Bom dia, Odair Hellmann (com os principais lances de Nacional 0 x 1 Inter)

Bom dia, Odair Hellmann (com os principais lances de Nacional 0 x 1 Inter)

Erro de passe no meio de campo do Nacional, Patrick rouba a bola e avança até entregá-la na esquerda a Wellington Silva que costura lindamente para o meio e passa a Guerrero, que marca.

Isso é centroavante. O peruano teve duas chances — uma no primeiro tempo, outra no segundo — e marcou um gol.

Ontem à noite, Odair foi fundamental. Mudou de postura. Foi corajoso durante o jogo, não se intimidou com o estádio cheio e fez substituições que mostravam vontade de vencer. E venceu. Na verdade, o Odair medroso não foi a Montevidéu. Imaginem que tirou Rodrigo Lindoso para colocar Nonato, Nico para colocar Sóbis e D’Alessandro para colocar o ofensivo Wellington Silva. E foi um grande dia, não, Odair Hellmann?

Bruno mostra um carão de feliz apos o gol de Guerrero | Ricardo Duarte / SCI

Apesar de ter sido uma péssima noite para brasileiros. O Flamengo foi a Guayaquil e tomou de 2 a 0 do Emelec. Já o E o Athletico Paranaense recebeu o Boca Juniors e perdeu 1 a 0 no final do jogo.

Com a vitória, o Inter joga por empate no Beira-Rio, na próxima quarta-feira, para chegar às quartas de final da Libertadores.

O time não jogou bonito nem bem, jogou como se joga Libertadores, respondendo à marcação com marcação, pontapé com pontapé, chegada forte com chegada forte.

Numa linda entrevista concedida ao SporTV no início deste ano, Rafael Sóbis disse que a Libertadores era diferente de qualquer outro campeonato: o vencedor normalmente não é o melhor, mas quem sabe jogar melhor Libertadores. Ou seja, às vezes se ganha no grito e na coragem mesmo.

E ontem, a gente ganhou assim. E, como disse um narrador uruguaio ao narrar o gol de Guerrero aos 45 do segundo tempo: Todas las cosas que me ocurren no son apropiadas para los niños ecuchar… Sim, a Libertadores é cruel.

Uendel: mantê-lo no time é pisada na Bola | Ricardo Duarte / SCI

O único senão é manter Uendel no time. Ele é um furo atrás e uma inutilidade na frente. Como Natanael não impressiona, talvez devamos ter Bruno e Zeca nas laterais.

O Inter volta ao Brasileirão no sábado, contra o Ceará, provavelmente com time misto. Bem, os dois tempos finais do confronto serão disputados na próxima quarta-feira (31/07), no Beira-Rio, em confronto marcado para às 19h15.

Bom dia, Odair Hellmann (com os lances do favor de Inter 1 x 1 Grêmio)

Bom dia, Odair Hellmann (com os lances do favor de Inter 1 x 1 Grêmio)

Odair, foste brilhante enganando o Renato. Em vez de usar o esquema de dentro de casa, aplicaste o esquema das partidas de fora de casa! Vencias o primeiro tempo. Então, recuaste. O resto é o de sempre. A gente está há meses vendo tu recuares fora de casa para dar espaço ao adversário até ele empatar ou virar. Tu és o medroso burro, aquele que vence menos do que poderia.

Ah, se eu fosse o Sarrafiore, pediria para sair do clube. Ser reserva de Parede que era reserva no Ypiranga de Erechim é demais. Odair, eu ouvi tu dizeres na entrevista após o jogo que colocaste o Parede para dar velocidade ao lado direito… E deste. Parede perdia a bola e fazia bobagens velozmente. Tão velozmente que deveria ser entregador de pizzas.

O “veloz” Parede prepara um contra-ataque para o Grêmio | Foto: Ricardo Duarte / SCI

Klaus e Parede não podem ser escalados. Esperto é aquele treinador do Ypiranga. E Klaus, aquele galalau de 2m que observou a cabeçada de Luan? Ele é zagueiro ou cientista?

Por outro lado, Cuesta foi disparado o melhor em campo.

Mas há mais Odair… Por que Sóbis foi retirado de onde estava (bem) para dar lugar a Pedro Lucas? Erraste em tudo, meu caro.

Cuesta: ah, se todos fossem iguais a você… | Foto: Ricardo Duarte / SCI

Mesmo com reservas era um jogo simples, para ganhar. Depois do primeiro tempo, era só fechar o caixão, mas tu quiseste argumentar com o moribundo assim como fizeste com o Vasco.

De qualquer maneira, o Grêmio deixa de ser o maior rival do Inter no sul do Brasil. Os empates chegam aos número de 134 contra 131 vitórias do dito imortal. O Inter venceu 156 jogos. Esse Empate é um adversário duríssimo!

Agora, tudo é Libertadores. Até porque só fazemos besteiras no Brasileiro. Na quarta (24), vamos a Montevidéu enfrentar o Nacional pelas oitavas de final da Libertadores. O Nacional é tão ruim quanto o Libertad, vamos ver o que o medo do Odair vai criar até quarta-feira. Pelo Brasileirão, o próximo jogo é contra o Ceará, sábado (27), no Gigante. No dia 31, haverá o jogo de volta contra o Nacional no Beira-Rio.

