Porque hoje é sábado, Lucy Pinder

Este post é originalmente de 21 de julho de 2012, da semana em que Fernandão (1978-2014) assumiu como treinador no Internacional.

O, Captain! My Captain!

Em primeiro lugar, parabéns pela nomeação.

Era necessária mesmo uma limpeza no vestiário.

Uma forma mais grandiosa de ver as coisas,

mirando novos objetivos,

um novo perfil de equipe.

Porém, meu capitão, começaste muito mal:

Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Abel Braga / Os gols de ontem / As estatísticas atualizadas do clássico Gre-Nal

Abel feliz da vida

Abel feliz da vida | Foto: Marcelo Campos / Divulgação

Ah, o Fernandão morreu,
o Fernandão morreu,
o Fernandão morreu-eu

Da torcida Grêmio no Gre-Nal de ontem

Só por isso já mereciam ter perdido, não? Mas é uma postura que ultrapasse a truculência das organizadas. Ainda na noite de ontem, li vários gremistas pedindo desculpas pelo comportamento de sua torcida.

Me envergonho desses imbecis que estavam lá envergonhando o meu time em mais uma derrota,

disse um deles para mim. Igor Natusch, outro baita gremista meu amigo, escreveu:

Quanto maior a carência de títulos, mais essas criaturas vão tomando conta da torcida gremista. Pobres de espírito, toscos mergulhados na babaquice, gente que vê futebol com rancor. Quero distância desse pessoal, não quero isso aí para a minha vida. Futebol, mesmo na derrota, é prazer, não infâmia. Lamento pelo insulto escroto dessas pessoas e espero que encontrem algum tipo de grandeza pessoal no futuro, se bem que acho difícil.

OK, vamos adiante. Efetivamente, não é uma postura geral. A reação da torcida do Inter foi de aplaudir a imbecilidade. Pois, há ofensas que dizem mais do ofensor do que do ofendido. Foi a resposta mais perfeita para aquele momento.

Falemos do jogo.

Abel, somos obrigados a reconhecer que o Grêmio de Felipão foi bem diferente do de Enderson Moreira. Este marca, não tem a indulgência daquele. O primeiro tempo só acabou em 0 x 0 porque Dudu perdeu um gol feitíssimo. No início do segundo tempo, a coisa piorou para nós. O Grêmio começava a dominar o jogo com base nas excelentes atuações de, num primeiro nível, Felipe Bastos, secundado pelo jovem Walace e por Giuliano. Mas aí ocorreu o que tem sido nossa doce rotina.

Gosto dos jogadores decisivos. Você pode empilhar dez Rodriguinhos no seu time que eles não farão um D`Alessandro. Exagero? Claro que sim, os gregos criaram a figura da hipérbole para intensificar um fato até o inconcebível e os lógicos adoram hipérboles. Por isso, digo que 61 Baideks não fariam o que um Renato fez em Tóquio, por exemplo. Como eu dizia, o Grêmio se esforçava e dominava o jogo, só que, quando menos esperava… Alex driblou meio-mundo, abriu para Fabrício que, livre, cruzou para Aránguiz abrir o marcador. Ter melhores jogadores é uma arma óbvia e decisiva.

O que veio depois foi uma enorme perturbação tricolor e uma festa colorada. É muito chato jogar no limite, com a atenção máxima, e tomar na cabeça. Para piorar, a qualidade do Inter, antes de(re)primida, passou por momentos de euforia com D`Alessandro e Aránguiz no comando. O segundo gol saiu ao natural e, se houvesse mais tempo, chegaríamos aos 7 x 1, tenho certeza. Além dos jogadores citados do Inter, Juan esteve em dia de gênio.

Ah, Abel, pelamordedeus, acho que está na hora de efetivar Cláudio Winck na lateral. Ele é muito melhor do que a concorrência e ainda faz gols. Chega de nabas. Wellington Silva deve ficar ao lado de Alan Patrick, no banco.

Cláudio Winck em chamas após o segundo gol

Cláudio Winck em chamas após o segundo gol

.oOo.

