Bom dia, Odair (com os melhores lances de Bahia 0 x 1 Inter)

Bom dia, Odair (com os melhores lances de Bahia 0 x 1 Inter)

O futebol não é justo, felizmente. O Bahia jogou mais, esteve mais com a bola, rondou, rondou, até chutou, mas quem fez o gol foi o Inter. Nosso time se segura com um goleiro que está pegando tudo, uma dupla de zaga sensacional e um volante em fase iluminada. Não sofre gol há 529 minutos. O resto é bom, mas não impressiona. Então, como voltou a acontecer ontem, fazemos um gol e o jogo acaba. O problema é quando temos que tomar a iniciativa, como fomos obrigados que fazer contra o Ceará e o Paraná.

Patrick recebeu passe de Rossi para marcar o gol da vitória | Foto: Ricardo Duarte (SC Internacional)
Patrick recebeu passe de Rossi para marcar o gol da vitória | Foto: Ricardo Duarte (SC Internacional)

O Bahia começou levando mais perigo a nosso gol. Mas uma coisa é chutar, outra é marcar. E, logo após Camilo perder um gol feito, Patrick marcou em cruzamento de Rossi. Destaque para o lançamento espetacular de Edenílson para Rossi. O goleiro do Bahia saiu desesperado e ficou no meio do caminho, naquele gênero de erro que não tem acontecido conosco.

Jogar com Dudu é sempre um perigo. O Bahia pressionava o lado direito de nossa defesa, mas a coisa parecia mais ou menos controlada. O juiz estava estranho, mas minha confiança, assistindo ao jogo num bar, era ainda firme. (O Bahia é bom, não é o Vitória, o Bahia é um time de futebol).

Sem Nico López e Jonatan Álvez, suspensos pelo terceiro amarelo, tu, Odair, colocaste Pottker na frente, Camilo no meio e Rossi na direita, com dupla função: atacar e ajudar Dudu.

A partir do gol, o Inter fez o que detesto: recuou e deixou a bola com o Bahia, esperando a chance do contra-ataque. A dupla Rodrigo Moledo e Cuesta segurou tudo com certa folga.

Em toda esta fase, o Bahia teve apenas uma chance, quando Gilberto, livre, cabeceou desviado.

E seguramos a barra. Com isso, permanecemos no segundo lugar e ainda reduzimos a diferença para o líder São Paulo, que ficou no empate em Curitiba contra o Paraná.

Agora, o Inter chega a 41 pontos ganhos. Foi a quinta vitória consecutiva e a quinta fora do Beira-Rio.

Voltaremos a campo domingo, às 16h, contra o Palmeiras no Beira-Rio. Vamos lotar a casa, certamente. Teremos as voltas dos suspensos, mas Paolo Guerrero não vai jogar. A justiça suíça revogou nesta quinta-feira o efeito suspensivo que o liberava para jogar futebol. Com a decisão, o atacante peruano está impedido de atuar pelo Inter pelos próximos oito meses. E quem comprou a camisa 79, como é que fica? Que fiasco…

Bom dia, Odair (com os principais lances de Inter 2 x 0 Bahia)

Bom dia, Odair (com os principais lances de Inter 2 x 0 Bahia)

Torcer para o Inter é complicado. Ninguém sabe porque Nico López saiu do time após o Gre-Nal para dar lugar a Roger. Então Roger foi para o Corinthians e Rossi entrou no ataque. OK, ele teve boa atuação contra o Vitória, mas e Nico? O uruguaio não é craque, perde gols às pencas, mas faz outros tantos. Num time tão deficiente como o nosso, deveria jogar sempre. É complicado de entender. Dizem que Nico não é muio “apegado” ao Inter. Acho que se trata apenas de um sujeito tímido. Corre e se esforça muito. Reclamam do quê? Dizem que ele é peladeiro e pouco inteligente. Só que é o melhor que temos para jogar ao lado de Pottker.

