3 parágrafos olímpicos numa quarta-feira chuvosa

As desclassificações sem medalhas do futebol e do vôlei feminino encheram Porto Alegre de nuvens. Eu compreendo perfeitamente a derrota no futebol. Já a do vôlei é bem mais complicada de engolir.

Cá pra nós, o time de Marta e Cia. era uma bagunça. Postava-se bem defensivamente e deixava o resto para as individualidades. Isto é o velho e conhecido futebol brasileiro… A gente não acredita ao mesmo tempo que sabe que vai perder. Para completar, houve aquela partida contra a África do Sul. Já classificadas para as quartas-de-final, fomos jogar na quentíssima Manaus com as titulares. E elas fizeram um supremo esforço. Acabou 0 x 0. Nas quartas, um time cansado conseguiu um novo 0 x 0 contra a Austrália. Ganhou nos pênaltis com o sinal vermelho de alerta já piscando. Ontem, tivemos o terceiro 0 x 0 seguido de derrota nos pênaltis. As adversárias suecas, após levarem 5 x 1 na primeira fase, mapearam tudo direitinho e enfim… Tchau. Cristiane disse que “é a segunda ou terceira Olimpíada que só dá a gente e no final saímos eliminadas”. Pois é, conheço isso. Chamem um(a) técnico(a) de verdade na próxima.

brasil Suécia futebol feminino

O vôlei caiu fora criminosamente. Melhor time da competição, bicampeãs olímpicas, nossa equipe relaxou após vencer facilmente as chinesas no primeiro set. Perdeu o segundo set e simplesmente não conseguiu retomar as rédeas do jogo. O que parecia um passeio transformou-se em pesadelo. As chinesas se empolgaram, tudo começou a dar certo para elas — pouco para nós –, o nervosismo foi tomando conta de jogadores e de nós na frente da TV e… É triste ter o melhor time disparado e ver outras comemorarem. Altamente digno de análise é o desequilíbrio emocional brasileiro. Está em todo o lugar, até no trabalho da gente. E sempre acaba mal. O que era alegria transformou-se rapidamente em descontrole e choro, vide Thiago Silva na Copa de 2014.

volei Brasil chinaPara terminar: que absurdo foi a vaia para o francês Lavillenie na hora da entrega das medalhas. Os apupos na hora do salto podem até serem admitidos em razão de ter um brasileiro como adversário, mas na hora das medalhas? Lavillenie ficou chorando em silêncio em pleno pódio. O mesmo vale para a vaia a Gatlin, adversário de Bolt. Para demonstrar amor a Bolt, temos que massacrar quem passe no seu caminho? Há muito ódio e desejo de linchamento no Brasil. Uma vergonha completa. Ao menos mostramos ao mundo que linchamento é a modalidade brasileira preferida.

Lavillenie

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Um obituário para Muhammad Ali

Quem não viveu aquela época, dificilmente poderá imaginá-la. Era totalmente diferente. As lutas de boxe, principalmente a dos pesos pesados, eram acompanhadas mundialmente com extremo interesse. Todos as comentavam e davam palpites. Também o campeonato e o ranking mundial de xadrez interessava muito. Por exemplo, se o boxe tinha Muhammad Ali, George Foreman e Joe Frazier, o xadrez recebia manchetes e páginas inteiras comentando Bobby Fischer, Boris Spassky e Anatoly Karpov. Eram outros tempos, repito. Além disso, eram tempos em que havia desportistas brilhantes, cujas declarações mereciam ser ouvidas. E Ali era especialmente inteligente, desafiador e falador. Amava um microfone. Suas declarações estão até hoje sendo vistas e ouvidas no YouTube.

Ali e Malcolm X

Ali e Malcolm X

Dias antes do grande embate Ali x Foreman, o único professor negro que tive na vida — o excelente Serjão, de Física, que dava aulas no meu querido Colégio Estadual Júlio de Castilhos — estava nervoso. Sabia da importância daquela luta em âmbito mundial. E dizia para aquele grupo de brancos:

— Gente, vocês não imaginam o quanto é importante que Muhammad Ali / Cassius Clay vença. Foreman é negro, mas é um conformista meio burro. Ali é um de nossos principais representantes. Ele precisa ganhar a luta para readquirir o respeito perdido. Se derrubar Foreman, vai falar muito e isso é bom.

