bielorrússia, 70 povoações foram permanentemente enterradas, por terem ficado tão radioativas. “Viemos aqui na Primavera passada e uivamos. As crias responderam do cimo daquele monte”, contou a especialista em lobos da Academia Nacional de Ciências da Ucrânia à National Geographic.

Estes grandes mamíferos tornaram-se ainda mais comuns na região do que nas décadas de 1950 e 1960. “É simplesmente incrível. Não se consegue ir a lado nenhum sem ver lobos”, explicou também à National Geographic o cientista norte-americano Jim Beasley, da Universidade da Georgia (EUA). Beasley é o coordenador de um estudo publicado este mês na revista científica Frontiers in Ecology and the Environment, em que foram montadas 30 câmaras em 94 locais diferentes na zona de exclusão de Tchernóbil para documentar quais as espécies animais ali presentes.

Hoje, no raio de 30 km em torno da acidentada central nuclear que forma a zona de exclusão, há alces, bisontes, ratos-do-campo, águias-de-cauda-branca, andorinhas e outras aves, lebres, imensos castores, linces, ursos castanhos e até uma manada de cavalos de Przewalski, uma subespécie de cavalos selvagens, que foi reintroduzida pela Bielorrússia, quando criou um parque natural — a Reserva Radioecológica Estatal de Polésia. Em biodiversidade, houve uma recuperação espantosa, considerando que a região continua radioativa — e continuará durante muitos séculos, pois foi aqui que se concentrou a maior quantidade da cinza radioativa lançada para a atmosfera pela explosão do reator 4 de Tchernóbil.

tchernóbil

Seria aceitável criar uma lixeira nuclear aqui, no raio dos 10 km mais próximos da central, para depositar os subprodutos do combustível usado nos 15 reatores que a Ucrânia tem ainda em funcionamento?

A Ucrânia é o país que mais depende da energia nuclear — cerca de 60% da eletricidade que consome provém das suas envelhecidas centrais, e não tem intenções de desistir desta forma de energia, apesar de Tchernóbil. Só que, com o conflito com o vizinho russo, deixou de poder transportar os seus lixos nucleares para a Rússia para serem reprocessados, porque Moscou quis aumentar muito os preços que cobrava e Kiev não aceitou. Agora, as varas de combustível usado estão a acumular-se nas centrais, precisando de uma solução, e a hipótese de usar Tchernóbil para isso começou a ser explorada.

Coexistência pacífica

O PÚBLICO quis saber o que pensam os cientistas de aumentar a carga nuclear em Tchernóbil, quando ali, no reator acidentado, ainda estão 200 toneladas de combustível que derreteu no incêndio de 1986 e hoje em dia é ainda tecnologicamente impossível retirar. Fez-se a pergunta a Jim Smith, investigador da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido, que há 30 anos tem feito estudos de radioecologia em Tchernóbil e a resposta é surpreendente.

“Se for gerido de forma adequada, uma lixeira nuclear e uma reserva de vida selvagem podem coexistir ali, porque é uma zona grande. Isto provavelmente é um conceito estranho, mas acho que é possível”, afirmou o cientista. “Seria muito triste”, sublinha, “que ao criar uma lixeira nuclear se afetasse a sua atual situação como uma espécie de reserva natural”.

“Como não há propriamente pessoas a viver ali, evitar-se-ia muitos problemas e o custo elevado de comprar terrenos privados e obrigar pessoas a mudarem-se. É compreensível que ninguém goste de ter lixeiras nucleares ao pé do local onde vive, ainda que nós, os cientistas, achemos que os riscos são muito reduzidos”, diz Jim Smith. “Uma vez que a zona já foi evacuada, os riscos de uma fuga (que eu julgo que são muito pequenos) são muito reduzidos”.

O ministro do Ambiente do novo Governo ucraniano, no entanto, disse que pretendia transformar a zona de exclusão de Tchernóbil “numa plataforma única para fazer investigação científica”. Sem especificar como ou o que seria investigado.

A vida selvagem tomou conta da zona de exclusão de Tchernobil na Ucrânia e Bielorrússia REUTERS / VASILY FEDOSENKO

A vida selvagem tomou conta da zona de exclusão de Tchernobil na Ucrânia e Bielorrússia REUTERS / VASILY FEDOSENKO

Meia-vida

Os elementos químicos radioativos mais perigosos produzidos pela fissão nuclear que permanecem no ambiente são o césio 137 e o estrôncio 90. No entanto, em 2016 atinge-se a vida-média destes dois radioisótopos — o que quer dizer que só metade da quantidade libertada permanece no ambiente. O resto desintegrou-se — mas, enquanto isso aconteceu, emitiu radiação beta e gama, que penetra nos tecidos dos seres humanos e animais.

