Bom dia, Odair (com os melhores lances de Inter 3 x 1 Juventude)

A resposta de D`Alessandro a um repórter da RBS foi engraçada, com palavrões e revela que a má vontade de parte da imprensa para com o Inter está clara para todos. “Eu trabalho pra caralho. Vocês, atrás do microfone, só falam”. A gente sabe onde acabaria seu discurso, não? Mas isso foi um detalhe da partida.

Patrick e o maestro D`Alessandro | Foto: Ricardo Duarte /SC Internacional

Patrick e o maestro D`Alessandro | Foto: Ricardo Duarte /SC Internacional

O Inter iniciou o jogo de ontem, contra o Juventude, com a mesmíssima escalação da boa partida contra o São José. Porém, sabemos de duas coisas: (1) de como o Ju tradicionalmente trata de engrossar os jogos contra nós e (2) de como nós costumamos colaborar com eles nesta tentativa.

Naturalmente, o jogo começou complicado. Uma falha defensiva de Cuesta manteve a perniciosa escrita: demos um gol para o Juventude. Damião respondeu perdendo dois ou três gols feitos, como sempre. Argh!

(Leandro Damião não marcou gols em 2018 e está visivelmente desesperado. Tem 28 anos, mas comporta-se como um menininho nervoso na frente do gol adversário. Não é o que se espera de um sujeito rodado. Ontem, ele esteve simplesmente patético).

Mas o Ju nos brindou com uma desatenção e Patrick empatou em inteligente cobrança de escanteio de D`Alessandro. O argentino passou a bola rasteira. Patrick estava livre. Eram apenas 20 min do primeiro tempo.

Depois, o Ju se fechou dando a nós as mesmas chances que a Justiça brasileira dá a um sujeito preto e pobre.

Mas é claro, temos Dale, sempre ele. Ele achou Iago entrando pela área e o palito deu um chute seco, mostrando a Damião como se faz, estabelecendo a virada, 2 x 1.

Atmosfera tensa no Beira-Rio | Foto: Ricardo Duarte /SC Internacional

Atmosfera tensa no Beira-Rio | Foto: Ricardo Duarte /SC Internacional

No segundo tempo, o Ju voltou melhor, perdeu gols e deu sufoco. E vieram algumas más notícias. Danilo Fernandes cometeu duas saídas escandalosamente erradas do gol, deixando o estádio boquiaberto antes de se machucar. Além disso, Pottker teve uma distensão que certamente o deixará fora por um mês.

O terceiro gol foi do leve, rápido e bom Nico López em mais um passe de Dale. Três passes de Dale, três gols.

Ontem, o destaque negativo foi a defesa, que andou de mal a pior, com péssimas atuações de Klaus, Cuesta e Danilo Fernandes.

Danilo Fernandes: já gente catando borboletas com maior elegância. Nabokov, por exemplo.

Danilo Fernandes: já vi gente catando borboletas com maior elegância. Nabokov, por exemplo | Foto: Ricardo Duarte

Bem, não somos os líderes por aproveitamento, somos os líderes em pontos. Temos 15 pontos em 7 jogos, enquanto o Caxias tem 14 em 6 e o Brasil 13, também em 6. Mas é melhor do que estar em décimo, né?

O próximo jogo será com os reservas contra o São Paulo de Rio Grande (11º colocado) no próximo domingo, às 16h, fora de casa. Tudo com a finalidade de se preservar para a partida da próxima quarta-feira, eliminatória, contra o Remo em Belém (PA), às 19h30, pela Copa do Brasil.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Sobre o País da Cocanha e a Pasárgada de Bandeira

Quando a lenda surgiu ninguém sabe, tampouco a origem da palavra. A denominação aparece num poema jocoso, recolhido por volta de 1230. Mas há inúmeras referências muito antigas a esta terra de tantas maravilhas.

