Bom dia, Zago (com os melhores lances de Inter 4 x 1 Oeste)

Ah, como fizeram falta esses pênaltis bem batidos em 2016, Brenner!

Ah, como fizeram falta esses pênaltis bem batidos em 2016, Brenner!

E finalmente o Inter acabou mostrando alguma coisa parecida com futebol, Zago. Os 4 x 1 sobre o Oeste foram justos. O time paulista é péssimo, mas lembro que nos atrapalhamos contra o Princesa do Solimões, que é pior. Ernando foi retirado para a entrada de Leo Ortiz — a cara do pai dele, com um futebol igualmente de primeira linha, bom com a bola no pé e no desarme. (Aliás, acertou o lançamento que Paulão tenta erradamente em todos os jogos). Brenner foi fixado como titular. Foi frio e competente para marcar dois gols. Carlos fez boa partida. Apesar de os erros de passe e o posicionamento meio ingênuo seguirem, o time esteve mais organizado. O gol do Oeste foi culpa de Paulão, o que não chega a ser exatamente uma novidade. O zagueiro Cuesta foi contratado e espero que os buestas Ernando e Paulão sejam afastados para que joguem o recém chegado argentino, mais Leo Ortiz, Eduardo e outros como Neris, que nem estreou.

Uma pena que Brenner tenha sido expulso contra o Passo Fundo. Não jogará o importante jogo — importante para o Picanhão 2017, bem entendido — contra o Brasil-Pel. A presença de um competente homem de conclusão é condição fundamental para qualquer time digno deste nome. Brenner está sendo a grande e boa surpresa deste ano. Nasceu em março de 1994 e é raro que um jogador vindo do interior do estado demonstre tanta personalidade e até certa arrogância. Ainda mais tendo 22 para 23 anos. Se ele estivesse em campo no time de Argel-Celso Roth (peço perdão por citar tais nomes, Zago) a fim de bater os pênaltis contra Chepecoense e São Paulo não estaríamos na segunda divisão. Verdade, é só fazer o cálculo.

Não chego a estar animado, mas gostei da evolução demonstrada ontem. Os volantes Dourado e Charles ainda estão (muito) fora do lugar, mas o lateral esquerdo Ueldel é eficiente. Junio e Alemão são interrogações, assim como a alternância entre Carlinhos e Uendel na lateral e meio-de-campo. Gostei do fato de Carlinhos ter ficado indignado com o tabefe que Dourado tomou. Paulão riu, Carlinhos quis briga. Chega de posturas risonhas e passivas, né? Risada é só para depois de gol nosso ou escárnio de adversários. Vaza, Paulão.

(Ontem foi um dia especialmente feliz. Anderson saiu, Cuesta foi anunciado).

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Zago (com os melhores lances de Passo Fundo 2 x 2 Inter)

Com dois gols, Brenner confirma positivamente, já Valdívia...

Com dois gols, Brenner confirma positivamente, já Valdívia…

Ontem, assisti apenas os 15 minutos finais do jogo, Zago. Cheguei em casa e o Brenner estava sendo expulso junto com um jogador do Passo Fundo. Então, vi uma pequena parte de um jogo de 10 contra 10. Mas deu para observar algumas coisas.

Para meu horror, jogavam Paulão e Ernando na zaga. Ignoro como esta zaga conseguiu sobreviver ao rebaixamento. Só de ver os dois juntinhos em campo, qualquer colorado já murcha. Depois observei Seijas sofrer um pênalti claro, não marcado pelo apitador. Acontece. E… nos minutinhos finais, notei como o Inter se acadelou. E avisei minha mulher: vamos tomar um gol.

Tentando manter um resultado mínimo de 2 a 1, marcando o PF somente a partir de nossa intermediária e só fazendo isso, convidamos o PF para o nosso campo.

Ora, tal atitude anima qualquer adversário e sei — talvez tu também saibas, Zago — que nos últimos 12 meses perdemos dezenas de pontos nos minutos finais por ficar apenas se defendendo. Dezenas!

Reza a Lei de Bielsa:

O time que abdica de jogar com a bola, multiplica o número de oportunidades que o adversário terá.

E não é que o PF empatou mesmo o jogo? Como? Com uma bola alta sobre Paulão e Ernando. Depois, quando repetiram os gols do jogo, vi que o primeiro gol do Passo Fundo tinha sido marcado em outra bola alta no setor de Fraldão & Cagão, como diz o amigo Dario Bestetti.

É muito pouco amor ao cargo, Zago. São quatro jogos no Gaúcho, com três empates e uma derrota. Estamos em décimo, com a mesma pontuação do primeiro rebaixado, o 11º. Recebeste uma ruína de time, mas está hora de aparecer um novo trabalho. O teu. Podias começar trocando a zaga, Zago. Se continuares assim, já sabes o que vai te acontecer. Bom dia.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Zago (com os melhores lances de Princesa do Solimões 0 x 2 Inter)

Teus salvadores, Zago | Foto: Ricardo Duarte

Teus salvadores, Zago | Foto: Ricardo Duarte

O que foi aquele primeiro tempo contra o Princesa do Solimões, de Manacapuru (AM), ontem à noite? Com um time mal escalado por ti — escrevi no Facebook antes do jogo — , o que fizemos? Nada. O Inter não criou nenhuma chance clara de gol contra o Princesa do Solimões, sim, o Princesa do Solimões, EM TODO O PRIMEIRO TEMPO, só uns lances fortuitos causados por erros do adversário. Somos um time plano, cansativo de se ver, sem inspiração, imaginação e criatividade, somos deprimidos e infelizes.

O “atacante” Diego é um braço roubado à construção civil. Klaus estaria melhor entregando gás por nossas ruas. Conseguiu errar três saídas de bolas consecutivas. Eram passes fáceis, de futebol primário. Roberson e Andrigo nem jogaram, mas não os esqueço em razão dos traumas que me causaram. Ambos fariam uma boa equipe de entregadores de pizza.

Enquanto isso, Valdívia, Seijas e Brenner — que entrara bem contra o Brasil-Pel e que, como prêmio, foi esquecido — estavam no banco. E o zagueiro Neris nem estreou, o que me assusta terrivelmente. Será pior do que Klaus?

No segundo tempo, com Valdívia em campo no lugar de Diego, D`Alessandro ganhou alguma parceria para jogar. Coitado do Dale. Veterano, prestes a completar 36 anos, tendo que jogar por todo o ataque. Deveria ser preservado, mas desse jeito vai acabar com algum problema muscular.

E então, com um gol de Valdívia em passe de D`Alessandro, obtivemos a vitória, que foi confirmada por Brenner, outro que pede passagem para entrar no time, em novo passe do incansável Dale.

Será um longo 2017 para todos nós, colorados. A diretoria do clube parece querer contratar quase tudo o que lhe é proposto. Marcelo Cirino está chegando. Este é outro mau jogador, varrido pelo Flamengo. Pertencia ao chamado Bonde da Stella, grupo de jogadores do Mengo mais ligados à Stella Artois do que em treinar. O Globo chamou-o de “jogador nota 3”. Já o também pretendido William Pottker (um globetrotter atualmente na Ponte Preta) parece ser melhor, talvez parecido com o Brenner.

