Argel Fucks pode rebaixar três times em 2016

Argel Fucks pode rebaixar três times em 2016

Cansado da primeira divisão? Acaricia projetos de cair? Chame Argélico Fucks que ele dá um jeito ligeirinho. Ele já deixou o Inter lá na rabada. Não apenas fez isso como largou o time destruído, um traste para os novos técnicos que chegaram depois. Após sua demissão no colorado, foi para o Figueirense, de onde nunca deveria ter saído e… Basta olhar a tabela. O Figueira é o primeiro após a linha dos rebaixados. Demitido também do clube catarinense, foi contratado pela diretoria do Vitória, que já está no Z-4. Trata-se de um caso de incompetência premiada. Ou de masoquismo dos clubes.

Na próxima quinta-feira, no Beira-Rio, ocorrerá um choque de brucutus e a certeza de que ninguém poderá dar um nó tático no outro, só em si mesmo. O jogo será Inter x Vitória ou, melhor dizendo, Celso Juarez Roth x Argélico Fucks. Um clássico dos infernos. Não haverá espaço para o pensamento. Queria ser o comentarista deste embate. Quem se atrapalhar mais, perde.

O estranho caso de Argel Fucks
O estranho caso de Argel Fucks

Bom dia, Celso Juarez

Bom dia, Celso Juarez
Situação do Inter no Brasileiro
Situação do Inter no Brasileiro

Tu sabes que jogamos melhor, Celso, mas que a vitória escapou por entre nossos dedos nervosos. Como cola de etiqueta, o azar gruda em quem está angustiado. Como explicar aquele chute de Seijas que passa pelo goleiro, bate na perna de um zagueiro do São Paulo, sobe, dá no travessão e volta como uma conta que esquecemos de pagar? E o pênalti perdido por Valdívia aos 45 do segundo tempo? Aquilo ali é sinal claro de segunda divisão. Há que puxar sei lá de onde uma calma que não possuímos. Há que fingir.

São vinte clubes e os quatro últimos caem. Então, estarão fora do 17º ao 20º lugares.

Estamos em 15º com 23 pontos, a mesma pontuação do 16º (o ascendente Cruzeiro) e do 17º (o Vitória com um jogo a menos). Para piorar, o 18º (Figueirense), com 21 pontos. também tem um jogo a menos.

O site de estatísticas Infobola até que é legal com a gente e nos dá 49% de chances de cair. Vamos ter que acreditar nos 51%.

Imagina só, Celso Juarez, se o Ernando não tivesse marcado aquele gol, nós já estaríamos HOJE no grupo do rebaixamento.

Para dar um tempero especial à nossa desgraça, tu mantiveste o Sasha no time, retirando o coitado do Nico López, sempre teu preferido para sair. Ariel entrou bem no jogo, mas talvez Nico fosse mais útil a seu lado do que assistindo o jogo de fora. Também não gostei do fato de Valdívia ter batido o pênalti. Reprovei antes da cobrança, entende? Não estaria na hora de gente mais experiente assumir a coisa? Por que não Seijas ou Ariel?

Temos que contar com a sorte e com o trabalho. O time até tem evoluído, mas os maus resultados podem fazê-lo retornar a patamares mais baixos. Enquanto isso, um dos principais culpados por nossa desgraça, Argélico Fucks, foi demitido ontem do Figueirense. Os outros, Piffero e Pellegrini estão flanando por aí, o primeiro como presidente…

O próximo jogo é domingo, 28, às 18h30, contra o Sport (26 pontos, 12º colocado). Sugiro escalar Danilo Fernandes; William, Eduardo, Ernando e Ceará; Dourado, Eduardo Henrique, Anderson e Seijas; Valdívia e Nico López. Acho que seria o melhor para este momento em que ganhamos apenas 4 pontos dos últimos 39 disputados. Chega de Arthur, Fabinho e Bob, por favor.

https://youtu.be/i2-GLvLBdns

Falcão, volta pra Globo. Já.

Cavenaghi não entra porque é 9. Ontem foi segundo homem de ataque. Ricardo Goulart mudaria o jogo da vida. Ontem, nem entrou. Quarta, sobrou o D’Alessandro. Ontem, foi o primeiro a sair.

