Visitando a zona evacuada de Tchernóbil

Eu sempre incomodei a Elena para saber. Ela mudava de assunto, dizendo que doía falar naquilo. É que gosto de saber tudo sobre a pessoa que amo. Desde o nascimento, todo esse passado me parece puro encantamento, ainda mais se pensar que qualquer alteração — ou decisão tomada — poderia ter desviado Elena de mim. Afinal, ela veio de muito longe. Porém, a história de Tchernóbil não tem nenhum encantamento e devo ser apenas um cara chato.

Não há magia no acidente de Tchernóbil e sua relação com a cidade bielorrussa de Moguilióv, onde Elena nasceu e viveu até o final da adolescência. A cidade fica próxima do acidente e os ventos costumam ir para aquele lado. Quando li o livro de Svetlana Aleksiévitch, Vozes de Tchernóbil, soube que tinha razão — a cidade fora atingida fortemente. Mas ela me contava poucas coisas, na verdade uma coisa só, um fato que ocorrera no dia 1º de maio de 1986. Ignorantes do que estava ocorrendo, a população participou do desfile tradicional da data. Todos foram convocados para o mesmo e ninguém fora avisado de qualquer perigo. O acidente nuclear acontecera cinco dias antes, em 26 de abril. Um casal de professores que costumava ouvir a Voz da América foi para o evento munido de guarda-chuvas. Não chovia e todos riram deles. Depois de alguns dias, apareceu uma nuvem escura que passou lentamente sobre a cidade e a grande chaminé de uma famosa fábrica de tecidos sintéticos pegou fogo sem faísca nenhuma… Depois ela viu a carcaça resultante. Todos estavam assustados com a reação química entre a chaminé e a nuvem.

Quando eu estava lendo Vozes de Tchernóbil, a igualmente bielorrussa Aleksiévitch falou numa professora de arte, alguém muito inteligente e capacitada, e logo tive a certeza de que Elena a conhecia. Perguntei e ela me trouxe fotos onde estavam a tal professora, sua mãe e a própria Elena. Em pleno início dos anos 80, eles pareciam formar uma comunidade de hippies tardios. As fotos eram sempre de grupo, improvisadíssimas, e Elena aparecia como uma pré-adolescente rindo no meio de uns caras barbudos e de umas mulheres 100% ripongas.

Só ontem, inesperadamente, apareceram outras fotos. A excelente pianista e professora responsável pela turma da Elena, formada exclusivamente por futuras musicistas, era casada com um policial de alto cargo em Moguilióv. Por solidariedade e para demonstrar mobilização, ele e sua esposa organizaram uma excursão à área evacuada. Fariam uma apresentação de canto para os policiais que vigiavam o local, impedindo o acesso e os roubos de casas e maquinário. Ignorando o perigo e pensando em fazer uma coisa boa, as meninas aceitaram o convite. Era perigoso, mas elas queriam dar alento àquelas pessoas que se sacrificavam. E foram cantar na zona evacuada em Bráguin. Na volta, o marido da professora e os policiais que acompanharam o grupo receberam uma significativa promoção e privilégios apenas concedidos aos liquidadores de Tchernóbil. As estudantes não ganharam nada.

Ficaram lá três dias. Ela disse que cantaram, caminharam, se emocionaram, riram e dançaram com os milicianos. Um deles se apaixonou por ela e pediu-lhe o endereço. Trocaram cartas, mas nunca mais se viram.

Um dia, falei que queria registrar a história de sua relação com o acidente. Faria algo ao estilo de Aleksiévitch, mais uma voz de Tchernóbil. A coisa não andou. Não insisti.

Hoje a Elena está muito bem, basta olhar a linda mulher que é. Mas tem saúde frágil e teme que a radiação abundante venha a se manifestar um dia, se já não aconteceu. Ela fala em esquecer o passado, mas, repito, sou muito chato. Ela concordou que eu mostrasse as fotos de ontem.

Na zona evacuada. Elena é a menina que está no centro, com aquele blusão supostamente muito colorido, obra de D. Klara, sua mãe.

Na zona evacuada. Elena é a menina que está no centro, com aquele blusão presumidamente muito colorido, obra de D. Klara, sua mãe.