E domingo voltamos ao Gauchão contra o Passo Fundo fora de casa. Temos dois pontos em nove disputados, estamos quase na zona de rebaixamento. Que a luz do bom senso te ilumine, Zago!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Zago (com os melhores lances de Inter 1 x 1 Caxias)

D`Alessandro marca seu golaço na única boa jogada de ataque do Inter | Foto: Ricardo Duarte

D`Alessandro marca seu golaço na única boa jogada de ataque do Inter | Foto: Ricardo Duarte

Três rodadas do Costelão 2017 — dois jogos no Beira-Rio e um fora — e o Inter conquistou apenas dois pontos. Está em décimo lugar, podendo entrar a qualquer momento na zona do rebaixamento. Sim, na zona do rebaixamento do charmoso Gauchão. O próximo jogo é contra o Passo Fundo (8º), domingo (19), fora de casa. Mas, no meio da semana, dia 15, à noite, o Inter joga contra o Princesa do Solimões, time semi-profissional da cidade de Manacapuru (AM). O jogo será em Cascavel (PR) e deve ser fácil, apesar de ter o potencial de nos eliminar, já em fevereiro, de uma das mais importantes competições do país. Muito cuidado, portanto.

Tudo pode acontecer conosco, pois não estamos jogando nada. A partida de sábado contra o Caxias foi uma grande demonstração de incapacidade ofensiva, aliada a erros defensivos — um deles fatal. No primeiro tempo, demos dois chutes a gol, ambos de fora da área. D`Alessandro não pode fazer tudo sozinho, Valdívia está fora de ritmo e quando olha para o ataque, vê Roberson…

Porque tu, Zago, estás queimando de cara uma de tuas contratações. A insistência com Roberson é um absurdo. Brenner e Aylon já fizeram mais este ano e em suas carreiras. Insistir com Roberson, Paulão, Ernando, Bob e Andrigo parece ser de rigorosa inutilidade. O primeiro já é detestado pela torcida e os outros, pelo rebaixamento. Paulão e Ernando reclamam que ficaram marcados pela queda. É óbvio que ficaram! Como não?

Sei que reconstruir um time que passou um ano e meio sem treinador é complicado, mas tu estás deixando a coisa ainda mais difícil com tuas insistências bobas. E o torcedor está distante, sumido mesmo. Ninguém quer dar respaldo. Ninguém quer nem ver. Note bem, teu presidente Marcelo Medeiros venceu a eleição com 95% dos votos porque o outro candidato era o de Piffero-Carvalho. Vocês não se enganem. Vocês não têm grande apoio.

Sei que mudar o cenário de um clube com dívidas e de plantel caro e ruim não é fácil nem rápido, então Zago, pelo menos evite ao máximo os testes desnecessários. Somos apenas um timeco de merda atrás da formação menos pior.

Por que não testar já, contra o Princesa do Solimões, Dourado e Charles como volantes, Dale e Seijas na armação, com Nico López e Carlos na frente?  Não seria mais razoável? Seijas jamais teve os cinco jogos seguidos de Roberson para jogar. Ninguém sabe muito bem quem ele é.

Bem, boa sorte na quarta!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

O dia seguinte de um colorado

Desde junho, alguns poucos colorados avisaram e reavisaram, mas de nada adiantou. O Inter parece ter planejado cuidadosamente sua queda. Mandou incompreensivelmente D`Alessandro para a Argentina. Manteve Argel paralisado em uma irrepetível sequência de jogos sem vencer. Trouxe um sujeito totalmente diferente, ídolo da instituição, para 5 jogos e botou a cereja no bolo ao contratar o decadente Celso Roth sob um envelhecido e pouco criativo Fernando Carvalho. Tudo isso debaixo dos olhos do aparvalhado presidente Vitorio Piffero.

Sábado houve as eleições para presidente. Marcelo Medeiros foi eleito com 12.134 votos (94,8%) contra 666 votos (5,3%) de Pedro Affatato, que representou a gestão Vitorio Pífio no pleito. Os votos brancos foram 224 e os nulos, 960. Achei alto e significativo o número de 666. Mas ao menos foi menor que o de brancos e nulos. Livres finalmente de Pífio e Carvalho? Não sei, no Beira-Rio, eles ainda são muito amados por alguns conselheiros que não sabem nada de futebol e que só estão lá por serem figuras de destaque em nossa sociedade…

Antônio Carlos Zago deverá ser anunciado como novo técnico do Inter ainda esta semana. Não gosto dele em razão de alguns episódios de racismo, mas o fato é que não há bons nomes no mundo se não houver uma estrutura mínima para recebê-los. Provavelmente, teremos o retorno de D`Alessandro, mas não se pode jogar todas as expectativas num jogador veterano que completará 36 anos em 15 de abril de 2017. Há que montar um novo time — temos várias e bem conhecidas perebas — e uma comissão técnica que não mate nossos jogadores.

Quando falo em matar, refiro-me aos jogadores-zumbis do Inter que renascem em outros clubes. Por exemplo, Marinho, do Vitória, esteve quatro anos no Internacional — emprestado a maior parte do tempo. Não lembro de ter jogado por nós. Também houve Cleiton Xavier, do Palmeiras, que esteve seis anos no Internacional — emprestado a maior parte do tempo. Além disso, o melhor jogador do Santos é Lucas Lima, que esteve dois anos no Inter e foi emprestado. Não marcou nenhum gol aqui… Nem vou citar outros casos de jogadores, como Ricardo Goulart, que não tiveram bom ambiente ou preparo no clube e que estouraram assim que foram transferidos. É que tivemos em 2016 um caso de paroxismo de ruindade na comissão técnica.

Enquanto escrevo este texto, vejo que o Inter acaba de confirmar Zago. O mínimo que espero é uma declaração bem clara de um homem que assumirá o comando técnico de um time que tem por símbolo um saci. Não resolve, mas seria o mínimo.

antonio-carlos-zago

.oOo.

Não vou falar sobre o jogo de ontem porque não vi. Estava bem feliz num festão de aniversário de um querido amigo. Sabia que era dia dos gremistas irem para a Goethe.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Inter corria o risco de se classificar. Então, Celso Juarez Roth…

Anderson era o melhor em campo. Celso o substituiu para equilibrar a partida.

Anderson era o melhor em campo. Celso Juarez retirou-o para equilibrar a partida.

A gente aprende com o tempo. Certo, tem gente que não aprende, mas devia.

Ontem, assisti ao primeiro tempo do jogo, vendo o quanto o Atlético-MG é ruim, constrangedoramente ruim. No intervalo, nosso time reserva vencia por 2 x 1 e cabia mais. Então, anunciei a um grupo de amigos do Facebook: “Vou dormir. O Celso Juarez vai estragar tudo, vamos tomar a virada e não quero ver. Boa noite”. E fui pra cama. Não tenho TV no quarto.

Hoje vi o que ele fez. Não tomamos a virada, mas estamos desclassificados com o empate. Dei risada ao saber que ele colocara Ariel e Andrigo após o gol de empate do Galo, logo no início do segundo tempo.

O cara é um piadista. De onde ele desencavou esses jogadores que estavam fora há tantas rodadas, ignorando, por exemplo, o bom futebol do venezuelano Seijas? Tirou Anderson, o melhor em campo no primeiro tempo para colocar o “ofensivo” Andrigo! Meu deus, é de rir!

Andrigo é um ex-futuro craque que fez um bom campeonato gaúcho e que desapareceu em maio. Desde lá, deve ter jogado vinte minutos. E, no lugar de Aylon, um bom jogador que preocupava a péssima defesa do Atlético, colocou o ratão torto e sem pelo do Ariel! Completando a obra, enfiou o pobre Sasha em campo, jogador que também faz um péssimo ano.