HISTÓRICO GERAL DO CLÁSSICO GRE-NAL (après Carta na Manga):
402 jogos
125 vitórias do Grêmio
152 vitórias do Internacional
125 empates
529 gols do Grêmio
574 gols do Internacional

JOGOS OFICIAIS
322 jogos
102 vitórias do Grêmio
118 vitórias do Internacional
102 empates
412 gols do Grêmio
424 gols do Internacional

AMISTOSOS E TORNEIOS NÃO OFICIAIS
80 jogos
23 vitórias do Grêmio
34 vitórias do Internacional
23 empates
117 gols do Grêmio
150 gols do Internacional

POR COMPETIÇÃO
Seletiva da Libertadores: 2 jogos; 2 empates; 2 gols do Grêmio; 2 gols do Inter
Copa Sul-Americana: 4 jogos; 1 vitória do Grêmio; 1 vitória do Inter; 2 empates; 5 gols do Grêmio; 6 gols do Inter
Campeonato Brasileiro: 49 jogos; 19 vitórias do Grêmio; 17 vitórias do Inter; 13 empates; 46 gols do Grêmio; 48 gols do Inter
Copa do Brasil: 2 jogos; 2 empates; 2 gols do Grêmio; 2 gols do Inter
Robertão: 6 jogos; 4 vitórias do Inter; 2 empates; 1 gol do Grêmio; 4 gols do Inter
Copa Sul/Sul-Minas: 3 jogos; 1 vitória do Inter; 2 empates; 2 gols do Grêmio; 4 gols do Inter
Gauchão: 155 jogos; 45 vitórias do Grêmio; 53 vitórias do Inter; 57 empates; 163 gols do Grêmio; 160 gols do Inter
Citadino: 105 jogos; 37 vitórias do Grêmio; 44 vitórias do Inter; 20 empates; 191 gols do Grêmio; 198 gols do Inter

POR ESTÁDIO
Olímpico: 123 jogos; 41 vitórias do Grêmio; 34 vitórias do Inter; 48 empates; 152 gols do Grêmio; 132 gols do Inter
Beira-Rio: 110 jogos; 27 vitórias do Grêmio; 43 vitórias do Inter; 40 empates; 91 gols do Grêmio; 110 gols do Inter
Eucaliptos: 54 jogos; 22 vitórias do Grêmio; 24 vitórias do Inter; 8 empates; 84 gols do Grêmio; 98 gols do Inter
Baixada: 47 jogos; 23 vitórias do Grêmio; 15 vitórias do Inter; 9 empates; 100 gols do Grêmio; 92 gols do Inter
Chácara dos Eucaliptos: 12 jogos; 6 vitórias do Grêmio; 6 vitórias do Inter; 24 gols do Grêmio; 27 gols do Inter
Arena do Grêmio: 3 jogos; 1 vitória do Inter; 2 empates; 3 gols do Grêmio; 4 gols do Inter

POR DÉCADA
1909: 1 jogo; 1 vitória do Grêmio; 10 gols do Grêmio
1910-19: 12 jogos; 7 vitórias do Grêmio; 5 vitórias do Inter; 36 gols do Grêmio; 25 gols do Inter
1920-29: 18 jogos; 11 vitórias do Grêmio; 4 vitórias do Inter; 3 empates; 45 gols do Grêmio; 34 gols do Inter
1930-39: 30 jogos; 14 vitórias do Grêmio; 10 vitórias do Inter; 6 empates; 60 gols do Grêmio; 59 gols do Inter
1940-49: 49 jogos; 7 vitórias do Grêmio; 32 vitórias do Inter; 10 empates; 73 gols do Grêmio; 138 gols do Inter
1950-59: 40 jogos; 11 vitórias do Grêmio; 16 vitórias do Inter; 13 empates; 47 gols do Grêmio; 69 gols do Inter
1960-69: 42 jogos; 16 vitórias do Grêmio; 13 vitórias do Inter; 13 empates; 52 gols do Grêmio; 34 gols do Inter
1970-79: 59 jogos; 12 vitórias do Grêmio; 24 vitórias do Inter; 23 empates; 52 gols do Grêmio; 56 gols do Inter
1980-89: 50 jogos; 16 vitórias do Grêmio; 13 vitórias do Inter; 21 empates; 54 gols do Grêmio; 51 gols do Inter
1990-99: 43 jogos; 14 vitórias do Grêmio; 12 vitórias do Inter; 7 empates; 39 gols do Grêmio; 37 gols do Inter
2000-09: 34 jogos; 10 vitórias do Grêmio; 13 vitórias do Inter; 11 empates; 33 gols do Grêmio; 39 gols do Inter
2010-14: 24 jogos; 6 vitórias do Grêmio; 10 vitórias do Inter; 8 empates; 28 gols do Grêmio; 34 gols do Inter