Em 30 de outubro de 1974, às 4h da madrugada em Kinshasa, Zaire (atual República Democrática do Congo) lutaram Muhammad Ali e George Foreman. O motivo do horário maluco era a transmissão de TV para o mundo inteiro. Foreman era o campeão após ter vencido Joe Frazier, mas Ali era o ex-campeão cujo título fora retirado por motivos políticos. Explico: em 1967, Ali foi proibido de lutar por três anos e meio, após se recusar a se alistar no Exército dos Estados Unidos, negando-se a participar da Guerra do Vietnã. Disse que nenhum vietnamita jamais o chamara de crioulo e perguntava: “Tenho algum inimigo no Vietnã? Não, meus inimigos estão aqui”.

Para deixar a coisa ainda mais quente, três anos antes Ali tinha sido derrotado injustamente por Frazier. A derrota fora por pontos, numa decisão muito contestada dos juízes. O próprio Ali apareceu no dia seguinte todo feliz e da cara boa, mostrando uma foto de Frazier cheio de hematomas, tirada horas antes. “Como eu posso ter perdido a luta se ele está indo para o hospital?”, perguntava. Frazier defendera o título mundial da categoria peso-pesado e o manteve. Ali caíra no 15º assalto. Ergueu-se rapidamente, meio atordoado aos olhos de milhões de pessoas pela televisão e de milhares no ginásio. A luta fora equilibradíssima, mas sua queda deve ter influenciado decisivamente em sua derrota, claro.

Já a luta de Kinshasa era uma disputa contra o novo campeão George Foreman — que pulverizara Frazier meses antes — contra Ali. O evento foi um dos primeiros realizados por Don King, que fez a luta no Zaire, pois o presidente ofereceu um generoso patrocínio para receber a luta.

Resumindo, Ali recuperara sua licença no mundo do boxe em 1970, tinha vencido duas lutas, mas, ao tentar recuperar o cinturão de peso pesado, perdera para o campeão Joe Frazier. Foreman tinha sido campeão nas Olimpiadas de 68 e rapidamente foi ganhando prestigio no mundo do boxe, pela sua enorme envergadura e poderosos socos. Mesmo assim, o campeão Frazier e seus empresários acharam que Foreman não seria páreo, pois ele seria muito lento. Isso se mostrou um grande erro: em apenas dois assaltos Frazier sofreu seis quedas até que a luta foi interrompida pelo juiz. Depois, Foreman também nocauteou Ken Norton, o único homem, além de Frazier, a fazer Ali cair.

Na famosa luta entre Ali e Foreman, Foreman entrou como franco favorito, por ser muito mais novo — na época tinha 25 anos, enquanto Ali tinha 32 –, por ser muito mais forte, pela sua até então invencibilidade e pela ferocidade com que vencera todos os seus adversários.

Ali criou uma estratégia incomum para vencê-lo. Como sabia que Foreman seria imbatível num combate aberto, Ali optou por cansá-lo ao máximo, pois seu adversário não estava acostumado a lutas longas, sempre nocauteando seus adversários nos primeiros assaltos.

Durante sete rounds, ou seja, por 21 minutos de luta, Ali ficou nas cordas, apenas recebendo os violentos socos de Foreman, assimilando-os e se esquivando como podia. Apanhava muito enquanto gritava: “É só isso?”, “Me disseram que você batia forte!” ou “Minha mãe me batia mais forte que você”.

Ali para Foreman: "Minha mãe me batia mais forte que você!".

Ali para Foreman: “Minha mãe me batia mais forte que você!”.

No oitavo round, houve uma súbita alteração. Ali tomou a iniciativa e seu oponente pareceu muito surpreso por ter ficado entre seu adversário e as cordas pela primeira vez naquela noite e talvez na vida. Já estava exausto e demonstrava no rosto certa estupefação, pois notara que só naquele momento começava a luta para Ali. O nocaute veio logo no primeiro contra-ataque. Foi algo fulminante. Foreman caiu e não levantou mais.

No dia seguinte, Serjão comemorou em aula. Aquilo fora muito mais do que uma simples luta, fora a vitória de um curioso lutador bonito e humanista, comprometido e brilhante em tudo o que fazia. Este homem faleceu no último sábado.

R.I.P., Muhammad Ali.

Foreman em direção ao chão.

