Três tópicos antes do Natal

Durante os aplausos, uma senhora tirava fotos de Daniel Barenboim usando o flash. Ele interrompeu a plateia e disse: “Não use o flash, senhora. Por três razões: primeiro, porque é proibido; segundo, porque me incomoda; terceiro e mais importante, porque, enquanto faz a foto, não pode me aplaudir”.

Uma coisa que sempre quis ter e não tenho é classe.

daniel_barenboim_930

.oOo.

Alex Castro tem razão: “Se você declara publicamente seu ódio a alguém, está declarando que aquela pessoa tem poder sobre você”. Faz três anos que tenho me mantido fiel à Lei de Steinbeck, que diz mais ou menos assim: “Vou me vingar de ti da forma mais cruel, vou deixar pra lá”. O Chico Marshall completa dizendo que “Aristóteles (De Anima) afirma que “nada produz maior cólera do que a expectativa de honra frustrada. Desdém, a mais letal das armas”.

Não é o Alex, nem o Steinbeck, é Aristóteles

Não é o Alex, nem o Steinbeck, é Aristóteles

.oOo.

Conforme nós prevíamos, a coisa ia ficar séria. Ficou. O Vitória e a CBF fizeram sacanagem sim. Agora só falta dizerem que o Inter forjou o documento do Monterrey… Não creio que o Inter mereça ser resgatado do rebaixamento — afinal, quem perde duas vezes para o Vitória e e obtém um ponto do Santa Cruz tem que morrer mesmo — mas acho que o Vitória deveria ser o quinto rebaixado. Acho que os advogados do clube não devem se entregar. O Vitória fez algo duplamente proibido: contratou sem fazer o atleta voltar ao clube de origem e fora da janela. Curioso é o silêncio da Federação Gaúcha.

bc502b04-b337-4212-a71d-5bceb3643832

1061440d-3ae7-4587-9756-4a6d4b7c4aa8

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Em livro, Koff confirma auxílio para o Grêmio sair da Série B em 1992

fabio-koffNo livro Fábio André Koff, Memórias e Confidências — o que faltou esclarecer, depoimento do ex-presidente do Grêmio nos períodos de 1982-1983, 1993-1997 e 2013-2014, concedido a Paulo Flávio Ledur e Paulo Silvestre Ledur (Ed. Age, 2a. edição), há um trecho que põe por terra um dos mitos gremistas, o da volta “honesta” para a primeira divisão em 1992. O livro conta os bastidores das principais conquistas de Koff no clube e outros detalhes deliciosos. Sabiam, por exemplo, que Koff foi técnico de futebol?

O livro completo encontra-se neste link. Mas o que nos interessa é esclarecer um ponto que os gremistas adoram negar: que houve uma enorme colher de chá para que o clube voltasse à primeira divisão em 1992. Houve. E com a participação do ínclito Eurico Miranda. Vejam abaixo a palavra do ex-presidente do Grêmio:

livro-koff

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Um pequeno comentário sobre a agressão do ex-presidente Fernando Miranda

Mirabnda chega ao fim da linha.

Mirabnda chega ao fim da linha.

Nada tinha contra o ex-presidente do Inter Fernando Miranda. Até admirava sua corajosa passagem pelo Inter, nos anos 2000 e 2001, brigando e vencendo o célebre grupo conhecido como Império Otomano, que afundara o Inter nos anos 80 e 90 do século passado. Ele pagou contas, montou um time mais ou menos cumpridor e foi embora irritado com todo mundo, achando-se injustiçado, creio. Sempre me pareceu uma pessoa a ponto de explodir, mas enfim, jamais vira ele louco, totalmente descontrolado como ontem à noite.

Anos atrás, Miranda criou um blog onde explicava muitas de suas atitudes como dirigente. Eu lia tudo e aprendia muita coisa. Suas explicações eram longas, detalhadas, claras, de uma sinceridade rara no futebol. Depois, saiu de circulação. Como tenho vários amigos próximo do clube, ouvia volta e meia comentários a respeito dele. Eles diziam mais ou menos isso: o Miranda está cada vez mais louco.

Ontem, ele reapareceu na TV Ulbra, canal 21, dentro do programa Cadeira Cativa, de Luiz Carlos Reche. Deveria ter ido a outro lugar. Em determinado momento, ele e o jornalista Julio Ribeiro iniciaram um bate-boca. Acontece que Miranda fizera uma longa exposição e Julio desejava rebater alguns pontos. As vozes ficaram mais altas, Miranda chamou o jornalista de “asqueroso” e “bacaca”, este não gostou, gritou mas permaneceu sentado, e logo depois foi agredido por um soco desferido pelo ex-presidente. A cena de Miranda erguendo-se e dando uma corridinha até a cadeira onde estava Julio é especialmente ridícula. O homem estava fora de si. Dizem que é comum.

O incrível é que o pai do presidente recém-eleito Marcelo Medeiros, o qual se chamava Gilberto Medeiros, também na TV, tinha tomado uma surra do ex-presidente do otomano José Asmuz, um dos piores presidentes da história do clube, mas que nunca nos levou à segunda divisão. O caso foi muito mais grave. Asmuz deu-lhe uma série de socos na cabeça pelas costas, sem grande reação de Gilberto, que permaneceu sentado, apenas protegendo-se com os braços. Júlio Ribeiro também não reagiu, apenas tratou livrar-se do agressor, certamente sem acreditar que estivesse participando de uma baixaria daquele nível.

Quando vi, também não acreditei. Sou amigo de Júlio. Nem sempre concordamos — aliás, discordamos frequentemente — e por isso mesmo sei que se trata de um ser humano altamente civilizado. Não vi o que houve antes do momento da agressão, mas Miranda devia estar muito descontrolado para deixar Júlio respondendo em voz bem alta “Babaca é tu”.

Olha, ninguém gostou de ir para a segunda divisão e todos sabem os motivos pelos quais lá chegamos. Brigue (verbalmente, no máximo) com o Vitorio causador de tudo, brigue com Carvalho, Argel e Roth. Agora, Fernando Miranda, uma agressão física a alguém que não dirigia o clube é algo patético, coisa de torcedor marginal.

Isso diz mais sobre o Sr. do que qualquer opinião sua.


Mais completo, aqui:

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O dia seguinte de um colorado

Desde junho, alguns poucos colorados avisaram e reavisaram, mas de nada adiantou. O Inter parece ter planejado cuidadosamente sua queda. Mandou incompreensivelmente D`Alessandro para a Argentina. Manteve Argel paralisado em uma irrepetível sequência de jogos sem vencer. Trouxe um sujeito totalmente diferente, ídolo da instituição, para 5 jogos e botou a cereja no bolo ao contratar o decadente Celso Roth sob um envelhecido e pouco criativo Fernando Carvalho. Tudo isso debaixo dos olhos do aparvalhado presidente Vitorio Piffero.

