Bom dia, Zago (com os melhores lances de Inter 3 x 1 Cruzeiro)

14 mil almas coloradas assistiram ontem no Beira-Rio à vitória do Inter por 3 x 1 contra o Cruzeiro-POA. Era um 6 de abril, data de aniversário do estádio, que completava 48 anos. Um estádio que vai bem, tanto que terça-feira recebeu Elton John e James Taylor e ontem recebeu John Lennon, o bom lateral direito do Cruzeiro.

Fui ao jogo com meu amigo Alexandre Constantino. No caminho para o estádio, falávamos sobre as maiores derrotas do Inter em casa. Fomos até os anos 70, o que comprovava nosso enorme otimismo com a atuação do time.

Vamos dar uma chance para Valdívia, que marcou um golaço | Foto: Ricardo Duarte

Vamos dar uma chance para Valdívia, que marcou um golaço | Foto: Ricardo Duarte

Zago, desta vez tu escalaste bem. Mexeste mal, mas escalaste bem. Também pudera, tiveste uma semana para pensar. Mas o Inter não jogou bem. Lento e com imensas dificuldades para armar jogadas de ataque, a coisa se arrastava até que Carlinhos cruzou para Brenner fazer 1 x 0. Antes, só tínhamos dado um chute a gol por meio de D`Alessandro.

Fizemos o segundo em jogada de esforço de William, que ia perdendo bisonhamente a bola na área adversária, mas surpreendeu dando um carrinho para recuperar a bola e cruzar para Brenner marcar.

Tranquilo, com 2 x 0, tu resolveste complicar. Tiraste Brenner — autor de dois gols — para colocar teu bruxo Roberson. E então, o que aconteceu? Pois é, saiu o gol do Cruzeiro. Gol do zagueiro Dão, que cabeceou livre na nossa área. Sabe quem o estava marcando? Pois é, Roberson. Tu mexe lá na frente e o cara vai lá atrás fazer cagada, né, Zago? Viu no que dá insistir com os parças? Roberson deve ser um bom amigo teu, talvez saiba assar churrascos fantásticos, sei lá.

Mas colocaste Valdívia, que vinha mal. E o Poko Cérebro acabou marcando um golaço libertador, em sensacional cobrança de falta. Depois do gol, demonstrando enorme equilíbrio emocional, Valdívia desfez-se em lágrimas, reclamando do desamor da torcida e dizendo que nas crises pessoais ninguém te abraça. Precisa de tratamento psicológico, claro. Tem dinheiro para tanto. Não obstante, deixo-lhe meu abraço pelo golaço. Faça outros!

Por falar em abraços, estou dando o braço a torcer para meu colega de trabalho Luís Eduardo Gomes. Ele acha que TODOS os jogadores que participaram do rebaixamento deveriam ser vendidos, trocados ou dispensados. Fiquei pensando nisso durante o jogo. Sabem quem eram os piores em campo no primeiro tempo de ontem? Sim, os dois únicos que participaram ativamente da debacle: Dourado e William. Eles pareciam constrangidos, com medo do jogo. E quem a torcida vaiou quando da apresentação do time no telão? Ernando, Andrigo (muitíssimo vaiado) e Ferrareis. E quem a torcida detesta sem dó nem piedade? Paulão, só que este está machucado, ainda bem.

A disputa com o Cruzeiro ainda está em aberto, quem foi ao jogo sabe que só o resultado foi bom. Léo Ortiz e Cuesta é uma dupla insegura e Dourado e William vou lhes contar…

Ah, Edenílson estreou muito bem.

Voltando de ônibus do jogo, ouço esta pérola, dita de um torcedor para outro: “Tu é a comprovação do nosso ensino falido, cara!”.

Devia ser mesmo.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Zago (com os melhores lances de Inter 1 x 0 Flu)

O gol foi do volante Charles | Foto: Ricardo Duarte

O gol foi do volante Charles | Foto: Ricardo Duarte

Ontem, fizemos melhor partida de 2017. Sim, tivemos poucos jogos, o ano está recém iniciando, mas o losango formado por Anselmo, Dourado, Charles e Dale foi a melhor solução encontrada até o momento. É claro que o adversário era o time reserva de Fluminense e jogamos com três volantes. Mas isso é mera tese, porque Dourado não joga mais como volante, está sempre no ataque e precisa de proteção atrás. Charles e ele alternaram-se eficientemente na função de ir ao ataque, preocupando o Flu.

Os laterais Alemão e Uendel atacaram bem — às vezes ao mesmo tempo, certamente em razão da presença dos tais 3 volantes — e tiveram problemas atrás. Acho que Uendel e Charles são as melhores notícias do ano. Klaus e Paulão atuaram bem demais. (Não tenho nada contra o Paulão jogar bem). Na frente, tivemos D´Alessandro pela direita e Valdívia pela esquerda, com o péssimo Roberson centralizado.

O interessante é que o gol de Charles teve uma troca de passes de 35 segundos. Foram mais de 20 passes certos. Mas fala sério, Zago, Roberson pode ser teu bruxo, mas deve vazar já, na minha opinião. E o Andrigo leva jeito de motoqueiro entregador de pizza, daqueles trazem o troco num saquinho.

Tu pegaste um time há 18 meses sem técnico. Vejo lógica nas tuas decisões e sei que vai demorar para que o time tome forma. Sou otimista. Por outro lado, a pressão será enorme. Uendel disse que até os treinos são nervosos. Por isso é que seriam importantes algumas vitórias no Gaúcho. O Inter está em 10º no regional, o 11º já está na zona do rebaixamento. Não dá, né? Isso incomoda.

Creio que estamos estruturando um novo time. Talvez não vá ser uma Brastemp, mas acho que será um time. Finalmente.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Zago (com os melhores lances de Inter 1 x 2 NH)

Fernando Bob preparando alguma bobagem | Foto: Ricardo Duarte

Fernando Bob preparando alguma bobagem | Foto: Ricardo Duarte

Não gostei nem um pouco do Inter ter te contratado. Sei do bom trabalho realizado no Juventude e do bom nível de atualização que tens — coisa rara em nosso futebol. Mas há atitudes difíceis de relevar, ainda mais em um clube cujo símbolo é um Saci. Acho sintomático que as pessoas te chamem agora de Zago. Querem deixar aquele zagueiro Antônio Carlos para trás. É o que farei também.

É claro que os 18 meses em técnico estão te cobrando um duro preço. Argel e Celso Roth não deixaram pedra sobre pedra. O time chegou a ti sem nada treinado ou bem preparado, estás partindo do zero absoluto. Mas escalações como a Fernando Bob no último sábado demonstram certo desespero ou desconsideração por 2016. Não adianta retestar velha fórmulas fracassadas, ainda mais que todo o RS futebolístico sabe que Bob será logo engolido pelo ascendente Charles. Também é inútil fazer um lado direito com jogadores como Ceará e D`Alessandro que, no meio do ano, somarão 73 anos. Também me surpreende a sobrevivência de Paulão, Ernando e Andrigo. Esses caras não jogam nada, Zago. Por que contratamos Klaus, Néris e trouxemos Eduardo de volta? Não foi para enterrar Pauão e Ernando de vez?

Outra coisa: não estaria na hora de fixar Dourado na frente da zaga? Este moço teve um 2016 desastroso jogando solto pelo campo, como se estivesse numa eterna pelada no Parque Saint-Hilaire. O que eram aqueles contra-ataques do Novo Hamburgo? A gente erra um passe — fato comum —  e é pego sempre com a bunda de fora?