Bom dia, Odair (com os lances de Inter 1[5] x 0[4] Palmeiras)

Bom dia, Odair (com os lances de Inter 1[5] x 0[4] Palmeiras)

Foi um jogão. Caminhei 5,5 Km de minha casa até o Beira-Rio a fim de aproveitar o ambiente e para manter alguma coisa parecida com forma física. O Beira-Rio estava lindo, mas não lotado. Começou o jogo e só dava Palmeiras, que parecia que ia nos cozinhar os 90 minutos. Mas logo passamos a dominar o jogo, empilhando chances de gol perdidas.

Weverton pegava tudo no gol do Palmeiras, enquanto Felipe Melo mandava no juiz. Não sofríamos com ataques perigosos do Palmeiras, só que não fazíamos gols até o momento em que Patrick acertou um chute que encobriu o bom goleiro palmeirense. 1 x 0 no final do primeiro tempo.

Patrick e Uendel comemoram o gol do Inter | Foto: Ricardo Duarte / SCI

Na minha opinião, Patrick estava jogando mal, porém não pensem que vou reclamar dele. Aliás, os construtores da vitória foram D`Alessandro, Lindoso — a melhor contratação do Inter em 2019 — e Edenílson, além da dupla de zaga Moledo e Cuesta. (A propósito, Moledo ensinou a todos como Felipe Melo deve ser tratado).

Lindoso, a melhor contratação do clube em 2019. Até Marcos Rocha se surpreende | Foto: Ricardo Duarte / SCI

Nico López foi obrigado a uma partida tática. Encheu o saco de Marcos Rocha de tal forma que o lateral do Palmeiras jamais criou jogadas pelo lado direito. Não fez nada pelo ataque do Inter, só incomodou e evitou que Rocha viesse junto com Dudu contra o fraco Uendel. Foi útil.

Aliás, os laterais. Uendel simplesmente não dá mais. Bruno foi um pouco melhor, mas seu futebol é apenas singelo. Acho que Heitor e Erik — e talvez Natanael — vão engolir não somente os dois como Zeca junto.

Mas estava 1 x 0 e o Inter iniciou o segundo tempo forçando o jogo, mas sem chutes a gol. Nico quase marcou em dois chutes após cruzamento da esquerda para que víssemos mais duas grandes defesas de Weverton.

Jogo fora de casa e Felipão pensou como o Odair quando fora do Beira-Rio… A minha defesa é intransponível, então vou esperar… Então tomou um gol e não soube o que fazer.

Então, veio o crime. Naquela pressão de final de jogo, de cruzamentos alucinados e sequências de escanteios, Cuesta marcou de cabeça. O argentino não é catimbeiro, jamais foi expulso, joga de terno e gravata, é leal e cabeceou com a habitual correção e tranquilidade. Só que Felipe Melo MANDOU o juiz olhar o VAR e a alguém lá de cima disse que Cuesta empurrara Felipe. O juiz, incrível, também viu o que não acontecera. Olha, não, ninguém nada nunca aconteceu falta.

Para pasmo e desespero nosso na arquibancada, o gol foi anulado. E fomos para os pênaltis.

Deu para sofrer? Sim, mas nunca estivemos atrás. Tivemos um match point nos pés de Patrick — estava 4 x 3 para nós e o Pantera fazia nossa 5ª cobrança. Porém, nervoso, ele chutou muito mal. E William empatou logo depois. Na primeira série de cobranças alternadas, Nonato marcou e Moisés chutou no travessão. Vitória!

Odair? Olha, ele foi bem, mas manteve Uendel. E não anula as numerosas cagadas em outros jogos. E por que o time joga tão mal fora de casa? Se temos que elogiar Odair, devemos também ressaltar nosso papel como torcedor. Contribuímos muito!

O Cruzeiro será o adversário na fase seguinte da Copa do Brasil, nos dias 7 e 14 de agosto, com os mandos de campo sendo definidos em sorteio na próxima segunda (22). Agora, tem Gre-Nal no Beira-Rio. Acho que vamos com os reservas, mas soy contra. Por mim, fingia que ia com os reservas mas botava titulares. Sem Dale porque temos que cuidar bem de nosso bom velhinho.

Bom dia, Odair Roth ou O medo de perder tira a vontade de ganhar

Bom dia, Odair Roth ou O medo de perder tira a vontade de ganhar

“O Inter escalar reservas contra o Athletico-PR torna a vaga contra o Palmeiras OBRIGAÇÃO na Copa do Brasil. 40 dias sem jogar e teve atleta que não queria entrar em campo hoje porque “Ain, foi pesado no Allianz”. Com essa gandaia do vestiário é fácil ter “grupo na mão”.

Alexandre Ernst (ligeiramente adaptado)

Antes de falar de nosso fiasco de ontem, faço questão de dizer que o Pathético Paranaense é uma instituição execrável. Eles não deixam a torcida adversário permanecer identificados por camisetas no seu estádio, apoiaram Bolsonaro como clube e ainda têm o patrocínio da Havan. É um clube que não precisaria existir.

Então foi uma palhaçada tipicamente paranaense: os torcedores do Inter não tiveram local específico. Há alguma coisa naquele estado. Quase todo mundo é conservador ou burro da pior espécie. Há raras exceções, claro.

Não que sejamos muito melhores. Só Grêmio e Inter pouparam seus jogadores nesta rodada. Somos zelosos para que nada de realmente bom nos aconteça. Nada.