Sábado houve as eleições para presidente. Marcelo Medeiros foi eleito com 12.134 votos (94,8%) contra 666 votos (5,3%) de Pedro Affatato, que representou a gestão Vitorio Pífio no pleito. Os votos brancos foram 224 e os nulos, 960. Achei alto e significativo o número de 666. Mas ao menos foi menor que o de brancos e nulos. Livres finalmente de Pífio e Carvalho? Não sei, no Beira-Rio, eles ainda são muito amados por alguns conselheiros que não sabem nada de futebol e que só estão lá por serem figuras de destaque em nossa sociedade…

Antônio Carlos Zago deverá ser anunciado como novo técnico do Inter ainda esta semana. Não gosto dele em razão de alguns episódios de racismo, mas o fato é que não há bons nomes no mundo se não houver uma estrutura mínima para recebê-los. Provavelmente, teremos o retorno de D`Alessandro, mas não se pode jogar todas as expectativas num jogador veterano que completará 36 anos em 15 de abril de 2017. Há que montar um novo time — temos várias e bem conhecidas perebas — e uma comissão técnica que não mate nossos jogadores.

Quando falo em matar, refiro-me aos jogadores-zumbis do Inter que renascem em outros clubes. Por exemplo, Marinho, do Vitória, esteve quatro anos no Internacional — emprestado a maior parte do tempo. Não lembro de ter jogado por nós. Também houve Cleiton Xavier, do Palmeiras, que esteve seis anos no Internacional — emprestado a maior parte do tempo. Além disso, o melhor jogador do Santos é Lucas Lima, que esteve dois anos no Inter e foi emprestado. Não marcou nenhum gol aqui… Nem vou citar outros casos de jogadores, como Ricardo Goulart, que não tiveram bom ambiente ou preparo no clube e que estouraram assim que foram transferidos. É que tivemos em 2016 um caso de paroxismo de ruindade na comissão técnica.

Enquanto escrevo este texto, vejo que o Inter acaba de confirmar Zago. O mínimo que espero é uma declaração bem clara de um homem que assumirá o comando técnico de um time que tem por símbolo um saci. Não resolve, mas seria o mínimo.

antonio-carlos-zago

.oOo.

Não vou falar sobre o jogo de ontem porque não vi. Estava bem feliz num festão de aniversário de um querido amigo. Sabia que era dia dos gremistas irem para a Goethe.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Cobertos de razão, torcedores colorados repudiam a declaração de Fernando Carvalho

NIKE SU13Eu já tinha escrito aqui neste blog que Fernando Carvalho era uma daquelas pessoas de alguma idade que não preservaram a inteligência. Disse e repeti. Acontece. Completo agora dizendo que ele deve ir para casa cuidar do netos, se os tiver e se os filhos permitirem. O que ele cometeu no dia de hoje já foi muito bem respondido pela ComudoInter e por minha amiga Elisa Piranema. Abaixo, copio os textos de meus amigos. Chega do Inter na 1ª Divisão, chega de fiascos. Vamos varrer esta diretoria nas eleições de dezembro. E adeus, Fernando Carvalho!

Também peço o encerramento do campeonato AGORA com a queda do Inter. Temos que repensar o clube.

.oOo.

O Grupo do Facebook, ComudoInter divulgou uma carta de repúdio à declaração realizada ao Vice-presidente de futebol Fernando Carvalho, onde ele comparou o acidente com o avião da Chapecoense com o risco quase iminente de rebaixamento do Internacional.

Com diversas assinaturas, a carta dos torcedores pede o encerramento do campeonato mesmo que acarrete o rebaixamento do Internacional.

Leia na íntegra:

CARTA DE REPÚDIO ÀS DECLARAÇÕES DE FERNANDO CARVALHO

De: Torcedores colorados
Para: Torcedores de outros times, amantes do esporte, e acima de tudo seres humanos

É com um imenso pesar que nós, torcedores do Sport Club Internacional, repudiamos as declarações dadas pelo ex-presidente Colorado – o Sr. Fernando Chagas Carvalho – à Rádio Pampa na fatídica Terça-Feira, dia 29/11/2016, após o trágico acidente com o avião que transportava a equipe da Chapecoense, além de sua comissão técnica, comissários de bordo e jornalistas esportivos.

Outrora um presidente do qual nos orgulhávamos de um dia termos tido, por sua glória máxima de obter um título mundial, hoje nos envergonhamos por sua frase “Temos a nossa tragédia particular, que é fugir do rebaixamento (…) e esse adiamento de rodadas certamente será prejudicial”, que demonstra uma absurda falta de compaixão ao desprezar que nenhuma tragédia, única e exclusivamente futebolística – como ser rebaixado a uma série inferior –, se sobrepõe à tragédia ocorrida que acarretou a perda das vidas de pessoas, pais de famílias e profissionais dedicados.

Seria leviano ignorar a comoção global com tamanha catástrofe, de tal forma que compadecer-se da dor alheia não é demagogo, e sim empático. A sua dor, torcedor de Chapecó, é também a nossa dor. E a sua decepção com a declaração infeliz, é, também, a nossa decepção. Abaixo de vestirmos vermelho e branco somos também de carne e osso, e o que, esporadicamente, nos divide, é algo infinitamente menor quanto ao que nos une permanentemente: Somos seres humanos, e como tais, prezamos pelo bem estar de nossos semelhantes.

Acima de qualquer rivalidade, acima de qualquer disputa e acima de qualquer paixão a uma entidade futebolística, deve-se sempre existir o respeito. Respeito, este, que parece ser uma virtude desconhecida ao antigo dirigente, mas que acompanha a nós, torcedores do Internacional e verdadeiros representantes deste Clube do Povo.

Isto posto, nos manifestamos favoráveis ao encerramento do Campeonato Brasileiro sem a realização de sua rodada derradeira, cientes de que os resultados atuais acarretariam o descenso de nosso clube. Não há clima para futebol no que resta deste ano.

Por fim, a quem tenha se ofendido: Nosso imenso pedido de desculpas, tal declaração não representa a dor que também estamos sentindo.

Atenciosamente,
Torcedores colorados “

.oOo.

A torcedora e minha amiga Elisa Del Pino Piranema publicou o que segue em seu perfil do Facebook. Ela também me representa.

Se já não bastasse todo o sofrimento que estamos vendo com a tragédia da Chape, tenho que ouvir um dirigente vir dar uma declaração NOJENTA E REVOLTANTE que o cidadão que é vice de futebol do Inter deu, pq me nego de hj em diante citar o nome dele.

Que moral tem essa criatura de falar uma coisa dessas se toda essa situação que estamos passando é culpa e muito dele por ter trazido o MAIOR DESAFETO DA TORCIDA COLORADA para nos treinar e se não bastasse insistir com ele mesmo vendo que o barco estava afundando.

Triste é ver um dirigente que já foi tão respeitado pelo Brasil inteiro, inclusive por mim, ter um fim tão decadente e patético.

Só tenho duas coisas a dizer: ESSE CIDADÃO NÃO REPRESENTA A MAIORIA DA TORCIDA COLORADA e peço desculpas às 75 FAMÍLIAS que perderam seus entes queridos por ter que ouvir e ler uma coisa dessas.

Triste é ver que tem pessoas que diante de uma tragédia dessas, consiga ainda pensar só no seu umbigo e sua reputação, pouco se lixando para os seres humanos que partiram de uma forma tão trágica.