Há algo de muito estranho no Inter. Eu e amigos colorados não entendemos esse auto-boicote que se repete a cada rodada. Deve ter interesses financeiros em jogo. É bom descobrir quem bancou Seijas e Nico López (atualmente lesionado). Foi o empresário Delcir Sonda? Ambos? É bom investigar.

Não há time que suporte tanta burrice, tantas opções equivocadas. Ontem, Celso Juarez chegou a um novo patamar de despropósito.

No final do jogo, infelizmente, houve um pênalti não marcado a favor do Inter. A velha e conhecida arbitragem caseira… O fato deve ter sido a pauta principal das entrevistas após o jogo para mascarar nossas cagadas e ainda tornar vítima Celso Juarez.,

Corríamos o risco de nos classificarmos. Aí ele vai lá e tira todo o ataque. Ainda estou pasmo.

Mas digamos que não haja interesses financeiros. Deste modo, pergunto: “Será que o medo do Grêmio fez com que Roth escolhesse a desclassificação?”. Será que Roth tem medinho de dois Gre-Nais?

Como escreveu agora o Corneta Colorada no Facebook: “Roth fez um trabalho histórico de demolição do futebol colorado hoje. E eu achava que esse tipo de recorde era imbatível da parte dele. Quanta inocência.”

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Celso Juarez Roth volta a esculachar e Inter apenas empata contra o lanterna

Se eu não fosse colorado estaria dando gargalhadas em razão da total falta de sentido das coisas que são feitas no Inter. Desde o Gre-Nal, Celso voltou a mostrar sua face Juarez escalando William, um dos melhores laterais do país, no meio-de-campo — como se ele fosse um craque como Júnior, Marinho Chagas ou Leonardo. Na nova posição, William afundou nos três jogos que fez, nossos três últimos. Empatamos dois e perdemos um.

Antes, com William e Ceará nas laterais, o time vinha crescendo. Mas Roth é Roth, é Juarez e inventor. Só interesses desconhecidos podem explicar os motivos que fazem nossa diretoria bancar este retardado, com sua notória incompetência e seus péssimos trabalhos recentes em vários clubes. Por algum motivo, o Inter de 2016 cheira a sacanagem, ou interesse. Dentro do estádio, os torcedores falam em mau caratismo no trato com Seijas, cuja não escalação ninguém compreende. A incompreensão geral faz com que as ofensas tornem-se pessoais.

O notável é que preservamos os titulares no meio da semana. Preservamos para fazer este fiasco, um 1 x 1 em que estivemos muito próximos da derrota. Pouparam um monte de jogadores contra o Atlético-MG pra empatar com o Santa Cruz no Beira-Rio, sendo que o Santa Cruz vinha de sete derrotas consecutivas.

O gol do Santa Cruz foi de um completo ridículo. Uma falta no meio-de-campo. A cobrança foi demorada, mas deixaram o lateral do SC — que estava no ataque — completamente livre. O jogador mais próximo do Inter estava a uns dez metros. Ele recebe a bola e cruza para um outro jogador que está entre cinco defensores nossos. Ninguém o incomoda. Ele cabeceia com os dois pés no chão, livre, dentro da pequena área, com uma plateia de zagueiros colorados.

Desorientados | Foto: Ricardo Duarte

Desorientados | Foto: Ricardo Duarte

Sobre quarta-feira, o Blog Vermelho acertou ao dizer que hoje o Inter é um clube que não quer ganhar, um clube que desiste de um campeonato importante na semifinal, escalando reservas para preservar seu time titular. Hoje, os “preservados” entraram desorganizados, mal escalados, e seguiram assim até o fim. Como entender? E não venham me dizer que a coisa piorou muito com a expulsão de Eduardo Henrique. Não, ela já estava péssima antes da ação destrambelhada do jogador.

Deixar Seijas, Valdívia e Anderson no banco para escalar Alex, Sasha e William — este fora de posição, repito — só pode ser explicado pelos interesses da empresa de Fernando Carvalho e de seu parceiro Juarez. Será que nossa queda pode dar lucro a alguém? Só isso explicaria a teimosia em escalar Alex, um cara que deixa o time lento. Será que vão vendê-lo para a China ou para o mundo árabe no fim do ano e precisam que ele esteja em atividade? Sei lá. E Sasha, será que vai finalmente para a Europa e precisa de vitrine?

O que sei é que quero ver Piffero e seu grupo, Carvalho e seus amigos empresários de futebol, Juarez e sua incompetência sejam varridos do Beira-Rio em 2017. É um grupo de pessoas ultrapassadas e que está cagando para a situação do clube.

Bem, empatamos com o Santa Cruz e agora a situação é a seguinte: com 38 pontos, somos o 16º lugar e o primeiro time fora do Z-4. Faltam 5 partidas, todas mais complicadas do que o Santa Cruz no Beira-Rio. Já no Z-4, o Vitória é o 17º com 36 pontos, apenas dois a menos que nós.

Jogos em casa: Ponte Preta (2), Cruzeiro (4).

Jogos fora: Palmeiras (1), Corinthians (3), Fluminense (5).

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Inter perde mas joga bem, emitindo sinais de que segundona é só para os outros

Milagre! Anderson jogou bem! | Foto: Ricardo Duarte

Milagre! Anderson jogou bem! | Foto: Ricardo Duarte

Mesmo se deixarmos de lado o fato de que jogamos com um time lotado de reservas, fizemos uma excelente partida contra o Atlético-MG. Fora o gol, tivemos sete chances claras para marcar. Mas perdemos por 2 x 1. Não gosto de dizer que um resultado foi injusto, pois não posso desconsiderar o óbvio: o resultado foi justo e adequado à categoria de Pratto e à incrível sucessão de milagres do goleiro Victor. O resultado também foi justo e adequado à ruindade de Alan Costa, transformado em mingau no primeiro gol mineiro. Se nós tivéssemos um ataque mais efetivo, transformaríamos em gols nossas inúmeras chances, correto? Mas não temos e por isso nossa vida é tão complicada.

Como perdemos em casa com o adversário fazendo dois gols, estamos praticamente eliminados da Copa do Brasil. O que talvez seja bom. Nosso campeonato é o da rabada do Brasileirão, nossa vida atual é a de tentar não cair para a 2ª divisão, local que não conhecemos, mas que deve ser uma coisa repugnante.

Nosso objetivo é o de vencer o Santa Cruz sábado para chegarmos aos 40 pontos. Então, faltarão mais 5 nos últimos 5 jogos. Se a tarefa é fácil, também é fundamental para a vida do clube.

Apesar de Celso Juarez Roth, melhoramos muito em campo. Diria que estamos jogando no mesmo nível dos times do G-6. Porém, muita coisa está errada. Ontem entramos com Fabinho na lateral e William no meio-de-campo. Espero que não estraguem o belo e raro lateral que William é, colocando-o no meio-de-campo. Alex também foi escalado, deixando Seijas na reserva. O venezuelano vai acabar saindo para ser titularíssimo em outro clube. É bom jogador. Muito melhor do que este final de Alex. Ontem, por exemplo, Alex errou tudo. Pior, é o homem que bate todas as faltas…

Surpresas são as boas atuações de Géferson. Espero que ele bote finalmente a cabeça no lugar. E Anderson também fez excelente partida.

