Bom dia, Odair (com os lances da chatice NH 0 x 2 Inter)

Bom dia, Odair (com os lances da chatice NH 0 x 2 Inter)

O Internacional largou com uma vitória fora de casa na busca pela vaga na semifinal do Gauchão. Com gols de Nico López e Sarrafiore, venceu o Novo Hamburgo por 2 a 0 na noite deste sábado (23), no Estádio do Vale. Com o resultado, o Inter pode até perder por 1 a 0 na partida de volta, marcada para as 21h30 da próxima quarta-feira (27), no Beira-Rio, para confirmar a classificação à fase seguinte.

Nico e Sarrafiore: quanto tempo Odair levará para descobrir que o argentino deve ser o articulador do time? | Foto: Ricardo Duarte

É sempre a mesma história. Uma chatice. A defesa não sofre gols — Lomba está invicto há mais de 500 minutos –, o ataque não cria. O jogo fica horroroso. Odair tira Pedro Lucas e bota Tréllez, sempre sem resultados, pois o primeiro é um menino inexperiente e o segundo é um inútil. Então, Odair tem uma iluminação — sempre a mesma iluminação! — e bota um articulador que pode ser Sarrafiore, D`Alessandro ou Camilo e a coisa passa a funcionar muito melhor. No jogo seguinte, é a mesma coisa. Bah, cansa! Cansa e só serve para jogos contra times fracos.

É o mesmo esquema de substituições… Acho que a gente poderia entrar diferente e matar logo o jogo na quarta. O que achas, Odair?

Sim, eu sei. Tu tens resultados, mas precisa ser tão chato? Em um ano e meio, tu tens:

— 41 vitórias,
— 18 empates,
— 14 derrotas,
— vaga direta pra Libertadores (desde 2015 não acontecia),
— 1ª vez na história o Inter começa a Lib com 2 vitórias nos 2 primeiros jogos,
— em 2018, 82% de aproveitamento no Beira-Rio (só 2 derrotas).

Mas, repito, precisa ser tão chato?

O compacto do Inter começa aos 42 segundos do vídeo abaixo.

Bom dia, Odair (com os lances de Inter 2 x 0 NH)

Bom dia, Odair (com os lances de Inter 2 x 0 NH)

Jogando pessimamente no primeiro tempo e melhorando um pouco no segundo, o Inter fez o suficiente para vencer o Novo Hamburgo pela rodada final da primeira fase do Falso Charmosão 2019. Os gols foram de Guilherme Parede e Wellington Silva, ambos no segundo tempo. 2 x 0.

Com o resultado, terminamos a fase classificatória na segunda colocação, com 22 pontos ganhos. O adversário das quartas de final será novamente o Novo Hamburgo, com o jogo de ida sendo disputado no findi lá no estádio do Vale, e o segundo no Beira-Rio no meio da semana. As datas e horários exatos ainda não foram divulgadas pela justa e imparcial Federação Gaúcha de Futebol.

Em ascensão, Sóbis fez boa partida | Foto: Ricardo Duarte

Odair, tu voltaste a escalar um time sem armadores. Atacantes colocados como armadores não armam o jogo. Mais uma vez? Atacantes colocados como armadores não armam o jogo. Outra vez ainda? Atacantes colocados como armadores não armam o jogo.

Quando tu colocaste o jovem Sarrafiore e o rodado Camilo — jogadores nada excepcionais, mas articuladores natos –, o time passou a respirar e a criar oportunidades de gol. D`Alessandro, Odair, tem que ser a cerejinha do bolo, jamais a função de armação pode ser colocada exclusivamente nas costas de um jogador que fará 38 anos em 15 de abril.

Mas tu não aprende, eu sei. Sei também que a diretoria só contrata atacantes, mas fazer o que se só tem lugar para um ou dois no time?

Parede fez boa partida. O mesmo se pode dizer de Wellington Silva. Sóbis foi o melhor de todos.

Pottker e Dale foram mal.

A defesa não apresentou problemas.

No mais, foi um joguinho bem desinteressante.

Oremos para que sigamos com sorte na Libertadores. Porque futebol… Temos muito pouco.

Posso te ensin… Ops, posso fazer uma humilde sugestão, Odair? Tenta Dourado e Edenílson; Nico, Nonato, Wellington Silva ou Parede; Rafael Sóbis.

Bom dia, Odair (sobre Grêmio 1 x 0 Inter, ontem)

Bom dia, Odair (sobre Grêmio 1 x 0 Inter, ontem)

Eu aprovei a atitude da diretoria colorada de colocar os reservas. Meus sete leitores sabem que eu, após a partida contra o Aimoré, já antecipava a escalação de reservas e nem sabia da absurda ampliação da suspensão de Nico López. Achei fraco usar Nico como justificativa.

O Gre-Nal de ontem não merece a importância que estão dando a ele. Meus comentários no Facebook, que são dirigidos sempre aos colorados, recebem cômicos ataques gremistas. Auto-indulgência, covardia, choro e kkkk é o mínimo. A maioria dos colorados se divertem. Para nós, ganhar ou perder não significava nada; para eles, significava um afago numa torcida que anda de nariz torcido depois das derrapadas do começo da Libertadores. O problema deles chama-se Libertad e Universidad Católica, que, a propósito, venceu o Colo-Colo ontem por 3 x 2, com mando do Cacique. Ou seja, Los Cruzados devem estar otimistas com seu time. Mas é natural que os gremistas fiquem felizes com a vitória de reservas sobre reservas. Foi uma vitória e o adversário vestia vermelho, é inegável.

Seria ótimo se Émerson Santos, emprestado pelo Palmeiras, ficasse no clube | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

É claro que aquilo que apresentamos não era um time treinado — aliás, nosso time titular não parece muito mais treinado… –, era uma coisa, mas pudemos fazer algumas observações bem consistentes.