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Latuff e a morte de Fernandão

Obrigado, amigo Latuff, por ter escolhido meu blog para veicular esta charge.

fernandao latuff

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Dunga é um técnico de futebol

Dunga, eu queria te sugerir uma coisinha…

Depois do amadorismo e da acomodação, representados por Falcão, Fernandão e Dorival Junior, Luigi acabou acertando. Acertou sem querer, pois Dunga era tudo que nosso presidente entendido em futebol não desejava. Luigi aspirava continuar no cargo de presidente-palpiteiro, mas o péssimo resultado nas eleições do Conselho fez-lhe dar alguns passos atrás. Ontem, nas entrevistas após a partida, notei certo BANZO e inveja em Luigi. Acho que nosso Giovanni Luigi Calvário está louco para mexer no time e não se enganem: se Dunga pestanejar, voa.

Mas tudo o que não tem feito é pestanejar. Dunga não apenas diz o que pretende como consegue demonstrá-lo depois. Queria saídas rápidas para o ataque, queria que a defesa parasse com os chutões, queria marcação, jogadas ensaiadas e controle da bola alta. Disse tudo isso e depois demonstrou em campo. Esta é uma rara qualidade. Afinal, identificar o problema, eu, o Falcão e monte de gente identifica. O complicado é ir ao campo e inventar treinamentos que deem ao time o que lhe falta. E aí está o trabalho de Dunga, técnico de futebol.

O campeonato é o gaúcho, competição fácil e crepuscular do futebol mundial, mas nós sabemos que, quando a coisa não está ajustada, aqui e ali alguns jogos são vencidos com dificuldades e dor. Às vezes também se empata ou perde. Porém o time de Dunga, apesar de ele se escabelar na casamata como se estivesse 0 x 5, já vai fazendo seus gols no primeiro tempo e vence os jogos sem nenhum estresse. E não toma gols mesmo relaxando um pouco no segundo tempo. Ou seja, faz o que deveria fazer com extrema naturalidade.

Juan acertou a defesa; com ele, Moledo adquiriu segurança e não estranhem se acabar morrendo abraçado com Felipão em 2014. Gabriel e Fabrício vão muito bem, obrigado. Nossos volantes têm apresentado mais argumentos do que cometido faltas; a prova disso está no número de cartões. Na armação estão Fred, que erra muitos passes mas se esforça como um louco, e D`Alessandro, o único que é afagado publicamente pelo técnico. Aí está mais qualidade de Dunga: a de ter identificado o argentino como um caráter mimado, que deve ser elogiado até quando erra. Se D`Alessandro precisa ser amado, então amemo-lo! D`Alessandro, tu és o melhor armador que vi jogar desde Maradona…

No ataque, Forlán só me apaixona quando chuta, mas bastou Rafael Moura recuperar-se de sua cirurgia e fazer três gols num jogo-treino para Damião acordar. Se D`Alessandro precisa de carinho oral, Damião precisa de alguém que lhe chegue por trás, tipo avalanche. Acho compreensível que ele passe a jogar melhor; afinal, o apelido do cara é HE-Man. E tudo isso só possível porque, durante a semana, Dunga treina seus jogadores de forma consistente, bem diferente daquele Dorival que ficava à beira do gramado, treinando a diretoria que o amava.

Ah, junto a Dunga há o preparador físico Paulo Paixão, um sujeito que costuma fazer seus times voarem em campo. Então, não obstante Luigi, nosso vestiário é profissional.

Luigi, deixe os caras trabalharem, por favor. Preocupe-se com o Beira-Rio, com a contabilidade, faça um curso de dicção, mas fique longe do vestiário!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Inter: está na hora de pensar nas eleições e EM MAIS NADA

Quem vê o Inter jogar, constata: é um time com cara de fim de festa. Espero que os sócios expandam esta noção nas eleições ao final do ano. O grupo dirigente que está lá desde 2002 deve ser retirado, também ele está bêbado e cansado, é a hora de chamar um táxi para levá-los. Foram cinco exitosos anos de Fernando Carvalho, quatro nem tanto com Vittorio Píffero e dois lastimáveis com Giovanni Luigi. Antes da eleição de Luigi, houve uma cisão no grupo, mas o determinante do fracasso de Luigi não foram as questões políticas e sim sua inaptidão para o cargo.