Foreman em direção ao chão.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Exclusivo: a diferença entre Messi e Maradona

Foto: A Bola — Portugal

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O Remendão sobre sobras

Eu e o Igor somos coeditores do Sul21. Temos a característica de concordar em quase tudo. Isso é maravilhoso, pois evita brigas, estresse, etc. Também moramos na Zona Sul, mais ou menos perto um do outro, e nosso ônibus vai para o centro da cidade passando pelo Beira-Rio, o qual é observado com expectativa por mim e com prazer por ele. Porque não há mais Beira-Rio e porque numa coisa discordamos — ele é gremista e eu colorado. Quando a gente passa pela Padre Cacique, o que se vê é uma casca com o anel superior completo e com algumas partes do inferior. E só. Tantas paredes foram derrubadas que a gente consegue ver da rua não apenas o outro lado do estádio, mas o rio, ou lago, através do túneis de acesso e do vazio de alguns paredões. Além disso, não há gramado.

Nos últimos dias, eu, que achava até simpático o termo Remendão inventado pelos gremistas, passei a achá-lo inadequado. Remendo é um pedaço de pano que se costura sobre uma base rota. Uma base. Aquilo que está lá nem é uma base, tanto que a cobertura terá fundações próprias. Não será um Remendão, será um estádio construído sobre as sobras do tal anel superior e as rampas. Acho que até teria sido mais produtiva uma implosão. Só que haveria a resistência dos nostálgicos, que acham que as pedras do Beira-Rio lembram de Figueroa e do gol de Tinga no São Paulo.

Ah, estou exagerando? Então vai lá e olha! Ontem, fui comprar um presente na loja do estádio. Cheguei ao Beira-Rio às 18h. Sabem o que me disseram? Que a construtura pedira que a loja fechasse às 16h para evitar o trânsito de pessoas. Voltando ao termo Remendão, aquilo que vi não é uma obra de arte que mereça o nome de Restauro, por exemplo. Merece um nome mais chinelão. Desta forma, não sei que nome sugerir, só sei que está horrível.

Foto do gremista @FTarganski

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Fala aê, Ferrari

Este é o cartão de Natal da RBR informando que Papai Noel está mais rápido do que Vettel… A história real foi bem diferente e igual. (Um achado do @calhau)

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Festa de Aniversário & As Olimpíadas

Publicado em 30 de agosto de 2004

A festa de meu aniversário deste ano foi diferente. A Claudia escureceu um pouco a sala e colocou um data-show projetando DVDs de jazz e de qualquer coisa que fosse muito boa. O Festival de Newport de 1958, um inacreditável show da Blue Note de 1986 e a segunda gravação das Variações Goldberg por Glenn Gould foram projetados por sobre as cabeças dos comensais. Não sei se o resultado foi bom para todos, mas vi muita gente de pescoço torcido ouvindo e vendo música da melhor qualidade no intervalo entre as conversas. A aparência geral de quem estava lá era de felicidade, exceção feita a meu adorável sobrinho que pedia para acendermos as luzes a pleno, porque, afinal, ele precisava ver com toda a clareza o que estava comendo e, segundo ele, já tínhamos demonstrado a todos que éramos mesmo muito sofisticados… Estou pondo este sobrinho à venda. No final da noite, ficamos eu, a Claudia, a Jussara, o Branco, a Helen, o Alejandro e o Bernardo ouvindo, comentando e conversando sobre música, sobre a fraca temporada cinematográfica e sobre qualquer coisa, enquanto Gould fazia misérias sobre Bach e um quarteto executava Borodin (Quarteto Nº 2). Filipe, não adianta, fingimos ser assim todo o tempo…

Creio que a Claudia não se incomodará se algum de meus 7 leitores quiser organizar festa análoga. É só pagar royalties. Posso fazer a intermediação…