Vai ser uma reconstrução penosa, muito dolorida, meu rapaz. Valdívia volta em boa hora. Penso que o Gaúcho é o momento perfeito para dar força jovens como Junio, Charles e outros que tu deves nos apresentar, assim como para ver quem são de verdade Nico López, Seijas e os outros recentes contratados.

Sei da pindaíba e dos salários — direitos de imagem — atrasados, mas tu sabes que serás cobrado do mesmo jeito por uma torcida impaciente.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia e parabéns, Celso Juarez Roth

Juarez nos fazendo de trouxas

Juarez nos fazendo de trouxas

Depois de teu novo fiasco de ontem à noite, Celso Juarez, o Inter se encaminha inexoravelmente para a Segundona. Faltam 13 rodadas e precisamos de 18 ou 19 pontos — quase 50% dos 39 a serem disputados. Isto é quase impossível. Afinal, ganhamos 8 pontos dos últimos 51 disputados. E basta olhar para o campo. Criatividade nenhuma, um primeiro tempo sem ímpeto nem urgência, uma total indiferença da parte da maioria dos jogadores; enfim, dificilmente escaparemos. Enquanto o site Infobola já crava em 59% nossas chances de cair, olho de esguelha para os culpados pela situação, doravante chamado Grupo dos Cinco Idiotas: Vittorio Piffero, Carlos Pellegrini, Argélico Fucks, Fernando Carvalho e Celso Roth, mais auxiliares e aspones de todos eles. Espero jamais rever suas bundas sentadas em cargos diretivos, pois direção é que eles não têm.

O habitualmente equilibrado Nando Gross disparou calmamente dizendo que tu, Celso, tens que sair agora, que tu só prejudicas a equipe. Ontem, na tentativa de bater teus recordes de cegueiras futebolística, retiraste Seijas no intervalo para colocar Sasha. Acho que o grupo ficou tão surpreso com a burrice que tratou de dar logo um gol para o pobre e podre time do Vitória. Parece que desejavam decidir imediatamente o destino do jogo.

O que tínhamos de bom está sendo destruído. William não consegue mais apoiar, os volantes correm feito baratas após uma dedetização, Seijas, Nico López e Aylon são os únicos que têm alguma inteligência, mas jogam sozinhos, cada um por si. E um time que alterna Géferson e Artur na lateral esquerda é uma piada, Piffero. Sim, acabo de dar uma risada.

2017 será um ano de jogos às terças e sextas, de camisetas baratas, de jogadores querendo sair para aparecer e de torcedores fazendo piadas com os trabalhos de Sísifo do Grêmio. Também será o ano de te mandar diariamente tomar no cu, claro. A ti e ao Argel. Como dizia o Barão de Itararé, “De onde menos se espera, daí é que não sai nada”.

É hora de colocar alguém com cara que conheça futebol no teu lugar e que seja candidato a permanecer no ano que vem. E de pensar nas eleições. Não votei em Piffero nem em Fortunati ou Sartori. Fui de Dilma só no segundo turno e fora Temer. Em todo e qualquer nível, estou sendo administrado por quem detesto. Ainda bem que Sul21 dá uma equilibrada nisso. Que a luz ilumine o Conselho e que tenhamos colorados inteligentes e que gostem de futebol para que a gente volte em 2018 como um verdadeiro player, como dizem os empresários. A matemática me faz jogar a toalha. Agora é vaia.

Querem ver a coisa de ontem? Tá bom. Verão que sequer perdemos gols.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Celso Juarez Roth (ontem como Mr. Hyde)

celsoTodos vocês conhecem O Estranho Caso do Dr. Jekyll e Mr. Hyde, certo?Não? Bem, trata-se de um romance gótico do grande Roberto Louis Stevenson, com elementos de ficção científica e terror, publicado em 1886. Uma obra-prima. Na narrativa, um advogado londrino chamado Utterson investiga estranhas ocorrências relativas a seu velho amigo, o tranquilo Dr. Henry Jekyll, descobrindo que ele às vezes transformava-se no malvado assassino Edward Hyde. Tudo coisa das experiências de laboratório de Jekyll, personagem que antecipa a montanha de “cientistas loucos” que vieram depois. Só que Hyde, predador selvagem e inconsequente, vai tomando conta, vai se tornando uma necessidade, vai seduzindo Jekyll. A obra é conhecida por sua representação do fenômeno de múltiplas personalidades, quando em uma mesma pessoa existem tanto uma personalidade boa quanto uma má.

Juarez

Juarez

O mesmo acontece com o técnico do Internacional Celso Juarez Roth. Em alguns dias ele aparece como Celso, em outros como Juarez. E, meus sete leitores, garanto-lhes que Juarez é burro, destrutivo, contraditório, dança na cara da lógica, limpa a boca suja de molho de tomate na toalha de linho do mais fino restaurante, conta piadas de peido na frente de senhoras e fala alto expelindo gotas de saliva.

Mas há algo pior, pode ocorrer de Celso ser invadido por Juarez em meio ao jogo. E foi o que ocorreu ontem à tarde após as inéditas falhas de nosso goleiro Danilo Fernandes. Quando a câmara focou em Celso logo no início do segundo tempo, vimos o esgar malvado de Juarez e, sim, ele tornou impossível qualquer reação nossa. Ele queria nos foder, entendem?

Tudo para ficar assim. Celso Juarez Roth: 5 jogos 5 pontos, 33% de aproveitamento. 5% de 666.

Bem, não sou Utterson, mas vou tentar explicar a ocorrência antes de preencher a B.O.

O jogo mal tinha iniciado e já ganhávamos por 1 x 0. Gol de Valdívia em jogada ensaiada. E, bá, jogávamos bem. Era só ir pra cima e liquidar o jogo. O juiz nos sacaneou num pênalti claro sobre Nico López. Mas era só pressionar que estava fácil. Então, Danilo Fernandes resolveu ter suas primeiras falhas. Teve duas, uma no final do primeiro tempo, outra nos primeiros segundos do segundo, dando dois gols para os paranaenses, que agradeceram. Foi o momento em que vimos Celso á beira do campo. Seu rosto indicava  claramente. Ele já virara Juarez.

Imaginem que ele tirou Seijas — o melhor em campo, o único que acertava passes –, Valdívia e Eduardo Henrique para colocar Ceará, Vitinho e Anderson. Hahahahaha, como dizem no Facebook. Improvisou William Chutinho — nosso lateral que perde um gol feito por jogo há dois anos — no meio! Ora, William de armador…

E colocar Vitinho e Anderson da forma como Juarez os colocou é, na verdade, a receita ideal para acabar com eles. Juarez os deixou de fora até não poderem mais e lembrou deles justo quando o jogo estava complicado. “Vão lá e resolvam!”. Hahahahaha!

No Beira-Rio, ele coloca Alex…

A retirada de Seijas desmontou o time, impediu qualquer reação. É que, gente, Juarez erra as substituições de propósito. E time e torcida ficam nervosos, sem entender e perdendo. Agora, vemos o fantasma da Segundona crescer novamente.

Fica difícil de comentar. O time vinha bem, dominava o Atlético-PR. Aí, nosso goleiro cometeu duas falhas e o técnico derrubou o time. Comento como jogamos bem o primeiro tempo e mal o segundo ou apenas fico embasbacado pela mudança de Celso para Juarez? Pensem nisso enquanto reviso o texto.

