Grêmio 1 x 2 Pelotas

Eu concordo e admiro o tom elegíaco utilizado pelo Luís Felipe dos Santos no post Dignidade. Tem razão em enaltecer as epopeias obtidas pelos clubes do interior ao vencerem eventualmente a dupla GreNal e também ao defender os Estaduais apenas para clubes de mesmo tamanho e condição financeira. Pois este Campeonato Gaúcho deveria estar sendo disputado entre Caxias, Pelotas e São José, sem a pesada participação de Inter e Grêmio.

Vi os últimos três jogos do Grêmio. Estava tudo certinho. Dois volantes, um ficando mais do que o outro; um terceiro homem que concluía em gol e Douglas mais à frente, completando o quarteto com seus passes certos e gols nenhuns. Não vi o jogo de ontem, mas creio que o Pelotas tenha feito uma marcação rigorosa em Douglas e tivesse ficado de olho em Maílson e William Magrão, fazendo com que o jogo fluísse pelas laterais, onde jogam Edílson e Fábio Santos. Sei lá, não é necessário ter um gênio como técnico para forçar o adversário a fazer o que não deseja. O fato é que mesmo com a diferença financeira entre a dupla portoalegrense e os times pequenos, aquela não consegue formar um time parelho, com diversas opções e variações. Isso é coisa do passado.

Dizem que Walter agora ganha 50 mil reais mensais, um dos menores salários do Internacional. Talvez eu roubasse e matasse por um salário desses, mas esta é outra discussão… O fato é não noto grande diferença entre os laterais-milionários Edílson (Grêmio) e Nei (Inter) em relação à Álisson (Caxias), por exemplo. Talvez o motivo da separação salarial tenha sido um dia iluminado numa “peneira” anos atrás, um bom empresário cheio de grandes ambições, um clube com infraestrutura de primeira, etc., mas aquela coisa diferenciada de sangue, ah, isso eu não vejo mesmo.

Não sou daqueles que acham injustos os salários dos grandes clubes. A partir dos jogadores, há cada vez mais dinheiro em movimento e, se grande parte dele não retornar à origem, ficará com empresários, dirigentes e outros que tais. É mais justo que fique com quem trabalha no campo. O problema é que com a saída dos jogadores mais dotados para o exterior, ter um enorme salário em grande clube cada vez mais me parece um golpe de sorte.

Por isso é que, quando marcam o William Magrão e o Douglas, a bronca recai sobre os dois incompetentes laterais. O Inter tem mais grife, mas se examinarmos bem as atuações de D`Alessandro e Kléber, por exemplo, entenderemos o motivo pelo qual estes jogadores estão entre nós: todas os dias, antes de entrarem em campo, seria melhor consultar seus mapas astrológicos. A condição astral do argentino esteve péssima em NH e ele apenas é jogador de primeira linha para fãs incondicionais.

Então, não me surpreende o resultado de ontem e vou dar risada se o Inter não for campeão da seminal Taça Fábio Koff.

O outono de nossa desesperança

Eu discordo do Douglas Ceconello quando ele inocenta o líder tabagista Jorge Fossati e põe a culpa pelos insucessos sobre os jogadores. É óbvio que eu não ignoro a precariedade de nossa velha zaga e muito menos a de um ataque com Edu e Kléber Pereira, mas quem os escala? Edu está aqui faz 9 meses e nada de bom nasceu dele. O homem dá boas entrevistas, apenas. É um bom menino, talvez um bom partido. Ah, e fala perfeitamente o espanhol. Kléber Pereira chegou aqui com um histórico recente de fiascos no Santos; ou seja, também não faz um jogo decente há uns 9 meses. E nossa velha zaga: quem a contratou, quem a escala?

Repito, quem os escala? Ora, Jorge Fossati. Enquanto isso, vemos o Walter no banco, louco para jogar e produzindo mais que Edu e Kléber somados cada vez que entra. Depois, o guri se fecha de novo em casa e vão chamá-lo de Ab, Ab Normal. O mesmo vale para Leandro Damião. O problema é que se estabeleceu no Inter um organograma no qual os velhos têm sempre precedência sobre os jovens. Então, pobres dos Walter, Damião, Marquinhos e outros. Melhor emprestá-los ao Náutico.

Ontem, diverti-me ao anotar mentalmente nos pés de quem os ataques do Inter desfaleciam, ou, sendo mais claro, quem eram os maiores responsáveis por devolver a bola adversário. São sempre os mesmos:

1. Guiñazú;
2. Edu;
3. Kléber (lateral esquerdo).

Claro que Bruno Silva esforçou-se para chegar ao pódium, mas os outros não. Os outros conseguiam passar a bola, dar alguma continuidade às jogadas, nem que fosse dando passes seguros, para trás ou para os lados. Volto a afirmar que os treinamentos do Inter — que não vejo — só podem estar equivocados. Não há uma operação padrão a fim de desestabilizar o treinador, pois o time é esforçadíssimo; o que há é aquilo que Andrade diagnosticou brilhantemente com sua vasta experiência de (grande, imenso, sensacional) volante:

— Quem erra passes, corre em dobro.

(Agradeço ao leitor Rogério de Brum por lembrar esta frase.)