Agora, falando sério: esta festa está se tornando uma necessidade, pois há queridos amigos que vejo exatamente uma vez por ano. E, já que a rotina e o trabalho são algozes tão eficientes na separação de amigos, precisamos agendar o contra-ataque. Fico feliz que este se realize em minha data.

~~~~

Passei esta semana mobilizado vendo as Olimpíadas. Robert Scheidt, Daiane dos Santos, o volei feminino e seus 6 match points perdidos, Torben Grael e seu companheiro de que não lembro o nome (Marcelo Ferreira?), o volei de praia com o Emanuel e o Ricardo, o volei masculino, o futebol feminino e seu pênalti não marcado e o absurdo final da Maratona com o anônimo e surpreendente Vanderlei Cordeiro de Lima sendo atrapalhado por um maluco mas levando o bronze. Tudo isto além dos outros.

O problema enfrentado por Vanderlei Cordeiro de Lima pode ser bem compreendido por mim, que há muitos anos (desde 1978) costumo correr pelas ruas e pistas da cidade. De forma amadora, já participei de corridas de rua de 10 e 20 Km e sei o quanto a concentração é fundamental para completarmos qualquer prova. O sentimento de euforia que sentimos ao terminar uma corrida é algo muito bom, porém podemos desistir do esforço pelos menores problemas. Uma pequena queda, uma dorzinha, um mal estar, o fato de que às vezes parece que todas as bundas participantes estão andando mais rápido ou simplesmente a falta de alguém para correr conosco, qualquer motivo pode fazer-nos desistir. Converso com outros e é a mesma coisa. Muitas vezes, depois de percorrermos um ou dois quilômetros, paramos e voltamos para a casa ou para tomar banho no clube. Imaginem então o que este Vanderlei deve ter sentido quando aquele idiota o segurou e o empurrou da pista para a área destinada à assistência. Compreendo perfeitamente a cara de dor e choro que ele fez quando voltou a correr. Não se enganem, sua reação para chegar ao bronze foi coisa de herói.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Na época em que existia Fórmula 1…

… eu, sempre do contra, torcia para Piquet, não para Senna. Desejar a vitória de Senna era como torcer pelo politicamente correto. Lembro que adorei ver ao vivo isso aqui. Não lembro da reação de Galvão Bueno, mas deve ter sido muito divertida, pois ele dizia que neste autódromo era impossível ultrapassar.

Ou clique aqui.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Diferentes formas de sobrevivência

.: 1 :.

O veterano Rubens Barrichello teve um grande 2009. Após quase não arranjar equipe, Rubens acabou o mundial de pilotos em terceiro lugar e em alta. Para completar, saiu da habitual passividade e reagiu ao fato de ser uma piada em todo lugar. Nesta semana, ganhou um processo contra o Google, obrigando a que o gigante retire, principalmente do Orkut, mais de trezentos falsos perfis onde Barrichello era tratado como tartaruga, chofer, etc., além de 90 comunidades ofensivas. O motivo da ação foram as reclamações dos filhos do piloto. O valor da indenização é uma piada para os padrões da Fórmula 1, US$ 500 mil, e a grana vai para instituições de caridade. Barrichello, claro, é multimilionário e só alguns brasileiros o acham incompetente.

.: 2 :.

Enquanto isso, o ex-tenista Andre Agassi escolheu outra forma de sobrevivência: o suícidio póstumo como atleta. Em sua autobiografia Open, o vencedor de oito Grand Slam confessa ter tomado regularmente a droga cristal — também conhecida como MD cristal, crystal meth ou ice. Uma vez ao ser flagrado num antidoping, mentiu, em carta por escrito, que seu auxiliar havia colocado a droga num refrigerante e a ATP acreditou ou não quis levar o caso adiante. O auxiliar que “batizara” o refri foi mandado embora e Agassi seguiu a carreira nas quadras e no cristal. Uma maravilha.

Mas é pior. Depois dessa, a ATP afrouxou o controle sobre o doping. Hoje, os tenistas apenas escrevem onde estiveram e o que tomaram. Uma piada. Rafael Nadal e Marat Safin tiveram reações bastante fortes. Nadal foi sério:

— Não entendo porque disse isso agora, já que está aposentado. É uma forma de prejudicar o esporte sem nenhum sentido. Se nesses momentos a ATP escondeu o assunto (do doping) de Agassi e puniu outros, parece uma falta de respeito com todos os esportistas. Quero acreditar e espero que nada disto esteja acontecendo agora. Acho que temos um esporte limpo e sou o primeiro a desejar isso, mesmo sem estar de acordo com a forma (em que são realizados os exames antidoping). Os trapaceiros devem ser punidos, e se Agassi trapaceou em sua época, deveria ter sido punido — disse.