Sobre a coerência de Falcão, lido ontem no tuíter

Quando Falcão “ameaçou ter vontade” de retornar ao Inter, fiquei quieto. Dentre as escolhas mais divulgadas, ele era a minha última, pois fracassara, anos atrás, no Inter, na Seleção Brasileira, no América do México e na Seleção do Japão. Não é pouco. Mas é um sujeito simpático, bem falante, ídolo da torcida e não treinava um time de futebol há vinte anos. Ele, de certa forma, me seduziu, apesar da desconfiança que congelava meus comentários. Infelizmente, vejo agora que devia ter combatido a ideia com minha pistola d`água. Nem no grupo de discussões dos novos conselheiros do Inter eu disse alguma coisa contrária. Deixei-me engambelar pelo pensamento mágico do grande jogador que retorna ao clube.

Em poucos, pouquíssimos dias, Falcão fez o Inter perder o pouco que tinha de solidez defensiva e seu ataque é o mesmo de Roth, só que com Andrezinho no lugar de Zé Roberto e Oscar no de Sóbis, que jogava recuado com Roth. O posicionamento dos jogadores, apesar da inversão de funções, é a de Roth. Sua primeira mancada foi a de centralizar D`Alessandro — típico jogador para atuar nos lados do campo — e a segunda foi a de seguir respeitando as estrelas do grupo, dentre elas o recém operado e capitão do time Bolívar, que voltou à titularidade totalmente fora de forma física e técnica. O que sempre quisemos — a saída de Nei, a colocação de uma dupla de zaga cuja idade somasse menos de 60 anos, um time mais rápido — parece ter ficado ainda mais longe com Falcão.

Sigo dizendo que o Inter tem um dos melhores grupos de jogadores do Brasil, talvez o melhor. Falta-lhe um técnico. Se eu fosse um deles, se tivesse competência para dar dinâmica a um grupo de jogadores tão qualificados, estaria ligando diariamente para o Beira-Rio, pedindo o cargo e a glória. Este cara só deveria pedir uma coisa: apoio para livrar-se de Nei, Índio, Bolívar, Rodrigo, Wilson Matias, Zé Roberto e outros menos votados.

Ah, e por favor, não me digam que Renan foi culpado pelos dois gols de Viçosa. Alguém tinha que ir na jogada. Se o goleiro não saísse, Viçosa poderia ter matado a bola e ido até dentro do gol do Inter. Neste caso, Renan seria culpado por não sair. Responsabilizem a dupla de zaga, peço-lhes. No primeiro gol Viçosa estava entre os zagueiros, que guardavam temerosos 5 metros de distância do atacante; no segundo, Rodrigo tentou deixá-lo impedido depois do lançamento ter partido… Céus!

Sobre a identidade: Recado de um torcedor antes da tragédia

Por Emanuel Neves, do grupo Arquibancada Colorada

Perdemos, ontem, por culpa da direção colorada.

Debitem essa fiasqueira na conta de Luigi, Siegmann e dos homens do futebol. E não só deles: nos que os precederam. Nem é pelo fato de manter Celso Roth. Isso é só um outro sintoma de algo bem mais preocupante: a direção do clube não conhece sua identidade.

Não falo dos valores históricos. Esses, acredito, todos têm em mente. Ou deveriam.

O Inter – na figura de seus comandantes – não entendeu o que ele, Inter, vem tentando mostrar há mais de meia década.

Meus amigos, nós somos outro clube hoje. Nós somos a melhor coisa do futebol Sul-Americano do último LUSTRO. Se quieres falar de futebol fora da Europa, necessariamente deves começar pelo Internacional.

Há 7 anos, levamos uma saranda de um monstro chamado Boca Juniors, sensação da primeira metade da década, clube místico diante de quem todos se borravam apenas ao vislumbre das casas coloridas de seu bairro.

O Inter, hoje – e já de há muito tempo -, é, potencialmente, o Boca Juniors de vermelho.

TUDO O QUE FOR MENOS DO QUE ISSO É INSUFICIENTE.

E não por uma exigência desmedida, empáfia, arrogância ou qualquer coisa do tipo. É assim porque o Inter nos dá mostras claras de que poderia ser assim. Porque nós sabemos que pode, sim, ser assim.