Obs.: Esta ideia de Celso virar Juarez não é minha. Nasceu lá no Impedimento.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Chupa, Celso Roth

Aylon entrou assim, voando | Foto: Ricardo Duarte

Aylon entrou assim, voando | Linda foto de Ricardo Duarte

Celso Roth resolveu escalar o time da torcida e deu no que deu.

3 x 0, uma vitória após 14 jogos sem chegar ao clímax, e um começo, um feto de futebol.

Imaginem se nosso Professor Pardal não tivesse inventado William como terceiro volante contra o Sport, imaginem se Sasha tivesse ficado fora, se Ariel não tivesse entrado, se Bo(m)b não tivesse entrado para manter o resultado mínimo, se Celso Juarez Roth fosse mais Celso e menos Juarez? Digo que não empataríamos aquele jogo, venceríamos. Com jogadores mais afeitos ao toque de bola e a atacar — Nico López, Seijas e Aylon — a coisa flui, fluiu. Não mudamos de status, permanecemos na zona de rebaixamento do Brasileiro e esta posição é um escândalo para uma instituição como a do Inter, mas ontem deu para ver que podemos fugir da degola com muito esforço e um pouco de bom senso. Não precisa muito mais.

Nico López não apenas usa a cabeça para pensar, como fala com a bola | Foto: Ricardo Duarte

Nico López não apenas usa a cabeça para pensar, como fala com a bola | Foto: Ricardo Duarte

Nico López, assim como Seijas, é um jogador inteligente. Jamais pode ficar fora. Cercado e desejando manter a posse de bola, é capaz de dar um bico da intermediária adversária para Danilo Fernandes recomeçar tudo. É outra civilização. Já Sasha foi pifado por Nico e o que fez? (1) Não chutou de primeira a bola dada com afeto porque não tem o pé esquerdo. (2) Erra a conclusão com o “pé bom”. Sasha, viste como Nico chutou de direita e marcou. Já pensaste se ele tivesse que virar a bunda para o lado da Geral antes de chutar?

Após o jogo, Roth começou a falar coisas bem básicas e razoáveis como manter a posse da bola, atacantes auxiliando na marcação, rapidez, recomposição, volantes no lugar. Nossa, como faz bem uma vitória! Celso, tu nem tiraste o Aylon para colocar o Bob e segurar o resultado!!!

Celso, não deixe Juarez tomar conta do teu corpo. Mantenha dois volantes, não coloque jogadores defensivos para manter resultados diminutos, invista na posse de bola e cubra-se da glória de ter retirado o Inter daquele lugar repulsivo para onde só vão médios, pequenos e o Corinthians.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Celso Juarez (com os melhores lances da tragédia de ontem)

Seijas, meu filho, com Celso Roth ao lado, não perca tempo pedindo coisas a Deus | Foto: Ricardo Duarte

Seijas, meu filho, com Celso Roth ao lado, não adianta pedir coisas a Deus | Foto: Ricardo Duarte

Eu estou em um grupo do Whatsapp formado por pessoas muito próximas do Internacional — alguns são ou foram conselheiros do clube. Muita gente é da oposição, até porque a situação tornou-se pífia. São uns fanáticos. Veem tudo, muitos vão aos treinos, etc. Em dias de jogos criam um enorme tsunami de mensagens, meu caro Celso Juarez. Pois saiba que ontem, quando tu colocaste Fernando Bob em campo, nem precisei escrever o óbvio porque uns 20 o fizeram antes: “Roth é o chama-derrota, está convidando o Sport para nos pressionar”. Dito e feito. Em poucos minutos, o adversário empatou, tirando-nos dois preciosos pontos e deixando-nos, pela primeira vez em muitos anos, na tão mal frequentada Zona de Rebaixamento.

Reza a Lei de Bielsa:

O time que abdica de jogar com a bola, multiplica o número de bolas que o adversário terá.

Claro, se teu time, Celso Juarez, não está nunca com a bola e nem tem tal pretensão, aspirando apenas a defender-se e a dar chutões, está dando a bola e argumentos para que o adversário volte e volte e volte a atacá-lo.

Há também uma Lei de Cruyff, que diz:

Há apenas uma bola em campo, então você precisa tê-la.

Na tua entrevista coletiva após o jogo, disseste uma tolice digna de ficar nos Anais Rothianos do Rebaixamento: “Nós precisamos aprender a segurar o adversário”. Eu te respondo que a melhor forma de segurar o adversário é ficando com a bola, não abdicando dela.

Eu acho até que tu sabes dessas coisas, mas teu descontrole leva a que tu te acadeles com o rabo entre as pernas na frente do teu gol. Mas o pior é que — tendo feito 1 x 0 no primeiro tempo — já tínhamos desistido desde o início do segundo tempo. Estávamos apenas atrás do apito final. Burrice.

Sem segurar a bola na frente, tu me colocas quem em campo? Ariel… Um cara que mal sabe matar a bola. Ou seja, escalaste mal, entrando com Sasha, e colocaste um cara grande, lento e sem qualidade técnica no lugar do filho da Xuxa, quando precisávamos de alguém rápido e hábil, tipo Nico López, que ficou sentadinho no banco.

A torcida colorada não merecia, mas tu mereceste ter empatado com o fraquíssimo Sport. Na ânsia de proteger uma vitória por escore mínimo, retiraste do time qualquer possibilidade ofensiva. Como saiu o gol de empate? Ora, numa falta inútil cometida por Fernando Bob, o cara que colocaste em campo para “segurar o adversário”.

E não me diga que é fácil comentar depois do jogo. Eu te mostro meu Whats, seu inútil.

Realmente, a luz da inteligência é fugidia para os comuns mortais, como eu e tu, Juarez. Aparece raras vezes e, quando aparece, muitas vezes é ignorada por nós mesmos. Mas penso tu és um caso especial. Para ti, ela brilha tão pouco que é de impossível apreensão. Então, ignoro o motivo de teu alto salário e posição. Estamos fodidos.

.oOo.

Douglas Ceconello escreveu em 2014: “A saída é: parem de brincar de Real Madrid, DESFAÇAM a reforma e abram os portões. Ainda é tempo. De qualquer forma, tudo vai acabar em fogo, mesmo. Se a relação com o teu clube nada mais é que uma sucessão de hábitos, físicos e emocionais, está muito perto o momento em que tu serás mais torcedor estando fora do estádio do que frequentando esta nova modalidade de espetáculo com a qual os bárbaros ainda precisam se adaptar, mas que tende a durar apenas até o momento em que teu time precisar se livrar da segunda divisão na base do grito, da demência, do cigarro e, se preciso, com torcedores correndo incendiados no meio do campo.”

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Celso Juarez

Situação do Inter no Brasileiro

Situação do Inter no Brasileiro

Tu sabes que jogamos melhor, Celso, mas que a vitória escapou por entre nossos dedos nervosos. Como cola de etiqueta, o azar gruda em quem está angustiado. Como explicar aquele chute de Seijas que passa pelo goleiro, bate na perna de um zagueiro do São Paulo, sobe, dá no travessão e volta como uma conta que esquecemos de pagar? E o pênalti perdido por Valdívia aos 45 do segundo tempo? Aquilo ali é sinal claro de segunda divisão. Há que puxar sei lá de onde uma calma que não possuímos. Há que fingir.

São vinte clubes e os quatro últimos caem. Então, estarão fora do 17º ao 20º lugares.