O que sobrou do Gre-Nal:

— A zaga reserva do Inter é excelente: Émerson Santos e Roberto.
— Gostei também do tal de Parede.
— Dourado e Edenílson não têm reservas. Rithely ainda vá, mas o tal Lindoso não têm condições.
— Centroavantes? Só temos Sóbis (meia boca) e Guerrero (interrogação).
— Nonato — acho que serviu para aprender. Entrou em campo acelerado demais. Estava na cara que seria expulso. Mas seu cartão vermelho foi obra do Daronco. Quem faz a falta da expulsão é Rithely, conforme podemos ver aqui. Esse juiz é tão ruim que parece ser ladrão, mas acho que é somente ruim.
— Bruno foi bem.
— O último amistoso é contra o NH quarta-feira. Depois tudo é importante.
— Finalmente o Grêmio empatou com os Empates. Parabéns. Só que os Empates são insistentes e prometem voltar.
— Tréllez é piada. Se eu fosse diretor do clube tentava devolver. Centroavante que têm medo de chutar é inconcebível.
— Odair acabou conosco no primeiro tempo ao escalar um time sem armadores.
— Odair saiu-se bem na segunda etapa. Parecia que eles estavam com 10 e nós com 11. Importante: jogamos mais de uma hora com um homem a menos.
— “Grêmio lotou sua casa no Gre-Nal”. Gente, eles nem têm casa.

Bom dia, Odair Hellmann (com o melhor de Inter 2 x 0 Alianza Lima)

Bom dia, Odair Hellmann (com o melhor de Inter 2 x 0 Alianza Lima)

O Inter começou pressionando fortemente o Alianza Lima. O time peruano é fraco e nossa atuação foi apenas a suficiente para matar logo o jogo. Nico López, em dois chutes de meia distância, marcou dois gols no início da partida e o time pode usar sua tática reativa de apenas esperar o adversário. E o Alianza veio pra cima, tomando muitos contra-ataques. Fizemos um jogo seguro.

Todos amam Nico López | Foto: Ricardo Duarte

Marcelo Lomba só foi exigido uma vez — saiu-se maravilhosamente — e depois fim: o Alianza não conseguiu mais chutes a gol.

Jogamos bem, mas não foi nada excepcional. Zeca e Iago me preocupam muito, demais. Sóbis foi razoável e o restante do time foi bem.

Outra coisa que preocupa é o número de passes errados. Se conseguimos tocar mais a bola, ainda houve muitos erros e saídas inseguras de bola.

Com a segunda vitória, o Inter isolou-se na liderança do grupo, também beneficiado pelo empate entre River Plate e Palestino, assim como o fora antes pelo empate entre River e Alianza. Então, já abrimos 4 pontos do segundo colocado. O próximo compromisso é contra o atual campeão da América.

42 mil colorados… Que maravilha!

Agora temos um Gre-Nal na Arena. Há duas coisas quase certas que acontecem nos Regionais do RS. O Gre-Nal da fase classificatória é no Humaitá — nos últimos 8 anos, o mando de campo foi deles em 5 — e o Inter joga sob temperatura de 80 graus no plástico do São José e perde.

Só o Grêmio pode ser beneficiado pelo Gre-Nal de domingo. É claro que eu o jogaria com os reservas. Já dizia Ibsen Pinheiro: “Gre-Nal arruma a casa”. É tudo o que eles precisam. Afinal, estão na lanterna de seu grupo na Libertadores 2019.

Bom dia, Odair (com o melhor de Inter 2 x 0 Aimoré)

Bom dia, Odair (com o melhor de Inter 2 x 0 Aimoré)

O Inter tinha vencido 5 jogos consecutivos sem convencer. Mas ontem foi diferente. Venceu o Aimoré convencendo, jogando bem.

D`Alessandro pela direita e Sarrafiore no meio atuaram muito bem. Nonato foi, como sempre, excelente. E não é meia, é um volante moderno. Sóbis movimentou-se muito bem na frente e o time criou dezenas — não é exagero, foram 23 conclusões — de chances.

Sarrafiore agradece o passe de D`Alessandro e parte pro abraço | Foto: Ricardo Duarte

A decepção foi Neílton, que, repito, tem que jogar no meio e não pela esquerda. E Tréllez, mas este não é surpresa. O cara é muito ruim e não tem remédio.

Até Bruno e Uendel atuaram bem.

Bem, o que interessa neste semana é o Alianza Lima quarta-feira, né? Uma sétima vitória consecutiva seria fundamental. Nove pontos quase nos garantiriam nas oitavas. Então, 6 pontos nos primeiros dois jogos poderiam nos deixar quase lá.

No Gaúcho, nosso próximo jogo é o Gre-Nal da Arena no próximo domingo, provavelmente com os reservas. Esse mistão parrudo deve significar que são eles quem vão ao Humaitá. Não há motivo para usar titulares no clássico. Ganhando ou perdendo, vamos ficar em 2º ou 3º. Ademais o campeonato deste ano não merece três Gre-Nais quentes. O que a FGF fez até agora foram claros favorecimentos. E imaginem, este é o 5º Gre-Nal com mando do Grêmio em 8 anos… Isonomia zero. E agora há esse boato de um julgamento complementar de Nico López, sem dúvida um facínora, um cara violentíssimo, nossa.

Bom dia, Odair (com os melhores lances da vitória encontrada ontem)

Bom dia, Odair (com os melhores lances da vitória encontrada ontem)

A qualidade do futebol do Inter é obscena. Nossos jogos deviam passar no xvideos, pornhub, essas coisas, Odair. Ou no twitter da presidência. Quando levantamos uma bola na área, não é chuveirinho, é Golden Shower. Mas temos 5 vitórias nos últimos 5 jogos, o que é pornográfico.