Na maior parte da zona de exclusão, no exterior dos primeiros dez quilômetros e fora algumas áreas de maior concentração de césio 137, a radioatividade ronda os 500 quilobequeréis por metro quadrado — um nível seguro para os seres humanos, desde que não comam produtos naturais que se tornam muito radioativos, como os cogumelos, tinha dito à New Scientist Jim Smith.

Mas os animais que lá têm vivido são também radioativos e têm sofrido os efeitos da radioatividade nos seus genes, na capacidade de deixarem descendência. Ainda não são conclusões definitivas, mas há vários estudos que mostram os efeitos negativos sobre várias espécies. A forte incidência de cataratas em ratos-do-campo e em algumas aves, por exemplo, ou o parcial albinismo de uma espécie de andorinhas, numa geração, que deixou de acontecer na geração seguinte — talvez porque tiveram menos sucesso reprodutivo e não voltaram à zona de exclusão, depois de terem migrado para terras mais quentes, no Inverno.

Os lobos tornaram-se abundantes e, como espécie, beneficiaram da ausência do homem — os efeitos da presença humana são mais negativos para os animais de Tchernóbil do que a radioatividade, isso é já algo que os cientistas podem afirmar. Mas se se tentar analisar os efeitos da radioatividade indivíduo a indivíduo, percebe-se que não há como escapar. “Os cogumelos concentram radiação. Os ratos-do-campo adoram cogumelos. Quando comem cogumelos contaminados, concentram radiação nos seus corpos. Quando os lobos comem ratos-do-campo, estão também a concentrar radiação no seu corpo”, explicou à National Geographic a especialista em lobos Marina Shkviria. Tornam-se lobos radioativos, como lhes chamou um documentário da PBS americana em 2011.

Turismo atómico

Pensar num regresso de populações a Tchernóbil e à zona de exclusão não é, por isso, um cenário viável — ainda que se tenha desenvolvido, nos últimos anos, um turismo em torno de curtas excursões às povoações abandonadas depois do acidente nuclear. Por exemplo, a áreas da cidade de Pripiat, de onde foram retiradas quase 50 mil pessoas 36 horas após o acidente na central, ainda sem serem informadas da gravidade do que se tinha passado, embora tenham visto a fumaça do fogo no reator das suas varandas.

Pripiat continua a ser um local proibido, mas pode ser visitado, com um guia local, durante algumas horas, estando o guia equipado com um dosímetro, para verificar a quantidade de radiação que se recebeu, e estando todos bem protegidos. Por cerca de 200 euros, é possível fazer uma vista com mais 40 turistas, vindos na maior parte da capital ucraniana, Kiev, que fica a uma hora de carro. Também é possível fazer um passeio com menos gente, com objetivos específicos — mas ficará mais caro.

Os guias são alguns dos pouco mais de uma centena de samoseli, antigos habitantes que regressaram às casas e aldeia que foram obrigados a deixar. Cerca de 116 mil pessoas foram retiradas por causa da radiação, e nos anos seguintes mais 230 mil foram desalojados de suas casas, quando os cientistas descobriram que o cenário era muito pior do se pensava.

Pripriat, construída em 1970, tinha mais de 13 mil apartamentos, um cinema, um hospital, um centro cultural, várias fábricas, lojas e cafés, uma estátua de Lenine. Dias antes do desastre nuclear, tinha sido montada uma roda gigante, para as comemorações do Dia do Trabalhador, a 1 de Maio, e do Dia da Vitória na II Guerra Mundial, 9 de Maio. A delapidada animação de feira tornou-se um dos símbolos da cidade abandonada e da catástrofe nuclear. Os muitos objetos deixados para trás — disseram aos habitantes para levar só uma mala leve, estariam afastados por pouco tempo — foram sendo destruídos ou pilhados, apesar do risco da radiação.

Mas estão lá coisas que não podem ser facilmente levadas, como as escavadoras usadas para fazer um túnel, através do qual foi canalizado azoto líquido para congelar o reator em chamas, depois de terem sido lançados sacos de areia, a partir de helicópteros, para estancar as chamas. As máquinas ficaram tão radioativas que não puderam sair dali.

Queixas das vítimas

Na luta contra a catástrofe nuclear de Tchernóbil participaram cerca de 600 mil pessoas — os “liquidadores”, como ficaram conhecidos. Mas 30 anos depois, estão a ser cortados os benefícios de que gozavam as vítimas de Tchernóbil, na Ucrânia como na Rússia, por serem demasiado caros. Compensações monetárias, reformas, ajuda nos cuidados de saúde e medicamentos — tudo isso está a sofrer cortes, com o argumento de que é muito caro, ou então de que os níveis de radioatividade estão a reduzir-se.