Agassi disse estar triste e arrependido. Coitado.

O tenista russo Marat Safin, mantendo a habitual irreverência e ironia que me fazem admirá-lo, propôs a solução para o “problema de consciência” de Agassi.

— Ele sente culpa? Então que ele devolva os seus títulos, dinheiro e seus Grand Slams — , afirmou Safin em entrevista ao jornal francês L’Equipe. — Se ele agora é limpo e franco, poderia fazê-lo. Vocês sabe, a ATP tem uma conta bancária e ele pode fazer a restituição, basta querer — completou.

Como Safin é do meu time e não alivia, seguiu mandando bala:

— Eu não vou escrever minha biografia, não preciso de nenhum dinheiro. A questão é: por que ele fez e por que confessou após aposentar-se? — , perguntou. — O que ele quer é vender mais livros, é completamente estúpido — , criticou o russo. Safin encerrou sua carreira esta semana em Paris fazendo uma grande partida contra Juan Martin del Potro. Foi eliminado ao perder por 2 x 1.

Além do russo e do espanhol, poucos se manifestaram. Guga foi cauteloso e político.

— Eu confesso que não sei até que ponto essa notícia pode se tornar algo real — , disse. — O Agassi que conheço é um sujeito competitivo e sincero nas palavras dele. Na realidade, se comprovado, ele deve ter tentado demonstrar no seu livro momentos de sua trajetória em que enfrentou dificuldades.

Mas é ainda pior. Os médicos revelam que, em algumas circunstâncias, o cristal provoca pânico e…

Bem, Agassi afirma em seu livro que perdeu de maneira proposital para Michael Chang na semifinal do Aberto da Austrália em 1996, pois queria fugir de Boris Becker na decisão. Apesar de transparecer sempre sério e objetivo. Agassi agora diz que tinha medo de Jim Courier, Thomas Muster, Yevgeny Kafelnikov, Boris Becker (que chama de “maldito alemão”) e de Pete Sampras. Estranho. Sobre Chang, Agassi tem algumas pérolas bastante interessantes:

— Eu o odiava. Ele dava graças à Deus e atribuía suas vitórias a Deus, isso me irritava muito. Por que Deus se importaria com uma partida de tênis? E por que ele se colocaria contra mim e a favor do Chang? Isso é ridículo. Quando ele venceu Roland Garros em 1989, fiquei com vontade de vomitar. Me perguntei: “Por que logo o Chang? Por quê, entre tantos outros, logo ele foi vencer um Slam antes de mim?”

.: 3 :.

E a Feira do Livro de Porto Alegre? Por que agoniza? Ora, por sua exclusiva culpa. Há anos que este blogueiro de sete leitores diz que a Feira tornou-se uma grande livraria, que não há variedade, que a quantidade de livros iguais — se a gente pede alguma coisa diferente, os livreiros têm de encomendar (?!) — torna a Feira um espetáculo nauseante. Este ano, não comprei nenhum livro lá, até porque sei que dificilmente os livros que procuro estarão lá. Alguém encontrou na Feira o livro o recentíssimo Música Mundana de John Neschling? Alguém viu por lá a trilogia do Gaúcho a Pé de Cyro Martins naquela bela edição comemorativa ao centenário de Cyro Martins lançada no ANO PASSADO? Melhor o site da Cultura ou a Estante Virtual, né? E, de quebra, não se precisa caminhar no meio de corredores cheio de livros de vampiros e autoajuda. De bom, a Feira tem os bares. Lá é onde estão atualmente os leitores.

.: 4 :.

Cada um busca a aposentadoria que pensa merecer. Barrichello aspira a uma dignidade tardia. Agassi faz o exato contrário. Barrichello quer entrar na história de uma forma diferente do que foi sua vida; Agassi quer o desprezo, mas antes venderá livros. A Feira está em fase minguante, mas não sou nada apocalíptico a respeito. Talvez até melhore.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Provas do ENEM eram vendidas em pizzaria e outros símbolos

Acordei e estava discutindo tranquilamente com o Cristóvão Feil a respeito do fundamental tema da cobertura das ovelhas. Ele me dizia que eu me confundira e que:

No rebanho de ovinos, se lambuza a barriga do carneiro com pigmento colorido engraxado, gorduroso (como fixador). Se tiver mais de um, marcam-se com cores distintas. Quando alguma ovelha fica “ocilha” (conforme se diz em Viamão), o carneiro (se for do ramo) monta e emprenha (se for “especialista”). Aquela fêmea, já fecundada, fica com o lombo colorido, carimbado e engraxado das partes pudendas do macho. Então, ela é apartada do rebanho, com o objetivo de merecer mais cuidados, alimentação balanceada, observação diária, etc.

Por isso, hay que tener precauciones quando uno mas pícaro ha dito que todavia esta sucio de “graxa” de ovejas. Onde? Nas pudendas ou no lombo?

Era uma troca de e-mails muito pouco séria, pois eu estava admirado com o valor metafórico ou simbólico do fato dos amantes ficarem marcados com a mesma cor denunciadora de seu ato, mesmo sem relacionar os locais das pinturas ao sexo de cada animal, certamente denunciadores de outras preferências.

Enquanto isso, via na TV a mais bela das brasileiras ufanando-se da candidatura do Rio de Janeiro para as Olimpíadas. Um de meus menores problemas é o de amar o Rio de Janeiro. É a cidade quase perfeita, apenas lhe falta as gaúchas. Infelizmente, digo que a média de todas as cariocas que não leem meu blog estão em nível bastante inferior de beleza. Porto Alegre e o interior do estado sempre foi um duro teste para a fidelidade (imaginem que escrevi fodelidade, mas notem que o “o” fica ao lado do “i”, mesmo no seu teclado, maldoso leitor) de quaisquer maridos e a região de Passo Fundo — onde italianos, alemães e bugres moram juntos — é a região do país que apresenta proporcionalmente o maior número de divórcios. Mas tergiverso, penso em mulheres quando tenho que cortar o cabelo e acabo não enveredando pelo caminho planejado de argumentar que o Rio de Janeiro é o maior símbolo do Brasil, com sua beleza e perfeição, riqueza e pobreza, corrupção e desídia; que adoro passear numa cidade onde as pessoas, mesmo os velhos, saem às ruas à noite — enquanto aqui temos apartamentos-asilos –; que adoro as padarias de meus patrícios; que gosto das esquinas com lojas de sucos; que acho os cariocas gentis e filhas da puta. E que, apesar de estar acostumando com mulheres mais belas, gosto muito daquilo e, portanto, torço para o Rio ser a cidade sede das Olimpíadas de 2016, mesmo que nosso prezado Marcos Nunes veja perturbada sua vida de pedestre habitante da cidade. Não preciso falar com ele para saber: posso antecipar que ele é contra o evento e hoje, enquanto tomava café num bar, olhando e sonhando com Renata Vasconcellos (suspiro), dizia, orgulhoso de sua sacrofobia, a seu vizinho, :

— Fodam-se as Olimpíadas. Que vão para outro lugar.

Maior valor simbólico talvez seja o fato da prova do ENEM ter sido vendida numa pizzaria, que fazia a intermediação do negócio. Provavelmente vinha da gráfica do Senado ou da Assembleia gaúcha direto para a pizzaria paulista. Visualizo uma prova colada, dentro de um plástico, sob a caixa de uma telentrega. Pague R$ 500 mil ao motoboy. Sim, porque o Sr. Luciano Rodrigues, proprietário da Donna Pizzaria & Restaurante, estava cotando a prova em R$ 500 mil. Alega que trabalhava para dois sujeitos que teriam a posse das provas. Repórteres viram a dita cuja. A piada é que, entrevistado, declarou que, se voltar a se encontrar com os dois homens, vai avisá-los de que a reportagem da Folha quer falar com eles a fim de saber como foi feito o vazamento das questões. Rodrigues afirmou que não sabe como isso aconteceu, claro.

Para finalizar este post objetivo e focado, informo-lhes que, enquanto via Renata, escrevia para o Cristóvão e pensava no Rio, chegou um e-mail do Sergio Gonçalves com um conteúdo de 1928, uma maravilha — The Lion`s Cage, de Charlie Chaplin:

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Joel Santana concedendo entrevista em inglês

Todo mundo ri — eu também! –, mas julgo admirável como ele segue falando em linha reta com a maior cara-se-pau. Acho que eu fazia algo muito parecido na Itália: expressava-me com notável “criatividade”…

Ou clique aqui.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Equilibrando-me entre o futebol e o tênis

