Porque hoje é sábado, a arte da dança com Aleska Diamond

Os princípios básicos do balé clássico são:

postura ereta,

uso do en dehors (o que será isso, meu deus?),

movimentos circulares dos membros superiores,

verticalidade corporal,

disciplina,

leveza,

harmonia e

simetria.

Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

A última resistência cai e a mulher vai tomando definitivamente a batuta

A nomeação de uma regente titular para a orquestra de Birmingham é sinal inequívoco de novos rumos.

No Dia Internacional da Mulher,
Para todas as mulheres que trabalham em orquestras medievais.

Mirga Grazinyte-Tyla

A regente lituana Mirga Grazinyte-Tyla

O último bastião sexista da música erudita está indo ao chão. A City of Birmingham Symphony Orchestra, mais conhecida como CBSO, uma das mais respeitadas do planeta, anunciou no início de fevereiro que seu maestro titular será uma maestrina: a lituana Mirga Grazinyte-Tyla (Vilnius, 1986). Seus dois antecessores no cargo foram gigantes: Simon Rattle e Andris Nelsons. Rattle de saiu de Birmingham em 2002 para o cobiçado posto na Filarmônica de Berlim e Nelsons recentemente foi para a Sinfônica de Boston e a Gewandhaus Leipzig.

Grazinyte-Tyla é, de certa forma, ligada a outro craque da regência, o venezuelano Gustavo Dudamel. Ela foi assistente dele Dudamel na Filarmônica de Los Angeles a partir de 2012. Dois anos depois, ela começou a dirigir seus próprios concertos matinais no Walt Disney Hall. E logo surgiu na cidade californiana o que um crítico do Los Angeles Times denominou de “Mirgamanía”. Adjetivos como “naturalidade”, “dinâmico” e “forte” costumam acompanhá-la. Trata-se de uma excelente maestrina, e esta é sua outra conexão com Dudamel.

A maestrina lituana Mirga Grazinyte-Tyla

Mirga mandando ver.

Tais fatos vão mexendo as peças do jogo. Grazinyte-Tyla não faz o estilo fora de moda do gerentão irritado. Carrega com leveza aquilo que Elias Canetti chamou de “a expressão mais óbvia de poder”. Dona de grande carisma, ela constrói um modelo diferente com base na cumplicidade e empatia com os músicos: “Reger é algo que fica entre a inspiração e a comunicação. Com os músicos, busco encontrar uma forma de soar e de interpretar. A sensação de compartilhamento deste milagre é fundamental”, disse em uma entrevista para o site da CBSO.

A escolha do Grazinyte-Tyla para o chefia da CBSO não é um fenômeno isolado. É parte de uma tendência que está se consolidando.

Clipboard01

Naturalidade

O feminino no pódio é um movimento ascendente. Para a mexicana-norte-americana Alondra de la Parra (Nova York, 1980), a chave reside na naturalidade do gestual: “Sou pianista e violoncelista, é claro que isto foi fundamental na minha formação, mas há que considerar como as mulheres são. Nós crescemos cantando, dançando e expressando-nos corporalmente”. De la Parra tem impressionado na Orquestra de Paris e na Filarmônica de Londres, o que lhe rendeu uma recente nomeação como chefe de uma das principais orquestras australianas. Já Karina Canellakis (Nova York, 1982) é uma violinista que trocou o arco pela batuta e trabalha em Dallas Symphony como assistente. Ela estreou na Europa em junho passado, substituindo Nikolaus Harnoncourt, já adoentado, na direção da Orquestra de Câmara da Europa. Outro caso de instrumentista transformada em maestrina é o da coreana Han-Na Chang (Suwon, 1982).

alondra-rio-de-j-53

“Se um chefe de orquestra sabe o que quer, se tem conhecimento técnico de cada instrumento, se tem uma visão clara, a orquestra o segue sem se importar se é homem ou mulher”. É o que diz a única mulher a ganhar o Prêmio Alemão de Maestros, a estoniana Kristiina Poska (Turi, 1978), atualmente trabalhando na Komische Oper Berlin: “As diferenças entre os diretores de orquestra vêm mais da personalidade e caráter do que sexo”.

As pioneiras

Houve muitos obstáculos para as mulheres que se tornarem regentes. A geração anterior sabe muito bem disso. A australiana Simone Young (1961) ou as norte-americana Marin Alsop (1956) e Anne Manson (1961), abriram brechas nas salas de concerto, auxiliadas por seus mestres Daniel Barenboim, Leonard Bernstein e Claudio Abbado. Mas usavam um figurino artificial, masculinizado. Foi ainda mais difícil para as pioneiras no passado, que enfrentaram condições ideológicas e culturais totalmente hostis, vindas de músicos, críticos, agentes ou público como Ethel Leginska e Antonia Brico, que atuaram no pódio das Filarmônicas de Nova Iorque e Berlim em 1925 e 1930. A célebre Nadia Boulanger — formadora de toda uma geração de músicos notáveis — evitou a batuta. Outras tiveram uma carreiras confinadas no poço de um teatro para não serem visíveis ou ficaram em seus instrumentos sem poderem orientar uma orquestra.