Nico López sai do banco para marcar. | Foto: Ricardo Duarte
Nico López sai do banco para marcar. | Foto: Ricardo Duarte

Pois ontem Rossi saiu machucado aos 10 min de jogo. Entrou Nico López, fez dois gols e vencemos por 2 x 0. É claro que isso não soluciona nada. O time jogou mal. Apenas ganhou pela fraqueza do Bahia. Deste modo, cumprimos nosso papel de ganhar dos muito fracos. Creio que não podemos esperar muito mais deste ano. É ganhar dos — teoricamente — times mais fracos. É ganhar de Bahia, Vitória, Sport, Paraná, Ceará, Chape, América-MG, essas coisas. Ou seja, nosso campeonato é ficar na frente desta turma, a nossa.

O Inter não tem boa dinâmica de jogo, é lento e previsível. Além do mais, a teimosia reina há anos no Beira-Rio.

Tenho que retirar minhas criticas a Moledo. Ele esteve muito bem. Já Edenílson… Ah, Patrick foi a melhor contratação do ano.

O Inter volta a jogar na próxima quinta-feira, às 19h15, pela Copa do Brasil. É o jogo de volta contra o Vitória. Vencemos o de ida por 2 x 1 no Beira-Rio, lembram? No Brasileiro, voltamos domingo, às 16h, contra o Palmeiras em São Paulo. A vida vai ficar difícil no Brasileiro. Depois virão Cruzeiro, Flamengo, Grêmio, Corinthians…

https://youtu.be/3WCAADxBr_M

Bom dia, Abel Braga

Bom dia, Abel Braga
O derrotado recebeu homenagens. Por que Rafael Moura não lhe entregou o mimo? | Foto: Alexandre Lops / Internacional)
Tu recebeste homenagens ontem. Por que não trouxeram o Rafael Moura para te entregar o mimo? | Foto: Alexandre Lops / Internacional)

Vamos falar sério: acho que ainda não é o caso de te demitir, mas também não é o caso de renovar teu contrato. A notícia de que tu já negocias a renovação é um absurdo, ainda mais que não se sabe qual será o novo presidente. Lembras de que haverá eleições no final do ano? Talvez o novo presidente deseje um técnico com menos bruxos no time. Talvez ele goste de jovens, sabe-se lá.

É válido escolher um campeonato — nossos bons jogadores são tão velhinhos que é melhor protegê-los –, mas é mais válido ainda observar que teus erros estão nos dois times que escalas. Aránguiz se posiciona erradamente nos dois times, ambos não criam chances e os dois deixam o centroavante isolado. Culpar a má fase é tentar explorar a ingenuidade do povo colorado. Agora, eliminados da Copa do Brasil e mortos na Sul-Americana, ficamos como tu querias que ficássemos, só com o Brasileiro. Não vou te cobrar o título porque o vejo como impossível, considerando-se que continuarás com teus bruxos, teus repetidos testes furados e teu mau posicionamento em campo, mas é razoável te cobrar um G-4, não?

De resto, Abel, sei que estás louco para voltar a escalar o Rafael Moura e eu te digo: o centroavante do Inter joga isolado, tem poucas chances e, quando perde gols, não pode se recuperar porque seu próximo chute a gol será só no jogo seguinte, se for. Nosso time está uma merda, Abel, uma merda.

Bom dia, Abel Braga

Vi essa foto hoje e fiquei feliz, Abel. Alecsandro e Bolívar não são mais do Inter!
Vi essa foto hoje e fiquei feliz, Abel. Alecsandro e Bolívar não são mais do Inter! Podemos até ser felizes, quem sabe. CLIQUE PARA AMPLIAR E TER CERTEZA.

Não Abel, não falarei sobre THE ENDerson Moreira. Os fatos do Grêmio não devem nos distrair. Temos nossos problemas e o maior deles é saber porque jogamos tão mal em Salvador, apesar da vitória por 1 a 0 sobre o Bahia. Tu admitiste a partida ridícula e culpaste em parte o calor. Só que não se erra passes por causa do calor. Não me enrola, Abel, vi os jogos da Copa em Manaus. Lá é quente pra caralho.

Os malditos passes laterais voltaram. Dava náusea de ver. Os passes para a frente eram errados. Tu disseste que o Dida não fez nenhuma defesa, mas esqueceste dos dois gols que eles perderam na cara de nosso goleiro no primeiro tempo. Te aviso de novo: não me enrola, Abel. O trio de meias não funcionou novamente. Pareciam baratas entontecidas por algum tipo de veneno.

