Porque hoje é sábado, vinte tons de preto-e-branco

O grande Marcos Vasconcelos, mezzo cearense, mezzo carioca, escolheu as fotos e escreveu o texto deste PHES especial. Marcos é um pervertido que pode ser encontrado administrando a comunicação da Rede de Bibliotecas da Uerj. Atualmente, todas as tais bibliotecas apresentam curioso tom acinzentado e têm livros como o Kama Sutra, o Decamerão, Fanny Hill, 120 Dias de Sodoma, A História do Olho, A História de “O”, Teresa Filósofa e outros clássicos, tão vilipendiados.

.oOo.

Prezado Milton, não me perderei em inúteis prolegômenos, mas preciso dizer:

foto1

não foi fácil substituí-lo no PHES. Foi cansativo.

foto2

E me virou do avesso. Que sirva de aviso aos que virão.

foto3

São muitas escolhas, entre elas: seguir o estilo do dono…

Anita-Ekberg-2

…ou imprimir o meu próprio?

foto5

E que musa escolher? São tantas!

foto6

Sem ver saída, resolvi fazer um ensaio platônico…

foto7

(É sério, não ria.)

foto8

…afinal, numa semana em que as mulheres foram tão aviltadas, eu quis falar não do que me encanta nelas como homem, mas o que nelas é encantador por definição.

foto9

Por exemplo: a beleza clássica…

Charlize Theron

…e a beleza estranha.

foto11

A juventude…

foto12

…e a maturidade.

foto13

A atitude…

foto14

…e o sonho.

www.toutlecine.com

A mente…

EWBR

…e a coragem.

foto17

A sombra…

foto18

…e a luz.

foto19

Porque para elas isso não é nada. E também é tudo.

foto20

(Alicia Keys, Elizabeth Taylor, Monica Bellucci, Anita Ekberg, Mary Elizabeth Winstead, Scarlett Johansson, Jean Seberg, Halle Berry, Amy Lee, Charlize Theron, Brittany Murphy, Jennifer Lawrence, Susan Sarandon, Hayley Williams, Irène Jacob, Emma Watson, Ellen Page, Noomi Rapace, Kate Winslet e Shakira Mebarak.)

Uma personagem de Os homens que não amavam suas mulheres, filme de Niels Arden Oplev

Não vou contar o filme, certo? Filme de suspense não se conta e a Caminhante me mataria.

Também não li a tal trilogia Millennium de Stieg Larsson e nem lerei. É um fenômeno de vendas e penso que não tenho tempo para coisas provavelmente perecíveis. Mas vi o filme e fiquei apaixonado pelas possibilidades da personagem Lisbeth Salander — protagonizada pela excelente Noomi Rapace — , a genial hacker que acompanha o jornalista Mikael Blomkvist (Michael Nyqvist) na sua tentativa de descobrir quem matou Harriet. É uma personagem muito moderna e sua postura expressa mais do que laudas ou manuais explicativos. Lisbeth é ressentida e agressiva, mas o que efetivamente interessa a mim é o fato de que ela se nega a falar de si. É um paradoxo, pois tudo o que há no filme é sua figura, de cuja biografia somos informados indiretamente. A montagem do quebra-cabeça Lisbeth Salander vai pouco a pouco tomando conta do filme. Sabemos pouco do jornalista (e nem nos interessa  saber), ao passo que sabemos tudo a respeito de quem não fala nada. Mas acabo de descobrir que não sou nada original. Na Europa há até uma lisbethmania… Bem, voltemos a nosso tema.

Cheia de tatuagens e piercings — o nome do filme nos EUA é The Girl With the Dragon Tattoo — , Lisbeth Salander é a mais enigmática e clara personagem da trama. Trata-se de uma intensa punk revoltada, antissocial, com corpo de criança, teimosa e silenciosa. É estranho que alguns comentaristas tenham se atrapalhado e reclamado das cenas de entre Lisbeth e seu curador. Elas são absolutamente fundamentais para caracterizar a personagem da qual precisamos saber tudo, inclusive o motivo da curatela. Dona de um sentido de justiça primário, ela é um resultado muito caótico de nosso tempo e mais não devo dizer.

O filme é um charmoso Who done it? com todos os clichês habituais e um final alongado e desnecessário, porém demonstrativo de que a lentidão do cinema europeu pode não prejudicar uma narrativa deste gênero, ao contrário. Os homens que não amavam suas mulheres é muito europeu no tratamento e construção das personagens, apesar de tratar da violência, da corrupção e da indiferença, temas caros aos cinema americano. Longe das qualidades do filme de Antonioni, não há poucos ecos de Blow-up na trama. E mais não devo dizer. Um amigo que leu o livro ficou muito surpreso com a fidelidade deste ao livro. Mais um motivo para não lê-lo… E mais não devo dizer.

Obviamente, os estúdios de Hollywood já compraram os direitos de refilmagem. Leio que há uma verdadeira guerra pelo papel de Lisbeth: a atrizinha com cara de quem comeu e não gostou Kristen Stewart (de, argh, Crepúsculo), a bonitinha Ellen Page (de Juno) e a inglesa Carey Mulligan (de Educação) brigam pelo papel. Posso garantir desde já que nenhuma terá o impacto de Noomi Rapace pelo simples fato de que a qualidade da produção está no modo filmar e na postura daquele bando de europeus tranquilos e “educados”. E mais não devo dizer.