Foi uma derrota dos reservas do Inter. A postura foi a mesma dos titulares. Faz um ano que não ganhamos fora de casa no Brasileiro. Ruindade? Também, mas principalmente erros de postura de nosso treinador medroso, que sempre coloca seu time atrás da tal linha da bola, como se nunca mais fosse recuperá-la.

Até o talentoso Sarrafiore, que fez boas jogadas de armação no primeiro tempo, foi defender no segundo. Creio que, ao jogar futebol, estava desobedecendo a Odair, um treinador que não quer ganhar nada, desejando somente preservar seu cargo e salário.

Sarrafiore jogando bola. No segundo tempo, Odair mandou-o parar com isso | Foto: Ricardo Duarte / SCI

O medo de perder tira a vontade de ganhar. E tomamos aquele golzinho maroto de sempre. “Há apenas uma bola em jogo, então você precisa ficar com ela”, dizia Cruyff. Mas o Inter a entrega para o adversário e passa a marcá-lo. e sempre tem uma bolinha que entra. Contra-ataques? Não, não temos mais fôlego depois de tanta marcação.

Não suporto mais os bananas Odair e Mello.

Derrota. Objetivo cumprido e Patrick novamente titular. Que maravilha.

O que fizeram nas entrevistas foi defender um planejamento que dispõe demitir-se do maior Campeonato do país, o qual não ganhamos há 40 anos e que leva à Libertadores.

Analisar um jogo de reservas? Para quê?

O Inter é o quinto colocado No Brasileiro, com 16 pontos, e volta a jogar pelo campeonato nacional diante do Grêmio, no próximo sábado (20), às 19h, no Beira-Rio. Antes, na quarta-feira (17), às 21h30, decide contra o Palmeiras, também no nosso estádio. Com tanta folga e gandaia, ganhar é obrigação.

Bom dia, Odair (com os lances de Palmeiras 1 x 0 Inter)

Bom dia, Odair (com os lances de Palmeiras 1 x 0 Inter)

Durante a parada para a Copa América, tu, Odair, te ocupaste com bobagens. Toda a torcida que acompanhava as notícias comentava. A colocação de Patrick no lugar de D`Alessandro foi a principal delas. Tal atitude visava marcar mais na frente, pressionando na origem as jogadas do Palmeiras. A intenção principal era a de marcar melhor o bom lateral Marcos Rocha. Mas TODOS sabiam que a mudança apenas acentuaria nossa retranca no jogo de ontem.

Com isso, ficaríamos menos com a bola e sem os bons passes de Dale. E Guerrero chegaria da Copa América sabendo que teria que ficar sozinho lá na frente. Como eu também já tinha escrito nas redes sociais, tal ideia só funcionaria no papel. Não deu outra.

Que destino, Dale, ser preterido pelo péssimo Patrick! | Foto; Ricardo Duarte / SCI

Para coroar a brilhante ideia, foi Rocha quem cruzou para Zé Rafael cabecear livre em nossa área para marcar o 1 x 0. Estávamos ali pela metade da primeira etapa de jogo.

O gol surgiu onde? Bem no local onde deveria estar Patrick, Odair. Parabéns pela ideia e pela boa execução. Realmente, deu tudo como nós tínhamos previsto.

No intervalo, para piorar, começaram as substituições equivocadas. Como eu e toda a torcida sabíamos, Dale entrou,  mas não lugar do Patrick de contribuição zero, mas no de Nonato. Nenhum dos dois fazia boa partida, mas… Nonato é muito mais jogador.

Mesmo assim, com Dale, o Inter deu uma crescidinha, mas inútil. Houve um momento em que o Palmeias tinha chutado 12 vezes em nosso gol e nós só 2 no deles… E só Nico López levava perigo.

Então, o que tu fizeste, Odair? Ora, tiraste Nico López, é claro! E fizeste o time afundar de vez.

O Palmeiras é um time certinho. Um time de Felipão. Muita bola alta na área — especialidade do técnico — e muita marcação — outra especialidade dele. De resto, joga feio e grosso demais.

Dá para virar? Sim. Mas acho improvável contigo, Odair, fazendo tanta besteira no comando do time. Tu não ganhas nada e nem tentas. Só manténs o cargo. Não vou comentar a colocação do Parede aos 47 do segundo tempo, fazendo o jogo parar porque estávamos perdendo…

Em resumo, o Inter entrou em campo para enfrentar o Palmeiras no Allianz Parque com 4 volantes. Já no primeiro tempo tomou um gol. Com a bola, não tinha armação para atacar. Em um esquema que claramente daria errado, Odair tirou um dos volantes e colocou D’Alessandro. Nosso jogo era apático, horroroso. A segunda substituição foi patética: entrou  Sóbis no lugar de Nico Lopez. Derrota, claro.

Como disse o Julio Linden: “O problema também não é perder eventualmente um jogo para o Palmeiras em São Paulo. O problema é jogar cagado fora de casa e perder para Chapecoense e Vasco por jogar borrado, cagado, com espírito de time pequeno”. O nosso espírito habitual. Tu, Odair, és um medroso. Os Gre-Nais da final do Gauchão/19 foi assinatura com firma reconhecida por autenticidade.

É o que temos.