Sem Aránguiz e com Dale descontado, nosso time desaparece, vira um anão diplomático (ou burocrático). É triste. O Alan Patrick está pedindo pelamor de deus me tira do time. Acho que ele quer ver a guerra na Ucrânia. Libera ele, Abel. Minha única risada no sábado à noite foi ao ler o que escreveu o Farinatti no Facebook. Lê o que ele escreveu e vá treinar, seu gordo.

Jogo horroroso, Bahia 0x1 Inter. Só valeu pelas declarações ao final da partida.

De Wellington Silva, autor do gol do Inter, num frango do goleiro do Bahia: “Eu chutei com força, não foi no canto, mas foi forte e variando e aí Deus me abençoou e o goleiro falhou feio e a bola entrou.”

De Uélinton, volante do Bahia: “Jogamos bem, mas perdemos aí numa falha individual aí. Mas não é o caso de crucificar o Marcelo Lomba nessa hora. Tem é que crucificar todos nós, jogadores.

Só agora, depois de contratado pelo Botafogo, Bolívar recebe uma justa homenagem

A idade deixou-o cada vez mais meigo. Acho que as faltas e os corpos estendidos no chão serão comuns nas imediações da área do Botafogo. Fica nosso abraço para o General. E, por favor, não volte nunca mais.

O filme acima é de André Bozzetti. E, abaixo, o lance com Dodô, do Bahia. O jogador ficou seis meses fora dos campos.

Via grupo Colorados de Fé.

P.S. — O grande Ramiro Furquim, fotógrafo do Sul21, tem uma foto exclusiva onde fica patente a elegância, o fair play e a categoria de nosso ex-zagueiro.

| Foto: Ramiro Furquim/outroangulo.com

"Não adianta ir da Classe D para a C apenas para comprar uma geladeira", diz diretora de Economia da Cultura

Obs.: Essa entrevista foi feita por mim para o Sul21, mas como o assunto é cultura — um dos assuntos mais frequentes neste eclético blog — , deixo-a também aqui para meu 7 fiéis leitores.

Foto de Ramiro Furquim / Sul21

Denise Viana Pereira é a Diretora de Economia da Cultura da Secretaria de Estado da Cultura do Rio Grande do Sul. Trabalha, pois, com o Secretário Luiz Antônio de Assis Brasil numa das secretarias mais pobres e de maior visibilidade do governo, vendo apenas 0,07% do orçamento estadual e sendo visitada por boa parte dos artistas e produtores do Rio Grande do Sul. Denise é formada em Comunicação Social pela Ufrgs, é especialista em Teoria de Jornalismo e em Economia da Cultura. De 1999 a 2001, integrou a equipe do Instituto Estadual de Música da Secretaria de Estado da Cultura do RS. Nos anos de 2003 e 2004, foi Chefe de Gabinete da Secretaria Municipal de Cultura de Porto Alegre e integrou a Representação Regional Sul do Ministério da Cultura entre 2006 e dezembro de 2010.

Em sua entrevista ao Sul21, Denise Viana Pereira fala sobre a nova lei que substitui a antiga LIC e sobre os planos nada modestos da Cultura do estado.

Sul21: Nos últimos dias, foram aprovados R$ 3,6 milhões em autorizações para captação de patrocínios via LIC. Associada a esta notícia, há a nova legislação de apoio e fomento à cultura, aprovada em dezembro de 2011.

Denise Viana Pereira: Sim, a LIC – Lei de Incentivo à Cultura – foi sancionada em 1996 e começou a funcionar em 1997, indo até agosto de 2010. Após esta data, ela foi suspensa até 7 de dezembro quando foi regulamentada a nova lei de fomento e apoio à Cultura, que se chama Pró-Cultura.

Sul21: A LIC não existe mais?

DVP: Não existe mais. Ela só permanece para os projetos que ainda estão em tramitação. Os novos processos não ingressam mais via LIC, mas sob o Pró-Cultura. O Pró-Cultura tem no seu bojo dois mecanismos: um mecanismo é o Fundo de Apoio à Cultura, grande conquista que nós aprovamos em 2001 na Assembleia Legislativa e que nunca tinha sido regulamentada, e um mecanismo de compensação fiscal semelhante à antiga LIC. O Pró-Cultura, então, engloba o fomento direto – pelo Fundo – e a compensação fiscal.