O Inter corre o dobro ou triplo, com resultados mínimos e, quando chega na frente do gol, erra o passe para as redes rivais…

Então, eu sugiro ao Comando Revolucionário Vermelho 4 de Abril o imediato sequestro de Edu, de Sandro ou Guiñazú (no caso de Fossati decretar os três zagueiros), de Bruno Silva, de dois de nossos zagueiros de mais de 30 anos (à livre escolha) e a entrega daquele livro que analisa as estratégias de treinamentos para fundamentos de Marcelo Bielsa aberto no capítulo “O Passe” para o líder tabagista.

R.I.P., Armando Nogueira!

Fim da linha para Jorge Fossati

A contratação do técnico Jorge Fossati parece ter sido uma aposta. Esta revelou-se tão arriscada quanto apostar na Megasena em certa lotérica de Novo Hamburgo. Agora que o leite está derramado, é fácil dizer para não deixá-lo aberto sobre a geladeira. Alguém vem, abre a porta com força e deu. Fossati cometeu um dos erros mais comuns entre os treinadores: vir com uma planilha na mão e um esquema na cabeça. Ele queria três zagueiros, mas como fazer para acomodá-los junto a dois bons volantes e a laterais laterais? Não funciona. Além disto, vemos passes errados, dinâmica de jogo miserável, defesa desorganizada e ataque de riso.

O Inter de 2010 é um time que parece jogar razoavelmente bem, pois tem bons jogadores, porém sua consistência e contudência é nenhuma. Fico pensando no motivo que leva um time bem formado a errar tantos passes. Há como fazer um time acertar seu toque de bola? Há. Procurei sites sobre formas de treinamento e encontrei uma montanha de estratégias aplicadas por gente famosa — bá, passei a respeitar ainda mais os argentinos, o Marcelo Bielsa e o… Fabio Capello — para que boleiros aperfeiçoem seus passes, para que acertem a marcação por zona, para fazer o toco y me voy, para não tomar gols em escanteios, para fazê-los; enfim, para todos os fundamentos. Fabio Capello, que não é exatamente um mau treinador, diz que a maioria dos jogos são vencidos por quem domina melhor a galeria de fundamentos e garante que raramente vem um Messi, um Zidane ou a sorte para virar tudo de cabeça para baixo.

OK, ele é um chato de um italiano. Mas o que queria descobrir era se tudo — e principalmente o toque de bola — seria treinável se houvesse material humano. Sim, tudo é treinável. Além destes ensaios, há outros privilegiando as características de jogadores. Se um time conta com Nilmar, às vezes não é má ideia dar um bico para frente, porém, se você conta com uma capivara, nem tente porque a bola vai voltar. Então, chute para as lateriais do campo adversário e começa a marcar por pressão lá mesmo, para que a bola demore mais para voltar… E assim por diante.

O que quero com minha argumentação é acusar Fossati de trabalhar errado — refiro-me a esquema, fundamento E dinâmica — e de desrespeitar o estilo natural de jogo que aquele grupo de jogadores do Inter exige. Não sei se eles podem ir muito longe, mas é um fato bastante corriqueiro que um jogadores de defesa devem ter duas opções de passe para sair jogando e nem isso acontece no Inter, onde Guiñazú e Sandro parecem mais sonhadores e irresponsáveis do que os meiase Bruno Silva espera entrar na própria granbde área antes de dar o bote…

Nem vou entrar na batidíssima questão de discutir a insistência com Taison e Edu, a depressão de Kléber, a reserva de Andrezinho. Estas seriam questões pontuais que poderiam ser levadas de roldão por um coletivo aceitável. Acho que, na bagunça atual, só resta trocar de treinador. Lamento muito. Gosto de Fossati pessoalmente, suas entrevistas são boas, há sinceridade ali; ademais, não vejo um grupo desinteressado (à exceção de Kléber), mas não dá.

Preciosos linques matinais

Arte: o que dizer desta maravilha do Hupper? Achei aqui. É a papinha de Edvard Munch. Devia gritar muito.

Literatura: um blog só de entrevistas de Bolaño? Pois é. Espero que sejam postadas as entrevistas que há no YouTube e as realizadas com seus amigos a respeito do homem que foi Bolaño. Há coisas muito legais cercando o chileno. O blog é do Lucas de Sena Lima e do Daniel Fernandes Vilela.

Futebol: o Luís Felipe dos Santos chega à conclusão de que é um perfeito idiota. Nós também.

Roberto Carlos é um piadista

Copa de 2006. Enquanto Thierry “La main de Dieu” Henry entrava na área brasileira para marcar o gol que eliminaria o Brasil, Roberto Carlos arrumava a meia.

Vejamos de novo: Zidane está batendo a falta que resultaria no gol da França. Uma regra básica do futebol diz: quando da cobrança de escanteios ou de faltas ao lado da área, a marcação é homem a homem, não se marca “a bola”. Daí, o famoso agarra-agarra da grande área. Observem como há jogadores brasileiros livres de tarefas defensivas. Deve ser devido aos intensos treinamentos de Parreira. E há um jogador — Roberto Carlos — é radical em sua negativa Bartleby  de marcar. Roberto Carlos é implacável em sua desídia.