Junto com Lomba, Edenílson foi o melhor em campo. | Foto: Ricardo Duarte

É que, assim como Bolsonaro, tu tens a mesma compulsão para criar problemas. Só isso explica o retorno ao sistema de jogo do ano passado como se não houvesse pré-temporada, Nonato, Sarrafiore, nada. O jogo foi um pesadelo. Até tomei uma cerveja antes de dormir para passar a noite sem sonhar com teu time.

Então, contra o fraquíssimo Palestino, entramos com três volantes — Dourado, Edenílson (excelente) e Patrick — e três caras para armar e tentar o gol — Nico, Pottker e Pedro Lucas como se fosse Damião.

Ora, achei que estivesse comprovado que Nico rende mais pelo meio e que Nonato era mais interessante do que Patrick, que poderia ir para a lateral esquerda, por exemplo. Mas não, tu voltaste ao Inter que te rendeu pontos no ano passado e que tinha um esquema pra lá de defensivo e manjado.

Se vencemos por 1 x 0, num frango do goleiro do Palestino em cobrança de falta de Sóbis, foi pura sorte. O Inter jogou feio, jamais teve o controle da partida e as substituições deram resultados modestos. Mais ainda do que Edenílson, Marcelo Lomba fez uma atuação extraordinária, sendo decisivo no placar. Pedro Lucas esteve mais parecido com um centroavante do que das outras vezes que o vi jogar.

Não conseguimos trocar passes e nem imagino como vamos fazer para vencer em casa. Não temos condições de propor o jogo. Vai ser tudo na correria, no chutão e na loucura da torcida.

Só que o resultado veio e estamos líderes do Grupo A da Libertadores porque Alianza e River empataram em Lima. Agora, teremos três jogos consecutivos em casa — Alianza no dia 13, River no dia 3 de abril e novamente Palestino em 9 de abril. É claro que teremos que jogar propondo o jogo, atacando, essas coisas que tu não sabes muito bem como treinar.

Em meio a isso, muitos jogos do Campeonato Gaúcho, como o de domingo (10) contra o Aimoré e o do outro domingo (17) contra o Grêmio, provavelmente com os reservas, se vencermos o Capilé.

Oremos.

.oOo.

Se nosso futebol foi horroroso, ao menos limpamos o vestiário que utilizamos e deixamos um recado bonito.

.oOo.

Abaixo os melhores lances da partida começam em 14 segundos.

Bom dia, Odair (com os lances do sufoco de ontem)

Bom dia, Odair (com os lances do sufoco de ontem)

Surpresa das surpresas, tu escalaste Nonato no lugar de Nico López. Parabéns, Odair! Ficamos encantados de finalmente poder ver este jovem precedido de tantos elogios. E ele mostrou naturalidade, rapidez, bons desarmes, passes certos e um estilo que poderia ser comparado ao do ex-gremista Arthur. Gente, falo do estilo como referência, não estou dizendo que Nonato acabará no Barcelona.

O bom Nonato finalmente apareceu para a torcida | Foto: Ricardo Duarte

Pedro Lucas também estreou iniciando uma partida. Me pareceu muito mais nervoso do que Nonato. Escondeu-se atrás dos zagueiros, esperando que a bola lhe fosse oferecida pela sorte. Evitou toda a disputa aérea jogando num time que ama cruzamentos. A vida não é o pudim da mamãe, Pedrinho, há que lutar e cravar as unhas para não escorregar. Dentro da grande área, tem que lutar contra dez esfomeados que querem o mesmo pedaço da sobremesa materna.

Jogamos miseravelmente ontem no Beira-Rio. Fomos muito mal. O Caxias tocava a bola e ficávamos impotentes. Nunca tivemos a bola, exceto no final da partida, na pressão, com um a menos.

A rigor, no primeiro tempo, as chances do Inter resumiram-se ao gol de Pottker. Nada mais houve em nosso ataque. Se estávamos mancos com Nico em campo, imagina sem. Nosso atacante mais efetivo foi Pottker. Neílton ficou na posição de armação, se fazendo de craque. Se é para tentar lançamentos, melhor ir para o meio.

Nossa saída de bola é lenta, incrivelmente lenta e temos um grave problema de concepção. Zeca, Bruno, Iago e Uendel não são bons laterais. Erram passes, atrasam tudo, marcam de longe. Ao menos Zeca demonstra vontade. Não me surpreenderá se Emerson Santos e Patrick acabarem nas posições deles.

O primeiro tempo foi assim: o Inter não conseguia atacar, o Caxias tocava a bola e nosso furo defensivo era a dupla pelo lado esquerdo, Cuesta e Uendel.

Fomos para o intervalo e pensei que, jogando como estávamos jogando, seria complicado ampliar.

No início do segundo tempo, tivemos ainda menos a bola. O Caxias era soberano e logo empatou, em jogada começada lá no setor de Uendel. Para piorar, ali pelo 15 min Edenílson foi expulso com justiça. Aos 23, Dale entrou no lugar de Neilton. As outras substituições foram a troca de Nonato por Patrick e a de Pedro Lucas por Sóbis.

Tudo se encaminhava para um fiasco. Ali pelos 40, houve uma falta perigosíssima a nosso favor. Dale deveria batê-la, claro, mas a ascendência de Sóbis sobre seus companheiros parece avassaladora. Ele bateu bem. A bola passou por baixo da barreira e talvez acabasse em gol, só que, atrás da barreira, Patrick evitou que a bola seguisse seu destino.

Tudo se resolveu na sorte, daquele jeito. Pottker cavou uma falta pelo lado esquerdo. Sóbis bateu e Patrick — que finalmente entrou bem — marcou de cabeça.

