Texto bom de guardar porque é bom (por Élvis Eliel, no Twitter)

Texto bom de guardar porque é bom (por Élvis Eliel, no Twitter)

Texto de Élvis Eliel (@ElvisEliel_)

Dois jogos e duas vitórias de Eduardo Coudet frente ao comando técnico do Internacional. Mesmo com escalações diferentes, a formatação tática foi idêntica em ambas as partidas. Já conseguiu entender como o argentino faz o seu time jogar? Se liga:

No papel, esse é o esquema. Rodrigo Lindoso como 1º volante, Edenílson e Patrick na segunda função e Johnny como meia armador. Mas isso, como eu disse, é no papel.

Na prática, Lindoso recua para a linha de zaga e se posiciona no centro. Johnny, que na teoria seria o meia, se apresenta antes de Ed e Patrick, na segunda linha. Saída de bola qualificada, muitos passes e rotação. E o mais importante: paciência para achar a melhor opção.

Essa função do Johnny ontem, foi do Nonato no 1º jogo. Box to box. Uma maneria inteligente de desestruturar a primeira linha de defesa adversária, abrindo espaço para os volantes/meias de lado infiltrarem. Assim, Edenílson marcou o primeiro gol da vitória sobre o Pelotas.

Importante ressaltar que a presença do 1º volante entre os zagueiros, além de qualificar a saída de bola, libera ambos os laterais. São duas opções a mais para os meias após o rompimentos da primeira linha de defesa.

Além dos 73,3% de posse de bola, o Inter trocou 660 passes. Mais do que qualquer partida de 2019. Resultado disso: 13 finalizações, sendo 9 no 2º tempo. Isso porque o adversário corre demais e, consequentemente, cansa. Além da pressão na saída de bola. Isso é marcar atacando.

Individualmente, D’alessandro fez chover com a liberdade de movimentação que a nova posição o proporciona. Sem correr atrás de lateral, sobra pulmão e talento.

Edenílson parece ter nascido para jogar nesse esquema. Entende a função e a executa perfeitamente. Que jogador!

Bom dia, Coudet (com os lances de Inter 3 x 1 Pelotas)

Bom dia, Coudet (com os lances de Inter 3 x 1 Pelotas)

O Inter entrou com teu time deste inicio de trabalho: Rodinei e Moisés nas laterais, Johnny como um dos armadores, Dale na frente e, bem, Patrick. O esquema-base é o teu habitual: 4-1-3-2.

Desde o começo do jogo ficou claro que há muito a ser treinado. O time foi lento. Gostei das arrancadas de Rodinei, ele fez boas trocas de passes, mas errou todos os cruzamentos. Todos. Já Moisés foi melhor, se impôs mais, apesar de também ter errado bastante. Gosto dele desde a época do Botafogo e espero confirmar minhas impressões. Johnny foi muito discreto, só que é um garoto em dia de estreia.

No primeiro tempo, o goleiro do Pelotas não fez nenhuma defesa. A única bola chutada foi o gol de Edenílson após sensacional passe de Dale. Tivemos sempre a bola, mas nada de pressão ou agressividade. Um time lento, repito.

Edenílson recebendo o passe genial de D`Alessandro para marcar o primeiro gol | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Patrick foi Patrick, só ficou se enrolando e atrapalhando Moisés. Deve ser um bom sujeito, boa praça. O pessoa de lá gosta de ter ele por perto.

No segundo tempo, coisa foi igualzinha, até no aparecimento da genialidade de Dale, que marcou o segundo gol. De falta em falta sofrida por ele. Dependemos de um cara que fará 39 anos em 15 de abril. Se somos inteligentes em manter D`Alessandro, somos muito burros em não trabalhar um substituto.

Depois, sabem o que houve? Novamente Dale. Ele bateu um escanteio na cabeça de Guerrero para fazer 3 x 0. No final, o Pelotas descontou numa saída em falso de Lomba. Moisés, que é alto, também não pulou. Resultado: gol do Pelotas. Acabou 3 x 1.

Sempre, sempre Dale | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Tem gente falando em show do Inter. Não vi nada disso. Achei tudo muito normal, uma continuação melhorada do ano passado. Os laterais são superiores, mas a armação segue pouca e lenta. Johnny foi discreto; Patrick, confuso; Rodinei, estranho.

Bem, sigamos.

O compacto do jogo começa aos 30 segundos.

Texto bom de guardar porque é bom (por Alexandre Perin, no Facebook)

Sobre a Copinha:

Um título justo, jogamos bem toda a competição, destaques individuais em vários setores (Mazetti, os 3 zagueiros, Murilo, Matheus Monteiro e Cesinha foram bem sempre, Guilherme Pato cresceu na reta final e obviamente Praxedes, um dos melhores jogadores do torneio).

Não acreditem em desinformados e mau intencionados dizendo que nosso time era mais velho. Nem que o Grêmio tem mais jogadores da idade máxima no profissional (5×3).

“Ainn na final o time podia ter vencido no tempo normal”. Claro que sim, mas pesou o nervosismo, cansaço (Inter mudou de sede 7x em 9 jogos, Grêmio por exemplo só mudou 3x) a ansiedade de querer resolver logo (chutes lotéricos qdo o óbvio era o passe), não aproveitamos decisões táticas ruins do treinador deles.

E outra coisa : o time deles é bom pra kct. Diego Rosa e Pedro Lucas tem muito futebol, o lateral direito q não jogou, Vanderson, tb é promissor. E o goleiro Adryel claramente é diferente, especial. Grêmio é referência hoje na base, precisamos seguir evoluindo para passar eles novamente.

