Se liga, meu amigo: Sul21 lança campanha de assinaturas

Assim como vários órgãos da mídia independente, o Sul21 está lançando sua campanha de assinaturas. Acho justo e esperado.

Com a democracia brasileira fragilizada por sucessivos ataques à Constituição e ao Estado de Direito, com o crescimento da onda de intolerância e de um discurso de ódio que procura criminalizar os direitos humanos e sociais, com a grande imprensa subordinando a produção e a circulação da informação a seus interesses particulares, acreditamos que nosso trabalho é mais do que nunca necessário.

Queremos e vamos sobreviver. Quando afirmamos isso, não desejamos apenas a manutenção de nossos empregos, mas uma ampliação de cobertura. Só nós sabemos o que deixamos de cobrir por “falta de pernas”. Há uma enorme demanda dos movimentos que não recebe divulgação e amplificação.

6f1cfa8fab8d7bca73c162b8245427f8

Para enfrentar esse cenário, o Sul21 está lançando uma campanha de assinaturas a fim de fortalecer e qualificar o trabalho que desenvolve desde 2010.

Mais do que uma mera colaboração financeira, a campanha propõe uma maior aproximação do nosso público leitor com o trabalho cotidiano que realizamos.

O conteúdo do Sul21 permanecerá aberto. Não é nossa ideia impedir a leitura dos não assinantes do portal.

Além do livre acesso a nosso conteúdo e de colaborar para o fortalecimento do portal, os assinantes receberão produtos especiais como envio de notícias por diferentes plataformas e aplicativos, boletins especiais sobre temas estratégicos da conjuntura e ingressos para participar dos Debates Sul21.

Porém, o mais importante é que a sua assinatura contribuirá para que o Sul21 qualifique e amplie sua capacidade de fazer um jornalismo independente comprometido com a justiça, a democracia e os direitos fundamentais.

A motivação para este texto é óbvia, mas pedimos mais uma colaboração a vocês: por favor, divulguem em suas certamente qualificadas redes pessoais de forma a que mais pessoas sejam informadas de nossa campanha.

Nesta página estão todos os detalhes de como funcionam as assinaturas.

Agradecemos sua participação e divulgação.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Registre-se!

Ah, me perdoem, é que fiquei muito feliz de ler isso.

Carlos Latuff Milton Ribeiro

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Férias

Fico fora até o dia 10 de março. Realmente ignoro se vou postar algo por aqui até o retorno. Um abraço carinhoso em cada um de meus sete leitores. E voltem no mês que vem!!!

P.S. — Os colunistas do Sul21 devem seguir mandando pra mim seus textos. Eu repasso pro Prestes, que ficou no meu lugar.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O Sul21 recebe o Prêmio Açorianos de Destaque Literário de 2012

Estou muito feliz por mim e por todos os colegas do Sul21. Ganhamos — todos nós, colegas, diretores e colaboradores — o Prêmio Açorianos de Destaque Literário 2012. Dividir o prêmio com o Fronteiras do Pensamento muito nos honrou. Como não voltei ao Sul21 para deixar lá o prêmio, exibo-o de forma bem exibida aqui em casa.

Os premiados:

DESTAQUES DO ANO: 

Jornal digital Sul21
Fronteiras do Pensamento

CAPA: 

– Juliana Dischke, por A Primeira Vez que Eu Vi Meu Pai (Editora Artes e Ofícios)

PROJETO GRÁFICO: 

João Carlos Camargo Guimarães, por A Primeira Vez que Eu Vi Meu Pai (Editora Artes e Ofícios)

INFANTIL: 

Maria Teresa e o Javali, de Luís Dill (Editora Scipione)

CRÔNICA: 

Borralheiro: Minha viagem pela Casa, de Fabricio Carpinejar (Editora Bertrand Brasil)

CONTO: 

Enquanto Água, de Altair Martins (Editora Record)