Desculpe o desabafo mas numa hora dessas o que menos importa é se vamos cair ou não, pq a VIDA É MAIOR QUE TUDO E QUE TODOS.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Inter mexeu um minguinho, mas permanece em coma

3baeed38-5b65-4708-a4dd-7b75c9cf2ef5Eu assisti à partida apenas ontem à noite. Credo, que coisa assustadora! Em primeiro lugar pelo futebol feio, interrompido pela janela de luz do golaço de Valdívia e, no final, o terror completo com o Cruzeiro perdendo dois gols feitos com Robinho e Ábila. Nos dois lances, o goleiro Danilo Fernandes ficou parado, na torcida para que suas redes não fossem estufadas pelos chutões desferidos da entrada da pequena área. O segundo pareceu um efeito especial. A gente espera ver a bola lá dentro, mas ela passa como se tivesse a propriedade de atravessar redes e paredes. Vejam os dois lances no vídeo abaixo, logo após o gol de Valdívia. Não sei como aquelas bolas não entraram.

Acabou 1 x 0 para o Inter. Vendo o jogo, se eu não soubesse o resultado final, não acreditaria. Mas o Inter baixou suas chances de rebaixamento de 90 para 82%… Ou seja, ainda dependemos de um mundo para nos livrarmos, a começar por uma escorregada do Vitória hoje à noite contra o Coritiba já em férias. Não duvido que o Inter esteja repassando uma grana de incentivo ao Coxa. Sobre o resto, é um fim de feira.

O time não tem padrão de jogo, é confuso na defesa, não cria, não arma. Dependemos do Sobrenatural de Almeida.

Ah, se Lisca tivesse chegado antes… Ontem, mudou o time sempre com correção e ousadia. Não temos futebol, mas conseguimos certo domínio territorial com as saídas do péssimo Géferson e do horroroso Dourado de 2016. Tenho certeza de que, se Lisca tivesse chegado antes, não estaríamos nesta merda.

Agora, hoje à noite, faremos uma torcida meio constrangida pelo Coritiba à espera de um milagre no próximo domingo.

P. S. sobre o drone: achei engraçada a brincadeira. Dei risada. Mas não é todo mundo que sabe rir de si mesmo. O incrível é que os torcedores não apenas foram se vingar como invadiram a casa errada. Quebraram o que viram pela frente. Imaginem o medo desta família que, por sinal, é (ou foi) colorada. E, como em nossa Porto Alegre tudo o que não há é segurança, aquelas pessoas inocentes da brincadeira ficaram à mercê de um grupo de vândalos, para dizer o mínimo. Um completo absurdo.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Evitar a queda para a Série B no tapetão é coisa de time grande…

A ironia do título que criei não dá ideia da vergonha que sinto de torcer para um time tão ruim. O texto abaixo não é meu, porém explica muita coisa. De resto, dura lex sed lex, ou seja, a lei é dura mas é lei.

Querem a real? Então tá!

O TAPETÃO: Pra galera que não entendeu o que aconteceu com o jogador Victor Ramos, do Vitória. Ele pertence ao Monterrey e foi emprestado ao Palmeiras. Findou o contrato com o Palmeiras e foi repassado DIRETO para o Vitória. Acontece que isso é PROIBIDO pela FIFA. O jogador foi negociado com se fosse patrimônio (ativo) do Palmeiras, sendo que ele pertence ao Monterrey! A FIFA determina que nesses casos, o jogador retorne ao clube que pertence logo após o término do contrato e só daí ele pode ser negociado novamente. Mas de acordo com o informativo da Fifa, ele não retornou ao Monterrey, ele foi repassado DIRETO pro Vitória. Isso é proibido porque antigamente era uma maneira de evitar os pagamentos de encargos pelas partes envolvidas, no caso Monterrey e Vitória. Cada ida e vinda do jogador resulta na incidência de tributos e com esse repasse direto, essas tributações são limitadas. O jogador está SIM inscrito irregularmente! Se o Bahia não conseguiu reverter o resultado do campeonato baiano foi porque faltou força POLÍTICA. Tudo é política. Precedente jurídico tem de sobra, mas uma punição por Vitória com perda de pontos passa antes de tudo por uma forte articulação política. O STJD pode optar por multa, advertência ou embargos ao Vitória. Como pode optar também pela perda de pontos. E isso depende muito mais de Fernando Carvalho e sua influência do que propriamente dos advogados. Carvalho, como um homem de direito que é COM CERTEZA irá agir. É a última cartada. É bonito ? Não. Mas é legítimo e legal. Se o Inter tivesse cometido esse erro, adversário nenhum perdoaria.

Que cagada, Victor Ramos...

Que cagada, Victor Ramos…

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Boa tarde, Presidente Piffero, você conseguiu!

Rotina corintiana: Ernando não comete pênalti, mas o juiz marca.

Rotina corintiana: Ernando não comete pênalti, mas o juiz marca.

Ontem à noite, após nova e merecida derrota – apesar do pênalti inexistente que foi marcado contra o Inter — a boa equipe de esportes de Nando Gross, na Rádio Guaíba, fez um levantamento dos erros cometidos por Vitorio Piffero nestes dois anos. Na brincadeira não valia falar nas coisas que deram errado por uma eventualidade, apenas naquelas que a imprensa e a torcida apontaram na hora: vai dar errado, tem tudo para dar errado. E deram.

Foram tantas coisas que é difícil de lembrar de todas: a promessa de que teríamos Tite, a esnobada em Mano Menezes, a contratação de Aguirre — técnico nº 8 na preferência da direção –, o preparo físico nos tempos do uruguaio, a insistência com Argel, a cedência de D`Alessandro para o River, a contratação de Falcão, sua combatida substituição por Celso Juarez Roth, a não demissão de Roth antes do jogo contra a Ponte, quando tínhamos 10 dias para treinar, a entrada de Lisca sem tempo para treinar, a tentativa de queimar Seijas e Nico López, que ontem foram os melhores… E, aliás, ontem tivemos uma escalação com cara de Fernando Carvalho, não?

Entrar com Sasha e Paulão, colocar Aylon em campo, mas deixando Vitinho como centroavante (?), as substituições que não alteram o esquema, tudo igual a Juarez, na verdade tudo igual a Fernando Carvalho. Pois o maior de todos os erros de Piffero foi o de ter entregue o futebol ao decadente presidente campeão do mundo em vez de buscar alguém mais atualizado e menos negociante.

Gente, já era. O Infobola está até bonzinho e diz que temos 90% de chances de cair. Basta olhar como nosso ataque joga — o terceiro pior da Série A — para saber que é 100%. Só o reserva Nico López chuta. Não há criação ou posse de bola. Todos erram passes. A defesa só dá chutão. Como disse o goleiro Danilo Fernandes na saída do campo, o Inter parece um time juvenil, todo assustadinho. Não ganhamos fora de casa desde MAIO, tá bom? Imagino o que passa pela cabeça de gente desassombrada como Valdomiro, Figueroa, Mário Sérgio, Iarley, Tinga ou D`Alessandro vendo o atual time jogar. Somos uma vergonha futebolística.

Parabéns, Vitorio Piffero!