Bem, sábado, às 18h30, jogamos contra o Santa Cruz. Isto sim é importante neste momento. O que falta? Temos 37 pontos e estes são os nossos jogos até o final.

Jogos em casa: Santa Cruz (1),  Ponte Preta (3), Cruzeiro (5).

Jogos fora: Palmeiras (2), Corinthians (4), Fluminense (6).

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom resultado para o Inter. E empates ultrapassam Grêmio na história dos Gre-Nais

O juiz e Dourado, o localista e o injustiçado | Foto: Ricardo Duarte

O juiz e Dourado, o localista e o injustiçado | Foto: Ricardo Duarte

Não reclamo. Foi um ponto conquistado fora de casa, mas poderiam ser três se o juiz Francisco Carlos do Nascimento tivesse um pouco mais de compostura e amor à verdade.

Não vi o primeiro tempo. Meu amigo Farinatti disse que nada aconteceu durante os primeiros 45 minutos. Jogo trancado e chato, a única novidade era que o Inter não estava apenas se defendendo.

No começo do segundo tempo, perdemos dois gols com Vitinho e Sasha. A sorte começava a nos sorrir quando houve as expulsões. A decisão que Francisco Carlos do Nascimento deveria ter tomado era clara: ele expulsar Kannemann e Vitinho (por atitude anti-desportiva e por terem iniciado a confusão) e Edilson (por agressão a socos). Só que ele optou por ignorar Kannemann, dar amarelo para Vitinho, e expulsar Edilson e Dourado (?). Uma piada de juiz localista.

A expulsão de Dourado — ocorrida minutos depois, ainda dentro da confusão, em óbvio desejo cessar as reclamações azuis — foi uma tremenda injustiça para quem tomou três socos bem na frente do árbitro e não reagiu.

Com um jogador a mais, haveria grandes chances de vitória nossa, mas a decisão da arbitragem retirou um de nossos principais jogadores e uma lateralzinho meia-boca do Grêmio, deixando as coisas tão chatas como provavelmente estiveram na primeira etapa.

De qualquer maneira, um bom resultado. O Infobola já nos dá apenas 19% de chances de queda. O Chance de Gol dá 14%.

Agora, a estatística dos Gre-Nais aponta 154 vitórias do Inter, 129 empates e 128 vitórias do Grêmio. É o clássico Gre-Pate. Uma disputa duríssima em que os empates ultrapassaram o Grêmio! Já a posição do Inter não deve ser ameaçada durante o resto de minha vida.

Em momento de autobullying, antes do jogo, soube que a torcida tricolor gritou a esmo “ão, ão, ão, segunda divisão”. Em resposta, gargalhadas coloradas.

 Neurose: gremista em pleno autobullying. Foto: Luiz Eduardo Robinson Achutti

Neurose: gremista em pleno autobullying. Acho horrível assistir à agonia de uma esperança | Foto: Luiz Eduardo Robinson Achutti

A principal constatação do jogo é a de que o Inter melhorou um pouquinho e já é igual ao Grêmio.

Inter x Santa Cruz, no próximo sábado às 18h30, no Beira-Rio, tornar-se um jogo-chave para nossa tranquilidade neste final de Brasileiro.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Estranhamente, com os reservas e sem sofrer muita pressão, Inter vai às semis da Copa do Brasil

Foi uma noite gaúcha na Copa do Brasil. O Grêmio fez o que tinha que fazer contra os reservas do Palmeiras e o Inter, também com seus reservas, venceu o Santos sem muitos problemas. Claro que Danilo Fernandes fez grande defesa ao final do primeiro tempo, mas não houve aquela baita pressão de fim de jogo. Nós, colorados, esperávamos a pressão do Santos, pois sempre acabamos as partidas com o cu na mão. Mas nosso time, estranhamente, desta vez não ficou só se defendendo após a vantagem inicial.

Com raríssima lucidez, Celso Roth manteve seus atacantes enquanto o Santos tentava atacar mais e mais, tirando volantes e até zagueiros. Desta forma, o Inter acabou punindo o Santos com contra-ataques rápidos. Em um deles Sasha fez o segundo gol.

Esse Ricardo Duarte tá demais | Foto: Ricardo Duarte

Esse Ricardo Duarte tá demais | Foto: Ricardo Duarte

Aylon — comemoração na foto acima — tinha feito o primeiro aos 6 minutos do primeiro tempo. Acho que o Santos vai contratá-lo. Só assim ele vai parar de fazer gols no Peixe. Adora fazer isso.

Na próxima fase da Copa do Brasil, enfrentaremos o Atlético-MG, parada duríssima para um time tão frágil como o nosso. Mas o futebol anda tão nivelado que basta jogar um pouquinho para equilibrar as coisas. O Grêmio vai fazer seu mata-mata contra o Cruzeiro.

Inter e Cruzeiro têm algo em comum, ambos precisam se preocupar antes em se livrarem da ameaça de rebaixamento no Brasileiro. Então, digamos que Atlético-MG e Grêmio sejam os favoritos para fazerem a final da Copa do Brasil.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Com enorme apoio da torcida, Inter começa a reverter tendência de queda

Pra que tirar a camisa, Vitinho? Bem, jogando desse jeito, pode tirar sim.

Pra que tirar a camisa, Vitinho? Bem, jogando desse jeito, pode tirar sim.

A torcida, a torcida, a torcida e o mitinho Vitinho levaram o Inter a uma estrondosa e inesperada vitória sobre o Flamengo. Tão estrondosa que os sites de estatística já dão ao colorado apenas 25% (Infobola) e 17% (Chance de Gol) de chances de queda, quando este número já foi de 74%. Empurrar um time com Géferson na lateral esquerda, Paulão na zaga, mais Alex e a piada Ferrareis “armando o jogo” é trabalho pra leão. Mas a gente vai lá e empurra a lixeira. O resultado é que, com grande atuação de Vitinho, bem assessorado por Valdívia e Sasha, obtivemos uma vitória que não é definitiva, mas que atrapalha demais a tarefa dos secadores.

(Minha mulher é uma violinista bielorrussa e quando ouviu-me dizer pela primeira vez que eu ter uma noite de secador — o Grêmio jogava pela Libertadores –, ficou muito espantada).

Foi um jogo espetacular. 2 x 1 de virada, com todos os gols no segundo tempo. O Flamengo foi melhor na primeira etapa e o Inter na segunda. Vitinho foi o melhor em campo, marcando o segundo gol e dando grande trabalho à defesa adversária. Melhor tentar comprá-lo no fim do ano. O cara não apenas joga como demonstra muita vontade de não participar do inédito fiasco da queda.

Nosso time é fraco, com jogadores errando passes e batendo cabeça a cada momento. Se não fôssemos colorados, daríamos risadas da enorme ruindade. Mas há a arquibancada.

Ontem, Roth escalou mal e mexeu mais ou menos bem. A saída do atacante Ferrareis, que está sendo escalado há meses sem nenhum resultado, para a entrada de Sasha, melhorou muito o time. E a entrada de Valdívia também. É claro que Roth foi chamado de burro e com razão: quem deveria ter saído era Alex e não Seijas, mas deu certo. All’s Well That Ends Well, como diz a peça de Shakespeare.

