Boas frases que li após o jogo de ontem, Avaí 0 x 2 Inter

Boas frases que li após o jogo de ontem, Avaí 0 x 2 Inter

Dimitri Barcellos tem razão:

Vocês vão ficar esperando o Sarrafiore armador, camisa 10, substituto do D’Alessandro, até morrer. É um finalizador nato. Jogador pra trabalhar no terço final de campo.

MAFS também tem razão.

Ontem escutei a coletiva do nosso interino (Ricardo Cobalchini). Até pode conhecer futebol, mas não tem condições de permanecer no cargo. Muito cru, inexperiente, na primeira derrota será massacrado na coletiva. Independente do treinador de 2020, precisamos de um treinador até o final do ano. Lisca já devia ter sido contratado.

Douglas Ceconello escreveu:

O Sport Club Internacional foi fundado com o objetivo de enlouquecer as pessoas.

O Anti Influencer disse, com toda a razão:

Se o Inter efetivar a compra do Parede, com essa bola cagada que joga, é motivo pra denúncia no MP e investigação do Conselho. Tem coisa estranha, tem que investigar familiares, empresários e amigos. 4 milhões pelo Parede? Estão de brincadeira. Os adoradores do Parede odeiam o Sarrafiore.

Alexandre Perin calculou:

Parede tem 1700 minutos. 3 gols. Sarrafiore tem 1000 minutos. 6 gols.

O Anti Influencer volta a dar porrada:

Sarrafiore é SEGUNDO ATACANTE. Tem que jogar mais a frente, ao lado do CENTROAVANTE. Qualquer outra função dentro de campo é PODAR as melhores características do Sarrafiore.

E o Perin fecha com raro brilho:

— Não temos ninguém na base.

— O insira_um_nome_de_time_aqui usa a base porque tem jogador bom, o Inter não.

— Time encaixado como Grêmio tu coloca jogador da base, no Inter não dá.

–Torcida do Inter queima jogador da base.

Um dia vocês talvez entendam que jogador da base ruim não se cria, jogador da base bom se cria, independente do contexto. Tem jogador da base que subiu no time campeão mundial e afundou. Tem jogador da base que surgiu no time quase rebaixado de 2002 e virou ídolo no clube.

Com vocês, Heitor e Bruno Fuchs.

Heitor e Bruno Fuchs são ninguém da base

Amigos

Nossa auxiliar resolveu faltar ontem. Lavei toda a louça, mas a mesa ficou como quando o Marcelo Backes esteve aqui. Foi uma noite de anormal perfeição, daquelas que a gente efetivamente lamenta quando acaba e que depois se agradece a presença através de e-mails um pouco acima dos tons protocolares. Conheço o Backes há mais de dez anos e temos encontros aproximadamente anuais — ele morou muito tempo na Alemanha e agora reside no Rio com a Nina (Saroldi). Então, quase sempre nos encontramos ou por causa da Feira do Livro de Porto Alegre ou em sua passagem para o interior missioneiro de seus pais.

(No RS, quando se vai ao interior, diz-se que se vai “para fora”, o que é mais paradoxal do que o Les Luthiers cantando La Chacarera del ácido lisérgico — también llamada Conozca el interior, tradicional alucinógeno opus 24, de Johann Sebastian Mastropiero).

Em nossos últimos encontros, recebemos consideráveis reforços backianos como o da irmã Ângela e de seu marido Chico, que também conheço faz anos e do qual desconheço o sobrenome. A Ângela revela-se muito, mas muito engraçada. Eu e a Claudia não conhecíamos a Nina que — à parte a surpresa de que um alemãozinho de Paca Norte conquiste carioquice de tamanha beleza — é encantadora. E, nossa, a Claudia matou a pau na cozinha, mas a isso eu e a balança já nos acostumados. Marcelo, nós também passamos o dia de ontem falando a respeito do muito mais que agradável encontro com vocês e, como te falei, eu, a Claudia e o Bernardo ficamos depois sentados na sala, dizendo um para o outro que vocês DEVIAM ter ficado mais. Sim, repetiremos.

No dia seguinte, ontem, havia várias festas coloradas. Havia uma para 50 mil pessoas mais Ivete Sangalo, Fafá de Belém e sei lá mais quem no Beira-Rio, só que a mais importante ocorria na Fnac do Barra Shopping. O Felipe Prestes lançava a revista Invicto 79 – O primeiro, o único, comemorativa aos 30 anos do Campeão Invicto Brasileiro. A publicação é belíssima e está sendo vendida no site do Inter. É uma grande reportagem empreendida pelo Prestes e pelo Luís Eduardo Gomes. Para se guardar e, pra variar, Douglas Ceconello rouba a cena na página 40 ao contar a história do Seu Lauro, garçom da Churrascaria Saci, localizada no Beira-Rio desde a inauguração do estádio em 1969 até o ano de 1980. O detalhe é que o Seu Lauro é pai do Douglas, que tinha quase dois meses quando o Inter foi campeão invicto e que tentava anotar aquelas preciosas informações em sua mente ainda atabalhoada de bebê, certamente tão atento quanto um zagueiro em cobrança de escanteio. Ainda atabalhoada, Douglas? Quer dizer que desde então o tumulto cessou? Curioso.

E hoje à noite tem mais. Francisco Marshall convidou a mim, à Claudia e a um alter ego para este concerto. A julgar pela qualidade dos anteriores que vimos no StudioClio, será mais uma noite gloriosa.

E, nossa, Alma Welt segue bombando.