E só não é porque não entenderam ainda a postura quem um clube como é o Internacional hoje deve ter.

O planejamento, a inteligência, a estratégia, o pensar do futebol, tudo isso vem com base em alguns valores e a consciência que se tem do que se é. Como pequeno, eu penso que os outros são maiores e tento vencer com as minhas parcas armas, eu as potencializo, se possível. Como grande, como gigante, eu simplesmente me imponho. Porque o meu DNA me impulsiona pra isso. É instintivo: eu simplesmente faço. Meu respeito ao adversário é aplicar-lhe a minha força e vencê-lo.

O Inter foi a Chiapas para trotar em campo no primeiro tempo. Isso é uma postura pseudogrande: eu sou maior e ganho quando eu quero. Uma postura realmente grande seria PATROLAR o lanterna mexicano em 20 minutos, passar a régua e girar a bola até o entardecer, garantindo a vaga, o primeiro lugar e o respeito geral, colocando todo o resto da América abaixo do campeão, como deve ser.

Mas o Internacional — na figura de seus comandantes — simplesmente não entendeu o tamanho que tem hoje. Ou que poderia ter.

Ou o Inter cria, definitivamente, a sua ESCOLA DE FUTEBOL, ou vamos perder o grande cavalo encilhado que a nossa própria competência criou, mas que insistimos em não enxergar.

Ou não entender.

Pragmatismo colorado não sobrevive a Celso Roth: Jaguares 1 x 0

Publicado no Sul21

Em seus dois últimos anos de Libertadores, o Inter tem mantido um agradável pragmatismo quando joga fora de casa. Com exceção da partida contra o Banfield, na Argentina, o Inter sempre alcançou os resultados que queria. Tal postura não sobreviveu ao time escalado insistentemente por Celso Roth. Nos jogos do Campeonato Gaúcho já era visivel que a equipe colorada entrava em campo com oito jogadores e três cones: o ex-zagueiro Índio e os inoperantes — para dizermos o mínimo — Nei e Zé Roberto. Como ruindade é algo contagioso, Oscar, D`Alessandro e outros jogadores foram inoculados pelo trio e não conseguiram chegar nem perto de suas atuações do Gauchão, onde apenas conseguem empates…

Como resultado, o Inter perdeu para o lanterna do Campeonato Nacional do México no dia do aniversário do Estádio Beira-Rio e na semana de aniversário do clube. Com a data de validade expirada, Roth permanece assitindo seu time repetir-se, apesar de possuir um dos melhores grupos de jogadores do Brasil. Mas vamos aos fatos da peleja histórica — para o Jaguares.

No primeiro tempo, o Inter teve mais posse de bola, mas apenas rondou discretamente o gol de Villaseñor. Apesar de trocar passes com alguma habilidade até a intermediária mexicana, os ataques morriam nos pés de Zé Roberto, de Nei ou num último passe fatalmente equivocado de outrem afetado pela parca dinâmica futebolística. Como por milagre, Leandro Damião, aos 19 minutos, girou dentro da área chutando para fácil defesa do goleiro. Foi só.

Porém, como desgraça pouca é bobagem…

Ao final do primeiro tempo, o lanterna Jaguares ganhava corpo (ou pilhas) e começava a imiscuir-se insidiosamente no campo vermelho. Aos 33 minutos, Andrade deu um susto em Lauro. O goleiro brasileiro estava adiantado e viu o chute do camisa 19 explodir no travessão. Era tudo muito estranho.

No segundo tempo, o técnico Guadalupe, que infelizmente é contratado do Jaguares, colocou em campo o argentino Manso e o centroavante Salazar. No Inter, a única mudança foi no comportamento. Para pior. A tradicional “palavra do vestiário” trouxe a equipe sonolenta para a segunda etapa.

Aos nove minutos, Duran aproveitou nova e incrível falha do Cone Nº 1 (Nei), foi à linha de fundo e mandou para área. Salazar girou em cima do Cone Nº 2 (Índio) e bateu na saída de Lauro. O gol acordou Celso Roth, que pôs-se a refletir. Oscar, de atuação discreta, deu lugar para Rafael Sóbis, mas o time, sem mecânica de jogo, não reagia.