Aliás, os colorados sabem perfeitamente quem são os culpados pela situação de estarmos lutando contra o rebaixamento. Roth é sempre vaiadíssimo, Piffero e Carvalho são chamados de todos os palavrões possíveis e de Argel ninguém lembra, mas sabe que foi ele quem destruiu o Inter. Aliás, Argel treinou três times neste Brasileiro. Penso que dois deles, Vitória e Figueirense, cairão. E merecem.

Já o Inter talvez se salve e o motivo é o verdadeiro vendaval que fazemos no Beira-Rio a cada jogo. Nós na arquibancada e mais alguns poucos e bons como Vitinho, William, Dourado, Ceará, Danilo Fernandes e Valdívia. São caras que, como nós, estão realmente indignados, sem aceitar que jogarão a segunda divisão. A torcida também lembrou do episódio da briga entre William e Anderson, dando apoio ao colorado.

Agora ficou mais fácil. Mesmo com a ameba Roth e esta SWAT de opereta, não vamos cair. Precisamos de 9 pontos em 7 jogos.

Jogos em casa: Santa Cruz (2),  Ponte Preta (4), Cruzeiro (6).

Jogos fora: Grêmio (1), Palmeiras (3), Corinthians (5), Fluminense (7).

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Inter acelera em direção à Segundona

Valdívia, perdido no meio

Valdívia, perdido no meio

Ainda embasbacado com o Nobel concedido a Bob Dylan, escrevo sobre outro absurdo: o time do Inter. Acho que Roth (o incompetente Celso, não o gênio Philip, bem entendido) não sai mais. Quem sai é o Inter, que só com muita sorte não cairá para a segundona.

Tudo está pequeno no Inter. Por exemplo, ao final da partida, todos reclamavam da marcação do pênalti. Na verdade, não houve um pênalti contra o Inter, houve dois: primeiro Eduardo derruba Sassá e depois toca na bola com a mão, prendendo-a contra o chão. Isto é tão claro que me constrangeu enormemente ouvir as entrevistas pós-jogo. O negócio é se esconder sob fatos menores e repetir que jogamos bem. Nada mais falso.

Também me constrangeu ver Alex formando a linha de três pela esquerda, com toda a sua velocidade. Juarez colocou sua opção mais veloz, Valdívia, no meio, para pensar o jogo. É muita falta de noção. E Seijas, que começou todos os jogos que o Inter venceu ultimamente — conferi, todos! –, iniciou o jogo na reserva… E Paulão, sempre fora do lugar. Procurem-no no contra-ataque que resultou no pênalti. Estava passeando no ataque.

Só Danilo Fernandes, William e Vitinho salvara-se do naufrágio. Ah, por incrível que pareça, Anselmo fez boa partida. O grupo terá de ser inteiramente refeito e isto leva tempo e dinheiro. A formação de jogadores também fica complicada, pois serão recebidos por um arcabouço em ruínas.

Bem, só a sorte poderá nos salvar. Faltam 8 jogos e, sendo benigno, precisamos de 12 pontos. Precisamos que os outros se atrapalhem.

Jogos em casa: Flamengo (1), Santa Cruz (3),  Ponte Preta (5), Cruzeiro (7).

Jogos fora: Grêmio (2), Palmeiras (4), Corinthians (6), Fluminense (8).

Matematicamente, é bem possível de não cairmos, mas vendo o time em campo não dá para ter grandes ilusões. Um amigo meu disse ontem que era um alívio quando a bola saía pela lateral. Verdade. É o pior Inter que vi na vida e acompanho atentamente futebol desde o final dos anos 60.

Parabéns, Piffero, Affatato, Carvalho, Argel e Celso Juarez Roth. Espero vê-los bem longe do clube em 2017.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, colorados, vai ter que ser aos trancos e com a torcida

Vitinho e Valdívia nos observam após a partida | Foto do celular de Paulo Dixon

Vitinho e Valdívia nos observam após a partida | Foto do celular de Paulo Dixon

Passei no teste cardíaco. Apesar de tudo, sou eu quem está escrevendo agora. Agradeço ao Danilo Fernandes que nos salvou duas vezes — naquela cabeçada e no pênalti defendido aos 33 min do segundo tempo –, ao William e ao Dourado, de grandes atuações, e ao Vitinho, que sempre tira da cartola um 1 x 0 salvador. Ele teve frieza para matar o jogo no final. Jogamos mal, muito mal, mas tivemos sorte. Foi um alívio temporário. Falta bastante ainda.

Vamos ter que nos livrar da degola aos trancos mesmo. Errando passes, marcando mal., lutando muito e CONTANDO UMA TORCIDA INCRÍVEL. Como escreveu o Douglas Cecconello, “o troço mais paradoxal disso é que está muito massa de ir ao Beira-Rio ultimamente. Uma atmosfera de solidariedade: vamos carregar este lixo de time de qualquer jeito. Porque é isso ou a morte coletiva”. Exato.

 Não interessa como, o que importa é não cair | Foto: Ricardo Duarte

Não interessa como, o que importa é não cair | Foto: Ricardo Duarte

Nesta altura do Campeonato não interessa mais quais foram os erros cometidos durante os últimos dois anos. O negócio é pontuar na marra. Precisávamos de 18 pontos em 11 jogos. Com as duas sofridíssimas vitórias por 1 x 0 contra Figueirense e Coritiba, agora precisamos de 12 em 9.  E não me digam que nossa situação não melhorou. Há duas rodadas, a estatística dava 70% de chances de queda, hoje já dá 46%.

As nove partidas restantes são as seguintes. Entre parênteses, coloquei a ordem em que elas ocorrerão:

Jogos em casa: Flamengo (2), Santa Cruz (4),  Ponte Preta (6), Cruzeiro (8).

Jogos fora: Botafogo (1), Grêmio (3), Palmeiras (5), Corinthians (7), Fluminense (9).

12 pontos são 4 vitórias. Ou 3 vitórias e 3 empates. Ou 2 vitórias e 6 empates, o que seria um filme de terror e nos desfavoreceria no caso de empate em pontos, pois o primeiro critério de desempate é justamente o número de vitórias.

Ainda nesta rodada podemos ser ultrapassados por Cruzeiro e Figueirense, que jogam no fim de semana em seus estádios contra Ponte Preta e Botafogo. Mas, tudo bem, o negócio é não dar bola e focar nos nossos 45 pontos. Abaixo, coloco os times que têm mais de 10% de chances de rebaixamento. A lista é grande. São 9 clubes para as 4 indesejáveis vagas.

clipboard01

Ontem à noite, a torcida foi fundamental. Ninguém entendeu a entrada de Marquinhos, mas foda-se, ganhamos. Ninguém entendeu porque Juarez demorou tanto em mudar o time, mas foda-se, ganhamos. Nem entendemos porque o esquema não foi alterado em nenhum momento, mas… Vocês já sabem.

Para quem quiser ver o desespero de ontem, com pênalti contra nós aos 33min do segundo tempo e gol da vitória aos 40, aí está (a defesa de Danilo Fernandes no pênalti está no vídeo, mas fora de ordem, um pouco depois).

A luta continua!