Patrick entrou bem | Foto: Ricardo Duarte

Gente, o adversário era o Caxias. Apenas o Caxias. Tivemos uma semana para treinar e só corremos atrás. Estamos muitíssimo mal. É, sim, preocupante. Deveríamos estar em outro nível para entrar na Libertadores.

A próxima partida é domingo, às 17h, em Santa Cruz, contra o Avenida.

Bom dia, Odair (Juventude 1 x 2 Inter)

Bom dia, Odair (Juventude 1 x 2 Inter)

A boa notícia é que o Inter melhorou. Não foi muita coisa, mas houve melhora. Pela direita, Zeca não repetiu Carlos Alberto Torres, porém é muito melhor do que os outros que por ali estiveram. Pela esquerda, Iago foi lastimável. Pottker — aleluia! — jogou bem. Nico López mostrou que joga mais atuando pelo meio. Neilton atuou como no Vitória, chamando o jogo para si e resolvendo bem as coisas. Já Tréllez poderia trabalhar organizando gôndolas em supermercados, é alto e alcançaria as prateleiras mais próximas do teto. Parece não servir para outra coisa, infelizmente.

Nico López: golaço e expulsão justa | Foto: Ricardo Duarte

A defesa também está longe de seu desempenho de 2018. Cuesta está em má fase e, para piorar, tem Iago jogando mal a seu lado.

O que não podemos entender é a contratação de Tréllez, atacante que jamais se destacou em lugar nenhum — nem na sua Colômbia natal.

Porém, como disse, o time melhorou e não vamos negar o mérito de Odair Hellmann nisso. Nico López, Edenílson e Dourado são os grandes destaques da equipe. Só que Pedro Lucas deveria entrar logo no lugar de Tréllez.

A expulsão de Nico foi justa. O técnico Winck, do Juventude, criou toda a confusão, só que o uruguaio não precisava ter ido até o banco do Ju para uma troca de socos. Aliás, que atitude varzeana a de Winck. Se acertou nas expulsões, a arbitragem não deu um pênalti de Cuesta e também impediu que Nico marcasse nosso segundo gol antes dos 30 do primeiro tempo.

Jogar o Gaúcho é complicado.

Esperamos que a evolução do time siga na próxima partida contra o Caxias, domingo, às 19h, no Beira-Rio. Não está nada bom, mas estamos melhorando e, daqui alguns dias, talvez sejamos melhores do que o Vasco.

Bom dia, Odair (Inter 1 x 0 Brasil-Pel)

Bom dia, Odair (Inter 1 x 0 Brasil-Pel)

Inter iniciou o jogo com Bruno e Tréllez. Isto além de D`Alessandro, que deveria entrar no segundo tempo. Essa escalação é quase como entrar com 9 homens. Ou com algumas substituições certas para corrigir o time no segundo tempo. (Isso eu escrevi no twitter antes da partida. Adivinha se os dois primeiros não foram substituídos?).

Só o Inter escala Tréllez e deixa Pedro Lucas (foto) no banco | Ricardo Duarte (SC Internacional)

O jogo iniciou com o Inter sem soluções ofensivas. Porém, em lance isolado, aos 14 min, D`Alessandro chutou no travessão. Na sobra, Moledo marcou, mas estava impedido.

Aos 15, novo gol perdido. Tréllez não entendeu a jogada de calcanhar de Nico López e não fez o gol por desatenção.

A defesa do Brasil-Pel mostrava não ser lá essas coisas. Os pelotenses erravam muitos passes, mas o Inter, para organizar contra-ataques, antes tinha que carimbar um memorando pedindo licença. Entendam, é um time burocrático.

Ademais, as jogadas de ataque acabavam sempre em Tréllez, que perdia todas.

Aos 32, Neílton deixou Edenílson na cara do gol, mas ele perdeu a bola para o goleiro.

Um minuto depois, Iago cruzou sem goleiro para Tréllez. Adivinha o que aconteceu? Nada, pois a forma com que Tréllez disputa as bolas na área é digna de um bêbado.

Graças a deus, acabou o primeiro tempo.

A mediocridade acentuou-se no segundo tempo. Havia tantas opções melhores no banco — Falo sério, ou seja, o Inter está muito mal escalado — que nem sabia o que sugerir.

Aos 13 min do segundo tempo, Odair tirou Tréllez — finalmente! — para colocar Pedro Lucas. Aos 20, já desesperado, nossa sumidade colocou Sarrafiore no lugar de Neílton.

Tudo porque nosso time parecia uma lixeira. Com Pedro Lucas e Sarrafiore, tudo melhorou. Então, Pedro tomou uma falta na entrada da área. Na cobrança, Dale bateu mal, mas no rebote Dourado tentou o gol e Moledo marcou.

O namorado da filha da minha mulher é colombiano e acompanha MUITO futebol. Ele me disse que não entende a contratação do Tréllez. Disse que ele JAMAIS se destacou por lá. Um dia — quem sabe o que houve? — , talvez o MP se interesse pelo caso. Custou R$ 1,5 milhão.

Nosso time segue mal, mas ganhará uma semana para treinar. Espero que Odair possa dar alguma dinâmica a ele e que vá retirando os inúteis. Ah, Zeca entrou bem na de Bruno.

O próximo jogo é domingo, às 17h, no Alfredo Jaconi, contra o Juventude.

