Salvador Allende, 11 de setembro de 1973

Salvador Allende, 11 de setembro de 1973

Seguramente, esta será a última oportunidade em que poderei dirigir-me a vocês. A Força Aérea bombardeou as antenas da Rádio Magallanes. Minhas palavras não têm amargura, mas decepção. Que sejam elas um castigo moral para quem traiu seu juramento: soldados do Chile, comandantes-em-chefe titulares, o almirante Merino, que se autodesignou comandante da Armada, e o senhor Mendoza, general rastejante que ainda ontem manifestara sua fidelidade e lealdade ao Governo, e que também se autodenominou diretor geral dos carabineiros.

Diante destes fatos só me cabe dizer aos trabalhadores: Não vou renunciar! Colocado numa encruzilhada histórica, pagarei com minha vida a lealdade ao povo. E lhes digo que tenho a certeza de que a semente que entregamos à consciência digna de milhares e milhares de chilenos, não poderá ser ceifada definitivamente. [Eles] têm a força, poderão nos avassalar, mas não se detém os processos sociais nem com o crime nem com a força. A história é nossa e a fazem os povos.

Trabalhadores de minha Pátria: quero agradecer-lhes a lealdade que sempre tiveram, a confiança que depositaram em um homem que foi apenas intérprete de grandes anseios de justiça, que empenhou sua palavra em que respeitaria a Constituição e a lei, e assim o fez.

Neste momento definitivo, o último em que eu poderei dirigir-me a vocês, quero que aproveitem a lição: o capital estrangeiro, o imperialismo, unidos à reação criaram o clima para que as Forças Armadas rompessem sua tradição, que lhes ensinara o general Schneider e reafirmara o comandante Araya, vítimas do mesmo setor social que hoje estará esperando com as mãos livres, reconquistar o poder para seguir defendendo seus lucros e seus privilégios.

Dirijo-me a vocês, sobretudo à mulher simples de nossa terra, à camponesa que nos acreditou, à mãe que soube de nossa preocupação com as crianças. Dirijo-me aos profissionais da Pátria, aos profissionais patriotas que continuaram trabalhando contra a sedição auspiciada pelas associações profissionais, associações classistas que também defenderam os lucros de uma sociedade capitalista. Dirijo-me à juventude, àqueles que cantaram e deram sua alegria e seu espírito de luta. Dirijo-me ao homem do Chile, ao operário, ao camponês, ao intelectual, àqueles que serão perseguidos, porque em nosso país o fascismo está há tempos presente; nos atentados terroristas, explodindo as pontes, cortando as vias férreas, destruindo os oleodutos e os gasodutos, frente ao silêncio daqueles que tinham a obrigação de agir. Estavam comprometidos.

A historia os julgará.

Seguramente a Rádio Magallanes será calada e o metal tranqüilo de minha voz não chegará mais a vocês. Não importa. Vocês continuarão a ouvi-la. Sempre estarei junto a vocês. Pelo menos minha lembrança será a de um homem digno que foi leal à Pátria. O povo deve defender-se, mas não se sacrificar. O povo não deve se deixar arrasar nem tranquilizar, mas tampouco pode humilhar-se.

Trabalhadores de minha Pátria, tenho fé no Chile e seu destino. Superarão outros homens este momento cinzento e amargo em que a traição pretende impor-se. Saibam que, antes do que se pensa, de novo se abrirão as grandes alamedas por onde passará o homem livre, para construir uma sociedade melhor.

Viva o Chile! Viva o povo! Viva os trabalhadores! Estas são minhas últimas palavras e tenho a certeza de que meu sacrifício não será em vão. Tenho a certeza de que, pelo menos, será uma lição moral que castigará a perfídia, a covardia e a traição.

Salvador Allende, 11 de setembro de 1973.

Os jornais pré-programados

Os jornais pré-programados

Me incomodam os jornais, sites, colunistas e comentaristas das redes que desejam agradar seus leitores com opiniões previsíveis e consensuais. Ah, a sede de aplausos… Ah, vou falar bonito pra minha bolha… Significa que a opinião emitida tem em vista um objetivo que se esgota na vaidade e na fragilidade de quem a divulga. Se tivesse um jornal, escolheria os meus colunistas por um critério. Trataria de descobrir o tamanho da vaidade, se a pessoa precisa muito ser amada. Se sim, adeus. Se não, fique por aqui fugindo dia a dia do que esperam de ti.