Após a relevante participação no lance, Roberto Carlos esforça-se por entender o que acontecera enquanto arrumava sua meia Nike. Brasil 0 x 1 França. Após o jogo, Roberto declarou que não era tarefa sua marcar Henry e deu o assunto por encerrado. Até hoje magoa-se quando falam nisso…

-=-=-=-

Hoje no Corinthians, o veterano RC causa-nos um riso mais franco agora. Como já foi expulso duas vezes no Campeonato Paulista por jogo violento, ele inventa uma incrível explicação:

O lateral-esquerdo Roberto Carlos, do Corinthians, declarou que os árbitros brasileiros estão contribuindo para bloquear seu estilo de jogo.

“Aqui no Brasil, tenho até medo de chegar mais forte. O futebol brasileiro bloqueou um pouco a minha maneira de jogar, mas temos de passar também essa responsabilidade para o árbitro”, declarou incompreensivelmente Roberto Carlos em entrevista coletiva, ignorando o fato de que chega atrasado em quase todos os lances, tendo que apelar para as faltas.

O lateral, que já foi expulso em duas partidas desde que retornou ao Brasil, há dois meses, disse que os árbitros da Europa “deixam a bola correr mais, deixam ter mais contato físico”.

E ataca: “Na Europa, os árbitros são profissionais. No Brasil, depois de uma semana inteira, eles apitam somente no final de semana”, argumentou.

Isn`t he lovely?

Coisas que não ocorrem no nosso futebol e o Grêmio

1. Ontem, tivemos Chelsea 2 x 4 Manchester City. Um zebrão no jogo em que o capitão John Terry enfrentaria Wayne Bridge após ser revelado que aquele tivera um caso com a esposa deste. O caso foi um escândalo na Inglaterra, com direito a Terry perder a braçadeira de capitão da seleção inglesa e Bridge desistir de participar da mesma — alegadamente para não dividir o grupo. Em campo, Tevez deu a vitória ao time do traído Bridge e ainda peitou Terry em pleno estádio do Chelsea. Um jogaço. Abaixo, a cena de Bridge negando o cumprimento a Terry.

2. Na rodada de domingo passado, o FC Porto deu a liderança ao SL Benfica ao vencer escandalosamente (5 x 1) ao Braga. Explico: o Braga estava com 48 pontos e arquiinimigo do Porto, o Benfica, com 49. Mas o Porto foi lá e fez o papel. Jogou tudo e deixou o Benfica líder.

3. Na rodada de hoje, era esperada nova vitória do Porto a fim de se aproximar dos líderes. Só que o Porto levou 3 x 0 do Sporting, enquanto que o Benfica e o Braga ganharam, disparando na liderança. Situação atual: Benfica, 52 pts; Braga, 51; Porto, 43. Fim de linha para o Porto. Agora, volto a perguntar: não seria melhor ao Porto ter dado uma de gaúcho e entregado o jogo ao Braga?

4. Os holofotes sobre Robinho tornaram Neymar um craque e teve o condão de retirar o “apito amigo” do Corinthians. Mano Meneses deve estar sentindo falta daquela vida fácil.

5. No Olímpico, em Porto Alegre, o Grêmio penou para vencer o Noia. A atuação do Grêmio faz-nos sonhar com os anos de 1991 e 2004. Se venderem Mário Fernandes — um grande jogador — podem tranquilamente repetir estes anos dourados. O resto está pronto.

Calor

Hoje, saí às 7 horas para correr. Já estava 29ºC. À tarde, chegaremos aos 37 ou 38°C. Com a umidade, os meteorologistas calculam uma sensação térmica de 42ºC. E não chove ou pouco chove. A chuva permanece em São Paulo e no restante do sudeste. Nossa situação é bem melhor. Ainda podemos ir e vir, a água não incomoda. Há a bicharada. Os mosquitos estão controlados de forma ecológica aqui em casa. Plantamos umas coisinhas que os afastam. Mas há uns besouros descomunais voando por aí. São burros, entram em casa e não conseguem ir embora. Não há como negar, parece uma vingança da natureza.

Enquanto isso, a figura mais importante dos telejornais é a mocinha do tempo. E ela ultimamente tem vindo com notícias ruins, o que deve aumentar a necessidade das pessoas de se informarem. Nossa paranoia a torna popular.

Minha mãe, aos 82 anos, vai aguentando. Meus filhos voltam da praia agora à tarde — estavam com a mãe deles — e eu resolvi mudar um ar condicionado de lugar durante o fim de semana. Queria deixá-lo numa altura mais inteligente para que tivesse maior rendimento. Não quis pagar ninguém para fazê-lo, mas acabei morrendo com um serralheiro. Por exatos 4 mm a coisa não entrava no lugar.

O Grêmio joga hoje às 17h. Como estamos no horário de verão, será na verdade 16h. É simplesmente impossível que tenhamos um bom jogo. Por que marcar um jogo em Porto Alegre neste horário e não, digamos, às 19h30? Nós, o Inter, jogamos às 22h.