Então, Andrezinho entrou em campo com algum resultado. O Inter passou a investir nos chutes de longa distância. Na primeira chance, o 10zinho quase marcou por cobertura. Depois, Villasenõr fez grande defesa em cobrança de falta do mesmo Andrezinho. Neste ínterim, o time da casa trabalhava intensivamente sobre Índio, que cedia às mais ingênuas tramas de novelas mexicanas e só parava nas defesas mais sisudas de Lauro.

Como não poderia deixar de ser, Roth ainda colocou uma cerejinha no bolo de aniversário do Beira-Rio. Em vez de colocar em campo Cavenaghi, Roth investiu questionavelmente na paixão. Fez uma troca de volantes, tirando o bom Bolatti para colocar o detestado Wilson Mathias.

E assim transcorreu a noite colorada. Era para ser de festa, mas como convidaram o Celso Juarez…

~o~

Agora, a classificação do Grupo 6 da Libertadores está assim:

1. Inter: 10 pts / 5 jogos
2. Jaguares: 9 pts / 5 jogos
3. Emelec: 7 pts / 4 jogos
4. Jorge Wilstermann: 0 pts / 4 jogos

Para classificar-se para a próxima fase, o Inter precisará vencer ou empatar com o Emelec no Beira-Rio, no próximo dia 19 de abril, dependendo ainda resultado de Jorge Wilstermann x Emelec, jogo a ser realizado amanhã em Cochabamba. A melhor campanha da primeira fase? Melhor esquecer.

Libertadores é coisa muito boa

Para se ganhar uma Libertadores é preciso futebol, mas apenas isto não basta. É preciso também certo espírito que costuma ser conhecido pelo nome de “copeiro”. O time copeiro é aquele que às vezes nem é o melhor, mas é o que chega a seus objetivos. O Grêmio foi copeiro, assim como o Liverpool e o Boca Juniors, mas hoje o cetro passou ao Internacional, ao menos na América do Sul. Sejamos francos, se a Libertadores fosse só futebol, se ela fosse só bola, o Estudiantes de La Plata teria eliminado o Inter nas quartas-de-final da Libertadores de 2010. Era mais time e jogou mais. Como Giuliano logro hacer aquele gol inexplicável na Argentina, foi criado o monstro que acabou por eliminar o São Paulo nas únicas grandes apresentações do Inter naquele ano — e ainda assim com direito a frango de nosso goleiro — e que ganhou do fraco Chivas na final.

Na verdade, todos querem a Libertadores com uma vontade a mais. Times que achamos bons são desmascarados no torneio. Nos primeiras primeiras rodadas desta ano, dois de nossos favoritos — Fluminense e Santos — tiveram enormes dificuldades por faltarem-lhe este esforço a mais. Os jogos Fluminense x Nacional e Flu x Argentino Juniors, mostraram ao flamante campeão brasileiro que ele sofria de falta de cojones. O tricolor carioca ficou tão brocha que entrou me crise. E o mesmo vale para os saltitantes meninos do Santos. A Libertadores dá preferência aos times sérios e pragmáticos, sem dúvida.

As arbitragens do torneio também ajudam os times menos firulentos. Os juízes não dão qualquer faltinha, não interrompem o jogo só porque Neymar atirou-se ao chão rolando e fazendo cara de quem sofreu uma tentativa de assassinato. Para a falta ser marcada, é necessária… a falta, coisa que nossos juízes teimam em não obedecer. Deveria dizer que é jogo pra macho? Olha, não sei, o que sei é que times que utilizam esforço médio ou residual não vão longe no torneio.

A posição do Peñarol em seu grupo — lider e classifcado por antecipação com uma rodada de antecedência — mostra bem isso. Perdeu de 5 x 0 para a LDU em Quito, mas em todos os jogos, mesmo nesta goleada a qual me referi, jogou à morrer, à uruguaia, e conquistou 3 vitórias, apesar de ser um líder com saldo -4. Maravilhosa Libertadores.

Hoje o Inter pega o mexicano Jaguares na cidade de Tuxtla Gutiérrez. Os caras vem mordidos, mas são mexicanos. Os mexicanos não dão a impressão de terem entendido a índole futebolística suicida do campeonato. Espero que não demonstrem terem-na descoberto hoje. E espero que nos comportemos como o habitual: jogando mal — com a torcida passando a noite inteira a cornetear Celso Roth — e ganhando na base de nossas caríssimas individualidades.