Um saco

Posso dizer que posso adivinhar as manchetes de cada site a respeito de determinado assunto. É sempre a mesma pasmaceira previsível. É como diz Chico Buarque em “A História de Lily Braun”:

Nunca mais romance
Nunca mais cinema
Nunca mais drinque no dancing
Nunca mais cheese
Nunca uma espelunca
Uma rosa nunca
Nunca mais feliz

A posição do PUM sobre as queimadas

A posição do PUM sobre as queimadas

Primeiro Bolsonaro rejeita (esnoba) os recursos alemães e noruegueses para a Amazônia, depois diz que lhe faltam recursos para estancar os incêndios-queimadas. Ele tinha que ser impichado logo, mas, sabemos, para tanto falta a tempestade perfeita que passaria pelo Congresso, imprensa e opinião pública. Num Congresso coalhado de baba-ovos e evangélicos imbecis, nenhum impeachment passa.

* Não houve engano: quem leva a religião para a política é imbecil e canalha.

Ontem à noite, enquanto a Amazônia ardia, assisti a um maravilhoso recital com o notável violinista Bernard Zinck e a não menos pianista Lucia Barrenechea ali no IA-Ufrgs.

No repertório, a Sonata Nº 3 para Violino e Piano de Brahms, a Sonata de Poulenc e a Sonata Espanhola de Turina como aquecimento.

A Universidade resiste como pode ao desgoverno federal.

(Peço desculpas pela nota sem graça, é que tá difícil ter graça neste país).

Pequeno comentário sobre as eleições e a desigualdade na Argentina e no Brasil

Pequeno comentário sobre as eleições e a desigualdade na Argentina e no Brasil

(Imaginem que levei 3 dias de gancho no Face em razão de uma foto de um grupo de índios onde aparecia 1 (um) pênis de longe? Era uma postagem de 2017 e foi publicada por mim NO PERFIL DO SUL21, onde trabalhava… Ou seja, algum troll do Sul21 acabou me achando dois anos depois. Mas… adiante!).

A Frente de Todos, do candidato Alberto Fernández e que tem a ex-presidente Cristina Kirchner como companheira de chapa, venceu ontem as eleições primárias da Argentina impondo-se com ampla vantagem sobre o atual presidente Mauricio Macri: 48% contra 32%. Uma vitória acachapante. O resultado coloca o candidato da oposição de, OK, esquerda, como favorito para vencer as eleições presidenciais de outubro.

Quando digo “OK, esquerda”, é porque acho que o combate à desigualdade — mesmo quando as esquerdas estavam no poder — foi muito tímido em nosso país e no vizinho. As pessoas se focam nos PIBs e esquecem das boas condições de saúde, da necessária melhoria da qualidade da escola fundamental, etc. É necessário dar igual atenção à redução das desigualdades e aos índices de crescimento. E, é óbvio, detonar com a ideia de que reduzir a desigualdade é coisa de comunista.

Cristina Kirchner passou ao lado de uma possível rejeição a seu nome. Usou o nome de Alberto Fernández, um político centrista, colocando-se como vice. Foi inteligente, pois talvez não vencesse sozinha a rejeição, assim como o PT não conseguiu vencer sozinho o antipetismo no Brasil. Aprendam!

No Brasil ainda estamos defendendo uma frágil democracia da desumanidade de um presidente ridículo, fascista e perigoso. Neste cenário, a estratégia da esquerda parece ser meramente a de chegar viva nas próximas eleições. Não há um projeto de país, o que é lastimável.

Na Argentina, tudo indica que Macri poderá ser um episódio de curta duração no longo domínio peronista da política na Argentina. E apesar de o peronismo ser uma particularidade que mistura elementos de esquerda e direita, os mercados financeiros já estão mostrando desagrado com o seu regresso provável ao poder. Excelente.

Lembro de um amigo — de direita — que me disse que, quando estava na Dinamarca, o diretor-geral da empresa onde trabalhava ganhava somente 5 vezes mais do que ele, um estagiário. E a empresa tinha 300 pessoas e era altamente lucrativa. Nossa, como os dinamarqueses são comunas… Se se fizesse isso no Brasil, seria um deus nos acuda.

Mas, provavelmente, vamos de novo com a esquerda na Argentina. Boa sorte!

Montagem do Brasil 247

A opinião do PUM sobre os machos da Região Sul…

A opinião do PUM sobre os machos da Região Sul…

Como diz a Clara Corleone, o homem infelizmente tem que acabar. E eu digo que a Região Sul do Brasil também. É a vergonha do país.