Sou daqueles homens que podem passar horas abobalhados assistindo a um jogo de futebol ou de tênis. O que fazer se nascemos com esta estranha necessidade, tão comum entre os homens e tão rara entre as mulheres? Tenho absoluta certeza de que o motivo maior pelo qual fico vendo futebol não é o ódio mortal (e perfeitamente natural) que cultivo ao Grêmio nem o amor que devoto ao Inter (algo mais natural ainda). Posso ficar igualmente hipnotizado se a atração for Boca X River, Manchester United X Milan, Náutico X Íbis ou uma pelada entre garotos. Trata-se de um defeito de fabricação muito comum entre nós, seres mais apreciados por elas pela produção de testoterona.

E o pior é que tenho absoluta certeza de que o motivo pelo qual gosto de futebol e tênis é estético, é plástico… Entendem? O futebol, principalmente quando visto no campo, é algo belíssimo, digníssimas senhoras. A movimentação, a tática que os jogadores obedecem ou não, é muito interessante. A dinâmica do jogo é complexa e alguns treinadores levam enorme tempo para gerar aquela sincronia a qual denominamos bom futebol. Tá bom, concordo que isto é parcialmente desmentido pelas entrevistas que ouvimos aos finais de jogos. Nossas mulheres devem questionar se a mente de quem fala daquela maneira pode gerar, noutras circunstâncias, quaisquer pensamentos abstratos. Outra dúvida possível é se a complexidade do futebol não é um fato apenas imaginado por nós com a finalidade de valorizar o triste fato de sermos fanáticos adoradores de algo imbecil. Mas sei que alguns jogadores podem ser verdadeiramente geniais dentro de campo, tal como Johan Cruyff, Tostão e Zidane; enquanto que outros — como Ronaldinho Gaúcho — são provas vivas de que uma excepcional coordenação motora pode ser comandada por um cérebro burro sem grandes problemas…

Algumas mulheres se irritam conosco, outras — mais espertas — suportam bravamente nossas características. A minha está no segundo time. Ela já foi adestrada (desculpe, meu amor) por um marido italiano que passava todo o domingo na frente da televisão em Verona. Como sou capaz de ficar apenas 3 horas contínuas atento aos jogos, talvez eu seja uma evolução em sua vida. Semana passada, durante uma preguiçosa e amorosa manhã, víamos um torneio de tênis e tratei de explicar-lhe as regras que regem um jogo daqueles. Foi complicado, pois não conheço a raiz histórica que faz com que contemos os pontos de forma tão estapafúrdia — 1 a 0 no game é 15-0, 2 a 0 é 30-0, 3 a 0 é 40-0… –, só sei que é assim. Como ela não costuma aceitar explicações vagas, tendo a irritante mania de dominar todos os conceitos fundamentais, não é adequado dizer-lhe que é assim porque é. Graças ao bom Deus, ela concluiu que devia ser algo inventado por ingleses, povo que tem o sistema monetário e de medidas mais complicado do planeta. No final, ela já estava até fazendo comentários pertinentes…

Ontem pela manhã, liguei a TV para ver LDU x Pachuca. Me entusiasmei além da conta com a cobrança de falta de Bolaños e disse o que deveria ter evitado: Olha, a trajetória desta bola! Não é pura arte? E completei a merda de forma condigna: Parece um traço de Picasso. De onde tirei uma besteira dessas? Recebi de volta apenas um arquear de sobrancelhas. Aquele arquear, entendem? Aquele que significa 100% de ceticismo, que nos reduz a meros adoradores de algo que não vale coisa alguma e que só poderá ser reequilibrado se ela ficar duas horas se arrumando para uma festa, provocando constrangedor atraso…

Céus, quanto investimento jogado fora!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

As Olimpíadas de Pequim, seus narradores e circunstâncias

De quatro em quatro anos, temos a chateação olímpica. Hoje pela manhã, já tivemos Galvão Bueno substituindo o jornal matinal, que já não é grande coisa, mas é mais variado. Galvão, normalmente desinformado a respeito de tudo o que não seja Fórmula 1 (*), narrava o jogo de futebol feminino entre Brasil e Alemanha, que acabou em 0 x 0. Uma droga. Francamente, é um período frustrante para o consumidor de esportes. Aquele monte de modalidades, cada uma exigindo conhecimentos que nossa imprensa não domina e nem procura aprender é das coisas mais lastimáveis, apesar da comicidade involuntária que às vezes surge. O lutador cai, o locutor grita “ippon!” ou qualquer palavra que saúde o homem que permaneceu em pé, mas o juiz dá a vitória para quem está no chão… Uma desgraça. O judô e uma série de esportes são coisas para especialistas, não podem ser descritos por neófitos. Outro fato desagradabilíssimo é a oferta nauseante de esportes inteiramente diferentes entre si. A gente está vendo as eliminatórias dos 800 m rasos e a TV corta para apresentar a sensacional final do pólo aquático, onde só se vêem os jogadores do peito para cima… Uma beleza. Mas o ápice visual é o tiro ao alvo, esporte especialmente televiso, onde não se vê absolutamente nada dinamicamente, só se ouve um estampido e vê-se um furo num pedaço de papel. Ou não.