Duas coisonas e duas coisinhas

Taí o seu presente, Milton. Espero que você goste. Um abração!

Quando recebi esta mensagem pelo Facebook, pensei que fosse mais uma composição que o Gilberto Agostinho desejava me mostrar. Gosto muito de ouvi-las e, bem, de dar meus pitacos. O Gilberto é um compositor brasileiro que estuda em Praga e suas obras são efetivamente muito boas, tanto que ele acaba de classifcar-se em primeiro lugar na principal Academia de Música de Praga. Ouvi a tal música e gostei muito. (Vocês podem baixá-la aqui, vale a pena). Chamava-se Suite for Cello and Harpsichord, in Old Style. E escrevi-lhe de volta:

Rapaz, consegui ouvir apenas ontem. Gostei muito. Achei ADMIRÁVEL e deixo a palavra em caixa alta para demonstrar que este é um elogio repleto, onde a palavra deve receber significado pleno. É claro que notei a Courant e sua citação. Me diverti com o final perfeitamente bachiano da abertura, e — mesmo com a séria sarabanda — o efeito geral sobre mim foi de felicidade. Ouvi tudo com um sorriso. Achei o final da Giga um tanto inesperado, talvez brusco, mas eu jamais o alteraria, pois aquilo parece uma frase tua dizendo “gente, é bem feito, bem escrito, mas é uma paródia, claro”.

Cara, nós já temos material para outra postagem naquele blog, não? Esse teu sw de agora é melhor do que aquele outro. Até o pizzicato funciona bem. O cravo tem som de cravo, etc. Poderíamos montar uma postagem assim que eu voltar de uma viagem que farei de quinta a terça? Volto em 22/02. Tu poderias ir escrevendo os textos de apresentação, certo?

Inclua o que quiser, mas não retire essa Suíte, pelamor.

Grande abraço!

P.S.– Acredito que estejas passando por um período feliz em Praga. A Suíte, além de excelente, é feliz.

Tudo normal até aqui. Mas então ele escreveu de volta:

Oi Milton,

Muitíssimo obrigado pelos elogios! Já fazia tempo que eu estava querendo dedicar uma obra minha pra você, e eu achei que esta cairia muito bem, já que você é outro fanático pelo período barroco. Você pegou bem o espírito desta peça, e eu fico feliz que o final tenha sido bem entendido. Eu me considero um contrapontista acima de tudo, então eu escrevi esta obra como uma espécie de desafio para mim mesmo. Será que eu ainda conseguiria escrever algo tonal, respeitando todas as regras do período barroco? Pois bem, eis o resultado.

Umas das questões que me ocorreram enquanto eu escrevia esta obra foi sobre liberdade de escrita. Eu tentei escrever algo que fosse “histórico”, mas ao mesmo tempo eu tentei ao máximo me expressar neste idioma. Só que acontece que nós já não temos o direito de “quebrar regras”, como Bach fazia. Quando você ouve uma obra como a minha fuga favorita, aquela em si menor do primeiro livro do cravo, você tem um tema quase dodecafônico, e isto deve ter sido um choque na sua época (ainda hoje muita gente não gosta desta fuga, fazer o quê?). Só que seria incoerente se eu me propusesse escrever algo barroco, e então saísse quebrando as regras. Quebrando para aonde? Para atonalidade? Felizmente perdemos este direito, pois com isto ganhamos outros, mas é uma questão interessante que me apareceu. Então eu ousei mais na forma das composições, não no conteúdo tonal.

E sim, eu tenho muitas composições para postar no blog sim! Eu vou separar algumas delas, e vou escrever o texto e depois te mando. Quando você voltar de viagem, você me diz o que achou. E a maioria das composições que eu gostaria de incluir serão aquelas outras que eu te mandei, mas não sei se você já teve tempo para dar uma ouvida. Depois me diga o que você achou, eu estou bem curioso com suas opiniões (mas sem pressão para ouvir logo). E esta suite será inclusa sim, pódexá!

Sobre Praga, eu estou muitíssimo feliz com a minha vida musical. Eu estou me sentindo bem seguro e produzindo muito, o que é ótimo.

