A bancada evangélica (ou teocrática) samba no governo Dilma

A bancada evangélica (ou teocrática) samba no governo Dilma

Dilma acaba de sancionar um dos mais espetaculares absurdos constitucionais de todos os tempos, a Lei Nº 13.246, de 12 de janeiro de 2016. A lei fixa o dia 31 de outubro como o Dia Nacional da Proclamação do Evangelho. Abaixo e no link, você pode ler o inacreditável conteúdo da lei. Note-se que o 31 de outubro é o Halloween — objeto de ódio dos congressistas evangélicos? — e a data do nascimento de Carlos Drummond de Andrade, que acaba sendo inadvertidamente respingada. Mas o que interessa não é bem isso. Leiam o Art. 2º. Ele desrespeita todas as religiões não cristãs e a lei, como um todo, vai moldando o meu e o seu Estado Fundamentalista.

Trata-se de uma leviandade, de uma verdadeira pândega evangélica em nosso Estado dito Laico, tendo o governo Dilma como parceiro. Espero que logo venha uma ADI (Ação Direta de Inconstitucionalidade).

A PRESIDENTA DA REPÚBLICA

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1o  Fica instituído o dia 31 de outubro de cada ano como Dia Nacional da Proclamação do Evangelho.

Art. 2o  No dia 31 de outubro dar-se-á ampla divulgação à proclamação do Evangelho, sem qualquer discriminação de credo dentre igrejas cristãs.

Art. 3o  Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Brasília, 12 de janeiro de 2016; 195o da Independência e 128o da República.

DILMA ROUSSEFF

Congressistas planejando o país
Congressistas planejando o país

Pronunciamento do PUM sobre o Projeto a Lei do Aborto de Cunha, aprovada ontem na CCJ

Pronunciamento do PUM sobre o Projeto a Lei do Aborto de Cunha, aprovada ontem na CCJ

PUM - Partido Utopico ModeradoO PUM, Partido Utópico Moderado, vem a público a fim de emitir nova e importante ventosidade:

Para quem não sabe, o PL 5.069/13 foi aprovado ontem por um bando de imbecis na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania). O Projeto de Lei  torna crime o anúncio ou informação sobre meios ou métodos abortivos, e pune quem induz, instiga ou auxilia um aborto, com agravamento de pena para profissionais de saúde. Mesmo que se trate de uma vítima de estupro, mesmo que sob o pretexto de redução de danos, intervir será crime. A matéria seguirá para votação no plenário da Câmara, onde outra horda de lobotomizados à espera.

Imaginem que será praticamente impossível abortar legalmente no Brasil, mesmo nos casos já previstos no Código Penal desde 1940 (estupro e risco de vida para a mãe) ou recém autorizados pelo STF (feto anencéfalo). Opa, isto é algo que Estado Islâmico aprovaria!

O PUM informa:

No Brasil, cerca de 800 mil mulheres praticam abortos todos os anos. Dessas, 200 mil recorrem ao SUS para tratar as sequelas de procedimentos malfeitos.

O aborto é um dos maiores causadores de mortes maternas no Brasil. Segundo um estudo publicado em 2013, uma de cada cinco mulheres com mais de 40 anos já fizeram, pelo menos, um aborto na vida. Hoje existem 37 milhões de mulheres nessa faixa etária, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Dessa forma, estima-se que 7,4 milhões de brasileiras já fizeram pelo menos um aborto.

Na maioria dos casos, o aborto começa em casa. Quantas mulheres já introduziram agulhas de tricô ou outros objetos pontiagudos em seus corpos, na tentativa de impedirem uma gravidez que não desejam ou não devem levar adiante? Depois, recorrem ao serviço de saúde pública. Quando recorrem. Porém, em vez de legalizar logo o aborto, em vez de torná-lo seguro…

Bem, o fato da pena crescer se o agente é funcionário da saúde pública ou médico, farmacêutico ou enfermeiro, pode ser lido assim: “Quanto mais seguro o aborto, mais sujeito à pena”. Ah, a punição também é aumentada em um terço se a gestante for menor de idade (sim, isso mesmo). E o PL também revoga artigos anteriores que dispõem sobre o atendimento obrigatório e integral de pessoas em situação de violência sexual, dificultando ainda mais o acesso das mulheres a essa política de saúde.

Claro, as mulheres pobres é que serão as mais prejudicadas, já que a medida não vai impedir que abortos sigam acontecendo no país.

Eduardo Cunha… E tem gente que ainda fica o dia inteiro nessa de PT X PSDB. Enquanto os bugios gritam e jogam sua própria merda nos adversários — mesmo sem pertencer ao PUM –, deixam a avenida livre para os fundamentalistas religiosos. E eles chegaram lá.

Enquanto Dilma luta para arrastar seu governo até o final do jogo, Cunha coloca toda a agenda conservadora em votação. É a coisa mais linda.

Ah, vão acabar com o Cunha? Pois saibam que há muitos outros parecidos com ele no Congresso.