POESIA: 

A Chama Azul, de Maria Carpi (Editora Age)

NARRATIVA LONGA: 

Neptuno, de Leticia Wierzchowski (Editora Record)

ENSAIO DE LITERATURA E LIVRO DO ANO: 

Afrontar Fronteiras, de Donaldo Schüler (Editora Movimento)

ESPECIAL: 

O Tempo e o Rio Grande nas Imagens do Arquivo Histórico do RS, organização de Rejane Penna (Instituto Estadual do Livro)

AÇORIANOS DE CRIAÇÃO LITERÁRIA:

Entrechos ou Valas do Silêncio, de Guto Leite

Abaixo, mais fotos da premiação:

Foto: Ramiro Furquim / Sul21

Foto: Ramiro Furquim / Sul21

Foto: Ramiro Furquim / Sul21

Maria Carpi, Guto Leite, Donaldo Schüler, Rejane Penna (Arquivo Histórico do RS), Milton Ribeiro (Sul21), Juliana Dischke, Leticia Wierzchowski, representante de João Carlos Camargo Guimarães, Altair Martins, Luís Dill, João Ruy Freire (Fronteiras do Pensamento), Fabricio Carpinejar | Foto: Ricardo Giusti/PMPA (Clique para AMPLIAR)

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Um local de Porto Alegre: a Palavraria, local para livros e convivência

Uma livraria que não é apenas um local de compra e venda | Ramiro Furquim/Sul21

Publicado originalmente neste sábado (7) no Sul21

Os três sócios da Palavraria (Vasco da Gama, 165, Bonfim, Porto Alegre, (51) 3268 4260) têm algo em comum além dos nomes. Carla Osório, Carlos Luiz da Silva e Luiz Heron da Silva eram amigos que tinham diferentes profissões. Carla era advogada; Heron, professor de português, e Carlos, bibliotecário. Mas eles queriam ter uma livraria que não fosse apenas um local de compra e venda. “Há nove anos, criamos um projeto do qual não nos afastamos até hoje”, diz Carla. Eles procuravam e não conseguiam encontrar uma livraria que fosse um lugar onde quem vendesse os livros soubesse o que estava vendendo, que soubesse conversar sobre eles e sugerir alternativas se a obra procurada não estivesse disponível. Se agregasse um café, melhor. “Boas livrarias existiam e existem, a Bamboletras, o Gustavo da Ventura e outros estão aí, mas nós queríamos não apenas o acervo e a compra interessante, mas outras coisas que tornassem o ambiente mais agradável”.

Carla: “Há nove anos, criamos um projeto do qual não nos afastamos até hoje" | Ramiro Furquim/Sul21

A mistura de livraria com café foi desaconselhada em todas as consultas, mas o trio insistiu em colocar a livraria no mesmo ambiente do café. “Tínhamos razão nisso”. Nas livrarias convencionais só se pode levar os livros da livraria para a cafeteria se os mesmos já estiverem comprados. Na Palavraria não. Nela, o cliente pode namorar com calma os livros a fim de estabelecer uma relação antes do casamento. “O que nos interessa é deixar o cliente à vontade num ambiente agradável”, diz Heron. E se o cliente, durante a abordagem, sujar o livro de café? Bem, é o ônus. “Logo que inauguramos, um amigo nosso derrubou uma xícara cheia sobre livros de arte… Sobre vários livros… É um risco que a gente aceita correr porque as vantagens são imensas. Via de regra, nossos clientes cuidam muito bem dos livros”.

O primeiro café que Carla fez foi para Flávio Koutzii. “Eu recém estava aprendendo a fazer café expresso e me resolvi me arriscar com ele. Ele começou a bebê-lo e eu perguntei como estava. A resposta foi: ‘O café está bom, mas alguns diriam que está morno como o dia de hoje…’”.