Nossa próxima partida será às 16h deste domingo (14/07) contra o Athletico Paranaense, na Arena da Baixada, em partida válida pela 10ª rodada do Brasileirão. Devemos ir com os reservas para perder mais uma fora de casa. Se o time  titular é a esculhambação que é, imaginem os reservas.

A decisão contra o Palmeiras, por sua vez, acontece na próxima quarta-feira (17/07), às 21h30.

A volta do Inter e das preocupações com o futebol

A volta do Inter e das preocupações com o futebol

Esta Copa América passou praticamente em branco para mim. Não vejo mérito nisso, estou apenas constatando que o torneio não me pegou. Só vi Uruguai x Japão e Peru x Chile na TV. Não sabia de mais nada e não sei quem são Alan e Militão… Apesar do frio, a sensação foi a de estar em janeiro, em férias do futebol.

A diretoria do Inter, depois da última partida que tivemos contra o Bahia no Beira-Rio, antes da parada a Copa América, prometeu um ou dois grandes nomes no retorno. Viriam para serem titulares… Não aconteceu nada. Ou melhor, aconteceu pouco: saiu Iago e trouxeram Natanael, jogador que estava há anos no futebol búlgaro…

E Odair conseguiu nos irritar mesmo durante as férias. Inventou de testar Patrick no lugar de D`Alessandro e isto pode ocorrer agora em nosso retorno contra o Palmeiras em São Paulo. É claro que vamos para um retrancão lá. Antevejo nove jogadores atrás da linha bola, com Guerrero sozinho no ataque.

Vai tomar um gol e colocar Dale. E Sarrafiore, reserva natural do gringo, não sairá do banco. A única boa notícia foi a lesão muscular de Pottker.

E mais um vai para a famigerada caixa de areia que enterra tantos dos nossos jogadores. Zeca também está fora. Para por 20 dias em razão de outra lesão muscular.

Os jogos do Inter depois da Copa América:

10/07 – Palmeiras x Inter
14/07 – Athletico x Inter
17/07 – Inter x Palmeiras
21/07 – Inter x Grêmio
24/07 – Nacional x Inter
28/07 – Inter x Ceará
31/07 – Inter x Nacional

Zeca vai para a caixa de areia, Odair tem areia no cérebro, parece | Foto: Ricardo Duarte / SCI

Bom dia, Odair Hellmann (com os melhores lances de Santos 0 x 0 Inter)

Bom dia, Odair Hellmann (com os melhores lances de Santos 0 x 0 Inter)

Num domingo inacreditável, onde houve cena de bolsonaristas retirando da porta de uma Universidade a faixa “Em defesa da educação”, fato que alude a tempos mais nazistas, o Inter fez um bom jogo contra o Santos na Vila Belmiro. Mas poderia ter sido melhor que o 0 x 0.

Tivemos grandes chances para vencer. O resultado foi bom, porém, com as substituições tolas no segundo tempo, Odair estragou o que preparara durante a semana. A entrada de Pottker no ataque instalou aquele elo mais fraco que faz a engrenagem quebrar.

Nonato segue jogando bem | Foto: Ricardo Duarte

Há ainda medo de ganhar fora de casa. O Inter mostra postura e emite discursos de time pequeno — parece que um empate na Vila é a melhor coisa do mundo. É bom, claro, mas time grande só comemora empate quando este serve para classificar ou ganhar um campeonato.

Para mim, ontem ficou provado que propondo o jogo fora de casa o Inter pode vencer mesmo os times grandes brasileiros.

Mas voltando ao culpado por fazer o Inter parar, Pottker não tem mais condições de jogar no Inter. Se o Corinthians quer, que seja feliz com ele. Não é um mau jogador, é que ficou marcado e não parece ter calma para dar a volta por cima. Está pisando na bola, perdendo gols e irritando. Além do mais, impede que outros jogadores apareçam. Para não falar em meninos, Sarrafiore e Dale estavam no banco.

O Inter fez um grande primeiro tempo, caiu no segundo, quando voltou a pedir para perder. Quase conseguiu.

Bruno e Emerson Santos foram bem e Nonato carimbou novamente sua titularidade.  Nico tem jogado mal, né? Parede é fraco e gostaria de ver Sarrafiore e Neílton jogando tempo mais do que ele e Pottker. O VAR anulou um gol do Inter e um pênalti marcado para o Santos. Ambos corretamente.

Agora as atenções se voltam para o jogo decisivo das oitavas de final da Copa do Brasil contra o Paysandu, quarta-feira, em Belém-PA. Na ida, vencemos no Beira-Rio por 3 x 1 e podemos perder por um gol de diferença. O jogo é quarta-feira (29), às 19h15.

Pelo Brasileiro, o Inter volta a campo no próximo domingo (2/6), às 19h, para enfrentar o Avaí no Beira-Rio. Estamos na 7ª colocação com 10 pontos em 6 jogos e um aproveitamento bem baixo (55% dos pontos).

P.S. — O Inter deveria liberar urgentemente Pottker, Wellington Silva, Tréllez, Camilo, Alvez e Danilo Fernandes. Eles têm altos salários e resultados insuficientes.