Parabéns, Vitorio Piffero!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Finalmente, adeus Celso Roth! Lisca é um novo gerente do manicômio de Piffero, Carvalho e Affatato

Eu não contei pra vocês, meus sete leitores, mas a verdade é que assisti todos os jogos da fase Celso Roth em casa ou em bares. Desde sua contratação, neguei-me a ir ao Beira-Rio ver a palhaçada. Só fiquei pagando minha carteira vermelha. E olhando de longe. Ontem, assisti apavorado ao baile que Juarez tomou do bom Eduardo Baptista, técnico da Ponte e futuro técnico do Corinthians para 2017.

Imaginem que Baptista retirou um zagueiro para colocar um atacante… Ou seja, fez exatamente o que Celso Juarez deveria ter feito quando do gol de empate da Ponte. Deu a dica. Só que Celso, com suas opiniões copiadas de algum manual perdido dos anos 70 — e que desconhecia Minelli e Telê –, teve medo de tirar um zagueiro ou volante para colocar mais atacantes. Medo. E o jogo acabou num trágico 1 x 1 e nós com dois zagueiros e dois volantes… Ele só fez trocas de maquiagem. Nada de alterar o esquema, mesmo com time indo para a segunda divisão.

Meses atrás, o ataque não funcionava, então Carvalho trouxe um técnico retranqueiro como solução… Aliás, lembram de meu texto anterior, de antes deste jogo? O título era Olha, para salvar o Inter, só tirando Celso Juarez Roth nesta retinha final e mesmo assim…

Trocar de técnico agora é como repensar a vida depois do salto para o suicídio. É óbvio que Lisca já tinha sido contatado, tanto que hoje, antes das 7h, enquanto eu ainda aquecia minha bochecha no travesseiro, ele já estava anunciado no site do clube. Só que antes do jogo de ontem, tivemos dez dias para treinar e agora Lisca terá de atuar como já na segunda-feira à noite. Hoje é sexta, lembram? Foram 22 jogos com Roth.

Lisca Louco em sua época de Náutico

Lisca Louco em sua época de Náutico

Treinar com Celso Roth é como ensaiar com um mau maestro. A gente sabe olhando o que acontece algumas vezes aqui em Porto Alegre. No primeiro ensaio a música até sai. Depois, com as instruções ditadas pela incompetência, ela piora. Piora tanto que os ensaios são cancelados. Os músicos mais malandros adoram a folga que lhes caiu do céu. Trabalham menos e o resultado no concerto acaba sendo pífio, ou Piffero. É isso. Treinar com Celso Roth é isso. Dez dias de treinamentos podem ser fatais. E todos sabem disso no manicômio de Piffero, Affatato e Carvalho.

Só me resta desejar boa sorte a Luiz Carlos de Lorenzi, o Lisca, que tem fama de louco e vasta experiência nas divisões de base do Inter. Espero que ele tenha autorização para retirar Paulão e Sasha do time, para não escalar Vitinho descontado, enfim, para tentar encontrar uma rede que salve o Inter de esborrachar-se no chão. Pois o salto foi dado.

Agora o Inter tem que pontuar mais do que o Vitória. Nossos próximos jogos ~soa complicados: Corinthians (fora), Cruzeiro (casa)  e Fluminense (fora). Enquanto isso, a tabela do Vitória é uma piada: Figueirense (casa), Coritiba (fora) e Palmeiras, provavelmente já campeão, em casa. Ou seja, dá pra dizer que já era.

P.S. –Vocês não votar no Affatato para presidente, né?

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Olha, para salvar o Inter, só tirando Celso Juarez Roth nesta retinha final e mesmo assim…

Foto: Tomás Hammes / Globoesporte

Foto: Tomás Hammes / Globoesporte

Um dia depois de Celso Juarez Roth, o pior treinador do Brasil, dar mais uma demonstração de incompetência e insensibilidade — que vamos discutir rapidamente a seguir — o Conselho Deliberativo do SC Internacional escolherá os candidatos que, em dezembro, administrarão o que sobrar do clube nos anos de 2017 e 18. A eleição será decidida pelos sócios em dezembro.

Sejam eles A, B ou C, o dano está feito e levaremos muito tempo para voltar a sermos vencedores. O mais votado deverá ser o coitado do candidato do Piffero: Pedro Afattato e Luiz Henrique Nuñes. Depois, devem vir a dupla Medeiros / João Patrício e em terceiro Amarante. O Conselho do Inter é isso aí mesmo. Uma merda cheia de formadores de opinião, uns famosos alguéns de nossa cidade que nada sabem de futebol. Uma pena.

Os últimos anos 6 anos Luigi-Piffero foram de desmonte do clube. O nível de nossas comissões técnicas pode ser medido por um item simples. Vejam quem está nos desclassificando nesta parte do campeonato. O jogador Marinho, do Vitória, fez três gols ontem e esteve quatro anos no Internacional — emprestado a maior parte do tempo, Não lembro de ter jogado por nós. Se você observar quem fez o gol do Palmeiras verá que foi de autoria de Cleiton Xavier, do Palmeiras, que esteve seis anos no Internacional — emprestado a maior parte do tempo. Além disso, o melhor jogador do Santos é Lucas Lima, que esteve dois anos no Inter e foi emprestado. Não marcou nenhum gol aqui… Nem vou citar outros casos de jogadores, como Ricardo Goulart, que não tiveram bom ambiente ou preparo no clube e que estouraram assim que foram transferidos.

Hoje temos um caso de paroxismo de ruindade na comissão técnica. A única coisa que se salva é o preparador físico, o resto pode ser colocado no moedor de carne. Não temos um time tão ruim a ponto de estarmos onde estamos. Mas merecemos estar lá em razão da diretoria que contratou Celso Roth para afundar toda a instituição. Por que Seijas foi contratado? Por que Alex atua sempre (e não joga nunca)? Para que colocar em campo aquele menino Diego contra o líder do campeonato, fora de casa, com o time jogando nada? Para queimá-lo de vez?

Nossos quatro próximos adversários, isto é, nosso adversários até o final do campeonato, não têm mais nada para disputar: Ponte Preta, Cruzeiro, Corinthians e Fluminense já estão garantidos na série A e não disputam título ou vaga. Resta-lhes a diversão de brincar e tripudiar sobre nosso time.

Mesmo que Mano Menezes esqueça seu justificado ódio ao Piffero e ao fato de ter sido dispensado das categorias de base por Fernando Carvalho, mesmo que o Corinthians não encare o jogo contra nós como uma oportunidade de vingança, a coisa toda vai ser complicadíssima pelo simples fato de que temos que jogar e isto não acontece.

As esdrúxulas escalações de Celso Juarez estão garantindo a queda. E há apatia na direção. Não entendo porque não tentam um Mario Sérgio ou um Osmar Loss nesta retinha, em uma última tentativa desesperada. Temos dez dias antes da próxima partida! Sabe porque eles não fazem isso? Por que não estão desesperados como a torcida está. São ricos e acomodados rentistas. Nada os abala.