(…)

Um grande abraço, meu caro!
Gilberto Agostinho

Ou seja… Ou seja.. A obra é dedicada a mim, como aliás estava escrito na partitura e eu, boca-aberta, não tinha visto.

Eu realmente não sei como agradecer. Estou explodindo de tão orgulhoso e feliz. Muito obrigado, Gilberto.

~o~

Hoje viajamos em visita ao Dr. Cláudio Costa! Passaremos 4 dias em sua companhia e de sua mulher Amélia. Já estiveram aqui em casa e foi indiscutivelmente maravilhoso, ao menos para nós. Ele ligou várias vezes convidando e já viram, vou ter que fazer meu tratamento psiquiátrico nas cidades históricas de Minas em meio àquela baita gastronomia. (suspiro) Volto terça-feira durante o dia. Mais um motivo para comemorar. Mas nem tudo pode ser perfeito, senão não seria a vida.

~o~

Mônica Leal me processou. Já retirei o post causador da pendenga, se o deixasse teria de pagar um salário mínimo por dia… Não entendo, mas, enfim, é a nossa justiça. Ela insiste numa indenização. Se soubesse de minhas posses e de minha conta bancária, não perderia tempo. Acho que se esqueceu de averiguar. Ela deveria ser incentivada a fazer uma devassa em minha vida. E a vida segue.

~o~

E segue com Celso Roth, que recebeu um timaço e insiste em jogar retrancado dentro de seu esquema chama-derrota. O Mazembe não serviu de lição; acho que a diretoria espera algo mais grave como um enorme fiasco da Libertadores 2011 e um grupo de jogadores descontentes. Deram um carro de Fórmula 1 para um motorista de taxi.

A e(in)volução de Celso Roth

Texto de Marcos Marino sobre o inesquecível Veranópolis 2 x 1 Inter (um pouco editado por mim, que assino as opiniões do Marcos)

A tendência natural das pessoas é evoluir; Celso Roth é a exceção que confirma a regra.

Desde 1998, Roth apresenta dificuldades em lidar com jovens jogadores, quando no Grêmio colocava o Ronaldinho Gaúcho na reserva do Itaqui, depois com o Chiquinho em 2002 no Inter, ano passado com o Damião e agora com o Alex. Porque não o escalá-lo no lugar do Andrezinho ontem?

Enquanto isso, Wilson Mathias continua no time ser tem aptidão nenhuma para tanto. Ontem os dois gols saíram de arremates da posição onde deveria estar o volante. Talvez o Roth seja daquela teoria que não dá para colocar o jovem direto no time titular. O que eu discordo, não é dá para colocar jogador ruim no time titular.

O Juliano do Inter B, por pior que seja, estaria jogando no mínimo o mesmo que o Wilson Mathias, mas estaria ganhando experiência jogando ao lado de Índio, Tinga, D`Alessandro, Kleber, Guiñazú, para quem sabe no futuro sem um titular incontestável.

As substituições realizadas durante a partida novamente confirmam que Celso Roth não evolui, onde se viu trocar Tinga por Glaydson, qual seriam as pretensões do nosso treinador com isto? Defender-se melhor num momento que o Inter amassava o Veranópolis?

Portanto, o Roth continua sem saber lidar com jovens jogadores, sem saber substituir direito e montar estratégias.

A minha esperança é que faltam ficar a disposição do treinador Rodrigo, Bolívar, Bolatti, Zé Roberto, Sóbis e Cavenaghi.

Na verdade, parece haver uma técnica de Celso Roth para ficar rico.

Ele briga com todos, logo os resultados de campo não vêm, ele é demitido, recebe uma polpuda rescisão e daqui há dois ou três meses é contratado por outro time. Funciona.

Ufa!

Enfim, a rodada perfeita. Estamos livres de ver o Grêmio campeão brasileiro. Apoiado no excelente trabalho de um técnico que é detestado pelos torcedores e envergonha a diretoria do clube — tanto que os dois candidatos à presidência evitaram o menor elogio ao técnico antes das eleições –, o Grêmio foi muito além do esperado pelo razoável. Teve resultados que só podem ser atribuídos ao Sobrenatural de Almeida: 2 x 1 no Botafogo, 1 x 0 no Santos, 1 x 0 no São Paulo, 1 x 0 no Ipatinga, 1 x 0 no Sport, 1 x 0 no Palmeiras e 2 x 0 no Coritiba. Foram 14 pontos ganhos com gols casuais. Todas estas vitórias, foram conseguidas através de gols contra, um gol em completo impedimento e muitas bolas que batiam em zagueiros, enganando os goleiros.