FUTURO

Em 2018 a decisão de assinar com a Double Pass foi um acerto incrível e muito elogiado aqui por mim e outras pessoas. Inter usa base para formar um time e privilegia a técnica.
Joga com jogadores abaixo da idade e logo libera para o profissional.

No 0x5 pro Guarani gerou uma profunda reforma na base, especialmente pelos objetivos. Antes de sair, o antigo coordenador Diego Cabrera renovou com vários lixos por longo contratos, jogadores medíocres como Cazzetta e Zé Gabriel. Decisões “estranhas” sob influência divina e com apoio dos parças empresários.

Com a chegada do novo gerente geral da base, Erasmo Damiani, claramente o inço de funcionários, diretores profissionais vazou. Pra quem não sabe, o São José inteiro estava na base colorada. Era uma esculhambacao.

O treinador do Sub 20, Fábio Matias, semifinalista em 2018, saiu antes do fiasco justamente por não compactuar. Fez bela campanha no Figueirense e retornou agora para o time mostrando uma baita competência.

O futuro é promissor.

O próximo trabalho é acabar com o Sub23, usar no máximo 21 nos aspirantes e manter o processo de transição para o profissional.

O Celeiro de Ases não voltou a pleno, mas tá chegando…

Vamo Inter!

Bom dia, Coudet (com os melhores lances de Ju 0 x 1 Inter)

Bom dia, Coudet (com os melhores lances de Ju 0 x 1 Inter)

Seja bem-vindo, meu caro Eduardo Coudet.

Sei bastante a teu respeito e saberei muito mais nas próximas semanas, mas ontem não pude ver o jogo. Fui ao show de Yamandu Costa no StudioClio e depois jantar com minha mulher e amigos, sempre de olho no placar de Caxias. Saiba, Coudet, que o show estava demais, com várias milongas e chamamés que não seriam estranhos a ti.

Já te digo que acho que o Campeonato Gaúcho deveria ser extinto, mas, enfim, é o que tens para tentar dar algum formato ao time.

Thiago Galhardo batendo o pênalti que deu a vitória ao Inter | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Fiquei sabendo que, pela primeira vez em um ano e meio, Sarrafiore permaneceu 90 minutos em campo. Também tivemos tempo completo para a estreia de um jogador da base, Pedro Henrique. E mais as boas novidades de Musto — boa saída de bola — , Marcos Guilherme e Thiago Galhardo. Decida se Sarrafiore merece sequência. Eu acho que merece, pois dizem que fez boa partida e ele jamais teve jogos consecutivos para ganhar algum entrosamento e forma técnica.

Quando vi que escalarias reservas, pensei logo num pequeno fiasco como o protagonizado pelo Grêmio no dia anterior, mas não foi assim — dizem que foi uma vitória merecida por um placar que poderia ser mais dilatado.

O jogo deve ter sido chato. Os melhores momentos demonstram isso. Porém, ouvi que todos se envolveram seriamente com a partida.

Assisti agora e gostei da tua entrevista após o jogo. Falas pouco, ainda mais se compararmos com o verborreia sem objetivo do desfalcado mental que treina o tradicional adversário. Ontem, ele falou anos sem ter o que dizer. Disse até que o Inter atrasava salários…

Boa sorte, Coudet! Fico feliz com tua chegada. Quanto ao resto vão tomar no Coudet vocês! No Clube do Povo, queremos um Coudet todos! E, sabemos que Coudet bêbado não tem dono.

Vamos aos melhores lances (eles começam aos 55 segundos do vídeo abaixo). Tem gente reclamando que estes melhores momentos estão uma porcaria. Perguntam onde está o lance em que o Sarrafiore perdeu gol na cara, cadê o do Thiago Galhardo sozinho que o goleiro defendeu e o segundo pênalti que Daronco não deu. Bem, vai ver que é um vídeo de segunda linha, de Gauchão mesmo.

Qual será a cara do Inter de Coudet?

Qual será a cara do Inter de Coudet?

Eu vi dois jogos do Racing de Coudet. Não dá para adotar aquilo rapidamente. Coudet é o anti-Odair. Joga no campo do adversário e tenta impedir que ele saia de lá. Ganharam do Boca em La Bombonera e era o Boca quem dava chutões. Todo mundo parecia ter 20 anos de idade no time do Racing. Muita movimentação. SE conseguir fazer logo algo semelhante, seremos indigestos para muito time aí.

SE…

A mudança de comando foi muito mais radical do que a maioria pensa. Só espero que os jogadores não se irritem com o novo técnico. Afinal, Papito era legal, Papito só fazia a gente jogar 1x por semana, Papito era fofito.

.oOo.

Jogadores da base que foram inscritos no Campeonato Gaúcho: Caio Vidal, Praxedes, Cesinha, Lucas Mazetti, Matheus Monteiro, Pedro Henrique e Tiago Barbosa.

O grande Natanael ganha 241 mil reais CLT. Tem mais 2 anos e meio de contato. E não foi inscrito. Que baita jogador! Zé Aldo também não foi. Coudet não gostou e tem os problemas extra-campo.

Atualizando a lista de dispensados pelo Inter… E quem fica?

Atualizando a lista de dispensados pelo Inter… E quem fica?

