Bom dia, Celso Juarez Roth (com os gols da vitória de ontem)

Bom dia, Celso Juarez Roth (com os gols da vitória de ontem)

celso-juarez-rothDesafiando toda a lógica — Piffero, Juarez, um time encravado de jogadores ruins em várias posições –, todo colorado estava confiante numa vitória ontem à noite. Afinal, em comparação com o que há no entorno, não somos tão péssimos a ponto de cairmos para a segunda divisão. Para completar, somos um dos poucos times que nunca caíram e há ainda tempo para recuperação — faltam 15 rodadas para o final do ForaTemer 2016. Com os três pontos de ontem, mesmo tendo ficado 14 rodadas sem vencer, tiramos o nariz para fora d`água e respiramos novamente. Mas é só o nariz mesmo. E estamos respirando somente em razão de nosso saldo de gols: risíveis -2.

Ontem à noite, tudo começou mal no Beira-Rio. O horroroso lateral-esquerdo Géferson lembrou Cerezzo na Copa de 82 e resolveu atravessar uma bola rasteira na frente de nossa área, entregando a bola para Ricardo Oliveira fazer 1 x 0 para o Santos. O torcedor reagiu bem, apoiando o time e vaiando Géferson. A partir dali, curiosamente, tudo começou a dar certo. Sejias fez um gol improvável. Anselmo recebeu cartão amarelo e seguiu batendo em tudo o que via pela frente e Lucas Lima foi expulso em razão de repetidas atitudes que julgo das mais irritantes e dignas de expulsão: cera e mais cera.

Seijas, líder do time. Hoje, o jogador mais importante do Inter
Seijas, líder do time. Hoje, o jogador mais importante do Inter

Então, Juarez retirou Anselmo por receio de expulsão, melhorando o time com Eduardo Henrique. É claro que Eduardo Henrique deveria ter iniciado a partida, mas conhecemos o lado Juarez de Celso Roth. Ele sempre escolhe o pior. Para nossa sorte, as circunstâncias fizeram-no acertar o time. (Como já tinha acontecido no caso de Nico López). Vocês pensam que nossa vida é fácil?

E ganhamos merecidamente o jogo com um gol de Aylon, cujo nome é, acreditem, Aylon Darwin. Como não amar alguém assim chamado? Lento e cuidadoso como uma tartaruga das ilhas Galápagos, Darwin foi caprichoso ao empurrar a bola com o peito para as redes do Santos.

Após o 2 x 1, poderíamos ter feito mais, perdemos várias chances claras de gol. Ao final da partida, tomamos enorme sufoco do Santos. Puro nervosismo, incapacidade de ficar com a bola. Sim, há muito por fazer, podemos retornar ao Z-4 na próxima rodada, mas estamos invertendo a tendência e isso já estava claro na quarta-feira enquanto dávamos gaitadas com os gols do Coritiba.

Aylon Darwin comemora seu golaço: a evolução colorada
Aylon Darwin comemora seu golaço: evolução colorada e origem das espécies. A macacada adorou

A próxima partida é complicada. Jogaremos contra o Atlético-PR na Arena da Baixada naquele embuste de grama sintética. O negócio é acreditar que permaneceremos no crème de la crème do futebol brasileiro, no pequeno e exclusivo grupo dos que nunca caíram: Flamengo, São Paulo, Santos, Cruzeiro e nóis. Não será fácil, mas conseguiremos. Com Aylon Darwin não tem como não evoluir.

A luta continua.

https://youtu.be/DNl5drBN6r0

Chupa, Celso Roth

Chupa, Celso Roth
Aylon entrou assim, voando | Foto: Ricardo Duarte
Aylon entrou assim, voando | Linda foto de Ricardo Duarte

Celso Roth resolveu escalar o time da torcida e deu no que deu.

3 x 0, uma vitória após 14 jogos sem chegar ao clímax, e um começo, um feto de futebol.

Imaginem se nosso Professor Pardal não tivesse inventado William como terceiro volante contra o Sport, imaginem se Sasha tivesse ficado fora, se Ariel não tivesse entrado, se Bo(m)b não tivesse entrado para manter o resultado mínimo, se Celso Juarez Roth fosse mais Celso e menos Juarez? Digo que não empataríamos aquele jogo, venceríamos. Com jogadores mais afeitos ao toque de bola e a atacar — Nico López, Seijas e Aylon — a coisa flui, fluiu. Não mudamos de status, permanecemos na zona de rebaixamento do Brasileiro e esta posição é um escândalo para uma instituição como a do Inter, mas ontem deu para ver que podemos fugir da degola com muito esforço e um pouco de bom senso. Não precisa muito mais.

Nico López não apenas usa a cabeça para pensar, como fala com a bola | Foto: Ricardo Duarte
Nico López não apenas usa a cabeça para pensar, como fala com a bola | Foto: Ricardo Duarte

Nico López, assim como Seijas, é um jogador inteligente. Jamais pode ficar fora. Cercado e desejando manter a posse de bola, é capaz de dar um bico da intermediária adversária para Danilo Fernandes recomeçar tudo. É outra civilização. Já Sasha foi pifado por Nico e o que fez? (1) Não chutou de primeira a bola dada com afeto porque não tem o pé esquerdo. (2) Erra a conclusão com o “pé bom”. Sasha, viste como Nico chutou de direita e marcou. Já pensaste se ele tivesse que virar a bunda para o lado da Geral antes de chutar?

Após o jogo, Roth começou a falar coisas bem básicas e razoáveis como manter a posse da bola, atacantes auxiliando na marcação, rapidez, recomposição, volantes no lugar. Nossa, como faz bem uma vitória! Celso, tu nem tiraste o Aylon para colocar o Bob e segurar o resultado!!!

Celso, não deixe Juarez tomar conta do teu corpo. Mantenha dois volantes, não coloque jogadores defensivos para manter resultados diminutos, invista na posse de bola e cubra-se da glória de ter retirado o Inter daquele lugar repulsivo para onde só vão médios, pequenos e o Corinthians.

Bom, dia, Paulo Roberto Falcão

Bom, dia, Paulo Roberto Falcão
Seijas pede um melhor time aos céus
Seijas pede um melhor time aos céus

Falcão, estava em férias e tive a sorte de não ver o jogo de ontem. Mas vi os melhores lances. É pouco e é suficiente, pois trata-se de repetições cansativas dos últimos jogos. Quando o time se anima, o sistema defensivo entrega. Ontem, Fabinho errou uma bola fácil e ofereceu o contra-ataque ao Fluminense. Com a defesa desguarnecida e ruim de nascença, gol do Flu.

Sabe, precisamos resolver a questão defensiva. Estamos muito mal lá atrás. Se fizermos mais um grupo de 11 jogos com 3 pontos conquistados em 33, seremos brindados com uma bela segundona em 2017. Culpa tua? Não, absolutamente não. A culpa vai para para o destreinador Argélico Fucks e para seus avalistas, Vitorio Piffero e Carlos Pellegrini. O time está péssimo e tem sérios problemas de formação. Não temos lateral esquerdo, não reserva para o outro lado e os volantes são deficientes, para começar…

Então, Falcão, pense em três zagueiros. Pense em algo como Paulão, Ernando e Eduardo contra a Chapecoense, com dois volantes, sendo um deles Anderson, pois ao menos ele não erra em bola (e tem melhor passe). Chega de ser surpreendido por contra-ataques. É o momento de sermos pragmáticos. Nosso objetivo deve ser apenas um: evitar a degola. Não somos o Grêmio.

No mais, vamos seguir fingindo que não estamos em pânico.