A cidade de Forno Alegre:

Charge: Kayser

O Onyxzão 2010 e o Aberto da Austrália

Ontem, tarde da noite, eu enchi o saco de ver o Inter C enfrentar o terrível Porto Alegre — investimento da família Assis Moreira. O Inter já fizera seu gol e o Porto Alegre não atacava. Não atacava porque é ruim e não há uma torcida que lhe cobre uma postura mais competitiva. Levava o jogo como quem leva um pagode até o fim, apenas isso. O Onyxzão 2010 é uma dessas coisas lamentáveis que nossa política mantém apenas para satisfazer alguns caciques locais (presidentes de federações e agregados) que, por sua vez, sistematicamente votam e mantêm o cacicão Ricardo Teixeira.

Ana mostra o tamanho do seu jogo

Muito mais interessante estava o Aberto da Austrália. Na ESPN, a musa Ana Ivanovic (acima), ex-número 1 do mundo, via desmancharem-se seus planos de um grande 2010. A argentina Gisela Dulko inequivocamente reagia a um set perdido de forma quase casual e só um milagre salvaria a bela sérvia. Porém, os grandes jogadores tiram forças sabe-se lá de onde e eu, enquanto conversava com minha filha, esperava uma virada firme de Ana sobre uma adversária comum. E aqui volto a tocar no assunto de minha admiração pelas mulheres. As expressões, os rostos. A derrota de Ana estava em sua cara quase uma hora antes de ocorrer. Ela não conseguia deixar de expressar seu desespero, de comunicar ao estádio, à adversária e aos milhões que assistiam pela TV que, desde a metade do segundo set, estava perdida e impotente frente à argentina. O jogo acabou em 6/7 (6/8), 7/5 e 6/4 em favor de Dulko.

Toda vez que Ana ia pegar as bolas para um novo saque, estampava-se em seu rosto coisas como: “todos esperam, até eu, que a ex-número 1 reaja e massacre esta ridícula”, “estou decadente aos 22 anos”, “por que erro tanto?”, “por que não consigo jogar como dois anos atrás?”, “que vergonha ser eliminada na segunda rodada”, “como tudo é injusto!”, etc. O desalento e os erros de Ana eram tamanhos que Dulko também começou a errar lastimavelmente e o jogo tornou-se uma tour de force psicológica para averiguar quem poderia ser pior. Dulko errava por estar eliminando uma das favoritas ao torneio, Ana errava por estar quase chorando de impossibilidade e vergonha.

Sem Sharapova e Ivanovic,
o torneio feminino vira apenas uma série de jogos de tênis. Nhé.

O jogo do Inter terminou 1 x 0, né? Não devo ter perdido nada.

Começou o Yedão 2010

O Grêmio, fora de forma, virou o jogo pra cima do Pelotas no segundo tempo. Perdia de 2 x 0 no intervalo e alcançou a vitória por 3 x 2 no segundo tempo. O Pelotas estava em melhor forma física, mas é tão ruim que deixou  um adversário cansado fazer-lhe 3 gols. O Inter ganhou com o time B. O time B é, na verdade, o C, pois os caras não servem nem para reservas. Resultado: Inter 4 x 2 Ipiranga.

Alguém poderia me dizer para que serve este campeonato?

Ytalo — sim, com pisilone — fez um gol nos mortos do Ipiranga.

Olha o Grêmio entregando o jogo aí, gente!

Não parece que Bérgson diz: “Parou. Não chuta mais a gol!”? E por que Adriano e Léo conversam com as mãos sobre as bocas? Foi neste momento que resolvi ver Coritiba e Fluminense. Depois alguns vêm com o papo de que o Grêmio não entregou…

Em drágeas, Co e Curitiba

Antes, alguns tópicos sobre a rodada final do Brasileiro de 2009.

1. O G-4 ficou bem. O maior time paulista, o maior carioca, o maior mineiro e o maior gaúcho.

2. Os rebaixados são 3 times médios, daqueles que gostam de um elevador subindo ou descendo — Sport, Náutico e Coritiba — e o Santo André, clone de clube de futebol, obra de empresários.

3. Acertei que o Palmeiras ficaria fora do G-4. Pediu e levou.

4. Muricy deu seu habitual show ou estava calmo?

5. Inter: vice da Copa do Brasil, vice da Recopa e vice do Brasileiro. Centenário vice. Ganhou o Gaúcho, porém vencê-lo era uma obrigação, visto que o Grêmio dava maior atenção à Libertadores.

6. Grupo do Inter na Libertadores: Inter, Cerro (URU), Deportivo Quito (EQU) e o vencedor do Jogo 5 (Argentina 6 x Equador 3). Leia-se: LDU!

7. Quase foi o Flamengo quem entregou o jogo. Nervoso, não se impôs no primeiro tempo. Na verdade, como os outros, também estava louco para abrir mão do título. O Grêmio não jogou bem, apenas aproveitou-se. No segundo tempo, uma brisa mais forte fez cair seu mal montado castelo de cartas. Assim, como o Inter no ano passado, entregou o jogo. Vingaram-se.