Hoje, o café é servido quente... | Ramiro Furquim/Sul21

Heron diz que os sócios sempre quiseram estar num negócio do qual gostassem. “Há trabalhos em que tu fazes o que tens que fazer e outros em que tu consegues fazer o que gosta, sem muito ‘tarefismo’”. Atrair um público que gostasse de literatura, política e arte era algo motivador. Os clientes entenderam o espírito da coisa. “Muita gente vem aqui para conversar, para conviver num local agradável. Claro, as pessoas falam sobre qualquer assunto, mas a efervescência, a perspectiva cultural é mantida, o que torna tudo mais interessante, mesmo que se trate de assuntos comuns como o futebol ou uma nova cor de batom. Não raro se encontram escritores numa mesa, editores noutra, leitores noutra, além dos que vêm apenas tomar café e dar uma folheada nas novidades”.

Ou seja, a livraria é o suporte, o café é um local de encontro e isso faz sentido do ponto de vista antropológico, pois as pessoas se entendem melhor comendo e bebendo. Dentro deste clima, a Palavaria tornou-se um local de fomento cultural, de incentivo, de divulgação, um local onde os produtores culturais, artistas, cientistas, etc. apresentam trabalhos, expõem ideias e fazem interações com o público interessado. “Provemos a livraria de uma discussão, de uma conversa constante, programática ou não. Então, desde o projeto – procuramos uma casa de dois pisos para que pudéssemos viabilizar uma sala de aula – , previmos oficinas literárias, leituras, bate-papos e música. Mantemos um discurso cultural formal e informal”, explica Carla.

Heron: "Não raro se encontram escritores numa mesa, editores noutra, leitores noutra, além dos que vêm apenas tomar café e dar uma folhada nas novidades”. | Ramiro Furquim/Sul21

Atrás da mesa onde conversamos, há um microfone e um pequeno palco, mas a atmosfera de proximidade não é quebrada, “É uma ideia pretensiosa manter um espaço assim, ainda mais que não temos marketing profissional”.

No segundo andar da Palavraria, há uma sala que serve às duas oficinas mantidas atualmente: uma de Charles Kiefer, voltada ao romance e ao conto, e outra de Ronald Augusto, voltada à poesia. A sala também serve para seminários, cursos e está disponível para ser utilizada. Aliás, o Sul21 realizou suas primeiras reuniões e foi em parte concebido na sala da Palavraria. “Temos planos de ampliar a programação. Provocamos pessoas a ministrar cursos aqui. O público é muito variado. O perfil das turmas da manhã e da noite são diversos e a tentativa é fugir daquilo que se encontra na academia.”

“Um espaço como o nosso está na contramão da história. Não somos um oligopólio, uma megalivraria, não vamos vender eletrodomésticos… Somos uma pequena livraria de bairro, segmentada, de rua, não temos nem estacionamento. A gente privilegia as relações pessoais, o relacionamento direto, o conhecimento dos livros dos quais nossos clientes gostam. Também sugerimos presentes tendo por base o gosto do presenteado. Aqui ninguém vai levar um romance político para quem gosta de algo intimista. Pessoalmente, ter abrido a Palavraria foi muito enriquecedor do ponto de vista humano e intelectual. Aprendemos muito mais a lidar com a diversidade do que antes da livraria”, explica Carla.

Heron sublinha que há uma troca, que com o tempo os clientes também passam a indicar livros. Mas revela: “Temos a preocupação de respeitar o perfil do cliente, de não sermos invasivos. Mas valorizamos o vínculo”.