OS DISPENSADOS:

Nico López
Emerson Santos
Tréllez
Rithely
Bruno Silva
Matheus Galdezani
Ramon
Carlos Miguel
Guilherme Parede
Bruno
Rafael Sóbis
Juan Alano
Charles
Valdívia
Dudu
Ferrareis
Neilton
Paulão (final do vínculo)
Andrigo (final do vínculo)
Klaus
Pedro Lucas
Zeca

QUEM FICOU ATÉ AGORA (lista de Alexandre Perin):

Goleiros (4): Danilo Fernandes, Marcelo Lomba, Keiler, Daniel
Laterais (5): Rodinei, Heitor, Moisés, Erik, Natanael, Uendel
Zagueiros (4): Victor Cuesta, Rodrigo Moledo, Roberto, Bruno Fuchs
Volantes (6): Rodrigo Dourado(*), Edenilson, Patrick, Rodrigo Lindoso, Nonato, Damián Musto
Meias (4): D’Alessandro, Sarrafiore, Johnny, José Aldo
Atacantes (5): William Pottker, Paolo Guerrero, Wellington Silva, Peglow, Netto
Total: 29 jogadores

Faltaria dar um destino para Zeca, Uendel e Natanael, na opinião de alguns…

Obs.: (*) lesão grave

QUEM FOI CONTRATADO:

Rodinei – lateral-direito – Flamengo
Damián Musto – volante – Recreativo Huesca-ESP

O técnico Eduardo Coudet terá muito trabalho pela frente | Foto: SC Internacional

Minelli, 91 anos

Minelli, 91 anos

Rubens Minelli foi, sem dúvida, o melhor técnico que vi comandando o Internacional. Era um cara nada teimoso, aparentemente sem manias por jogadores ruins (ou por jogadores amigos, ou por jogadores de empresários influentes) e que se apoiava naqueles que estavam jogando bem para dominar o vestiário. Foi um estrategista revolucionário em sua época. Seu Palmeiras de 1969 já era um time taticamente muito diferente do normal, mas nada como seu Inter de 74 a 76. Minelli trouxe o estilo do futebol da Holanda de 1974 para o Beira-Rio. Venceu todos os jogos do Gaúcho de 1974, disputado logo após aquela Copa do Mundo — foi campeão também em 75 e 76 — e foi bicampeão brasileiro 75-76. Treinava todo mundo, inclusive a imprensa. Semanalmente, pagava um almoço para os repórteres que faziam a cobertura do clube. Pedia que desligassem os gravadores, mas enchia-lhes de cerveja e das informações que podia dar.

Sempre fazia uma ou duas substituições por volta dos 10 min do segundo tempo. Sempre tentava pressionar os adversários de modo a abrir rapidamente 2 x 0 e baixar o ritmo. Tinha mil jogadas ensaiadas e estratégias para cobranças de faltas. Se Muricy disse que jamais viu alguém tão bom e convincente nos treinamentos, eu garanto pelos resultados.

Feliz aniversário, Minelli.

Explicando o Campeonato Gaúcho de 2020

Explicando o Campeonato Gaúcho de 2020

Já que ninguém explica em termos claros, vou dar a morta pra vocês, esclarecendo como será o Picanhão (ou Vaziozão) 2020. O Campeonato Gaúcho de Futebol de 2020 – Série A, oficialmente denominado Gauchão Ipiranga 2020, será a 100ª edição da competição organizada anualmente pela Federação Gaúcha de Futebol e será disputada entre 22 de janeiro e 19 de abril em um máximo de 17 datas.

Pela primeira vez desde a edição de 2013, o Campeonato Gaúcho voltará a ser disputado no formato de dois turnos — Taça Ewandro Poeta e Taça Francisco Novelletto (hã?). No primeiro turno, as equipes, divididas em dois grupos, enfrentam-se dentro das chaves em jogos apenas de ida (5 datas). Os dois melhores colocados de cada chave avançam para a semifinal e os vencedores para a final do turno (2 datas). Já no segundo turno, as equipes dos grupos A e B enfrentam-se entre si em jogos apenas de ida (6 datas). Os dois melhores colocados de cada chave avançam para a semifinal e os vencedores para a final do turno (2 datas).

Os campeões de cada turno enfrentarão-se na grande final em jogos de ida e volta para definir o campeão do Campeonato Gaúcho de 2020 (mais duas datas). Caso a mesma equipe vença os dois turnos, será automaticamente declarada campeã do campeonato. Então, esses dois últimos jogos poderão não ocorrer.

Ao final do campeonato, o time melhor colocado, excetuando-se a dupla Gre-Nal, será declarado campeão do interior. Os três melhores colocados na classificação geral vão para a Copa do Brasil de Futebol de 2021, porém, caso estes times já tenham conquistado a vaga por outro método, a vaga será repassada ao time subsequente. Também será disponibilizada uma vaga para o Campeonato Brasileiro de Futebol de 2021 – Série D, que será distribuída para o melhor colocado que já não esteja classificado para alguma divisão do Campeonato Brasileiro de Futebol.

Os grupos:

Grupo A: Inter, Juventude, Novo Hamburgo, Pelotas, São Luiz e Ypiranga.
Grupo B: Grêmio, Aimoré, Brasil-Pel, Caxias, Esportivo e São José.

Bom dia, Marcelo Medeiros

Bom dia, Marcelo Medeiros

Eu não esperava a vaga direta para a Libertadores. Mesmo. Bem, depois falo sobre isso.

Para 2020, o Inter deve ser pensado, repensado e, talvez, dispensado. Inclusive tu, Marcelo. É claro que tu não vais renunciar, então digo que talvez eu — ou a torcida — vá dispensar o clube em 2020. Alguns farão política contra ti, claro. Eu não sou candidato a nada, mas te digo que estou cansado de nosso futebol.