-=-=-=-=-=-

Tenho algumas décadas de experiência em estádios de futebol e acho que posso apontar muitos erros na condução daquela pequena tragédia. Assisti a Coritiba x Fluminense desde os 30 minutos do segundo tempo, já que estava desinteressado pelo Maracanã. O que os câmeras da SporTV mostravam eram pessoas frustradas, chorando nas arquibancadas. O Flu defendia-se bem, sem dar chances aos paranaenses que só chutavam de longe, sem perigo. O que ocorreu depois da partida foi algo humano e previsível, fruto da frustração. Ou o policiamento acha que todo mundo frustra-se educadamente, ainda mais em grupo? A torcida do Inter, se pudesse, não teria entrado em campo na final da Copa do Brasil? Claro que entraria. Mas vamos aos erros:

1. Preços a R$ 5,00. Ora, a diretoria do Coritiba tentou lotar o estádio reduzindo o valor dos ingressos. Erro. Por exemplo, o que fez a Inglaterra para acabar com os hooligans? Colocou câmeras nos estádios e elevou o preço dos ingressos, privilegiando os associados dos clubes. O baixo valor do ingresso curitibano chamou para o estádio aquelas pessoas que utilizam o anonimato para cometer ações.

2. Onde estavam os seguranças? Os maiores clubes brasileiros utilizam seguranças próprios para auxiliarem a Brigada Militar. Esses homens vestem-se de terno preto e um de seus locais preferidos é na frente da torcida, de costas para o campo, a fim de evitar invasôes. Isso é mais necessário ainda no Couto Pereira, estádio “civilizado” onde se passa da arquibancada para o campo com se estivéssemos no Santiago Bernabeu ou na Inglaterra. Quando da invasão da torcida, viu-se que havia poucos seguranças e estes corriam da torcida…

3. Poucos e mal equipados brigadianos. Não vi brigadianos com cães. E as bombas de “efeito moral”, assim como os tiros com balas de borracha, demoraram longos minutos para aparecerem. Sabe-se que este gênero de multidão enfurecida assusta-se e recua facilmente quando se vê atacada, mesmo que o ataque seja mais de fumaça e barulho. Passaram anos até que aparecessem brigadianos adequadamente armados. Um fiasco.

4. Ambulâncias. O estatuto do torcedor manda que haja uma ambulância para cada 10.000 pessoas. No Couto Pereira, em flagrante desobediência à lei, havia apenas uma.

5. Vias de acesso. O Couto Pereira fica no Alto da Glória, perto da Universidade e, com os carros dos torcedores estacionados nas redondezas era difícil chegar reforços para a Brigada e mais ambulâncias, ainda mais que aquele era o momento em que a torcida estava se retirando do estádio, no contrafluxo.

6. Os distúrbios fora do campo. Normais após o que ocorreu no estádio, não? Os locais preferidos para as brigas foram os terminais de ônibus. É onde havia gente. 14 foram parar em hospitais.

Conclusão: Claro que a lei punirá apenas o clube e uns poucos torcedores, só que a culpa pelos acontecimentos deveria ser dividida entre o Coritiba e o poder público. Ouvi ontem alguns cariocas e paulistas estranharem tais acontecimentos numa cidade tão “civilizada” e “europeia” como Curitiba… Isto é simples ignorância. Curitiba só será mais civilizada que outra cidade brasileira quando for determinado que conservadorismo, limpeza urbana e civilização sejam sinônimos. Conheço bem. E Curitiba é tão europeia quanto Porto Alegre e menos que a violenta Buenos Aires. Grande coisa ser “europeia”!

Fotos: Terra.

Obrigado, Grêmio! Vocês fazem parte de nosso centenário!

Somos devedores pelos grandes favores que o Grêmio nos prestou neste final de Brasileiro. Na rodada de domingo passado, eles nos permitiram passar à frente do Cruzeiro com o heróico empate que obtiveram para nós em pleno Mineirão. Neste fim de semana, ultrapassamos o Palmeiras, mas tal fato não teria sido possível sem a vitória do Imortal Tricolor sobre os verdes do Parque Antártica na última quarta-feira.

No próximo fim-de-semana, eles estarão de folga enfrentando o Barueri, porém, na última rodada, faremos novamente uso de seus préstimos contra o Flamengo para, quem sabe, acalentarmos a doce, diminuta e ainda fraca — como um pastel de Santa Clara — esperança de sermos Campeões Nacionais após 30 anos.

Hoje, graças a nosso coirmão, temos 93% de chances de ir à Libertadores e 9% de sermos campeões. Há que fazer mais e temos confiança de que esforço, competência e solidariedade não faltará ao grande time do Olímpico.

Agradecemos antecipadamente.

Tudo decidido

Milton Ribeiro traz de volta seu amor, desata macumbaria, doenças mandadas e da carne. Traz seu emprego de volta — assim como o desejo — , cura doenças e faz com que ela chame seu nome durante o orgasmo com outro homem. Faz tudo ao contrário e vice-versa se você for mulher. Por isso, sei que o Campeonato Brasileiro de 2009 está decidido: o Flamengo é o campeão, o Cruzeiro surpreenderá ao não entrar no bolo, o Avaí dará o ar de sua graça na Libertadores e Palmeiras e Atlético-MG seguirão os ridículos de sempre. Na Hora H, seguindo o determinismo atávico que os rege, abrirão as pernas.

Vejo o Parmera como 7º colocado do Brasileirão 2009. O Palmeiras parece tudo, menos um time italiano. Os times italianos tomam poucos gols, têm esquema tático rígido, marcam e batem muito. O Palmeiras só ficou com o histrionismo. Primeiro, perderá para o Grêmio no Olímpico; depois, em jogo de peculiar melancolia, empatará com o Atlético-MG e verá seu ocaso no Engenhão em novo empate.