"A gente privilegia as relações pessoais, o relacionamento direto, o conhecimento dos livros dos quais nossos clientes gostam." | Ramiro Furquim/Sul21

A Palavraria também costuma apoiar os autores gaúchos e os que frequentam a livraria. Mas tampouco esta é atitude destituída de conceito. “Faz falta uma crítica confiável que possa auxiliar no julgamento de nossa contemporaneidade, que procure fazer uma síntese do que acontece em termos de ofertas culturais nesta cidade e no estado. Queremos contribuir com isso divulgando tais trabalhos. Acho que não nos cabe julgar, cabe é divulgar ao máximo os autores locais para que as coisas deixem de ser avaliadas pelas conhecidas perversões provincianas do tipo não-li-e-não-gostei. É difícil julgar o novo, mas para que a arte se desenvolva e possa ser avaliada no futuro, ela tem de ser apresentada e vendida”, afirma Heron.

E, se o visitante quiser arranjar uma discussão civilizada na Palavraria, basta rebaixar gratuitamente um autor novo. “Deixemos que a história julgue se é bom ou não. Temos que tornar os autores lidos a fim de possam construir uma história. Nós colocamos o escritor desconhecido ao lado de Tolstói. Não nos damos autoridade para retirar um autor novo da vitrine”.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

24 Letras por Segundo — Aguardo vocês amanhã (4), no GNC Moinhos

Tive o privilégio de ter sido convidado para integrar o time deste curioso livro. A ideia é simples. Cada um de nós deveria criar um conto dentro do estilo de um diretor de cinema que fosse de nossa preferência. De cara eu escolhi Bergman, mas me pediram para me limitar aos vivos. Optei primeiro por Kusturica, porém rapidamente enviei outro e-mail perguntando se alguém já havia reservado Polanski. Tinha certeza que não o “ganharia”, mas o polaquinho tarado caiu no meu colo.

A história nasceu de um comentário-conto do Marcos Nunes, feito aqui no blog. Usei duas ou três fases dele, as iniciais; depois a coisa torna-se incontrolavelmente outra. Tive preocupação em citar vários filmes de Roman Polanski e isso foi o que me deu mais trabalho, juntar tudo sem quebras, deixando algum estranhamento pelo caminho. O ambiente era para ser o de O Inquilino (1976), filme que vi nos anos 70 e nunca mais… É o meu preferido dentre a filmografia do diretor. Trouxe alguma coisa da notória vida pessoal do cineasta — como não? — mas lembro de ter citado de passagem O Inquilino, O Bebê de Rosemary, Lua de fel, Chinatown, Frantic e Repulsa ao Sexo, além de passar por Sharon Tate e Charles Manson. Relendo hoje o texto, acho que poderia ter enviado ao Rodrigo Rosp a versão ampliada, mas lembro que me deixei seduzir pela alta velocidade da versão mais curta. Enfim.


Abaixo copio o post e as imagens do Samir Machado de Machado (<— VALE MUITO UMA VISITA E ESTE BLOG GENIAL)  a respeito do livro, que ficou muito bonito. Clique nas imagens para ampliá-las.

24 Letras por Segundo
Autores
: vários
Design da capa
: Samir Machado de Machado
Projeto gráfico interno
: Guilherme Smee
Editora
: Não Editora

O novo livro da Não Editora, a ser lançado na primeira semana de agosto, é uma coletânea de dezessete autores (este que aqui escreve incluso) em que cada conto é escrito ao estilo de um cineasta da preferência do autor.

A maior dificuldade encontrada na elaboração do projeto foi encontrar um ponto do qual se pudesse criar algo original a partir de um tema não só batido, como cheio de referências óbvias – pipoca, poltronas de cinema, rolos de filme, claquetes, todos os objetos pertencentes ao imaginário do cinema já foram suficientemente explorados em inúmeras propostas.

A solução encontrada veio quase por acaso: ocorre que, para toda uma geração, a experiência cinéfila se deu menos pela sala de cinema e mais pelo videocassete, para o qual há uma gama de referências pouco exploradas, do universo de uma locadora de VHS – as etiquetas de categoria, os rasgos na capa, os logos de som MONO e advertências de direito autoral, que nos levaram no sentido de fazer uma capa como se fosse uma caixa de VHS.