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia e parabéns, Celso Juarez Roth

Juarez nos fazendo de trouxas

Juarez nos fazendo de trouxas

Depois de teu novo fiasco de ontem à noite, Celso Juarez, o Inter se encaminha inexoravelmente para a Segundona. Faltam 13 rodadas e precisamos de 18 ou 19 pontos — quase 50% dos 39 a serem disputados. Isto é quase impossível. Afinal, ganhamos 8 pontos dos últimos 51 disputados. E basta olhar para o campo. Criatividade nenhuma, um primeiro tempo sem ímpeto nem urgência, uma total indiferença da parte da maioria dos jogadores; enfim, dificilmente escaparemos. Enquanto o site Infobola já crava em 59% nossas chances de cair, olho de esguelha para os culpados pela situação, doravante chamado Grupo dos Cinco Idiotas: Vittorio Piffero, Carlos Pellegrini, Argélico Fucks, Fernando Carvalho e Celso Roth, mais auxiliares e aspones de todos eles. Espero jamais rever suas bundas sentadas em cargos diretivos, pois direção é que eles não têm.

O habitualmente equilibrado Nando Gross disparou calmamente dizendo que tu, Celso, tens que sair agora, que tu só prejudicas a equipe. Ontem, na tentativa de bater teus recordes de cegueiras futebolística, retiraste Seijas no intervalo para colocar Sasha. Acho que o grupo ficou tão surpreso com a burrice que tratou de dar logo um gol para o pobre e podre time do Vitória. Parece que desejavam decidir imediatamente o destino do jogo.

O que tínhamos de bom está sendo destruído. William não consegue mais apoiar, os volantes correm feito baratas após uma dedetização, Seijas, Nico López e Aylon são os únicos que têm alguma inteligência, mas jogam sozinhos, cada um por si. E um time que alterna Géferson e Artur na lateral esquerda é uma piada, Piffero. Sim, acabo de dar uma risada.

2017 será um ano de jogos às terças e sextas, de camisetas baratas, de jogadores querendo sair para aparecer e de torcedores fazendo piadas com os trabalhos de Sísifo do Grêmio. Também será o ano de te mandar diariamente tomar no cu, claro. A ti e ao Argel. Como dizia o Barão de Itararé, “De onde menos se espera, daí é que não sai nada”.

É hora de colocar alguém com cara que conheça futebol no teu lugar e que seja candidato a permanecer no ano que vem. E de pensar nas eleições. Não votei em Piffero nem em Fortunati ou Sartori. Fui de Dilma só no segundo turno e fora Temer. Em todo e qualquer nível, estou sendo administrado por quem detesto. Ainda bem que Sul21 dá uma equilibrada nisso. Que a luz ilumine o Conselho e que tenhamos colorados inteligentes e que gostem de futebol para que a gente volte em 2018 como um verdadeiro player, como dizem os empresários. A matemática me faz jogar a toalha. Agora é vaia.

Querem ver a coisa de ontem? Tá bom. Verão que sequer perdemos gols.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Celso Juarez Roth (ontem como Mr. Hyde)

celsoTodos vocês conhecem O Estranho Caso do Dr. Jekyll e Mr. Hyde, certo?Não? Bem, trata-se de um romance gótico do grande Roberto Louis Stevenson, com elementos de ficção científica e terror, publicado em 1886. Uma obra-prima. Na narrativa, um advogado londrino chamado Utterson investiga estranhas ocorrências relativas a seu velho amigo, o tranquilo Dr. Henry Jekyll, descobrindo que ele às vezes transformava-se no malvado assassino Edward Hyde. Tudo coisa das experiências de laboratório de Jekyll, personagem que antecipa a montanha de “cientistas loucos” que vieram depois. Só que Hyde, predador selvagem e inconsequente, vai tomando conta, vai se tornando uma necessidade, vai seduzindo Jekyll. A obra é conhecida por sua representação do fenômeno de múltiplas personalidades, quando em uma mesma pessoa existem tanto uma personalidade boa quanto uma má.

Juarez

Juarez

O mesmo acontece com o técnico do Internacional Celso Juarez Roth. Em alguns dias ele aparece como Celso, em outros como Juarez. E, meus sete leitores, garanto-lhes que Juarez é burro, destrutivo, contraditório, dança na cara da lógica, limpa a boca suja de molho de tomate na toalha de linho do mais fino restaurante, conta piadas de peido na frente de senhoras e fala alto expelindo gotas de saliva.

Mas há algo pior, pode ocorrer de Celso ser invadido por Juarez em meio ao jogo. E foi o que ocorreu ontem à tarde após as inéditas falhas de nosso goleiro Danilo Fernandes. Quando a câmara focou em Celso logo no início do segundo tempo, vimos o esgar malvado de Juarez e, sim, ele tornou impossível qualquer reação nossa. Ele queria nos foder, entendem?

Tudo para ficar assim. Celso Juarez Roth: 5 jogos 5 pontos, 33% de aproveitamento. 5% de 666.

Bem, não sou Utterson, mas vou tentar explicar a ocorrência antes de preencher a B.O.

O jogo mal tinha iniciado e já ganhávamos por 1 x 0. Gol de Valdívia em jogada ensaiada. E, bá, jogávamos bem. Era só ir pra cima e liquidar o jogo. O juiz nos sacaneou num pênalti claro sobre Nico López. Mas era só pressionar que estava fácil. Então, Danilo Fernandes resolveu ter suas primeiras falhas. Teve duas, uma no final do primeiro tempo, outra nos primeiros segundos do segundo, dando dois gols para os paranaenses, que agradeceram. Foi o momento em que vimos Celso á beira do campo. Seu rosto indicava  claramente. Ele já virara Juarez.

Imaginem que ele tirou Seijas — o melhor em campo, o único que acertava passes –, Valdívia e Eduardo Henrique para colocar Ceará, Vitinho e Anderson. Hahahahaha, como dizem no Facebook. Improvisou William Chutinho — nosso lateral que perde um gol feito por jogo há dois anos — no meio! Ora, William de armador…

E colocar Vitinho e Anderson da forma como Juarez os colocou é, na verdade, a receita ideal para acabar com eles. Juarez os deixou de fora até não poderem mais e lembrou deles justo quando o jogo estava complicado. “Vão lá e resolvam!”. Hahahahaha!

No Beira-Rio, ele coloca Alex…

A retirada de Seijas desmontou o time, impediu qualquer reação. É que, gente, Juarez erra as substituições de propósito. E time e torcida ficam nervosos, sem entender e perdendo. Agora, vemos o fantasma da Segundona crescer novamente.

Fica difícil de comentar. O time vinha bem, dominava o Atlético-PR. Aí, nosso goleiro cometeu duas falhas e o técnico derrubou o time. Comento como jogamos bem o primeiro tempo e mal o segundo ou apenas fico embasbacado pela mudança de Celso para Juarez? Pensem nisso enquanto reviso o texto.

Obs.: Esta ideia de Celso virar Juarez não é minha. Nasceu lá no Impedimento.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Celso Juarez Roth (com os gols da vitória de ontem)

celso-juarez-rothDesafiando toda a lógica — Piffero, Juarez, um time encravado de jogadores ruins em várias posições –, todo colorado estava confiante numa vitória ontem à noite. Afinal, em comparação com o que há no entorno, não somos tão péssimos a ponto de cairmos para a segunda divisão. Para completar, somos um dos poucos times que nunca caíram e há ainda tempo para recuperação — faltam 15 rodadas para o final do ForaTemer 2016. Com os três pontos de ontem, mesmo tendo ficado 14 rodadas sem vencer, tiramos o nariz para fora d`água e respiramos novamente. Mas é só o nariz mesmo. E estamos respirando somente em razão de nosso saldo de gols: risíveis -2.