Há um país pra lá da Alemanha, abundante de todos os bens, ao qual chamamos Cocanha, onde cada um, sem nada fazer, pode ir viver quando quiser; e ter roupa sem precisar de dinheiro, sempre que quiser; sem suar, nem sofrer, tem-se o que quiser. Aqueles que amam o trabalho, renegam esse lugar. Molengas e preguiçosos ali são bem-vindos e, é certo, se sentirão muito bem entretidos. Acreditarão que estão no paraíso terrestre e, por nada, desejarão trocar de lugar. Não há onde estar melhor e sem sofrimento, tão somente para desfrutar, rir, beber e comer.

Tradição oral da Idade Média, esta Cocanha é um país obviamente mitológico. Nesta terra maravilhosa, não havia trabalho e o alimento era abundante. Todo qualquer produto era de graça, as casas eram feitas de cevada ou doces, o sexo podia ser obtido livremente, o clima era sempre agradável, o vinho nunca terminava e todos permaneciam jovens para sempre. Vivia-se entre dois rios, um de vinho e outro de leite, as colinas eram de queijo — aliás, o queijo chovia do céu — e leitões assados caminhavam pelo campo com uma faca espetada no lombo para facilitar.

Esta utopia — fantasia de fartura, ociosidade, juventude e liberdade — enraizou-se no imaginário de diversos povos ao longo da Idade Média.

O País da Cocanha, ou Cocagne, foi retratado pelo pintor Pieter Bruegel.

O País da Cocanha, de Pieter Brueghel

O País da Cocanha, de Pieter Bruegel

A lenda de Cocanha também representou um símbolo para a cultura hippie nos anos finais da década de 60, um lugar onde todos os desejos seriam instantaneamente gratificados.

E, bem, há uma Praia da Cocanha, em Caraguatatuba (SP).

E Manuel Bandeira criou Pasárgada

Na verdade, Pasárgada não tem nada a ver com espetacular poema de Bandeira. Pasárgada ou Pasárgadas (campo dos persas) foi uma cidade da antiga Pérsia, atualmente um sítio arqueológico na província de Fars, no Irã, situado 87 quilômetros a nordeste de Persépolis. Foi a primeira capital da Pérsia, no tempo de Ciro II, e coexistiu depois com outras, dado que era costume persa manter várias capitais em simultâneo, em função da vastidão do seu império: Persépolis, Ecbátana, Susa ou Sardes. É hoje um Patrimônio Mundial da Unesco.

Ruínas de Pasárgada, Patrimônio Mundial da UNESCO

Ruínas de Pasárgada, Patrimônio Mundial da UNESCO

Bandeira explica: Vou-me embora pra Pasárgada foi o poema de mais longa gestação em toda minha obra. Vi pela primeira vez esse nome de Pasárgada quando tinha os meus dezesseis anos. Foi num autor grego. Esse nome de Pasárgada, que significa “campo dos persas”, suscitou na minha imaginação uma paisagem fabulosa, um país de delícias. Mais de vinte anos depois, quando eu morava só na minha casa da Rua do Curvelo, num momento de fundo desânimo, da mais aguda doença, saltou-me de súbito do subconsciente esse grito estapafúrdio: “Vou-me embora pra Pasárgada!”. Senti na redondilha a primeira célula de um poema

Vou-me embora pra Pasárgada

Manuel Bandeira (do livro Libertinagem, 1930)

Vou-me embora pra Pasárgada
Lá sou amigo do rei
Lá tenho a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada

Vou-me embora pra Pasárgada
Aqui eu não sou feliz
Lá a existência é uma aventura
De tal modo inconsequente
Que Joana a Louca de Espanha
Rainha e falsa demente
Vem a ser contraparente
Da nora que nunca tive

E como farei ginástica
Andarei de bicicleta
Montarei em burro brabo
Subirei no pau-de-sebo
Tomarei banhos de mar!
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio
Mando chamar a mãe – d’água.
Pra me contar as histórias
Que no tempo de eu menino
Rosa vinha me contar
Vou-me embora pra Pasárgada

Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização
Tem um processo seguro
De impedir a concepção
Tem telefone automático
Tem alcalóide à vontade
Tem prostitutas bonitas
Para a gente namorar