Ontem, não criamos nenhuma oportunidade de gol. Além de voltar a escalar o inútil Alex, este ficou em campo por 73 minutos… E William passou o primeiro tempo no meio-de-campo, perdido. E Géferson jogou toda a partida… É cansativo repetir as mesmas coisas após os jogos. Meus caros sete leitores, não há equipe que permaneça em pé com uma comissão técnica dessas. E estamos efetivamente vergados. Não vencer o Santa Cruz em casa, com estádio lotado, perder para o América-MG e para o Vitória foram resultados de Celso Roth que só serão recuperados se ele sair. Mas a dupla Piffero e Carvalho gosta assim então estamos feitos.

(Até o site do Inter decidiu não dar notícia da partida de ontem; deste modo ficamos sem as fotos do excelente Ricardo Duarte).

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Inter corria o risco de se classificar. Então, Celso Juarez Roth…

Anderson era o melhor em campo. Celso o substituiu para equilibrar a partida.

Anderson era o melhor em campo. Celso Juarez retirou-o para equilibrar a partida.

A gente aprende com o tempo. Certo, tem gente que não aprende, mas devia.

Ontem, assisti ao primeiro tempo do jogo, vendo o quanto o Atlético-MG é ruim, constrangedoramente ruim. No intervalo, nosso time reserva vencia por 2 x 1 e cabia mais. Então, anunciei a um grupo de amigos do Facebook: “Vou dormir. O Celso Juarez vai estragar tudo, vamos tomar a virada e não quero ver. Boa noite”. E fui pra cama. Não tenho TV no quarto.

Hoje vi o que ele fez. Não tomamos a virada, mas estamos desclassificados com o empate. Dei risada ao saber que ele colocara Ariel e Andrigo após o gol de empate do Galo, logo no início do segundo tempo.

O cara é um piadista. De onde ele desencavou esses jogadores que estavam fora há tantas rodadas, ignorando, por exemplo, o bom futebol do venezuelano Seijas? Tirou Anderson, o melhor em campo no primeiro tempo para colocar o “ofensivo” Andrigo! Meu deus, é de rir!

Andrigo é um ex-futuro craque que fez um bom campeonato gaúcho e que desapareceu em maio. Desde lá, deve ter jogado vinte minutos. E, no lugar de Aylon, um bom jogador que preocupava a péssima defesa do Atlético, colocou o ratão torto e sem pelo do Ariel! Completando a obra, enfiou o pobre Sasha em campo, jogador que também faz um péssimo ano.

Há algo de muito estranho no Inter. Eu e amigos colorados não entendemos esse auto-boicote que se repete a cada rodada. Deve ter interesses financeiros em jogo. É bom descobrir quem bancou Seijas e Nico López (atualmente lesionado). Foi o empresário Delcir Sonda? Ambos? É bom investigar.

Não há time que suporte tanta burrice, tantas opções equivocadas. Ontem, Celso Juarez chegou a um novo patamar de despropósito.

No final do jogo, infelizmente, houve um pênalti não marcado a favor do Inter. A velha e conhecida arbitragem caseira… O fato deve ter sido a pauta principal das entrevistas após o jogo para mascarar nossas cagadas e ainda tornar vítima Celso Juarez.,

Corríamos o risco de nos classificarmos. Aí ele vai lá e tira todo o ataque. Ainda estou pasmo.

Mas digamos que não haja interesses financeiros. Deste modo, pergunto: “Será que o medo do Grêmio fez com que Roth escolhesse a desclassificação?”. Será que Roth tem medinho de dois Gre-Nais?

Como escreveu agora o Corneta Colorada no Facebook: “Roth fez um trabalho histórico de demolição do futebol colorado hoje. E eu achava que esse tipo de recorde era imbatível da parte dele. Quanta inocência.”

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Celso Juarez Roth volta a esculachar e Inter apenas empata contra o lanterna

Se eu não fosse colorado estaria dando gargalhadas em razão da total falta de sentido das coisas que são feitas no Inter. Desde o Gre-Nal, Celso voltou a mostrar sua face Juarez escalando William, um dos melhores laterais do país, no meio-de-campo — como se ele fosse um craque como Júnior, Marinho Chagas ou Leonardo. Na nova posição, William afundou nos três jogos que fez, nossos três últimos. Empatamos dois e perdemos um.

Antes, com William e Ceará nas laterais, o time vinha crescendo. Mas Roth é Roth, é Juarez e inventor. Só interesses desconhecidos podem explicar os motivos que fazem nossa diretoria bancar este retardado, com sua notória incompetência e seus péssimos trabalhos recentes em vários clubes. Por algum motivo, o Inter de 2016 cheira a sacanagem, ou interesse. Dentro do estádio, os torcedores falam em mau caratismo no trato com Seijas, cuja não escalação ninguém compreende. A incompreensão geral faz com que as ofensas tornem-se pessoais.

O notável é que preservamos os titulares no meio da semana. Preservamos para fazer este fiasco, um 1 x 1 em que estivemos muito próximos da derrota. Pouparam um monte de jogadores contra o Atlético-MG pra empatar com o Santa Cruz no Beira-Rio, sendo que o Santa Cruz vinha de sete derrotas consecutivas.

O gol do Santa Cruz foi de um completo ridículo. Uma falta no meio-de-campo. A cobrança foi demorada, mas deixaram o lateral do SC — que estava no ataque — completamente livre. O jogador mais próximo do Inter estava a uns dez metros. Ele recebe a bola e cruza para um outro jogador que está entre cinco defensores nossos. Ninguém o incomoda. Ele cabeceia com os dois pés no chão, livre, dentro da pequena área, com uma plateia de zagueiros colorados.

Desorientados | Foto: Ricardo Duarte

Desorientados | Foto: Ricardo Duarte

Sobre quarta-feira, o Blog Vermelho acertou ao dizer que hoje o Inter é um clube que não quer ganhar, um clube que desiste de um campeonato importante na semifinal, escalando reservas para preservar seu time titular. Hoje, os “preservados” entraram desorganizados, mal escalados, e seguiram assim até o fim. Como entender? E não venham me dizer que a coisa piorou muito com a expulsão de Eduardo Henrique. Não, ela já estava péssima antes da ação destrambelhada do jogador.

Deixar Seijas, Valdívia e Anderson no banco para escalar Alex, Sasha e William — este fora de posição, repito — só pode ser explicado pelos interesses da empresa de Fernando Carvalho e de seu parceiro Juarez. Será que nossa queda pode dar lucro a alguém? Só isso explicaria a teimosia em escalar Alex, um cara que deixa o time lento. Será que vão vendê-lo para a China ou para o mundo árabe no fim do ano e precisam que ele esteja em atividade? Sei lá. E Sasha, será que vai finalmente para a Europa e precisa de vitrine?

O que sei é que quero ver Piffero e seu grupo, Carvalho e seus amigos empresários de futebol, Juarez e sua incompetência sejam varridos do Beira-Rio em 2017. É um grupo de pessoas ultrapassadas e que está cagando para a situação do clube.

Bem, empatamos com o Santa Cruz e agora a situação é a seguinte: com 38 pontos, somos o 16º lugar e o primeiro time fora do Z-4. Faltam 5 partidas, todas mais complicadas do que o Santa Cruz no Beira-Rio. Já no Z-4, o Vitória é o 17º com 36 pontos, apenas dois a menos que nós.

Jogos em casa: Ponte Preta (2), Cruzeiro (4).