Viram a pesquisa Ibope? Enquanto 54% dos homens aprovam o governo, isto é, mais da metade, apenas 39% das mulheres se disseram contempladas pela assim chamada gestão Bolsonaro. O percentual de reprovação chegou a 54% entre as pessoas do sexo feminino — enquanto homens somaram 42%.

Na análise por região, o desempenho foi pior entre os residentes nas regiões Norte/Centro-Oeste e Nordeste. No Sul, por sua vez, a popularidade de Bolsonaro se consolidou como a maior do país. É a única região em que mais de 50% avaliam o governo como ótimo ou bom — o percentual subiu de 44% para 52% desde a última pesquisa.

Sou um homem que nasceu e vive na Região Sul. E olho com desconfiança meus, desculpem, semelhantes. A Região Sul é um depósito de lixo humano.

(Enquanto isso, Bolso passeia pelo Japão com pó, sem projetos, e sem ninguém com quem conversar).

Agora, tem tráfico de drogas no avião de Bolsonaro

Agora, tem tráfico de drogas no avião de Bolsonaro

Um militar que acompanhava Bolsonaro na Espanha, onde o avião do débil fez uma escala, foi preso com 39 quilos de cocaína divididos em 37 pacotes em sua mala.

Deve parecer normal para seus eleitores e família.

Ontem, o Óscar Fuchs desenhou sobre o desespero que abate os cartunistas. Mal terminam o desenho de um absurdo e já vem o seguinte e o seguinte e o seguinte. Mas nada se faz contra a usina de escândalos deste “governo”.

3 drops de abril

Modiano (14), Aleksiêvich (15) e Ishiguro (17) foram boas escolhas. Do fato da absurda escolha de Dylan em 2016 não dava para depreender a putaria que estava a Academia Sueca. Afinal, já houve casos quase tão incríveis quanto este no passado. Mas tergiverso. Bem, teremos Nobel de Literatura este ano? É tão difícil organizar uma comissão de bom gosto, conhecimento e conduta aceitável?

.oOo.

Jude Law deve ser um cara interessantíssimo. Produtor e ator principal da série ‘O Jovem Papa’, ele não tem conseguido gravar a nova temporada — já escrita e planejada — em razão dos compromissos. Não é de todo raro um grande ator abraçar um projeto, inclusive arcando com seus custos. O que é raro é um ator produzir uma série daquele tamanho e com um nível artístico tão alto, se bem que eu gostaria de ver o diretor Paolo Sorrentino de volta ao cinema. Agora, espero que Law arranje tempo para desovar a coisa, né?

Ou será que está buscando a grana que vai gastar? Pode ser.

.oOo.

Ai, que inesperado!

Pesquisa Foca e Methodus apura que apenas 8% aprovam a administração Marchezan em Porto Alegre.

E o recém eleito Eduardo Leite?

Péssimo: 22,34%
Ruim: 24,11%
Regular: 42,64%
Bom: 10,41%
Ótimo: 0,51%

Parabéns, boas escolhas!

Meu estado é assim em todos os níveis

Meu estado é assim em todos os níveis

O futebol como representação da vida política e da vida em geral.

Explico para quem não entendeu: Na primeira foto, o árbitro Jean Pierre Lima vê este incrível pênalti (fora da área, houve um beliscão do jogador colorado no calção do gremista, que caiu desmaiado). Depois, vitorioso, Renato Portaluppi agradece a graça recebida.

O Inter negou-se a pegar a taça e as medalhas de vice-campeão. Correto. Se não tiverem bom valor no Mercado Livre, melhor deixar na FGF.

Um pouquinho de política

A candidata de Macri recebeu 6% dos votos na eleição para governador na província de Río Negro — achei o percentual até alto. O candidato de Cristina teve 30% e também não levou. Quem venceu foi Arabela Carreras, de centro-esquerda, com 56% dos votos e posições contra o discurso de ódio. Não é a primeira de derrota de Macri & Cristina. Em março, ambos perderam Neuquén com resultados parecidos.

Bem, os argentinos estão saindo da dicotomia burra. E nós? Quando?

.oOo.

Quando a esquerda — minha trincheira — pegar no pandeiro e no zabumba, quando ela entender que o samba não é rumba… Ela vai usar as redes sociais como se deve.

.oOo.