Neste fim de semana o Inter não dará fiasco

Neste fim de semana o Inter não dará fiasco

Pois o Inter entra em campo apenas segunda-feira para mostrar seu futebol de segunda categoria. Assim estamos. Uma bagunça geral. Em nosso time, quem tiver vontade bate pênalti. Pedro Lucas foi o melhor jogador que atuou na centroavância em 2019, então nem fica na reserva. Joga Tréllez, dispensadíssimo no São Paulo. Ou Pottker, de quem ainda falaremos. Odair já diz “não estar sofrendo pressão”. Tá bom. Nico López — melhor jogador do time –se consagrou e diz pra todo mundo que gosta de jogar no meio, então Odair o coloca pela direita, usando um lendário senhor de quase 38 anos no meio. Melhor seria preservá-lo, imitando que a Roma fazia com seu ídolo Totti. Parece que o técnico está refém de alguns jogadores “mais salientes” e sabemos onde isso vai parar. A mesma defesa que era um paredão agora só vaza. Sarrafiore entra aos 40 do segundo tempo para resolver o jogo — e o incrível é que o time melhora –, mas não inicia os jogos. Pottker há um ano é uma piada, só atrapalha. Faria mais se caminhasse em campo, falo sério. Fizemos 3 gols em 4 jogos… Não há nem triangulações, parece que o time não treina. O elogiado Nonato não foi visto em campo. Deve ter um mau empresário. O recém contratado lateral Bruno não parece ser do ofício. Do ofício de jogador de futebol. E Zeca? Este deve ter músculos de gelatina, sempre sentido desconforto muscular, Fica olhando o Bruno e pensando “não quero jogar”, “não quero jogar”…

Odair, iniciamos o ano muito mal. Eu e a toda a torcida colorada estamos apavorados. Libertadores? Bah, nem me fala nisso.

Ainda bem que está tudo bem. Na foto, o diretor de futebol Roberto Melo, o presidente Marcelo Medeiros e o futuro ex-técnico do Inter | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Bom dia, Odair (São José 2 x 0 Inter)

Bom dia, Odair (São José 2 x 0 Inter)

Como disse o Julio Linden, há duas certezas na 1ª fase do Gauchão: (1) o Inter jogará sob um calor de 50 graus no gramado sintético do Passo d`Areia e (2) o Gre-Nal será na Arena.

E foi sob forte calor que nós vimos mais um fiasco do teu time, Odair. Com Patrick em campo, novamente perdido, o time voltou a não ter articulação e só jogou bola quando já perdíamos por 2 x 0. Tá meio na cara que precisamos de um articulador, mas Sarrafiore só entrou quando faltavam 10 min para o jogo terminar. Mesmo sem ser brilhante, o argentino deu algum trabalho.

Neilton: este está sendo fritado em razão da má companhia na armação. | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Alias, tuas substituições ontem foram atabalhoadas e inúteis até a entrada de Sarrafiore. A torcida, que não tem razão ao atirar pedras no ônibus do clube, tem toda a razão ao protestar: teu time foi mal escalado — Lindoso e Rithely saíram jogando, enquanto Nonato e Ramon, elogiadas joias da base, ficaram chupando o dedo –, com zero de entrosamento e sem muita perspectiva, mesmo considerando que são reservas. Todos os colorados estão preocupados, pois é quase um recorde ver o clube em crise antes de entrar em fevereiro. Nem o trágico 2016 foi assim. E não começar com Sarrafiore foi patético.

Ou seja, estamos muito mal. A torcida já está puta e pedindo tua cabeça. Não digo que o time não tenha vergonha, tu é que obedeces os medalhões e nunca tira ninguém por estar em má fase. Pottker e Patrick, que estão muito mal há seis meses, que o digam. Têm lugar perpétuo. Dale também. Eu fico imaginando a motivação desses garotos que subiram: Nonato, Sarrafiore, Richard, etc. Vão precisar de auxílio psicológico para entrar em campo. No dia em que entrarem, os coitados.

Odair e Cia. precisam parar com o discurso de início de temporada, de chegada de novos jogadores etc. Isto não é uma exclusividade do Inter. Outros na mesma condição mostram um futebol organizado, sem as desculpas. Não falo de resultados, mas de organização tática e técnica. ‬Em três jogos o Inter não apresentou nada em 2019, independente das escalações.

Bom dia, Odair (São Luiz 0 x 1 Inter)

Bom dia, Odair (São Luiz 0 x 1 Inter)

Aquilo não era um time, apenas um ajuntamento de última hora, Odair. Então, é impossível falar em organização. Sim, na coletiva tu falaste em organização. Elogiaste a partida e a sincronia de movimentos dos reservas. Balela, achei (achamos) cômico. Aqui neste espaço podemos ser mais razoáveis e falar somente em individualidades. Aquilo não foi um time, foi um horror. Então, falemos dos jogadores individualmente.

Emerson Santos fez o gol e torceu o pé durante a comemoração… | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Emerson Santos e Roberto foram surpreendentemente bem. Emerson jogou até de lateral, e muito bem. Roberto fez uma bela estreia.

Neílton repetiu seus bons jogos no Vitória. Foi para cima dos adversários e sempre obteve vantagem. Na minha opinião, acabará titular.

Pedro Lucas e Rithiely fecham o grupo dos que jogaram bem.

Daniel, Klaus, Iago, Bruno José foram aceitáveis.

Sarrafiore iniciou bem e foi afundando. É um caso para ser observado, porque parece que “pode ser bom”.

Lindoso, Parede e Juan Alano foram medonhos, mas o pior mesmo foi Uendel, uma piada. Não parecia estar muito interessado em jogar futebol. Curiosamente, recém teve seu contrato expandido.

