Enquanto o Inter gasta, o Grêmio imita Sartori

Enquanto o Inter gasta, o Grêmio imita Sartori

distintivo-grenalO Grêmio vai cumprindo o que prometeu ao final de 2014. Sem dinheiro, examina jogadores na base e apenas contratará sem custos. Luiz Felipe, dando uma de manager do clube, já antecipara que o ano seria dureza. A estratégia é boa para um clube meio sem grana: avalia o que tem em casa durante o Gauchão — que não vale nada — e contrata depois, apenas para aquelas posições em que o futebol do campo indicar carências reais. O torcedor vai ter de apelar para a paciência e caldo de galinha.

O time perdeu Pará, Bressan, Riveros, Zé Roberto e Dudu, gente que jogou bastante em 2014. Chegou do Bahia o desconhecido Gallardo, emprestado por um ano.

Não sei o Inter tem dinheiro ou se é louco mesmo. Sei que há uma Libertadores e a pressa para acertar o time é maior do que a do Grêmio. O time dispensou dispensáveis como Gilberto e Wellington Silva e não deixou sair ninguém de peso. Hoje, Jorge Henrique foi colocado no mercado após fazer festa durante a pré-temporada. (O cara não sabe que tem sempre gente com câmeras na mão para qualquer eventualidade?)

Para o lugar de Abel, veio o uruguaio Diego Aguirre, o que não deixa de ser uma aposta, considerando-se o péssimo histórico de treinadores estrangeiros em nosso país. Abel vinha de mal a pior e só chegou a Libertadores em repetidas golfadas de sorte. Foi trazido um lateral-direito também desconhecido, Léo, além do volante Nilton e do zagueiro Réver. A direção acena com a jovem estrela De Arrascaeta e Vitinho, outro jovem que surgiu no Botafogo e sumiu nas estepes russas.

São duas posturas totalmente diferentes, indo em direções diversas em 180º. Mas ambas são muito perigosas. Já ouvi torcedores do Grêmio se exclamarem irritados com a lista de jogadores que subiu para a pré em Gramado e colorados achando que vão ver o Real Madrid deslizando no no Beira-Rio.

Observemos.

Bom dia, Abel Braga / Os gols de ontem / As estatísticas atualizadas do clássico Gre-Nal

Bom dia, Abel Braga / Os gols de ontem / As estatísticas atualizadas do clássico Gre-Nal
Abel feliz da vida
Abel feliz da vida | Foto: Marcelo Campos / Divulgação

Ah, o Fernandão morreu,
o Fernandão morreu,
o Fernandão morreu-eu

Da torcida Grêmio no Gre-Nal de ontem

Só por isso já mereciam ter perdido, não? Mas é uma postura que ultrapasse a truculência das organizadas. Ainda na noite de ontem, li vários gremistas pedindo desculpas pelo comportamento de sua torcida.

Me envergonho desses imbecis que estavam lá envergonhando o meu time em mais uma derrota,

disse um deles para mim. Igor Natusch, outro baita gremista meu amigo, escreveu:

Quanto maior a carência de títulos, mais essas criaturas vão tomando conta da torcida gremista. Pobres de espírito, toscos mergulhados na babaquice, gente que vê futebol com rancor. Quero distância desse pessoal, não quero isso aí para a minha vida. Futebol, mesmo na derrota, é prazer, não infâmia. Lamento pelo insulto escroto dessas pessoas e espero que encontrem algum tipo de grandeza pessoal no futuro, se bem que acho difícil.

OK, vamos adiante. Efetivamente, não é uma postura geral. A reação da torcida do Inter foi de aplaudir a imbecilidade. Pois, há ofensas que dizem mais do ofensor do que do ofendido. Foi a resposta mais perfeita para aquele momento.

Falemos do jogo.

Abel, somos obrigados a reconhecer que o Grêmio de Felipão foi bem diferente do de Enderson Moreira. Este marca, não tem a indulgência daquele. O primeiro tempo só acabou em 0 x 0 porque Dudu perdeu um gol feitíssimo. No início do segundo tempo, a coisa piorou para nós. O Grêmio começava a dominar o jogo com base nas excelentes atuações de, num primeiro nível, Felipe Bastos, secundado pelo jovem Walace e por Giuliano. Mas aí ocorreu o que tem sido nossa doce rotina.

Gosto dos jogadores decisivos. Você pode empilhar dez Rodriguinhos no seu time que eles não farão um D`Alessandro. Exagero? Claro que sim, os gregos criaram a figura da hipérbole para intensificar um fato até o inconcebível e os lógicos adoram hipérboles. Por isso, digo que 61 Baideks não fariam o que um Renato fez em Tóquio, por exemplo. Como eu dizia, o Grêmio se esforçava e dominava o jogo, só que, quando menos esperava… Alex driblou meio-mundo, abriu para Fabrício que, livre, cruzou para Aránguiz abrir o marcador. Ter melhores jogadores é uma arma óbvia e decisiva.