Luigi só ganhou Gauchões. Deveria saber que o Inter não é Prenda.

Luigi tem qualidades. É um homem educado, faz as coisas com cuidado e não é um voraz vendedor de jogadores. Aliás, neste último item chega a ter uma postura amadora, o que é saudável numa instituição onde o objetivo final é o de jogar futebol. Porém, suas qualidades cessam aí. Ele não foi capaz de montar uma comissão técnica competente e estável e subjugou-se aos muxoxos das divas campeãs, mas envelhecidas. A saída de Fábio Mahseredjian da comissão técnica do Inter foi uma tragédia. Tínhamos um dos melhores preparadores físicos do país e o perdemos em razão de que o técnico Dorival Júnior vinha acompanhado de sua equipe e desta Mahseredjian não podia fazer parte. Isso é um disparate absoluto. Fábio foi para o Corinthians e o que fez lá a gente sabe.

Luciano Davi: administração tortuosa do futebol do clube

A entrada de Luciano Davi como diretor de futebol foi outro fato incompreensível. Trata-se de um menino dubitativo e oscilante. Por exemplo, ele anunciou a naturalização de Guiñazú para que Dátolo pudesse jogar e depois, para pasmo geral, disse que aquilo não era mais prioridade (?). Além disso, costuma emitir um rosário de opiniões tolas e avaliza decisões que se comprovaram erradas minutos atrás — o que foi esta justificativa para Dátolo não ter ido à BH para jogar contra o Cruzeiro?, o que foi esta decisão de preservar D`Alessandro? Ele, Luciano, veio em substituição à Luís Anápio Gomes, conhecido pelo jogadores como Bananápio, o que pode ser uma avaliação deselegante, mas que não foram desmentidas pela inação de Anápio.

A história de Luigi com os técnicos também foi inacreditável. Dois grandes ex-jogadores, que deveriam ser preservados como ídolos, foram contratados: Falcão e Fernandão. Ambos craques, ambos ídolos, ambos amadores como técnicos. Entre os as duas contratações, Dorival Júnior, um treinador que confirmou o que dele se sabia: era um disciplinador sem grande interesse pelos treinos táticos, os quais deixava para auxiliares que não eram respeitados pelos jogadores.

E os jogadores? Ora, estes dominavam e seguem com as rédeas do vestiário. O grupo dos velhos é quem manda. Há problemas grandes nesta área, há que fazer um limpa colocando alguns generais e outros de menor patente na reserva. De pijamas, bem entendido.

A propósito, quando meu filho Bernardo perguntou quem seria o novo técnico do Barcelona, respondi-lhe mesmo sem estar informado: “O técnico vai ser alguém lá de dentro, eles têm política de futebol, todos os times desde as divisões inferiores jogam no mesmo esquema, não precisam buscar ninguém de fora”. Acertei. Eu sei que falo do Barcelona, melhor time do mundo, sei que ele está anos-luz à frente do Internacional, mas a experiência deles é que deve ser copiada, não a dos velhos modelos.

Conheço poucos e bons caras da Convergência Colorada, mas fico feliz quando noto a palavra profissionalismo por todos os lados. O voluntarismo bisonho das pessoas convidadas pelo Luigi — o competente administrador da Rodoviária de Porto Alegre, a qual frequentei dia desses — é inadmissível. Não há justificativa para manter uma folha de pagamento de 9 milhões de reais mensais e ter aprendizes como chefes. Todos devem ser profissionais treinados longamente no próprio clube ou fora dele, para que não ocorra este absurdo de ver o Grêmio na nossa frente com um time mais barato e inferior.