Estamos em 15º com 23 pontos, a mesma pontuação do 16º (o ascendente Cruzeiro) e do 17º (o Vitória com um jogo a menos). Para piorar, o 18º (Figueirense), com 21 pontos. também tem um jogo a menos.

O site de estatísticas Infobola até que é legal com a gente e nos dá 49% de chances de cair. Vamos ter que acreditar nos 51%.

Imagina só, Celso Juarez, se o Ernando não tivesse marcado aquele gol, nós já estaríamos HOJE no grupo do rebaixamento.

Para dar um tempero especial à nossa desgraça, tu mantiveste o Sasha no time, retirando o coitado do Nico López, sempre teu preferido para sair. Ariel entrou bem no jogo, mas talvez Nico fosse mais útil a seu lado do que assistindo o jogo de fora. Também não gostei do fato de Valdívia ter batido o pênalti. Reprovei antes da cobrança, entende? Não estaria na hora de gente mais experiente assumir a coisa? Por que não Seijas ou Ariel?

Temos que contar com a sorte e com o trabalho. O time até tem evoluído, mas os maus resultados podem fazê-lo retornar a patamares mais baixos. Enquanto isso, um dos principais culpados por nossa desgraça, Argélico Fucks, foi demitido ontem do Figueirense. Os outros, Piffero e Pellegrini estão flanando por aí, o primeiro como presidente…

O próximo jogo é domingo, 28, às 18h30, contra o Sport (26 pontos, 12º colocado). Sugiro escalar Danilo Fernandes; William, Eduardo, Ernando e Ceará; Dourado, Eduardo Henrique, Anderson e Seijas; Valdívia e Nico López. Acho que seria o melhor para este momento em que ganhamos apenas 4 pontos dos últimos 39 disputados. Chega de Arthur, Fabinho e Bob, por favor.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Paulo Roberto Falcão

Artur, um dos que não suporta a pressão e erra tudo | Foto: Ricardo Duarte

Artur, um dos que não suporta a pressão e erra tudo | Foto: Ricardo Duarte

Observação inicial: é claro que eu compreendo as manifestações de ódio e repúdio à situação do clube, mas a violência contra pessoas e o quebra-quebra devem ser evitados. Porém, discordo daquelas pessoas que querem impedir que o time seja vaiado e acho ABSOLUTAMENTE RIDÍCULO que os alto-falantes do estádio enfiem o hino do Inter sobre as vaias. Isto também é uma violência, pois torna mudo um estádio que está justamente indignado. A vaia é direito sim. Sou sócio em dia do Inter há mais de 30 anos, pago aquilo lá e sinto-me com pleno direito (e dever) de vaiar quem eu quiser, mas nunca de agredir ou quebrar.

Teu trabalho, Falcão, vai ser foda. Hoje soubemos que Valdívia e Vitinho foram substituídos no intervalo após uma discussão em que o primeiro pediu mais empenho do segundo. E Paulão entrou na discussão com seus punhos contra Vitinho, segundo fontes bem informadas do que acontece no vestiário. Ontem, a primeira reunião do dia foi entre tu, Falcão, e Valdívia. Ou seja, o ambiente é péssimo, beirando o incontrolável, e Ceará, um cara bom de grupo, foi contratado as 36 anos para ficar como substituto das duas laterais e para trabalhar pela paz. Me disseram que merecerá um Nobel se conseguir.

Há muito empenho e preocupação de uns e indiferença de outros.

Sabemos também os motivos de tudo estar assim. O presidente Derrotório Piffero, manteve Argel quando o prazo de validade do técnico já estava pra lá de vencido e, agora, o time precisa de pontos e bom futebol. Só que a coisa simplesmente não aparece. O destreinamento de 11 meses pesa de forma insustentável. Todos jogam nervosos, erram  passes, não se encontram e os adversários se esbaldam. Se seguirmos a tendência — hoje, olhando a tabela, temos 2 pontos nos últimos 9 jogos –, vamos entrar logo no Z-4 e o nervosismo de jogadores, comissão e torcida deverá chegar ao máximo.

Aliás, se é pra entrar no Z-4, que entremos logo a fim de que a indireção de Piffero tenha tempo de tomar um rumo. Há que ser decidido qual o grupo que tirará o time da desgraça. Existem jogadores que devem ser afastados por falta de empenho e outros por absoluta ruindade. Temos que fechar um núcleo duro para tentar buscar os 25 pontos que faltam, os que nos deixarão fora da degola. Pois — comparando nosso grupo de jogadores com os de outras equipes — só cairemos com muita desorganização e má administração da crise. E, por favor, sabemos que a repugnante segunda divisão não é para nós.

Obs. final: o Cruzeiro, que hoje está no Z-4, vai sair de lá. As contratações está estrearam e o time já joga bem. O placar de Santos 2 x 0 Cruzeiro foi criminoso. E contra quem é nossa próxima partida? Contra o Cruzeiro em BH. Acho que nenhum dos dois cai, mas é um jogo perigosíssimo, para o qual não somos favoritos. Provavelmente, o clima será péssimo na sexta-feira lá pros lados do Beira-Rio.

Em férias em local paradisíaco na Serra Gaúcha, farei minha melhor e inexistente minha oração ateia pelo milagre…

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Falcão (com os melhores lances da quinta derrota consecutiva)

Falcão: belo casaco

Falcão: belo casaco

Nada do que está acontecendo no clube, Paulo Roberto, é culpa tua. Recebeste um time em estado de degradação e destreinamento e, para reorganizá-lo, levará algum tempo. Aos torcedores que ontem agrediram jogadores e dirigentes, tenho a dizer o seguinte: sou inteiramente a favor dos protestos e vaias, mas contra a violência. E mais: não adianta protestar contra os jogadores, mas contra os responsáveis pelo departamento de futebol, ou seja, contra gente como Derrotório Piffero e Carlos Pellegrini. Secundariamente, valeria a pena protestar contra a massa de torcedores anônimos e parvos que se enganaram com nossa liderança sem ver o que ocorria em campo — um golpe de sorte ao estilo Santa Cruz.

Afinal, se hoje ganhamos incrível e inédito 1 ponto dos últimos 21 disputados, os responsáveis são aqueles que mantiveram Argélico na virada do ano — já se sabia tudo sobre sua incapacidade — e o deixaram fazendo bobagens até meados de julho. O time, hoje, joga um arremedo de futebol. 1 ponto em 21 é para chamar a SAMU, a Unimed, o viagra, o álcool ou qualquer coisa que nos reanime.

Hoje estamos a 12 pontos do líder, a 6 do G-4 e apenas 5 pontos à frente do Z-4.

Certo, nossos jogadores não são Brastemps, mas não ficam abaixo da maioria da concorrência. Falta articuladores — Alex é um ex-jogador, Anderson cultiva uma barriga de aposentado e D`Alessandro foi expulso do clube pelo Derrotório — e parece que não vamos tê-los, a não ser que Seijas surja como solução ou que Anderson dedique-se finalmente a seu ofício. Entrar em campo com Andrigo, Ferrareis e Sasha mais parece piada.

Se eu fosse tu, Falcão, jamais entraria com o citado trio na armação. Como dali não sai nada mesmo, colocaria o problema na mão de raposas mais velhas, como Alex, Anderson e Marquinhos. Nada por nada, é melhor queimar quem tem grande salário. Outra coisa: acho que Dourado tem que ficar atrás. Sua presença ofensiva é dispensável e falta proteção aos zagueiros.

(Olhando o grupo de jogadores do Inter, é incrível o número de jogadores ruins. Quem um nome? Allison Farias.)