Claro que tudo isto é normal — até os erros de arbitragem são normais –, não houve corrupção nem roubo e não é proibido ter sorte, só que ela estava beneficiando sempre o mesmo time. Imaginem se o time fosse bom! Ontem, o Grêmio mereceu fazer o primeiro gol, mas é óbvio que ele só aconteceu quando um zagueiro do Vitória desviou a bola de seu goleiro. Quase enlouqueci. Para ficar maluco de vez, botei o Like Evil do Miles Davis a toda altura e ainda vi o Vitória perder dois gols incríveis e bem construídos no final do primeiro tempo. Desliguei o som e fui comprar um remédio na farmácia. Levei o rádio e ouvi o comentarista Wianey Carlet, o mais imbecil do Brasil, dizer que a vitória era merecida e que o Grêmio estava “encaminhando um importante triunfo”. Acho que ele não viu o final do primeiro tempo, algo muito promissor que só poderia ser impedido por quantidades colossais de sorte.

Ainda estava na rua quando o Vitória manteve a tendência do final do tempo inicial e, em 3 minutos, o jogo já estava empatado e logo depois já estava 4 x 1. Ufa!

Mas a rodada também teve uma vitória do maior adversário do tricolor gaúcho, o tricolor paulista e, para deixar tudo mais colorido, houve um raríssimo erro de arbitragem, pois foi contra o Flamengo, instituição sempre aquinhoada pelos homens de preto sempre temerosos de críticas. Parabéns a Carlos Simon, que nos deu a alegria de ver ontem à noite a inédita película “Eu, C. R. F., 113 Anos, Roubada, Drogada e Prostituída”.

A curta primavera da tartaruga

Na semana passada, circulou em Porto Alegre uma engraçada metáfora. Talvez ela tenha surgido em hostes coloradas, mas contou com o apoio gremista. Dizia-se que o Grêmio era uma tartaruga em cima de um poste: ninguém sabia como tinha subido até lá, mas sabia-se que cairia… Ouvi a piada ser contada por muita gente, colorados e gremistas. Parecia haver um consenso sobre a queda da tartaruga. E ontem ela caiu feio.

Foi 4 x 1 ao natural, com direito a gol antes dos cinco minutos de jogo e placar construído no primeiro tempo. Tite entrou em campo com aquela escalação cautelosa de três volantes. Estranhamente, este tipo de escalação parece favorecer a liberdade dos meias de ligação adversários. Vejam o golaço de Tcheco! Ele atravessou o campo, fazendo o mais belo gol do jogo, tendo enfrentado em sua arrancada apenas um jogador: Guiñazu. Aliás, Tcheco parecia ser o único com algum élan e categoria no time do Olímpico. O resto era um amontoado de equívocos: Pereira e Perea entraram em campo lesionados, o primeiro foi substituído a dez minutos e o outro no intervalo; Marcel e Perea formavam um ataque de asma; a saída de bola pelo lado direito com os péssimos Paulo Sérgio e Léo não funcionou, claro; e Celso Roth, após a expulsão de Tcheco e perdendo o jogo de 4 x 1, optou por preservar seu emprego abdicando de atacar. Uma tragédia. Uma tragédia maravilhosa para nós.

Enquanto isso, víamos D`Alessandro, Guiñazu e Alex triturarem o meio de campo defensivo do Grêmio. Foram inúmeras as oportunidades em que esses três e mais Nilmar chegaram tabelando aos três zagueiros de Roth. A atuação de D`Alessandro foi tudo e mais do que desejaríamos. Seu chute no primeiro gol foi espetacular e… Bem, foi um chocolate lindo de se ver.

Com efeito, a tartaruga caiu e o vento que a empurrou nem precisou ser muito forte.

Há oito rodadas, estávamos 18 pontos atrás do Grêmio; hoje, a diferença é de oito. OK, o Grêmio encarou a realidade, mas é indiscutível que estamos jogando mais.