Sul21: Como funciona?

DVP: Na lei antiga, a empresa poderia se compensar de 75% do total do projeto descontando o valor de seu ICMS. Na nova lei, o desconto é de 100%. Porém, regra geral, para todo o projeto, o patrocinador fica obrigado a um depósito de 10% no Fundo de Apoio à Cultura, à exceção de projetos para Patrimônio Cultural e Construção de equipamentos culturais, para os quais o depósito é de 5%. Então, há a compensação, a isenção, mas há o incentivo propriamente dito, o qual é depositado no Fundo.

Sul21: Há um teto de isenção fiscal determinado pelo estado?

DVP: Sim, e este é muito baixo. O teto de isenção fiscal é de 28 milhões. Então, 10% são 2,8 milhões. É pouco para o Fundo. No ano passado, foi enviado um projeto de lei que prevê um aumento deste valor para R$ 35 milhões. A lei permite que este teto possa chegar ao máximo de 0,5% da receita líquida do estado. Trata-se de um valor variável, que hoje deve bater nos R$ 70 milhões.

Sul21: Resumidamente, poderia descrever o processo de aprovação do Pró-Cultura com a compensação fiscal?

DVP: O processo é (1) o proponente cadastra-se no site, (2) validação por parte da SEDAC, o que hoje demora 7 dias; (3) então, o proponente tem 15 dias para trazer documentos; (4) de posse dos documentos, fazemos a análise técnica detalhada onde normalmente questionamos coisas que não ficaram claras e então (5) o projeto é enviado para o Conselho Estadual de Cultura, que tem 60 dias para analisar. Após a aprovação, esta é publicada no Diário Oficial do Estado e o autor do projeto recebe uma carta que autoriza a captação, ou seja, o patrocínio por parte das empresas. O prazo mínimo total para a aprovação de um projeto é de 90 dias, por lei. Na prática, sabemos que este tempo não ocorre antes de 4 meses. O que desejamos é chegar cada vez mais próximos dos 90 dias. Estamos em contato com o Conselho para que eles analisem a possibilidade de diminuição de seus prazos. Tudo é muito moroso e há uma comparação inevitável: a Lei Federal é muito mais ágil. Não faz sentido. Temos que nos apropriar do sistema federal.

Sul21: Como é que o novo governo encontrou a SEDAC?

DVP: O secretário Assis Brasil sempre diz que não adianta a gente ficar olhando para o passado. O que a gente quer é que nossa marca seja o diálogo. Queremos manter as portas abertas e até retiramos algumas divisórias que haviam em nossa estrutura física… Queremos receber todos, ouvir todos os que nos procuram. Todos são atendidos. Acabamos inteiramente com certo tom policialesco da SEDAC. Nós éramos vistos pelos produtores culturais, de antemão, como oponentes, quando na verdade ambos são proponentes. Claramente, havia grande distância entre os produtores e o sistema de fomento e financiamento da cultura no estado. Nós queremos o oposto.

Sul21: Quais são objetivos factíveis dos quatro anos da gestão?

DVP: O primeiro objetivo é o de fazer a Casa de Cultura Mario Quintana funcionar a pleno. Resolvendo desde a obra de fixação da fachada até recheá-la de programação. O segundo é o de construir o Teatro da OSPA. Os outros estão associados ao plano de recuperação do orçamento da cultura do estado, que nos tirará deste “quase nada” de recursos que temos hoje. Hoje, temos 0,07% do orçamento do estado. Nossa intenção é a de chegar, ao final dos quatro anos do governo Tarso, a 1,5%. Queremos 0,5% no segundo ano de gestão, 0,75% no terceiro, 1% no quarto e 1,5% para a próxima gestão.

Sul21: Há outros?