O jogo? O jogo foi chatíssimo. Uma várzea completa. Uma perda de tempo assistir. Valeu pelos 3 pontos em um campeonato que não interessa muito.

A próxima partida do Inter será na quinta (24), às 21h15, contra o Pelotas. O time que entrará em campo será o titular e, desta vez, esperamos um futebol melhor.

Bom dia, Odair (com os lances do fiasco de Botafogo 1 x 0 Inter)

Bom dia, Odair (com os lances do fiasco de Botafogo 1 x 0 Inter)

Um time que erra passes e que decide esperar o adversário fatalmente ficará preso em seu campo, sem jogar. Este foi o primeiro tempo do jogo de ontem contra o Botafogo no Engenhão (Rio de Janeiro). Para piorar, nossos poucos ataques não terminavam em chutes a gol. Tem sido assim fora de casa, Odair. Tua estratégia para estes jogos é um repetido fracasso. Olha a estatística que o Alexandre Perin publicou em seu perfil do Facebook:

Desempenho do Inter como visitante no segundo turno:

– Vitória contra o Bahia, bom desempenho
– Empate contra o Cruzeiro, bom desempenho
– Derrota contra a Chape, mau desempenho
– Empate contra o Corinthians, mau desempenho
– Derrota para o Sport, péssimo desempenho
– Empate contra o Vasco, mau desempenho
– Empate contra o Ceará, mau desempenho
– Derrota para o Botafogo, péssimo desempenho

3 derrotas, 4 empates, 1 vitória. 7 pontos em 24 possíveis.

É isso.

Junto com Zeca, Patrick foi o pior em campo no jogo de ontem | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Para piorar, é incompreensível a insistência com Patrick e Iago, sem falar no “Caso” da lateral direita, entregue a dois incompetentes, Fabiano e Zeca. A decadência da equipe tem seu lado ruim e bom. O ruim disso tudo é que podemos ficar fora do G-4 e atrás do Grêmio, o que deixaria os gremistas tirando sarro da gente por todo o período de férias. O lado bom é que sabemos previamente que não temos time para a Libertadores. Sempre achei que não tínhamos reposições, agora acho que não temos titulares. Dale, que fará 38 anos em maio, tem que ser a cereja do bolo, jamais o cara fundamental. Na verdade, no Campeonato Brasileiro, nossa boa posição na tabela advém dos jogos em casa, da pressão, de nossa torcida.

Junto com Patrick, Zeca foi o pior em campo no jogo de ontem | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Nossa luta e minhas orações de ateu são para conseguir a vaga direta. A questão é como segurar nossa queda livre. Os jogos contra Atlético-MG e Fluminense no Beira-Rio, na próxima quarta e domingo, serão fundamentais. É claro que não sou pela tua saída, Odair, só que há alterar totalmente a postura fora de casa. O time entra desmobilizado, previsível, aceitando a marcação, tímido e passivo. Ou seja, desse jeito, vamos perder todas fora de casa na Libertadores 2019.

Se fosse a atuação de Lomba, teríamos tomado uma goleada história ontem no Rio | Foto: Ricardo Duarte / SC Internacional

Lomba te salvou de uma goleada, Odair. Por três vezes ele ficou no mano a mano com atacantes do Fogão e conseguiu desarmá-los. Acho que tu já agradeceste a ele. Não? Pois faça-o já.

Bem, esqueça o título e tente ganhar as duas próximas em casa, Odair. Estamos em terceiro com Grêmio e São Paulo chagando. Temos 65 pontos, eles 62. O Grêmio tem mais saldo, é só encostar que passa. E a diretoria que trate de pensar em futebol e não somente na reeleição. É só pensar um pouco. Futebol é momento e a eleição pode ser decidida dentro de campo e não nas entrevistas de Roberto Mello, fazendo apologia da “continuidade”.

Para onde vai o Inter?

Para onde vai o Inter?

É chato ver o Inter jogar. É sempre a mesma coisa — um time lento, previsível, com dificuldades para atacar –, ingredientes que agora receberam também um mau preparo físico. O time treina pouco, sabemos. Os jovens Damião e Pottker cansam… Sem falar do velho Dale.

Sem ataque, não marcamos gols há três jogos e seguem faltando 41 pontos para não cairmos. A bagunça é deprimente. É claro que a desorganização da instituição invadiu o gramado, isso faz tempo.

Patrick, uma das raras boas contratações do clube | Foto: Ricardo Duarte
Patrick na derrota do último domingo para o Flamengo. Ele é uma das raras boas contratações do clube | Foto: Ricardo Duarte

Os dirigentes dizem que precisam vender 2 ou 3 jogadores na janela de junho, mas talvez nem isso consigam. Hoje, nossos atletas são cavalos cansados e mal alimentados. Não valem nada. Precisaremos da indignação de um Michael Kohlhaas logo após o Gre-Nal que devemos perder no próximo sábado, pois a possibilidade de Série B é real novamente.

Odair Hellmann… Este vai receber uma boa rescisão.

O Inter é um time mal pensado e concebido. A confusão dos dirigentes é clara. Eles queimam técnicos que provavelmente sejam apenas marionetes deles. Vejamos.

Desde o início de 2016 foram escalados 12 laterais direitos: Winck, Alemão, Junio, Dudu, Ruan, Fabiano, Ceará, William, Fabinho (este e os próximos improvisados), Edenilson, Danilo Silva e Gabriel Dias.