Acho que a Convergência, que se formou na Internet e é composta por pessoas em sua maioria sub-40, deveria usar a Internet desde agora para explicar suas propostas e convencer os sócios. Há que crescer e logo. É um bom momento para mudanças. Afinal, nunca vi os colorados tão desanimados, sem vontade de ver o próprio time jogar. Um amigo me disse: “Quando vi que o Fernandão tinha voltado ao esquema com 3 volantes, resolvi fazer a vontade de minha mulher e ir ao cinema. Não queria ver tudo de novo: o time sem ataque, a mesma alteração no começo do segundo tempo, etc.”.

Há um único lado positivo, então. A vida amorosa dos colorados ganhou outra feição. Mas quando a mulher também é colorada a baixa libido da dupla deve levá-los à efetividade de um Nei.

Voltarei ao assunto, imagina se não.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O desespero de Fernandão pode ser muito útil

Fernandão tenta ver alguma luz no fim do túnel

Ontem, estava almoçando no Sabor Natural, na Siqueira Campos, e me encontrei com meus velhos amigos Sócrates Slongo e o Paulo Almeida. O Sócrates me lembrou de uma coisa que eu tinha dito a respeito do Inter e que tinha simplesmente esquecido. Logo após a contratação de Forlán, eu disse que o Inter estava se realmadrilizando. Referia-me ao Real Madrid que, antes de Mourinho, acumulava estrelas e não ganhava título nenhum. Não que seja ruim ter estrelas no time. É que estas, no Inter, sistematicamente são cooptadas a um grupo de semi-aposentados “grandes jogadores” que estão lá há anos e adotam seu estilo. Rapidamente, o jogador caro agrega-se ao grupo de Bolívar e Kléber, o dos jogadores “ricos com biografia”. Este grupo pensa que sua titularidade se dá por decreto e, quando ficam de fora, escolhem se querem ou não sofrer a humilhação do banco. Bolívar, por exemplo, não gosta de assistir o jogo do banco — ou joga ou fica em casa. Nei, Damião e Dagoberto, apesar de mais jovens, também participam do grupo dos velhos, talvez em função de seus altos salários. Índio idem, porém mata-se pelo time em campo e é adequado retirar dele a acusação da tal…

Fernandão chama a isso de “zona de conforto”. Tem razão. Mas não creio ser atribuição sua denunciar o problema. Aliás, ele parece ser o único angustiado. Luigi e seus companheiros de diretoria não estariam também numa zona de conforto? Pois é, o Inter é um clube estranho: tem uma folha de pagamentos que chega aos 9 milhões mensais e uma administração de futebol amadora. Também tem também um incrível respeito pelos jogadores campeões do passado. Eu já sou da opinião de Rubens Minelli, o qual repetia e repetia que futebol era momento e não tinha medo de deixar Batista, Caçapava ou Marinho Perez muitas vezes no banco. Não lembro de Manga, Figueroa, Falcão, Carpeggiani, Valdomiro ou Lula afrouxando o ritmo. Alfred Hitchcock também dizia que seus atores podiam ser substituídos por outros — disse uma vez a um deles que “atores são gado”. Ou seja, eles que obedecessem se quisessem seguir trabalhando com ele.

Mas o Inter tem medo do grupo de Bolívar, que já teve no passado co-líderes como Tinga, Clemer e… o próprio Fernandão. O tratamento com as vedetes é complicado, mas elas têm que ser dobradas. No Inter, há três grupos: o dos jovens, o dos estrangeiros e o dos velhos. A administração do futebol não consegue uni-los para dissolver a liderança dos velhos que moram no tal conforto. Fazendo corpo mole, eles já obtiveram demitir vários técnicos, mas nenhum veio se lamuriar em público, dizendo que nunca sabia se haveria esforço da parte do time e que rezava na beira do gramado para que houvesse interesse. “Eu nunca sei o que vai entrar em campo”. Piada, né? O fato é que nosso excelente grupo de jogadores, ao custo, repito, de 9 milhões por mês, é inútil, e faz uma campanha que, no segundo turno, o coloca na zona de rebaixamento. Nos últimos 9 jogos, ganhamos 6 pontos. (Eu abandonei o Beira-Rio e lhes digo, só volto em 2013). Se seguirmos assim, vamos nos livrar por pouco do rebaixamento. Não, não estou sendo louco, estou apenas olhando os números.