E quando eu estiver mais triste
Mas triste de não ter jeito
Quando de noite me der
Vontade de me matar
– Lá sou amigo do rei –
Terei a mulher que eu quero
Na cama que escolherei
Vou-me embora pra Pasárgada.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Guto (com os lances de Juventude 2 x 1 Inter)

Ontem, tivemos um derrota temperada pelo medo, não, Guto? Perdeste D`Alessandro e Camilo e, em vez de colocar alguém da posição (Juan), preferiste o volante Gutiérrez. Ficamos mais defensivos e, com isso, deste a senha para o Juventude atacar. “Eles tem medo do Jaconi e de nós”. Sim, os caras entenderam perfeitamente, Guto. Porém, nossa superioridade é tão grande que merecíamos a vitória. Claro que, irritados, poucos colorados lembrarão, mas Damião e Nico perderam gols incríveis minutos antes do gol do Ju que definiu o jogo em 2 x 1 para eles.

Gutiérrez marcando o gol do Inter | Foto: Ricardo Duarte

Gutiérrez marcando o gol do Inter | Foto: Ricardo Duarte

Mas por que mexeste num esquema que ia bem? Precisávamos do empate? O Juventude é tão terrível assim? Olha, não me pareceu. Pareceu um time bem fraco.

Gutiérrez até que foi bem, jogou muitíssimo mais do que Sasha e Pottker, mas não é um armador ofensivo. É lento, pisa na bola, atrasa o jogo quando precisaria acelerá-lo. Não tem vocação de atacante. Com três volantes em campo, a bola não era mantida na frente, a marcação do Ju ficava mais fácil e a bola voltava rápido. Voltava ainda mais rápido quando passava por Pottker. A titularidade do ex-jogador da Ponte já beira o incompreensível.

Todas essas noções táticas são bem simples e previsíveis, sei lá. Vemos isso há anos, mas o cagaço prevalece.

Em resumo, tens — tu e a direção — mentalidade de treinador de time pequeno, daqueles que não partem para o ataque e perdem mediocremente, tentando poucas coisas.

O Inter agora está em segundo lugar, com 42 pontos. Faltam 15 jogos. Segundo o Infobola, temos 82% de chances de classificação, segundo Chance de Gol, 97,6%. Precisamos de mais uns 23 para a classificação para a Série A. O próximo jogo é sábado, pela 24ª rodada, contra o Figueirense (17º colocado, o primeiro da zona de rebaixamento). Espero que façamos um jogo mais ofensivo, Guto. Ou tu achas que o Figueira é uma equipe “perigosa”.

Se estiveres encagaçado, fale com torcedores.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Zago ( com os melhores lances de Ju 1 x 0 Inter)

O Inter jogou muito mal e mereceu perder. Isto precede qualquer consideração sobre a arbitragem. É muito mais importante do que os erros de Diego Real. Ele errou e feio num momento em que até jogávamos melhor, mesmo com dez homens. (Aliás, como vejo muito futebol, posso dizer o quanto são absurdas as acusações que o Inter recebe de ser beneficiado pelos juízes. Como tenho boa memória, sei do pênalti não marcado contra o NH, dos dois pênaltis claros não marcados contra o Passo Fundo — que ainda fez um gol em impedimento — e de ontem. Sim, sei, houve o pênalti de Paulão em Pedro Rocha ou Bolaños (não lembro). Outro absurdo.

Mas mais me interessa a péssima atuação do Inter. William na lateral esquerda? Temos três laterais esquerdos: o lesionado Carlinhos, mais Uendel e Iago. Se Uendel virou meio-campista, por que não escalar Iago? E se Iago não pode, por que não Seijas, que jogava pela esquerda na segunda linha de 4 homens de seu time da Colômbia? Improviso por improviso… Pois a presença de William simplesmente detonou com o bom lado esquerdo ofensivo do Inter. Ele é  lateral direito e ponto. Celso Juarez já tentou dar-lhe outra posição sem sucesso, Zago.