Ele e seus asseclas fundamentalistas (e ricos) (e cheios de emissoras de rádio e TV) são a verdadeira ameaça. Nosso querido Brasil neopentecostal e ultraconservador está pronto para nos comer vivos.

imaem-2

Os gatinhos da Ospa e a ascensão do conservadorismo pela via religiosa

Os gatinhos da Ospa e a ascensão do conservadorismo pela via religiosa
Volo 1
O volume 1 da numerosa série

Com a ajuda dos amigos FM e MPN.

Não tem nada a ver? Pois tem sim.

Prelúdio

Lembram aquelas seleções de clássicos dos anos 70 e 80 que tinham gatinhos na capa? Ali, o Aleluia de Handel podia vir antes de Rhapsody in Blue, a qual era seguida da Abertura 1812, por exemplo. Salada semelhante foi servida  na noite de ontem. A Ospa estava cheia de gatinhos, óin… Claro que isto não cria público. Este gênero de programa é válido apenas em séries de concertos para escolas ou como eram os velhos “Concertos para a Juventude”, mas, enfim. O apelido “Disco de Gatinhos” ou “Concerto de Gatinhos” é de autoria do Júlio e da D. Cristina lá da King`s Discos, esplêndida loja que ficava na Galeria Chaves. Eles não gostavam muito daquelas seleções… Nem eu.

Allegro politico

Eduardo Cunha, o homem que está tentando — e que provavelmente conseguirá — acabar com direitos trabalhistas conquistados em décadas de lutas, é fiel da Assembleia de Deus. Faz parte da bancada religiosa que infestou o Congresso Nacional. É um lutador, um fundamentalista encarniçado, um homem perigoso.

Vitória em Cristo...
Retrocesso e maior sofrimento para os trabalhadores em Cristo

Já eu e todos os que estão em greve hoje acham que ele é um criminoso. Afinal, ele está jogando nossos direitos trabalhistas fora em nome do pagamento do lobby dos empresários que financiaram a campanha eleitoral dele e de outros. Foi isso que os deputados fizeram quando aprovaram o projeto que beneficiava os empresários. Nós, é claro, ficamos apanhando do lado de fora do Congresso, sem poder entrar.

Enquanto a bancada religiosa acaba conosco, nós paricipamos de um um festim fora do Congresso
Enquanto a bancada religiosa nos fodia no Congresso, um flagrante da festa lá fora

Eduardo Cunha — como costuma ocorrer com os evangélicos — também é um conservador. Ele representa uma oligarquia política oportunista que se aproveita de um governo fraco e desestabilizado para fazer o Brasil retroceder para aquém das mínimas conquistas de melhoria da qualidade de vida, tudo sob a lógica do “melhor um trabalho péssimo que nenhum”, chantagem canalha que apresenta apenas duas alternativas quando existem múltiplas.

Eduardo Cunha é do PMDB e é um sujeito que usa as palavras gay e feminismo como se fossem palavrões. E diz coisas incríveis: “Eu não acho que o homossexualismo deva ser imposto à sociedade”. Eduardo Cunha é do PMDB. O governador Sartori é do PMDB. E a Ospa é do Governo do Estado.

Desculpem o mau gosto da foto | Foto: Guilherme Santos / Sul21
Cunha e Sartori ouvindo Temer: desculpem o mau gosto da foto | Foto: Guilherme Santos / Sul21

Adagio difficili da uccidere

Tal orquestra seminômade criou o projeto OSPA nas Igrejas. Os espaços que o projeto ocupava eram restrito às mais tradicionais instituições religiosas, mas é legítimo que outros espaços de culto reivindiquem concertos, não? Antes dos terreiros de umbanda, dos budistas e do candomblé, os evangélicos saltaram à frente na disputa, pois o momento é de ofensiva social e política deles. E ontem o concerto (de gatinhos) foi no Templo da Assembleia de Deus da General Neto. Os admiradores da boa música em salas adequadas e humanistas que não têm simpatias pelas relações entre instituições públicas e templos religiosos lastimam e se afastam. Este projeto, ruim na origem, torna-se cada dia pior. No momento político atual do Brasil e do mundo, é um temerário apoio ao furor teocrático dos pentecostais.

Vão me dizer que a orquestra precisa de locais para dar seus concertos, mimimi que justifica o afago feito ontem ao poder mesmo que este esteja no arcabouço de uma tendência que nos empurra mais para perto da tragédia do fundamentalismo. Todos querem ficar bem com a(s) igreja(s). Elas dão votos agora e problemas logo depois, se quisermos voltar a Eduardo Cunha e à famigerada bancada religiosa.

A nova sala de concertos
A nova sala de concertos na General Neto, em Porto Alegre

Presto breve

Nem deveria ter escrito isso. A maioria dos cristãos odeia demais e vou ter que moderar os comentários furibundos deles. A pessoa que tem fé deveria procurar só fazer coisas dignas dela, não? Afinal, acho que não desejam perder a salvação assim no mais, ofendendo um ateu bobão como eu.. Só que “Narciso acha feio o que não é espelho” e eles são odiadores profissionais. Prova de que religião não define caráter.

Coda

Não fui ao concerto de ontem.