Bom dia, Odair, mantenedor de Patrick (com os principais lances da covardia de ontem)

Bom dia, Odair, mantenedor de Patrick (com os principais lances da covardia de ontem)

A filha de Odair chama-se Vitória. Deve ter nascido em casa, pois, se tivesse sido em hospital, se chamaria Tentando Segurar um Empatezinho Hellmann.
(de um amigo)

Ainda temos boas possibilidades de sermos campeões da Copa do Brasil 2019, apesar de ontem termos encaminhado consistentemente uma tragédia. Desde os tempos de Fernando Carvalho, instalou-se a Síndrome da Retranca Fora de Casa. Via de regra, longe do berço entramos timidamente para ganhar num contra-ataque ou para empatar… Ou para perder de pouco. Ora, se deu certo contra o Barcelona, há de dar também contra a Chapecoense e afins. Só que não.

Faz uns 8 anos que este esquema não funciona, mas parece que ser cagão mantém os empregos. Pois é, o que parece passar longe das mentes da direção colorada é que para se fazer uma boa retranca há que ter 100% de comprometimento, de atenção, e de manter a bola no pé de vez em quando.

Ontem, por exemplo, tivemos um meio campista que jogou 90 minutos e que foi desarmado 16 vezes. Sim, 16 vezes! Falo de Patrick. E nisto não estão contados os passes errados.

Enquanto a taça brilhava na Arena da Baixada, Odair usava seu eterno esquema cagão | Foto]]: Ricardo Duarte / SCI

Nico, Uendel e Edenílson — Ed foi culpado direto pelo gol ao errar uma brilhatura em nosso meio de campo e perder uma bola simples — fizeram péssimas partidas, mas nada comparável ao horrível Patrick. Todas as arrancadas do louco lento deram errado. E ele não manteve posição, ia lá pra frente, foi e é um peladeiro. O mapa de calor e os impedimentos marcados costumam indicar que Patrick é muitas vezes nosso homem mais avançado em campo. Mais do que Nico López e até Guerrero. Suas funções táticas são as mais incompreensíveis do esquema de Odair.

Patrick não funciona fora do Beira-Rio, este é outro fato. Edenílson não jogou nada, mas, assim como Nico, é sempre uma possibilidade, tanto que ambos perderam gols. Já Patrick nem isso.

E ele não foi substituído! Aliás, foram novamente lamentáveis as substituições de Odair. Só faltou tirar novamente o Cuesta.

Mesmo assim, sem insistência e fechados, chutamos e tivemos mais oportunidades de gol.

Mas temos que (sobre)viver com Odair e, pior, torcer por ele. Sim, irei ao Beira-Rio berrar a favor daquela ameba. Tenho que tornar esse burro campeão.

Há um adversário, claro. O Athletico é um time limitado, mas muito bem treinado. Joga tudo o que pode com jogadores como Welligton Martins e Marcelo Cirino, ambos corridos do Beira-Rio por deficiência técnica. O Patético não eliminou Flamengo e Grêmio à toa e, por termos perdido ontem, vamos passar trabalho no Beira-Rio para tentar uma vitória por dois gols. Será a vez de eles se retrancarem. Eles têm um meio-de-campo sem Patrick, isto é, veloz, porém a zaga é ruim de doer.

É VAMO, VAMO, INTER e fim.

O Inter retorna a campo no próximo domingo (15/09), às 11h, quando enfrenta o Atlético Mineiro no Independência. O jogo encerra o primeiro turno do Brasileiro. A volta do Inter ao Beira-Rio acontece na partida de decisiva contra o Athlético, time que apoiou institucionalmente o repugnante governo atual e tem o patrocínio do véio da Havan. A partida será no dia 18/9, às 21h30.

Vamos vencer, PQP!

Bom dia, Odair Roth ou O medo de perder tira a vontade de ganhar

Bom dia, Odair Roth ou O medo de perder tira a vontade de ganhar

“O Inter escalar reservas contra o Athletico-PR torna a vaga contra o Palmeiras OBRIGAÇÃO na Copa do Brasil. 40 dias sem jogar e teve atleta que não queria entrar em campo hoje porque “Ain, foi pesado no Allianz”. Com essa gandaia do vestiário é fácil ter “grupo na mão”.

Alexandre Ernst (ligeiramente adaptado)

Antes de falar de nosso fiasco de ontem, faço questão de dizer que o Pathético Paranaense é uma instituição execrável. Eles não deixam a torcida adversário permanecer identificados por camisetas no seu estádio, apoiaram Bolsonaro como clube e ainda têm o patrocínio da Havan. É um clube que não precisaria existir.

Então foi uma palhaçada tipicamente paranaense: os torcedores do Inter não tiveram local específico. Há alguma coisa naquele estado. Quase todo mundo é conservador ou burro da pior espécie. Há raras exceções, claro.

Não que sejamos muito melhores. Só Grêmio e Inter pouparam seus jogadores nesta rodada. Somos zelosos para que nada de realmente bom nos aconteça. Nada.

Foi uma derrota dos reservas do Inter. A postura foi a mesma dos titulares. Faz um ano que não ganhamos fora de casa no Brasileiro. Ruindade? Também, mas principalmente erros de postura de nosso treinador medroso, que sempre coloca seu time atrás da tal linha da bola, como se nunca mais fosse recuperá-la.

Até o talentoso Sarrafiore, que fez boas jogadas de armação no primeiro tempo, foi defender no segundo. Creio que, ao jogar futebol, estava desobedecendo a Odair, um treinador que não quer ganhar nada, desejando somente preservar seu cargo e salário.

Sarrafiore jogando bola. No segundo tempo, Odair mandou-o parar com isso | Foto: Ricardo Duarte / SCI

O medo de perder tira a vontade de ganhar. E tomamos aquele golzinho maroto de sempre. “Há apenas uma bola em jogo, então você precisa ficar com ela”, dizia Cruyff. Mas o Inter a entrega para o adversário e passa a marcá-lo. e sempre tem uma bolinha que entra. Contra-ataques? Não, não temos mais fôlego depois de tanta marcação.

Não suporto mais os bananas Odair e Mello.

Derrota. Objetivo cumprido e Patrick novamente titular. Que maravilha.

O que fizeram nas entrevistas foi defender um planejamento que dispõe demitir-se do maior Campeonato do país, o qual não ganhamos há 40 anos e que leva à Libertadores.

Analisar um jogo de reservas? Para quê?

O Inter é o quinto colocado No Brasileiro, com 16 pontos, e volta a jogar pelo campeonato nacional diante do Grêmio, no próximo sábado (20), às 19h, no Beira-Rio. Antes, na quarta-feira (17), às 21h30, decide contra o Palmeiras, também no nosso estádio. Com tanta folga e gandaia, ganhar é obrigação.