Neste fim de semana o Inter não dará fiasco

Neste fim de semana o Inter não dará fiasco

Pois o Inter entra em campo apenas segunda-feira para mostrar seu futebol de segunda categoria. Assim estamos. Uma bagunça geral. Em nosso time, quem tiver vontade bate pênalti. Pedro Lucas foi o melhor jogador que atuou na centroavância em 2019, então nem fica na reserva. Joga Tréllez, dispensadíssimo no São Paulo. Ou Pottker, de quem ainda falaremos. Odair já diz “não estar sofrendo pressão”. Tá bom. Nico López — melhor jogador do time –se consagrou e diz pra todo mundo que gosta de jogar no meio, então Odair o coloca pela direita, usando um lendário senhor de quase 38 anos no meio. Melhor seria preservá-lo, imitando que a Roma fazia com seu ídolo Totti. Parece que o técnico está refém de alguns jogadores “mais salientes” e sabemos onde isso vai parar. A mesma defesa que era um paredão agora só vaza. Sarrafiore entra aos 40 do segundo tempo para resolver o jogo — e o incrível é que o time melhora –, mas não inicia os jogos. Pottker há um ano é uma piada, só atrapalha. Faria mais se caminhasse em campo, falo sério. Fizemos 3 gols em 4 jogos… Não há nem triangulações, parece que o time não treina. O elogiado Nonato não foi visto em campo. Deve ter um mau empresário. O recém contratado lateral Bruno não parece ser do ofício. Do ofício de jogador de futebol. E Zeca? Este deve ter músculos de gelatina, sempre sentido desconforto muscular, Fica olhando o Bruno e pensando “não quero jogar”, “não quero jogar”…

Odair, iniciamos o ano muito mal. Eu e a toda a torcida colorada estamos apavorados. Libertadores? Bah, nem me fala nisso.

Ainda bem que está tudo bem. Na foto, o diretor de futebol Roberto Melo, o presidente Marcelo Medeiros e o futuro ex-técnico do Inter | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Bom dia, Odair (São José 2 x 0 Inter)

Bom dia, Odair (São José 2 x 0 Inter)

Como disse o Julio Linden, há duas certezas na 1ª fase do Gauchão: (1) o Inter jogará sob um calor de 50 graus no gramado sintético do Passo d`Areia e (2) o Gre-Nal será na Arena.

E foi sob forte calor que nós vimos mais um fiasco do teu time, Odair. Com Patrick em campo, novamente perdido, o time voltou a não ter articulação e só jogou bola quando já perdíamos por 2 x 0. Tá meio na cara que precisamos de um articulador, mas Sarrafiore só entrou quando faltavam 10 min para o jogo terminar. Mesmo sem ser brilhante, o argentino deu algum trabalho.

Neilton: este está sendo fritado em razão da má companhia na armação. | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Alias, tuas substituições ontem foram atabalhoadas e inúteis até a entrada de Sarrafiore. A torcida, que não tem razão ao atirar pedras no ônibus do clube, tem toda a razão ao protestar: teu time foi mal escalado — Lindoso e Rithely saíram jogando, enquanto Nonato e Ramon, elogiadas joias da base, ficaram chupando o dedo –, com zero de entrosamento e sem muita perspectiva, mesmo considerando que são reservas. Todos os colorados estão preocupados, pois é quase um recorde ver o clube em crise antes de entrar em fevereiro. Nem o trágico 2016 foi assim. E não começar com Sarrafiore foi patético.

Ou seja, estamos muito mal. A torcida já está puta e pedindo tua cabeça. Não digo que o time não tenha vergonha, tu é que obedeces os medalhões e nunca tira ninguém por estar em má fase. Pottker e Patrick, que estão muito mal há seis meses, que o digam. Têm lugar perpétuo. Dale também. Eu fico imaginando a motivação desses garotos que subiram: Nonato, Sarrafiore, Richard, etc. Vão precisar de auxílio psicológico para entrar em campo. No dia em que entrarem, os coitados.

Odair e Cia. precisam parar com o discurso de início de temporada, de chegada de novos jogadores etc. Isto não é uma exclusividade do Inter. Outros na mesma condição mostram um futebol organizado, sem as desculpas. Não falo de resultados, mas de organização tática e técnica. ‬Em três jogos o Inter não apresentou nada em 2019, independente das escalações.

Bom dia, Odair (Inter 1 x 2 Pelotas)

Bom dia, Odair (Inter 1 x 2 Pelotas)

Eu sou contra mudar técnicos, OK? Mas hoje descobrimos que tu, Odair, passaste as férias sem pensar. Patrick não pode jogar na armação. É um volante. Ou joga ali ou é banco. Pottker não é para o Inter. E talvez Dale deva entrar só no segundo tempo. Mas como convencer um cabeça dura como tu a iniciar o jogo com Neilton e Sóbis? Enquanto isso, Nico López joga sozinho, coitado.

Pottker e nada. Qual é a diferença? O nada não atrapalha.

E o time fica sem ataque, se atrapalha em casa contra times fechados, blá-blá-blá. Sim, blá-blá-blá porque isso a gente já sabia do ano passado, né? Cansei de repetir os mesmos argumentos. Novidade nenhuma. Os jogos em casa eram um parto porque não sabíamos atacar. Ontem PERDEMOS para o PELOTAS.

Sei que é cedo, mas acredito que vale o alerta. Não estamos mais em época de reconstrução e temos jogadores e possibilidades melhores do que as que são escaladas.

Será que será mais um ano de ir atrás de uma vaga na Libertadores 2020? Porque, desse jeito, vamos cair na fase de grupos.

O Alexandre Perin acaba de contar a seguinte história:

o São Caetano tinha 2 jogadores de meio campo promissores e negociou um com o Grêmio e um com o Inter.

Matheus, o que foi pro Grêmio, teve 1195 minutos em campo em 2018 com o time principal.

Nonato, o que foi pro Inter, teve ZERO minutos em campo em 2018 com o time principal.

Assim é o Inter. No nosso time só jogam medalhões como Patrick e Pottker. Os guris que se ralem.