Ontem à noite, tudo começou mal no Beira-Rio. O horroroso lateral-esquerdo Géferson lembrou Cerezzo na Copa de 82 e resolveu atravessar uma bola rasteira na frente de nossa área, entregando a bola para Ricardo Oliveira fazer 1 x 0 para o Santos. O torcedor reagiu bem, apoiando o time e vaiando Géferson. A partir dali, curiosamente, tudo começou a dar certo. Sejias fez um gol improvável. Anselmo recebeu cartão amarelo e seguiu batendo em tudo o que via pela frente e Lucas Lima foi expulso em razão de repetidas atitudes que julgo das mais irritantes e dignas de expulsão: cera e mais cera.

Seijas, líder do time. Hoje, o jogador mais importante do Inter

Seijas, líder do time. Hoje, o jogador mais importante do Inter

Então, Juarez retirou Anselmo por receio de expulsão, melhorando o time com Eduardo Henrique. É claro que Eduardo Henrique deveria ter iniciado a partida, mas conhecemos o lado Juarez de Celso Roth. Ele sempre escolhe o pior. Para nossa sorte, as circunstâncias fizeram-no acertar o time. (Como já tinha acontecido no caso de Nico López). Vocês pensam que nossa vida é fácil?

E ganhamos merecidamente o jogo com um gol de Aylon, cujo nome é, acreditem, Aylon Darwin. Como não amar alguém assim chamado? Lento e cuidadoso como uma tartaruga das ilhas Galápagos, Darwin foi caprichoso ao empurrar a bola com o peito para as redes do Santos.

Após o 2 x 1, poderíamos ter feito mais, perdemos várias chances claras de gol. Ao final da partida, tomamos enorme sufoco do Santos. Puro nervosismo, incapacidade de ficar com a bola. Sim, há muito por fazer, podemos retornar ao Z-4 na próxima rodada, mas estamos invertendo a tendência e isso já estava claro na quarta-feira enquanto dávamos gaitadas com os gols do Coritiba.

Aylon Darwin comemora seu golaço: a evolução colorada

Aylon Darwin comemora seu golaço: evolução colorada e origem das espécies. A macacada adorou

A próxima partida é complicada. Jogaremos contra o Atlético-PR na Arena da Baixada naquele embuste de grama sintética. O negócio é acreditar que permaneceremos no crème de la crème do futebol brasileiro, no pequeno e exclusivo grupo dos que nunca caíram: Flamengo, São Paulo, Santos, Cruzeiro e nóis. Não será fácil, mas conseguiremos. Com Aylon Darwin não tem como não evoluir.

A luta continua.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Chupa, Celso Roth

Aylon entrou assim, voando | Foto: Ricardo Duarte

Aylon entrou assim, voando | Linda foto de Ricardo Duarte

Celso Roth resolveu escalar o time da torcida e deu no que deu.

3 x 0, uma vitória após 14 jogos sem chegar ao clímax, e um começo, um feto de futebol.

Imaginem se nosso Professor Pardal não tivesse inventado William como terceiro volante contra o Sport, imaginem se Sasha tivesse ficado fora, se Ariel não tivesse entrado, se Bo(m)b não tivesse entrado para manter o resultado mínimo, se Celso Juarez Roth fosse mais Celso e menos Juarez? Digo que não empataríamos aquele jogo, venceríamos. Com jogadores mais afeitos ao toque de bola e a atacar — Nico López, Seijas e Aylon — a coisa flui, fluiu. Não mudamos de status, permanecemos na zona de rebaixamento do Brasileiro e esta posição é um escândalo para uma instituição como a do Inter, mas ontem deu para ver que podemos fugir da degola com muito esforço e um pouco de bom senso. Não precisa muito mais.

Nico López não apenas usa a cabeça para pensar, como fala com a bola | Foto: Ricardo Duarte

Nico López não apenas usa a cabeça para pensar, como fala com a bola | Foto: Ricardo Duarte

Nico López, assim como Seijas, é um jogador inteligente. Jamais pode ficar fora. Cercado e desejando manter a posse de bola, é capaz de dar um bico da intermediária adversária para Danilo Fernandes recomeçar tudo. É outra civilização. Já Sasha foi pifado por Nico e o que fez? (1) Não chutou de primeira a bola dada com afeto porque não tem o pé esquerdo. (2) Erra a conclusão com o “pé bom”. Sasha, viste como Nico chutou de direita e marcou. Já pensaste se ele tivesse que virar a bunda para o lado da Geral antes de chutar?

Após o jogo, Roth começou a falar coisas bem básicas e razoáveis como manter a posse da bola, atacantes auxiliando na marcação, rapidez, recomposição, volantes no lugar. Nossa, como faz bem uma vitória! Celso, tu nem tiraste o Aylon para colocar o Bob e segurar o resultado!!!

Celso, não deixe Juarez tomar conta do teu corpo. Mantenha dois volantes, não coloque jogadores defensivos para manter resultados diminutos, invista na posse de bola e cubra-se da glória de ter retirado o Inter daquele lugar repulsivo para onde só vão médios, pequenos e o Corinthians.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Celso Juarez (com os melhores lances da tragédia de ontem)

Seijas, meu filho, com Celso Roth ao lado, não perca tempo pedindo coisas a Deus | Foto: Ricardo Duarte

Seijas, meu filho, com Celso Roth ao lado, não adianta pedir coisas a Deus | Foto: Ricardo Duarte

Eu estou em um grupo do Whatsapp formado por pessoas muito próximas do Internacional — alguns são ou foram conselheiros do clube. Muita gente é da oposição, até porque a situação tornou-se pífia. São uns fanáticos. Veem tudo, muitos vão aos treinos, etc. Em dias de jogos criam um enorme tsunami de mensagens, meu caro Celso Juarez. Pois saiba que ontem, quando tu colocaste Fernando Bob em campo, nem precisei escrever o óbvio porque uns 20 o fizeram antes: “Roth é o chama-derrota, está convidando o Sport para nos pressionar”. Dito e feito. Em poucos minutos, o adversário empatou, tirando-nos dois preciosos pontos e deixando-nos, pela primeira vez em muitos anos, na tão mal frequentada Zona de Rebaixamento.

Reza a Lei de Bielsa:

O time que abdica de jogar com a bola, multiplica o número de bolas que o adversário terá.

Claro, se teu time, Celso Juarez, não está nunca com a bola e nem tem tal pretensão, aspirando apenas a defender-se e a dar chutões, está dando a bola e argumentos para que o adversário volte e volte e volte a atacá-lo.

Há também uma Lei de Cruyff, que diz:

Há apenas uma bola em campo, então você precisa tê-la.

Na tua entrevista coletiva após o jogo, disseste uma tolice digna de ficar nos Anais Rothianos do Rebaixamento: “Nós precisamos aprender a segurar o adversário”. Eu te respondo que a melhor forma de segurar o adversário é ficando com a bola, não abdicando dela.

Eu acho até que tu sabes dessas coisas, mas teu descontrole leva a que tu te acadeles com o rabo entre as pernas na frente do teu gol. Mas o pior é que — tendo feito 1 x 0 no primeiro tempo — já tínhamos desistido desde o início do segundo tempo. Estávamos apenas atrás do apito final. Burrice.