A idéia acabou explorada também no projeto gráfico do miolo, criado pelo Guilherme Smee: chuviscos, quadros de ajuste de imagem, pedidos para rebobinar a fita, páginas de abertura para cada conto simulando a tela de abertura de um filme ao estilo do diretor trabalho em questão, além de “fichas” reunindo informações do autor e do diretor homenageado que remetem às antigas fichas de video que algumas locadoras colavam no verso das caixinhas.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Recesso

O blog entra em recesso por alguns dias. O blogueiro, não. Acho que retornaremos em uma semana, talvez antes.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Protestos na França

Obs.: acho que amanhã não vai dar para publicar o PHES, OK? Muita gente de aniversário. Houve festa ontem, tem hoje e amanhã tem um almoço. Muito álcool, sabe?

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Uma cueca para elevar a autoestima masculina

A rede varejista britânica Marks & Spencer está vendendo uma cueca tranquilizadora para os homens que têm problemas de autoestima. Pelo equivalente a 15 dólares, você pode ver surgir a aquela genitália avantajada com a qual não nasceu. De frente e perfil.

Segundo a empresa, agora os homens podem desfrutar as mesmas tecnologias que têm há muito tempo servem às mulheres: roupas que melhoram as formas, como o Wonderbra. Dizem que ao menos a confiança vai às alturas.

Confortável para andar e sentar. Adaptável. Escamoteável. Apalpável. A publicidade diz que as cuecas deixam sua genitália abaulada em mais de 40%. Porém…, a empresa produz também outro estilo de roupa íntima; afinal, você pode também querer aumentar sua bunda.

As cuecas vêm em preto e branco e  podem ser compradas através da Internet. Ah, a Marks & Spencer também fabrica camisas que escondem a barriga e mostram músculos inexistentes.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Amanhã, um Porque Hoje é Sábado Especial

Sim, amanhã, à 0h01, terceirizaremos. E com uma mulher de excelente texto e crítica contumaz de nossos PHES… Porém, falando sinceramente, acredito que os homens mais inteligentes são aqueles que tentam entender o que pensam as mulheres e as obedecem, ao menos pro forma. Aprendamos, pois.

Rachel Weisz

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

E começa o Sul 21

Desde a semana passada, várias pessoas me perguntam sobre o Sul 21, então vamos lá.

Não sei exatamente bem onde nasceu, sei que fui convidado para uma reunião na Palavraria da qual participaria um grupo de blogueiros mais Alberto Kopittke, que logo depois fundou o Leitura Global. Pensando naquele dia, acho que a ideia inicial não mudou muito. Queríamos um portal com um assunto diário principal e vários blogs agregados. A inspiração óbvia era o Huffington Post e nosso principal problema era o de sempre: dinheiro. Afinal, a gente sempre pensa que não custa nada, mas vá somar tudo — provedor, espaço físico, jornalistas, fotógrafos, equipamentos, segurança contra hackers, etc. Dá bem mais que uma Kombi.

Ontem, durante a festa de lançamento, talvez influenciado pelo toró que caia lá fora e que não atrapalhou, tinha a ribeiriana sensação que costuma nublar meus momentos de alegria. Até quando, até onde vamos? O cenário indica que temos tudo para sobreviver: queda na venda e influência dos jornais, imprensa de qualidade rasante e claramente desonesta e crescimento dos meios alternativos de comunicação. O processo histórico indica que a internet  poderá provocar alterações de hábitos muito maiores do que provocaram o rádio em relação aos jornais (anos 30) e a TV em relação a ambos (segunda metade do século XX). Pergunto a quem pensa que os jornais e a TV estão na mesma posição de antes: o que explica que a Folha vendesse um milhão de exemplares e hoje apenas 300 mil? E cadê a penetração que o Jornal Nacional tinha nos anos 90?