É demais. Tu estás finalizando três anos de gestão e, OK, subiste em 2017 da segunda para a primeira divisão. Só isso e  mérito nenhum. Afinal, até hoje, todos os grandes subiram no primeiro ano. Tua administração foi tão opaca que conseguiste subir sem brilho, na segunda colocação.

Tua administração é um mero balcão de maus negócios. Para quem foi boa a contratação de Natanael, por exemplo? Ele recebe 280 mil por mês em três anos de contrato. Jogava na Bulgária, imaginem. Sua estreia foi tão ridícula que ele nunca mais voltou a entrar em campo. É reserva do desastroso Uendel. Quem ganhou com esta contratação obscura, que provocou gozações do pessoal do Athlético-PR, onde ele atuava antes de ir para a Bulgária? Quem ganhou?

E Natanael não é o único. Há Parede — este joga mal e sempre, vocês dizem que vão contratá-lo… –, Bruno Silva, Tréllez, Rithely, etc. Negócios, apenas negócios, sem futebol.

E o pior é que temos bons meninos na base. Gostaria que se tivesse com eles a mesma paciência que temos com o Parede, Edenílson, Patrick, Uendel, que estão comprometendo o time há muito tempo.

Peglow — faz gols todo dia nos times da CBF –, Netto, José Aldo, Sarrafiore, a gente mal os conhece. E vocês contratando gente meia boca.

Como disse lá no início, eu não esperava a vaga direta para a Libertadores. Mesmo. Espero a baga na pré. O Fortaleza não pode mais encostar na gente, mas o Goiás, sim.

Sobre perder para o São Paulo no Morumbi; eu já esperava. Incrível como Zé Ricardo conseguiu esculhambar a única coisa que funcionava no nosso time, a defesa. Ontem, dava risadas com as patacoadas de Moledo e Cuesta.

Esta tua administração, Marcelo Medeiros… Demitir Odair sem um plano B engatilhado…

Guerrero na derrota de ontem à noite, uma das poucas boas contratações de um time que joga dinheiro pela janela | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Do que o Inter precisa para ir à Libertadores 2020

Do que o Inter precisa para ir à Libertadores 2020

O Flamengo é o campeão do Brasileiro de 2019 e, como também venceu a Libertadores deste ano, o que lhe garante classificação automática para o ano seguinte, criou mais uma vaga para esta competição neste ano. O mesmo fez o Athlético-PR: como venceu a Copa do Brasil e está em quinto lugar no Brasileiro, ele também criou mais uma vaga.

Então, estes dois competentes clubes fizeram o G-6 transformar-se em G-8, ou seja, teremos 8 times brasileiros na Libertadores de 2020 — 6 com vagas diretas e 2 na escorregadia pré-Libertadores.

O Inter está em sétimo lugar. Vejamos.

1 Flamengo 87 pts, 27 v
2 Santos 71 pts, 21 v
3 Palmeiras 68 pts, 19 v
4 Grêmio 62 pts, 18 v
5 Athletico-PR 60 pts, 17 v
6 São Paulo 57 pts, 15 v
7 Internacional 54 pts, 15 v
8 Corinthians 53 pts, 13 v
9 Fortaleza 49 pts, 14 v
10 Goiás 49 pts, 14 v
11 Bahia 48 pts, 12 v

Para não ir à Libertadores 2020, o Inter teria que perder duas posições, caindo para o 9º lugar.

Todos jogam mais duas partidas. O Inter contra o São Paulo — observem a colocação dos são-paulinos, se os vencermos quarta-feira assumimos o 6º lugar com 16 vitórias contra 15 e podemos incrivelmente pegar uma vaga direta — e contra o Atlético-MG na última rodada, domingo.

O São Paulo pega o Inter (C) e o CSA (F). Este resultado garante uma vaga, no mínimo, na pré-Libertadores.

O Corinthians pega o Ceará (F) e o Flu (C).

O Fortaleza pega o Flu (F) e o Bahia (C).

O Goiás pega o Palmeiras (F) e o Grêmio (C).

E o Bahia, com chances quase nulas, pega o Vasco (C) e o Fortaleza (F).

Ou seja, como Goiás e Fortaleza estão a 5 pontos de distância, está difícil cair fora da pré-Libertadores. E se empatarmos em pontos com o Corinthians, estaremos na frente em razão do menor número de vitórias dos paulistas. Já para a vaga direta, os sites de estatísticas dão entre 18 e 24% de chances.

Então, é melhor a diretoria reformular o time para 2020, pois estamos MUITO MAL.

Bom dia, Zé Ricardo (com os lances de Inter 1 x 1 Athlético)

Bom dia, Zé Ricardo (com os lances de Inter 1 x 1 Athlético)

Para usar um termo que está na moda, o Inter é tóxico, faz mal. Na verdade, a diretoria e seu guru Fernando Carvalho fazem mal. Pois só uma pressão de cima justifica certas escalações. Pô, Patrick a esta hora? Ele só poderia jogar na lateral esquerda, naquele lugar para onde temos Natanael, Uendel, Zeca Oktoberfest, etc.

Já pensaram em somar os salários deles? Acho que dava um, digamos, Filipe Luís + um guri da base na reserva. E se somássemos os salários de Sóbis, Trellez e Parede? Acho que teríamos um bom reserva pro Guerrero. E se pegássemos o Bruno Silva e o Rithely? Bem, não me digam que estas contratações eram loteria, que poderiam dar certo. Quem apostava em Sóbis (há anos não faz um bom jogo), Trellez (idem) e Parede (reserva no Ypiranga), quem conhecia Natanael ou acreditava em Uendel? Ninguém. A margem de erro das contratações pode baixar sim.