Os atacantes foram 17: Damião, Pottker, Roberson, Carlos, Cirino, Nico Lopez, Marcinho, Brenner, Brenner (outro), Sasha, Wellington Silva, Rossi, Lucca, Diego, Joanderson, Roger e Ronald.

São números razoáveis? Pode dar certo? E quanto custou toda essa gente?

Mas o principal problema é o meio de campo. Este é praticamente ignorado. Anotem o número de armadores: D’Alessandro, Juan Alano, Camilo, Richard, Valdívia e Mossoró (apenas 6). E o setor nunca funcionou. Talvez possamos colocar Patrick nesta lista, mas ele é um volante improvisado.

Tudo isso com três treinadores.

Ou seja, Marcelo Medeiros, Roberto Melo e seus homens estão perdidos. Gastam e a coisa não anda. Gastam muito. Gastam mal. O descritério reflete-se em um deficit de 62 milhões só no ano de 2017.

Não sei para onde vamos. O Inter é hoje dominado por empresários que tentam colocar seus “produtos” numa vitrine que está bem feia. Só tal fato explica a loucura nas contratações. Além dos jogadores citados, houve levas de jovens contratados para as divisões inferiores. Nem conseguiria citá-los.

E assim vamos nós. Jogando no lixo ano após ano com o Conselho — cheio de famosos alguéns que desconhecem  futebol — apenas observando.

Bom dia, Odair (com os gols feitos e perdidos de Inter 2 x 0 Cianorte)

Bom dia, Odair (com os gols feitos e perdidos de Inter 2 x 0 Cianorte)

Depende do que você chama “jogar bem”. Se criar chances e mais chances, sempre desperdiçando-as, é jogar bem, então o Inter massacrou. Porém, se as conclusões a gol entrarem no “jogar bem”, o Inter fracassou. Pois…

É incrível a dedicação, o amor, o cuidado, o esmero que o Inter tem em perder gols. Um atrás do outro, em fila. Eram 30 min do primeiro tempo e perdêramos três gols feitos, feitíssimos. O mesmo já ocorrera contra o Remo, pela mesma Copa do Brasil, no meio da semana passada. Então, o time tirou o pé do acelerador até o final do primeiro tempo. Afinal, criar inutilmente situações cansa. Cansa, começa-se a errar passes, a torcida passa e emitir sons estranhos, enerva.

Roger e a bola: uma relação difícil | Foto: Ricardo Duarte
Roger e a bola: uma relação difícil | Foto: Ricardo Duarte

É difícil até falar mal de nossa equipe. Há segurança defensiva, há armação, há Iago mandando ver na lateral esquerda, são criadas boas situações e… nada. Os dois gols perdidos por Roger, por exemplo, foram de gênero diversos ambos ridículos. No primeiro ele entrou livre, cara a cara, e se atrapalhou todo antes de chutar para fora. Depois, D`Alessandro cruzou e a coisa era ainda mais fácil — era só empurrar de cabeça para as redes a bola perfeita do gringo. Roger furou incrivelmente. Patrick também perdeu os dele, mas ao menos pareceu ter mais intimidade com esse negócio de bola.

Uma boa tentativa para a segunda etapa seria a retirada de Dudu para a entrada de Juan Alano, mas ousadia não é a tua praia, né, Odair? Mas algo mudou.

Iago é um personagem da peça Otelo, o Mouro de Veneza, escrita por William Shakespeare. É considerado um dos maiores vilões da literatura mundial e, com certeza, é o mais bem elaborado pelo dramaturgo. Na peça, Iago arma uma trama para que Otelo acredite que sua esposa o traiu, entre várias outras armadilhas. Já o Iago do Inter é a boa surpresa de 2018. Joga muito. É o melhor lateral esquerdo dos últimos anos e até acabou de fazendo um gol no início do segundo tempo, já que os atacantes não faziam.

O grande e shakespeareano lateral esquerdo do Inter | Foto: Ricardo Duarte
O grande e shakespeareano lateral esquerdo do Inter | Foto: Ricardo Duarte

Eu sou contra os jogadores ingerirem álcool no intervalo. Digo isso porque Patrick retornou bêbado para o segundo tempo, errando passes que ninguém erra quando está sóbrio.

Depois o volante Edenílson fez o segundo, comprovando a inapetência de nossos atacantes. O jogo seguiu assim até seu final. Wellington Silva entrou para também mostrar que sabe perder gols.

Com o jogo ganho, já nos descontos, mostramos rara inteligência emociona, como bem lembrou um amigo: recebemos três cartões amarelos… Sim, nos descontos.

Marcinho, que nem jogou tanto, deu o passe para os dois gols e acabou como destaque.

Agora, folga até a próxima quarta-feira, quando enfrentaremos o Cruzeiro-RS fora de casa pelo Campeonato Gaúcho.

https://youtu.be/K8UUzBVbkeI

Bom Carnaval, Odair Hellmann

Bom Carnaval, Odair Hellmann

Vi atentamente as duas últimas partidas que o Inter fez com os chamados titulares. Na semana passada, contra o Boavista, uma atuação comprometedora; na última quinta, contra o bom São José, uma partida que promete boas coisas. Qual Inter veremos em 2018?