William: todo torto na lateral esquerda

William: todo torto na lateral esquerda

Precisamos de armadores. O time perde muito sem Dale. Os outros jogadores da posição — Ferrareis, Andrigo e Seijas — parecem ter caído em desgraça e, bem, talvez mereçam… Sasha, que também poderia jogar ali, tem longa ficha médica e está fora novamente.

Nosso desempenho no Sartorão Anticultura 2017 é risível. Em 7 jogos, 7 pontos (1 vitória, 4 empates e 2 derrotas). Míseros 33% de aproveitamento. Os maus resultados têm sido apagados pelas boas atuações na Copa do Brasil, Primeira Liga e no Gre-Nal. De resto…

Faltam quatro jogos para o final da fase classificatória e hoje estamos fora dos oito primeiros. Os jogos que poderão salvar o Inter de um novo fiasco histórico são São Paulo (C), Ypiranga (F), São José (F) e Cruzeiro (C). Isto é, nenhum dos 5 primeiros colocados. Teoricamente seria fácil, mas o Inter tem desafiado tese atrás de tese.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Na hora de decidir, o Grêmio… :)

arenaÉ claro que o Grêmio é nossa diversão. Ainda mais que sabemos que eles tinham o melhor time do Picanhão 2016. Só que desaprenderam o caminho das taças. A única coisa de imortal no Grêmio são as piadas (*). Ontem, eu dava risadas assistindo o jogo. Quando o Roger tirou o Douglas, o Grêmio começou a minguar e logo vi que ia mesmo ficar faltando um gol. Lembrei-me de jogos de tênis nos quais tenistas menores batem e batem em Djokovic, Federer e Nadal, mas perdem o jogo. Mantém brilhantemente seus saques e estão sempre quase quebrando o do adversário. Mas, na hora da decisão, ficam nervosos e encolhem o braço, deixando a vitória para… quem está acostumado a vencer. O Grêmio também é assim. Na hora de dar o golpe fatal, encolhe o braço. É a psicologia da Arena e há que respeitá-la.

E o Campeonato Gaúcho será decidido por dois times bem vagabundinhos. Ver o Inter jogar é um suplício. Um pega a bola e ninguém se desmarca para receber. Dois bons jogadores, como Sacha e Andrigo, não conseguem jogar pela falta absoluta de esquema. Nosso técnico — além de de ignorar os plurais e a concordância na entrevistas — não consegue aplicar nenhuma tática. Ênio Andrade também falava muito mal, mas era um baita treinador de boleiros.

E vamos para uma decisão imprevisível. Hoje, o Inter é realmente o quarto melhor time do RS, porém tem camiseta e naturalidade na hora de levantar e guardar taças, mesmo uma pequenininha como essa. A gurizada do Ju é boa e até seria simpático vê-los dar a volta olímpica. Mas são o Juventude. O primeiro jogo, no Jaconi, será domingo que vem. O Inter decide em casa e, sabemos, é só ver um time retrancado que paramos. Não há dinâmica de jogo para abrir uma retranca. Temos só Paulão.

A semana terá Grêmio x Rosario Central quarta-feira. Não vi o RC jogar, mas espero que seja melhor do que a LDU e aquele ridículo time do Papa. O presidente Bolzan disse uma frase verdadeiramente notável após a desclassificação de ontem: Se for como hoje podemos fazer cinco no Rosario Central, como fizemos 4 a 0 na LDU. Ou seja, ele acha que perder gols é uma categoria à parte do jogar bem.

Vou poupar vocês dos melhores lances de Inter 1 x 0 São José, pois quase não houve isso. Fiquem com Grêmio 3 x 1 Juventude. Teve futebol na Arena.

https://youtu.be/24SrNzAo–A
(*) Frase roubada do twitter de Sandro Sotilli (@sandrosotigol).

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

A pergunta do café da manhã

— Mamãe, por que meu time nunca ganha nada? — pergunta o menino de 12 anos, ignorando o pai.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Mengo, campeão de 2009

Conforme, já tínhamos anunciado, o Flamengo é o campeão de 2009 e o Inter chegou a seu máximo: a classificação para a Libertadores. Imitaremos a imprensa, ignorando o que erramos em nossas previsões. Não encham o saco, acertamos o que interessa!