Lindoso: um dos poucos acertos da diretoria | Foto: Ricardo Duarte

Ontem jogamos muito, mas muito mal. O primeiro tempo foi de rara pobreza. A saída de bola estava um caos. Lindoso simplesmente deixou de circular entre os dois zagueiros para fazer a saída de bola — ordem de Zé Ricardo? Como consequência, Moledo e Cuesta passaram a dar chutões, no que foram auxiliados por Lomba. Já disse, o Inter é tóxico. Uma providência singela — pedir para que Lindoso fosse uma opção segura de passe — não foi tomada.

Só que Lindoso fez um golaço, mas Zeca Oktoberfest providenciou o empate do, falemos sério, fraco time do Athlético-PR. Os curitibanos jogaram muito mal, se esforçaram para perder, mas nós não sabemos ganhar.

Jogamos 12 pontos contra o Athlético-PR e ganhamos 1. O time deles tem Wellington Martins de volante e capitão. E mais não digo.

No segundo tempo, pressionamos bastante. Perdemos gols e até um pênalti batido por Guerrero. Não sei o que houve com Nico, mas o gol perdido por ele no final da partida — coisa bem comum — foi diferente: Nico queria o gol bonito, não o gol, se me entendem.

E assim seguimos para o Gre-Nal. Estamos prontos para tomar nova goleada. Algo há naquele vestiário, certamente insatisfação, brigas, má gestão. Cada vez fica mais complicado pagar a mensalidade para ver tanta confusão espirrando para dentro do campo.

PS: o Inter teve 6 pênaltis a seu favor em 2019. Errou 4. Devemos treinar muito este e outros fundamentos…

Bom dia, Zé Ricardo (com os lances de Bahia 2 x 3 Inter)

Bom dia, Zé Ricardo (com os lances de Bahia 2 x 3 Inter)

Deves saber, Zé Ricardo, que Odair jamais venceria o jogo de sábado contra o Bahia. Em primeiro lugar, porque não atacaria como atacamos. Em segundo lugar, porque, quando o Bahia descontou para 1 x 2, Odair recuaria, chamando o Bahia para nosso campo sem contra-atacar. Zé Ricardo manteve o time na frente e fez o terceiro.

No final do jogo, Guerrero fritou Odair: “Time entrou com tática diferente, para ganhar”.

Outra coisa maravilhosa é que foi um jogo sem VAR, essa grande invenção que não funciona no Brasil.

Boa partida de Neilton | Foto: Ricardo Duarte

No mais, vamos antes a uma estatística trazida pelo Alexandre Perin:

O Inter jogou 2 partidas no 4231 fora de casa e ganhou 2. Fez seis gols.

Inter jogou 1 jogo no 442 fora de casa e ganhou 1. Fez 2 gols.

Inter jogou 11 jogos como visitante no 4141 e ganhou 1. Fez 5 gols.

Por que Odair manteve o 4141 por tanto tempo?

Bem, sem Dale e Patrick, Zé Ricardo escalou Neilton e Parede.  O primeiro tempo de Parede foi trágico, mas ele melhorou no segundo tempo, marcando até um gol e dando passe para outro. Azar de comentaristas como eu, que estavam espinafrando Parede. Tive a sorte de não deixar registro por escrito, Gustavo Czekster… Prova de que às vezes é melhor esperar o fim do jogo, né?

Já Neilton foi escalado onde fazia misérias no Vitória, pelo meio. E saiu-se bastante bem.

Minha opinião? O 4231 deve ser mantido, é óbvio. Patrick deve entrar ou na posição de Wellington Silva ou na lateral esquerda. E Dale deve alternar com Parede ou Sarrafiore. Temos um equilíbrio bastante débil, então não é bom mexer muito.

Com a vitória, a segunda consecutiva fora de casa, chegamos aos 45 pontos em 28 jogos e ocupamos o 5º lugar. Voltamos ao campo na próxima quinta-feira (31/10), quando recebemos, a partir das 21h30, o Athletico Paranaense. Domingo tem Gre-Nal no Humaitá.

Bom dia, Renato e Zé Ricardo

Bom dia, Renato e Zé Ricardo

Tu, Renato, assim como o Zé Ricardo, estás mal assessorado. Imagina que o Flamengo não poupa seus jogadores, tem poucos lesionados, corre muito e, quando alguém se machuca, volta logo. Que incrível, né? O chefe do Depto. Médico do Grêmio é um pediatra… Mas conheço mais o caso do Inter.

Os jogadores são caros e, incrível, também são seres humanos que, como todo mundo, merecem profissionais atualizados. Rodrigo Dourado foi operado no primeiro semestre. Voltaria logo. Fez uma partida e foi operado novamente. Matheus Galdezani sofreu uma grave lesão em janeiro e nunca mais. Acho que será operado novamente qualquer dia desses. E Nonato está sendo “tratado”. Um perigo!

Outra coisa é a preparação física. É óbvio que Odair usava as folgas para agradar seus pupilos e permanecer no cargo. Todo mundo jogava — e todo mundo folgava — e era feliz com o papito. O vestiário estava na mão do técnico e a instituição que se danasse. Já Jorge Jesus é malvado — com ele sempre os melhores atuam.