O 6º colocado ainda conquistará 5 pontos. Isso só servirá para gáudio de sua imensa torcida e para Sexy Hot dizer que as circunstâncias não favoreceram a seu time. Não ignoramos: as circunstâncias só estão a favor do Atlético-MG quando, concomitantes, os búzios dormem, os morcegos voam nas praias e Douglas Ceconello fica só no suco de laranja. Nestas — e só nestas — circunstâncias coisas boas acontecem. Num desses raros dias, vimos um goleiro com uma chupeta na boca buscar ao mesmo tempo duas bolas dentro de seu gol e aquilo valeu por dois.

O 5º colocado será o Cruzeiro, que conquistará 6 pontos, o que fará Sexy Hot reclamar que número de vitórias é critério de jirico. Depois, consolar-se-á ao ver que o Avaí ultrapassou também os azuis em seu sprint final. Adilson Batista, sonhando com os R$ 230.000,00 mensais que o Grêmio lhe ofereceu, será o grande vilão cruzeirense. Nos jogos finais, abandonarão aquela bichice degradê que utilizaram sábado passado. Credo, que lixo! (Ler a frase anterior com entonação guei.)

O 4º colocado fará com que a manezada enlouqueça e o valor de Silas suba às alturas. Três vitórias nas últimas três rodadas! O Olé fará muitas piadas com o nome do clube, mas ele irá longe na Libertadores. Jogará um jogo das semifinais e outro das finais no Beira-Rio. Haverá uma invasão de manés que, enfim, conhecerão Porto Alegre. Vão achar ridícula.

Por falar em lixo, o 3º colocado será a prova de que é importante reciclá-lo sempre. Marquinhos será vendido, assim como Sandro, D`Alessandro e Alecsandro. Luxemburgo atuará como empresário e o time será eliminado na primeira fase da Libertadores.

O São Paulo — o verdadeiro clube italiano daquele estado, pois tem boa defesa e futebol chatíssimo — tomará apenas mais um gol neste ano, mas este, de Lúcio Flávio, será fatal. Fará a semifinal da Libertadores contra o Avaí. Será goleado em Porto Alegre. Rogério Ceni culpará a arbitragem.

O Flamengo vencerá o Brasileiro com um pé nas costas. Digo desde o primeiro semestre que é o time de melhor futebol no país. Tudo bem, me hostilizaram quando eu dizia que o Flamengo era um grande time sem ataque. Agora, ele tem Adriano e vocês vão ter de engoli-lo campeão.

A seguir, tudo o que os búzios me contaram, rodada a rodada. O vencedor de cada partida está em negrito.

Como está hoje:

1º São Paulo 62 pts -17 v – 14 g
2º Flamengo 60 pts – 17 v – 11 g
3º Palmeiras 59 pts – 16 v – 14 g
4º Internacional 56 pts – 16 v – 16g
5º Atlético-MG 56 pts – 16 v – 5 g
6º Cruzeiro 55 pts – 16 v – 1 g
7° Avaí 53 pts – 14 v – 10 g

36ª Rodada

Grêmio x Palmeiras
Atlético-PR x Cruzeiro
Botafogo x São Paulo
Flamengo x Goiás
Atlético-MG x Internacional
Santo André x Avaí

1º Flamengo 63 pts – 18 v – ? g
2º São Paulo 62 pts -17 v – ? g
3º Palmeiras 59 pts – 16 v – ? g
4º Internacional 57 pts – 16 v – 16 g
5º Atlético-MG 57 pts – 16 v – 5 g
6º Avaí 56 pts – 15 v – ? g
7º Cruzeiro 55 pts – 16 v – ? g

37ª Rodada

Corinthians x Flamengo
Palmeiras x Atlético-MG
Goiás x São Paulo
Sport x Internacional
Cruzeiro x Coritiba
Avaí x Santos

1º Flamengo 66 pts – 19 v – ? g
2º São Paulo 65 pts -18 v – ? g
3º Internacional 60 pts – 17 v – ? g
4º Palmeiras 60 pts – 16 v – ? g
5º Avaí 59 pts – 16 v – ? g
6º Cruzeiro 58 pts – 17 v – ? g
7º Atlético-MG 58 pts – 16 v – ? g

38ª Rodada

São Paulo x Sport
Santos x Cruzeiro
Internacional x Santo André
Flamengo x Grêmio
Atlético-MG x Corinthians
Botafogo x Palmeiras
Náutico x Avaí

1º Flamengo 69 pts – 20 v – ? g
2º São Paulo 68 pts -19 v – ? g
3º Internacional 63 pts – 18 v – ? g
4º Avaí 62 pts – 17 v -? g
5º Cruzeiro 61 pts – 19 v – ? g
6º Atlético-MG 61 pts – 17 v – ? g
7º Palmeiras 61 pts – 16 v – ? g

E assim terminará o Brasileiro de 2009.

Obs.: Se houver erros nas pontuações, é que as fiz apenas uma vez.

Quem tem a cara do Grêmio?