A ruindade na armação começa a estourar lá atrás, onde não está Dourado. Por exemplo, os antes bons William e Paulão começam a vazar e o cenário atual é de um Inter que vimos raramente e que, para nossa sorte, ainda não vingou, um que é franco favorito ao rebaixamento.

O primeiro tempo de ontem foi lastimável. O Beira-Rio assistiu silencioso a um time muito bem estruturado e treinado destruindo uma equipe menor e indefesa. Aquele primeiro tempo podia ter sido um 0 x 3 sem grande exagero. Melhorou um pouco no segundo, mas chance de gol que é bem, nada.

No próximo jogo, domingo, às 11h, contra a Ponte Preta em Campinas, o Inter poderá ter de volta o goleiro Danilo Fernandes e o meia Seijas, ambos em fase final de recuperação de lesões. Por outro lado, Rodrigo Dourado e William, convocados para a seleção olímpica, desfalcam a equipe, se podemos utilizar este termo para o que temos.

Obs. final: Nico López seria um belo reforço. Ele e a Udinese aceitaram a proposta do Inter, mas o esperto Pellegrini acha impossível que dê tempo para que sua documentação esteja pronta antes de terça-feira, data em que fecha a janela europeia. Se isso acontecer, será mais um episódio ridículo desta diretoria de circo. (Lembram quando Quintero foi anunciado? Cadê Quintero?)

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, presidente Derrotório Piffero

Derrotório Piffero: a face da confusão

Derrotório Piffero: a face da confusão

Meu caro amigo.

Parabéns! Finalmente demitiste Argélico Fucks após manter por quase um ano este falso técnico de futebol, alguém que apenas retirou minuciosamente todo e qualquer padrão de jogo do teu time, alguém que não sabia como dar dinâmica, sincronismo e passes certos à equipe, que olhava sem reação os erros e que não sabia porque às vezes ganhava. Agora, o Sr. agora tem a chance de acertar.

Eu pensei que, depois de termos visto o Inter jogando horrivelmente no final do ano passado, o Sr. não entraria 2016 com Argélico. Mas entrou e hoje sabemos que a remontagem será MUITO complicada. Estamos há mais de um ano sem fazer uma partida decente e o novo técnico receberá apenas ruínas. Nada está montado, treinado. O Inter é uma bagunça só. Precisamos de um mágico. Mas não creio que ilusionismo funcione.

Ontem, Argel chegou ao clímax da incompetência. Depois de jogos onde fizemos 47 cruzamentos (Inter x Botafogo) para atacantes nanicos, tivemos um gigante como centroavante. E só demos chutões, pouquíssimos cruzamento… Eu dava risadas vendo o jogo, era de rir, meu caro Derrotório, de rir.

Para não cairmos para a segunda divisão, faço qualquer negócio. Aceito até Celso Roth em contrato até 31 de dezembro de 2016. Mas que venha um profissional que já fez trabalhos consistentes e com assinatura, nem que seja em times médios. E, por favor, não faça com que teu novo técnico entre 2017 adentro, meu caro Derrotório. Pois está na cara que tu não serás reeleito.

Boa sorte, querido. Pense na possibilidade de rebaixamento e acerte desta vez.

Agora, os melhores lances da comédia de ontem.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, presidente Derrotório Piffero. Quem sabe passamos com o trator sobre o Argélico?

A gente acordou cedo pra ver uma merda de jogo

Teve muita gente que acordou cedo em pleno domingo para ver uma merda de Gre-Nal

Fui ao jogo acompanhado do amigo atleticano Idelber Avelar que, ao sair do estádio, escreveu no Facebook: Algum douto boleiro me explique como a dupla Gre-Nal está no G-4 do Brasileirão? Céus, como são ruins!

São realmente péssimos, mas o Inter é pior. É inacreditável que Argélico esteja nosso técnico há quase um ano. Mas vamos ao jogo.

O primeiro tempo não teve nenhuma chance de gol do Inter — um time sem armadores, dependente de chutões, de seu bom preparo físico e da sorte — e teve uma do Grêmio, nascida depois de Sasha jogar-se ao chão sem ter sido tocado. No contra-ataque, um chute à queima-roupa bateu no peito de tábua de Muriel e sobrou para Douglas marcar. Depois do gol do Grêmio, Argélico tratou de queimar mais um, desta vez Fernando Bob, colocando Gustavo Ferrareis. Não há muito mais o que dizer além daquilo que repetimos há meses. Não temos toque de bola, padrão de jogo, tomamos contra-ataques atuando com três volantes, reforços duvidosos estão chegando após passar 1/3 do Brasileiro, etc.

Se eles sempre jogassem de olhos fechados, talvez acertassem o mesmo número de passes | Foto: Ricardo Duarte

Se eles jogassem todo o tempo de olhos fechados, talvez acertassem o mesmo número de passes | Foto: Ricardo Duarte

E assim o time vai se encaminhando para o seu lugar habitual, algo entre o 8º e o 12º lugares. É uma vida no limbo. Espero apenas que não caia mais.

No segundo tempo, fizemos uma pressão. Pressãozinha, bem entendido. Perdemos gols claros com Paulão, Anderson e Vitinho, mas de resto fomos controlados com tranquilidade por nosso medíocre adversário, que não apareceu mais no ataque.

As entrevistas dos dirigentes do Inter após as vitórias — sim, faz tempo — são mais claras que as das derrotas. E o incrível é que a Comissão Técnica parece efetivamente não saber o motivo pelo qual estava ganhando, comportando-se como ufanistas vazios. Devem estar muito desconcertados pelo fato do time ter passado a perder e perder.

Não temos meio-de-campo, apenas uma boa defesa e um ataque que não funciona devido ao meio. A história nos mostra que técnicos motivadores têm data de validade curta e a de Argel já está pra de vencida. Só Derrotório Piffero não vê.

Este meio de semana sem jogos seria boa para trocar de técnico. É sempre complicado decidir uma troca, mas o que temos é um zero à esquerda e mundo e a bola estavam gritando que iríamos dar com os burros n`água imediatamente. Se não estavam vendo o mercado, mais uma mancada. Se nossa direção tivesse alguma… direção, Marcelo Oliveira estaria em nosso banco ontem, mas este o Galo do Idelber já pegou.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Argélico, do #pezinhonochão ao #pezinhonabunda que, espero, está próximo

Argélico: entelando derrotas e mau português na garganta

Argélico: entalando derrotas e mau português na garganta

O Inter ganhou 1 ponto em seus últimos 4 jogos. Foram três derrotas e um empate. Estamos em queda livre no Golpistão 2016. Acho que — contra tudo o que é razoável — os dirigentes do Inter vão tentar manter Argélico como técnico. Afinal, para um homem com a iniciativa do diretor de futebol Carlos Pellegrini, é complicado ter que se mexer muito. Hoje soube que Ramón Ábila, um dos sonhos de nosso diretor, já está no Cruzeiro. Nós vamos remar com Ariel. Pellegrini é um sonhador.

Ontem, não chutamos nenhuma vez ao gol do Flamengo. Gostaria de ter sido o goleiro do rubro-negro carioca. O mês está complicado do ponto de vista financeiro e um bicho por vitória viria bem. Nosso ataque chutou oito vezes ao gol do Fla, todas para fora. Tenho 58 anos, mas já fui bom nesse negócio de repor a bola em jogo. Enquanto isso, Muriel foi muito exigido, saindo-se bem. O gol dos cariocas saiu numa das panes defensivas do Inter e foi indefensável.