Das 4413 localidades russas atingidas pelos efeitos de Tchernóbil, 383 verão, a partir de Julho, os apoios estatais baixarem e 558 serão erradicadas da lista, quando entrar em vigor o decreto presidencial que considera que, como a radioatividade baixou, já não necessitam de ajuda especial. “Com este decreto, o Estado recusa-se a reconhecer que serão precisos 2000 anos e não 30 para descontaminar uma zona”, denuncia o biólogo Anton Korsakov, citado pela AFP. Cerca de cinco milhões de pessoas vivem atualmente em zonas contaminadas, diz a organização ambientalista Greenpeace.

Uma lontra nada na zona de exclusão de Tchernobil REUTERS / VASILY FEDOSENKO

Uma lontra nada na zona de exclusão de Tchernobil REUTERS / VASILY FEDOSENKO

“Ainda que consigamos descontaminar o ambiente, terão de passar muitas gerações antes que nasçam crianças saudáveis”, sublinhou Korsakov. Porque a herança atômica nos genes, nos animais, nas plantas, nos homens, não se resume à primeira geração, às primeiras vítimas do desastre. Os sobreviventes de Tchernóbil têm um quadro múltiplo de problemas de saúde, e as crianças continuam a ter muitos problemas de saúde: 80% dos que nascem sofrem de várias doenças crônicas, diz a AFP, citando estatísticas oficiais.

Em 2011, foram suprimidos os controles de radioatividade sobre grande parte dos alimentos russos e muitos produtos da zona proibida chegam aos mercados, afirma a Greenpeace. “As pessoas colhem bagas e cogumelos na floresta contaminada”, disse à AFP Ludmila Komorgotseva, da organização não-governamental União para uma Segurança Radioativa.

Até madeira radioativa é usada para fazer móveis, denuncia o advogado Alexandre Govorovski, que fez queixa contra o Departamento das Florestas, que acusa de fomentar esta prática ilícita. “As pessoas comem e bebem produtos irradiados. E por causa da negligência das autoridades, até vivem com a radiação em sua casa”, denuncia, citado pela agência francesa.

A passagem de três décadas sobre a tragédia de Tchernóbil é ainda uma gota num longo rio de tempo que terá de passar até se poderem apagar os seus efeitos. Veja-se os esforços para construir uma nova proteção para o reator acidentado – o sarcófago construído à pressa na altura do acidente tem-se vindo a rachar, vai entrando água, e ninguém sabe que reações podem ocorrer no seu interior. De qualquer maneira, não foi concebido para durar mais do que três décadas.

Mas o novo abrigo, ou Novo Confinamento Seguro, a estrutura em cúpula pensada para conter o reator 4 de Tchernóbil que está em construção, foi planeada para durar 100 anos – ou, se necessário, “300 anos ou mais”, disse ao New York Times Vince Novak, diretor de salvaguardas nucleares do Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento, um dos financiadores do projeto avaliado em 2150 milhões de dólares e que está previsto terminar no fim de 2017.

Os números que o descrevem são fantásticos, fazem lembrar a construção de uma ópera na selva: é uma estrutura em arco de metal com 25 mil toneladas (36 mil quando estiver toda equipada), de 108 metros de altura, 162 de comprimento. Lá dentro caberiam a base da Torre Eiffel, ou a Estátua da Liberdade de Nova Iorque. Para durar 100 anos, o metal não pode enferrujar, e por isso a pintura é importante; mas ninguém espera que se possa pintar regularmente as vigas que ficam sobre o reator onde estão 200 toneladas de combustível nuclear. Por isso, vão ser instalados desumidificadores para tentar evitar que se forme ferrugem.

A obra está pensada para cem anos porque ninguém sabe como retirar o combustível nuclear que está dentro do reator, um passo essencial para o poder desmantelar. Por isso, a ideia é ganhar tempo, esperar que se desenvolva tecnologia para isso. Só que faltam ainda 200 milhões de euros para completar o projeto — e não é claro como vai a Ucrânia pagar as despesas de manter em operação a cúpula protetora de Tchernóbil, quando estiver finalmente pronta, diz a AFP.

De uma maneira ou de outra, Tchernóbil é um desastre que demorará a deixar de se fazer ouvir, ao longo de várias gerações.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O crânio de Shakespeare e outras celebridades que tiveram partes de seus corpos roubadas

Ossos, cérebros e até pênis de homens famosos já sumiram.

(Esta gloriosa matéria foi (mal) traduzida por mim do site da National Geographic. Se você não acreditar nela, escreva para a revista).

Os investigadores acreditam que a cabeça de William Shakespeare não está em sua sepultura, na Inglaterra. Se assim for, o crânio de Shakespeare seria uma das muitas partes faltantes do corpo de sepulturas famosas.