Vagner Mancini foi mandado embora porque “não tinha a cara do Grêmio”, o presidente Duda Kroef é contestado pelos gremistas por “não ter a cara do Grêmio” e Autuori, pela mesma alegação, já foi colocado no paredão.

Para esses caras, há o técnico ideal: …

… aqui está ele! É só botar o Dinho na boca do túnel.

Nada como simplificar as coisas.

Nenhuma surpresa

Sim, nenhuma surpresa. O Inter costuma se atrapalhar contra times inexpressivos. E aconteceu novamente. O Coritiba rola há anos pela primeira divisão tentando desesperadamente não entrar pelo ralo que leva à segundona. Seu lugar é aquele limbo que fica entre a Sul-americana e a queda. Qualquer ano cai de novo. Em 2009, faz 100 anos; então montou um time para não cair, igualzinho como fez quando completou 99 anos, 98 anos, 97 anos e assim por diante.

A novidade é que Renê Simões fez uso da intimidação. Tanto que o zagueiro Felipe mandou Nilmar para o hospital com uma voadora no quadril. (Talvez nos beneficie… Nosso atacante pode ser cortado da seleção, o que seria muito bom.) Renê deve ter dito a seus atletas: “Finjam ser neonazistas, depois imaginem que eles são gueis”. E vá pontapés para todo lado. O fato é que os 3 x 1 deixam o Coxa vivo. O jogo no Couto Pereira será ditado por eles. Prevejo aquele típico paroxismo de mediocridade para o qual o Inter gosta de perder.

Um perigo real. Falo sério.

E viva o grande futebol do Barcelona!

P.S.- Durante o dia, devo dar, aqui e lá, alguns pitacos sobre o conto Aqueles Dois, de Caio Fernando Abreu. Ele será focalizado pelo Clube de Leituras do Idelber.

Registros fotográficos da época da inauguração do Beira-Rio (minha irmã conseguirá outros)


Milton Nerd dentro do Beira-Rio em construção (setembro de 1968, tinha 11 anos). A época era de ditadura, mas os óculos são do Realismo Socialista.


Orgulho após impedir o octacampeonato do Grêmio (foto de janeiro de 1970, 12 anos)

Amor

Quando eu era criança, costumava fechar a porta do meu quarto para narrar futebol em voz alta com maior liberdade. Minha irmã me enchia o saco, dizendo para eu parar de inventar aquilo. Narrava jogos espetaculares onde o Inter vingava-se de todas as humilhações que o Grêmio nos submetia naqueles anos 60. Era uma vida interior movimentada, que fazia minha garganta doer pelo esforço de gritar tantos gols. Também sonhava com jogos, escrevia escalações, contratava jogadores inatingíveis – muitas vezes era um deles — e fazia cálculos, anotando num caderno vermelho todos os jogos dos campeonatos que o Inter participava. Era uma coisa meio demente, ainda mais num tempo em que o Campeonato Gaúcho valia alguma coisa e em que o Grêmio havia vencido 12 dos últimos 13. Era uma tragédia ter 11 anos naquele 1968 que terminaria com o AI-5. Mas tinha certeza que os anos me fariam melhorar. Minha mãe também.

É, mas não mudou muito. É um grave defeito de fabricação. Vocês não me pegarão mais aos berros no meu quarto – ainda mais se estiver acompanhado –, mas minha vida interior, quando não estou submetido a estresse, inclui aquele momento em que passo a pensar no próximo jogo, na próxima escalação e, ainda, nas próximas jogadas. Entro no elevador e de repente vejo D`Alessandro pisando na bola, retardando o ataque… Aquilo me irrita e já saio do elevador preocupado. No dia seguinte, acordo e de cara levantam uma bola em nossa área. Sandro salva e partimos para um contra-ataque com Taison e Nilmar: gol certo enquanto escovo os dentes.

Acho que há pessoas que pensam em dinheiro e mulheres o tempo inteiro — eu até perco muito tempo também nisso –, mas a vida interior do torcedor de futebol é um pouco diferente. Claro que todo este interesse está associado a um clube que amamos e que, por definição, é mais importante do que todos os outros. E quando este clube tem um inimigo, este será o mais odioso e horrendo – e sifilítico e purulento e idiota e filha da puta e a nossa cara. Sim, acabo de descrever sucintamente o Grêmio.

E então este clube faz cem anos, contingência inevitável para quem, mesmo endividado, não morre e a gente fica todo bobo, achando que o dia 4 de abril nos oferecerá vales onde correm o leite e o mel, com 11.000 virgens amorosas vertendo Baileys das tetas. Confesso que balancei quando meu sobrinho me convidou para ir ao jantar do centenário, mas recuei ao saber que custava R$ 200,00. Também não me entusiasmei pelos tais fogos — quase sempre fecho minhas noites de sextas-feiras em cinemas –, mas achei legal a coisa da caminhada até o Beira-rio no sábado, a tal Marcha do Centenário.

Fiquei indignado quando um pessoal aí, os quais são indiscutivelmente os maiores representantes das torcidas gaúchas (preciso indicar a ironia?), convidaram o prefeito gremista para a caminhada e ameaçaram até com a Yeda. Céus, que gente mais sem noção! Para que misturar a mais simples das comemorações – a procissão de colorados do incerto local onde o clube foi fundado até o Beira-Rio – com mais uma tentativa desesperada de manter a troca de favores com o poder? E eles seriam retaliados, vaiados, precisariam de seguranças. Nosso momento cívico ficaria uma merda.