Elena bem no meio, cantando com um olhar meio estranho.

Elena bem no meio, cantando com um olhar meio estranho.

As meninas cantando. Elena é a segunda à direita.

As meninas cantando. Elena é a segunda à direita.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Tchernóbil, 30 anos: ainda uma gota num longo rio de tempo

O desastre de Tchernóbil ou Chernobyl, como se escreveu por anos em nosso país, está completando 30 anos hoje. Jamais pensei que teria alguma ligação com este acidente nuclear, mas hoje felizmente convivo com Elena, nascida na Bielorrússia e que lá estava durante o caso. Seu país, a Bielorrússia ou Belarus, faz fronteira com a Ucrânia, e foi quem mais sofreu com o desastre em função dos ventos e dos rios que levavam para lá a maior parte da radiação emitida pela usina, como se vê nos dois próximos mapas. Foi uma época muito perigosa, até porque as autoridades soviéticas não informaram a população sobre o fato e, num primeiro momento, todos permaneciam vivendo normalmente suas vidas, até visitando o local, dando apoio aos soldados e operários que lá estavam, etc. As pessoas que foram retiradas de Pripiat e arredores não sabiam o motivo pelo qual estavam sendo desalojadas e foram aconselhadas a levarem apenas uma bagagem de mão. Nunca mais puderam ver seus pertences, claro. Nesta reportagem no jornal português Público, há um bom retrato da situação atual e de como a natureza voltou a tomar conta da região. Curiosamente o homem faz mais mal à natureza do que a radiação, mas há o perigo de animais com radioatividade.

map-of-ukraine

.oOo.

Do Publico.pt

Três décadas após o pior desastre nuclear da História, a Ucrânia começa a pensar no que fazer com a antiga central, onde ainda estão 200 toneladas de combustível atômico. As interrogações multiplicam-se.

Um homem participa na vigília pelas vítimas do acidente nuclear de Tchernobil, na localidade de Slavutich onde morava a maior parte dos trabalhadores da central AFP/GENYA SAVILOV

Um homem participa na vigília pelas vítimas do acidente nuclear de Tchernobil, na localidade de Slavutich onde morava a maior parte dos trabalhadores da central AFP/GENYA SAVILOV

O que fazer com Tchernóbil, 30 anos depois do pior acidente nuclear da História? Animais e plantas reconquistaram os mais de quatro mil quilômetros quadrados da zona de exclusão na Ucrânia e na Bielorrússia, onde se concentraram as cinzas radioativas da explosão de um dos reatores da central, por isso fala-se na criação de uma reserva natural. Mas também há planos para criar uma lixeira nuclear ao lado deste paraíso de vida selvagem que durante muitos e muitos séculos continuará contaminado pela radioatividade. O difícil é fazer uma escolha que se possa pagar e de que possa garantir o futuro.

Marina Shkviria descobriu uma alcateia de lobos perto de uma das centenas de povoações abandonadas após a explosão do reator 4 da central de Tchernóbil, no Norte da Ucrânia, a 26 de Abril de 1986, na então União Soviética. Só na Bielorrússia, 70 povoações foram permanentemente enterradas, por terem ficado tão radioativas. “Viemos aqui na Primavera passada e uivamos. As crias responderam do cimo daquele monte”, contou a especialista em lobos da Academia Nacional de Ciências da Ucrânia à National Geographic.

Estes grandes mamíferos tornaram-se ainda mais comuns na região do que nas décadas de 1950 e 1960. “É simplesmente incrível. Não se consegue ir a lado nenhum sem ver lobos”, explicou também à National Geographic o cientista norte-americano Jim Beasley, da Universidade da Georgia (EUA). Beasley é o coordenador de um estudo publicado este mês na revista científica Frontiers in Ecology and the Environment, em que foram montadas 30 câmaras em 94 locais diferentes na zona de exclusão de Tchernóbil para documentar quais as espécies animais ali presentes.