Odair: equilíbrio instável | Foto: Ricardo Duarte
Odair: equilíbrio instável | Foto: Ricardo Duarte

É muito cedo para garantir qual será, das duas versões, a que veremos mais em 2018, mas creio que tu, Odair, encontraste um caminho para sair do maldito 4-2-3-1, esquema inadequado ao grupo de jogadores disponível. Espero nunca mais ver nem a linha de 3 e muito menos Edenílson nela, pela esquerda.

A entrada de Patrick e a colocação de Edenílson no lado onde ele não fica “torto” teve efeito extraordinário. D`Alessandro ganhou um companheiro na armação (Patrick) e pode desfilar sua categoria sem ter que ir buscar a bola junto aos zagueiros e volantes. Apesar de ser um jogador em grande forma aos 36 anos, não dá para pedir que ele corra por dois. Edenílson saiu do estado de choque de ter que atuar como meia esquerda e Pottker foi o mais efetivo do jogo, fazendo dois gols e grandes jogadas.

A linha ofensiva de 4 ficou com Pottker, Edenílson, Patrick e Dale, este com maior liberdade para passear, com Dourado atrás e Damião na frente.

Aliás, Damião está pedindo uma reavaliação. Sai sempre aplaudido após não fazer absolutamente NADA. Não creio que Roger seja o cara para substituí-lo. Preferiria mil vezes ver ali o movediço e oportunista Nico López, que perderia dois gols por jogo e faria outros tantos.

Acho, Odair, que o otimismo que vejo nos colorados é consistente, mas sabemos que foi apenas um jogo e que muitas vezes a coisa se perde em derrotas idiotas. Espero que tu regues cuidosamente esta vasinho e cuides bem de tudo para que o entrosamento possa crescer. Sim, sei que há jogos eliminatórios da Copa do Brasil que podem desestabilizar tudo nas próximas semanas, por isso é que usei a analogia de mau gosto da plantinha… Pois sei que basta um pisão e tchau.

Confiamos em ti.

P.S. — Nossa direção… Desesperada atrás de Rithely, jogador reserva de Patrick no Sport, descobriu o titular estava sem contrato e trouxe o cara que não queria. Pois Patrick é a surpresa positiva do ano. A patetice desta vez deu certo, parece.

Boa tarde, Odair (com os melhores lances de Caxias 2 x 1 Inter)

Boa tarde, Odair (com os melhores lances de Caxias 2 x 1 Inter)

Odair Hellmann pensou que estivesse livre de nossa insistente coluna dedicada aos treinadores do Inter, mas estava redondamente enganado. Este blogueiro está de férias, não viu muito de Inter 1 x 0 Veranópolis, mas viu NH 0 x 3 Inter e o jogo de ontem. Estamos bem informados.

Foto: Ricardo Duarte
2018 ainda é uma criança, mas Pottker já aponta como destaque | Foto: Ricardo Duarte

Ontem à noite, os colorados começaram a ver que a vida em 2018 não será aquele mamão com açúcar que os grandes times que vêm da segunda divisão parecem encontrar cá fora. Quando vi que Edenílson estava escalado o lugar de Camilo, tomei meu primeiro susto tático do ano. Três volantes??? Uma retranca contra o Caxias??? Só que a coisa era ainda pior: Edenílson jogou como se fosse Camilo. Ora, isso é realmente o samba do afro-descendente com problemas mentais.

Mesmo assim, fomos superiores ao Caxias. Perdemos o jogo de em função do preparo físico, que pesou muito no segundo tempo, e pelo fato de Danilo Fernandes negar-se a sair do gol. “Sou goleiro, do gol eu não saio”, não disse Danilo para nossa reportagem. Mas aposto que é assim que pensa.

Também temos um problema de formação de grupo. Odair escalou um volante no lugar de Camilo, mas há que considerar que os reservas para a posição de meia-armador são Fernandinho — um menino de 20 anos que ainda não estreou — e Juan — outro menino de 21 que está sempre no banco mas nunca entra.

Ou seja, é uma posição que é FUNDAMENTAL e para a qual estamos MUITO MAL SERVIDOS. Os titulares são Dale e Camilo. Dale fará 37 anos em abril, Camilo fará 32 em março. Não serão nunca mais atletas em seus auges físicos. Precisaríamos de mais gente pronta para a posição. Edenílson não é o cara para jogar ali.

Quando ao resto, nem vou falar da ruindade de Winck, mas falaria da ruindade de Dourado, que iniciou o ano muito, mas muito mal. (Desculpe, Dourado, mas Charles, contra o NH, jogou muito mais do que tu estás fazendo ). E Damião? Segue se esforçando muito e perdendo gols como um louco. Fundamento nenhum funciona, uma vergonha.

Na parte positiva, Pottker está mais solto e é o destaque do time. Largou a vida de auxiliar de lateral direito, passando a incomodar os adversários lá na frente. Iago também é um grata surpresa. E tem 20 anos, a mesma idade de Fernandinho e Juan…

Outro fato que nos deixa felizes é a saída de bola sem chutões. Parece um sonho ver o Inter saindo de trás, tocando a bola. Mesmo com a derrota de ontem, fiquei feliz de ver o time sem ejacular precocemente.

Nossa próxima partida será sábado, às 16h30, no Beira-Rio, contra o terrível Avenida. Estamos na 3ª colocação, que é muito melhor do que estar em 11º.

https://youtu.be/v9-JKQxpZjc