Bom dia, Odair (São Luiz 0 x 1 Inter)

Bom dia, Odair (São Luiz 0 x 1 Inter)

Aquilo não era um time, apenas um ajuntamento de última hora, Odair. Então, é impossível falar em organização. Sim, na coletiva tu falaste em organização. Elogiaste a partida e a sincronia de movimentos dos reservas. Balela, achei (achamos) cômico. Aqui neste espaço podemos ser mais razoáveis e falar somente em individualidades. Aquilo não foi um time, foi um horror. Então, falemos dos jogadores individualmente.

Emerson Santos fez o gol e torceu o pé durante a comemoração… | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Emerson Santos e Roberto foram surpreendentemente bem. Emerson jogou até de lateral, e muito bem. Roberto fez uma bela estreia.

Neílton repetiu seus bons jogos no Vitória. Foi para cima dos adversários e sempre obteve vantagem. Na minha opinião, acabará titular.

Pedro Lucas e Rithiely fecham o grupo dos que jogaram bem.

Daniel, Klaus, Iago, Bruno José foram aceitáveis.

Sarrafiore iniciou bem e foi afundando. É um caso para ser observado, porque parece que “pode ser bom”.

Lindoso, Parede e Juan Alano foram medonhos, mas o pior mesmo foi Uendel, uma piada. Não parecia estar muito interessado em jogar futebol. Curiosamente, recém teve seu contrato expandido.

O jogo? O jogo foi chatíssimo. Uma várzea completa. Uma perda de tempo assistir. Valeu pelos 3 pontos em um campeonato que não interessa muito.

A próxima partida do Inter será na quinta (24), às 21h15, contra o Pelotas. O time que entrará em campo será o titular e, desta vez, esperamos um futebol melhor.

Tarciso (1951-2018)

Tarciso (1951-2018)

Tarciso foi excelente jogador e ser humano. Lembro da primeira vez que o vi jogar. Ele era do América-RJ e pegou uma bola no meio de campo. Ganhou velocidade e evidentemente perderia a bola para Pontes, zagueiro do Inter que o perseguia e que era conhecido por sua rapidez. Engano. Tarciso foi até lá dentro da goleira do Inter. O resultado foi Inter 0 x 1 América-RJ. Logo veio para o Grêmio onde foi merecidamente ídolo. Mesmo ele sendo gremista, gostava dele.

gremio.net

O deserto tático do futebol brasileiro, por Thomaz Santos

O deserto tático do futebol brasileiro, por Thomaz Santos

Essa noite um amigo meu (que chamarei de “palestrinha”) levantou uma questão interessante em um grupo do Facebook sobre futebol quando comentou que o campeonato japonês, embora tecnicamente ainda fraco e fisicamente abaixo do nosso campeonato nacional, encerrado neste domingo, está muito acima do futebol praticado aqui no que diz respeito à organização tática. E ele pode ter muita razão em dizer isso, e mesmo discordando dele em 99% das discussões futebolísticas, vou tentar justificar porque dessa vez concordo com ele.

Bueno, sempre gosto de lembrar uma história do Inter dos anos 1960/1970, que foi o debate interno entre dirigentes (os chamados “Mandarins”, termo usado pelo Luis Fernando Verissimo para se referir ao grupo político que chegou ao poder no clube na virada da década e que foi responsável por mudar a gestão de futebol do clube) sobre quem deveria ser titular no time treinado pelo Daltro Menezes: se Bráulio, o Garoto de Ouro, joia da base colorada e que era um jogador extremamente técnico, ou Sérgio Galocha (*), nem de longe um primor de técnica, mas um jogador fisicamente forte e veloz.

Montagem da página História do Sport Club Internacional (Facebook)

Pois então, os Mandarins entendiam que um jogador de futebol tinha três atributos básicos: técnica, força e velocidade. E, para ser jogador do Inter daqueles anos, o jogador tinha de ter no mínimo duas dessas habilidades. Falcão, que subiu aos profissionais em 1973, por exemplo, era um primor nos três atributos, assim como Figueroa, contratado em 1971. Mas Valdomiro, chegado ao clube em 1968 e titular absoluto até 1979, era tecnicamente muito limitado, dependendo quase que exclusivamente da bola parada (os gols nas finais do Campeonatos Brasileiros de 1975 e 1976 saíram todos, direta ou indiretamente, de suas cobranças de falta), mas extremamente forte e veloz.

Voltando ao debate inicial, quem deveria ser titular: o Garoto de Ouro, que era extremamente técnico mas fisicamente frágil e não muito veloz, o ou Galocha, que até sabia chutar uma bola mas tinha como vantagem mesmo ser forte e rápido? Ganhou a regra do “melhor de 3” dos Mandarins e uma nova forma de pensar o futebol nascia.

E o que essa história tem a ver com a questão levantada pelo meu amigo? Porque, quase 50 anos depois, ainda escolhemos jogadores da mesma forma, mas com um quarto atributo básico: a famosa “obediência tática”. Hoje, nossos jogadores precisam ser aptos a cumprir diversos papéis em campo: goleiro tem que saber sair jogando com os pés, zagueiro tem que saber atacar, todos os jogadores de meio-campo precisam participar do jogo ofensivo e defensivo e atacante que não marca o zagueiro adversário não tem lugar no futebol moderno. Podem ver, o cara é tecnicamente fraco, lento, pesado, mas forte e “cumpre bem sua função tática”. Pronto, é titular absoluto com venda para a Europa garantida. Agora, com 4 atributos, ainda bastam dois, mas um deles sempre será a obediência tática.