Então, apesar de achar que Fernandão não é técnico de futebol, seu mimimi pode fazer com que alguma coisa se mova internamente. Não, não se pode ser amiguinho de Bolívar e Cia. Ou eles jogam ou vão para onde o treinador os mandar. O próprio Fernandão, em seu patético pronunciamento, elogiou os jovens jogadores e disse que AGORA vai escalar quem se esforça em campo. Agora? Isto é uma confissão da vassalagem de um técnico que até dias atrás justificava tudo, desde as estranhas atitudes de Bolívar ao número incrível de cartões de D`Alessandro e Guiñazú. Não sei, creio que Fernandão devia comprar o confronto. Se hoje, na reapresentação dos jogadores, ele puser panos quentes, recuando de suas críticas, estamos fodidos. Está na hora de dobrar a geração vencedora ou virar a página.

Para os colorados, é o que resta torcer em 2012. Que a briga dê frutos e que venha um 2013 com novas diretoria, comissão técnica e, finalmente, nova dinâmica de grupo.

Sem revisão, tá? Deve ter erros.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Cansaço colorado, desânimo geral

Bolívar: sem seu apoio, o técnico cai

Darei meu recado rapidinho.

“Desânimo geral”, este é o titulo de uma das conversas que estamos travando em um dos grupos de discussões do Inter, justo naquele onde há mais conselheiros do clube. Mas a sensação estende-se aos outros grupos dos quais participo. Ninguém mais suporta falar sobre as escalações do time sabendo que estas são ditadas pela política do vestiário. Agora é Juan que provavelmente não iniciará o Gre-Nal — ou iniciará com mais dois outros zagueiros — tudo porque Bolívar, o líder do vestiário, o homem que avaliza treinadores, é inamovível.

Imaginem a vontade de treinar de um cara como, por exemplo, Rodrigo Moledo. Ele  conseguiu retirar o Bolívar do time num esforço supremo — na bola que jogou a mais — e saiu do time por lesão. Virou reserva novamente. Está lá, no banco. Não sou apaixonado por ele, mas Moledo foi sacaneado. Dia desses ressurgiu no lugar de Índio. E foi o melhor da defesa.

Desta forma, o melhor Inter não pode entrar em campo em função do grupo de Bolívar. As substituições comprovam. Sempre saem os mais jovens (Élton, Fred), com os confirmados permanecendo em campo. E não há como motivar aqueles que não são amigos do General. Quase todo mundo está de saco cheio: os outros jogadores e a torcida. A perspectiva é péssima, mesmo contra o time do Grêmio.

Esse Gre-Nal pode desaguar em nova e desnecessária crise, mesmo que o Grêmio seja um time de opereta. Bem treinado, mas de opereta.

Faz algum tempo que decidi: como sócio e colorado, sigo pagando o clube, mas não vou ao estádio até que veja que o vestiário não é de um grupo de ex-vencedores, porque até as vitórias têm prazo de validade no futebol.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Fernandão e o difícil caminho da simplicidade

É, o difícil é fazer o simples
Bruno Zortea, no Facebook

O time está perfeito, espetacular? Claro quer não. Vamos patrolar o Vasco? Olha, se alguém passar por cima de alguém é mais provável que estejamos SOB o Vasco no próximo sábado. Mas o Inter melhorou muito, basta (re)ver o jogo de ontem. Fernandão e seu auxiliar não tiveram tempo para grande treinamentos. Acertaram apenas a escalação e tiveram a sorte de pegar dois adversários fracos — Atlético-GO e Figueirense. Mas só o fato de terem abandonado algumas invenções de Dorival e principalmente por não fazerem o gênero de substituições tolas como as do ex-treinador, fizeram o time crescer. Mudou muito? Não, negativo, porém Fernandão fixou o excelente Fred como titular na ausência de outros meias e evitou aquelas dorivalices de escalar um monte de “confirmados” (segundo ele) ou um monte de jovens, sem mesclar. Estes têm que entrar um a um, apoiando-se nos mais experientes.

