Porque hoje é sábado, Marilyn Lange

Creio que em 1975, durante inocente pesquisa bibliográfica nas revistas de meu pai,

descobri que ele tinha uma Playboy (EUA) de 1974, dedicada a Marilyn Lange.

Logo peguei a revista a fim de mostrá-la a meus colegas do

Colégio Estadual Júlio de Castilhos, que me consideraram a mais feliz das criaturas

naqueles tempos onde o acesso à pornografia era limitado.

Com efeito, Marilyn Lange tinha grandes qualidades naturais

que podiam ser identificadas ao primeiro olhar.

Eram outros tempos. Havia muitos Fuscas e Corcéis nas ruas.

Os mais ricos andavam de Maverick ou Opala, os ricaços de Landau.

Estávamos no último ano do segundo grau, eu não tinha carro e

Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Playboy é condenada a pagar R$ 40 mil a Ísis Valverde

Que amadorismo, hein, Playboy? Explico: a Justiça condenou a revista Playboy a pagar R$ 40 mil de indenização, mais juros e correção, à atriz Ísis Valverde, por publicar sem autorização uma foto onde ela aparece com os seios à mostra. A atriz entrou com a ação alegando que foi fotografada sem autorização, e que a revista usou a imagem com fins comerciais. A Playboy se defendeu afirmando que a imagem era de caráter informativo e que não havia exploração comercial. Vamos lá: um, dois, três iiii… Já! Um coro de risadas para a Playboy!

No dia de hoje, a atriz teria confidenciado a amigos:

— Ainda se tivesse aparecido nua no Porque hoje é sábado, tudo bem, mas na Playboy? Imagine se o Milton Ribeiro usaria a legenda bagaceira Isis Valverde, no Rio, dá adeusinho e deixa escapar o cartão de boas-vindas

Realmente, Ísis, tens razão. Nunca escreveríamos algo tão levinho e idiota. A propósito, leste o futuro do pretérito, né? Bem, de qualquer maneira, não tenho R$ 40 mil.

O PHES suspira por Ísis Valverde.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

A maioria dos humoristas é triste, já alguns atores…

Publicado em 7 de dezembro de 2006

A atriz Karina Bacchi, estrela deste mês da revista Playboy, surpreendeu ao mostrar um piercing no clitóris. Quando soube da existência do brinquinho, sua mãe levou um susto e pediu à filha que o mostrasse imediatamente, no que foi atendida.

A mãe, Nadia Bacchi, que é presidente da ONG Florescer, sugeriu à direção da Playboy que a peça fosse leiloada a benefício de sua organização. A revista aceitou a proposta.

– Ela fez um ensaio bem ousado, mas ficou bonito. Só espero que as pessoas não deixem de vê-la como a menina linda que é por dentro. Minha filha sonha em apresentar algo para o público infantil – comentou a mãe.

Para averiguar se a menina é mesmo linda por dentro, este blogueiro acredita que só há uma maneira: efetuando a penetração.

Karina agora dá conselhos. Diz que não dói para fazer. Diz que, aliás, dói menos que fazer um furo na orelha ou no umbigo.

— Não muda o prazer na relação. O que muda é a sexualidade feminina. Eu me senti muito mais sexy depois do piercing.

Ela não comentou sobre o leilão do objeto, nem sobre os programas infantis com que sonha.

Obs.: os negritos são responsabilidade deste, agora, mero adaptador de notícias (ou piadas) prontas.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Capa da Playboy portuguesa em homenagem a Saramago gera confusão

A Playboy Entertainment anunciou, nesta quinta-feira, que vai rescindir o contrato com a versão de Portugal por causa da edição que homenageia o livro “Evangelho segundo Jesus Cristo”, de José Saramago.

“Não vimos nem aprovamos a capa e as fotografias do número de Julho da ‘Playboy’ Portugal. Trata-se de uma violação chocante das nossas normas e não teria sido permitida a publicação, se tivéssemos conhecimento antecipado”, declarou Theresa Hennessy, vice-presidente da Playboy, ao site Gawker.

A duração da versão portuguesa da revista foi curta. O primeiro número saiu em março de 2009, com a cantora Mônica Sofia na capa.