Tite | Foto: Wikimedia Commons

Só que esses mesmos critérios usados para selecionar jogadores e montar elencos não são levados em conta na hora de formar e contratar técnicos de futebol. Sério, a formação de técnicos de futebol, sobretudo no que diz respeito a tática, é uma piada no Brasil. A própria Argentina, que tem diversos problemas no seu futebol nacional, forma mais e melhores técnicos do que nós, e eles muitas vezes são disputados a tapa pelo mercado europeu.

Então, mesmo não tendo visto um jogo sequer no campeonato japonês, concordo com palestrinha (ou melhor, acho que eu sou o palestrinha do grupo, levando-se em conta o quanto eu já escrevi) que o futebol jogado no Brasil é uma mixórdia tática, e a prova disso é que o melhor treinador brasileiro da última década não conseguiu fazer o a Seleção Brasileira jogar na Copa tudo o que podia, e isso é função única e exclusiva do técnico, fazer o time jogar.  Mas isso não vai ser resolvido com, sei lá, a vinda do Guardiola. Tem que pedalar a porta da CBF, mudar o calendário do futebol nacional, reformular TODAS as categorias de base no Brasil e ocupar os cursos de formação de técnicos de futebol com gente que não vive ainda em meados do século XX.

.oOo.

Thomaz Santos é professor do curso de Relações Internacionais da UFSM e acha que entende mais de futebol que a crônica esportiva gaúcha.

(*) Nota do Milton: o “Galocha” de seu apelido foi-lhe atribuído por um motivo agressivamente racista — segundo os braulistas, Sérgio seria preto e mole. Os narradores e comentaristas da época chamavam-no apenas de Sérgio, mas o tempo consagrou o Galocha.

Bom dia, Odair, (com os melhores lances de Inter 2 x 0 Flu)

Bom dia, Odair, (com os melhores lances de Inter 2 x 0 Flu)

Meu caro Odair.

Tu gostas de perder tempo. Ou respeitas algum acordo equivocado com teus jogadores. Pois passar o primeiro tempo com o atual Patrick no time é pura perda de tempo. Não sou favorável a fazer uma troca de técnico para 2019 — teu trabalho foi antecedido por diversas tragédias –, mas, credo, tu és muito lento na mudança de escalação.

No início do segundo tempo, quando entrou Rossi, que não é nenhuma Brastemp, no lugar de Patrick, o time respirou melhor e reais jogadas de linha de fundo apareceram, apesar de que os bons cruzamentos do bolsomínion eram desperdiçados Jonatan Álvez, outro problema.

O primeiro gol de Nico foi uma obra de arte. | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Mas quem resolveu o jogo foi o artilheiro, né? Que golaços fez Nico López! Digam o que disserem, jogadores como Nico são imprescindíveis. Tem gente que não chuta, que tem medo de errar, que é cagona. Outros, como Nico, não tem o menor receio de errar e acaba salvando o time por ter um chute violento. Grande Nico!

As outras observações são repetições. O Inter é leeeeento. Dale jogou bem, Fabiano foi Fabiano, Dourado jogou muito, Iago foi mal (e fez várias opções tolas em passes). Ou seja, não houve grandes surpresas.

Então, faltando apenas uma rodada para acabar o Brasileiro,  já conquistamos a vaga direta para a Libertadores 2019. Com o resultado de ontem, o Inter chegou aos 68 pontos, ficando definitivamente com a terceira posição na tabela de classificação.

A última partida será no dia 2 de dezembro, às 17h, domingo, diante do Paraná, fora de casa. É quase um jogo amistoso, no qual poderíamos ver Sarrafiore, Richard e outros jogadores secretos, né, Odair?

Bom dia, Odair (com os lances da queda livre — Inter 1 x 2 Atlético-MG)

Bom dia, Odair (com os lances da queda livre — Inter 1 x 2 Atlético-MG)

Odair, acredito que tu és o responsável por nossa vaga para a Libertadores 2019. E também por nossa decadência atual. Na tua entrevista, justificaste a manutenção de alguns jogadores no time porque “estes jogadores são também responsáveis pela posição do Inter na tabela”. Que bobagem! Futebol é momento, é um esporte coletivo onde o mau rendimento individual repercute nas ações dos outros. Ou seja, as fracas atuações de gente como Fabiano, Iago, Patrick, etc. estão afundando teu bom trabalho e o Inter neste final de Brasileiro.

Lambança no final do Brasileiro | Foto: Ricardo Duarte

De resto, nem adianta reescrever coisas. O Inter permanece lento e previsível, chato mesmo, como já cansei de escrever. E perdeu o jogo merecidamente para o Atlético-MG, apesar dos incríveis gols perdidos por Damião.

Ontem, já poderíamos ter sido ultrapassados pelo Grêmio, que jogou meio Brasileiro com reservas. Veja bem, preste bem atenção à superioridade deles, Odair.

O próximo jogo também será no Beira-Rio. Será domingo, dia 25 de novembro, às 19h, diante do Fluminense. Com nosso péssimo futebol atual, é jogo perigosíssimo, ainda mais que o Grêmio pega o fraco Vitória. Será que eles e o São Paulo vão nos tirar do G-4?

Estamos em 3º lugar com 36 jogos e 65 pontos. O Flamengo, em segundo lugar, já tem 69 e é melhor esquecer. O Grêmio está com 62 em quarto e o São Paulo também tem 62, mas faz seu 36º jogo hoje contra o Vasco. Pode encostar em nós. Vamos cair para o 5º lugar com teus Patrick, Iago e turma?