“Tínhamos entrado, tudo o indicava, com precipitação e por toda a parte ao mesmo tempo, na idade do vulgar. Estas gentes, herdeiras indignas de um espírito que tinha iluminado a Europa, retiravam o prazer e o comum da sua conversa do espetáculo quotidiano de marionetas de borracha que supostamente representavam os grandes deste mundo, representações em que o grosseiro dos traços não cedia senão à estupidez estereotipada das réplicas: julgavam ver nisso um tom de Molière. Esquecera-se o humor em favor da chalaça, a insolência em favor da canalhice.”

Olivier Rolin, in Porto-Sudão, trad. João Duarte Rodrigues

Convidada, a pesquisadora Ana Pizarro nega-se a ir a almoço com Bolsonaro no Chile

Convidada, a pesquisadora Ana Pizarro nega-se a ir a almoço com Bolsonaro no Chile

Ana Pizarro foi convidada para almoçar com Bolsonaro e membros do governo chileno e diplomatas neste próximo sábado (23). Ela negou-se a ir ao almoço através da carta abaixo. Quem é Ana Pizarro? Ela é chilena, professora e pesquisadora da Universidade de Santiago do Chile e doutora em letras pela Universidade de Paris. Especialista em temas relacionados com literatura e cultura na América Latina, já trabalhou em centros de estudos e universidades no Chile, França, Argentina, Venezuela e Brasil. Seu projeto de pesquisa Perfil cultural da área amazônica foi agraciado com a Bolsa Guggenheim, em 2002. Organizou as seguintes obras: La literatura latinoamericana como processo (1985), Hacia uma historia de la literatura latinoamericana (1987), El archipiélago de fronteras externas, entre outras. Sua obra mais conhecida no Brasil é a trilogia América Latina: palavra, literatura e cultura (1993-1995). Também foi editado no Brasil, pela EdUFF, em 2006, a coleção de ensaios O Sul e os trópicos. Atualmente é pesquisadora e professora do Centro de Estudos Avançados da Universidade de Santiago do Chile.

.oOo.

Santiago de Chile, 21 de marzo de 2019.

Carta abierta al señor Presidente de la República

Exmo Señor Sebastián Piñera y Señora Cecilia Morel
Presidencia de la República de Chile

De mi consideración:

He recibido su invitación a participar en un almuerzo en La Moneda con ocasión de la visita del Presidente de Brasil Señor Jair Bolsonaro.

Brasil es un país que he aprendido a admirar profundamente en su historia , su gente,su diversidad social, étnica, cultural a lo largo de treinta años de trabajo como investigadora en diversos estratos de su población, a lo largo y ancho del territorio. Tengo premios internacionales en relación a ello.

Digo esto para explicarles mi negativa a participar del almuerzo en honor al Presidente Bolsonaro al que me invitan.

No voy a referirme a las desafortunadas y ya divulgadas expresiones del Presidente Bolsonaro relativas a la mujer, sus discriminadoras frases respecto de otros géneros y etnias que no respondan a su concepción de superioridad del sujeto hombre (macho), blanco, heterosexual, y occidental. Responden a una pérdida de privilegios,a la amenaza que se percibe en el empoderamiento logrado por estos sectores en las últimas décadas, como bien lo ha señalado la analista brasileña Eliane Brum. Tampoco a sus afirmaciones sobre la tortura y la muerte, que de tan graves caen en la caricatura.

Los últimos veinte años los he dedicado a la Amazonia, esa tierra paradisíaca que vio Euclides da Cunha, en donde el ser humano es “un intruso impertinente”. Como es sabido más allá de su riqueza cultural, se trata de un lugar de yacimientos minerales enormes. De uno de los mayores reservorios de biodiversidad del planeta, fundamental para su equilibrio climático, que, de acuerdo a un estudio reciente de la Universidad de Leeds desde 1980 ha absorbido aproximadamente 430 millones de toneladas de carbono por año, es decir cuatro veces las emisiones del Reino Unido. En medio del aumento del calentamiento global, el Presidente Bolsonaro apunta al retiro de su país del tratado de Paris y se suspende la Cumbre del Clima (COP25) con sede en Brasil , que dice relación con esto, lo que significa negar su importancia.

Sus proyectos empresariales en relación a la Amazonía no encierran menos peligro. Su intención es desarrollar la Amazonía “improductiva” y “desértica” a través de megaproyectos como el llamado Barón de Rio Branco en el rio Trombetas. Construcción de represas y carreteras que favorecen a los cultivadores de soya, sus apoyos electorales.No existen para él las comunidades indígenas ni quilombolas que a través de decenas de años de lucha y cientos de años en el lugar han logrado demarcar sus tierras. Ya no hay protección.