O único momento em que o Inter pareceu um time de futebol foi no início da segunda etapa. Comandados por Seijas, fizemos 15 minutos bem dignos. Mas então Argélico tratou de retirar o venezuelano, colocando Alex em seu lugar. Alex parece jogar com chuteiras de chiclete, tal a sua movimentação. Quase nem tocou na bola e o Flamengo ofereceu-nos um chocolate como consolo. Claro que eu previ, Argélico. Depois, na entrevista, disseste que Seijas, que voava em campo, estava desgastado pela Copa América. Desgastado estás tu, Argélico. Desgastado e louco, pois vês sempre outro jogo. O Flamengo acertou 11 vezes o nosso gol, nós nenhuma, e tu falaste em equilíbrio.

É muito decepcionante ter um amador como treinador. Por exemplo, nesta semana, o último gol de falta marcado pelo Inter completou um aninho de vida. Lembram? Foi contra o Santos, no Beira-Rio. Valdívia bateu uma falta ao lado da grande área e a bola entrou. Na minha opinião, foi sem querer, mas nem isso acontece contigo, Argélico. Teus treinamentos são tão úteis que poderiam ser substituídos por aulas de português. Falas muito mal, credo.

Tenho certeza que, à medida que o futebol do clube ia se degradando, o Inter aumentou em muito teu patrimônio. Está na hora de enganar outros trouxas.

O que eu peço é #pezinhonabunda pra ti.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Argélico (com os melhores lances do horror de ontem à tarde)

"Não sei por que ganho, nem por que perco".

“Não sei por que ganho, nem por que perco”.

O Inter, atual vice-líder do Brasileiro, obteve 1 um ponto dos últimos 9 que disputou. Ontem, fui ao Beira-Rio ver Inter 2 x 3 Botafogo, me deu vergonha, Argélico.

Na semana passada eu tinha escrito que o nível técnico do Brasileiro era tão baixo que nenhum resultado deveria surpreender. É óbvio que tudo isso começa nos técnicos desatualizados de nosso futebol. A derrota do Inter foi de inteira responsabilidade tua, Argélico Fucks. 100% tua e 100% previsível. Eu tirei um selfie no estádio antes do jogo — está no meu Face para comprovação — e escrevi: “Em busca da liderança com uma escalação podre…”.

Um time com Bob, Fabinho, Dourado e Anderson até suportaria uma nulidade como o Ferrareis na frente. Apesar do grupo fraco de jogadores, dá para fazer um time MUITO MELHOR. É ESCALAR e POSICIONAR corretamente os caras. Ontem, tínhamos que ter entrado com Bob, Fabinho, Dourado e Anderson. E Artur na LE, que é péssimo mas marca. Estou convicto de que a derrota de ontem passa 100% por ti, Argélico, que está deslumbrado com o G-4.

Não pensei que íamos perder para o fraco Botafogo, mas tinha certeza de uma péssima atuação.

O que viste em Géferson para colocá-lo no lugar de Artur? Exigências de empresários? Só pode ser.

O que vês neste coitado chamado Andrigo e no pobre Ferrareis? Andrigo é hoje um peso morto a Ferrareis é aquele tipo de jogador que os técnicos brasileiros amam: o atacante que sabe marcar e não faz mais nada. Com ele, ninguém sai jogando com facilidade. Porém, quando Ferrareis pega a bola, o zagueiro dá risada.

Já Alan Costa é um problema da direção que não contratou reposições para a montanha de zagueiros que foi vendida ou dispensada em 2016.

Por que a postura retrancada e cuidadosa — chamada por ti de pé no chão — foi abandonada para colocar Dourado e Fabinho como volantes-articuladores? Tomamos 7 gols em 3 jogos com a nova disposição. Éramos a melhor defesa do Temerão 2016. Dourado fora do lugar e Fernando Bob no banco enquanto nossa fraca zaga fica desprotegida? É de rir.

Mais: a Guaíba disse que o Inter fez 47 cruzamentos em todo o jogo, a maioria deles para os baixinhos Sasha e Andrigo. Para quê?

E o Botafogo, Argélico, é uma piada. Mesmo com as chances que lhes deste, poderíamos ter empatado ou até vencido… Os diretores reclamam da arbitragem… Ok, foi péssima, mas não foi por culpa dela que tomamos dois gols em 15 minutos do glorioso que irá novamente para a segunda divisão.

Muito triste o que fizeste. Difícil de acreditar que vais completar um ano como técnico do clube.

Anotem: Cruzeiro, Atlético-MG e Santos. Logo os três estarão na nossa frente. Era isso.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Argélico (com os melhores lances do empate de ontem à noite)

Anderson, ilha de competência |Foto: Alexandre Lops

Anderson, ilha de competência | Foto: Alexandre Lops

Passados os primeiros dez jogos do Brasileiro, temos 20 pontos em 30 possíveis (66,6 % de aproveitamento) e estamos em segundo lugar, dois pontos atrás do líder Palmeiras com 5 partidas em casa e 5 fora. São bons números, mas o perde-ganha do campeonato deveria preocupar a quem acompanha futebol.

Os jogos são de um nível técnico tão rasante que tudo pode acontecer. Ontem, os resultados foram particularmente inesperados, mas quem vê Grêmio e São Paulo em campo não se surpreende com a derrota do primeiro em casa para o Vitória e o empate do segundo com o Sport no Morumbi. Pois, no âmbito de um Festival de Ruindade, um time lá do fundo da tabela pode bater com naturalidade quem está na frente.

O Inter jogou muito mal. O nível do técnico de nossa equipe não explica nossa posição. Somos um time esforçadíssimo, porém bagunçado, onde a tática não fica clara devido aos passes errados e constantes recomposições. Alan Costa, Géferson, Arthur, Ferrareis, Aylon e Andrigo, por exemplo, fazem um esforço comovente para acender um pau de fósforo. Considerando-se o que tínhamos na primeira década deste século, nenhum deles seria escalado. Passaria vergonha. A qualidade é baixa e qualquer um que se esforce pode jogar neste time.

O 1 x 1 foi justo porque o Coritiba também é muito fraco. Aliás, só o Palmeiras parece ser um pouco diferente do resto.

A próxima partida, contra o Botafogo, tem tudo para ser um drama. Vitinho “Rei dos Cartões” levou o terceiro amarelo por reclamação e não joga. Seu substituto natural seria Aylon, mas, no final do jogo de ontem, caiu em cima do ombro direito e sofreu uma luxação. Para piorar, ao que tudo indica Danilo Fernandes sofreu uma distensão…

Então, acho que não vamos nos livrar de Muriel “Mãos de Alface” no gol e veremos finalmente Mike (ou Marquinhos ou Andrigo ou Yan Petter) em campo, pois Bruno Baio é apenas um braço roubado à agricultura — não é um jogador de futebol. E onde está Brenner??? Ao menos Anderson deverá jogar. Hoje, o ex-gremista é um farol de inteligência e de bons passes em meio a uma correria caótica.