Como se não bastasse, esta Olimpíada traz junto de si a questão da falta de liberdade na China, porém, como os EUA e todo o mundo gostam do comércio com a China não se falará muito em Direitos Humanos. Já sobre o Tibete… Ai, que saco! O mundo parece subitamente obstinado em recriar um país teocrático. O Ocidente vê o Tibete como uma maravilha localizada no telhado do mundo — quase saindo para fora –, que seria governado por monges bonzinhos, não fosse o malvado governo da China. OK, sou sensível àquilo que tem relação à identidade cultural de um povo, mas só há problemas no idílico Tibete da China? E alguém acredita mesmo no Nirvana representado por uma sociedade dedicada à paz e à sabedoria mesmo que a história do Tibete só nos mostre matanças, Dalais Lamas apoiados pelo exército chinês e um feudalismo recente apoiado em milhares de servos e escravos? Sim, escravos! Sim, uma teocracia brutal. No Tibete dos anos 50, o escravo que roubasse uma ovelha receberia a punição de ter seus olhos vazados e uma das mãos mutiladas… Sim, os Dalais Lamas são bons e nos mostram uma filosofia de vida super, só que do ponto de vista medieval.

A vereadora e candidata à prefeitura de São Paulo Soninha Francine (PPS-SP), a Soninha da MTV, da ESPN e da Folha, é budista e já escreveu sobre o Tibete, depois de ver o filme de Annaud. É impossível discutir com quem só vê pureza, elevação e altos conhecimentos — de auto-ajuda? — nos Dalais Lamas. É óbvio que lá ocorreu um genocídio e que hoje a China tenta destruir a cultura do país à fórceps, o que não entendo é esta mania de Tibete. Por que não a Chechênia ou o Leste do Congo? E os palestinos que foram retirados de suas terras por um inimigo que exibe-se como vítima, que é mais popular no Ocidente e que chama de anti-semita quem fique indignado com as mortes palestinas? Bem…

Voltemos à chateação do evento multi-hiper-esportivo. OK, um homem vai lá e dá dez tiros na mosca. Aplausos e medalha de ouro para o homem de boa mira. Observemos o vôlei e comparemo-lo com o homem dos tiros. No vôlei, são disputados muitos jogos que envolvem um sexteto e mais seus reservas. Há fases classificatórias, pontos decisivos, um estresse espetacular e, no final, a equipe de verde a amarelo ganha o torneio. Aplausos e uma medalha no quadro geral. Uma medalha? A mesma do homem de boa mira que nem suou muito para acertar seus tirinhos de brinquedo? Sim. Eu, se fosse do Comitê Olímpico Brasileiro, daria um monte de dinheiro para o boxe. Sim, o boxe tem categorias aos montes, distribui um monte de medalhas e como a violência tem sido uma especialidade de algum destaque em nosso país, esta poderia ser direcionada para algo mais sistemático. Já pensaram quantas medalhas viriam? Outra providência seria criar e treinar algumas equipes de badminton. A gente poderia destinar o Acre, o Piauí e Tocantins como pólos do badminton nacional. Rio Branco, Teresina e Palmas viveriam o esporte e, de quatro em quatro anos, seriam manchete nacional. (Ora, se é para escrever bobagens preconceituosas, também sei!).

Então não falemos mais em Olimpíadas como um todo, tá? Falemos talvez de forma individual em alguns torneios interessantes, como vôlei, futebol, tênis e… esgrima? E esqueçam essa coisa de boicote. Só aceito boicote se derem uma paulada na China, outra em Israel, outra na Rússia, etc. OK?

Fazendo uma análise dos atletas da competição, achei interessante esta brasileira:


É a Jaqueline Carvalho, do volei. Ah, e a Ana Ivanovic estará presente!

(*) Está todo mundo tirando o maior sarro da minha cara porque eu pensava que o Galvão entendia muito de F1. Na verdade, eu é que não entendo patavina do dito esporte e fui enganado pelo homem do “Bem, amigos”. Peço desculpas pela ignorância crassa.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!