La institución demarcadora ahora es el Ministerio de Agricultura. El lobo cuida las ovejas. Las tierras públicas pasan a manos privadas y se abre la Amazonía a la explotación de soya, ganado y minerales. Estas decisiones ya tienen antecedentes en ese país: comienza la destrucción de la selva y el curso de los ríos, con sus consecuencias,la entrada de los taladores ilegales, la minería ilícita, la ganadería destructora, como lo fue en Acre con la desaparición de los castañales, los robos de madera con camiones sin patente por la selva y los troncos flotando sobre los ríos. El paraíso se vuelve infierno, y ese infierno nos incorpora a todos.

No voy a extenderme, señor Presidente. Solamente quiero explicar porqué no asistiré a la invitación al almuerzo del día sábado 23 de marzo de 2019, en la Moneda, en honor al Presidente Bolsonaro, al que tan gentilmente ustedes me invitaron.

Le saluda atentamente

Ana Pizarro
Doctora de la Universidad de París.
Ex-Académica de la Universidad de Santiago de Chile

Ana Pizarro, pesquisadora na área de Cultura Latino-Americana | Foto: UESPI – Universidade Estadual do Piauí

Boçalnato

Boçalnato

É conservador, mas casou 4 vezes.
É patriota, mas curva-se aos EUA.
Cita Deus, mas tem discurso de ódio.
É homofóbico e racista, mas reclama se apontado como tal.
Vai acabar com a corrupção, mas não a da família e amigos.
Diz que teremos segurança, mas tem relações com milicianos.
E tem filhos burros, burros, burros como ele se mostraria
se abrisse a boca.

Os Bolsonaro: 5 Patetas

Ela não aguentou

Ela não aguentou

Abaixo, reportagem da Marie Claire sobre Sabrina Bittencourt.

Foto: arquivo pessoal

.oOo.

Ativista social e uma das mulheres que ajudou a desmascarar abusos sexuais de João de Deus e Prem Baba, Sabrina Bittencourt, 38, cometeu suicídio no sábado (02/02). Em nota de falecimento comunicada à imprensa assinada por Maria do Carmo Santos, presidente da ONG Vitimas Unidas, com a qual Sabrina trabalhava, a morte de Bittencourt foi confirmada.

“O grupo Vítimas Unidas comunica com pesar o falecimento de Sabrina de Campos Bittencourt ocorrido por volta das 21h deste sábado, 02 de fevereiro, na cidade de Barcelona, na Espanha, onde vivia. A ativista cometeu suicídio e deixou uma carta de despedida relatando os porquês de tirar sua própria vida. Pedimos a todos que não tentem entrar em contato com nenhum integrante da família, preservando-os de perguntas que sejam dolorosas neste momento tão difícil. Dois dos três filhos de Sabrina ainda não sabem do ocorrido e o pai, Rafael Velasco, está tentando protege-los. A luta de Sabrina jamais será esquecida e continuaremos, com a mesma garra, defendendo as minorias, principalmente as mulheres que são vítimas diárias do machismo”.

Antes de cometer suicídio, a ativista e Doutora Honoris Causa por seu trabalho humanitário pela UCEM – Universidad del Centro, no México, escreveu post em sua conta no Facebook em que fala sobre sua vida e a luta pelas mulheres e minorias. “Marielle me uno a ti. Eu fiz o que pude, até onde pude. Meu amor será eterno por todos vocês. Perdão por não aguentar, meus filhos.”. Sabrina, que morava em Barcelona, se matou no sábado (02/02) e deixa três filhos.

De família mórmon, Sabrina foi abusada desde os 4 anos por integrantes da igreja frequentada pela família. Aos 16, ficou grávida de um dos estupradores e abortou. Bittencourt dedicou a vida a militar por vítimas de abuso e a desmascarar líderes religiosos, dentre eles Prem Baba e João de Deus. Bittencourt é uma das criadoras do “movimento” Coame, sigla para Combate ao Abuso no Meio Espiritual, plataforma que concentra denúncias de violações sexuais cometidas por padres, pastores, gurus e congêneres. Sabrina ajudou, principalmente, as vítimas de abuso sexual de João de Deus, investigando as acusações junto à imprensa. Sabrina também auxiliou a filha do próprio médium, Dalva Teixeira, na denúncia contra o pai por abuso.

Em relato em primeira pessoa feito em dezembro de 2018 à Marie Claire, Sabrina conta sobre a vida de abusos e como se tornou uma das principais vozes e forças de apoio a vítimas de abuso sexual, principalmente dentro de grupos religiosos. Alvo de ameaças de morte, Sabrina vivia fora do Brasil e se mudava frenquentemente.