É que ele trouxe toda uma trupe de Portugal. Ele tem uma equipe de seis portugueses e um brasileiro — que é o motivador Evandro Motta. Não desprezo Motta, mas vejam, a ciência é toda europeia. São auxiliares técnicos, preparadores físicos e analistas de desempenho, todo mundo bem informatizado e atualizado. O resultado disso fica claro dentro de campo.

Enquanto isso, em nossas comissões técnicas reina o compadrio. Todo mundo é amigo e está lá há anos, com os resultados que vemos. Os nomes dos médicos são os mesmos há 20 anos. Digo isso com conhecimento de causa. Tem um lá com 25 anos de casa. Será que eles se atualizam?

Mas é claro que há mais: o Flamengo tem jogadas ensaiadas, tem sincronia, há trabalho real ali, tempo de trabalho. Ouvi Rodrigo Caio dizer que jamais foi tão exigido do ponto de vista físico como com Jesus. E está lá, jogando sempre. Nada de folgas pelo desgaste. Aqui, os jogadores são mimados. Isto é apenas inabilidade para administrar o grupo, para deixá-lo calminho.

Óbvio que isto não explica 100% as atuações de Geromel e Kannemann na quarta-feira. Kannemann é comum, mas Geromel é bom jogador. Olha, se Geromel tivesse mais ritmo de jogo, talvez não perdesse aquela bola para Bruno Henrique logo no início do segundo tempo e que resultou no escanteio do segundo gol. Lembram da jogada? O magrão teve a noção de tempo de um bêbado. E falhou ou estava fora do lugar nos três gols seguintes. Querem saber de uma coisa? Dá uma folga pra ele, Renato. O coitado está es-ta-fa-do.

Foto: gremio.net

Bom dia, Roberto Melo

Bom dia, Roberto Melo

Eu não vou escrever sobre Ricardo Cobalchini — o menino que pegou este rabo de foguete — mas sobre nosso diretor de futebol Roberto Melo, futuro presidente do Internacional, pois é o nome da situação. E vou escrever rapidamente, porque ele não merece mais do que algumas linhas.

Ele, que apenas come da mão de Fernando Carvalho, escolherá o quarto treinador titular em três temporadas. Ele é o cara que deu aval ao modelo de Odair. Modelo retranqueiro, que empilha loucamente volantes, sem usar a base e sem visão de longo prazo.

Em 3 anos, Melo contratou (gastou em) 9 volantes, 6 zagueiros, 5 laterais e 14 atacantes (sendo que o time utiliza 1) e, pasme, apenas 2 armadores, sendo que só Camilo tinha características próximas de D’Ale. Resultado: nosso ataque não existe, como revimos ontem. Do que necessitamos? Ora de, armadores. Mas Melo e FC não gostam, preferem volantes que saiam para o jogo…

O gol do Vasco começou numa falha do último volante contratado, Bruno Silva.

Além disso, já entramos em férias em 18 de setembro, após perder a final da Copa do Brasil para o Athletico-PR. Acho que, como estamos em férias e como Patrick e D’Alessandro receberam o terceiro cartão amarelo, podíamos apostar em Sarrafiore e Neilton para começar o jogo contra o Bahia, não? Teste por teste… Mas não, vamos achar no grupo um volante para tentar segurar o jogo.

.oOo.

Alexandre Perin escreve e assino embaixo:

Sobre a questão do novo treinador do Inter.

Gente, é óbvio que o Eduardo Coudet está 100% garantido para 2020. É óbvio que ele está contratado.

A prova disso é que ninguém, nem na imprensa, tampouco nas comunicações oficiais no clube, discute mais isso. Nada. Não há mais sequer especulação.

O foco agora mudou para se continuará o interino, tão borrado quanto o antecessor, ou o um novo treinador temporário será escolhido.

Até mesmo essa Diretoria virgem, de um presidente omisso e um vice de futebol absolutamente incompetente (tal qual sempre falei) , não seriam tão BURROS de deixar uma especulação gigante acontecer sem simplesmente cortar o papo pela raiz, gerando uma expectativa que simplesmente jogaria contra eles.

Nem o Medeiros, nem o Melo (que foram “hackeados” e perderam as contas de Twitter após o vexame na final), a despeito das inúmeras decisões erradas, deixariam assim.

Nem mesmo eles estariam perdendo a chance de levar um baita treinador desempregado, caso do Ariel Holan, se não houvesse essa garantia. Nem eles.

Eles sabem que o projeto de poder deles depende muito de 2020.a manutenção desse grupo no comando do clube por 20 anos é responsabilidade das decisões deles até dezembro.

O Inter tem dono.
O Inter serve para um único objetivo.
Este dono continuar no poder.

Futebol e sucesso são detalhes na franquia Sport Club Internacional Ltda.

Roberto Melo, futuro presidente do Internacional

Boas frases que li após o jogo de ontem, Avaí 0 x 2 Inter

Boas frases que li após o jogo de ontem, Avaí 0 x 2 Inter

Dimitri Barcellos tem razão:

Vocês vão ficar esperando o Sarrafiore armador, camisa 10, substituto do D’Alessandro, até morrer. É um finalizador nato. Jogador pra trabalhar no terço final de campo.

MAFS também tem razão.

Ontem escutei a coletiva do nosso interino (Ricardo Cobalchini). Até pode conhecer futebol, mas não tem condições de permanecer no cargo. Muito cru, inexperiente, na primeira derrota será massacrado na coletiva. Independente do treinador de 2020, precisamos de um treinador até o final do ano. Lisca já devia ter sido contratado.