Retirado daqui.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Brilho Eterno de um Corpo Sem Lembranças, de Vladimir Nabokov

Se em Brilho Eterno de uma Mente Sem Lembranças (Eternal Sunshine of the Spotless Mind), 2004, Jim Carrey interpreta um marido desesperado pelo fato de sua ex-esposa (Kate Winslet) tê-lo deletado da memória através de um programa maluco, em O Original de Laura Philip consegue que seu cérebro apague partes do próprio corpo enquanto vê sua Flora traí-lo sistematicamente.

Se de um lado temos o roteirista americano Charlie Kaufman e o diretor francês Michel Gondry — pessoas que talvez ainda estejam longe de uma imortalidade –, de outro há o célebre escritor russo Vladimir Nabokov, autor de obras-primas como Lolita, Fogo Pálido e, principalmente, A Verdadeira Vida de Sebastian Knight. Se o filme Brilho Eterno é maravilhoso, O Original de Laura não vale a pena. Não, não farei uma resenha do livro de Nabokov. Eu adoro Nabokov e ele não merece que eu, uma obscura pessoa de um obscuro blog, o desmereça. Nabokov mandou que, em caso de morte, O Original de Laura fosse para o fogo, pálido ou não, mas a esposa Vera não teve coragem de fazer a fogueira e o filho Dmitri igualmente o manteve até que, em 2008, 31 anos após a morte do pai, ressuscitou a ideia de publicação.

Como sói acontecer, são os vivos que julgam os mortos, já que estes têm manifestações mais discretas. Então, dou razão a Max Brod quando ele salva da destruição, para toda a humanidade, obras como O Processo e O Castelo, de seu melhor amigo Franz Kafka. Brod era um bom leitor e logo viu o que tinha nas mãos. Fez bem. Obrigado, Brod. 2666, de Roberto Bolaño, foi publicado num formato diferente e o tempo provou o acerto dos herdeiros e do editor Herralde. Solo de Clarineta, de Erico Verissimo, estava em grande parte pronto. Vale a leitura. A 10ª Sinfonia de Mahler possuía apenas o Adagio inicial, mas que adágio!!! Bach morreu durante a composição da Arte da Fuga, mas o que deixou pronto é embasbacante. Enquanto isso, O Original de Laura é um livro que apenas permite vislumbrar como Nabokov criava seus romances.

O que me deixa contrariado é o fato de que livros grandiosos de Nabokov não receberam tamanho espalhafato e luxo. Trata-se apenas de um mau presente. Nunca vi um Sebastian Knight ser lançado no Brasil em capa dura, papel de alta qualidade, fac-símiles originais com a caligrafia de Nabokov, etc. Tudo por um livro de terceira categoria — pois o que foi publicado é o conjunto das 138 fichas onde o autor escrevera quatro capítulos e anotara ideias e trechos. Seu processo de criação fazia com que escrevesse o romance em fichas separadas, o que permitia a troca de lugar entre os capítulos sem precisar redigitar tudo novamente. O que fazia era uma espécie de Crtl-X / Ctrl-V com as tais fichas, apenas reorganizando-as.

Mas então Vera morreu e Dmitri, com a saúde debilitada aos 75 anos e falto de dinheiros, resolveu publicar a coisa. A crítica está massacrando o livro. Vê nele os sinais de declínio que os últimos romances de Nabokov já demonstravam. Sim, os vivos julgam e resolvem as coisas pelos mortos, mas é bom ter um pouco de bom senso.

Para completar a desgraça, Dmitri quer publicar as fichas em série, num periódico literário, como se fosse uma novela da Globo. A respeitada revista “New Yorker” recusou-se a montar a minissérie. Depois de várias tentativas, Dmitri ofereceu-as à “Playboy” americana — que os publicará a partir de dezembro. O destino de O Original de Laura deveria ter sido o fogo mas, pasmem, será a Playboy. O público americano já viu melhores Lauras, certamente.