DVP: Temos também projetos ligados à utilização do Fundo de Apoio à Cultura. Pretendemos criar editais a fim de selecionar projetos de Casas de Cultura, teatros, cinemas ou bibliotecas para o interior do estado. Queremos equipamentos culturais para o interior. Nós selecionaremos os projetos; desta forma, não seriam equipamentos de propriedade do estado. Nós apoiaremos projetos que permitam aos municípios se equiparem. Imaginamos valores de até R$ 500 mil. Muitas vezes há prédios que poderiam se transformar num teatro ou numa biblioteca. Nossa intenção é participar da reutilização destes espaços para fins culturais.

Sul21: Não há quase mais cinemas no interior.

DVP: Bem, neste sentido nós trabalhamos com a ideia dos cineclubes. Nosso plano de governo inclui a criação de 100 Cines mais Cultura ao longo dos quatro anos de gestão e envolve a criação de 500 Pontos de Cultura lato sensu. Nos Pontos de Cultura, o governo aporta recursos para iniciativas que já existem, dando apoio aos chamados Pontos de Cinema (cineclubes), aos Pontos de Brincar (brinquedotecas), aos Pontos de Leitura (pequenas bibliotecas) e aos Pontos de Memória (museus comunitários ou ações de memória). Estas são ações que o MinC desenvolve. Este ano, deveremos receber R$ 10 milhões para começarmos.

Sul21: E a OSPA? Sem sede, ensaiando no cais do porto, convivendo com falta de músicos, concursos… E o novo Teatro que não sai do papel?

DVP: Hoje temos boas perspectivas. O secretário Assis Brasil é um ex-membro da orquestra e está bastante compromissado com a OSPA. Foi elaborada uma emenda parlamentar de R$ 20 milhões para a construção – o custo do teatro é de R$ 32 milhões. Em um de seus primeiros pronunciamentos, a presidente Dilma Rousseff falou em necessidades de contenção e suspendeu todas as emendas. Algumas destas foram extintas, mas a da OSPA não. O governador Tarso já enviou correspondência para a Ministra da Cultura e para a Comissão de Educação e Cultura do Congresso. Há toda uma mobilização estadual pela manutenção da emenda parlamentar de R$ 20 milhões. Isto garantiria 2/3 da obra. De outra parte, o MinC, em reunião aqui conosco, com a presença do secretário Assis Brasil, comprometeu-se em colocar mais R$ 7,5 milhões ou R$ 10 milhões – dependendo da emenda deste ano – , à razão de 2,5 milhões por ano. Se a emenda de R$ 20 milhões entrar este ano, eles não repassariam a primeira parcela de R$ 2,5 milhões, ficando o primeiro pagamento para 2012. Em resumo, repito, temos boas perspectivas.

Sul21: Houve uma discussão sobre possíveis mudanças no projeto do Teatro a fim de que ele pudesse receber óperas. Propôs-se a criação de um fosso para a orquestra…

DVP: Falando de uma forma rasa, o secretário compreende as críticas – o IAB igualmente não está de acordo com a parte externa do projeto e há esta discussão sobre óperas – , mas sua ideia é a de que o Teatro da OSPA é uma sala sinfônica e não outra coisa. E mesmo que haja discussões — penso que sempre haverá — não podemos atrasar mais 20 anos uma construção que nos faz falta há décadas. Então, temos um projeto pronto, pago, e achamos que ele não deve mais ser alterado. Estamos em outra fase e, se retrocedermos a uma anterior, quando teremos o Teatro?

Sul21: Fomento é política cultural? E a distribuição, divulgação e venda?

DVP: De modo algum fomento é política cultural. O mecanismo de financiamento e fomento não pode ser nossa única atividade; isto é apenas um instrumento. É muito insuficiente e concentra a pouca verba disponível nas capitais e nos artistas conhecidos. Para isso é que agora temos o Fundo de Apoio à Cultura, temos que fortalecê-lo para poder diversificar o tipo de projeto a ser apoiado. Por outro lado, temos que nos preocupar não apenas com os projetos, mas com a criação de hábitos de consumo de toda produção cultural. Temos que apoiar a distribuição, o consumo e a formação de plateias. É um problema igual ou maior do que o de produção, que é o que a LIC fazia exclusivamente. As leis de incentivo fomentam a produção, mas não fomentam a distribuição, elas concorrem muito pouco para a absorção daquilo que criam. Veja o caso do blog da Maria Bethânia: Jorge Furtado foi brilhante ao dizer que se tivessem pedido três vezes o mesmo valor para um filme que ninguém fosse assistir, não iam reclamar de nada, mas como é um blog e há um preconceito com o meio virtual – criado pela grande mídia – ninguém diz que Bethânia estará divulgando uma porção de poetas que ficariam de outro modo inacessíveis. Sou totalmente favorável ao blog dela. Grande parte desta discussão é sufocada pelo desconhecimento que as pessoas têm do contexto da produção e das necessidades culturais.