Antonia Brico

Antonia Brico

Mas a melhor notícia sobre uma mulher conduzindo orquestras será quando… Isto não for mais notícia.

.oOo.

O movimento é ascendente mesmo, tanto que já tenho três maestrinas em minha timeline do Facebook: Alessandra Arrieche, Ligia Amadio e Valentina Peleggi.

.oOo.

Tradução livre (e certamente traidora) deste blogueiro a partir do El Pais espanhol. Sugestão de Helen Osório.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

“Seja bem-vindo entre nós”, dizem as três principais orquestras de Berlim aos refugiados

A Filarmônica de Berlim, a Konzerthausorchester Berlin e a Staatskapelle Berlin convidaram os refugiados, suas famílias e voluntários para um concerto na Philharmonie de Berlim, a casa da primeira. O concerto foi ontem à noite, 1º de março. Nele, as três orquestras com seus titulares Simon Rattle, Daniel Barenboim e Iván Fischer desejaram as boas-vindas às pessoas que foram obrigadas a fugir de suas casas e ao mesmo tempo agradeceram aos voluntários por seu trabalho.

Daniel Barenboim, Iván Fischer e Sir Simon Rattle assinam: “Como músicos, nos sentimos bem-vindos em todo o mundo. Esperamos que isso também se aplique a pessoas que são cruelmente atingidas pelo destino e que são forçadas pela guerra, fome ou perseguição, a deixarem suas casas. Com o nosso concerto conjunto, queremos desejar dar boas-vindas às famílias de refugiados e expressar nosso agradecimento e apreço aos voluntários”.

Bonito.

1marzDCH3

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Kirill Petrenko é o novo maestro titular da Filarmônica de Berlim

Kirill Petrenko foi eleito ontem, por uma larga maioria de votos, o novo maestro titular e diretor artístico da Orquestra Filarmônica de Berlim. Ele sucederá a Simon Rattle em 2018. Ele confirmou a sua aceitação na noite passada.

Petrenko, de 43 anos e nascido em Omsk na Rússia. terá que se demitir de seu cargo como diretor musical da Ópera da Baviera  — embora alguns meios de comunicação alemães sugiram que ele possa manter os dois postos por algum tempo.

Ele é o primeiro regente de origem russa e o primeiro judeu a dirigir, no posto de maestro titular, a orquestra de Berlim.

As especulações em torno do nome do sucessor de Rattle se tornaram o principal assunto do meio musical mundial há meses. Seis semanas atrás, uma reunião de 11 horas dos 124 membros da orquestra resultou sem a fumaça branca.

Nesta segunda, a Filarmônica de Berlim fez o anúncio em uma coletiva de imprensa convocada às pressas, logo após a escolha de Petrenko ter sido vazada para a estação de rádio estatal “Berlin RBB”.

Fundada em 1882, a Filarmônica atraiu alguns dos mais famosos regentes do mundo. Wilhelm Furtwaengler a liderou entre 1922 e 1934 e, posteriormente, de 1952 até sua morte, em 1954. Ele foi substituído por Herbert von Karajan, que seguiu no comando até 1989. Desde então, a orquestra alemã teve apenas mais dois titulares: Claudio Abbado e Simon Rattle.a

Rattle, que está no comando da Filarmônica de Berlim desde 2002, deve assumir a Orquestra Sinfônica de Londres a partir de 2017. Seu contrato em Berlim vai até 2018, logo, é possível que Rattle acumule as duas funções por alguns meses.

Kirill Petrenko

Kirill Petrenko

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Daniel Barenboim escreve para Simon Rattle no dia de seus 60 anos

Simon Rattle e Daniel Barenboim | Foto: Flickr

Simon Rattle e Daniel Barenboim | Foto: Flickr

Trecho do texto escrito e publicado hoje por Daniel Barenboim para Simon Rattle. Como no caso de toda a grande amizade, eles não precisam de frequência.

Ele é um amigo. Às vezes, não nos vemos por meses. Então nos encontramos e parece que nos vimos ontem. É uma amizade que prescinde de frequência. Hoje, segunda-feira, Simon Rattle completa 60 anos. Quando ele fez 50, eu lhe liguei para dar os parabéns. Sou 12 anos mais velho do que ele e brinquei na época: Simon, aproveita os 50, eu posso te dizer uma coisa, 50 é melhor do que 60. Desta vez, eu vou dizer a ele: aprecie os 60, mas 70 é ainda melhor.