Bom dia, Odair (com os lances do fiasco de Botafogo 1 x 0 Inter)

Bom dia, Odair (com os lances do fiasco de Botafogo 1 x 0 Inter)

Um time que erra passes e que decide esperar o adversário fatalmente ficará preso em seu campo, sem jogar. Este foi o primeiro tempo do jogo de ontem contra o Botafogo no Engenhão (Rio de Janeiro). Para piorar, nossos poucos ataques não terminavam em chutes a gol. Tem sido assim fora de casa, Odair. Tua estratégia para estes jogos é um repetido fracasso. Olha a estatística que o Alexandre Perin publicou em seu perfil do Facebook:

Desempenho do Inter como visitante no segundo turno:

– Vitória contra o Bahia, bom desempenho
– Empate contra o Cruzeiro, bom desempenho
– Derrota contra a Chape, mau desempenho
– Empate contra o Corinthians, mau desempenho
– Derrota para o Sport, péssimo desempenho
– Empate contra o Vasco, mau desempenho
– Empate contra o Ceará, mau desempenho
– Derrota para o Botafogo, péssimo desempenho

3 derrotas, 4 empates, 1 vitória. 7 pontos em 24 possíveis.

É isso.

Junto com Zeca, Patrick foi o pior em campo no jogo de ontem | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Para piorar, é incompreensível a insistência com Patrick e Iago, sem falar no “Caso” da lateral direita, entregue a dois incompetentes, Fabiano e Zeca. A decadência da equipe tem seu lado ruim e bom. O ruim disso tudo é que podemos ficar fora do G-4 e atrás do Grêmio, o que deixaria os gremistas tirando sarro da gente por todo o período de férias. O lado bom é que sabemos previamente que não temos time para a Libertadores. Sempre achei que não tínhamos reposições, agora acho que não temos titulares. Dale, que fará 38 anos em maio, tem que ser a cereja do bolo, jamais o cara fundamental. Na verdade, no Campeonato Brasileiro, nossa boa posição na tabela advém dos jogos em casa, da pressão, de nossa torcida.

Junto com Patrick, Zeca foi o pior em campo no jogo de ontem | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Nossa luta e minhas orações de ateu são para conseguir a vaga direta. A questão é como segurar nossa queda livre. Os jogos contra Atlético-MG e Fluminense no Beira-Rio, na próxima quarta e domingo, serão fundamentais. É claro que não sou pela tua saída, Odair, só que há alterar totalmente a postura fora de casa. O time entra desmobilizado, previsível, aceitando a marcação, tímido e passivo. Ou seja, desse jeito, vamos perder todas fora de casa na Libertadores 2019.

Se fosse a atuação de Lomba, teríamos tomado uma goleada história ontem no Rio | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Lomba te salvou de uma goleada, Odair. Por três vezes ele ficou no mano a mano com atacantes do Fogão e conseguiu desarmá-los. Acho que tu já agradeceste a ele. Não? Pois faça-o já.

Bem, esqueça o título e tente ganhar as duas próximas em casa, Odair. Estamos em terceiro com Grêmio e São Paulo chagando. Temos 65 pontos, eles 62. O Grêmio tem mais saldo, é só encostar que passa. E a diretoria que trate de pensar em futebol e não somente na reeleição. É só pensar um pouco. Futebol é momento e a eleição pode ser decidida dentro de campo e não nas entrevistas de Roberto Mello, fazendo apologia da “continuidade”.

Bom dia, Odair (com os melhores lances de Inter 2 x 0 América-MG)

Bom dia, Odair (com os melhores lances de Inter 2 x 0 América-MG)

Ontem à noite, tivemos um jogo um pouco mais tranquilo do que o normal. É incrível como o Inter tem dificuldades para marcar gols. Não obstante, Damião foi o grande destaque da partida. Fez o primeiro gol em passe milimétrico de Edenílson e devolveu a gentileza ainda no primeiro tempo. O jogo virou 2 x 0.

Damião prepara-se para arrematar e marcar seu 108º gol pelo Inter | Foto: Ricardo Duarte (SC Internacional)

Damião, ao marcar (foto acima), chegou a seu 108º gol com a camisa do Inter. Assim, entrou na lista dos 10 maiores artilheiros do clube. Está empatado com Adãozinho, jogador histórico do Rolo Compressor, que defendeu o clube entre 1943 e 1951.

Os maiores goleadores da história do Inter:

  • 1º – Carlitos – 485 gols
  • 2º – Bodinho – 235
  • 3º – Claudiomiro – 210
  • 4º – Valdomiro – 191
  • 5º – Tesourinha – 178
  • 6º – Larry – 176
  • 7º – Villalba – 153
  • 8º – Ivo Diogo – 118
  • 9º – Jair – 117
  • 10º – Adãozinho – 108
  • 10º – Leandro Damião – 108

No segundo tempo, tivemos mil oportunidades para contra-atacar o desesperado time do América-MG — que está indo para a Segunda Divisão –, só que tudo foi desperdiçado. Tomamos até sufoco por pura inabilidade de manter a posse de bola. Sinceramente, não consegui ver grande superioridade nossa, mesmo jogando em casa contra o 19º colocado do Brasileiro.

Há um longo caminho a percorrer até chegarmos a ter um bom time. Os laterais Fabiano e Iago, por exemplo, têm sido ridículos e são titulares absolutos. Uma tragédia.

A próxima partida é contra o bom Botafogo, domingo, às 17h, no Engenhão. Voltaremos a jogar em casa na 36ª rodada, quando enfrentaremos o Atlético-MG, dia 21 de novembro, no Beira-Rio.

Estamos a 5 cinco pontos do Palmeiras. Na minha opinião, está é uma diferença definitiva, tendo visto os últimos 4 jogos do Verdão: Paraná (F), América-MG (C), Vasco (F) e Vitória (C). Ou seja, pegam 3 rebaixados e o Vasco. Nossa tabela é bem mais complicada: Botafogo (F), Atlético-MG (C), Fluminense (C) e Paraná (F). Já era, né?