Hoje, no raio de 30 km em torno da acidentada central nuclear que forma a zona de exclusão, há alces, bisontes, ratos-do-campo, águias-de-cauda-branca, andorinhas e outras aves, lebres, imensos castores, linces, ursos castanhos e até uma manada de cavalos de Przewalski, uma subespécie de cavalos selvagens, que foi reintroduzida pela Bielorrússia, quando criou um parque natural — a Reserva Radioecológica Estatal de Polésia. Em biodiversidade, houve uma recuperação espantosa, considerando que a região continua radioativa — e continuará durante muitos séculos, pois foi aqui que se concentrou a maior quantidade da cinza radioativa lançada para a atmosfera pela explosão do reator 4 de Tchernóbil.

tchernóbil

Seria aceitável criar uma lixeira nuclear aqui, no raio dos 10 km mais próximos da central, para depositar os subprodutos do combustível usado nos 15 reatores que a Ucrânia tem ainda em funcionamento?

A Ucrânia é o país que mais depende da energia nuclear — cerca de 60% da eletricidade que consome provém das suas envelhecidas centrais, e não tem intenções de desistir desta forma de energia, apesar de Tchernóbil. Só que, com o conflito com o vizinho russo, deixou de poder transportar os seus lixos nucleares para a Rússia para serem reprocessados, porque Moscou quis aumentar muito os preços que cobrava e Kiev não aceitou. Agora, as varas de combustível usado estão a acumular-se nas centrais, precisando de uma solução, e a hipótese de usar Tchernóbil para isso começou a ser explorada.

Coexistência pacífica

O PÚBLICO quis saber o que pensam os cientistas de aumentar a carga nuclear em Tchernóbil, quando ali, no reator acidentado, ainda estão 200 toneladas de combustível que derreteu no incêndio de 1986 e hoje em dia é ainda tecnologicamente impossível retirar. Fez-se a pergunta a Jim Smith, investigador da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido, que há 30 anos tem feito estudos de radioecologia em Tchernóbil e a resposta é surpreendente.

“Se for gerido de forma adequada, uma lixeira nuclear e uma reserva de vida selvagem podem coexistir ali, porque é uma zona grande. Isto provavelmente é um conceito estranho, mas acho que é possível”, afirmou o cientista. “Seria muito triste”, sublinha, “que ao criar uma lixeira nuclear se afetasse a sua atual situação como uma espécie de reserva natural”.

“Como não há propriamente pessoas a viver ali, evitar-se-ia muitos problemas e o custo elevado de comprar terrenos privados e obrigar pessoas a mudarem-se. É compreensível que ninguém goste de ter lixeiras nucleares ao pé do local onde vive, ainda que nós, os cientistas, achemos que os riscos são muito reduzidos”, diz Jim Smith. “Uma vez que a zona já foi evacuada, os riscos de uma fuga (que eu julgo que são muito pequenos) são muito reduzidos”.

O ministro do Ambiente do novo Governo ucraniano, no entanto, disse que pretendia transformar a zona de exclusão de Tchernóbil “numa plataforma única para fazer investigação científica”. Sem especificar como ou o que seria investigado.

A vida selvagem tomou conta da zona de exclusão de Tchernobil na Ucrânia e Bielorrússia REUTERS / VASILY FEDOSENKO

A vida selvagem tomou conta da zona de exclusão de Tchernobil na Ucrânia e Bielorrússia REUTERS / VASILY FEDOSENKO

Meia-vida

Os elementos químicos radioativos mais perigosos produzidos pela fissão nuclear que permanecem no ambiente são o césio 137 e o estrôncio 90. No entanto, em 2016 atinge-se a vida-média destes dois radioisótopos — o que quer dizer que só metade da quantidade libertada permanece no ambiente. O resto desintegrou-se — mas, enquanto isso aconteceu, emitiu radiação beta e gama, que penetra nos tecidos dos seres humanos e animais.

Na maior parte da zona de exclusão, no exterior dos primeiros dez quilômetros e fora algumas áreas de maior concentração de césio 137, a radioatividade ronda os 500 quilobequeréis por metro quadrado — um nível seguro para os seres humanos, desde que não comam produtos naturais que se tornam muito radioativos, como os cogumelos, tinha dito à New Scientist Jim Smith.