Eu vi Simon Rattle pela primeira vez quando ele tinha 19 anos, tocando tímpano na Orquestra Nacional Orquestra Juvenil da Inglaterra. Era um Stravinsky, “Sagração da Primavera”, sob a direção de Pierre Boulez. Mas não falamos. Fomos conversar em 1978 em Orange. Eu estava dirigindo uma ópera de Saint-Saens, “Samson et Dalila”, com Placido Domingo. Aquele foi o começo. Quando nos encontramos agora, temos muito o que falar. Falamos de Berlim, sobre a Inglaterra, sobre o Oriente Médio. Simon sempre foi muito interessado na Orquestra Diwan Oeste-Leste. É claro que falamos de música, mas às vezes falamos apenas de comida.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Porque hoje é sábado, porque estou fascinado por cabelos… (*)

Os maestros adoram cabelos espetaculares. Mesmo os mais dotados de talento…

bernstein

… acham que ele influencia o desempenho, senão iriam mais ao cabeleireiro.

dudamel hair

Bem… Esses aí — Bernstein, Dudamel e Rattle — devem viver nos institutos.

Simon Rattle

Já outros, como Levine, gostam da coisa mais selvagem.

James Levine

Obviamente, Karajan tinha uma tricofilia altamente dramática, um saco.

herbertvonkarajan

Ozawa era e é impetuoso até hoje.

ozawa hair

Stéphane Denève faz o gênero loirinho fófis.

Deneve_Stephane

Alondra de la Parra é aguardada em Porto Alegre.

Female-Conductor-Hair1

Em Porto Alegre, dizia eu.

alondra de la parra

Arman faz o gênero careca cabeludo.

Nurhan Arman

André Rieu faz crossover competente e ainda toca, coisa que nem todos.

andre-rieu12

Riccardo Muti é sósia de meu amigo Ricardo Branco.

Ïðåçèäåíò ÐÔ Âëàäèìèð Ïóòèí ñ ñóïðóãîé Ëþäìèëîé ïðèñóòñòâîâàë íà êîíöåðòå îðêåñòðà ìèëàíñêîãî òåàòðà "Ëà Ñêàëà"

Frank Zappa não era bem maestro, mas entra na lista pela beleza.

zappa

O cara aí embaixo só vem confirmar a tese.

beethoven-hair

Mas alguns consideram-se vencedores só com uma barbicha.

Jaap van Zweden and the Dallas Symphony Orcherstra in the Amste

Alondra… Vem pra Porto Alegre, querida!

ALONDRA DE LA PARRA2

(*) Depois explico, tá?

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Três coisas que não têm nada a ver uma com a outra

Renasceu. Abbado e músicos de Bologna | Foto:  Raffaello Raimondi

Renascido: Abbado e músicos de Bologna | Foto: Raffaello Raimondi

A Filarmônica de Berlim é atualmente um túmulo de maestros. Claudio Abbado, 80, depois que saiu de lá, tornou-se leve e criativo, deixando de lado o ser apocalíptico (e doente) da época berlinense. Criou a Orchestra Mozart em Bologna, onde nos brinda com luz, leveza e ousadia. Ouçam as gravações das sinfonias de Mozart para conferir. Já Simon Rattle, que era um monstro em Birmingham e foi para Berlim, lá tornou-se um regente crepuscular e rotineiro. O que fez? Ora, pediu demissão. Como o contrato é longo, retira-se em 2016, salvo engano. O próximo a adentrar a caixa mortuária de Berlim deverá ser Christian Thielemann. R.I.P. e depois saia correndo, Christian.

Na verdade, o que engessa a orquestra é o compromisso com um passado conservador, já enterrado. Se não mudar, ver a Berliner vai tornar-se mera atração turística.

.oOo.

De Danielle Magno no Facebook:

Me deixa triste ver feministas pedindo censura à pornografia, dizendo que é objeto de submissão feminina e direito do homem sobre o corpo da mulher. Acho nada disso, que sociedade chata que regula nudez e sexo sob paradigmas tão autoritários.

.oOo.

Continuar lendo

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Que orquestra! Fico taquicárdico.

São fragmentos, mas que fragmentos! Abaixo, a Orquestra Filarmônica de Berlim, regida por Pierre Boulez, dá um show no Finale da Música para Cordas, Percussão e Celesta de Béla Bartók.

E aqui, com Hélène Grimaud ao piano e sob a regência de Tugan Sokhiev, no Concerto para Piano e Orquestra em Sol Maior de Maurice Ravel:

Aqui, com o regente titular Simon Rattle, parte do Finale da Sinfonia Nº 1 de Brahms (notem sua felicidade ao reger uma das melodias mas belas jamais compostas e que foi utilizada no Fausto de Mann):

Novamente com Rattle na Sinfonia Nº 10 de Shostakovich:

E com Gustavo Dudamel na Sinfonia Nº 5 de Prokofiev:

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!

Gustav Mahler – Sinfonia Nº 2 "Ressurreição" – 3º Movimento: Scherzo

Antes de assumir a Filarmônica de Berlim, Simon Rattle permaneceu 18 anos regendo a lendária CBSO (City of Birmingham Symphony Orchestra). Abaixo, um argumento de Rattle para assumir Berlim: em dois filmes, o Scherzo da Ressurreição, uma das mais belas músicas há inventadas pelo homem.

(ou aqui) e

ou aqui.

Gostou deste texto? Então ajude a divulgar!