A seguir, leia na íntegra o post de Sabrina postado no Facebook na noite de sábado (02/02):

“Marielle me uno a ti. Somos semente. Que muitas flores nasçam dessa merda toda que o patriarcado criou há 5 mil anos! Eu fiz o que pude, até onde pude. Meu amor será eterno por todos vocês. Perdão por não aguentar, meus filhos. VOCÊS TERÃO MILHARES DE MÃES NO MUNDO INTEIRO. Minhas irmãs e irmãos na dor e no amor, cuidem deles por mim… ❤️ Eu sempre disse que era só uma pequena fagulha. Nada mais. Só pó de estrelas como todos. USEM A SUA PRÓPRIA VOZ. A SUA PRÓPRIA VONTADE. TOMEM AS RÉDEAS DE SUAS PRÓPRIAS VIDAS E ABRAM A BOCA, NÃO TENHAM VERGONHA! ELES É QUEM PRECISAM TER VERGONHA. Não aguento mais. Todas as provas, evidências, sistemas de apoio, redes organizadas e sobretudo, meu legado e passagem por aqui está entregue ou chegará às mãos corretas. As REDES DE APOIO AOS BRASILEIR@S FORAM CRIAD@S E SE EXPANDIRÃO NA VELOCIDADE DA LUZ! Não se desesperem. Dessa vida só levamos o mais bonito e o aprendido. Paulo Pavesi, eu sinceramente sinto muito pela morte do seu filho. Tenha certeza, que se eu soubesse da sua história na época, implicaria minha vida e segurança como fiz com centenas de pessoas. Damares, eu sei que você não teve tratamento psicológico quando deveria e teve sequelas, servindo de marionete neste sistema de merda que te cooptou, acolheu e com o qual você se sente em dívida o resto da sua vida. Não tenho dúvidas que você amou e cuidou da sua “Lulu” como gostaria de ter sido cuidada e protegida na sua infância, mas ela nao é uma bonequinha bonita que você poderia roubar e sair correndo… Giulio Sa Ferrari, eu te considerei um irmão e você sabia de todas as minhas rotas de fuga… eu vi em você a pureza de um menino que nunca foi notado por uma sociedade neurotípica que não entendia os neuroatípicos, mas reputação é algo que se constrói e não é de um dia ao outro. Gabriela Manssur, muito obrigada por me fazer ter esperança de que elas serão ouvidas e atendidas em suas necessidades. João de Deus, Prem Baba, Gê Marques, Ananda Joy, Edir Macedo, Marcos Feliciano, DeRose Pai, DeRose filho, todos os padres, pastores, bispos, budistas, espíritas, hindús, umbandistas, mórmons, batistas, metodistas, judeus, mulçumanos, sufis, taoístas, meus familiares, Marcelo Gayger, Jorge Berenguer, eu desconheço a sua infância e a sua criação pelo mundo, mas sei no meu íntimo que TODO MENINO NASCEU PURO e foi abusado, corrompido, machucado, moldado, castrado, calado, forçado a fazer coisas que não queria, até se converter talvez, cada um à sua maneira, em tiranos manipuladores (em maior ou menor grau) que ao não controlar os próprios impulsos, tentam controlar a quem consideram mais frágil e assim praticam estupros, pedofilia, adicções diversas… Eu sei, eu sinto, eu vi. Mas ainda assim, preferi SEMPRE ficar do lado mais frágil nesta breve existência: mulheres, crianças, idosos, jovens, povos originários, afrodescendentes, refugiados, ciganos, imigrantes, migrantes, pessoas com deficiência, gays, pobres, lascados, fudidos, rebeldes e incompreendidos… Essa vida é uma ilusão e um jogo de arquétipos do bem e do mal, de dualidades… desde que o mundo é mundo. Vivo num outro tempo desde que nasci e sempre senti que vivia num mundo praticamente medieval. Volto pro vazio e deixo minha essência em PAZ. Aos meus amigos, amadas e amantes, nos encontraremos um dia! Sintam meu amor incondicional através do tempo e do espaço. SIM e FIM.”

.oOo.

Obs. do editor: Não tenho boas alternativas, mas não gosto da expressão “cometeu suicídio”. A pessoa comete crimes ou ilícitos. Acho que tirar a própria vida, matar-se, suicidar-se ou abandonar a vida é um direito.