Mas os animais que lá têm vivido são também radioativos e têm sofrido os efeitos da radioatividade nos seus genes, na capacidade de deixarem descendência. Ainda não são conclusões definitivas, mas há vários estudos que mostram os efeitos negativos sobre várias espécies. A forte incidência de cataratas em ratos-do-campo e em algumas aves, por exemplo, ou o parcial albinismo de uma espécie de andorinhas, numa geração, que deixou de acontecer na geração seguinte — talvez porque tiveram menos sucesso reprodutivo e não voltaram à zona de exclusão, depois de terem migrado para terras mais quentes, no Inverno.

Os lobos tornaram-se abundantes e, como espécie, beneficiaram da ausência do homem — os efeitos da presença humana são mais negativos para os animais de Tchernóbil do que a radioatividade, isso é já algo que os cientistas podem afirmar. Mas se se tentar analisar os efeitos da radioatividade indivíduo a indivíduo, percebe-se que não há como escapar. “Os cogumelos concentram radiação. Os ratos-do-campo adoram cogumelos. Quando comem cogumelos contaminados, concentram radiação nos seus corpos. Quando os lobos comem ratos-do-campo, estão também a concentrar radiação no seu corpo”, explicou à National Geographic a especialista em lobos Marina Shkviria. Tornam-se lobos radioativos, como lhes chamou um documentário da PBS americana em 2011.

Turismo atómico

Pensar num regresso de populações a Tchernóbil e à zona de exclusão não é, por isso, um cenário viável — ainda que se tenha desenvolvido, nos últimos anos, um turismo em torno de curtas excursões às povoações abandonadas depois do acidente nuclear. Por exemplo, a áreas da cidade de Pripiat, de onde foram retiradas quase 50 mil pessoas 36 horas após o acidente na central, ainda sem serem informadas da gravidade do que se tinha passado, embora tenham visto a fumaça do fogo no reator das suas varandas.

Pripiat continua a ser um local proibido, mas pode ser visitado, com um guia local, durante algumas horas, estando o guia equipado com um dosímetro, para verificar a quantidade de radiação que se recebeu, e estando todos bem protegidos. Por cerca de 200 euros, é possível fazer uma vista com mais 40 turistas, vindos na maior parte da capital ucraniana, Kiev, que fica a uma hora de carro. Também é possível fazer um passeio com menos gente, com objetivos específicos — mas ficará mais caro.

Os guias são alguns dos pouco mais de uma centena de samoseli, antigos habitantes que regressaram às casas e aldeia que foram obrigados a deixar. Cerca de 116 mil pessoas foram retiradas por causa da radiação, e nos anos seguintes mais 230 mil foram desalojados de suas casas, quando os cientistas descobriram que o cenário era muito pior do se pensava.

Pripriat, construída em 1970, tinha mais de 13 mil apartamentos, um cinema, um hospital, um centro cultural, várias fábricas, lojas e cafés, uma estátua de Lenine. Dias antes do desastre nuclear, tinha sido montada uma roda gigante, para as comemorações do Dia do Trabalhador, a 1 de Maio, e do Dia da Vitória na II Guerra Mundial, 9 de Maio. A delapidada animação de feira tornou-se um dos símbolos da cidade abandonada e da catástrofe nuclear. Os muitos objetos deixados para trás — disseram aos habitantes para levar só uma mala leve, estariam afastados por pouco tempo — foram sendo destruídos ou pilhados, apesar do risco da radiação.

Mas estão lá coisas que não podem ser facilmente levadas, como as escavadoras usadas para fazer um túnel, através do qual foi canalizado azoto líquido para congelar o reator em chamas, depois de terem sido lançados sacos de areia, a partir de helicópteros, para estancar as chamas. As máquinas ficaram tão radioativas que não puderam sair dali.

Queixas das vítimas

Na luta contra a catástrofe nuclear de Tchernóbil participaram cerca de 600 mil pessoas — os “liquidadores”, como ficaram conhecidos. Mas 30 anos depois, estão a ser cortados os benefícios de que gozavam as vítimas de Tchernóbil, na Ucrânia como na Rússia, por serem demasiado caros. Compensações monetárias, reformas, ajuda nos cuidados de saúde e medicamentos — tudo isso está a sofrer cortes, com o argumento de que é muito caro, ou então de que os níveis de radioatividade estão a reduzir-se.