Desse jeito, o Inter ainda vai me tornar religioso. Só com muita reza mesmo. Nem falo de ti, Argélico. Nosso grupo de jogadores é uma piada dita por um piadista muito, mas muito esforçado e sem graça.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Argélico: um apelo à razão (com os melhores lances da alegre derrota)

Argélico: também quero ser feliz, pô

Argélico: também quero ser feliz, pô

Têm razão aqueles que ficam desconfiados contigo, Argélico. Não há coerência em teu trabalho. Por exemplo, o primeiro tempo foi equilibrado, com constantes trocas de ataques e muitas finalizações lá e cá. A Guaíba disse que foram 18 no total, 9 para cada lado. Isso não é o teu Inter, Argélico! A estratégia com a qual alcançamos a liderança foi a de se fechar e jogar em contra-ataques. Por que mudamos? Por que esquecemos o tão falado e repetido pezinho no chão? Agora vamos amar e sonhar, quando nosso normal é ficarmos no quarto fechado, debaixo dos cobertores, tentando ouvir a hora em que o banheiro fica livre?

Apelo à tua razão: podemos apenas ser — num sonho — o Leicester deste campeonato. Temos que ser pragmáticos, defensivos e chatos, só explorando os contra-ataques fora de casa.

Saímos perdendo por 1 x 0 neste primeiro tempo franco em que poderíamos ter ganho ou empatado no joguinho aberto e feliz proposto por ti. Voltamos sem compostura defensiva no segundo tempo, mas empatamos aos 20 do segundo tempo com Vitinho. Éramos melhores, mas teu timinho bailarino tomou mais um gol num rebote ao 27. A partir daí, O Inter, acostumado a ter na defesa sua principal arma, descabelou-se e tomou mais um aos 34. E Vitinho descontou.

Isso que tu fizeste, Argélico, foi muito tolo. Ora, a receita de todos que ganharam o brasileiro por pontos corridos é a de trocar pontos com os grandes e ganhar dos pequenos. O correto seria manter o esquema e ganhar um contra-ataque, sem pensar que poderíamos nos tornar um Barcelona.

Todos os adversários na tabela, ou seja, o trio que nos no seguia no G-4, venceu. Prova de que eu tinha razão em olhar seriamente para a tabela apenas após a décima rodada, quando teremos 5 jogos em casa e 5 fora. E isto ocorrerá apenas depois do jogo contra o Coritiba, quinta-feira. Desta forma, há espaço para cair ainda mais.

Bob dá mais segurança do que Dourado à defesa? Não creio. É que Dourado avança mais porque tu o liberas, Argélico.

Pior, mantiveste Alex em vez de colocar logo Anderson em campo. Alex está em pré-aposentadoria, Argélico. Hoje, Anderson é vinte vezes melhor. Até três volantes, com o Dourado se soltando, seria melhor.

Mas o campeonato segue. Quinta-feira, temos o Coritiba em Curitiba. O Coxa tem apenas duas vitórias no Brasileiro e luta para ficar fora da turma do rebaixamento. Igualzinho ao Figueirense, que estava em idêntica situação. Como somos especialistas em reerguer mortos…

Espero que tu voltes ao pragmatismo e esqueça o futebol alegre e bailarino do Brasil-sil-sil. E te dou uma dica: Bob e Fabinho, Dourado e Anderson, Sasha e Vitinho.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Argélico (com o pezinho no chão e os melhores lances de ontem à noite)

Sacha: "Dá no meio que eu não vou estar ali!

Sasha: “Dá no meio que eu não vou estar ali!” | Foto: Ricardo Duarte

Só a vocês oito — Argélico e mais meus sete leitores — posso dizer que sou uma fraude. Não fui ao Beira-Rio ontem à noite. Assisti ao jogo no Pastel com Borda da Fernandes Vieira, o Magnífico Templo de Sandra Giehl, comandante gremista do local. No meio da peleja, olhei para fora e vi que chovia. Eu estava sem guarda-chuva e reclamei da vida no muro das lamentações do Facebook. As pessoas ficaram com peninha de mim, lá no Beira-Rio, fiel torcedor, no frio, sob a intempérie, sofrendo, longe de casa. Só que eu estava a três quadras de minha casa, a 800 m de minha cama, a dez minutos de Elena. E preocupado com uns míseros pingos gelados sobre minha crescente e inexorável careca. Calei-me sobre a verdade. Seria linchado. Não gostaria.

(Logo após o jogo, a citada Sandra Giehl mudou bruscamente de canal, passando para o interessantíssimo Off, que mostrava uns caras praticando surf. Eu compreendo a mágoa dela).

Jogamos muito bem, Argélico. Tivemos finalmente a tal saída rápida e um antes desconhecido repertório de jogadas de ataque. Senti-me torcedor de um time de futebol. Fiquei comovido com o gol de Vitinho. Uma linda jogada de Anderson, jogador JAMAIS CRITICADO NESTE ESPAÇO. Posso até ter exagerado sobre tua incompetência, Argélico, mas sempre achei que Anderson sairia da letargia. Ele tinha lampejos, apenas faltava energia elétrica para mantê-los acesos. A entrada do ex-gremista aqueceu a noite de Porto Alegre, ao menos dentro do Pastel com Borda. Entrou no lugar de Alex, também de boa atuação. Os dois trocaram beijinhos de comadre quando da substituição. Gostei.

Vitinho: artilheiro

Vitinho: artilheiro | Foto: Ricardo Duarte

E o gol do Sasha? Só eu e tu vimos. Somos bons observadores. Quando a bola caiu no pé do Vitinho, Sasha ergueu o braço direito apontando para o meio da área. Tipo quero o cruzamento ALI. Mas correu para o outro lado, recebendo-o livre, quase dentro do gol. Confiram o fato abaixo, naquilo que era antes chamado de vídeo-tape. O fato revela entrosamento. Gostei.

E Danilo Fernandes? Que baita goleiro!

O time seguiu marcando, mordendo e correndo muito. Só Ferrareis destoou, mas nem tanto assim. Esforçou-se muito. Parabéns, ao preparador físico João Goulart! Que grande profissional! Recomendações, abraços e beijos em D. Maria Teresa, meu amigo!

D. Maria Tereza, esposa de João Goulart

D. Maria Tereza, esposa de João Goulart

Depois de apresentarmos a bela esposa de João Goulart, voltemos à partida de ontem. Como disse meu grande amigo Luís Augusto Farinatti, ultra-titulado professor de História da UFSM, “O Argel faz discurso mandando ‘manter os pezinhos no chão’ e quem obedece é a zaga do Grêmio”. Hahahaha, pior.

Pés no Chão, Argélico, para manter-nos sonhando com aquilo que não acontece há 37 anos, como aprecia lembrar o Sr. Ladeira Livros, excelente nesta coisa de contar décadas sem vitórias. Não creio em título nem em Libertadores, mas jamais frequentaremos os fogos do inferno da Segunda Divisão.

Ok, Argélico, para manter o sonho, pés no chão. Então…

Temos 19 pontos, três pontos na frente do segundo colocado. E há um detalhe que baixa nosso orgulho (pezinho no chão, pezinho no chão!). Jogamos 8 partidas, 5 delas no Beira-Rio. Se estivermos na frente depois dos dois próximos jogos, ambos fora, aí sim seremos líderes. Com 10 jogos (1/4 do campeonato), metade das partidas fora e metade dentro, aí sim.

No mais, Argélico, sussurro apenas uma palavra em teu ouvido: Dale.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Na hora de decidir, o Grêmio… :)

arenaÉ claro que o Grêmio é nossa diversão. Ainda mais que sabemos que eles tinham o melhor time do Picanhão 2016. Só que desaprenderam o caminho das taças. A única coisa de imortal no Grêmio são as piadas (*). Ontem, eu dava risadas assistindo o jogo. Quando o Roger tirou o Douglas, o Grêmio começou a minguar e logo vi que ia mesmo ficar faltando um gol. Lembrei-me de jogos de tênis nos quais tenistas menores batem e batem em Djokovic, Federer e Nadal, mas perdem o jogo. Mantém brilhantemente seus saques e estão sempre quase quebrando o do adversário. Mas, na hora da decisão, ficam nervosos e encolhem o braço, deixando a vitória para… quem está acostumado a vencer. O Grêmio também é assim. Na hora de dar o golpe fatal, encolhe o braço. É a psicologia da Arena e há que respeitá-la.