Se as malas brancas realmente existem, o Goiás foi o maior beneficiário. Recebeu do São Paulo para empatar com o Flamengo e deste para vencer aquele. Tal vitória decidiu o campeonato, pois colocou o time do Rio de Janeiro na liderança e o Flamengo, na última rodada, enfrentará o Grêmio, o qual já anunciou que dará férias a seus principais jogadores. Não sei se eles terão a coragem de fazê-lo, mas eu espero que façam. Gostaria que o Flamengo fizesse 8 x 1, que é como os Campeonatos Gaúchos terminam.

Motivos? Ora, em primeiro lugar, porque seu mais qualificado adversário, o Inter, não mereceu ganhar. Ontem, Mário Sérgio jogou todo o primeiro tempo com Guiñazú na lateral e Kléber no meio de campo; no intervalo, recolocou-os em seus lugares. Que mexida! D`Alessandro foi o de sempre, ou seja, nunca se sabe se estará num bom dia ou não. Não serve. O Inter tem um problema. Foi substituído por aquele que seria seu salvador, o eterno reserva Andrezinho. Na semana passada, falei com um alemão: ele disse que nos seus 2 anos de Wolfsburg, D`Alessandro alternava uma partida espetacular com outra mais ou menos e três ruins. Que coincidência! E o árbitro, que não viu o pênalti mais claro do ano, como nosso goleiro empurrando o terrível Vandinho após este ter-lhe dado um chapéu. Foi lance dos mais engraçados: o cracaço do Sport estava entrando com bola e tudo e Lauro empurrou-o em direção à linha de fundo, num dos lances mais patéticos e bem realizados do Enganão 2009.

Em segundo lugar, porque tais confusões tornam o Flamengo é o melhor time do Chinelão 2009 e, em terceiro lugar, porque a atitude do Grêmio atrairá o ódio de dois times times bastante influentes — São Paulo e Palmeiras serão igualmente prejudicados — e de todo o país menos os corintianos e os flamenguistas, que os desprezarão. E tudo isso… de graça.

Por quê? Ora, o Grêmio ganhou apenas uma partida fora de casa campeonato. E foi do Náutico, seu velho freguês, agora em versão rebaixada para a Série B. Por que ganharia do Flamengo, que é muito mais time? Por que empataria no Maracanã, sem Tcheco e se seus jogadores não podem ver a torcida adversária? Suas chances seriam mínimas, porém, em vez de fazer isso com o habitual pudor, o Grêmio resolveu anunciar a futura derrota, antecipando o nome do campeão. A torcida adorou, a diretoria achou engraçado. O presidente disse que “Ninguém vai escalar o time do Grêmio”. Como se fizesse diferença…

Sim, sou colorado, mas sei que o Entregão 2009 já tem vencedor. Eu espero que o Grêmio entre na história como o time que deu férias a seus jogadores na rodada final de um Brasileiro, mesmo jogando contra um player. Sempre aparecerá alguém para lembrar disso. É óbvio que sei que o campeonato foi decidido em 38 rodadas e que a rodada final vale os mesmos pontos de qualquer uma das rodadas anteriores. Só que este anúncio inédito fala tão mal de uma instituição que, como colorado, acho que fica bem ao Grêmio. Além disso, sou daqueles que se divertem quando vejo algo grande agindo de forma tola. O Grêmio insiste quer ser protagonista de alguma coisa, nem que seja de um absurdo. Penso que suas participações opacas já estejam irritando seus dirigentes e torcida.

Já o Juventude voltou para onde a Parmalat nunca deveria tê-lo tirado. Que lá fique em definitivo. Espero que o nome do próximo participante gaúcho da Série B atenda pelo nome de Brasil de Pelotas. É o time da maior torcida e o mais importante do interior. Mas há muito a fazer, ainda mais depois de 2009, o pior ano de sua história.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!