Douglas Ceconello escreveu:

O Sport Club Internacional foi fundado com o objetivo de enlouquecer as pessoas.

O Anti Influencer disse, com toda a razão:

Se o Inter efetivar a compra do Parede, com essa bola cagada que joga, é motivo pra denúncia no MP e investigação do Conselho. Tem coisa estranha, tem que investigar familiares, empresários e amigos. 4 milhões pelo Parede? Estão de brincadeira. Os adoradores do Parede odeiam o Sarrafiore.

Alexandre Perin calculou:

Parede tem 1700 minutos. 3 gols. Sarrafiore tem 1000 minutos. 6 gols.

O Anti Influencer volta a dar porrada:

Sarrafiore é SEGUNDO ATACANTE. Tem que jogar mais a frente, ao lado do CENTROAVANTE. Qualquer outra função dentro de campo é PODAR as melhores características do Sarrafiore.

E o Perin fecha com raro brilho:

— Não temos ninguém na base.

— O insira_um_nome_de_time_aqui usa a base porque tem jogador bom, o Inter não.

— Time encaixado como Grêmio tu coloca jogador da base, no Inter não dá.

–Torcida do Inter queima jogador da base.

Um dia vocês talvez entendam que jogador da base ruim não se cria, jogador da base bom se cria, independente do contexto. Tem jogador da base que subiu no time campeão mundial e afundou. Tem jogador da base que surgiu no time quase rebaixado de 2002 e virou ídolo no clube.

Com vocês, Heitor e Bruno Fuchs.

Heitor e Bruno Fuchs são ninguém da base

Como vais, Ricardo Cobalchini?

Como vais, Ricardo Cobalchini?

Antes do jogo, soubemos que o Sub-23 do Inter, sem seu técnico Ricardo Cobalchini, tinha vencido o Gre-Nal decisivo do Brasileiro de Aspirantes. Nada mal, já que os comentaristas diziam que a gente levaria um ARRODIÃO do Grêmio. Afinal alguém profissional é campeão no Beira-Rio! Foi outra grande atuação do goleiro Keiller e, pô, aquele pênalti que não foi marcado a nossa favor…

Explicar Guilherme Parede é mais complicado do que entender Física Quântica | Foto: Ricardo Duarte

Mas o que interessa é Inter x Santos no Beira-Rio. O Inter foi escalado por Ricardo Cobalchini com Heitor na lateral direita (tínhamos um lateral direito na base e gastaram um monte com pernas de pau), Roberto na zaga e Zeca na lateral esquerda. D’Alessandro voltava a começar uma partida depois da lesão. Ao menos o interino não foi doido de escalar Klaus e Uendel. Mas escalou Parede, deixando Neílton e Sarrafiore na reserva. Ou seja, Cobalchini também não é tão normal assim.

No primeiro tempo, nada de armação de jogadas e nenhum chute a gol. Uma vergonha digna do ex-técnico, em realidade o culpado por isso.

No final do primeiro tempo, perdemos uma substituição, pois Lindoso sentiu algum problema físico e entrou Bruno Silva, que jogou bem.

Como Patrick estava horroroso, havia dois grandes problemas em campo e duas substituições possíveis: Parede, totalmente inoperante e até errando em bola e Patrick, naqueles dias de errar ABSOLUTAMENTE tudo.

(Eu gostaria de saber o que acontece no Departamento Médico do Inter, com o perdão da expressão: Dourado foi operado… E reoperado. Matheus Galdezani sofreu uma grave lesão em janeiro e nunca mais. Acho que será operado novamente qualquer dia desses. E Nonato está sendo “tratado”. Medo.)

Fazia muito tempo que o Inter não voltava melhor no segundo tempo, muito tempo. Pressionamos, chutamos, criamos, marcamos dois gols, ambos anulados pelo VAR. Só que a bola não entrou em jogada válida. Acabou sendo um 0 x 0 digno, num jogo que poderíamos ter vencido.

Na próxima rodada, a 26ª, o Inter visita o Avaí, em Florianópolis. O jogo será às 19h15 de quinta-feira (17/10).

Com o empate e sem vencer os últimos cinco jogos, saímos fora do G-6. O Grêmio nos passou. Com o que estamos jogando, vai ser difícil voltar à zona da Libertadores. Na sétima posição, temos 39 pontos contra 41 do Grêmio (6º) e 43 de São Paulo e Corinthians, quinto e quarto colocados. Para nós, G-4 já é uma quimera.

Como escreveu o amigo Jerônimo Santanna, quem perde para Goiás com um a mais, quem perde para o pândego CSA e ainda tem Parede como titular no ataque, não pode querer vaga em Libertadores. Futebol também tem lógica.

Sobre o novo técnico: depois de Aguirre — técnico bem mais ou menos, mas que conhecia seu ofício — tivemos Argel, Falcão, Celso Roth, Lisca, Zago, Guto e Odair. Uma lista apavorante. E digo-lhes: nenhum treinador inteligente vai pegar o Inter, com o histórico que tem, em final de temporada, sem um contrato longo. Meus nomes são Roger Machado, Thiago Nunes, Heinze, Coudet e Holan.

Bom dia e adeus, Odair Hellmann

Bom dia e adeus, Odair Hellmann

Acontece uma coisa curiosa na minha relação com o Inter. Às vezes, tenho que largar o clube de mão para não me irritar. Em certo momento de 2016, bem cedo, pois o Inter ainda estava entre os líderes, decidi que não iria ao Beira-Rio enquanto Argel fosse técnico. Não compareci a mais de dez jogos no Beira-Rio, mas vi tudo em bares, pois é menos impactante ver a incompetência pela TV. O resultado todos sabem, fomos para a segunda divisão.