E o Campeonato Gaúcho será decidido por dois times bem vagabundinhos. Ver o Inter jogar é um suplício. Um pega a bola e ninguém se desmarca para receber. Dois bons jogadores, como Sacha e Andrigo, não conseguem jogar pela falta absoluta de esquema. Nosso técnico — além de de ignorar os plurais e a concordância na entrevistas — não consegue aplicar nenhuma tática. Ênio Andrade também falava muito mal, mas era um baita treinador de boleiros.

E vamos para uma decisão imprevisível. Hoje, o Inter é realmente o quarto melhor time do RS, porém tem camiseta e naturalidade na hora de levantar e guardar taças, mesmo uma pequenininha como essa. A gurizada do Ju é boa e até seria simpático vê-los dar a volta olímpica. Mas são o Juventude. O primeiro jogo, no Jaconi, será domingo que vem. O Inter decide em casa e, sabemos, é só ver um time retrancado que paramos. Não há dinâmica de jogo para abrir uma retranca. Temos só Paulão.

A semana terá Grêmio x Rosario Central quarta-feira. Não vi o RC jogar, mas espero que seja melhor do que a LDU e aquele ridículo time do Papa. O presidente Bolzan disse uma frase verdadeiramente notável após a desclassificação de ontem: Se for como hoje podemos fazer cinco no Rosario Central, como fizemos 4 a 0 na LDU. Ou seja, ele acha que perder gols é uma categoria à parte do jogar bem.

Vou poupar vocês dos melhores lances de Inter 1 x 0 São José, pois quase não houve isso. Fiquem com Grêmio 3 x 1 Juventude. Teve futebol na Arena.


(*) Frase roubada do twitter de Sandro Sotilli (@sandrosotigol).

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, presidente Piffero (com os gols e melhores lances de Inter 2 x 0 Cruzeiro)

Ernando: ao lado de Dourado, Vitinho e Valdívia, o melhor de 2015 | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Ernando: ao lado de Dourado, Vitinho e Valdívia, o melhor de 2015 | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Claro que eu queria ver meu time na Libertadores 2016. Só que ele nunca fez por merecer. Nem neste segundo turno. Argel nunca conseguiu fazer o time jogar bem, mas o que nos matou de morte morrida foi o rodízio do Aguirre. Aquele primeiro turno de jogos dados de presente para os adversários foi um desperdício irrecuperável. E temos pendente a questão do doping, que deve rolar nos próximos dias. O peso de 2015 ainda será sentido.

Que péssimo ano, hein, Piffero?

Tu, Piffero, garantiste que Argel fica em 2015. É um erro. Penso que a crise financeira deve estar braba mesmo. Argel é um motivador, não um organizador. Seu time é lamentável do ponto de vista técnico e os artifícios motivacionais de Argel são utilizados inclusive em suas entrevistas — sempre fracas e sem conteúdo. Devemos empilhar vitórias no Picanhão 2016 e fazer um Brasileiro médio, com Argel sendo demitido no meio do ano. Que venha 2017!

Para 2016, Lisandro, Juan, Dida, Léo, Wellington Martins e Moledo não devem permanecer no clube. São seis caras a menos na Folha de Pagamento, Piffero. Não dá para trazer ninguém REALMENTE BOM para o lugar deles? Tu dizes que os investimentos serão modestos, mas temos um dos maiores corpos de sócios do Brasil. Tem algo de muito errado aí. Quem tem que ficar é Vitinho. Não é um grande jogador, só que tem uma característica que o torna precioso: chuta espetacularmente bem. Faz gols a dar com pau.

.oOo.

Com a honrosa exceção do Corinthians, o nível técnico do Campeonato Brasileiro foi o mais baixo que vi até hoje. Achei tudo muito justo.

O campeão foi o melhor, o Atlético-MG fica a léguas de qualidade do Timão, mas foi o segundo melhor.

O Grêmio teve um resultado melhor do que o time que tem, graças ao Roger do primeiro turno.

Inter, São Paulo, Sport, Cruzeiro, etc. são times bem deficientes e poderiam ter disputado a vaga na moedinha, tanto faz.

Santos e Palmeiras decidiram que chegariam à Libertadores pela Copa do Brasil, mas só tinha uma vaga e o time mais experiente a levou.

Os rebaixados estão entre os de sempre: não se sabe como o Joinville subiu, Avaí está sempre no grupo de risco e o Vasco tem Eurico Miranda. A única surpresa foi o Goiás, que veio com um time indigno de sua história.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Quando o Grêmio debutar em 2016, nossa criança terá 5 aninhos

A foto de Ricardo Duarte mostra o melhor do Inter -- Dourado e Vitinho. Já o resto...

A foto de Ricardo Duarte mostra o melhor do Inter: Dourado e Vitinho. Já o resto…

É uma pena que a longa agonia do Inter mascare sua absoluta ruindade neste péssimo ano. Se, nesta altura, estivéssemos sem chances de Libertadores no Brasileirão 2015, talvez a diretoria já trabalhasse planejando algo de mais consistente para o ano que vem. O jogo de ontem demonstrou como o se joga fora uma classificação. O Fluminense — com um time misto — pediu para ser derrotado. Viramos o primeiro tempo com vantagem de 1 x 0, jogamos todo o segundo contra 10 e… cedemos o empate. Demos um tal banho de bola no primeiro tempo, o jogo estava tão fácil que escolhemos relaxar no segundo.

2015 pode ser resumido assim: problemas com o preparo físico, com doping, contratação no meio do ano de um treinador inadequado, mais problemas físicos (agora com os velhos D`Alessandro, Alex, Juan, Réver e Anderson, que, aos 27, parece ter 40) e nada de títulos importantes. E assim vamos seguindo o Grêmio. Se eles completarão 15 anos sem eles e debutarão em 2016, nossa criança terá já 5 anos. Mas, incrivelmente, vamos para a última rodada ainda com chances, o que servirá para esconder o fracasso por mais uma semana..

A conclusão a que chego às vésperas da última rodada do campeonato não pode ser mais desalentadora para o futebol brasileiro. Dos 5 melhores classificados, 4 são péssimos, o que explica enorme a distância do Corinthians na primeira colocação. Os times atuais de Atlético-MG, Grêmio, São Paulo e Inter são piadas que deveriam estar na segunda metade da tabela se o Brasileiro tivesse um mínimo de qualidade. Mesmo sem grandes contratações, a base do Inter deveria garantir uma classificação, mas esta também não funciona direito e hoje toma goleadas do pessoal do uma e tá.

Reclamar de arbitragem? Dizer que o pênalti a favor do Flu foi mal marcado? Também acho, mas ora, colorados, deixem essas circunstanciazinhas de lado. Era um jogo fácil que se complicou por nossa incapacidade de manter uma mínima compostura em campo.

Nosso time resume-se aos chutes do emprestado e Vitinho e, olha, nem dá para ver corretamente o que mais serve com tanta desorganização em campo. Dourado e Alisson, certamente. O resto eu não sei.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!