Das 4413 localidades russas atingidas pelos efeitos de Tchernóbil, 383 verão, a partir de Julho, os apoios estatais baixarem e 558 serão erradicadas da lista, quando entrar em vigor o decreto presidencial que considera que, como a radioatividade baixou, já não necessitam de ajuda especial. “Com este decreto, o Estado recusa-se a reconhecer que serão precisos 2000 anos e não 30 para descontaminar uma zona”, denuncia o biólogo Anton Korsakov, citado pela AFP. Cerca de cinco milhões de pessoas vivem atualmente em zonas contaminadas, diz a organização ambientalista Greenpeace.

Uma lontra nada na zona de exclusão de Tchernobil REUTERS / VASILY FEDOSENKO

Uma lontra nada na zona de exclusão de Tchernobil REUTERS / VASILY FEDOSENKO

“Ainda que consigamos descontaminar o ambiente, terão de passar muitas gerações antes que nasçam crianças saudáveis”, sublinhou Korsakov. Porque a herança atômica nos genes, nos animais, nas plantas, nos homens, não se resume à primeira geração, às primeiras vítimas do desastre. Os sobreviventes de Tchernóbil têm um quadro múltiplo de problemas de saúde, e as crianças continuam a ter muitos problemas de saúde: 80% dos que nascem sofrem de várias doenças crônicas, diz a AFP, citando estatísticas oficiais.

Em 2011, foram suprimidos os controles de radioatividade sobre grande parte dos alimentos russos e muitos produtos da zona proibida chegam aos mercados, afirma a Greenpeace. “As pessoas colhem bagas e cogumelos na floresta contaminada”, disse à AFP Ludmila Komorgotseva, da organização não-governamental União para uma Segurança Radioativa.

Até madeira radioativa é usada para fazer móveis, denuncia o advogado Alexandre Govorovski, que fez queixa contra o Departamento das Florestas, que acusa de fomentar esta prática ilícita. “As pessoas comem e bebem produtos irradiados. E por causa da negligência das autoridades, até vivem com a radiação em sua casa”, denuncia, citado pela agência francesa.

A passagem de três décadas sobre a tragédia de Tchernóbil é ainda uma gota num longo rio de tempo que terá de passar até se poderem apagar os seus efeitos. Veja-se os esforços para construir uma nova proteção para o reator acidentado – o sarcófago construído à pressa na altura do acidente tem-se vindo a rachar, vai entrando água, e ninguém sabe que reações podem ocorrer no seu interior. De qualquer maneira, não foi concebido para durar mais do que três décadas.

Mas o novo abrigo, ou Novo Confinamento Seguro, a estrutura em cúpula pensada para conter o reator 4 de Tchernóbil que está em construção, foi planeada para durar 100 anos – ou, se necessário, “300 anos ou mais”, disse ao New York Times Vince Novak, diretor de salvaguardas nucleares do Banco Europeu de Reconstrução e Desenvolvimento, um dos financiadores do projeto avaliado em 2150 milhões de dólares e que está previsto terminar no fim de 2017.

Os números que o descrevem são fantásticos, fazem lembrar a construção de uma ópera na selva: é uma estrutura em arco de metal com 25 mil toneladas (36 mil quando estiver toda equipada), de 108 metros de altura, 162 de comprimento. Lá dentro caberiam a base da Torre Eiffel, ou a Estátua da Liberdade de Nova Iorque. Para durar 100 anos, o metal não pode enferrujar, e por isso a pintura é importante; mas ninguém espera que se possa pintar regularmente as vigas que ficam sobre o reator onde estão 200 toneladas de combustível nuclear. Por isso, vão ser instalados desumidificadores para tentar evitar que se forme ferrugem.

A obra está pensada para cem anos porque ninguém sabe como retirar o combustível nuclear que está dentro do reator, um passo essencial para o poder desmantelar. Por isso, a ideia é ganhar tempo, esperar que se desenvolva tecnologia para isso. Só que faltam ainda 200 milhões de euros para completar o projeto — e não é claro como vai a Ucrânia pagar as despesas de manter em operação a cúpula protetora de Tchernóbil, quando estiver finalmente pronta, diz a AFP.

De uma maneira ou de outra, Tchernóbil é um desastre que demorará a deixar de se fazer ouvir, ao longo de várias gerações.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!