O que veio depois foi uma enorme perturbação tricolor e uma festa colorada. É muito chato jogar no limite, com a atenção máxima, e tomar na cabeça. Para piorar, a qualidade do Inter, antes de(re)primida, passou por momentos de euforia com D`Alessandro e Aránguiz no comando. O segundo gol saiu ao natural e, se houvesse mais tempo, chegaríamos aos 7 x 1, tenho certeza. Além dos jogadores citados do Inter, Juan esteve em dia de gênio.

Ah, Abel, pelamordedeus, acho que está na hora de efetivar Cláudio Winck na lateral. Ele é muito melhor do que a concorrência e ainda faz gols. Chega de nabas. Wellington Silva deve ficar ao lado de Alan Patrick, no banco.

http://youtu.be/dPIZW7OldPE

Cláudio Winck em chamas após o segundo gol
Cláudio Winck em chamas após o segundo gol

.oOo.

HISTÓRICO GERAL DO CLÁSSICO GRE-NAL (après Carta na Manga):
402 jogos
125 vitórias do Grêmio
152 vitórias do Internacional
125 empates
529 gols do Grêmio
574 gols do Internacional

JOGOS OFICIAIS
322 jogos
102 vitórias do Grêmio
118 vitórias do Internacional
102 empates
412 gols do Grêmio
424 gols do Internacional

AMISTOSOS E TORNEIOS NÃO OFICIAIS
80 jogos
23 vitórias do Grêmio
34 vitórias do Internacional
23 empates
117 gols do Grêmio
150 gols do Internacional

POR COMPETIÇÃO
Seletiva da Libertadores: 2 jogos; 2 empates; 2 gols do Grêmio; 2 gols do Inter
Copa Sul-Americana: 4 jogos; 1 vitória do Grêmio; 1 vitória do Inter; 2 empates; 5 gols do Grêmio; 6 gols do Inter
Campeonato Brasileiro: 49 jogos; 19 vitórias do Grêmio; 17 vitórias do Inter; 13 empates; 46 gols do Grêmio; 48 gols do Inter
Copa do Brasil: 2 jogos; 2 empates; 2 gols do Grêmio; 2 gols do Inter
Robertão: 6 jogos; 4 vitórias do Inter; 2 empates; 1 gol do Grêmio; 4 gols do Inter
Copa Sul/Sul-Minas: 3 jogos; 1 vitória do Inter; 2 empates; 2 gols do Grêmio; 4 gols do Inter
Gauchão: 155 jogos; 45 vitórias do Grêmio; 53 vitórias do Inter; 57 empates; 163 gols do Grêmio; 160 gols do Inter
Citadino: 105 jogos; 37 vitórias do Grêmio; 44 vitórias do Inter; 20 empates; 191 gols do Grêmio; 198 gols do Inter

POR ESTÁDIO
Olímpico: 123 jogos; 41 vitórias do Grêmio; 34 vitórias do Inter; 48 empates; 152 gols do Grêmio; 132 gols do Inter
Beira-Rio: 110 jogos; 27 vitórias do Grêmio; 43 vitórias do Inter; 40 empates; 91 gols do Grêmio; 110 gols do Inter
Eucaliptos: 54 jogos; 22 vitórias do Grêmio; 24 vitórias do Inter; 8 empates; 84 gols do Grêmio; 98 gols do Inter
Baixada: 47 jogos; 23 vitórias do Grêmio; 15 vitórias do Inter; 9 empates; 100 gols do Grêmio; 92 gols do Inter
Chácara dos Eucaliptos: 12 jogos; 6 vitórias do Grêmio; 6 vitórias do Inter; 24 gols do Grêmio; 27 gols do Inter
Arena do Grêmio: 3 jogos; 1 vitória do Inter; 2 empates; 3 gols do Grêmio; 4 gols do Inter