Sul21: Teu cargo é o de Diretora de Economia da Cultura. O que significa exatamente?

DVP: Como tu disseste, não adianta a gente apenas fomentar a produção. O olhar da economia sobre a cultura nos dá uma noção de que existe uma cadeia produtiva inteira, que vai até o público.

Sul21: Normalmente os artistas não pensam na parte comercial…

DVP: Sim, há que pensar na divulgação, nas vendas, na infraestrutura. Mas o pensamento não pode também ser apenas mercantilista, pois há dois valores envolvidos: o valor econômico do produto cultural e o valor simbólico, que vai transformar a pessoa que assistirá uma orquestra pela primeira vez, que vai fazê-la pensar em coisas sobre as quais jamais tinha antes refletido. É preciso pensar na sustentabilidade da produção.

Sul21: Sim, o espectador sai melhor, mais rico de um filme, peça ou espetáculo, mas como medir a importância desta experiência, deste conhecimento?

DVP: Nós estamos num momento maravilhoso, porque o governador é sensível à cultura. Ele é completamente consciente deste valor simbólico e da importância de termos cidadãos capazes de serem reflexivos e críticos, em contraposição a cidadãos que vêm da classe D para a C apenas para comprar uma geladeira ou uma batedeira e continuar se matando na esquina ou atropelando ciclistas. Se a gente quer mexer na sociedade, temos que necessariamente passar por sua culturalização. E temos a nossa favor a tecnologia, que dá acesso a bens culturais com maior facilidade do que no passado. Antigamente, a montagem de um cineclube era coisa para heróis, hoje tu colocas um DVD debaixo do braço e sai mostrando os filmes. Hoje já temos óperas sendo apresentadas ao vivo em cinemas. O mundo é outro, temos que utilizá-lo.

Sul21: É difícil convencer alguém disso ou a arte ainda funciona do modo como Louis Armstrong definia o jazz: “If you gotta ask, you`ll never know”?

DVP: Sim, é difícil. Mas nós não devemos nos conformar com este corolário do “eu sei a importância que tem e se tu não sabes, nunca vais saber”. Desta forma, tu não convences o outro, tu não dás acesso à cultura. Imagina um professor dizendo ao aluno: “Tu nunca vais entender, meu filho!”. O ser humano muda, avança. Essa é a nossa missão fundamental.

Sul21: Pois é, estamos chegando à educação, não?

DVP: E chegamos… Por exemplo, o trabalhador da área da cultura ganha três vezes mais do que a média da indústria. Há um dado estarrecedor: na Bahia, 54% dos empregados ou são analfabetos ou tem primeiro grau incompleto. No setor cultural, este índice de analfabetismo cai para 34%. Não há estatística análoga para o RS, mas tenho certeza de que no RS o índice de 34% deve ser de gente que tem o terceiro grau incompleto e no entanto… O Acre, a Bahia e Pernambuco estão muito à frente do RS na área cultural. Há muito tempo eles trabalham com conceitos modernos e estão inseridos naquilo que o MinC criou em 2007: o Programa de Desenvolvimento da Economia da Cultura, que trabalha com todos esses conceitos de cadeia produtiva que expus.

Sul21:Para terminar, para que serve a SEDAC e a que veio?

DVP: A pergunta deve ser respondida fugindo das respostas que passam perto de expressões como “alimento da alma”, etc. A cultura deve ter as três dimensões que o MinC defende: o valor simbólico, o valor econômico e o valor de cidadania, de promotor de direitos. Esse é o nosso norte.

Sul21: Desejamos boa sorte.

DVP: Muito obrigado.