Laura: sacanagem post mortem com Nabô.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O caso Geisy Arruda ou O Taliban da Uniban

Eu passei boa parte da manhã de hoje lendo a respeito do caso de Geisy Vila Nova Arruda, a moça que foi enxotada, quase linchada e agora expulsa da Uniban de São Bernardo do Campo. Geisy, de 20 anos, apareceu na universidade para assistir aulas do curso de Turismo vestida com um micro vestido rosa-choque, fato que provocou a ira da estudantada, que desejava vê-la fora dali. A moça teve de se retirar sob proteção, aos gritos de “puta, puta”. Nem tudo deve ser tão simples. Os estudantes a acusam de mostrar a bunda no corredor, de provocar, de atuar como prostituta fora das salas de aula, etc. E daí?

Bem, aqui, peço licença para utilizar minha experiência… Sabe-se que há moças atraentes de baixa classe média como Geisy — e também de quaisquer classes sociais — que reforçam seus orçamentos com atividades em casas noturnas. Algumas pagam não apenas seus provocantes vestidos com tais rendimentos, mas também as caras universidades particulares. Creio que isto não seja um fenômeno exclusivamente brasileiro, creio ainda menos que os estudantes da Uniban devam ter o direito de expulsar e linchar uma colega por causa de suas roupas e creio os estudantes da Uniban não desaprovem inteiramente as casas que oferecem sexo, assim como a Playboy, a dança da garrafa, as piadas bagaceiras ou as emissoras de televisão. Porém, se ela realmente os provocava mostrando-lhes o traseiro, a universidade deveria ter agido, pois acho que mostrar o traseiro é demasiado para nossa cultura que apenas permite que o traseiro seja visto “casualmente” ou em seus contornos.

Claro, nada é simples. Geisy parece ser uma dessas mulheres que querem desesperadamente aparecer; trata-se de uma candidata natural a um BBB, lutando contra sua origem pobre com as armas que têm (as quais nem são tão letais, pelo que vi). Ou seja, a sociedade chocou-se contra a expressão paroxística daquilo que promove: a escalada social de pessoas de pouco preparadas através da beleza, a sexualização de tudo, a hiperexposição, coisas que são suportadas diariamente. A história natural de Geisy seria ou arranjar um emergente rico que gostasse de seu jeitinho ou as casas noturnas ou o BBB ou a Playboy ou a depressão por não ser bonita o suficiente para nenhuma das opções anteriores. Talvez desconfiada da última opção, estudava. Ora, tudo está no direito dela!

O que é inaceitável é a atitude da diretoria da Uniban ao expulsar a moça da universidade pelos conflitos que criou. Ora, meus caros, quem criou o conflito foi a própria diretoria ao omitir-se quando do aparecimento da estudante e das reações que sua presença provocava. Não acredito que Geisy mostrasse o traseiro se não houvesse filas para vê-la… Todos nós sabemos que o anonimato da multidão faz com que cada um de seus membros masculinos fiquem não apenas eretos, mas que sufoquem seus respectivos superegos. Ela não era uma santa e devia ir vestida daquele modo com a finalidade de produzir o efeito que efetivamente alcançava. Neste momento, quando a confusão começou, é que a diretoria da Uniban deveria ter intervindo. A universidade tornou-se uma extensão da casa noturna, o que é um evidente equívoco de Geisy, dos alunos e da universidade. Ora, os estudantes se sentiram atraídos por aquelas formas do mesmo modo que os neonazistas sentem-se atraídos pelo homossexuais. E como Geisy provavelmente ultrapassou o socialmente aceitável, como suas colegas presumivelmente se sentiram agredidas, a consequência natural foi a passagem para a violência. Culpa de quem? Ora, culpa de quem não controla minimamente seus corredores e que, agora, pensa resolver o problema com a simples expulsão.

Não, meus caros diretores! Isto não é solução. No momento em que vocês criaram a situação, vocês, uma universidade (qualquer universidade deveria estar na ponta-de-lança da tolerância e da democracia), teriam que abraçar, tratar civilizadamente e conversar com Geisy, acalmar a turba e torcer nas internas, mas bem nas internas, que ela seja logo recrutada pela Record e desapareça — fato que, garanto-lhes!, vai ocorrer. Porém a Uniban é tola, mas tão tola, que conseguiu obter foi a ira da sociedade, das feministas e das maiores vítimas da violência e intolerância sexual, os gays. Esses moços, pobres moços, não são nada espertos.