Bem, mas tergiverso citando fatos conhecidos. Um veículo como o Sul 21 precisa de acessos, muitos, que justifiquem a venda de espaços. Não sou um dos financiadores do projeto, o dinheiro não é meu, mas estou preocupado. Minha posição pessoal — a qual, como indica a palavra, vale apenas para mim — é simples: qualquer coisa que não influencie a arejada linha editorial é válida.

E longa vida ao Sul 21!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Lançamento hoje, às 21h

Às 21h, o Sul21 estará no ar. Às 19h, será a festa de lançamento no clube Veleiros do Sul (Av. Guaíba, 2941). Este que vos escreve faz parte do projeto desde os primórdios, o que não garante absolutamente nada. Mas se vocês soubessem a turma que me acompanha, concluiriam que sou muito bem relacionado.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

No próximo domingo: Sarau e lançamento da Sociedade Bach Porto Alegre (SBPoA)

Em homenagem ao 325º aniversário de J.S. Bach (1685-1750), o StudioClio realizará o sarau musical de fundação da Sociedade Bach Porto Alegre, cujos objetivos são:

1) gravar com musicologia porto-alegrense toda a obra de J. S. Bach;
2) estimular a realização de concertos, seminários, estudos, encontros, ciclos de cinema, excursões e intercâmbios;
3) valorizar o estudo e difusão da música antiga e de seu impacto sobre a tradição.

Neste sarau, artistas convidados apresentarão peças prediletas. Estão confirmados (em 16/03/2010):

Angelin Loro
Artur Elias Carneiro
Ayres Potthoff
Cosmas Grieneisen
Fernando Turconi Cordella
Josias Matschulat
Olinda Allessandrini
Paulo Inda

Quando: Dia 21 de março, domingo, às 18h
Local: Rua José do Patrocínio, 698 – Cidade Baixa – Porto Alegre – RS
Vagas: 100
Valor: R$ 20,00 (renda líquida revertida para a SBPoA)

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

E não é que o Rio ganhou?

Eu queria.

Comentário do crasso e civilizadíssimo carioca Marcos Nunes:

Queres morrer de rir? leia os comentários furibundos dos leitores da Folha SP. Putz, os cara e as mina moram em São Paulo e falam do Rio com uma propriedade que tô até com medo de ir à rua no final do expediente… Assaltos, balas perdidas, políticos a roda, favelas desabando sobre as avenidas… Vou ignorar que, à minha frente, tenho a plácida (e, ainda bem, distante – pelo mau cheiro) Baía de Guanabara, cercada pelo Aterro do Flamengo, verdejante, e, numa pequena enseada, os barquinhos circulando em torno da Marina da Glória. Atrás de mim, Santa Teresa, seu burburinho riponguístico, artistas cercados de favelas por todos os lados, cujos habitantes são ainda mais artistas, apesar de nada riponguísticos… Ah, quanta depressão forçada, dor-de-cotovelo porque teremos Copa, Olimpíadas, temos “o cara”, crise virou marola e o mercado interno cresce, cresce… Ah, tem uns probleminhas de distribuição de renda, corrupção, depredação ambiental, privilégios concedidos a latifundiários, e… e… e… e… e…, por aí vai, mas sempre lembro às pessoas, ô, cambada, lembram de fato os anos Efeagagá? Mas lembram mesmo? Pô, tá ruim, mas, putz, olha lá dez anos atrás, o que a gente tinha pela frente? Nada, cara, nada. Hoje a gente pode ter só ilusão, mas nem isso dava pra ter naquela época. Então deix’eu rumar pr’as ruas e pr’o meu bar beber meu vinho e, sim, comemorar mais essa, que será bom, será caótico, será o que será caralhos!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Quinteto Villa-Lobos de graça em Porto Alegre

O Quinteto Villa-Lobos traz de volta seu amor, desata macumbaria, doenças mandadas e da carne. Traz seu emprego de volta — assim como o desejo –, cura doenças e faz com que ela chame seu nome mesmo que esteja junto de outro homem. Faz tudo ao contrário e vice-versa se você for mulher.