POR DÉCADA
1909: 1 jogo; 1 vitória do Grêmio; 10 gols do Grêmio
1910-19: 12 jogos; 7 vitórias do Grêmio; 5 vitórias do Inter; 36 gols do Grêmio; 25 gols do Inter
1920-29: 18 jogos; 11 vitórias do Grêmio; 4 vitórias do Inter; 3 empates; 45 gols do Grêmio; 34 gols do Inter
1930-39: 30 jogos; 14 vitórias do Grêmio; 10 vitórias do Inter; 6 empates; 60 gols do Grêmio; 59 gols do Inter
1940-49: 49 jogos; 7 vitórias do Grêmio; 32 vitórias do Inter; 10 empates; 73 gols do Grêmio; 138 gols do Inter
1950-59: 40 jogos; 11 vitórias do Grêmio; 16 vitórias do Inter; 13 empates; 47 gols do Grêmio; 69 gols do Inter
1960-69: 42 jogos; 16 vitórias do Grêmio; 13 vitórias do Inter; 13 empates; 52 gols do Grêmio; 34 gols do Inter
1970-79: 59 jogos; 12 vitórias do Grêmio; 24 vitórias do Inter; 23 empates; 52 gols do Grêmio; 56 gols do Inter
1980-89: 50 jogos; 16 vitórias do Grêmio; 13 vitórias do Inter; 21 empates; 54 gols do Grêmio; 51 gols do Inter
1990-99: 43 jogos; 14 vitórias do Grêmio; 12 vitórias do Inter; 7 empates; 39 gols do Grêmio; 37 gols do Inter
2000-09: 34 jogos; 10 vitórias do Grêmio; 13 vitórias do Inter; 11 empates; 33 gols do Grêmio; 39 gols do Inter
2010-14: 24 jogos; 6 vitórias do Grêmio; 10 vitórias do Inter; 8 empates; 28 gols do Grêmio; 34 gols do Inter

O Mário Marcos tem razão: a Seleção perdeu até a capacidade de decepcionar

É normal o Mário Marcos de Souza ter razão. No último sábado, ele novamente produziu uma manchete cuja clareza e verdade são absolutas. O tema era a Seleção Brasileira: “A Seleção que perdeu até a capacidade de decepcionar”. Ele cita vários problemas pontuais da seleção brasileira. Eu gostaria de me afastar um pouco deles e observar o fenômeno de uma forma mais geral. E há vários pontos a considerar.

Creio que grande parte do desencanto das pessoas com a seleção nasce no absoluto anacronismo de uma instituição que é administrada da mesma forma com que era durante a ditadura. Pior: hoje, a CBF presidida por um dos mais destacados membros da ex-Arena, o moralmente discutível José Maria Marin. Imaginem que, no dia 1.º de abril, a CBF receberá uma petição que cobra a saída de José Maria Marin da presidência da entidade em razão causa de seu envolvimento com a ditadura militar.

Ontem, a petição online ultrapassou a marca de 50 mil assinaturas de apoio. O organizador da petição, Ivo Herzog, é presidente do Instituto Vladimir Herzog e filho do jornalista assassinado em 1975, quando se encontrava detido nas dependências do Departamento de Operações e Informações (DOI), controlado pelo Exército, em São Paulo. Marin discursou várias vezes contra Herzog e sua atuação na TV Cultura de São Paulo.

Mas você me dirá que os clubes também são administrados como eram na ditadura e que sua sedução não diminuiu. Então, eu contraponho o fato de que há outros desencantos: o povo brasileiro nunca foi muito ufanista e, agora, com os jogadores atuando em sua maioria fora do país, quebrou-se o elo entre eles e a seleção.

Nos últimos anos, a população brasileira apenas se preocupa com os rumos do time brasileiro durante as Copas do Mundo. Fora delas, o que ela vê é um time formado por jogadores cujas biografias não são acompanhadas por aqui. Não são mais ídolos nacionais. Ninguém está morrendo de preocupação com as lesões de Kaká no Real Madrid ou se Hernanes é ou não o dono da Lazio. Pior: estes jogadores têm visivelmente uma preocupação periférica pela Seleção e isto fica claro em cada entrevista. E, não havendo tesão do lado deles, a gente brocha por aqui.

De minha parte, posso acrescentar que o fato da Rede Globo ser a principal divulgadora da Seleção faz com que meu interesse nela passe a ser quase negativo, ainda mais  quando há amistosos como o de hoje. Hoje, possivelmente, a Seleção, no jogo contra a Rússia, em Londres, nos chegará companhada da voz de Galvão Bueno. A voz de Galvão é-me nauseante. Deve ser o mesmo para muita gente. Pior: a Seleção joga normalmente fora do país, durante a semana e à tarde, quando estamos trabalhando. Poucos a veem e só prestamos atenção vagamente aos gols e ao resultado e olhe lá. Ou seja, ela não decepciona e nem entusiasmaria a ninguém, pois é pouco vista

É claro que, em 2014, seremos engolfados pela Copa e estaremos na maior expectativa. Estabeleceremos com a Seleção aquela relação paradoxal que temos com nossos atletas olímpicos. Ou seja, após passar quatro anos nos lixando para eles, faremos a cobrança por vitória como se o time de Felipão carregasse uma procuração nossa. Aí, talvez outro jogador faça o mesmo que fez o lateral Rafael na decisão das Olimpíadas de 2012: vaiado e perdendo o jogo por 2 x 0 para o México — após ter sido o responsável direto pelo primeiro gol mexicano –, o lateral do Manchester United, deu um toque de letra no melhor estilo tô-nem-aí.