Jogos fora: Palmeiras (1), Corinthians (3), Fluminense (5).

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Inter perde mas joga bem, emitindo sinais de que segundona é só para os outros

Milagre! Anderson jogou bem! | Foto: Ricardo Duarte

Milagre! Anderson jogou bem! | Foto: Ricardo Duarte

Mesmo se deixarmos de lado o fato de que jogamos com um time lotado de reservas, fizemos uma excelente partida contra o Atlético-MG. Fora o gol, tivemos sete chances claras para marcar. Mas perdemos por 2 x 1. Não gosto de dizer que um resultado foi injusto, pois não posso desconsiderar o óbvio: o resultado foi justo e adequado à categoria de Pratto e à incrível sucessão de milagres do goleiro Victor. O resultado também foi justo e adequado à ruindade de Alan Costa, transformado em mingau no primeiro gol mineiro. Se nós tivéssemos um ataque mais efetivo, transformaríamos em gols nossas inúmeras chances, correto? Mas não temos e por isso nossa vida é tão complicada.

Como perdemos em casa com o adversário fazendo dois gols, estamos praticamente eliminados da Copa do Brasil. O que talvez seja bom. Nosso campeonato é o da rabada do Brasileirão, nossa vida atual é a de tentar não cair para a 2ª divisão, local que não conhecemos, mas que deve ser uma coisa repugnante.

Nosso objetivo é o de vencer o Santa Cruz sábado para chegarmos aos 40 pontos. Então, faltarão mais 5 nos últimos 5 jogos. Se a tarefa é fácil, também é fundamental para a vida do clube.

Apesar de Celso Juarez Roth, melhoramos muito em campo. Diria que estamos jogando no mesmo nível dos times do G-6. Porém, muita coisa está errada. Ontem entramos com Fabinho na lateral e William no meio-de-campo. Espero que não estraguem o belo e raro lateral que William é, colocando-o no meio-de-campo. Alex também foi escalado, deixando Seijas na reserva. O venezuelano vai acabar saindo para ser titularíssimo em outro clube. É bom jogador. Muito melhor do que este final de Alex. Ontem, por exemplo, Alex errou tudo. Pior, é o homem que bate todas as faltas…

Surpresas são as boas atuações de Géferson. Espero que ele bote finalmente a cabeça no lugar. E Anderson também fez excelente partida.

Bem, sábado, às 18h30, jogamos contra o Santa Cruz. Isto sim é importante neste momento. O que falta? Temos 37 pontos e estes são os nossos jogos até o final.

Jogos em casa: Santa Cruz (1),  Ponte Preta (3), Cruzeiro (5).

Jogos fora: Palmeiras (2), Corinthians (4), Fluminense (6).

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom resultado para o Inter. E empates ultrapassam Grêmio na história dos Gre-Nais

O juiz e Dourado, o localista e o injustiçado | Foto: Ricardo Duarte

O juiz e Dourado, o localista e o injustiçado | Foto: Ricardo Duarte

Não reclamo. Foi um ponto conquistado fora de casa, mas poderiam ser três se o juiz Francisco Carlos do Nascimento tivesse um pouco mais de compostura e amor à verdade.

Não vi o primeiro tempo. Meu amigo Farinatti disse que nada aconteceu durante os primeiros 45 minutos. Jogo trancado e chato, a única novidade era que o Inter não estava apenas se defendendo.

No começo do segundo tempo, perdemos dois gols com Vitinho e Sasha. A sorte começava a nos sorrir quando houve as expulsões. A decisão que Francisco Carlos do Nascimento deveria ter tomado era clara: ele expulsar Kannemann e Vitinho (por atitude anti-desportiva e por terem iniciado a confusão) e Edilson (por agressão a socos). Só que ele optou por ignorar Kannemann, dar amarelo para Vitinho, e expulsar Edilson e Dourado (?). Uma piada de juiz localista.

A expulsão de Dourado — ocorrida minutos depois, ainda dentro da confusão, em óbvio desejo cessar as reclamações azuis — foi uma tremenda injustiça para quem tomou três socos bem na frente do árbitro e não reagiu.

Com um jogador a mais, haveria grandes chances de vitória nossa, mas a decisão da arbitragem retirou um de nossos principais jogadores e uma lateralzinho meia-boca do Grêmio, deixando as coisas tão chatas como provavelmente estiveram na primeira etapa.

De qualquer maneira, um bom resultado. O Infobola já nos dá apenas 19% de chances de queda. O Chance de Gol dá 14%.

Agora, a estatística dos Gre-Nais aponta 154 vitórias do Inter, 129 empates e 128 vitórias do Grêmio. É o clássico Gre-Pate. Uma disputa duríssima em que os empates ultrapassaram o Grêmio! Já a posição do Inter não deve ser ameaçada durante o resto de minha vida.

Em momento de autobullying, antes do jogo, soube que a torcida tricolor gritou a esmo “ão, ão, ão, segunda divisão”. Em resposta, gargalhadas coloradas.

 Neurose: gremista em pleno autobullying. Foto: Luiz Eduardo Robinson Achutti

Neurose: gremista em pleno autobullying. Acho horrível assistir à agonia de uma esperança | Foto: Luiz Eduardo Robinson Achutti

A principal constatação do jogo é a de que o Inter melhorou um pouquinho e já é igual ao Grêmio.

Inter x Santa Cruz, no próximo sábado às 18h30, no Beira-Rio, tornar-se um jogo-chave para nossa tranquilidade neste final de Brasileiro.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Estranhamente, com os reservas e sem sofrer muita pressão, Inter vai às semis da Copa do Brasil

Foi uma noite gaúcha na Copa do Brasil. O Grêmio fez o que tinha que fazer contra os reservas do Palmeiras e o Inter, também com seus reservas, venceu o Santos sem muitos problemas. Claro que Danilo Fernandes fez grande defesa ao final do primeiro tempo, mas não houve aquela baita pressão de fim de jogo. Nós, colorados, esperávamos a pressão do Santos, pois sempre acabamos as partidas com o cu na mão. Mas nosso time, estranhamente, desta vez não ficou só se defendendo após a vantagem inicial.

Com raríssima lucidez, Celso Roth manteve seus atacantes enquanto o Santos tentava atacar mais e mais, tirando volantes e até zagueiros. Desta forma, o Inter acabou punindo o Santos com contra-ataques rápidos. Em um deles Sasha fez o segundo gol.

Esse Ricardo Duarte tá demais | Foto: Ricardo Duarte

Esse Ricardo Duarte tá demais | Foto: Ricardo Duarte

Aylon — comemoração na foto acima — tinha feito o primeiro aos 6 minutos do primeiro tempo. Acho que o Santos vai contratá-lo. Só assim ele vai parar de fazer gols no Peixe. Adora fazer isso.

Na próxima fase da Copa do Brasil, enfrentaremos o Atlético-MG, parada duríssima para um time tão frágil como o nosso. Mas o futebol anda tão nivelado que basta jogar um pouquinho para equilibrar as coisas. O Grêmio vai fazer seu mata-mata contra o Cruzeiro.