Royalties para ele.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Cortando o cabelo com o Sr. Renato

Luiz corta seu cabelo no mesmo lugar há décadas. Hoje, porém, entrou no primeiro barbeiro que encontrou e que lhe pareceu agradável: um antigo e tradicional local no centro de Porto Alegre com o incrível nome de Salão Elegante.

Mal tinha adentrado o enorme recinto — um verdadeiro salão — extremamente simples e um senhor parou a sua frente, com a mão estendida:

— Sou Renato — cumprimentou — e estou inteiramente a seu dispor.

Após apertar-lhe a mão, Renato fez uma série de salamaleques servis que Luiz achou risíveis. O barbeiro tinha por volta de 65 anos e cara de vovô bondoso. Luiz notou que a função com ele seria lenta, lentíssima, e que não adiantaria nada dizer “Estou com pressa, meu amigo”. Era uma questão de estilo. Começou a observar e a admirar seus antiquados gestos rituais. Ficou fascinado com a forma com que o Sr. Renato pegava as tesouras e testava-as no ar antes de qualquer corte. Lembrou-se de uma cena do filme de Luchino Visconti, Morte em Veneza: aquela em que Dirk Bogarde (no papel de Aschenbach) faz a barba pensando apaixonadamente no menino Tadzio. Luiz tinha relaxado na cadeira e entrara no clima do filme, tanto que o Adagietto da 5ª Sinfonia de Mahler — trilha sonora do filme — começava a ser executado em sua memória, acrescido de um interessante sono pós-prandial. Foi quando o Sr. Renato atalhou:

— O Sr. não vai deixar de ler a última Playboy, né?

Abriu os olhos e deu de cara com a grande bunda de uma mulher.

Já vira aquele latifúndio dotado de duas belas coxilhas saracoteando na TV e em fotos. Certamente fotoxopadas. Um heterossexual mais truculento diria que um anjo macho soara o alarme a fim de tirar-lhe às pressas — e de forma competente — daquele devaneio homossexual entre Aschenbach e Tadzio. Luiz até pensou em dizer ao Sr. Renato que verdadeiramente não estava com vontade de ver o traseiro de nenhuma mulher naquele momento, mas sabia, desde que se conhecia por gente, da existência de um código masculino que o obrigava a uma vulgaridade e taradice sem tréguas, sob pena de ser apontado como “aquele gay que teve nojo da mulher da capa da Playboy”. As mulheres apreciam homens sensíveis, mas colegas de sexo não podem ficar desapontados. Luiz não cometeria deslizes, não poderia voltar-se para o respeitável Sr. Renato e dizer-lhe:

— Meu amigo, estava fantasiando com um filme de Visconti que descreve a paixão de um compositor no final de sua vida por um menino belíssimo. Amo este filme e, de olhos fechados, já estava ouvindo sua trilha sonora quando o Sr. me veio com a bunda dessa gostosa. Guarde a revista!

Ou será que poderia usar esta alternativa?

— Ihhh, cansei de comer esta mulher.

Ou:

— Minha esposa está vindo aí. Deixa pra lá.

O fato é que, obedientemente, pegou a revista e começou a folheá-la, enquanto a 5ª seguia tocando mesmo fora de seu habitat.

— Tem uns artigos ótimos aí. Bons para um dia de chuva.

Arrã, então Luiz já sabia a que se dedicava o respeitável Sr. Renato em dias de chuva…

— Mas o Sr. oferece esta revista por causa dos artigos? -– perguntou Luiz.

— É claro, há as mulheres também; veja a capa, é uma bonita moça, quem não gosta? — respondeu o respeitável Renato –, mas o principal são os artigos. Eu só leio os artigos.

Claro. Luiz olhou para o chão e viu uma pilha de mais ou menos duzentas Playboys. Quantos artigos não haveria ali? Eram dignos de serem catalogados por assunto. Como o Sr. Renato faria suas consultas?

Ironicamente, um artigo lhe interessou verdadeiramente e Luiz seguiu lendo a Playboy até o fim. Ficou na dúvida entre devolvê-la ou não acompanhada de uma observação hardcore quando, rápido como um raio, ouviu o barbeiro trovejar:

– E esta aqui é a do mês passado!

Enquanto folheava a segunda revista, sorria ironicamente à imagem de Aschenbach morrendo serenamente no Lido, com o olhar posto em Tadzio. E dormiu.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!