Não perca, imbecil!

Anúncio copiado de PQP Bach.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Fazendo uma manutenção no blog…

… a fim de verificar se resolvo o problema da lentidão. Vejamos.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O blog viaja durante o feriadão …

… mas deixei pronto um Porque hoje é sábado. Pela primeira vez, vou ligar a moderação de comentários. Afinal, o último post foi feito sobre assuntos cabeludos e com textos alheios. Cumpre cuidá-los.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

A "ditabranda" da Folha de São Paulo

Talvez por falta de assunto ou precisando de uma polêmica, o jornal Folha de São Paulo resolveu qualificar, em editorial, a ditadura brasileira de uma “ditabranda”, neologismo que seria de uso comum para qualificá-la. Eu vivo no Rio Grande do Sul, ouço notícias, converso com pessoas informadas e via de regra mais qualificadas do que eu, leio também alguns poucos jornais (são tão ruins), leio livros, blogs e confesso que o termo — além de mentiroso — me era desconhecido. Mas a Folha resolveu ampliar o erro ao colocar uma cereja consideravelmente podre sobre seu editorial. Ao ser veemente e educadamente questionada pelos professores Fabio Konder Comparato e Maria Victoria Benevides sobre a utilização do termo “ditabranda”, de uso tão corriqueiro entre nós, o jornal saiu distribuindo saraivadas a esmo, atribuindo simpatias aqui e ali e chamando os professores de cínicos e mentirosos. Um ataque e uma injustiça intoleráveis vindas de um jornal com milhares de assinantes e que, diga-se de passagem, de um jornal que saiu-se muito bem durante a “ditadura militar”, termo mais conhecido por mim.

Acho que a ditadura brasileira nunca antes havia sido qualificada como ditabranda, mas eu já vira a sigla da Folha, FSP, ser citada como Façamos Serra Presidente. Acho que nem o candidato concordaria com os ataques realizados por seu Comitê Eleitoral.

Por tudo isso, foi marcado para o dia 07/03, às 10h, um ato público bem na frente do Comitê Eleitoral de José Serra, na Alameda Barão de Limeira, 425, em São Paulo. É necessário? Sim, é; pois não podemos reduzir o incidente a um ataque à honra e à titulação de dois importantes professores, verdadeiros falos acadêmicos extra large. O que a Folha fez foi um ataque à memória do país e daqueles que sofreram nas mãos e sob a tortura e chumbo militares. Isso sem falar na censura, que parece não ter incomodado a indomável Folha de São Paulo. Então, quem estiver em São Paulo, procure agendar-se para o dia 7. O que a Folha fez foi transformar isto aqui…

… nisto aqui:

Obs.: Agradecimentos ao Latuff, ao Idelber Avelar que escreveu dois posts sobre o assunto (1 e 2) e aos numerosos blogs e fontes citadas por ele.

Atualização das 17h05: De forma mais ampla, Rachel Nunes também escreve hoje sobre o mesmo assunto. Neste post.

Atualização dos 15 minutos do dia 05/03: O Hipopótamo Zeno, o homem que jamais estará em posição digna de suborno…, fala com proximidade, inteligência, carinho e ironia a um importante jornalista que escreve para a Folha de São Paulo e que produziu uma monumental série de livros chamados A Ditadura Envergonhada, A Ditadura Escancarada, A Ditadura Derrotada e A Ditadura Encurralada. Nada de Ditabranda, ao menos nos títulos. Ler aqui.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Tirei uns dias e voltei chique

Clique aqui. Tão chato ser gostoso.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

As férias possíveis / Ensinando criacionismo na escola

Volto ao blog terça-feira, tá?

Não, não adianta ligar para o celular, estarei num hotel fazenda sem cidades num raio de 40 Km.