Inter e Cruzeiro têm algo em comum, ambos precisam se preocupar antes em se livrarem da ameaça de rebaixamento no Brasileiro. Então, digamos que Atlético-MG e Grêmio sejam os favoritos para fazerem a final da Copa do Brasil.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Com enorme apoio da torcida, Inter começa a reverter tendência de queda

Pra que tirar a camisa, Vitinho? Bem, jogando desse jeito, pode tirar sim.

Pra que tirar a camisa, Vitinho? Bem, jogando desse jeito, pode tirar sim.

A torcida, a torcida, a torcida e o mitinho Vitinho levaram o Inter a uma estrondosa e inesperada vitória sobre o Flamengo. Tão estrondosa que os sites de estatística já dão ao colorado apenas 25% (Infobola) e 17% (Chance de Gol) de chances de queda, quando este número já foi de 74%. Empurrar um time com Géferson na lateral esquerda, Paulão na zaga, mais Alex e a piada Ferrareis “armando o jogo” é trabalho pra leão. Mas a gente vai lá e empurra a lixeira. O resultado é que, com grande atuação de Vitinho, bem assessorado por Valdívia e Sasha, obtivemos uma vitória que não é definitiva, mas que atrapalha demais a tarefa dos secadores.

(Minha mulher é uma violinista bielorrussa e quando ouviu-me dizer pela primeira vez que eu ter uma noite de secador — o Grêmio jogava pela Libertadores –, ficou muito espantada).

Foi um jogo espetacular. 2 x 1 de virada, com todos os gols no segundo tempo. O Flamengo foi melhor na primeira etapa e o Inter na segunda. Vitinho foi o melhor em campo, marcando o segundo gol e dando grande trabalho à defesa adversária. Melhor tentar comprá-lo no fim do ano. O cara não apenas joga como demonstra muita vontade de não participar do inédito fiasco da queda.

Nosso time é fraco, com jogadores errando passes e batendo cabeça a cada momento. Se não fôssemos colorados, daríamos risadas da enorme ruindade. Mas há a arquibancada.

Ontem, Roth escalou mal e mexeu mais ou menos bem. A saída do atacante Ferrareis, que está sendo escalado há meses sem nenhum resultado, para a entrada de Sasha, melhorou muito o time. E a entrada de Valdívia também. É claro que Roth foi chamado de burro e com razão: quem deveria ter saído era Alex e não Seijas, mas deu certo. All’s Well That Ends Well, como diz a peça de Shakespeare.

Aliás, os colorados sabem perfeitamente quem são os culpados pela situação de estarmos lutando contra o rebaixamento. Roth é sempre vaiadíssimo, Piffero e Carvalho são chamados de todos os palavrões possíveis e de Argel ninguém lembra, mas sabe que foi ele quem destruiu o Inter. Aliás, Argel treinou três times neste Brasileiro. Penso que dois deles, Vitória e Figueirense, cairão. E merecem.

Já o Inter talvez se salve e o motivo é o verdadeiro vendaval que fazemos no Beira-Rio a cada jogo. Nós na arquibancada e mais alguns poucos e bons como Vitinho, William, Dourado, Ceará, Danilo Fernandes e Valdívia. São caras que, como nós, estão realmente indignados, sem aceitar que jogarão a segunda divisão. A torcida também lembrou do episódio da briga entre William e Anderson, dando apoio ao colorado.

Agora ficou mais fácil. Mesmo com a ameba Roth e esta SWAT de opereta, não vamos cair. Precisamos de 9 pontos em 7 jogos.

Jogos em casa: Santa Cruz (2),  Ponte Preta (4), Cruzeiro (6).

Jogos fora: Grêmio (1), Palmeiras (3), Corinthians (5), Fluminense (7).

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Inter acelera em direção à Segundona

Valdívia, perdido no meio

Valdívia, perdido no meio

Ainda embasbacado com o Nobel concedido a Bob Dylan, escrevo sobre outro absurdo: o time do Inter. Acho que Roth (o incompetente Celso, não o gênio Philip, bem entendido) não sai mais. Quem sai é o Inter, que só com muita sorte não cairá para a segundona.

Tudo está pequeno no Inter. Por exemplo, ao final da partida, todos reclamavam da marcação do pênalti. Na verdade, não houve um pênalti contra o Inter, houve dois: primeiro Eduardo derruba Sassá e depois toca na bola com a mão, prendendo-a contra o chão. Isto é tão claro que me constrangeu enormemente ouvir as entrevistas pós-jogo. O negócio é se esconder sob fatos menores e repetir que jogamos bem. Nada mais falso.

Também me constrangeu ver Alex formando a linha de três pela esquerda, com toda a sua velocidade. Juarez colocou sua opção mais veloz, Valdívia, no meio, para pensar o jogo. É muita falta de noção. E Seijas, que começou todos os jogos que o Inter venceu ultimamente — conferi, todos! –, iniciou o jogo na reserva… E Paulão, sempre fora do lugar. Procurem-no no contra-ataque que resultou no pênalti. Estava passeando no ataque.

Só Danilo Fernandes, William e Vitinho salvara-se do naufrágio. Ah, por incrível que pareça, Anselmo fez boa partida. O grupo terá de ser inteiramente refeito e isto leva tempo e dinheiro. A formação de jogadores também fica complicada, pois serão recebidos por um arcabouço em ruínas.

Bem, só a sorte poderá nos salvar. Faltam 8 jogos e, sendo benigno, precisamos de 12 pontos. Precisamos que os outros se atrapalhem.

Jogos em casa: Flamengo (1), Santa Cruz (3),  Ponte Preta (5), Cruzeiro (7).

Jogos fora: Grêmio (2), Palmeiras (4), Corinthians (6), Fluminense (8).

Matematicamente, é bem possível de não cairmos, mas vendo o time em campo não dá para ter grandes ilusões. Um amigo meu disse ontem que era um alívio quando a bola saía pela lateral. Verdade. É o pior Inter que vi na vida e acompanho atentamente futebol desde o final dos anos 60.

Parabéns, Piffero, Affatato, Carvalho, Argel e Celso Juarez Roth. Espero vê-los bem longe do clube em 2017.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, colorados, vai ter que ser aos trancos e com a torcida

Vitinho e Valdívia nos observam após a partida | Foto do celular de Paulo Dixon

Vitinho e Valdívia nos observam após a partida | Foto do celular de Paulo Dixon

Passei no teste cardíaco. Apesar de tudo, sou eu quem está escrevendo agora. Agradeço ao Danilo Fernandes que nos salvou duas vezes — naquela cabeçada e no pênalti defendido aos 33 min do segundo tempo –, ao William e ao Dourado, de grandes atuações, e ao Vitinho, que sempre tira da cartola um 1 x 0 salvador. Ele teve frieza para matar o jogo no final. Jogamos mal, muito mal, mas tivemos sorte. Foi um alívio temporário. Falta bastante ainda.

Vamos ter que nos livrar da degola aos trancos mesmo. Errando passes, marcando mal., lutando muito e CONTANDO UMA TORCIDA INCRÍVEL. Como escreveu o Douglas Cecconello, “o troço mais paradoxal disso é que está muito massa de ir ao Beira-Rio ultimamente. Uma atmosfera de solidariedade: vamos carregar este lixo de time de qualquer jeito. Porque é isso ou a morte coletiva”. Exato.

