Sobre o massacre dos palestinos: negando o discurso único da imprensa

O rabino Dovid Weiss explica bem a questão, mas há que limpar as frases de que o sionismo seria um movimento ateu… Não, é um movimento violento e fundamentalista, mas vale a pena assistir discurso do moço, bem melhor do que o de nossa grande imprensa e de alguns judeus burros. Infelizmente, a maioria.

A tal visita ao túmulo do sionista…

Lula fez muito bem ao não visitar o túmulo do fundador do movimento sionista Theodor Herzl. Em primeiro lugar porque a visita não estava prevista em sua agenda em Israel e depois porque é absurda e suspeita a súbita insistência para que Lula fizesse a visita, tirasse fotos e, afinal, demonstrasse com ela algum comprometimento para com a política de Israel.

Vejam o desplante: a responsável pela América Latina no Ministério de Relações Exteriores de Israel, Dorit Shavit, envidou “todos os esforços” para convencer o presidente Lula de que não haveria intenções ocultas por trás do pedido de visita ao túmulo de Herzl, cujos 150 anos de nascimento está sendo celebrado neste ano. A resposta da comitiva brasileira é a de que também não haveria intenções ocultas por parte do presidente Lula em não ir ao túmulo.

O resultado é que Israel considerou a negativa de Lula em fazer uma visita não prevista — isto é, sua negativa em não cair na malandragem israelense — um grave insulto. Em protesto, o descontrolado ministro de Assuntos Exteriores de Israel, Avigdor Lieberman, não compareceu ontem à sessão especial do Parlamento israelense na qual Lula discursou. Não creio que um chefe de Estado deva ser forçado a visitar o túmulo e que o Brasil tenha obrigação de mudar uma agenda em função de pressões.

A imprensa brasileira certamente não escreverá que Lula, depois de Cuba, visita outro país com presos políticos. Pior: visita agora um país que mantém palestinos em Apartheid imensos campos de concentrações, cercados por muros de ferro recentemente construídos.

Fico indignado com tudo isso, porém feliz por ter vários amigos judeus que compreendem minhas posições. No final de 2008, ficamos todos muito surpresos ao ver uma conhecida escritora gaúcha, de origem judaica, ser execrada por seus patrícios ao posicionar-se a favor da criação do Estado Palestino, contra os ataques à Gaza, admitindo ser a Faixa de Gaza um campo de concentração. Foi chamada de vadia, puta, vaca, etc. Como eu sempre digo, as ofensas dizem mais do agressor do que do ofendido. Então não pensem que eu, um provável cristão-novo, odeie judeus ou algo perto disso. Não, meus amigos, sou contra qualquer campo de concentração e tenho imensas dificuldades em relação ao vocábulo “sionista”.