Sim, eu disse cívico, pois colorado é o que sou. Se habito fisicamente a Rua Gaurama, tenho uma segunda vida com endereço aqui; se tenho um telefone, também tenho e-mail; se sou Suda de modo geral, sou especificamente brasileiro; se tenho o futebol em minha vida interior — assim como tenho a Gaurama, o blog, o número do telefone, o endereço de e-mail, a Suda e o Brasil — esta se foca repetida e especificamente para o Inter. O Inter e seus grandes times moram em mim, completam um século neste sábado e é fato dos mais dignos de celebração que eu possa imaginar, mesmo que tenha achado todos os outros centenários (principalmente aquele) manifestações ridículas e sentimentalóides, sem intersecção com nosso centenário. Não tinha pensado nisso, mas devo me comover na caminhada. Afinal, ninguém consegue ser crítico de si mesmo e o Inter, sei, sou eu.

Duas Vezes Junho, de Martín Kohan

Como primeira observação, declaro o mais fundamental, ou seja, minha impressão ao fechar o livro: é excelente e muito bem traduzido – aleluia! – por Marcelo Barbão. (Eu ia comprar o livro em espanhol, mas recuei após saber do preço. Não me arrependi de ler a versão em português, da Amauta Editorial, com a bela e estimulante capa acima.)

Gostaria de delimitar algumas coisas relativas ao livro. Seu título refere-se a dois junhos de Copa do Mundo, o de 1978 (dias 10, 11 e 12 de junho) e o de 1982 (dia 29 de junho, penso eu). São dias – e isto não é casual – de derrotas do futebol argentino, porém, isto apenas serve para reforçar uma metáfora, pois Duas Vezes Junho fala é da Grande Derrota Moral da Argentina daquele período. E não, não é um livro apenas para futebolistas, é um livro que usa o futebol na sua mais gloriosa função periférica, a de servir como representação de nossas vidas. O futebol fica sempre no fundo do cenário, como a lembrar que, ali ou na vida, as coisas podem não sair confome o previsto.

Martín Kohan começa o livro com uma curiosa indagação presente numa espécie de diário de bordo de uma das prisões argentinas: A partir de que idade se pode começar a torturar uma criança? Esta pergunta, de um absurdo quase cômico para quem está fora do contexto, vai tomando proporções e significados diferentes à medida em que o relato avança. E o relato avança em dezenas de pequenos capítulos contrapontísticos, onde várias vozes vão contando e completando seus temas para estabelecer o todo. Raramente uma destas vozes exalta-se ou é confrontada; cada uma delas tem sua lógica, sua razão e a função de formar o mosaico de Kohan. O resultado deste mosaico é estarrecedor e a inconclusão do momento dramático mais importante do livro – a cena entre o soldado e a mulher torturada na prisão, ocorrida no mesmo momento em que os “médicos” discordam e que é o único capítulo em que o contraditório comparece plenamente – nos dá a medida de uma história que repetiu-se tantas vezes a ponto de tornar-se pedra de um outro mosaico ainda maior, o da verdadeira tragédia que representaram os governos militares daquele país.

Ao ler o som dessas vozes, algumas contando fatos que ficam inacabados, ao ler a forma como Kohan finaliza as duas seções de sua novela, ao perceber que não há excessos em Duas Vezes Junho não consigo deixar de pensar no Tchekhov dramaturgo. Isto é um dos maiores elogios que este modesto escriba pode fazer a alguém.

Todos nós sabemos que a posição do Brasil em relação à literatura argentina é o inverso de sua posição futebolística… Acho lamentável que o Brasil, que também sofreu uma ditadura duríssima – casualmente com um de seus piores períodos ocorrendo durante a Copa de 70 -, tenha tão poucos romances dedicados ao assunto. Os que li são da época dos “Romances de Resistência dos Anos 70”. Há bons romances – Quarup, Incidente em Antares, Bar Don Juan, a obra-prima esquecida Quatro-Olhos, de Renato Pompeu, e outros -, mas os poucos que atualmente dedicam-se àquele periodo preferem utilizar um tom emocionado muito próximo da indignação e do discurso político. A opção de Kohan por uma narrativa fria, distanciada e paradoxalmente nostálgica, causa um impacto muito maior. Vejam bem, escrevi distanciada, não escrevi cínica. Não se precisa descrever as entranhas e cada atitude de um monstro para sentir-se quão terrível ele é. Se espreitarmos algumas atitudes dele, nossa imaginação faz o resto de modo muito mais eficaz.

Final futebolístico: o que não assustava muito era aquela seleção argentina de 78, cujos zagueiros centrais eram dois pigmeus – Galván e Passarella – e cujo inexistente ponta-esquerda – Ortiz – fora dispensado do Grêmio por deficiência técnica. Lembro de Grenais em que Ortiz era vaiado pelos próprios torcedores bananas. Como os argentinos venceram aquela Copa? Ah, não sei; havia o Peru, havia Videla, havia a hinchada argentina e havia Claudio Coutinho preferindo Chicão a Falcão. É melhor nem pensar a respeito.