E, nossa, Argel demorou a sair. Então veio Celso Roth e eu segui não comparecendo. Não vi nenhum jogo comandado por ele, tal a certeza que tinha de sua inutilidade. O resultado todos sabem, fomos para a segunda divisão.

Desta vez, minha atitude mudou. Odair é (ou era) tão repetitivo que larguei-o logo depois do jogo contra o Athlético-PR, mas de outro jeito. Deixei de ir ao estádio e também não vi os jogos pela TV e fiquei só na Rádio Guaíba.

Odair não altera nada, só se repete. Ele defende os mais velhos do grupo, ignorando a base e os jovens. Insiste tolamente em soluções que não dão resultado (Pottker, Uendel, Parede, Klaus, para dar alguns exemplos recentes), ele irrita uma torcida que não pode ser mais paciente do que é. Somos uns bovinos em comparação com a gloriosa época do Portão 8. E, na TV, vemos gente de menos de 20 anos jogar no Real Madrid, Liverpool, Barcelona, PSG, GRÊMIO, etc.

Ontem, Uendel cometeu o pênalti que deu a vitoria ao CSA | Foto: Ricardo Duarte

(E o que dizer de Trellez, Nathanael, Rithely, Bruno Silva… Parede vai ser contratado mesmo? Ele é horrível e está sempre impedido!).

Odair formou um time que só sabe se defender e marcar. Mas até isso fica prejudicado quando não há criação. Tudo vai se degradando, até porque um time sem a bola corre mais… Odair não treina o ataque, a sincronia, as cobranças de faltas, os escanteios. Acabamos impotentes em campo. Quantas vezes fizemos três gols num jogo com Odair? Creio que há estatísticas que mostram que JAMAIS fizemos 4 gols com ele na casamata. Nem no Gauchão.

O Inter perdeu o rumo. A base está às traças — ESTOU BEM INFORMADO. Os guris bons vão para o Grêmio, que os aproveita. Ontem, quando ouvi que o jovem zagueiro Roberto fora preservado para o Campeonato de Aspirantes… Meu deus, o que é isso? E nosso preparo físico? O que é aquilo? Mas acho que pro Z-4 não vamos. Não dá mais tempo e há candidatos imbatíveis como… o CSA.

Perdemos 2019 com posturas das quais reclamamos há meses.

O novo técnico? É claro que prefiro Roger Machado, Tiago Nunes, Coudet (Racing) ou Heinze (Velez). Mas acho que vamos acabar com Lisca, Jair Ventura, Clemer ou Cuca.

Ser técnico é escolher os melhores e ter bons auxiliares. Hoje, é quase uma atividade social. Decide a estratégia e manda treinar, escala e dá entrevistas. Não se deram conta ainda.

A gestão de Melo na direção de futebol teria que ser revista, mas ele é o melhor amigo do presidente Medeiros. Jamais sairá.

P.S.: A última informação é a de que jogadores do Inter não querem a demissão de Odair Hellmann. Isto comprova o que escrevo há alguns meses: o vestiário colorado é uma bagunça. A exposição do fato vai, de certa forma, mostrar que tipo de comando se tem na principal pasta do clube.

Pelé, Messi, Maradona, Cruyff e Di Stefano: o futuro não dirá quem foi o melhor

Pelé, Messi, Maradona, Cruyff e Di Stefano: o futuro não dirá quem foi o melhor

Os brasileiros amam imaginar que Pelé tinha características e dotes sobre-humanos. O próprio Pelé também. Já que não temos Prêmio Nobel, nem governo ou educação, ufanemo-nos do Rei! Um brasileiro publicou no Twitter um vídeo que dizia comprovar em dois minutos que Pelé tinha sido melhor que Messi e Maradona. O filme era tão ruim que provava o contrário. A gente só chegava à conclusão de que Pelé adorava dar canetas.

Pelé é de um tempo em que os clubes excursionavam por meses. O calendário era ultra camarada. Imaginem que até 1971, quando ele já tinha 31 anos, não havia um Campeonato Brasileiro, apenas Copas eliminatórias e o Paulistão. Mas todos queriam vê-lo e o Santos de Pelé jogava uma vez a cada dois dias em excursões no Brasil e na Europa e uma vez por dia na África, muitas vezes contra times semi-profissionais. Só isso explica fazer 1200 gols.

Sem dúvida, foi disparado o melhor jogador de sua época — uma época em que Garrincha bebia pesado e destruía adversários horas depois — mas é tolice compará-lo com Messi, Maradona e até mesmo Cruyff. Não dá para saber quem foi o melhor ou o mais revolucionário. O futebol mudou rapidamente depois de Pelé, um bom tanto por causa dele.

Para comparar, teríamos que levar Messi até a violência dos anos 60. Para comparar, teríamos que trazer Pelé até nossos zagueiros que também têm velocidade e usam o corpo. Isso é impossível, claro. Mas neste caso, eu apostaria que Maradona sobreviveria melhor. E que Alfredo Di Stefano estaria muito bem na disputa…

Mas uma coisa eu tenho certeza: Cruyff foi o mais influente.

E, se eu tivesse que escolher, nas divisões inferiores de um clube, apenas um jogador com as características desses 5, certamente escolheria um novo Messi, o gênio mais recente, muito mais adaptado às necessidades atuais de nosso futebol.

Di Stefano, Pelé, Messi, Maradona e Cruyff.