Os investigadores acreditam que a cabeça de William Shakespeare não esteja em sua sepultura, na Inglaterra. Se assim for, o crânio de Shakespeare seria uma das muitas partes faltantes do corpo de sepulturas famosas.

Esta semana, arqueólogos revelaram que o crânio de William Shakespeare provavelmente não está em seu túmulo na Igreja da Santíssima Trindade, em Stratford-on-Avon. Os pesquisadores fizeram a descoberta escaneando a tumba do dramaturgo para um documentário.

A notícia, que vem de um mês antes do 400º aniversário da morte de Shakespeare, dá credibilidade a uma lenda que ladrões roubaram o crânio em 1794. Mas não é um caso único, há outros líderes famosos, artistas e escritores que foram roubados após a morte.

O cérebro de Mussolini

Há anos atrás, a neta de Benito Mussolini disse à polícia que alguém estava vendendo partes do cérebro fascista de seu avô no Ebay. O site de leilões imediatamente removeu a oferta e, desde então, os usuários não estão autorizados a vender partes de corpos. Pode ser uma piada, é provável que o vendedor realmente não tenha o cérebro de Mussolini. Mas ele conhece história, já que apenas uma parte do seu cérebro foi devolvida à sua viúva depois que ele foi morto no final da Segunda Guerra Mundial. O resto do corpo está nos EUA. Mussolini morreu a tiros em 28 de abril de 1945, juntamente com sua companheira, Clara Petacci. Os dois ficaram durante vários dias pendurados pelos pés, na Piazza Loreto, em Milão, para que pudessem ser espancados mesmo já mortos, em um processo de catarse coletiva. O rosto do ditador ficou completamente desfigurado. Veja abaixo a cena:

mussolini

O crânio de Mozart

Uma década após a morte de Wolfgang Amadeus Mozart em 1791, um coveiro chamado José Rothmayer supostamente roubou o crânio para, digamos, uso próprio. Ele foi devolvido 100 anos depois pela família de Rothmayer à Fundação do Mozarteum de Salzburg. Testes de DNA em 2006 demonstraram que deve ser uma farsa, pois não bateu com o DNA de parentes de Mozart, cujo restante do corpo foi perdido. Curiosamente, Ludwig van Beethoven e Joseph Haydn tiveram parte ou a totalidade de seus crânio roubados.

Este é Mozart, dizem

Este é Mozart, dizem

O pênis de Napoleão

Durante a autópsia do imperador francês Napoleão Bonaparte, na década de 1820, o médico cortou seu pênis e deu-o a um padre. Ele ressurgiu em 1931 e foi exibido publicamente. Um urologista americano comprou o pênis na década de 1970, e manteve-o em sua família desde então.

Este é o dito cujo napoleônico.

Este é o maltratado dito cujo napoleônico.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Afinal, Bach nasceu em 21 ou 31 de março de 1685?

Depende. Vamos falar de 1582? Naquele ano, o calendário gregoriano foi introduzido em alguns lugares da Europa, não em todos. A Itália, a Espanha, Portugal e a Polônia, os mais católicos, aceitaram a mudança ditada pela igreja, o resto não. Só depois é que todos os outros países aderiram. O 21 de março de 1685 da Alemanha não era o mesmo 21 de março de 1685 na Itália, Espanha etc. Havia 10 dias de diferença. O dia em que Bach nasceu foi “chamado” de 21 de março na Alemanha, onde eles ainda estavam usando o calendário juliano. Mas Bach nasceu num 31 de março, considerando o calendário que todos usam hoje, o gregoriano. O que vale? Ora, segundo os historiadores, vale o que está escrito lá na igreja onde Johann Sebastian Bach foi registrado. Vale o 21 de março.

Da mesma forma, é muitas vezes dito que Shakespeare e Cervantes morreram exatamente no mesmo dia, 23 de abril de 1616, como uma diferença de menos de 24h. Não é verdade. As mortes foram separadas por 10 dias. A de Shakespeare ocorreu em 23 de abril de 1616 (juliano), que equivalente hoje a 3 de maio (gregoriano). A de Cervantes aconteceu no dia 23 gregoriano. Mas os historiadores dizem que o que vale é o que está escrito, então ambos morreram em 23 de abril, mas com uma diferença de dez dias porque se a Espanha já usava o calendário gregoriano, a Inglaterra ainda usava o juliano. Então, eles não morreram ao mesmo tempo… Vá entender!

O que é certo é que podemos comemorar dois aniversários de Bach, nosso maior ídolo. E sempre com (muita) cerveja, que Bach amava e produzia em quantidades industriais em sua própria casa. Mas esta já outra história.

Eu nasci em 21 de março, mas em 31 de março, entendem?

Eu nasci em 21 de março e em 31 de março, entendem?

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!