A melhora do time reforça minha tese de que o melhor treinador é o que tem bom senso. É óbvio que eu não poderia treinar um time de futebol mesmo sabendo escalá-lo — pois desconheço a rotina de correções de posicionamentos, posturas, ajustes finos, controle do grupo, etc., mas penso que qualquer auxiliar de uma Comissão Técnica possa assumir o posto de técnico desde que lhe seja dado apoio e que haja organização e uma política de futebol. Por favor, chega de figurões, de magos. O Inter tem uma vaga política futebolística, mas Fernandão tem boa postura e apoio. É um ídolo do clube e isto lhe bastou para esta arrancadinha. Fundamentalmente, está longe de ser um tolo: como sabe que não é treinador — por enquanto é apenas um bom escalador de time — fez o Inter trazer do Catar um auxiliar técnico muito respeitado: Josué Teixeira, que trabalhava com Abel Braga, este sim um técnico de futebol.

O trabalho começa com duas vitórias que não garantem nada, mas já sabe melhor do que o de Dorival. Fernandão não perde os jogos na véspera, desculpando-se com desfalques por lesões, convocações ou cartões. Disse quando assumiu: o time que eu escalar é o Inter e será cobrado como o Inter é sempre cobrado. E foi esperto o suficiente para não tentar ser gênio. Apenas botou em campo a escalação que a gente imagina a mais equilibrada. E fim.

E é óbvio que desejo a Fernandão toda a sorte do mundo.

Com a simplicidade de Fernandão, até Elton voltou a parecer um jogador de futebol

.oOo.

A tabela do Brasileiro de 2012 é completamente diferente das dos anos anteriores. Vários clubes dispararam e a necessidade de pontos para a Libertadores será muito maior. Um campeão como o Corinthians, vencedor com menos de 66% dos pontos, está fora de questão. O Atlético-MG tem 85% e o Vasco 81%. O Grêmio, com pontuação de líder (66%), está em quarto lugar e os rebaixados têm o mais baixo percentual de aproveitamento dos últimos anos. A tabela não está achatada, muito pelo contrário. O site de estatísticas Chance de Gol avisa que os pontos necessários para a Libertadores não são mais os 63, 64 dos últimos anos, mas 74.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

A foto de Sóbis

Foi um final de semana totalmente satisfatório com as visitas da Caminhante, da Nikelen e do Farinatti. Houve também um festim diabólico de aniversário, que teve como destaques não apenas o grupo reunido e a excepcional gastronomia, mas o belo e inesperado recital da Elena e do Vladimir Romanov, tocando uma Serenata de Haydn para a aniversariante — as lojas estavam fechadas, então a gente resolveu dar música de presente (obrigado, Elena e Vladimir) — e várias músicas brasileiras em arranjos que nos deixaram (muito) embasbacados. Era a noite do pessoal da música erudita tocar popular. O Alexandre Constantino também sentou-se ao piano para esmerilhar a bossa nova (obrigadíssimo, Alexandre!).

Porém, não adianta. A gente sempre lembra mais daquilo que não gostou. Ou daquilo que gostou menos, porque na história que vou contar há muito de gratidão, amor e respeito. Eu e o Farinatti fomos ao jogo do Inter e eu, com minha boca grande e boba, resolvi me referir antes do jogo ao fato de Gamarra, Fernandão, Iarley, Alex e muitos outros ex-jogadores do Inter terem ido ao Beira-Rio jogar, alguns marcando gols — como todos os citados — , mas sempre demonstrando seus sentimentos à torcida, pois nunca vibraram ao balançar as redes do ex-clube.

Como é característico meu, não pude deixar de dizer: “Os gremistas devem ficar loucos com isso, os caras vêm aqui e demonstram gratidão, coisa raríssima de a gente ver no outro lado”.

Então ontem, no mais importante jogo para o Internacional neste Brasileiro, Rafael Sóbis nos fez o mais doloroso dos gols, o da vitória do Fluminense. Sua reação — para demonstrar a todo o estádio que não vibraria — foi a mais cabal possível. Juntos as mãos como se rezasse, num pedido desajeitado de desculpas (vejam abaixo a foto de Alexandro Auler publicada no Impedimento). Depois, do jogo, confessou que seus filhos foram ao estádio ver papai jogar, ambos com camisas vermelhas. Dizer o quê? Triste consolo para um time de 7 milhões mensais, que joga pouco e que não irá à Libertadores 2012.

Só espero não ter que gostar de tomar gols.

E, após o jogo, Sóbis falou:

— Peço desculpas à torcida. Podem ter certeza de que estou com uma dor enorme no coração por vencer o meu time e distanciá-lo de um objetivo. Queria que esse gol fosse de outro.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!