Por necessidades profissionais, devo estar em Porto Alegre entre segunda e quarta (ou terça ou quinta). Depois reencontro a família no hotel.

-=-=-=-=-=-=-=-

Gostaria de ter escrito o texto abaixo. Mas o Prof. Darwin poupou-me o esforço, escrevendo um claríssimo texto sobre a questão que gostaria de abordar na semana em que um dos maiores gênios da humanidade, Charles Darwin, completa 200 anos de nascimento e no ano em que seu livro “A Origem das Espécies” (do original inglês On the Origin of Species by Means of Natural Selection, or The Preservation of Favoured Races in the Struggle for Life) completará 150 anos.

Ensinando criacionismo na escola, por Prof. Darwin (um pseudônimo, por supuesto)

É assustador que, às vésperas do bicentenário do nascimento de Charles Darwin, pai da teoria da evolução, escolas brasileiras estejam ensinando criacionismo nas aulas de ciências. Já se sabia que as escolas adventistas fazem isso. A novidade é que o negócio está se propagando. Em instituições tradicionais de São Paulo, como o Mackenzie, inventou-se até um método próprio para o ensino. “Antes, usávamos o material que havia disponível no mercado”, explica um dos diretores da escola, Francisco Solano Portela Neto.

O criacionismo é ensinado como ciência da pré-escola à 4ª série.

Não há problema em que o criacionismo seja dado nas aulas de religião, mas ensiná-lo em aulas de ciências é deseducador. Criacionismo é a explicação bíblica para a origem da vida. Diz que Deus criou tudo: o homem, a mulher, os animais, as plantas, há 6 000 anos. Quem estuda religião precisa saber disso. É uma fábula encantadora, mas não é ciência. É inaceitável que o criacionismo seja ensinado em biologia para explicar a origem das espécies. Em biologia, vale o evolucionismo de Darwin, segundo o qual todos viemos de um ancestral comum, há bilhões de anos, e chegamos até aqui porque passamos no teste da seleção natural. É a melhor (e por acaso a mais bela) explicação que a ciência encontrou sobre a aventura humana na Terra.

Quem contrabandeia o criacionismo para as aulas de biologia diz que, em respeito à “liberdade de pensamento”, está “mostrando os dois lados” aos alunos. Afinal, são escolas religiosas, confessionais, e os pais podem ter escolhido matricular seus filhos ali exatamente porque o criacionismo é visto como ciência. Pode ser, errar é livre, mas que embrutece não há dúvida. Embrutece porque ensina o aluno, desde cedo, a confundir crença e superstição com razão e ciência. É desnecessário. Que cientistas saem de escolas que embrulham o racional com o místico? Também é cascata, porque, fosse verdade, a turma estaria ensinando numerologia em matemática. Ensinaria alquimia em química, dizendo, em nome da “liberdade de pensamento”, que é possível transformar zinco em ouro e encontrar o elixir da longa vida…

Há pouco, na Inglaterra, um reverendo anglicano defendeu o estudo do criacionismo na educação básica. Era diretor de educação da Royal Society. Queria colocar Deus no laboratório da escola. Cortaram-lhe o pescoço. A Suprema Corte americana já examinou o assunto. Mandou o criacionismo de volta às aulas de religião. No Brasil, terra do paradoxo, o atraso avança.

Darwin foi um gênio. Em seu tempo, não se sabia como as características hereditárias eram transmitidas de pai para filho. Nem que a Terra tem 4,5 bilhões de anos e que os continentes flutuam sobre o magma. No entanto, a teoria da evolução se encaixa à perfeição nas descobertas da genética, da datação radioativa, da geologia moderna. Só um cérebro poderosamente equipado, conjugado com muito estudo, pode ir tão longe. Confundido com criacionismo, Darwin parece um macaco tolo. É assustador.

MAIS, E AINDA MELHOR, AQUI NO GRANDE GRIJÓ.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!