 Não interessa como, o que importa é não cair | Foto: Ricardo Duarte

Não interessa como, o que importa é não cair | Foto: Ricardo Duarte

Nesta altura do Campeonato não interessa mais quais foram os erros cometidos durante os últimos dois anos. O negócio é pontuar na marra. Precisávamos de 18 pontos em 11 jogos. Com as duas sofridíssimas vitórias por 1 x 0 contra Figueirense e Coritiba, agora precisamos de 12 em 9.  E não me digam que nossa situação não melhorou. Há duas rodadas, a estatística dava 70% de chances de queda, hoje já dá 46%.

As nove partidas restantes são as seguintes. Entre parênteses, coloquei a ordem em que elas ocorrerão:

Jogos em casa: Flamengo (2), Santa Cruz (4),  Ponte Preta (6), Cruzeiro (8).

Jogos fora: Botafogo (1), Grêmio (3), Palmeiras (5), Corinthians (7), Fluminense (9).

12 pontos são 4 vitórias. Ou 3 vitórias e 3 empates. Ou 2 vitórias e 6 empates, o que seria um filme de terror e nos desfavoreceria no caso de empate em pontos, pois o primeiro critério de desempate é justamente o número de vitórias.

Ainda nesta rodada podemos ser ultrapassados por Cruzeiro e Figueirense, que jogam no fim de semana em seus estádios contra Ponte Preta e Botafogo. Mas, tudo bem, o negócio é não dar bola e focar nos nossos 45 pontos. Abaixo, coloco os times que têm mais de 10% de chances de rebaixamento. A lista é grande. São 9 clubes para as 4 indesejáveis vagas.

clipboard01

Ontem à noite, a torcida foi fundamental. Ninguém entendeu a entrada de Marquinhos, mas foda-se, ganhamos. Ninguém entendeu porque Juarez demorou tanto em mudar o time, mas foda-se, ganhamos. Nem entendemos porque o esquema não foi alterado em nenhum momento, mas… Vocês já sabem.

Para quem quiser ver o desespero de ontem, com pênalti contra nós aos 33min do segundo tempo e gol da vitória aos 40, aí está (a defesa de Danilo Fernandes no pênalti está no vídeo, mas fora de ordem, um pouco depois).

A luta continua!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Sobre as possibilidades do Inter no Brasileiro

Reclamam que eu não escrevi sobre Inter 1 x 0 Figueirense. Na verdade, três pessoas reclamaram. Ora, a partida foi na noite anterior ao dia das eleições. Nem pensei muito a respeito. E foi uma vitória deprimente, com o Inter se protegendo de um time que não o atacava. O final do jogo parecia uma luta do covarde contra o desarmado. Ou como a cena antológica do Monty Python, em que o Cavaleiro Negro, já sem braços e pernas, propõe um empate… (Aqui, a cena completa).

O Figueirense atacando o Inter.

Imagem do Figueirense atacando o Inter.

E mesmo assim jogamos mal. O pior técnico do Brasil, Celso Juarez Roth, segue comandando um time obtuso e sem sentido. Amanhã, vou ao estádio ver Inter x Coritiba. Só a sorte ou um entusiasmo extremo — como o do Cavaleiro Negro — poderá nos salvar, pois, pelo que vi de Coritiba x América-MG, o time de Carpeggiani é muito melhor e mais moderno que o nosso, que não tem nem saída de bola. Urge fazer uma limpeza no clube. Aguardamos por um milagre que nos mantenha na primeira divisão — 15 pontos em 10 jogos, ou seja, 50% de aproveitamento de um time que não tem nem 20% nos últimos 20 jogos. Conseguindo-os ou não, depois temos que ir atrás de clorofila, esfregão, rodo, Veja Multiuso, desinfetante, desengordurante, diabo verde, saponáceo, desentupidor, escova sanitária, tira-limo, palha de aço, sacos de lixo (muitos), detergentes, panos de chão, baldes e vassouras para limpar o clube. Mas o maior problema é a MÃO DE OBRA.

Era isso.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia para você, que viu seu time com quatro volantes

Obrigado, Seijas. Também em campo, dá para notar que tu encaras o problema.

Obrigado, Seijas. Também em campo, dá para notar que tu encaras o problema.

Não queria escrever hoje. Não por tristeza ou algo do gênero, mas porque é repetitivo. O Inter comete sempre os mesmo erros. Então, vamos tentar achar as diferenças do jogo de ontem em relação aos outros. Ontem, quando reagimos, Celso Juarez Roth foi empilhando volantes até chegar ao número de quatro: Dourado, Fabinho, Bob e Eduardo Henrique. Ele ainda não tinha feito isso e nenhum treinador o faz, ainda mais quando perde o jogo, mesmo por um placar aceitável. De onde Argel — pois foi um pedido de nossa Ameba I — tirou este Fabinho, meu deus? O homem está sempre apavorado! E quem explica a contratação de Marquinhos?

Outra novidade? Vitinho entrou bem.

Mais: os dois gols do Santos nasceram de trocas de bolas pelos lados em que o jogador santista ficou livre para olhar, escolher com calma e cruzar. Nossos jogadores são cones que não conseguem marcar os deslocamentos dos adversários. O cara fica livre, olha e olha, cruza e gol sai. Duas vezes.

Por exemplo, na imagem abaixo, os jogadores 4 e 5 foram ultrapassados pelo cara de branco próximo a eles e que vai cruzar depois do passe óbvio do cara que está ao lado do jogador 7 do Inter. O que fazem 8 e 9? Batem um papo, observando os babacas 4 e 5.

Sistema de Marcação do Inter. As baratas tontas.

Sistema de marcação do Inter: baratas tontas.

OK, já entendi. Carvalho quer ir até o fim com Juarez. Meu grande amigo Roberto Mastrangelo Coelho está em surto pedindo Mário Sérgio. Ele tem razão. Seria uma ótima pedida. Ele sabe escalar, substituir e é um motivador. Juarez não é capaz de nenhum destes três itens. Mário seria o nome ideal para tentar nos salvar. Daqui alguns dias, jogaremos contra Palmeiras, Flamengo, Corinthians, etc. e aí não haverá mais remédio que cure.  O louco Lisca poderia ser também interessante.

O que me desespera não é o impossível. Não me desespero por Romy Schneider ter cometido suicídio antes de me conhecer. O que me desespera é o possível não alcançado. Ah, nossa direção… Cometeu erros sobre erros. Piffero e Carvalho obinaram e ainda estão obinando. De minha parte, estou em tranquilo desespero, rindo do Inter, ou seja, rindo de mim.

Uma coisa que me surpreende é nossa impotência. Quem não tem mais nada a perder costuma ser perigoso — mesmo quem cai para a segunda divisão vence aqui e ali, comete seus crimes — , mas o Inter não é capaz nem disso. Uma vitória em 21 jogos — 19 destes no Brasileiro. Estamos indo para o matadouro sem ousar, com Juarez e suas soluções anos 90.

Para completar, Seijas está mais indignado do que Carvalho e Roth, que riem da “incompreensão” dos repórteres durantes suas lamentáveis entrevistas. Melhor não escalar o venezuelano, né?

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!