Sem segurar a bola na frente, tu me colocas quem em campo? Ariel… Um cara que mal sabe matar a bola. Ou seja, escalaste mal, entrando com Sasha, e colocaste um cara grande, lento e sem qualidade técnica no lugar do filho da Xuxa, quando precisávamos de alguém rápido e hábil, tipo Nico López, que ficou sentadinho no banco.

A torcida colorada não merecia, mas tu mereceste ter empatado com o fraquíssimo Sport. Na ânsia de proteger uma vitória por escore mínimo, retiraste do time qualquer possibilidade ofensiva. Como saiu o gol de empate? Ora, numa falta inútil cometida por Fernando Bob, o cara que colocaste em campo para “segurar o adversário”.

E não me diga que é fácil comentar depois do jogo. Eu te mostro meu Whats, seu inútil.

Realmente, a luz da inteligência é fugidia para os comuns mortais, como eu e tu, Juarez. Aparece raras vezes e, quando aparece, muitas vezes é ignorada por nós mesmos. Mas penso tu és um caso especial. Para ti, ela brilha tão pouco que é de impossível apreensão. Então, ignoro o motivo de teu alto salário e posição. Estamos fodidos.

.oOo.

Douglas Ceconello escreveu em 2014: “A saída é: parem de brincar de Real Madrid, DESFAÇAM a reforma e abram os portões. Ainda é tempo. De qualquer forma, tudo vai acabar em fogo, mesmo. Se a relação com o teu clube nada mais é que uma sucessão de hábitos, físicos e emocionais, está muito perto o momento em que tu serás mais torcedor estando fora do estádio do que frequentando esta nova modalidade de espetáculo com a qual os bárbaros ainda precisam se adaptar, mas que tende a durar apenas até o momento em que teu time precisar se livrar da segunda divisão na base do grito, da demência, do cigarro e, se preciso, com torcedores correndo incendiados no meio do campo.”

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Celso Juarez

Situação do Inter no Brasileiro

Situação do Inter no Brasileiro

Tu sabes que jogamos melhor, Celso, mas que a vitória escapou por entre nossos dedos nervosos. Como cola de etiqueta, o azar gruda em quem está angustiado. Como explicar aquele chute de Seijas que passa pelo goleiro, bate na perna de um zagueiro do São Paulo, sobe, dá no travessão e volta como uma conta que esquecemos de pagar? E o pênalti perdido por Valdívia aos 45 do segundo tempo? Aquilo ali é sinal claro de segunda divisão. Há que puxar sei lá de onde uma calma que não possuímos. Há que fingir.

São vinte clubes e os quatro últimos caem. Então, estarão fora do 17º ao 20º lugares.

Estamos em 15º com 23 pontos, a mesma pontuação do 16º (o ascendente Cruzeiro) e do 17º (o Vitória com um jogo a menos). Para piorar, o 18º (Figueirense), com 21 pontos. também tem um jogo a menos.

O site de estatísticas Infobola até que é legal com a gente e nos dá 49% de chances de cair. Vamos ter que acreditar nos 51%.

Imagina só, Celso Juarez, se o Ernando não tivesse marcado aquele gol, nós já estaríamos HOJE no grupo do rebaixamento.

Para dar um tempero especial à nossa desgraça, tu mantiveste o Sasha no time, retirando o coitado do Nico López, sempre teu preferido para sair. Ariel entrou bem no jogo, mas talvez Nico fosse mais útil a seu lado do que assistindo o jogo de fora. Também não gostei do fato de Valdívia ter batido o pênalti. Reprovei antes da cobrança, entende? Não estaria na hora de gente mais experiente assumir a coisa? Por que não Seijas ou Ariel?

Temos que contar com a sorte e com o trabalho. O time até tem evoluído, mas os maus resultados podem fazê-lo retornar a patamares mais baixos. Enquanto isso, um dos principais culpados por nossa desgraça, Argélico Fucks, foi demitido ontem do Figueirense. Os outros, Piffero e Pellegrini estão flanando por aí, o primeiro como presidente…

O próximo jogo é domingo, 28, às 18h30, contra o Sport (26 pontos, 12º colocado). Sugiro escalar Danilo Fernandes; William, Eduardo, Ernando e Ceará; Dourado, Eduardo Henrique, Anderson e Seijas; Valdívia e Nico López. Acho que seria o melhor para este momento em que ganhamos apenas 4 pontos dos últimos 39 disputados. Chega de Arthur, Fabinho e Bob, por favor.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Bom dia, Celso Juarez Roth

Celso Juarez Roth, brincando com a gente

Celso Juarez Roth mandando Ferrareis e Ariel para o jogo

Como torcedor eu esperava mais, mas como observador sou obrigado a dizer que o desastre contra a Chapecoense foi algo normal, apenas mais um episódio deste triste 2016. A responsabilidade geral pelo que está acontecendo com o Inter — 3 pontos conquistados dos últimos 36 disputados, aproveitamento de 8% em 12 jogos — não é tua, é do indigitado presidente Vitorio — ou Derrotório — Carlos Costi Piffero, mas ontem tu resolveste meter tua pata na lama ao escalar mal e substituir ainda pior.

Conseguiste melhorar nossa defesa, porém os times que namoram o rebaixamento são assim. Aos 45 do segundo tempo, Paulão e Lomba deram um jeito da Chape marcar seu gol para nos tirar um pontinho que pode ser precioso lá no final. Paulão não foi na bola e Lomba foi lomba abaixo. A bola passou por baixo de seu corpo saudoso de Danilo Fernandes. Nós também estamos sofrendo coma  ausência de DF.

Agora estou mais calmo. Ontem estava subindo pelas paredes por tua causa, Juarez. Antes do gol da Chape e depois de tuas alterações, já tinha previsto tudo no Face. Está lá. Com Nico López no banco, tu fizeste entrar Ariel e Ferrareis. Juro, pensei que fosse enfartar ou ter uma convulsão. E deixaste Sasha em campo, tirando Seijas e Valdívia! É de enlouquecer.

Já na tua reestreia fizeste sumir o Celso Roth para nos mostrar a face Juarez. Ferrareis tem que ser emprestado para ver se vinga, não dá para colocá-lo em campo. Não dá para vê-lo jogar. O coitado está triste e deprimido. Já Ariel é outro braço roubado à agricultura argentina. Com sua altura, deveria estar em Mendoza podando parreiras. Está na hora correta de fazer isso para podermos naufragar em vinho nos desdourados anos vindouros. Ou seja, sem mais filigranas, digo que tiraste dois jogadores de futebol para colocar duas nulidades.

Danilo Fernandes; William, Paulão (Eduardo), Ernando e Alguém; Fernando Bob, Rodrigo Dourado, Anderson e Seijas; Valdivia e Nico Lopes. Esse time é melhor do que boa parte da Série A, mas quero ver tu escalá-lo. Vai começar a nos enrolar com Sashas, Ferrareis e Ariéis e, assim, vamos para o vinagre.

Gente, o rebaixamento está anunciado. Estamos prontos para ele, a um pontinho da linha da degola e nem adianta fazer muitos cálculos. O negócio é ficar de olho nas marolinhas para descobrir se a água vai fazer mesmo a sacanagem de nos cobrir. Se morrer afogado, meus últimos pensamentos serão para Piffero e Juarez.

Me esqueçam nas próximas eleições, tá? E, domingo, devemos ampliar nosso recorde sem vitórias contra o São Paulo e a maior vaia do Beira-Rio. (Claro que espero que ganhem, mas…)

E agora vejam a coisa de ontem:

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!